“Quem não sabia que quando eles começassem a patinar no campeonato a juizada iria entrar em ação para ajudar ?  Essa bola estava sendo cantada faz tempo.” – Confucio

Lembra do Jô, aquele mesmo, que elogiou o jogador do SPFW por ter tido fair play num clássico contra o ‘Lava-jato’, e depois pegou carona nisso para se promover? Sim, esse mesmo, o ‘poço de honestidade’, “rei do fair play”, “defensor do jogo limpo”, o ditador de regras sobre comportamento dos jogadores. O mesmo que, arrotando virtudes e, transpirando uma moralidade que não possui, criticou jogadores do Palmeiras por induzirem o árbitro ao erro? O que pediu honestidade aos jogadores do Palmeiras e de outros times?

…………………………

………………………… O

…………………………

…………………………

…………………………

Então… esse jogador ‘corretíssimo’, “poço de honestidade”, “arauto da moralização no futebol”, que quer mudança no esporte, mudança que, segundo ele, tem que vir do comportamento dos jogadores… esse indivíduo, que diz que “tem que prevalecer a honestidade”, porque “árbitros irão errar menos quando jogadores forem mais honestos“, que  diz que jogadores servem de exemplo para as crianças… que só falta dar palestra sobre o assunto… esse mesmo sujeito, que pegou carona – para se promover – na atitude honesta de Rodrigo Caio  (se tinha alguém, que poderia falar em honestidade era o Rodrigo Caio) não é capaz de ter a honestidade que cobra dos outros quando é a vez dele ser honesto… Que coisa, não?

…………………………

 

O poço de “honestidade” cava pênaltis, ou seja, induz o árbitro ao erro… faz gol impedido… e nada da tal honestidade da qual tanto fala…  Para o Jô, ao que parece, jogo limpo é uma beleza, mas só para jogadores e times adversários.

…………………………

E, na rodada desse domingo, o Jô teve mais uma oportunidade de provar que “a honestidade deve prevalecer”,  que “é errado induzir o árbitro ao erro”… teve mais uma oportunidade de mostrar que “o futebol precisa de mudanças, e que elas precisam vir através do comportamento dos jogadores”… teve uma grande oportunidade de ser um bom exemplo para as crianças…

……….

E o que ele fez? Mostrou o seu lado B para o Brasil todo, mostrou que ele a tal da Dona Honestidade nem se conhecem, que fair-play  bom é só o dos adversários, que jogo limpo só é legal quando ele se favorece com isso, e que ter culhão pra dizer a verdade é coisa de homens e não para moleques… Na hora de ter que admitir que faz o que critica nos outros, ele, hipócrita até não querer mais,  põe Deus e os filhos no meio, mas continua faltando com a verdade, com a tal honestidade…

Fez um gol com o braço, e o juiz validou. Um gol com o braço do jogador e com a mãozinha do juiz…

E o jogador jura que “não sabe se foi com o braço”, diz que “não sentiu”… Mente mais, Jô, porque tá pouco.

Eu só condeno o Jô pela hipocrisia, por tentar parecer mais ético e mais honesto do que os demais, mesmo sendo muuuito menos. Os jogadores sempre tentam fazer os gols do jeito que dá e  cabe à arbitragem assinalar as infrações, ela está lá pra isso, e o árbitro conta com a ajuda de vários auxiliares.  Mas acontece que os árbitros raramente marcam contra o time do Jô (isso é de praxe), e ele sabe muito bem disso (o auxiliar de linha de fundo, podemos ver na imagem, está ali, pertinho, olhando o lance. Mas, quando pressionado pelos vascaínos, disse que não viu nada. Então… Muito difícil acreditar que ele não tenha visto, e por que, vendo, ele diria que não viu? (Será que vai ter punição do STJD para o jogador? E onde estão as punições para o auxiliar “ceguinho” e para o árbitro? Quando interessa aos piratas dos bastidores, a punição sai no mesmo dia. As arbitragens andam servindo a outros interesses).

E pra acentuar a vergonha de posar de honestão e não ser nada disso,  vieram as declarações pós jogo do Jô…

“Só Deus pode julgar”… Oi??

“Se o juiz deu o gol, não foi de mão”. Maoeeee! Nessa, ele se afundou… Sendo assim, usando a mesma régua torta do Jô… se no derby o juiz tinha expulsado o Gabriel, então não foi outro que fez a falta. Não é mesmo?

“Se eu tocar o braço na bola, vou dizer para o juiz que toquei, porque tenho que dar exemplo para os meus filhos”

Para o mundo, que eu quero descer! É esse o sujeito que clama por  honestidade e jogo limpo?  Foi por causa das declarações desse sujeito contra adversários que esses mesmos adversários foram tão questionados a respeito de caráter?

Que vergonha esse Jô… tão crescidinho e ainda não aprendeu a ser grande, a ser homem.

Pelo visto, apareceu a segunda “alma viva mais honesta deste mundo”. Ela só perde para aquela outra, “a mais honesta de todas” que, por “coincidência”, é da família ‘lava-jato’ também.

Palmeiras ia enfrentar o Galo, em MG, defendendo a sua permanência no G4… Jogo na TV, e eu teria que assistir online… ó céus!

Mayke estava de volta à lateral (ainda bem), mas, ao invés de sentar Jean, Cuca achou um lugar pra ele no meio e deixou Thiago Santos no banco.

O Palmeiras começou bem na partida, parecendo bem mais esperto em relação à marcação – um dos nossos grandes problemas nesses últimos meses – deixando menos espaços. E tínhamos só três minutos de jogo, quando, num ataque do Palmeiras, Luan cometeu um pênalti muito escandaloso. De braço aberto e esticado ao lado do corpo, interceptou com esse mesmo braço um chute de Willian. Leandro Vuaden, figurinha carimbada em prejudicar o Alviverde, e com uma cara de pau tamanho EXG, nada marcou.

………………..

………………………………….

Não dá para imaginar que árbitro, bandeira e auxiliar de linha de fundo nada tivessem visto, não é mesmo? É impressionante o poder (ou seria o encargo?) que alguns árbitros têm para apitarem e “desapitarem” do jeito que bem entenderem, até mesmo deixando as regras de lado.

Uns minutinhos depois, meu link resolveu travar a imagem e só pude ouvir que o mesmo Luan mandou uma bola em nossa trave…

Começo de jogo disputado, mas, ao contrário das nossas expectativas dos primeiros minutinhos, o Galo se acertou e foi chegando na nossa área, começou a nos pressionar, a ter chances… e fazia jogadas sempre tentando achar Fred… e ora Fred tentava o chute, ora o genérico (Valdivia só tem um) chutava…

Se por um lado isso era ruim pra gente, e corríamos o risco de tomar gol, por outro, podíamos ver que a defesa estava se saindo bem, e que Dracena ia se sobressaindo na partida.

Eu não vi, mas ouvi, quando Egídio cometeu pênalti e o juiz assinalou… Fred iria para a cobrança. “Ai, meu São Prass dos Pênaltis Defendidos” – sempre tenho esperança de defesa de pênaltis quando ele está no gol…

E não deu outra. Como se fosse um gato, Prass defendeu, Prass encaixou – ele, abusado,  apontou o canto em que  queria que Fred batesse (e Fred bateu lá mesmo). E pensar que o Palmeiras enrola pra renovar com ele (e pensar que ele não estava em campo nas cobranças de pênaltis naquele Palmeiras x Barcelona-Guayaquil)…

Depois que vi e revi as imagens direitinho, até fiquei em dúvida em relação ao pênalti. Pra mim, pareceu que Egídio já estava com o pé esquerdo apoiado à frente e ficou com ele lá, e só depois apareceu o jogador do Galo e a queda aconteceu.  No entanto, na hora, muita gente, muitos palmeirenses também, acharam a mesma coisa:  pênalti. Ainda bem que o Prass pegou e não deixou o Galo abrir o placar.

Graças ao link “maravilhoso” eu mais ouvia do que via o jogo e, às vezes, nem ouvia. Mas dava pra perceber que tava meio difícil para o Palmeiras, e que ele tentava se insinuar no ataque descendo mais pela direita, com Guerra, com Mayke.

Meus amigos, via Messenger, Whatsapp, me avisaram que tinha gol… e pelo “GOOOOOOL” todo em maiúsculas, só podia ser do Verdão… coração a mil. Em contra ataque (eu vi depois), Moisés tocou pra Willian lá na frente, o BGod avançou, se livrou do marcador, e deu aquela bola “caramelada” para Deyverson chutar cruzado e abrir o placar. Ah, Palmeiras, seu lindo!

Meus amigos me avisavam também que o Vuaden estava metendo a mão no Palmeiras, que Deyverson tinha sido chutado duas vezes pelo Fábio Santos, e o Vuaden… nada. Nem amarelo.

O time mineiro continuou em cima do Palmeiras e seis minutinhos depois do nosso gol, aos 39′, após uma cobrança de falta, o juiz assinalou pênalti de Luan em Leonardo Silva. Luan e Leonardo Silva se empurravam, e quando Leonardo Silva avançou para tentar alcançar a bola, que tinha sido chutada lá pra área na cobrança da falta, Luan puxou a camisa do atleticano, continuou puxando, e Vuaden marcou a falta. Até estaria tudo certo se Leonardo Silva não estivesse impedido no momento da cobrança e antes de ser puxado…

………………..

No vídeo de melhores momentos , não sei se por descuido, ou de propósito, não é possível pegar a imagem do exato momento em que a bola é chutada,  a não ser com a imagem da cobrança – quando ela é repetida – sobreposta à imagem anterior. Mas dá pra ver mesmo assim.

…………………….

E não parou aí a lambança da arbitragem. A menos que eu e mais algumas pessoas tenhamos tido alucinação coletiva, o juiz não mostrou o amarelo para Luan, como manda a regra, e mostrou o vermelho direto…

…………………….

……………………………..

Eu sei que seria o segundo amarelo dele, e ele seria expulso mesmo, mas o árbitro não parecia interessado em apitar algumas coisas corretamente errou.

Coma expulsão de Luan, Cuca chamou o zagueiro Juninho e sacou Guerra. Não gostei muito da substituição; com dois atacantes no time, achei que ele poderia ter tirado Deyverson  (gostaria de entender porque Deyverson, desde que chegou aqui,  recebe todas as chances que Cuca nunca deu para Borja).

E já que era pra garfar o Palmeiras mesmo, Vuaden “enfiou o pé na jaca”… Na cobrança do pênalti, convertido por Fábio Santos, mais uma página do Livro de Regras foi rasgada e jogada fora. Houve invasão na área no momento da cobrança…

Cobrança de pênalti -Regra 14 (a parte que nos interessa aqui):

Se um jogador do time batedor invadir a área no momento da cobrança e sair o gol, a cobrança deverá ser repetida.
Se jogadores dos dois times invadirem a área no momento da cobrança e sair o gol, a cobrança deverá ser repetida.

 

…………………….

Não dá para acreditarmos que árbitro, bandeira e auxiliar de linha de fundo desconhecem a regra, não é mesmo? E se conhecem… Lembra que num outro Palmeiras x Atlético-MG, o Palmeiras teve que voltar uma cobrança, convertida em gol, por causa de invasão? Então…

Depois do pênalti convertido, Fred deu um bico na bola… e deveria ter levado amarelo – seria o segundo. Mas o árbitro… nada. Imagina se fosse um parmera? Se fosse o Prass, por exemplo? Era amarelo na certa.

E fomos para o intervalo com um pênalti não marcado para o Palmeiras, com o chute que o Fábio Santos deu em Deyverson, e que ficou por isso mesmo, o com o segundo cartão amarelo que o árbitro não quis dar para o Fred… 3 x 0 para o Vuaden.

Nos primeiros minutos do segundo tempo, mesmo com um a menos, o Palmeiras apertava o Galo… E o Dudu no banco, porque estava voltando de contusão e “treinara pouco”…. Para um jogador como Dudu, o craque do nosso time, é necessário apenas levantar da cama  para ir a campo…

Leonardo Silva desviou uma bola com a mão e o árbitro assinalou pênalti para o Palmeiras. Achei que Jean fosse cobrar, porque na maioria das vezes em que está em campo, é ele quem cobra, mas sei lá porque Deyverson foi para a cobrança… e cobrou mal demais. O goleiro pegou, claro.

Errar uma cobrança de pênalti é coisa que acontece, é até tolerável, mas bater mal desse jeito, dar na mão do goleiro, é de matar a gente de raiva… Com um a menos e podendo fazer 2 x 1… Chuta que nem homem, cazzo!  

Cuca chamou Duduzinho e sacou Deyverson.

O Galo, mesmo querendo ir pra cima, por estar com um homem a mais, não levava muito perigo ao Verdão, não. Nossos jogadores iam mandando muito bem nos desarmes, nas tiradas de bola… Prass, Dracenão da Massa e Tche Tche estavam bem no jogo.

E então, o Vuaden resolveu dar mais trabalho para o Palmeiras – que juizinho sem vergonha esse. O genérico (Valdivia só tem um) entrou de sola na coxa de Willian,  Willian, instintivamente, deu um chute nele logo em seguida, e logo em seguida também se tocou da bobagem que fizera… Vuaden o expulsou. Ele mereceu a expulsão, mas e o Genérico? Faz uma “faltinha” pra arrebentar o parmera e não vai pra rua,  Vuaden? Você viu o que aconteceu depois dessa entrada criminosa, mas não viu a entrada criminosa? Mas que arbitragem “criminosa” a sua, não? Louquinha para “matar” um dos times…

…………………….

Que picareta esse Vuaden… Ele sempre prejudica o Palmeiras, mas estava abusando dessa vez…

Cuca sacou Jean e promoveu a entrada de Thiago Santos… com dois a menos, era meter o cadeado no time mesmo…

Vuaden, que não amarelou o bicão do Fred, que deixou passar batido o chute de Fábio Santos em Deyverson, a entrada criminosa do Genérico em Willian, amarelou Prass porque ele demorou para cobrar o tiro de meta. Que filho da “fruta”!!

O Palmeiras não dava mole pro Galo não, era valente e defendia muito… Dracenão da Massa estava soberbo! Prass também jogava muito. E imagina se o Vuaden não ia dar 5 min de acréscimo? Segura aí, Verdão!

E o Vuaden, picaretíssimo, ainda ia aprontar antes dos acréscimos, aos 45’…

Moisés desceu pela esquerda, entrou na área sozinho, e o jogador do Galo deu um toque no pé dele, fez uma carga em sua perna, e o derrubou…

…………………….
…………………….

Pênalti. Mas o juiz, nem aí. Aquele, do Egídio foi marcado prontamente; esse, foi ignorado…  Que arbitragem sem-vergonha.

Prass ainda faria mais duas boas defesas. Uma, na jogada de Otero;  outra,  no chute de Elias. E o árbitro, que via ir por terra as chances de o Palmeiras perder (o tempo todo pareceu que era isso o que ele queria), encerrou a partida. Uma vergonha, uma roubalheira a arbitragem do Vuaden (quem será que teria tanto interesse em uma derrota do Palmeiras?)… e, pode apostar, não vai ter árbitro suspenso (como acontece quando alguns times são prejudicados pelo apito), porque a corrupta CBF, que parece bem se utilizar desses “prestadores de serviço”,  nada fará a respeito dessa vez. Prejudicar o Palmeiras é de lei.

Garfado em dois pênaltis, garfado no gol que tomou, garfado no chute em Deyverson, que nem amarelo ocasionou, garfado na falta criminosa sofrida por Willian, que o juiz não puniu… o Palmeiras,  como se fosse aquele cara, que é assaltado, perde, o relógio, a carteira com cartões de crédito, dinheiro e documentos, leva umas porradas, mas ainda dá graças a Deus porque está vivo e porque o celular estava na meia e o assaltante não viu,  teve que dar graças a Deus pelo time que lutou bravamente contra adversário e apito e não se deixou derrotar.

Poderíamos ter vencido, mas “fizeram a elza” no Palmeiras.

 

“Defender a Seleção é uma honra, mas defender a Seleção com seu time do coração… é uma emoção que não se esquece jamais” – Valdir de Moraes
…..
O valor de uma conquista não está no “preço da etiqueta”, não está apenas no “troféu levantado”…
O valor está na quantidade de esforço que você fez para consegui-la, para fazer ainda melhor do que o esperado… está no amor e na dedicação empregados… está em tudo o que ela representou, está no tamanho da alegria que ela te fez sentir, que ela fez um número imenso de pessoas sentirem… está também no orgulho de ter sido o primeiro e o único a fazê-lo…
 
07/09/1965… A maravilhosa Academia “amarelou”, se tornou canarinho… O Palmeiras, se transformou em seleção brasileira… e venceu a seleção uruguaia por 3 x 0.
 
E essa conquista é só nossa! Auguri, Palmeiras! #OrgulhoImensoDaSuaHistória
………………..Imagem relacionada
………………..
………………..
………………..
………………………..“O Palmeiras um dia foi Brasil, e isso ninguém mais vai apagar” – Ademir da Guia, o Divino.

Quando surgiram os rumores sobre o Palmeiras ter interesse em contratar Felipe Melo,  eu sabia que ele era um bom jogador, experiente, mas como não acompanhava seus jogos na Internazionale, fiquei meio indiferente à suposta contratação. No entanto, por causa de um episódio ocorrido há alguns anos, eu já tinha alguma simpatia por ele. Numa ocasião em que ele foi atacado/desrespeitado pelo ‘apresentador’ Neto – como o ‘apresentador’ faz muitas vezes, achando que estar à frente de um programa esportivo é o mesmo que ter permissão para desrespeitar pessoas, clubes – eu, por acaso, li a resposta do Felipe Melo pra ele… e adorei.

E começaram os recadinhos – indiretos – dele no twitter, no Instagram, fotos e frases que sugeriam que ele estaria vindo para as Perdizes sim… e começamos a nos divertir com ele, a esperar por ele…

E o Pitbull chegou… falando grosso, falando forte, prometendo respeitar o clube que ia “colocar comida na mesa de sua família”, prometendo honrar a camisa do Palmeiras sempre, mesmo que isso significasse “dar tapa na cara de uruguaio” na Libertadores. Claro que isso foi um exagero por parte dele, foi uma declaração desnecessária e imprudente, mas também foi apenas maneira de dizer; dada a fama de valentes e brigões dos uruguaios, seria o suprassumo da dificuldade ter coragem de dar um tapa na cara de um deles. Felipe Melo queria demonstrar assim que seria capaz de qualquer coisa para defender as cores do seu novo clube. Era só isso.

A imprensinha – ressentida porque ele preferira o Palmeiras a um certo clube carioca, e já o espinafrando desde então – aproveitou, deu a conotação que quis à declaração, fez de tudo para a declaração chegar com as piores cores no Uruguai, e ele  entrou no olho do furacão – às vezes, ele se complica sozinho mesmo. É intenso, exagerado, difícil, fala o que vem na cabeça e se esquece das outras interpretações que suas declarações podem ter e das consequências que elas podem trazer. E todo mundo sabe o final da história… ele acabou dando porrada em uruguaio mesmo… merecidamente, aliás – o Peñarol é useiro e vezeiro em querer bater nos adversários quando é derrotado, e fez o de sempre com o Palmeiras. E, além da surra na bola, da virada espetacular do Verdão, um jogador deles – que corria atrás de Felipe Melo para agredi-lo -, levou uma porrada, de verdade, com ‘ousadura e responsabilidade’.

Ainda que Felipe Melo extrapole em algumas declarações, ainda que para alguns (pra mim) ele pareça inconsequente e meio desajustado às vezes – há quem diga que ele é só marketeiro -, ainda que  seja uma bomba prestes a explodir, ele ganhou a torcida.

Mas o Pitbull não ganhou a torcida só por isso. Ganhou a torcida jogando bem, sendo considerado  em muitas partidas um dos melhores em campo… sendo raçudo, sempre querendo vencer, e honrando a camisa. Mesmo com a nossa desclassificação no Paulistão, os números dele foram interessantes… o melhor desarme do time, o jogador palmeirense que mais fez lançamentos certos, 92,1% de aproveitamento nos passes…

                                   

…..

E, ao contrário do que a imprensa tanto alardeara desde que ele optara pelo Palmeiras, o “Tiranossauro Rex”, “vilão”, “desleal”, não era tão vilão e tão faltoso como diziam, não era desleal, como garantiram que ele seria. Esses números foram publicados em Abril/2017:

……………………………..

Em Maio, ele era o jogador com maior número de desarmes no time do Palmeiras…

……………………………..

(Esses números são injustos com Thiago Santos – ele desarma mais que chuveiro no inverno -, porque ele ficava no banco de reservas muitas vezes, assim como são injustos com Felipe Melo os números de Setembro, uma vez que o Pitbull está sem jogar há um bom tempo)

As notícias também diziam que Felipe Melo treinava sério, era um dos últimos a sair dos treinos, que era um atleta muito profissional e, por isso, por ter jogado 12 anos na Europa, por ter defendido a seleção e continuar se esforçando nos treinos como se fosse alguém em começo de carreira, servia de exemplo para os mais jovens e menos experientes do elenco.

Na volta de Cuca ao comando do Verdão, Pitbull foi para o banco… Primeiro, foi contra a Chape, na segunda rodada do Brasileiro, mas, na ocasião, Cuca tinha resolvido levar um time todo alternativo para Chapecó (não deu certo o time alternativo e perdemos o jogo). Depois, contra o Galo, no Allianz, com o time todo titular, o Pitbull ficou no banco (não fizemos uma boa partida, e empatamos em 0 x 0).

Confesso que não entendi o critério adotado pelo nosso técnico, ainda mais quando ele alegou que Felipe Melo era lento (sim, ele é mais lento mesmo) e Thiago Santos  sabia sair jogando melhor – isso não corresponde à realidade, TS desarma muito, mas não é tão eficiente na saída de bola quanto Felipe Melo. Gosto muito dos dois, mas Felipe Melo vinha bem no time, fazia boas partidas, e eu não entendia porque ele tinha sido sacado – do campeonato e não de algumas partidas -, sem mais nem menos (em 2016, Thiago Santos também virou banco tão logo Cuca assumiu o Palmeiras).

A torcida chiava com o banco para FM, a imprensa especulava… e veio uma declaração do Cuca mais ou menos assim: “Ele (Felipe Melo) é um funcionário do Palmeiras, quando for necessário, será utilizado”.

Eu achei que as entrelinhas dessa declaração seca, sem nenhuma gentileza, não pareciam muito legais, achei que faltou o costumeiro “ele é um grande jogador, ajuda o time, é importante, mas em algumas oportunidades, por questões táticas, vou montar a equipe diferente”… aquelas coisas que todo técnico diz por cuidado, para não melindrar um jogador mais experiente e não perder o grupo.  Achei , começava a se formar uma bola de neve aí… achei que era a senha para o jogador, costumeiramente falastrão, falar alguma bobagem…

Mas, depois de uns dias, parecia que Felipe Melo aceitava o banco de boa… Prass disse em uma entrevista que o comportamento do Pitbull, mesmo na reserva, era bastante profissional; Keno também disse o mesmo…

Felipe Melo se lesionou e, quando voltou, foi poupado em algumas partidas importantes (contra COR, FLA)… Estava na cara que o técnico não o queria no time. E estava na cara também que isso ia ter desdobramentos ruins.

Não sei como e nem porque a diretoria não foi capaz de antever e evitar… técnico experiente, badalado, e atleta experiente, contratação badalada da temporada, em rota de colisão (os dois deveriam ter sido “chamados na chincha” para darem um jeito de conviver e trabalhar em proveito do clube)…

E não deu outra, tão logo a imprensa (toda ela) publicou que Cuca reunira o grupo para dizer que Felipe Melo não estava em seus planos, não se encaixava em seu esquema (chato para um jogador ser ‘dispensado’, via imprensa, seja ele quem for; não é legal que essas informações vazem. Mattos disse que Cuca não fez isso, mas ninguém do Palmeiras desmentiu quando a notícia foi publicada em vários portais, com imagens, inclusive). E tão logo a notícia ganhou os veículos de comunicação, não demorou muito e surgiu a reação: um áudio de Felipe Melo atacando Cuca.

Deram a corda para Felipe Melo se enforcar, e ele se enforcou totalmente. E quem não sabia que algo do tipo acabaria acontecendo, né? Mas foi deplorável ele ter feito esse áudio e o soltado por aí como quem não queria nada; foi horroroso ele ter dito publicamente o que disse do treinador – goste do treinador ou não, tenha o Cuca fritado ele ou não (eu achei que fritou), tem que respeitar a chefia -, se ele é funcionário do clube, e o clube escolheu o Cuca para ser o “comandante”, ele, e qualquer outro funcionário, tem que respeitá-lo.  E, tivesse FM razão ou não de estar na bronca, desrespeitar o treinador e a pessoa por trás do treinador, ainda mais publicamente, está totalmente relacionado com desrespeitar o Palmeiras, desrespeitar os companheiros. Errou muito, e feio, o Felipe Melo… e, claro, perdeu completamente a razão. E nem poderia ser diferente.

Foi um escândalo. O nome do Palmeiras, de maneira bastante negativa, ganhou todas as manchetes… Felipe Melo assumiu a autoria do áudio, alegou que tinha bebido (e isso não é justificativa)… e então, depois da eliminação para o Cruzeiro, as notícias de um “Pitbulll desagregador” apareceram, as notícias de um “elenco que pediu à diretoria o afastamento do jogador” ganharam as mídias sociais, as notícias de “jogadores que perderam a liderança no elenco por causa dele e que, por isso, não andavam jogando bem” surgiram,  uma tentativa de agressão ao Egídio e ao Dudu (e eu soube que isso não era verdade) foi noticiada… e o jogador foi afastado, colocado para treinar separado do elenco…

E ponto final.

Ponto final? Ah, tá…

A gente achando que a coisa ia engrenar… mas o Palmeiras (mesmo sem Felipe Melo no time e com ele afastado do elenco)  conseguiu a proeza de, jogando muito menos do que gostaríamos que ele jogasse, ser eliminado também na Libertadores pelo fraco Barcelona-Guayaquil, e no Allianz. Não bastasse isso, o time somava 8 derrotas no Brasileirão, já tinha perdido a invencibilidade em sua casa, e praticamente dava adeus à disputa do título (matematicamente as chances existem, mas com 14 pontos atrás do líder, é muito improvável virar esse jogo), e tudo no prazo de um mês… com o agravante de, em pleno Allianz Parque, e logo após a eliminação na Libertadores, perder para a Chapecoense – que voltava de excursão(!!) pela Europa e Ásia (demos uma sacolada no SPFW depois, pra compensar os desgostos).

Felipe Melo, por sua vez, se valendo de direitos trabalhistas, acionou o Palmeiras na justiça…

Uma turbulência imensa e um prejuízo ao Palmeiras, que poderiam e deveriam ter sido evitados (eu acho). E nós ficávamos com a impressão que a coisa não ia ter fim… mas, e sempre tem um mas, depois de todos esses reveses, depois de todo mundo ter que fazer um ‘mea culpa’ a respeito do ano perdido, sabemos lá por quais caminhos, diretoria, técnico e jogador se acertaram, ou se propuseram a se tolerar (quem pode saber?)… e Felipe Melo foi reintegrado ao elenco.

E, na segunda-feira, na coletiva pós reintegração, Felipe Melo, mesmo com uma postura arrogante, reconheceu que errou e disse que isso serviu de aprendizado, admitiu que se retratou com todos, disse que falou para o técnico que não pensa aquelas coisas dele de verdade, ou seja, se desculpou (do jeito torto dele, mas o fez), e voltou a treinar. Cuca, por sua vez, já tinha dito antes que não quer prejudicar o Palmeiras , não quer prejudicar ninguém.

Eu achei bom que ele tenha voltado. Primeiro, pelo Palmeiras, que ia ter problemas legais e financeiros com as consequências desse afastamento. Segundo, pelo futebol do time mesmo. Apesar de faltar humildade a FM nas entrevistas (agora é hora de ele baixar um pouco a bola fora das quatro linhas), são os números que ele tinha quando estava jogando, o comprometimento e a raça que tinha em campo, que interessam. Apesar de todos os pesares e apesares, não penso que ele seja um jogador dispensável do nosso elenco. Ele é um bom jogador, tem qualidade, é inteligente, e isso vem antes do “ser bonzinho”… Bonzinho, humilde, que “não tem boca pra nada”, é o ‘Caramujo’, mas  nenhum palmeirense quer ele no time, não é?

No entanto, espero que Felipe Melo saiba medir bem as palavras daqui pra frente, saiba ser mesmo um exemplo para os mais jovens, saiba ser uma pessoa mais fácil de se lidar fora de campo,  mais generosa com as demais. Ele vai precisar se policiar em relação às suas atitudes, e se relacionar com o técnico (e com o elenco) da melhor maneira possível – e o técnico com ele.

Se essa volta vai ser boa ou ruim, não sabemos… só o tempo dirá. Vai depender muito da boa vontade e empenho dos dois lados nessa história, vai depender do pulso firme dos dirigentes. Se Felipe Melo vai voltar a ser relacionado, também é outra incógnita.

E não espero outra coisa de Cuca e de Felipe Melo que não seja atitude de homens, como essa que tiveram agora ao acertarem a reintegração mesmo tendo que passar por cima de tantas coisas; não espero outra coisa que não seja o trabalho sério, profissional e em proveito do Palmeiras, tendo como prioridade só o Palmeiras. Palmeiras, que é o único motivo de os dois estarem ali, trabalhando juntos. No futuro, eles não estarão mais aqui, no entanto, tudo de bom que fizerem, que conquistarem no clube, ficarão com o Palmeiras , e com eles também, pra sempre.

Tomara que o tempo suavize as cicatrizes, tomara que o Palmeiras retome o rumo do qual não deveria ter se desviado… tomara que o Pitbull tenha crescido e aprendido mesmo com o que aconteceu, tomara o Cuca acerte o esquema de jogo, tomara amanhã seja muito melhor pra nós todos do que foi nesses últimos meses… tomara o Palmeiras possa estar em paz.

Ao trabalho, Verdão! Nosso ano ainda não acabou… e terminar o campeonato no G4 é ponto de honra pra todos nós.

 

 

31 de Agosto é um dia de comemoração na história do Palmeiras… Das suas três conquistas do Troféu Ramon de Carranza, duas aconteceram num 31 de Agosto – a primeira, em 1969, e a terceira, em 1975. A segunda delas, comemoraremos amanhã, 1 de Setembro.

O Palmeiras participou seis vezes desse torneio, que acontece todos os anos desde 1955, e é chamado de “Taça das taças”. Os clubes  participantes são sempre escolhidos pelo anfitrião, o Cadiz FC, uma vez que é na  cidade de Cadiz e no Estádio Ramon de Carranza que a disputa acontece.

Em 1969, em sua primeira participação no Ramon de Carranza, o Palmeiras foi o campeão e se tornou o primeiro clube brasileiro a conquistar o torneio. Os participantes foram: Real Madrid, Atletico de Madrid, Estudiantes de La Plata e Palmeiras.

………………………………..

 

O torneio aconteceu em dois dias. No primeiro, 30/08/1969, o Palmeiras enfrentou o Atletico de Madrid –  Real Madrid e Estudiantes de La Plata fizeram o outro jogo. E ganhar torneio de maneira épica é com a gente mesmo, não é? Então… No tempo normal, o placar ficou no 1 x 1 (Cardoso marcou o gol palmeirense) e a vaga na final foi decidida nos pênaltis.

Chicão, nosso goleiro, defendeu 3 pênaltis  e o adversário chutou um pra fora (isso te parece familiar?). Cardoso e César converteram os seus e o Palmeiras foi à final com o Real Madrid.

No dia seguinte, 31 de Agosto de 1969, o Palmeiras de Chicão, Zé Carlos, Eurico, Baldocchi, Dé,  Jaime, Minuca, Copéu, Cardoso (César), Ademir, Serginho (Dusú), e comandado por Rubens Minelli, venceu o Real Madrid por 2 x 0 (gols de Zé Carlos e Dé) e se sagrou campeão. Nenhum clube brasileiro havia conquistada um Ramon de Carranza até aquele data.

                                      

..

E vale ser lembrado aqui… Já que estava na Espanha em excursão, o Palmeiras, alguns dias depois da conquista do Ramon de Carranza, foi à cidade de Barcelona  disputar o troféu “Cidade de Barcelona”. E num Camp Nou com 95 mil pessoas, o Palmeiras venceu o Barcelona por 2 x1 e voltou pra casa com mais um troféu na bagagem.

Em 1974 (01/09), o Ramon de Carranza foi disputado por Palmeiras, Santos, Barcelona e Spañol. Santos e Barcelona, de Pelé e Cruyff, eram os favoritos para fazerem a final.

                                      

Mas nem Pelé nem Cruyff chegariam à final… Num grande jogo de Ademir da Guia e Dudu, e numa partida impecável do Palmeiras conhecido como “Academia”, Leivinha e Ronaldo balançaram as redes e o Palmeiras venceu o poderoso Barcelona – com Cruyff , Neeskens e tudo -, por 2 x 0, ficando com a vaga para a final . No outro jogo, o Spañol sairia como finalista.

Na final, o Palmeiras de Leão, Eurico, Luís Pereira, Alfredo, Zeca, Édson, Ademir da Guia, Ronaldo (Fedato), Leivinha, César, Toninho Vanusa (Edu), e comandado por Oswaldo Brandão,  venceu o Spañol por 2 x 1 (gols de Leivinha e Luís Pereira), conquistando o Ramon de Carranza pela segunda vez. Na disputa pelo terceiro lugar, o Santos de Pelé foi goleado (4 x 1) pelo Barcelona de Cruyff, que o Palmeiras havia vencido na véspera.
………

                                      
………
………………………………..
………

………
No ano seguinte, num outro 31 de Agosto, o Palmeiras foi bi campeão do torneio (1974/1975), e conquistou o Ramon de Carranza pela terceira vez (naquele tempo, só se considerava um time bicampeão, tricampeão… quando as conquistas eram consecutivas).

Participaram da edição 1975: Palmeiras, Real Madrid, Real Zaragoza e Dinamo de Moscou.

                                        

No dia 30 de Agosto, o Palmeiras enfrentou o Real Zaragoza e venceu por 1 x 0, com gol de Ademir da Guia. Na outra partida, o forte time do Real Madrid, de Breitner, venceu o Dinamo de Moscou por 2 x 1. Mais uma vez, Palmeiras e Real Madrid se encontrariam em uma final…

No dia 31 de Agosto, apesar do favoritismo todo que o Real Madrid levava para a final, o Palmeiras, de Leão, Eurico, Luís Pereira, Arouca, João Carlos, Édson (Didi), Ademir da Guia, Edu, Leivinha, Fedato, Itamar, Ney, comandado por Dino Sani, a Academia venceu o bicho papão europeu por 3 x 1, com gols de Edu (1) e Itamar (2).

………………………………..

………………………………..

………
Esse vídeo, feito em 2015, conta um pouco mais sobre essa conquista…

 

E essa é só uma das muitas e gloriosas páginas que o Palmeiras escreveu no grande livro do futebol…
ESSE CLUBE TEM HISTÓRIA! 💚

 

 

Aniversário do Palmeiras… 103 anos…

Lendo algo sobre a fundação do Palestra Italia vi que, entre os 46 membros que estiveram na reunião de fundação, tinha um Eugenio Gallo.

Meu avô materno era italiano, Antonio Gallo, minha mãe também tinha esse sobrenome antes de se casar com o meu pai… Ainda que não tenha nenhuma relação de parentesco do ‘parmera’ da reunião com a família do meu avô italiano (vai saber), vou me permitir ficar aqui imaginando… será que um pouquinho do sangue que corre em minhas veias hoje esteve naquela reunião??? (isso explicaria tanta coisa… rsrs)

E sabe-lá quantas histórias se desenrolaram desde então… sabe-se lá com quais conexões… E, como não sabemos, podemos imaginar,  misturar a história do Palmeiras com a ficção,  misturar a história da primeira partida do Palestra Italia, com as minhas fantasias e com as personagens que criei…

Esse, é o primeiro, de uma série de textos que escrevi, e não publiquei, por ocasião do centenário do Palmeiras.

……….

“Em seu quarto, e com dúvidas sobre calçar ou não luvas, Angiolina, diante do espelho, experimentava o vestido que usaria no dia seguinte. De seda verde, com algumas pregas na saia, ele parecia perfeito.

O ano de 1915 iniciara com muito calor, meio abafado, e a seda seria muito bem-vinda. A signora Manoela, a modista, o fizera maravilhosamente, do jeitinho que Angiolina o imaginara. Parecia até um daqueles vestidos que vinham de Paris. “Será que Luigi a acharia bonita com ele?”, pensava ela.

Luigi,  costumeiramente uma pessoa bastante calma, estava tão empolgado quando pedira ao pai de Angiolina permissão para levá-la num passeio, que ela até estranhou o seu jeito, e mal podia acreditar que o pai tivesse concordado. E não só concordado, como havia decidido que, ele, muito interessado no motivo do passeio, também iria, e levaria a sua mãe junto. Um passeio em família com Luigi… ela adorava a ideia.

De trem, iriam para a cidade de Sorocaba, onde o ‘zio’ Guido morava, e depois tomariam o bonde até a Vila Industrial de Votorantim.

Há uns meses atrás, Luigi lhe parecera meio fora de juízo quando cismara em fundar um clube de futebol com mais três amigos – Luigi Emanuele, Vincenzo (ele era fundador de um jornal italiano de São Paulo, o Fanfulla)  e Ezechiele – das Indústrias Matarazzo, onde o pai de Angiolina também trabalhava. Um clube de italianos. Que ideia arrojada! Parecia coisa de gente maluca. Mas Luigi e os amigos estavam obcecados pela ideia, e embora muitas pessoas quisessem um clube para recitais, eles estavam decididos, queriam uma agremiação para disputar o campeonato de futebol, e para disputá-lo com as agremiações da elite paulistana. Mas os primeiros problemas quase colocaram fim no clube… um presidente que ficou apenas alguns dias no cargo; seu substituto que foi convocado para a guerra, pela Itália, que lutava contra a Alemanha; a falta de dinheiro nesse início e a quase única opção de se dar fim ao clube… Mas fora Luigi que, contrariando seus modos sempre tranquilos, dera um murro na mesa e sugerira que se marcasse uma partida para o Palestra. Essa seria a solução, segundo ele.

Ele confidenciava tudo à Angiolina, e ela, que tanto gostaria que ele pedisse a sua mão ao seu pai – eram amigos e estavam enamorados há mais de 6 meses -, temeu que ele, ocupado com as demandas desse clube,  com os primeiros problemas, acabasse esquecendo da forte amizade que existia entre os dois.

E nesse Janeiro abafado, cinco meses depois da sua fundação, o “Palestra”, como Luigi o chamava, faria o seu primeiro jogo contra uma outra agremiação também de origem italiana, o forte Savoia. O Palestra, que fora fundado em 26 de Agosto do ano anterior, não queria fazer feio – queria também entrar para a APEA, a entidade que regia o futebol paulista –  e aproveitara esses meses para se preparar e fazer uma boa estreia.

A princípio, Angiolina não tinha muita simpatia por futebol, mas devia ser só porque não entendia nada do assunto, e porque costumavam dizer que isso não era assunto para moças. Porém, Luigi falava tanto sobre isso, explicava tudo pra ela, contava os planos e sonhos que tinha para o Palestra, para o futuro do clube, e porque seus olhos brilhavam tanto quando ele lhe falava do Palestra, porque seu sorriso parecia ainda mais lindo (como se fosse possível o sorriso de Luigi ser ainda mais bonito), que ela não tinha como não sonhar com ele também, não tinha como não ir abrindo as portas do seu coração para o Palestra, e já estava achando tudo adorável. Na verdade, ela já se sentia um pouco ansiosa pela estreia também.

Do nome do clube ela gostava muito, e o repetia em voz alta, enquanto, metida no vestido verde, rodopiava em frente ao espelho, sorrindo e sonhando com a tarde ao lado de Luigi:

– Società Sportiva Palestra Italia… Società Palestra Italia… va bene… Palestra Italia – e, sorrindo para a imagem que via no espelho, imaginando a proximidade com Luigi no dia seguinte, ela rodopiava feliz com o seu lindo vestido verde.

Angiolina viera pequenina para o Brasil, mas se lembrava de muitas coisas da Italia, e ficava bastante feliz que, de alguma forma, seu país natal fosse reverenciado pelos italianos e filhos de italianos que aqui viviam. Para ela, era como se um novo país, mistura de Brasil e Itália, estivesse nascendo com o Palestra, era como se uma poesia nova estivesse sendo escrita (ela adorava ler poesias, romances, adorava escrever também). E se sentia ansiosa para acompanhar a partida. “Como seria um jogo de futebol?”, perguntava ela a si mesma.

A mãe entrara no quarto e ficara admirando a cena. A filha, de longos cabelos castanhos, um pouco dourados, de talhe elegante, rosto de traços delicados,  na beleza de seus dezessete anos, rodopiando feliz, apaixonada… Sim, uma mãe sempre sabe tudo,  Angiolina estava apaixonada… seus olhos verdes pareciam faróis brilhando… e, pela maneira como Luigi olhava a sua filha, ele logo faria o pedido a Marco.

Na manhã seguinte, depois daquele corre-corre delicioso que costuma anteceder os passeios, e depois de quase três horas de viagem de trem, chegaram à Sorocaba, à cidade do Savoia, o primeiro adversário do Palestra. Durante o trajeto Luigi conversara mais com Marco, o pai de Angiolina, do que com ela, conversara também com os amigos e diretores do clube. Falavam de futebol, claro, dos jogadores que entrariam em campo, das expectativas com o Palestra…

Os jogadores viajaram no mesmo trem, porém em outro vagão, para onde Luigi se dirigira muitas vezes durante a viagem. Angiolina, tagarelando com a mãe sobre vestidos, sapatos e chapéus, ouvira e guardara alguns nomes ditos por Luigi: Police, Bianco, Alegretti…

As mulheres sofriam com o calor e Marco, tão logo desembarcaram, tratou de levá-las à casa do seu irmão, Guido, enquanto Luigi e os outros diretores do Palestra iriam visitar um jornal da cidade, o ‘Cruzeiro do Sul’.

Depois do almoço, do qual Luigi participou também, e onde não faltou a velha e boa pastasciutta, não faltaram o vinho, o pão – feito pela zia Ida -, os queijos e salames, as frutas – as frutas no Brasil eram saborosas e agradavam ao paladar dos italianos -, e um bom licor ao final, seguiram de bonde para a Vila Industrial de Votorantim, onde se realizaria a partida.

Muitas pessoas estavam no local; como não foram cobradas as entradas para o jogo, Luigi, que era o secretário-geral, e o restante da diretoria, não sabiam estimar quantas pessoas estavam na estreia do Palestra, mas tinha bastante gente, muita gente. Angiolina estava linda, de verde, e foi de verde e branco que o Palestra Italia entrou em campo pela primeira vez, camisa verde com punhos e golas brancas. Do lado esquerdo do peito, as letras “P” e “I” apareciam bordadas em branco e sobrepostas uma na outra. Angelina ficou até emocionada, sentiu os olhos marejados e o coração se aquecer dentro do peito… a primeira vez do Palestra em campo…

                              

Pelo Palestra Italia, Luigi lhe contava, iriam jogar: Stillitano; Bonato e Fúlvio; Police, Bianco e Valle; Cavinato, Américo, Alegretti, Amílcar e Ferré.

O Savoia teria: Colbert; Ferreira e Silvestrini; Gigi, Zecchi e Fredich; Imparato, Cardoso, Ferreira II, Imparatinho e Pinho

Luigi e os amigos do Palestra estavam agitados, ansiosos. Fazia um dia lindo… O jogo começou às 14h15, e foi bastante disputado, o Palestra era aguerrido, queria vencer o seu primeiro jogo, e o Savoia, por estar em casa, se portava de forma também aguerrida. E era tão disputada a partida, havia tanta vontade e determinação no campo de jogo, que houve até um princípio de discussão áspera entre os jogadores… O periódico Fanfulla noticiaria depois que houve um “sururu”.

…………………………

…………….

Angiolina estava adorando tudo aquilo – até mesmo a discussão -, nunca imaginara que futebol fosse tão interessante, não conseguia desgrudar os olhos do campo. Sentira até vontade de falar mais alto para defender os jogadores do Palestra quando houve o entrevero, o sangue lhe esquentara nas veias e ela sentira que  lhe coraram até as faces.

O primeiro tempo foi equilibrado, mas no segundo, o Palestra Italia conseguiu se impor diante do adversário e venceu o jogo por 2 x 0.

O primeiro ‘goal’ do Palestra Italia foi de Bianco – o grande nome do jogo – de pena máxima. Um ‘goal’ ia sendo marcado, mas a defesa adversária preferiu salvar como pôde, ou seja, com um toque de mão … cometendo pena máxima. Luigi lhe dissera que isso era proibido, não se podia colocar a mão na bola, a não ser o jogador que ficava lá embaixo das traves.

O segundo ‘goal’ foi de Alegretti, e aconteceu um minuto depois, também de pena máxima. Ferreira, da agremiação de Savoia, na área penal, cometeu uma falta e o árbitro, atento e imparcial, o puniu inexoravelmente.

Angiolina ainda não entendia completamente as regras, mesmo com as explicações do namorado, mas gostava mesmo assim. E achou lindo ver os admiradores do Palestra comemorando os ‘goals’ – Luigi não se aguentava de felicidade -, ver os jogadores cumprimentando um ao outro dentro de campo; achou mais bonito ainda ver o Palestra receber a taça pela vitória, taça que tinha sido oferecida pela agremiação de Savoia , e que era a primeira conquistada pelos de verde escuro –  e ela se estranhava, porque ficara bastante emocionada e sentia até vontade de pular de satisfação.….

Luigi, de tão feliz pela vitória, deu um abraço apertado em Angiolina e beijou seus lábios, de leve, na frente de seus pais, que, por sorte, estavam tão felizes também e nem perceberam. Bendito seja o Palestra pra todo sempre, pensara Angiolina, morrendo de felicidade por todas as novas emoções que experimentava naquele dia e, claro, se derretendo pelo contato dos lábios de Luigi. Quando fora que ele ficara tão impetuoso assim, para beijá-la na frente de seus pais, e sem ter feito o pedido da sua mão?

No rosto de Luigi, para o qual Angiolina nunca se cansava de olhar, resplandecia a alegria de um sonho que se realizava… brilhava a certeza de que ninguém poderia mais deter a caminhada do Palestra Italia…  O Palestra Italia existia, vencera a primeira partida e conquistara o primeiro troféu… e ele jurava pra si mesmo – para Angiolina também – que o Palestra seria um gigante um dia, seria imponente, e haveria de conquistar muitas taças, campeonatos, sócios e admiradores…

                              

E Angiolina acreditava piamente em Luigi, a energia que ela sentira vendo o Palestra Italia jogar, a alegria e emoção que ele a fizera sentir, o coração que, agora, parecia tão maior e pulsante dentro do seu peito, lhe davam a certeza que, um dia, ele seria mesmo um gigante…

E no fundo do seu coração, ela sabia… uma linda e gloriosa história estava apenas começando…

Tanti auguri, Palestra. Per sempre”.

……………

Coragem… muita luta… glórias… grandeza… honra… dignidade… títulos… craques, ídolos/lendas… uma torcida apaixonadíssima…  Palmeiras.

103 anos, hein meu “velho”? E que caminho lindo você vem percorrendo até aqui… Não há vento que te dobre, não há pedra que te impeça de caminhar… não há nuvem escura que consiga esconder por muito tempo o sol que brilha sobre você… Ser grande é o seu destino, caro mio, desde 1914…

103 anos… E a festa é dos que te amam… é nossa.

Hoje é dia de Tsunami Verde, hoje é dia de muito orgulho,  de muita alegria, é dia de coração em festa, de bolo, de vinho, cerveja, champanhe, Coca Cola, churrasco, macarronada, é dia de cachorro quente na Palestra Italia… é dia de pizza, belo! Dia de parmerada na rua vestindo o manto… Dia de amigos, abraços, sorrisos… Hoje é dia de comemorar a sorte de sermos “parmeras”… é dia de dizermos ao mundo o quanto somos felizes porque você existe, Verdão, seu lindo. Dizer que é um orgulho enorme trazermos o seu nome do lado esquerdo do peito.

Palmeiras, dos torcedores cornetas e não cornetas, que brigam o ano inteiro uns com os outros e, no Allianz, comemoram a conquista de um campeonato chorando juntos, abraçados, como amigos, como irmãos que são.

Palmeiras, dos brasileiros, japoneses, portugueses, espanhóis, americanos… que falam “ma che cazzo” e dos italianos que falam “É nóis”…

Palmeiras, que une tantas raças, tantas cores, tantos credos,  num só coração, numa só família…

Palmeiras, que nos dá coisas que dinheiro nenhum do mundo pode comprar…

Palmeiras, do goleiro santo, que toma café durante uma partida… dos maravilhosos gols por cobertura, que soterram o orgulho do rival… do goleiro que faz gol de título… do zagueiro que faz gol e dá cambalhota… do gigante artilheiro que marca, desarma, faz gol e dança… do profeta que abre o caminho dos gramados… do soldadinho de chumbo, guerreiro… Palmeiras, do menino Jesus…

Palmeiras, que acredita na força da calça vinho…

Do Allianz Parque sempre cheio pela “novidade” que já dura três anos…

Palmeiras, “fonte da juventude” dos jogadores e nossa…

Palmeiras, do “Hino Nacional” palestrino… das conquistas épicas, inesquecíveis…

Palmeiras/Verdão/Palestra/Alviverde Imponente, que é meu, é seu, é nosso… é da torcida que nunca para de cantar.

Palmeiras, 103 anos… E cada vez maior.

Aaaah, grazadeus!!!

Parabéns, Palmeiras! Obrigada por tanto!!
TE AAAAAAAAAMOOOOOO!!! 🎂🍾🎉💚💚🐷🌴

O futebol do Palmeiras desandou… não funciona, não agride adversários, não marca como deveria, e todos queremos descobrir porquê…

Primeiro, no afã de encontrarmos culpados (e não os responsáveis), a culpa era toda do Eduardo Baptista, das ‘cagad*s’ que ele fizera aqui e que o novo técnico teria que consertar…

Depois, concluímos que a culpa era mesmo do Borja, que não marca gols…

Não demorou muito e descobrimos que a culpa era toda do Prass…

Mas, então, analisando bem, percebemos que Borja continuava culpado, era só por causa dele que os gols não saíam…

Observando mais cuidadosamente, chegamos à conclusão que a culpa era da falta de treinamento, o técnico, coitado, não tinha tido uma semana sequer para treinar o time desde que retornara ao clube…

Chocados, descobrimos que estávamos enganados, que o grande culpado era o desagregador Felipe Melo, que ele estragava o ambiente, e os jogadores não rendiam porque não gostavam do seu comportamento…

Mas pensamos melhor e, “sábios” que somos, encontramos finalmente a resposta e a culpa para os fracassos do time: Mattos (que não contrata ninguém sem o aval da diretoria e da comissão técnica). Nosso diretor não sabe contratar…

Mas eis que finalmente, e para espanto geral, na eliminação da Libertadores em nossa casa, diante de um Barcelona genérico, o verdadeiro culpado – até pela extinção dos dinossauros – apareceu… Egídio!!

E agora, na continuação pós campeonatos perdidos? E agora, no restante do Brasileiro, com um futebol mixuruca, que só conhece o caminho de bicão e bola levantada na área para chegar ao gol adversário, sem ter uma segunda alternativa/estratégia? E agora, com um ataque pouco ofensivo, que não agride o time adversário, com a defesa, mal posicionada – parece que marcam a bola -, que em todos os jogos – jogue quem jogar -, sempre deixa atacantes adversários sem marcação diante de nossos goleiros? E agora, com uma derrota, em casa, para um time pequeno, que voltava das ‘trocentas ‘horas de viagem de uma excursão pelo mundo? De quem vai ser a responsabilidade?

Está em cartaz o “Ainn, ele não montou o elenco”…

“Para cada prova, a matéria a estudar é diferente. Se, por exemplo, você decorar só a tabuada do 9,  não passará em todas as provas”.

Não nos preparamos adequadamente para nossas provas… e deu tudo errado esse ano. Ainda que dessa vez eu não acreditasse numa eliminação – não contra o Barcelona de Guayaquil, e em nossa casa -, se fossemos observar com total isenção, depois da vacilada na primeira partida (poderíamos ter saído de lá com um resultado melhor), essa era mais uma tragédia mais ou menos anunciada…

Entrei no Allianz em 10 Agosto de 2017 e, antes mesmo de sair de lá, o ano já tinha acabado… Complicado…

Uma festa linda, torcida vibrante…  mosaico maravilhoso, na arena toda… A voz do Allianz, de quase 40 mil pessoas cantando o nosso hino, podia ser escutada até lá da lua, e, deve ter sido por isso que, ela, a lua, curiosa, apareceu para espiar por sobre a cobertura… Emocionante… Por falta de apoio não foi.

O Palmeiras até que tentou, mas ficou faltando aquele algo mais…

Jogamos mal no primeiro tempo. Embora rondássemos a área do Barcelona muitas vezes, faltava a ofensividade que a ocasião exigia (precisávamos de dois gols), faltava pressionar/encurralar o adversário, deixar o Barcelona com medo, preocupado, fazer o goleiro deles trabalhar. Dudu, marcadíssimo, ‘botinadíssimo’ pelos adversários também, jogava numa posição que não era a sua,  e Guerra e Moisés estavam no banco… Se não aguentavam um jogo todo, bem que poderiam ser utilizados pelo menos um tempo cada um. Não adiantava “economizarmos”, se as nossas pretensões de conquista de campeonato poderiam se encerrar naquela mesma noite. Faríamos o quê com as “economias” depois?

E não criávamos nada, ficávamos tentando só nos lançamentos, na ligação direta… e nada chegava no Deyverson -não adianta trocar o atacante se a bola não chega nele, se não tem um esquema para favorecer esse de tipo jogador.  Pode por até o CR7 lá.

Faltas adversárias demais, jogo paralisado demais, cera demais – desde o início do jogo… Juiz assinalando de menos as faltas equatorianas… cartões amarelos, trapaceiros, que ficavam escondidos e não saíam do bolso do árbitro de jeito nenhum… e, assim,  com adversários impunes, nossos jogadores iam apanhando um bocado, Dudu então, apanhava com bola e sem bola…

Mina saiu machucado no finalzinho do primeiro tempo, chorando (imagina se não teríamos jogadores machucados?). Mais essa ainda…

O primeiro tempo terminou 0 x 0  (com tanta paralisação e cera, o juiz deu só 3 minutos de acréscimo), e eu que, antes do jogo, achava que faríamos o placar desejado facilmente, já estava meio desconfiada – tivemos duas únicas chances reais de gol (eles tiveram uma)… era muito pouco para as nossas pretensões. Keno não estava muito bem, Guedes também não, Deyverson sumido, Tche Tche, na lateral, não conseguia segurar o atacante equatoriano quando ele descia…

Logo no início da segunda etapa, com a entrada de Moisés no lugar de Guedes, o Palmeiras ficou melhor, claro. Quem não sabia que, com ele jogando com Dudu, as coisas melhorariam? E fizemos um gol lindo, logo aos 5′. Duduzinho recebeu um passe longo e perfeito de Moisés,  ele dominou, ajeitou, parou na frente da área, esperou Moisés chegar  e tocou para o profeta… finalmente abrir o mar que nos separava do gol.  Moisés deu um corte no “barcelento” e  guardou no fundo da rede, no fundo do nosso coração… Que gol lindo!  Um gol que explodiu o Allianz! E ainda mais, porque era do Moisés, que ficou tanto tempo parado. E ele, iluminado, veio nos dar o gol que tanto queríamos. Um momento lindo, de arrepiar a gente, literalmente…

Golaço de Moisés! Nessas horas, eu sempre acho que vamos morrer do coração de tanta alegria. O Allianz parecia que ia vir abaixo tamanha a força da voz da Que Canta e Vibra. A festa era linda. E todos pensamos: Agora vai!

Dez minutos depois, Egídio lançou a bola para Dudu dentro da área, ele deu o drible, e chutou cruzado, do outro lado Deyverson tocou e mandou pro gol. Mas o bandeira assinalou impedimento… Que “disgrace”. E não bastasse isso, na sequência, demos uma bobeada e o Barcelona deu um susto na gente com uma bola na trave do Jaílson…

Não pressionamos como deveríamos depois do gol… E, pra complicar ainda mais,  devíamos ter uns 30 minutos de segundo tempo quando perdemos Dudu, o guerreiro, que sentia dores e caiu no campo, chorando (imagina se ele ia querer sair de um jogo desse?)… Mas estava na cara que isso ia acontecer, Duduzinho, que doou até a alma em campo (os jogadores todos se doaram na partida), apanhou feito um condenado, e com as bençãos do árbitro…

O tempo, insensível à nossa aflição, voava…

Seja pela ausência de Dudu,  ou porque o time correu muito e cansou, mas o Palmeiras deu uma baixada de bola… o tempo foi passando e chegamos aos 45’… o juiz deu mais 4. Não podia ser que iríamos para os famigerados pênaltis, mas estava mais do que na cara…

O atacante do Barcelona recebeu sozinho na área, na cara do Jaílson… eu fechei os olhos e nem quis ver o resto da jogada, mas o grito da torcida me contou que alguém tinha salvado. Era Tche Tche, que apareceu e tirou a bola.

Moisés arriscou um chute de muito longe e começou a mancar depois… Se a coisa já tava dramática, imagina como seria com a possibilidade de cobranças de pênaltis cada vez mais real?

O juiz apitou o final de jogo, o Allianz gritava o nome de Jaílson. Eu rezava por ele, mas não podia evitar de pensar que Prass, nosso pegador de pênaltis, nosso milagreiro que  faz até gol de título, estava no banco… Jean e Guedes, que são os que sempre cobram nas partidas, também estavam…

O Allianz, tenso, aflito, cantava a plenos pulmões… Que tensão… tá doido! Não faltara raça, não faltara empenho dos nossos jogadores, mas tinha faltado saber mais de um caminho para o gol, tinha faltado ter “estudado mais do que a tabuada do 9″…

Eu nem queria olhar as cobranças – isso é de praxe… Acho que a lua, meio supersticiosa, assim como eu,  também não queria, porque ele já tinha desaparecido no céu.

Eles cobraram primeiro e marcaram… Guerra marcou o dele… Fizeram o segundo… Tche Tche também fez… Fizeram o terceiro…  Bruno Henrique, machucado, foi para a cobrança e o goleiro defendeu, por um segundo ou dois, o Allianz ficou dolorosamente calado, e eu soube então o que acontecera… Acertaram a quarta cobrança – todo mundo dizia que Jaílson por muito pouco não pegara…  Então, resolvi olhar a nossa quarta cobrança e vi Keno chutar muito bem, guardar o dele e sair vibrando…

Nossos pensamentos estavam todos em Jaílson… Jaílson tinha que pegar ou pegar…

De olhos fechados eu rezava por Jaílson… e o Allianz explodiu na defesa do nosso goleiro…. Haja coração! Moisés, mancando, cobrou e guardou.  Tudo igual. Novas cobranças começariam. Agora, se um fizesse e outro errasse, acabaria ali. Eles marcaram o deles, Egídio cobrou e o goleiro defendeu… final de ano pra gente, e sem presente de Natal…

O Jaílson defendeu um… o goleiro deles defendeu dois… Mas, na nossa visão é sempre o mesmo, o pênalti defendido pelo nosso goleiro, é só mérito dele, os que foram defendidos pelo goleiro adversário é só demérito dos nossos jogadores…

Uns culpam a cobrança de pênalti de Egídio, culpam Egídio pela eliminação, e esquecem que perdemos duas cobranças; outros culpam os que não quiseram/não se sentiram confiantes para cobrar a penalidade – não achei legal saber que jogadores fugiram da raia na hora em que o Palmeiras mais precisava, e não achei legal também isso ter sido dito para imprensa.

E, de verdade, prefiro mil vezes um jogador que erra na cobrança de um pênalti, mas que foi lá sentir a pressão de cobrar uma penalidade tão importante, do que um que poderia ter acertado, mas fugiu da responsabilidade na hora de cobrar. Porém, não tenho raiva dos que se recusaram a fazê-lo. Apesar de não terem a coragem que eu gostaria que tivessem, apesar de não terem aquele algo mais que deveriam ter na hora de o time decidir algo,  pelo menos foram honestos ao dizer que não estavam em condições.

Mas não foi só por isso que nosso ano foi desapontador, não foi só isso… Nosso futebol ficou devendo. Veja só, não conseguimos marcar dois gols no… Barcelona de Guayaquil, e em casa.

Se um projeto que nos parecia tão grandioso e no qual acreditávamos tanto, infelizmente naufragou, os motivos são vários e a responsabilidade é de todo mundo… jogadores, comissão técnica e dirigentes – não necessariamente nessa ordem.

Só a torcida não tem responsabilidade alguma nisso, mesmo com as cornetas todas, porque ela carrega o time nas costas – até mesmo literalmente, se precisar.

Nossos planos não deram certo, é uma pena, mas acontece. Estamos desapontados, frustrados, bravos, mergulhados em tristeza, mas penso que não temos que caçar bruxas, nem colocá-las na fogueira. Reclamar, sim; acender o fogo do inferno de novo, não. Agora é hora do mea-culpa geral lá no Palestra, é hora de todo mundo lá admitir as próprias falhas – sem tirar da reta- , consertar os erros (temos condições de consertar sim), de repetir os acertos, de unir forças… e levantar a cabeça… temos muitas partidas para disputar e tentar vencer ainda este ano.

E a torcida, sou capaz de apostar, vai continuar apoiando como sempre faz. Aliás, essa é a parte que nos cabe.

Sigamos em paz…  #AvantiPalestra e #VoltaLogoPN

Deveria ser proibido ao Palmeiras jogar em sua casa, diante da sua torcida, sem o time principal, sem a formação com mais condições de buscar uma vitória…

Numa ótima sequência, tínhamos conquistado 13 pontos, de 15 possíveis, nas últimas 5 rodadas do Brasileirão, E não precisávamos ter ido com o time tão reserva assim no jogo de ontem, diante do Atlético-PR.  Cuca errou (de novo) ao fazê-lo. E perdemos pontos por isso.

Quem costuma me ler aqui sabe o que penso, títulos são consequência de trabalho, de time que “encaixa”, de planejamento, de arbitragens corretas (no Brasil, isso é um problemão), de um monte de fatores, e não espero que o Palmeiras ganhe todos os títulos… o que eu espero mesmo do Palmeiras, o que eu quero, é que ele tenha condições de disputar os títulos (quero poder sonhar com eles), sem que ele seja apenas um mero coadjuvante nos campeonatos. É isso o que o Palmeiras vem fazendo nos últimos tempos, era isso que  Maurício Galiotte dizia – numa reunião da qual participei, antes da sua eleição – que poderíamos esperar do Palmeiras campeão brasileiro que ele assumiria. Então, temos que nos manter na trilha…

E nem se fossemos jogar contra o Barcelona de Messi, e não contra o Barcelona genérico, eu acharia legal darmos adeus ao Brasileiro 2017 antes mesmo do início do segundo turno, com 19 rodadas pela frente (matematicamente é possível ainda, porém, improvável). Mesmo porque, na Libertadores, estamos ainda nas oitavas de final, disputando uma vaga contra um adversário que todos comemoramos quando foi sorteado para o nosso time.

A Libertadores não é a minha obsessão. No entanto, como o Palmeiras é o atual campeão brasileiro, é natural que as atenções se voltem para a Libertadores, é natural que o foco do torcedor seja o torneio que gostaríamos de conquistar pela segunda vez. Mas não precisamos abdicar da disputa de um campeonato importante, que dura praticamente o ano todo (e enche os cofres do clube com as rendas desse ano todo), ainda no primeiro turno, não é mesmo?  Para o Palmeiras essa roupa não serve, não cai bem, e não me agrada.

Resultado ruim o 0 x 1 de ontem. Tomamos um gol besta num vacilo gigante do nosso zagueiro. Após a cobrança de escanteio do Atlético-PR, Juninho conseguiu perder para um “Tchagueleno”, gordão, que estava atrás dele, e que mesmo sem sair do chão, levou a melhor e mandou pro gol. E não fizemos quase nada para mudarmos isso no jogo. Tivemos duas boas chances, mas, em uma delas, o Erik se embananou na frente da bola e na cara do gol; e, na outra, depois de um bom passe de Borja, Antonio Carlos desperdiçou e mandou por cima (do seu lado esquerdo havia 3 palmeirenses). O goleiro deles ainda fez uma defesa excelente, Prass também fez duas defesaças. E aí surgem as desculpas mil para justificar a derrota em casa e a opção – errada – de se colocar em campo um time todo reserva…

“Mas o X errou, depois o Y errou também e proporcionamos o escanteio para o adversário”… O time do Atlético também nos proporcionou vários escanteios e não fizemos nada com eles. Escanteios não são certeza de gol e, em muitas ocasiões, nem perigosos são. Nós tomamos o gol por causa da falha do nosso zagueiro.

“Mas time reserva é isso mesmo,  não tem entrosamento, não funciona”… Se nós sabemos disso, o técnico também sabe. E se sabe, como manda a campo um time que não vai funcionar – e o pior, deixando um reserva como Keno no banco e optando pelo Erik, sendo que o que ficou no banco é melhor?

“Mas nenhum clube ganha brasileiro e Libertadores no mesmo ano”, me disse um amigo – outras pessoas também me disseram algo parecido.  Isso costuma ser verdade. E eu gostaria que já tivéssemos conquistado a Libertadores para podermos fazer essa afirmação, mas isso ainda não aconteceu. Só depois de a conquistarmos, SE a conquistarmos, é que esse argumento nos servirá.

“Mas era para poupar, nós estamos disputando duas competições”…

O Grêmio disputa três torneios, está na semifinal da Copa do Brasil, poupou apenas alguns jogadores para o jogo desse final de semana e venceu; nem mesmo o Atlético-PR, que também disputa a Libertadores, veio com time reserva jogar contra o Palmeiras. Por que precisaríamos “poupar” todo mundo? Por que alguns jogadores titulares não poderiam jogar meio tempo? Por que a defesa, para ficar afiada, não poderia ter o Luan, por exemplo? Cada um tem uma opinião, não sou a dona da verdade, mas eu não concordo com isso de poupar todo mundo. Ontem, não era necessário…

No entanto, vamos ter que esperar o final da história (a nossa parte na história) para sabermos se esses aborrecimentos que estamos tendo agora vão valer a pena. Embora a Libertadores não seja a minha obsessão, se estivéssemos fora dela, se não tivéssemos obtido uma das vagas na competição (nosso título de campeão brasileiro nos deu a vaga), estaríamos certamente nos lamentando por isso… e, não tenho dúvida alguma,  se conquistarmos esse título, se o Palmeiras vier a ser o Campeão da América, eu, você e todos os palmeirenses do planeta não daremos a mínima para o que acontece agora… nenhum de nós ligará pra isso, e esses tropeços todos, esses vacilos do nosso time, do nosso técnico, os pontos que deixamos de conquistar,  perderão completamente a importância.

Portanto, as reclamações acabam aqui, vamos focar na partida de quarta, no passo que precisamos dar para conquistarmos a vaga e seguirmos em frente na competição. E que não seja por falta de apoio, de incentivo e carinho nosso, não é mesmo?

Que o Allianz seja pequeno para toda a boa energia que levaremos pra lá na quarta-feira… E que os parmeras de todos os cantos do planeta estejam juntos em nossa casa… de alma e coração, porque vamos cantar, vamos fazer festa, vamos todos “entrar em campo”.

CAPRICHA NOS PARANAUÊS, CUCA! E VAMOS BUSCAR, PORCOOO!