PALMEIRAS 10.2… NOSSO CORAÇÃO ESTÁ EM FESTA

Palmeiras-102

102 anos de Palmeiras… é festa em nosso coração

Mas o que dizer sobre o Palmeiras que ainda não tenha  sido dito?

Que ele é o maior campeão do Brasil… o primeiro campeão mundial de clubes… que já foi recebido e festejado por um milhão de pessoas após uma conquista… que a seleção brasileira só conseguiu ser campeã nas vezes em que teve um palmeirense na equipe… que ele vestiu a camisa da seleção brasileira – do goleiro ao ponta esquerda, com técnico e tudo –  e a honrou vencendo um dos seus grandes rivais… que ele tem a melhor, mais atuante e apaixonada torcida… que ele teve que vencer adversários + arbitragens desde a primeira vez que se inscreveu na liga, em 1916… que ele foi o clube que abriu as suas portas para a Cruz Vermelha transformar as suas instalações em hospital, na época da gripe espanhola, e ganhou a simpatia e o respeito do povo… que ele conquistou as 5 coroas… que seus títulos são todos legítimos… que ele venceu o Santos por 8 x 0,  venceu o Corinthians por 8 x 0 e nunca recebeu o “troco” de nenhum dos dois… que ele comprou seu campo de  futebol, e mais uma grande área no entorno dele, há quase um século, em 1920… que, no seu primeiro jogo internacional, ele goleou a seleção paraguaia por 4 x 1…  que foi o primeiro clube do Brasil a ter a honradez de assumir  os seus erros e jogar a série B, sem fazer mutretas e conchavos para permanecer na série A… que ganhou o título e o troféu  de Campeoníssimo… que ele enfiou 6 x 1 no Boca Juniors… que ele foi Palestra e teve que virar Palmeiras para que não lhe tomassem o seu patrimônio… que ele entraria em campo como “inimigo da pátria” e ao pisar no gramado seria aplaudido por todos…

Que quando reformou o Parque Antarctica, em 33, passou a ter o Palestra Italia, o estádio mais moderno do país… que hoje tem o Allianz Parque, a melhor, mais moderna e mais bonita arena do Brasil, uma das melhores do mundo… que saiu de uma “fila” indigesta, em 93, goleando o seu maior rival por 4 x 0 (fora o baile)… que 12 de Junho é o nosso feriado… que ganhou uma Copa do Brasil, em 2012, e teve festa do ‘Oiapoque ao Chuí’… que conquistou uma Libertadores, apresentando ao país o maior goleiro de todos… que passou vários anos sem conquistas e, mesmo assim, nenhum rival conseguiu superá-las… que o Palmeiras nasceu numa final de campeonato em que ele foi o campeão e o seu adversário fugiu de campo antes do jogo acabar… que o Palestra/Palmeiras deu ao Brasil os maiores craques de todos os tempos… que ele é o campeão do Século… que conquistou a Copa do Brasil, em 2015, de maneira épica, e que nunca se viu nada parecido com o que aconteceu no Allianz…

Nada disso eu preciso dizer… Isso todo mundo conhece, todo mundo sabe (mesmo aqueles que fingem que não sabem). A história do futebol guarda todas essas lindas memórias.

O que a história não conta é que desde  que eu e o Palmeiras nos esbarramos (numa outra existência, talvez), a minha vida mudou por completo…

Que ele tem a capacidade de me encantar por qualquer motivo, de me fazer sorrir, de fazer meu coração quase parar de felicidade, de me emocionar, até mesmo quando entra em campo…

A história do futebol não conta que o Palmeiras sempre foi generoso comigo, sempre me permitiu ser exatamente do jeito que sou, que me ajudou a conhecer as boas coisas que haviam dentro de mim… e me fez ser uma pessoa melhor…

Que ele me deu as maiores e mais inesquecíveis alegrias… os melhores e mais caros amigos…

Me deu ídolos maravilhosos e tão amados… me deu o privilégio de ver em campo os mais talentosos e mágicos jogadores…

Que me tirou o sono tantas vezes, numa ansiedade gigante, antes de partidas importantes… e me deixou sem dormir outras tantas vezes porque a alegria era tão grande que não cabia no peito e nem na cama…

Que em todas as vezes que alguém me perguntou para qual time eu torcia, eu sempre respondi (e respondo) com um sorriso, sentindo o maior orgulho do mundo ao dizer: Eu sou Palmeiras…

Que em todas as vezes em que canto o “nosso hino” no Allianz, em alguns trechos só consigo  mexer a boca, porque a voz não sai de tanta emoção…

Que eu vivo e respiro Palmeiras… que ele é a melhor parte da minha vida…

Não dizem também, que nunca houve – e não vai haver -, tempo ruim entre mim e ele. Que ele será amado e respeitado, na alegria e na tristeza, nas vitórias ou na falta delas, com títulos, ou sem eles… por todos os  dias em que eu viver.

Parabéns, Palmeiras, seu lindo!

Eu te desejo muitas conquistas, é claro. Te desejos muitos gols marcados, nenhum ou pouquíssimos gols sofridos, desejo grandes defesas embaixo de nossas traves; te desejo jogadores de fibra, de raça e talento, que deixem a alma em campo para honrar a sua camisa; te desejo paz para seguir seu caminho, te desejo mais uns 42 pontos conquistados no restante desse campeonato… mas, acima de tudo, e por toda a sua existência, eu te desejo pessoas… que te amem tanto quanto nós o amamos agora, que “entrem em campo” como nós fazemos agora;  te desejo o Allianz Parque sempre cheio, a sua gente sempre feliz e cantando sem parar.

Te amo, ‘Parmera’! Auguri.

 

 

 

 

 

 

CAPRICHA AÍ, CUCA! E VAMOS GANHAR, PORCOOO!!

Sabe quando você está adorando uma pessoa e, depois de um tempo, começa a perceber uns defeitos que não via antes? Sou eu com o Cuca…

Sei que ele é o responsável pelos muitos pontos que o Palmeiras amealhou no campeonato, sua escalações “de acordo com o jeito de jogar do adversário”, as suas substituições, sacando do time quem não estava rendendo e fazendo mexidas cirúrgicas, colocando pra jogar quem estivesse melhor (eu estava adorando isso) fizeram o Palmeiras ganhar jogos nos quais precisou vencer até mesmo as arbitragens (GRE, FLA…), só que isso não vem mais acontecendo… E perdemos muitos pontos de bobeira… e, no meu entender, por grande responsabilidade de nosso técnico.

Não frequento os treinos, não sei o que acontece, mas, aqui de fora, percebo algumas coisas… se estou certa, não sei… mas tá parecendo que Cuca não gosta de argentinos e os quer bem longe (e que idiotice se isso for mesmo verdade). Sem contar que anda segregando bons jogadores do nosso elenco, como é o caso do Gabriel, do Rafa… E o pior, essa segregação toda acontece em favor de jogadores que não rendem pra justificar essa preferência.

O rendimento do time vem caindo, na hora em que deveria estar acontecendo o contrário. Os rivais dão mole, e a gente, ao invés de aproveitar os vacilos adversários, dá mole também…

Jesus faz falta, eu sei (Prass faz muito mais), mas dá para jogarmos sem ele, dá para vencermos, afinal, temos um bom elenco. Não entendo um Dudu (que decidiu uma partida de final de campeonato) no banco, e não entendo também ele jogar como meia, nas vezes em que entra em campo… Não entendo o Allione que nunca é chamado pro jogo (mesma coisa com Rafa, que já foi decisivo em tantas partidas importantes), mesmo nas vezes em que CX está sumido nas partidas, só tocando de lado… E não vou entender nunca um Barrios no banco e  Leandro Pereira em campo… não faz sentido algum, e também não há estatística e número nenhum que justifique isso…

Se formos olhar, só por cima, Leandro fez 121 partidas como profissional, marcou 35 gols, média de 0,289 por partida; Barrios fez 439 partidas (colocou Lewandovski no banco), marcou 194 gols, média de 0,441 por partida. Leandro marcou 11 gols jogando pela Chapecoense, marcou 9 pelo Palmeiras, foi para a Bélgica e em 24 partidas não marcou nenhum. Não quero desmerecê-lo, mas Barrios vai ser reserva dele por qual motivo?

Jogadores são peças de uma engrenagem e devem ser utilizados no time como tal, para fazer a engrenagem render o melhor possível, e nunca serem escalados porque são amiguinhos, ou porque são brasileiros, ou seja lá qual for o motivo. Pô, Cuca!

Sei que o Cuca é bom técnico, já nos mostrou isso, e o que espero dele é que faça o seu melhor, como estava fazendo antes, como fazia quando o time tava sobrando em campo… acredito que ele pode nos dar o que pedimos, e é por isso a cobrança, quero ser campeã com ele. Além do mais, já não basta todos os pontos que as arbitragens nos tiram? Não podemos contribuir com isso, não é mesmo?

Não jogamos bem boa parte da partida, não criávamos nada,  mas poderíamos ter ganhado da Chapecoense; um gol impedido, que o juiz e bandeira validaram, a colocou em vantagem no jogo – embora a imprensinha nada, ou quase nada, tenha falado sobre esse impedimento, estava impedido sim.

Mesmo num ângulo não muito favorável – ninguém disponibiliza a imagem de lado – é inconfundível o fato que os de camisa escura estavam à frente dos de camisa branca.

Chapecoense-gol-impedido

No segundo tempo, quando viu que a coisa tava complicada e nosso gol não saía, Cuca, parecendo ouvir nossos apelos colocou Barrios e Allione em campo (CX já tinha entrado antes), e eles mudaram o jogo, o Palmeiras passou a jogar diferente, ficou mais perigoso, o goleiro deles, -como fazem todos os goleiros que jogam contra o Palmeiras – pegava tudo e mais um pouco.

E então, já depois dos 30′ do segundo tempo (estávamos atrás no placar desde a primeira  etapa) num ataque verde, Cleiton Xavier foi tocado por trás dentro da área. E, para nossa sorte, o juiz marcou o pênalti (a maioria dos árbitros se recusa a marcar as penalidades máximas que sofremos).

Tudo bem que CX exagerou na tentativa de mostrar que tinha sido atingido, mas, ao contrário do que o descontrolado Caio Junior reclamava (tô esperando o STJD o fritar, como faria se fosse o Cuca a fazer aquele escândalo todo, a retardar o jogo), ao contrário do que a imprensinha tanto tentou fazer parecer (ela adora fazer parecer que o Palmeiras foi beneficiado, quando, na verdade, ele foi prejudicado), foi pênalti sim.

CX-pênaltiCX-pênalti1

Jean foi lá e empatou a partida.

O time tentou buscar a virada, mas o jogo terminou empatado. O importante é que mostrou a todos nós, deve ter mostrado ao Cuca também, que o caminho pra realinhar o time, que o caminho para fazê-lo jogar melhor está logo ali, pertinho, ao nosso alcance. Tomara o nosso técnico tenha percebido…

Vou falar de novo… quero ser campeã com Cuca, estou esperando por isso desde 92… e acho que ele também.

CAPRICHA AÍ, CUCA!! Hoje é só fazer a lição de casa!

PRA CIMA DO VITÓRIA! E VAMOS GANHAR PORCOOO!!

#FORZAPRASS ! E ATÉ BREVE, CAMPEÃO

TextoFinal-Prass-elenco

Foi uma paulada… jamais imaginaríamos que aconteceria algo com Fernando Prass, o nosso goleiro amado, herói das metas palestrinas e melhor goleiro do Brasil, enquanto ele estivesse a serviço da seleção brasileira, ainda mais antes de estrear.

Eu não pude acreditar quando me avisaram no whatsapp que Prass teria uma fratura no cotovelo… como assim, meu Deus? Fratura? Ele havia sentido dores no cotovelo, ok, mas, na sexta-feira à noite, uma publicação da CBF dizia que estava tudo bem com ele, que provavelmente poderia até jogar o amistoso, e no final da tarde de sábado… uma fratura? A ser confirmada ainda? Uma fratura que acontecera no aquecimento (era o que diziam)?

A notícia esmagou o meu coração…

Às vezes, a vida tem um jeito horrível de escrever as coisas… Era impossível não chorar… era impossível não sentir a dor que Prass deveria estar sentindo… a empatia me fazia sentir aquele gosto horrível de sonho que não se realizou por inteiro, aquele gosto amargo de “quase”… me fazia sentir a dor dele, que perdia também o restante do campeonato brasileiro. Sim, para aumentar a nossa tristeza,  Prass não joga mais neste ano.

Não era nosso sonho que Prass fosse convocado, que viesse a ser capitão da seleção brasileira, não, nós o queríamos no Palmeiras; a maioria das pessoas (sou uma  delas) nem gosta mais da seleção. Mas a seleção era o sonho de Prass (é o sonho de todos os jogadores de futebol) e, por isso, sonhamos com ele, nos alegramos com ele, por isso, quase morremos de felicidade quando o vimos com a camisa da seleção canarinho… por ele – por Gabriel Jesus também -, iríamos torcer muito pela seleção.

Mas nosso herói sofreu um revés da vida… e se tinha uma pessoa que não merecia passar por isso, essa pessoa é Fernando Prass, profissional, sério, ético, muito dedicado… um atleta que honra mesmo a camisa que veste. E é por isso, por ele, que doeu tanto na gente.

“O Prass não!”, dizíamos todos… mas a confirmação do corte veio… e também a imagem dele, mochila nas costas, abatido, falando ao celular… como administrar algo assim? E, chorando, eu só conseguia me lembrar daqueles olhos brilhando, sorridentes, que fizeram Prass parecer mais menino que Gabriel Jesus na coletiva pós convocação…

Numa hora dessa a gente vê que gosta do Prass ainda mais do que imagina… e chorávamos todos. Estou chorando até agora.

Mas a vida é assim, Prass… ninguém poderia ser chamado de guerreiro se não tivesse batalhas para vencer… ninguém poderia ser chamado “forte” se não tivesse que enfrentar obstáculos e momentos de superação…

Não se abale,  não esmoreça, capitão! Você representa muito pra todos nós, é o nosso herói, o cara que ajudou (e como ajudou) a escrever o início de novos e felizes tempos no Palmeiras, e que escreverá muitos mais. Estamos com você nessa! E estaremos juntos em cada momento dessa batalha, que será mais breve do que imaginamos, se Deus quiser. “Iremos” até às sessões de fisioterapia com você, esteja certo disso. E nossa admiração, nosso carinho e nosso amor vão te recuperar (os médicos do Palmeiras também, claro), e logo você estará de volta ao gol do Verdão. Outras oportunidades na seleção vão te encontrar pelo caminho, acredite. Você merece que isso aconteça.

Hoje, choramos todos de tristeza (imagino que até a camisa da seleção esteja chorando porque não será mais vestida pelo melhor do país)… mas, em breve, choraremos de alegria, juntos!

O Palmeiras jogará pra você, tenho certeza. Esse infortúnio de agora será o combustível extra pra conquistarmos a outra metade do campeonato e oferecê-la a você, já que você foi indispensável na conquista de quase um turno inteiro. Vagner e Jaílson, que são ótimos goleiros, serão um espelho seu em campo. Se tudo der certo – e vai dar -, no final do ano, ao lado de seus companheiros e da sua família verde-esmeralda você levantará a taça de campeão pra nós.

#ForzaPrass!! Um cara que joga brilhantemente no gol, que superou tantos momentos difíceis transformando-os em alegrias imensas, e tirou de letra a pressão de cobrar um pênalti pra decidir uma competição e dar um título ao seu time,  pode superar qualquer coisa!  Que o imenso amor da Família Palmeiras conforte o seu coração… e esteja com você todos os dias.

ATÉ BREVE, CAMPEÃO!!
PalmeirasTricampeão-PrassMonstro

 

Global, mundial… whatever… É Palmeiras campeão do mundo!

E então, ontem, a Fifa parabenizou o Palmeiras pela conquista do Mundial de 51, uma conquista que o cotovelo de um monte de gente insiste em negar…

E então, a Fifa escreveu que “verde era a cor da inveja”, e se referiu ao Palmeiras como “first global champion” – o Ibama não consegue nem calcular a quantidade de gambás (e outros bichos) que foram dizimados com essas afirmações…

Aí, parte da imprensa tupiniquim, a parte dos torcedores (rivais) profissionais de imprensa, se viu meio obrigada a noticiar a homenagem da Fifa ao Palmeiras, uma vez que os palestrinos veicularam as imagens dessa homenagem até não querer mais. Mas a imprensa não foi capaz de traduzir todas as palavras de  “first global champion”, não foi capaz de usar a palavra que tanto a incomoda… fizeram questão de não traduzir “global” como “mundial”, que seria o termo que mais comum aos brasileiros. Embora o significado seja o mesmo, não costumamos dizer aqui “campeão global”. Chegou a ser engraçado ler as tais manchetes.

Talvez, tenha doído muito a articulação entre o braço e o antebraço de uns; talvez, tenha doído o “curanchinho” de outros… talvez, se valendo da ignorância de muitos, tenha a imprensa feito uma última tentativa de fazer parecer diferente o que é fato consumado, é história… who knows?

Mas vamos lá… não exige muito dos neurônios. Até os dois que eu possuo – Edmundo e Valdivia – dão conta do recado…

Primeiro, vamos procurar os sinônimos (palavras de mesmo significado) para o termo “global”, usado em inglês…

Global-sinônimo

Um dos sinônimos é “worldwide”…

E qual será o significado de “worldwide”?

Tcharam…  M-U-N-D-I-A-L !!! Até o tradutor do Google sabe isso.

worldwide-significado

OMG!! Mundial? Como assim?

Será que no dicionário Inglês-Português é mundial também? “Não podice”! “Quitaconteceno??”

I’m sorry, people…

global-tradução

Então, né? Mais do que isso só se for desenhando… Palmeiras “first global champion” = PALMEIRAS PRIMEIRO CAMPEÃO MUNDIAL !! Consummatum est!

Força no analgésico e no antinflamatório, “rivaus”!  😉

 

GREEN IS THE COLOUR OF ENVY

Hoje, comemoramos a conquista do Mundial de 1951… a nação palestrina está em festa.

65 anos da Copa Rio… 65 anos de uma explosão de alegria que parou e emocionou todo um país… 65 anos de paixão…

Sim, foi num distante 22 de Julho de 1951, no ano seguinte ao Maracanazo (a frustração imensa pela derrota do Brasil para o Uruguai, na final da Copa de 1950), que a Sociedade Esportiva Palmeiras protagonizou o feito mais espetacular de um clube para o futebol brasileiro… Enfrentando grandes  times europeus, enfrentando, na final, a temida Juventus de Turim-ITA, conquistou a Copa Rio e resgatou o orgulho de uma nação. Assim, o Palmeiras se sagrou campeão mundial, o primeiro campeão mundial de clubes,  e trouxe o sorriso de volta ao rosto tão sem alegria do Brasil. Trouxe o futebol, e a vontade de se falar sobre futebol, de volta à todas as conversas, de volta aos bares, ao rádio, às TVs, aos estádios, às ruas, de volta à vida dos brasileiros…

Só podia ser o Palmeiras… quem mais haveria de protagonizar um feito tão maravilhoso? Quem mais poderia ter a torcida e o carinho de todo um país, de torcedores de todos os clubes? Quem mais poderia escrever uma página tão linda para o futebol brasileiro e mundial?

Os torcedores brasileiros todos conhecem essa história – até os que fingem não conhecê-la a conhecem. Nem é preciso republicar as imagens dos jornais da época, as fotos todas… Todo mundo já viu isso em algum lugar, em algum momento…

A data de hoje é nossa, é dos palmeirenses, palestrinos, alviverdes… apaixonados pelo Palmeiras, de todas as etnias, e dos mais diversos pontos deste planeta. É uma data para comemorarmos, para reverenciarmos o nosso clube –  gigante do futebol -, e os heróis desse feito tão extraordinário. Uma data de festa em nosso coração.

Hoje, abrimos as janelas e deixamos a taça da Copa Rio, a taça do Mundial, iluminar o nosso mundo. Hoje, abrimos os nossos corações e os baús todos, para “revivermos” a história, para contarmos aos mais jovens sobre a história e grandeza da SEP.

Nunca antes – nem depois também – na história do futebol brasileiro  um clube foi recepcionado por mais de um milhão de pessoas após uma conquista – imagina o tamanho da alegria que sentia  aquela gente toda? Imagina o orgulho dos palmeirenses na ocasião?

Meu pai foi um deles… ele foi assistir ao jogo do Palmeiras em 1951… O que ele viu e sentiu naquele dia, ele me transmitiu no DNA, no sangue…  Talvez seja por isso que eu me emocione tanto nesse dia.

Hoje, 22 de Julho de 2016, 65 anos depois daquela maravilha, da catarse que foram os gols de Liminha e Rodrigues e a conquista do Palmeiras,  estamos comemorando o campeão mundial e o seu título, estamos “relembrando” aquelas coisas que não vivemos, mas que a história e a memória do futebol palestrino, brasileiro e mundial guardaram para os nossos tempos… estamos falando o dia todo sobre isso, e eu fico pensando com meus botões (todos verdes)…

Conheci Oberdan Cattani, beijei aquelas mãos inúmeras vezes, mãos que escreveram páginas tão lindas da nossa história, agradeci a ele inúmeras vezes também. Em cada oportunidade em que pude estar com Oberdan eu olhava pra ele e dizia pra mim mesma: é a história do Palmeiras que está diante de mim – nunca perdi a impressão tão forte que ele me causava. Era sempre emocionante estar diante daquele homem, lenda viva da SEP, era como se ele trouxesse o perfume e o brilho daqueles jogos que eu não vi, daquele Palestra/Palmeiras que não conheci, dos  gols e defesas que não comemorei… Ele me fazia respirar os mesmos ares de outrora… Enquanto ele me contava as histórias, e seus olhos pareciam rever todas as cenas, eu passava a me sentir como se tivesse mesmo estado lá.

E foi através de Oberdan que pude conhecer e abraçar, pude agradecer Fabio Crippa, o goleiro que foi titular do Palmeiras na final de 51. Ainda não acredito nisso tudo e me pergunto: Como pode Deus, a vida, terem me proporcionado algo tão fantástico assim? É muita coisa pra uma reles mortal.

Hoje, enquanto Brandãozinho, o único remanescente dessa conquista, teve a oportunidade de matar a saudade da taça do Mundial – o Palmeiras a levou até ele dias atrás -, nossos outros heróis descansam no Olimpo Verde… e por certo há comemoração lá também. Talvez até meu pai esteja com seus ídolos…

E a energia da fantástica façanha palestrina, daquele torneio memorável, daquela última partida de tirar o fôlego dos 100 mil torcedores que estavam no Maracanã, a energia dos sorrisos todos que foram dados, das lágrimas de alegria que correram por milhões de rostos, dos gritos que ganharam os ares,  de todos os abraços que foram trocados, dos aplausos… a energia dos torcedores do Palmeiras, a energia de cem mil pessoal, em pé no estádio, acompanhando os últimos minutos com uma ansiedade enorme, esperando o juiz apitar o final…a energia da raça, fibra e talento com que nossos jogadores conquistaram esse título -um dos mais sensacionais do futebol brasileiro – para o Palmeiras e para o Brasil… essa energia toda permanecerá conosco, e será transmitida aos nossos filhos, e aos filhos dos nossos filhos e a todos os que vierem depois de nós e deles… e ela será eterna.

O livro da vida escreveu e nada e nem ninguém jamais poderá apagar… o Palmeiras é o Primeiro Campeão Mundial de Clubes. E seus filhos se enchem de orgulho.

A Fifa também lembrou dessa conquista, a Fifa também homenageou o campeão mundial de 1951…

Fifa-InstagramFifa-Instagram1

 

E é a Fifa quem diz: “Verde é a cor da inveja”… “O Verdão (o grande verde) foi a inveja do mundo todo”… “para se tornar o primeiro campeão mundial do esporte (futebol)…”

Arrasou a Fifa com esse “verde é a cor da inveja”, não é mesmo? Parece até que ela sabe como tem gente por aqui morrendo de dor de cotovelo do “Big Green” e desse nosso título…

O Palmeiras merece todas as homenagens, merece todo o nosso amor e orgulho. É o primeiro campeão mundial, é o clube mais vencedor do Brasil, o que mais títulos nacionais possui, é o Campeão  do Século… e esse Big Green vai muito mais longe… tem muita história linda pra ser escrita por ele…

PARABÉNS, PALMEIRAS, AMORE MIO! PARABÉNS, PRIMEIRO CAMPEÃO MUNDIAL!! E MUITO OBRIGADA POR TANTO!

Descansem em paz heróis palestrinos de 1951… vocês se tornaram eternos, na história e em nossos corações.