Há quem diga que todas as noites são de sonhos.
Mas há também quem garanta que nem todas, só as de verão.
Mas no fundo isso não tem muita importância.
O que interessa mesmo não são as noites em si, são os sonhos.
Sonhos que o homem sonha sempre.
Em todos os lugares, em todas as épocas do ano, dormindo ou acordado.”
( Shakespeare )

Algumas pessoas, mais do que outras, nos ensinam a sonhar; dentre essas, uma ou outra transforma nossos sonhos em realidade…

Obrigada Marcos…

Você nem imagina quantas vezes me fez sonhar… Sonhei, de olhos abertos, e fechados também, o sonho de milhões de palestrinos. Sonhei que conquistaria a América; sonhei que um coração palestrino pulsaria em gramados estrangeiros, vestindo a camisa da seleção brasileira; sonhei que esse coração palestrino voltaria pra casa campeão; sonhei que torcedores de todos os times se curvariam diante do talento e da grandeza do Palmeiras; sonhei que nossos rivais sucumbiriam diante das nossas cores… Sonhei que, mesmo numa época de escassez de títulos, te veria dar a volta olímpica no Palestra Itália, outra vez…

Foi impossível não sonhar com defesas fantásticas e momentos de puro êxtase; com aquele nó na garganta, tão delicioso; sonhei que lágrimas escorriam quentes por minha face, enquanto as minhas mãos tremiam, geladas; sonhei, tanto, com aquele grito que explode na garganta e alivia o coração, depois de momentos de extrema aflição…

Eu sonhei muito com aquela defesa de pênalti em 2000…

Eu sonhei com um guerreiro, que amasse o Palmeiras como eu amo…

Você realizou todos os meus sonhos…

Mas eu juro que não tinha sonhado que você ficaria aqui para jogar a segunda divisão. Ainda que me doesse, achava justo que você aproveitasse o seu momento…

E naquele jogo em que perdíamos para o Grêmio, com o nosso coração morrendo de vergonha e tristeza pela apatia do time, e por mais um campeonato que ia pelo ralo, eu não sonhei que você se dirigiria, com passos firme até a área, para tentar, você goleiro, fazer o que os outros jogadores não faziam. Foi a nossa única alegria naquela noite. Você nem imagina o orgulho que o nosso coração amargurado sentiu…

Eu não sonhei que você abandonaria as declarações engessadas comum aos demais jogadores e, tantas vezes, e por amor, cobrasse os seus companheiros para que defendessem as nossas cores com mais profissionalismo e respeito… Não sonhei com um jogador que tivesse a humildade de admitir os próprios erros… Não sonhei com aquela “conversa” com os seus companheiros minutos antes de subirem ao gramado para a final com a Ponte Preta…

Não sonhei com um pentacampeão, voltando pra casa, vestindo o manto sagrado…

Não, eu não sonhei que você se lesionaria tanto, que se quebrasse todo (como você mesmo já disse) e ainda assim, e a despeito de todas as dores, tratamentos, remédios e cirurgias, continuasse embaixo das nossas traves, honrando aquela camisa como nenhum outro…

Eu que sempre aprendi que ídolos existem para serem amados e respeitados, não sonhei com um ídolo que nos amasse e respeitasse também…

Não sonhei com as lições de grandeza que você nos deu… Não sonhei com aquele momento histórico que você se recusou a viver, ao não cobrar um pênalti, apenas para respeitar o companheiro que estava começando a carreira…

Não imaginei que haveriam os “milagres”…

Não sonhei com o privilégio de acompanhar a carreira do maior jogador da Sociedade Esportiva Palmeiras… o melhor goleiro do Brasil…

Não sonhei com a imagem, hoje impressa em nossa alma, do anjo embaixo das traves,  braços abertos em direção ao céus…

Nem me atrevi a sonhar com um Santo no gol… Nunca sequer imaginei que o “sol” que nasceria em Oriente, brilharia dentro do meu peito pro resto da vida…

Eu não sonhei nada disso, Marcos, mas você foi além, e realizou tudo que eu não ousei sonhar…

Hoje, você comemora seu 38º aniversário. Nem nos demos conta de que o tempo passava tão rápido… Mas agora, eu quero que você saiba que eu tenho ainda mais um sonho, guardadinho no fundo do meu coração, compartilhado com 20 milhões de palestrinos e sabe-se lá com quantos não palestrinos também. Eu sonho em fazer o tempo se esticar devagar, muito devagar, para que os minutos se transformem em horas; as horas em dias, os dias em meses, os meses em anos… Sonho em parar o tempo, se preciso for, para você continuar jogando. E, quando esse tempo, para nossa infinita tristeza, inexoravelmente se cumprir, que você leve a camisa 12 com você, para que nenhum outro jamais a vista.

VIDA LONGA, SÃO MARCOS DE PALESTRA ITÁLIA!  FELIZES ANIVERSÁRIOS POR TODA A SUA VIDA!!! Que todos os seus dias e noites sejam de sonho!

AMAMOS VOCÊ! Receba a nossa gratidão e o nosso carinho…






Nosso Santo vai parar de jogar… Eu sei que você, assim como eu, não pode nem pensar sobre isso, sem que faça aquele bolo na garganta, sem que dê aquela dor, de verdade, no coração, e sem conseguir segurar as lágrimas…

Difícil…

E já que teremos que passar por isso, já que teremos que sofrer a ausência do nosso ídolo, que seja com comemorações dignas da grandeza de Marcos.

Palmeiras e Adidas vão lançar uma camisa comemorativa à despedida do Santo. Uma camisa para guardamos com as lembranças de tudo o que ele nos deu em alegrias, em respeito, profissionalismo e, sobretudo, em amor. Uma camisa que vamos vestir com o peito inflado de orgulho, de gratidão…

Alguns detalhes da camisa já estão vazando por aí. A camisa de Marcos será em branco e dourado, do jeitinho que merecem os santos. Do jeitinho que merece o nosso amigo que vale ouro! E, no peito, do lado direito, ela trará um “M” dourado… Linda demais!

Encontrei as imagens no PalmeirasOnline e não poderia deixar de trazê-las para os leitores do blog. Vejam se não tenho razão, quando digo que ela será maravilhosa…

 

 




 

 

.

“O Palmeiras merece a generosidade dos que o servem…” (Belluzzo)
.
Eu poderia falar do Palmeiras que entrou em campo com Lincoln e W.Paulista, como a torcida tanto pediu…
.
Poderia falar do carinho que a torcida tem por Felipão, e em como ele é aplaudido todas as vezes que faz a sua entrada no campo; em como isso já deixa nosso coração diferente a cada início de partida…
.
Talvez eu devesse falar do belo futebol que o Palmeiras apresentou diante do fraco Avaí. E que, mesmo sendo um time fraco, tendo dois laterais ruins e um goleiro inexperiente, não foi a causa do belo futebol do Verdão e nem tirou o mérito e o brilho da apresentação do Palmeiras…
.
Poderia falar que Luan, ontem, foi sensacional! Que, em minha opinião, ele foi o melhor jogador da partida. Que toda a luta e empenho, que ele tem apresentado em todas as partidas, foram premiadas com dois gols e lances muito bonitos. Que eu fiquei arrepiada quando o Canindé inteiro começou a gritar seu nome, em reconhecimento ao que ele fazia em campo. Que fiquei com os olhos cheios d’água quando percebi a alegria de Cicinho, vendo seu companheiro ovacionado. Poderia falar em como me pareceram desconfortáveis e negativas, aos atletas, as atitudes de uns poucos mentecaptos…
.
Talvez fosse melhor que eu falasse que Cicinho joga prá caramba!! Que eu fico impressionada vendo aquele jogador, magrinho, raça pura, nos dando alegrias na lateral direita, como há muitos anos, mas muitos mesmo, a gente não tinha…
.
Quem sabe eu devesse contar que o time todo  foi bem. Que Thiago Heleno é uma beleza de zagueiro; que nosso “Caramujo” joga muito; que o nosso lorde Assunção (sim, ele é um lorde), de futebol elegante, fez uma bela partida; que Lincoln correu e lutou muito, armou o jogo e saiu aplaudido quando foi substituído; que W.Paulista se movimentou muito bem; que Marcos fez defesas importantes…
.
Talvez o leitor prefira que eu fale da bela performance e do golaço, maravilhoso, do nosso Gladiador… que,  equivocado e talvez mal orientado, ao final do jogo acabou dando uma declaração totalmente desnecessária…
.
Talvez eu devesse falar daquele estádio que cantava sem parar, das inúmeras famílias presentes, e daquelas crianças de olhinhos brilhando com todos os lances de emoção e com os gols que o Palmeiras marcou…
.
Tudo isso eu poderia ter dito ainda no primeiro tempo, até o momento em que o placar marcava 4 x 0 para o Palmeiras, quando Lincoln foi derrubado na área e o juiz assinalou o pênalti…
.
O que aconteceu então, acho que eu não sei explicar. Foram alguns minutos, mas me pareceu ter sido um tempão. Começou como um pequeno rumor e foi ganhando força… “Marcos, Marcos!!”. Em poucos segundos o estádio inteiro pedia para Marcos bater o pênalti… Era eletrizante! O Santo, meio acanhado, lá do campo gesticulava que não. Ele não iria bater, e parecia irredutível. E a torcida insistia: “Marcos, Marcos, Marcos…”.
.

Eu ficava pensando que, caso Marcos concordasse em bater o pênalti,  aquele seria um momento histórico, que uma página maravilhosa da história de Marcos e do Palmeiras seria escrita ali, diante dos meus olhos e de milhares de outros que, com certeza, estariam em lágrimas… Que aquele era o momento certo, porque o Palmeiras vencia por 4 x 0 e, caso Marcos não convertesse o pênalti em gol, não teria problema algum. Eu pensava que mais do que por nós mesmos, queríamos aquele momento para Marcos, nosso goleiro absurdamente amado. Queríamos uma homenagem à maravilhosa carreira que ele construiu vestindo o nosso manto. Como se fosse um presente nosso prá ele. Nós que jamais poderemos retribuir tudo o que ele nos deu e ainda nos dá…
.
Não tinha como não imaginar o que seria termos um gol de Marcos ali. Imaginar o orgulho que isso traria ao torcedor; imaginar quantas camisas do goleiro seriam vendidas no dia seguinte; a exposição maravilhosa da marca Palmeiras e do nome do nosso Santo, que seria a atração dos programas esportivos, que mostrariam o seu gol à exaustão.  Um feito inédito, que seria o assunto de muito tempo nas rodas palestrinas, e em outras também; que seria manchete no resto do mundo…
.
Era impossível não desejar, do fundo do meu coração que Marcos caminhasse até o gol, com o estádio a gritar seu nome, que colocasse a bola na marca da cal e que nós, juntos, marcássemos aquele gol histórico. Juntos sim, porque estaríamos ali dentro de campo com ele, de alguma forma. Seríamos milhões a cobrar o pênalti. Marcos, os milhares de palestrinos presentes e os milhões de outros espalhados pelo mundo, diante das suas TVs ou mesmo os que ouviam pelo rádio… Marcos, marcando o gol, comemorando ajoelhado tendo seus companheiros à sua volta o abraçando… O Canindé vindo abaixo, sem que se pudesse saber, naquele momento, dentre os torcedores quais  eram os adultos e quais eram as crianças. Ah, eu sonhei tantas coisas em alguns segundos; eu senti tantas coisas diferentes naqueles breves momentos…
.
Os gritos de “Marcos, Marcos…” se faziam mais fortes. A torcida tentava convencer o ídolo. O Santo já hesitava…
.
O Canindé estava ensurdecedor! Os jogadores pararam em campo e começaram a chamar Marcos para ir bater o pênalti. A torcida enlouquecida não parava de gritar. Acho que até os anjos no céu vieram dar uma espiada para ver o que estava acontecendo ali. Foi quando Marcos deu alguns passos à frente e nos pareceu que ele iria em direção ao gol. Um jogador, nem me lembro quem foi, veio buscá-lo. A expectativa da torcida, que não parava de gritar seu nome, era tocante. Poucas vezes na vida senti uma emoção tão forte. Senti como se tivesse um sol dentro do peito. Um calor que começou no coração e invadiu meu corpo. O estádio era energia pura! Sentia a pele toda arrepiada… Mas, Marcos, mesmo sendo puxado pelo companheiro, mesmo vendo os outros jogadores o chamando, tomou a decisão final e voltou para o gol dizendo que não iria bater.
.
Confesso que fiquei frustrada, acho que ficamos todos nós… Não poderíamos perder um momento como aquele. Momento em que o livro da história estava aberto, com uma página em branco, só esperando para ser escrita…
.
Caímos do sonho e voltamos ao estádio… Nosso Gladiador foi lá e marcou o quinto gol do Palmeiras, colocando números finais na goleada. Coroando com mais um gol a belíssima partida que o Palmeiras de Felipão e, por causa de Felipão, fizera. Um resultado importante, que colocava o Palmeiras na vice liderança do campeonato e trazia de volta o futebol que o torcedor gosta de ver.
.
.
Na saída, os comentários eram todos sobre o gol que Marcos poderia ter feito, eram todos sobre aquela alegria, rara, que poderíamos ter tido.  Felipão não permitira, mas isso eu só saberia mais tarde. Marcos até teria ido para a cobrança, embalado no apelo da torcida. Ele confessaria depois que estava louquinho para ir, mas que não poderia, em sinal de respeito ao jovem, em começo de carreira, que agora defendia as traves do Avaí.
.
Ainda que eu não concorde, uma vez que, em seu lugar, nenhum outro teria hesitado um segundo sequer, não posso deixar de me curvar à humildade de Marcos, à sua grandeza. Não posso deixar de sentir um orgulho do tamanho do mundo, daquele homem que está prestes a encerrar a carreira, do jeitinho que a começou: com muito talento, mas também com simplicidade, coerência, respeito aos companheiros de profissão, com generosidade e muita humildade. Carreira construída com feitos notáveis e exemplos maravilhosos! E é isso que Marcos é: EXEMPLO!
.
Não é a toa que só ele é o Santo,  só ele é o goleiro Pentacampeão, só ele é querido e respeitado por torcedores de todos os clubes do Brasil. Só ele é nosso…
.
BEM AVENTURADO, SÃO MARCOS DE PALESTRA ITÁLIA! OS TEUS DEVOTOS TE AMAM IMENSAMENTE!

Quando o Palmeiras lançou o boneco do goleiro Marcos, já estava na “forma” o bonequinho do Mago. Como nunca mais ninguém falou nada a respeito do assunto, pensei que tinha “gorado”. Mas não é que agora ele vai ser lançado? E tem boneco do Gladiador também.

Vejam se não ficou uma graça… Mas não reparem no que tem ao fundo.

O artista plástico Wilson Iguti é o criador  dos bonecos personalizados e, Valdivia e  Kleber, fazem parte da sua coleção que inclui jogadores de outros times também. Durante esta semana, os modelos criados por Wilson Iguti estão sendo exibidos na Soccerex, convenção de negócios e futebol, realizada no Forte de Copacabana, na Zona Sul do Rio de Janeiro. As miniaturas devem começar a ser comercializadas até o fim deste mês e o torcedor poderá adquiri-las a um preço que vai variar entre R$ 59,00 e R$69,00.

Vocês não acham que as miniaturas ficaram lindas? (nem reparem no que tem ao fundo… rsrs). Vou trazer “Valdivia” para morar aqui em casa… hahaha Vai ser o meu presente de Natal. Acho que  Papai Noel vai ter um trabalhão neste Natal…

“… Não teria como me olhar no espelho e vestir a camisa do rival…” (Marcos, após proposta de Kia Joorabchian/MSI)

Parece mentira… Marcos vai completar 500 jogos pelo Palmeiras… Meu Deus, quando foi que esse tempo passou que a gente nem percebeu? É tão parte da nossa vida, vê-lo fazendo milagres, honrando a nossa camisa, rezando embaixo das traves, que nem reparamos no tempo que passava…

Nunca houve alguém como Marcos… Essa lenda viva da história do Palmeiras que, permita o bom Deus, ficará embaixo das traves palestrinas ainda por muitos anos. Um gigante, um guerreiro, nosso “irmão” muito amado, que tem a alma tão grande quanto o seu talento e caráter. Não é fácil ser ídolo da torcida mais reclamona e exigente do planeta… Mais difícil ainda se o ídolo for desprovido de máscaras, for transparente, generoso… Assim é Marcos! A nossa estrela, de personalidade forte e um amor do tamanho do mundo pelo Verdão.

Sabe Santo, prá gente parece que foi ontem  a sua primeira partida como profissional  e o seu primeiro pênalti defendido. Uma estreia e tanto,  diante daqueles que iriam aprender a amá-lo para o resto da vida. Parece que foi ontem que você deixou de ser apenas Marcos, e virou o nosso São Marcos. É Marcão, os seus milagres embaixo das traves, fizeram que você passasse a ostentar o “Santo” no nome. Mas o respeito que todos têm por você, se deve ao “conjunto-da-obra”, ao seu caráter irretocável, sua franqueza, educação e gentileza para com a imprensa (tantas vezes injusta e leviana com você), jogadores adversários, companheiros de time e torcedores. E esse jeito bonachão, brincalhão faz com que todos simplesmente o adorem!!

500 jogos e nós queremos tanto que venham outros 500! Eu não vou poder estar no Pacaembu hoje. Mas deixo o meu coração com você, Marcos. Leva ele contigo! Tenho certeza de que quando você entrar em campo e se colocar em seu “altar”, vai passar um filme na sua cabeça  e na nossa também… Vamos lembrar de todas as coisas que vivemos juntos… Tantos momentos maravilhosos e inesquecíveis você nos deu, tantas dores que você calou e escondeu atrás do seu sorriso…  Vamos lembrar do café, que você tomou durante uma partida da Libertadores .Lembra disso? hahaha Quem mais poderia?  Do jovem, reserva, que entrou na competição, prá nunca mais sair do time… Das suas inacreditáveis defesas, que passaram a se chamar “milagres”… Da conquista da América, prá sempre gravada em nossos corações… Das defesas maravilhosas da Copa do Mundo, parando os melhores atacantes europeus e conquistando o mundo… Que orgulho sentimos de você! Daquele contrato (real e não forjado) com o Arsenal, que você recusou, para abraçar o Palmeiras, em seu momento mais doloroso e quando nós mais precisávamos… Da alegria de voltar à Série A, de maneira honrada…

Vamos nos lembrar também que você já chorou de dor no aquecimento…  E  teve tantas contusões  que até pensou em parar…  Você sabe as tristezas e medos (nós também tínhamos) que guardou bem no fundo do peito… Mas hoje vamos reviver a esperança, Marcos! Esperança que você plantou em seu coração, (e no do torcedor) desejando apenas e simplesmente, voltar… E, iluminado que é, predestinado, voltou levantando mais uma taça! E não poderia ser diferente. Todo esse talento, usado com sabedoria, dignidade e doses generosas de humildade, só faz com que a vida te devolva todas as coisas na mesma medida

Hoje, quando o Palmeiras entrar em campo, vai ser impossível não lembrar de você, querendo mudar um resultado adverso a qualquer custo,  querendo encher de brios e raça um time apático, indo na área tentar um gol de cabeça. Saiba que foi o nosso único alento naquela noite… Hoje, vai ser impossível não tirar das gavetas da memória, aquela partida da Libertadores de 2000, quando você lavou a alma de milhões de palestrinos, acabando com a pose daquele jogador dissimulado e hipócrita…

Existem goleiros maravilhosos, espalhados pelo planeta mas, igual a você, Marcão, não há  ninguém!  Querido e respeitado por torcedores de todos os times, é só você! E isso nos faz sentir tanto orgulho que o coração às vezes nem cabe no peito. Orgulho de suas entrevistas e declarações, sempre cheias de humor e simpatia que vão direto ao coração de quem as ouve.  E o que dizer de suas defesas, seus milagres? Só quem é palmeirense para saber o que se sente nessa hora.

Hoje é dia de festa!! Estamos comemorando 500 jogos e ainda vamos comemorar 600, 700… Comemoramos o privilégio de ter um ídolo como você, Marcão!! Prá nós, o melhor do mundo! Agradecemos do fundo do nosso coração por você vestir a camisa do Palmeiras, durante 18 anos, com tanta  entrega e profissionalismo. Nós te amamos muito e nunca poderemos lhe retribuir toda a dedicação e carinho. E desde já, saiba que, passe o tempo que passar, jamais iremos ver aquele gol sem você. Porque a cada vez que olharmos aquelas traves, mesmo que tenhamos cem anos, iremos ver o nosso Santo, de camisa azul, braços abertos, olhos fechados, apontando para o céu… essa é a imagem que está impressa em nossos corações, prá sempre…

OBRIGADA, SÃO MARCOS DE PALESTRA ITÁLIA! VOCÊ É ETERNO!!

Que Deus te abençoe na partida de hoje e por toda a vida…

Dois bonecos de Marcos serão lançados nesta quarta-feira, 18. O primeiro terá edição especial com apenas 500 exemplares e virá com o autógrafo do goleiro. O outro será um pouco menor e a partir de amanhã, quinta, 19, estará disponível na loja oficial do clube. Ainda não há preço definido, mas o maior não sairá por menos de R$ 250. E o menor, por R$ 50. (Fonte Estadão)

Dispensa comentários, não é mesmo? Simplesmente LINDOOOOOOOO!!!

E agora? O que é que a gente faz com essa dor? Depois de uma noite insone, um dormir e acordar incessantes, coração despedaçado, remoendo os fragmentos de um pesadelo,  sentindo uma inquietação e um pesar imenso, acordei como se tivesse morrido um pouquinho. E agora, lá vai a torcida palestrina (em sua maioria), fingir uma indiferença que, na verdade não sente,  e apenas usa como defesa, para essa dor que não para de doer…

Indiferença, que nos ajuda a a “fazer de conta” que não percebemos que a mentalidade e incapacidade de nossa diretoria, o  seu ‘não delegar funções’, ‘não abrir espaços’ para que outros nomes surjam, têm levado o Palmeiras à mesmice das escolhas erradas, à falta de títulos, já por tantos anos. Os torcedores, há muito desorientados, nem se dão conta que não conseguem mais ver com clareza. Cada hora é um, o vilão  escolhido. Luxemburgo (prá mim, era vilão, sim!), Alex Mineiro, Elder Granja, Martinez, Leandro, Keirrison, Muricy, Vágner Love, Armero, Diego Souza… E eles vão saindo do time, impregnados da raiva do torcedor e nada muda… Porque não são (não eram) eles os nossos reais problemas. Diego (que vai embora) não estava ontem. Será que ele teria perdido o pênalti? Sem ele, jogamos melhor?  Mudou alguma coisa? Quem assistiu à partida sabe que a resposta é não! Jogamos como sempre… SEM FIBRA, SEM ALMA!

O juiz tinha acabado de apitar o final de jogo e as lágrimas, que eu tanto segurei, surgiram num repente. Pobre Marcos… Depois de ter feito uma partida e tanto, lá ia ele, mais uma vez, ter que ‘segurar a bucha’ da incompetência de tantas pessoas e da incapacidade de outras… E nós, torcedores, quanto mais teríamos que aguentar??

O jogo até que começara bem. O Palmeiras, que foi a Goiás, jogar como time pequeno e com o regulamento debaixo do braço, parecia estar tranquilo. Não sofria muitas investidas no primeiro tempo e, mesmo perdendo alguns gols (como é de praxe nos dias atuais), se mantinha com o comando da partida. Se é que um time “incompreensível” como o nosso, possa realmente estar no comando de algo. Marcos estava lá, seguro, e honrando a camisa. Outro que honrava o manto era Armero… que espírito de luta ele tem! E como o Atlético não vinha prá cima buscar a vitória e o Palmeiras, não era capaz de fazer um único gol e matar a partida (né Robert?), o primeiro tempo terminou no 0 x 0.

Veio o segundo tempo  e dois fatos mudaram  o ritmo da partida: a expulsão de Pierre e a entrada de Elias, no Atlético. O time da casa veio prá cima. E o nosso ininteligível Palmeiras, de tática e estratégia  confusas, deixou o Atlético gostar do jogo e começou a ficar acuado. Nossa defesa começou a ter um trabalhão! Ainda bem que a gente tem Marcos…  Ele pegou muito! Mas o Santo, pego no contra-pé, não pode evitar o gol do dono da casa. E o Palmeiras não teve competência para deixar o seu na rede adversária.. E a decisão foi para os pênaltis…

O palestrino ficou esperançoso; embaixo das traves a gente tinha Marcos. E ele não decepcionou. Pegou três penalidades!!! Mas os incompetentes Danilo, Ivo, Figueroa e Cleiton perderam 4!!! Só Ewerthon conseguiu converter! Nosso “ilustre”, incapaz e burro técnico, tinha tirado (WHY?) Lincoln e Marcos Assunção (bons cobradores), para a entrada de Ivo e Figueroa, que desperdiçaram os seus. A cada erro nosso, Marcos nos salvava com uma defesa.  Até pênalti com paradinha ele pegou!  Tava 1 x 1 quando Cleiton  foi para a última cobrança. Pensei comigo, “agora ele guarda, Marcos pega de novo, e fim de papo”. Mas não é que ele cobrou com a maior displicência e nas mãos do goleiro, como se ainda jogasse no Figueirense?   ( É… quem nasceu prá coadjuvante…) Elias então, marcou o dele e matou o Palmeiras, na Copa do Brasil! Matou o palestrino (que não pode fazer mais, a não ser que calce chuteiras e entre em campo) de tristeza e vergonha! 4 penaltis desperdiçados, é demais!! Desapontado, ferido, abandonado, o torcedor se pergunta:  “O QUE FIZERAM COM O MEU PALMEIRAS? QUANDO O TRARÃO DE VOLTA??” A resposta é apenas silêncio…

Em meio à essa catástrofe, enquanto enxugávamos as nossas lágrimas,  os gambás entravam em campo (Graças a Deus!) para enfrentar o Flamengo e buscar o que sabiam que não iriam encontrar… Para fazerem com que por algumas horas, ou mesmo um por dia,  o palestrino pudesse voltar a rir. E Libertadores e Gambás são coisas que  simplesmente não combinam. Até que eles deram a impressão que podiam mudar a escrita.;fizeram 2 x 0, mas Vagner Love (EIS AÍ O MOTIVO PARA BELLUZZO TRAZÊ-LO DE VOLTA AO BRASIL!!) deixou o seu na rede gambá e acabou com o sonho  da galinhada!   Eles estão tão acostumados com as desclassificações, que nem quebraram o Pacaembu dessa vez…  E já diz o velho ditado: P….. Q….. P……..! LIBERTADORES O CU RINTIA NUNCA VIU! E NEM VAI VER!! hahahaha

Eu sei que perder uma Libertadores é humano, e perder todas é…. CORINTIANO!!  E  como diria Valdivia: TCHUUUPA GAMBÁ!!

Mas eles não desistem! Com a camisa “loteada”, sem Copinha, sem Carnaval, sem Paulistão, sem César Cielo, sem Vagner Love (hahaha), sem Riquelme, sem Stock Car, sem “istádio” e sem Libertadores, o alvo agora é outro:

marcelinhodanadosfamoso

E como dizem que rir é o melhor remédio…  NUNCA VAMOS PARAR DE RIR!!!  UHAUAHUAHAUAHUH

ATT373726

agenda


cHORAGAMBÁ

 

Livrodocentenário



cleiton-xavier-d-comemora-ao-marcar-um-gol-pelo-palmeiras-contra-o-sertaozinho-1268101119854_615x300

 “E rir meu riso e derramar meu pranto ao seu pesar ou seu contentamento.” (Vinícius de Moraes)

 

Não precisava ter sido tão sofrido… Quase morremos do coração! Mas ninguém pode negar que foi emocionante. Quando o resultado é sofrido, mas nos é favorável, a sensação que fica conosco é apenas de prazer, de alegria, de coração  explodindo no peito… Dá um alívio desgraçado e ficamos tomados por aquela amnésia’ momentânea, que nos faz esquecer que não temos um bom time, que a diretoria não está tendo atitudes equivalentes à confiança que depositamos nela, que a ‘coisa’  tá feia…

O Palmeiras(como eu amo esse time, e como fico triste em vê-lo nessa situação), depois do jogo adiado, foi enfrentar o Sertãozinho lá na Arena Barueri. Segunda feira, 21h00, e eu não pude ir. Pouco mais de 3 mil pagantes. Até que era bom, dadas as circunstâncias. E, pelo menos, a camisa mais linda do mundo, não iria entrar sozinha em campo. Não chovia, o gramado estava sequinho… Achei que nada iria nos atrapalhar, que talvez o time conseguisse jogar um futebol decente, e que ia ser uma vitória fácil. Achei errado…

Eu assistia à partida na net, com um minuto de atraso, e ouvia no rádio, em tempo real. Difícil…  O Palmeiras começou bem, com total domínio da posse de bola. Envolvia o Sertãozinho nas boas arrancadas de um inspirado Lenny. Só que era visível o nervosismo, a falta de confiança que o time anda sentindo. Dominava as ações mas, sem muita inspiração nas jogadas de área, o gol não saía… O que será que acontece ? Por pior que o Palmeiras esteja, temos mais time que o Sertãozinho e o que o Rio Claro, ou estou enganada? 

Em campo, ninguém de verde acertava o gol mas, aos 23′, o Verdão fez uma jogada linda (faz tempo que não vemos uma)! Pierre lançou Lenny . O garoto, com velocidade,invadiu a área, cortou o zagueiro e mandou prás redes!! PQP!!!! GOOOOOOOOOOL!!! Mas quando eu pensei que o gol, fosse fazer o Palmeiras respirar fundo e soltar o porco (quem solta a franga são as vizinhas), a “nhaca” de sempre apareceu…  Mesmo com o domínio de bola, os nossos jogadores perdiam jogadas, erravam passes, desperdiçavam cobranças de faltas. Marcos, mandou para escanteio, uma bola com endereço certo. Sem confiança e nervosos, os jogadores iam se perdendo em campo. A gente sente isso e, é claro, fica nervoso também. Queremos ajudar e não sabemos como, além de torcer e, muitas vezes, xingar.  E se a fase não é boa… Aos 40′, Mendes chutou de longe e meteu no ângulo. Um gol que não esperávamos, que não podíamos ter tomado! Se o time conseguisse assimilar o empate, tudo bem; se não, as coisas iriam se complicar mais…

Veio o segundo tempo. A intranquilidade e a insegurança imperavam no time do Palmeiras. com 5′, Marcos rebateu uma bola que voltou aos pés de Thiago Sylvi. Marcão dividiu com ele, que se jogou e, adivinhem o que o  juiz marcou? Penalti! Ricardo Lopes,  cobrou e fez. Que sensação horrível! Mais uma vez, jogando muito mal, íamos perder para um  lanterna do Paulistão, e de virada. Os jogadores buscavam, é verdade, mas o time estava todo desarrumado. Zagueiro ia jogar de atacante, volante de meia, meia de centroavante…  Era um “salve-se quem puder”.Cleiton Xavier fazia uma das suas piores partidas…  Já estava rezando quando Zago colocou Ivo e William em campo e mandou o time prá frente. Aos 21′, Robert recebeu na área e, de costas, arriscou a bicicleta, e a bola passou pertinho! Haja coração e cornetada!

Eu senti que os jogadores tinham acordado. Não continha as lágrimas.  Era angustiante e desesperador ver o Palmeiras perdendo para o fraco Sertãozinho. O que está errado com esse time? Era o que eu não não cansava de me perguntar. Marcos defendeu aquele que seria o terceiro gol deles…O tempo ia passando rápido demais e a confusão dentro de mim era grande. A razão dizia: “nao dá mais”, o coração dizia: “reza e torce que dá”. Ah, esse coração sabe das coisas !! Aos 38′, Léo cruzou prá área e Cleiton, entre os zagueiros, cabeceou certeiro pro gol!  DEUS EXISTE! A nossa pequena torcida, explodiu! O coração parecia querer saltar do peito. O jogo estava para acabar. Chorar era a única forma de aliviar a aflição de ver que o Palmeiras lutava tanto e o gol não vinha. O placar já era injusto. Jogada de ataque e a bola encontrou Danilo na área. Quando ele ia mandar pro gol, Robert se antecipou a ele e chutou… PRÁ FORA!!

45′ e nada!Não ia dar tempo…  O juiz deu mais 4 minutos e os ponteiros do relógio voavam, enquanto a bola, não entrava nem a pau! O goleiro fazia o dele. Mas Deus é palmeirense e é cardiologista!! Faltavam uns segundos para 49′, eu já tinha até medo de ouvir o apito final, quando Eduardo, lá do meio do campo, levantou na área… A bola foi encontrar Cleiton Xavier, que dominou e bateu no canto esquerdo… ERA O GOL  DA VIRADA! Da reação!  Da superação!!  BENDITO SEJA O CLEITON! Se não vai de um jeito, vai de outro!!   As lágrimas agora se misturavam aos sorrisos, o palestrino se sentia leve, sem o peso enorme que um tropeço esta noite nos  traria. 

E a toda a Nação dormiu em paz… 

Eu estava preparando um texto um tanto quanto melancólico para falar do Marcos, e da sua absurda ideia de encerrar a carreira. Afinal, o que pensa uma meia dúzia de torcedores, não reflete o que vai na alma dos vinte (vinte sim! Essa conta de quinze, é velha) milhões de palestrinos espalhados pelo mundo.

Marcos representa tanto para o torcedor palmeirense que é impossível expressar ou quantificar o que tem de amor,  orgulho,  gratidão e respeito nessa nossa idolatria. Jamais houve um jogador como o Marcos… E dificilmente surgirá outro. Esquecer tudo o que ele já nos deu, vai muito além da ingratidão. Reclamar de suas falhas é um direito do torcedor. Não o querer mais no time (que insano!) também é. Mas desrespeitar um ídolo, é simplesmente inadmissível. Me doeu tanto saber que Marcos se sentiu desrespeitado; que Marcos pensou que nos fazia sofrer…

O QUE É ISSO, MEU SANTO? Você nos fazer sofrer? Quem nos faz sofrer são os “Missos” e “Rovilsons” da vida, os “Bizus”, os “Eniltons”e “Jecis”… São os passes errados… as bolas rifadas… os jogadores que se escondem… os atacantes que não atacam… a infinidade de gols perdidos…a defesa escancarada… a diretoria que não monta o time… Na ordem de importância, as suas falhas seriam a última coisa da qual poderíamos reclamar. Afinal, se ganhamos um título, nesses onze anos de ‘seca’, devemos e muito às maravilhosas defesas que você fez, enquanto lá na frente o Mago se encarregava do resto. Se hoje nos gabamos e envaidecemos da Taça  Libertadores que dorme tranquila na nossa Sala de troféus, devemos à você!!

Marcão, você é sangue do nosso sangue, cara! Da mais pura casta palestrina!! A sua aposentadoria, quando chegar, para nós será motivo de muita tristeza, esteja certo disso. E queremos adiá-la o quanto for possível.

Mas você hoje você nos fez ganhar o dia!! Diz o ditado: “Quem fala o que quer, ouve o que não quer”…  Neto, o  imbecil ex-jogador, aspirante a comentarista da Band , que com seu português sofrível se acha no direito de falar o que quiser sobre quem ele bem entender, hoje teve o que merece há tempos. Coincidentemente, foi novamente na Band, que um jogador do Palmeiras respondeu à altura aos comentários jocosos feitos pelos “profissionais” daquela emissora. Primeiro, foi Lincoln que colocou a pseudo apresentadora em seu lugar, agora foi a sua vez de dar um “fatality” (dessa vez foi!) nesse babaca do Neto, que adora falar de profissionalismo e não conseguia nem se manter no peso quando jogava bola.

Os vídeos estão aí, mas a transcrição do que foi dito se faz necessária, para observarmos algumas “intenções”…

COMENTÁRIO DO NETO NO PROGRAMA  LIXO, ooops,  JOGO ABERTO, na quinta feira 04/03/10 : (Fala o que bem entende, né? É grosseiro e leviano quando deixa nas entrelinhas o que não tem culhão para dizer)

– Vou dar uma opinião sobre o Marcos, vai criar polêmica porque falar do Marcos e diferente de falar do Rogério Ceni (Rogério entra na conversa por que, Neto?)

– Quando se fala do R.C. as pessoas interpretam o R.C. como mascarado, como um cara que…, né? E as pessoas não lembram que o R.C. é o jogador que está sendo… que mais vezes vestiu a camisa do SP, artilheiro de Libertadores, o cara que nunca chegou atrasado num treino, dificilmente o R.C. cria algum problema (a não ser inventar proposta de clube europeu, né?).(E será que você está querendo dizer que o Marcos chega atrasado, cria problemas?)

– O Marcos é um grande cara, um grande goleiro, mas eu já tô de saco cheio ‘véio’.Já tô com saco cheio, ‘estorano” (ESTORANO? CUMAA?), de toda hora quando perde um jogo, “ai eu vou parar”. É igual criança, “cê” não dá o doce, daqui a pouco “annnnnnnnn”. (Nós também estamos com o saco “estorano” das sua besteiras, da sua grosseria e do seu português medíocre!!)

– Pô para aí, meu! Perdeu, eu perdi eu falhei no lance. Acabou. pt saudações. E vamos pro próximo jogo.

– Agora, não pode se fazer de vítima toda hora, meu! Pô toda hora a gente tem que defender o Marcos aqui? (quem é você, para defender ou acusar um atleta do quilate de Marcos?) Porque o Marcos é um baita ‘dum’ cara e é uma grande pessoa, é um grande goleiro, mas falhou, velho.

– Agora toda hora, Ah não Marcos, “cê” “num” pode sair porque “cê” é um santo. Não é nada disso, não. Até porque a gente não mete o cacete, eu, não meto o cacete no Souza prá caramba? A gente “num” fala do Maurício Ramos, a gente “num” fala do Willians (What)? A gente “num” fala …. ? Por que que não pode criticar o  Marcos? (Porque ele é o Marcos!! Simples assim! Já ganhou quase sozinho o título que o seu timeco em 100 anos não conseguiu conquistar! Porque ele ajudou, e muito, o Brasil a ser campeão! Maurício Ramos, Souza, Willians e seja lá quem for, vão ter que comer muito feijão para conseguirem chegar onde Marcos está! Capisci?) Pô falhou prá caramba  no gol! E outra coisa, se quiser parar, para, meu!

– “Num” fica “falano” toda hora, “vou parar, não vou parar”

AÍ O MARCOS RESPONDEU, COM AQUELE SEU JEITÃO TRANQUILO DE SEMPRE, MAS FIRME E INCISIVO COMO A OCASIÃO EXIGIA. Marcos é bonzinho,educado, bonachão, mas não é bobo, como pensam alguns. Neto quis dar um golpe abaixo da cintura… E TEVE QUE AGUENTAR O GANCHO DE DIREITA!!!   hahahahahah

– … eu sou acostumado às críticas. Fiquei bastante chateado com o Neto, pelo que ele falou, que ele disse ontem no programa, que até o pessoal da Assessoria de Imprensa falou, que ele não aguenta mais me defender…

– Eu nunca pedi prá que ele me defendesse, em momento algum. Não é meu amigo. Me compara demais ao Rogério Ceni, eu não gosto dessa comparação. O Rogério é um excelente goleiro, um goleiro fantástico.Tem todos os créditos por ser quem ele é. E toda vez que ele vai fazer um comentário sobre mim, ele coloca o Rogério no meio, e eu acho que é uma situação chata, constrangedora. Parece que tá jogando eu contra o Rogério, o Rogério contra mim. E não acho certo a forma de ser tratado desse jeito.

– Eu acho que ele tinha que ter um pouco mais de ética (Ética, Marcos? Esse grosseirão não sabe o que é isso!). Mesmo o Rogério sendo amigo particular dele, ele precisa defender o Rogério; me defender, ele não precisa, que ele não é meu amigo.

Mas quando é o Rogério ele defende, que ele é amigo particular do Rogério. E tem que fazer mesmo. Mas se ele está esperando um dia, eu agradar ele, prá ele poder me defender, ele tá enganado, porque eu não sou de agradar ninguém. Na minha casa não entra mau caráter, porque eu não sou amigo de mau caráter (Que cruzado de direita! uahuahuah). Eu sou amigo de cara de bom caráter. Não entra cara que cospe na cara de juiz. (Podia dormir sem essa, hein gambá? uhhauhauha)

– E a minha carreira mostra que eu nunca fiz isso na minha vida.

– Ele está tendo a segunda chance de ter o poder na mão, na vida dele. O primeiro foi quando ele foi jogador do Corínthians, que ele pisava em todo mundo lá; e a segunda agora, com o microfone na mão, ele não tá sabendo aproveitar essa chance que ele tá tendo de novo. Acho que o microfone é para quem tem ética (o Ceará está até pálido ouvindo o Marcos kkkkk), e não para quem quer ficar jogando uns contra os outros.

– Então, não gostei, não precisa me defender. Pode meter o pau em mim todo dia que eu sou vacinado prá isso. (KNOCK DOWN!!)

VALEEEEEU, MARCÃO!!! TE DEVEMOS MAIS ESSA, HEIN SANTO? E…… TCHUUUUUUUPA, NETO!! Uhauhauhauhauh

Divirta-se, amigo palestrino…

Nada funcionou na partida diante do Rio Claro (era rio, mesmo!). Prá começar, o estádio e o gramado eram péssimos. Chovia muito e as poças d’água pareciam jogar também. Uma hora a favor, outra, contra o Palmeiras. Sem contar que parecia um circo, com arquibancadas improvisadas. Os vestiários do Palmeiras estavam alagados!! San Genaro tava de colete salva-vidas. A   Federação Paulista, que nos enche o saco a cada vez que queremos mandar um clássico no Palestra, é a mesma que habilita e aprova um estádio como esse? Eu, hein? Um time grande não pode ir ao Palestra, mas pode ir jogar na “casa” do Rio Claro?

Mas a chuva é democrática, dirão alguns. Choveu para os dois times. As dificuldades também foram para os dois. Talvez o Rio Claro tenha levado vantagem, por não ser uma equipe técnica e sempre treinar ali, mas  a verdade é que o Palmeiras não jogou nadinha… do que esperávamos. E, ao me lembrar disso, me lembro também que NÃO TEMOS TIME E NEM TÉCNICO DE POLO AQUÁTICO… Culpa da diretoria, rsrsrs

Começo de partida e o Palmeiras, sem Pierre, veio pressionando. Com 4 minutos,Diego recuperou uma bola no meio de campo e lançou Robert que, ganhou na dividida, e bateu cruzado. Aos 7′, Lenny recebeu na área, quase embaixo da trave e, por estar de costas, tentou de calcanhar, mas a zaga tirou. Aos 25′, Wendel cruzou para Robert cabecear à “queima roupa” e o goleiro fazer uma defesaça. Aos 29′, Souza mandou um canhão que acertou o travessão e, no rebote, Cleiton isolou a bola. Até então, Marcos tinha feito apenas uma grande defesa.O Palmeiras era mais perigoso, mas não tinha ainda conseguido se adaptar às condições do gramado. E um gramado naquele estado, é lógico que beneficia o time menos técnico. Aos 34′, demos um vacilo. Osni foi lançado; Souza perdeu o tempo de bola e a jogada, Osni bateu forte e marcou. Eu achei que Marcos poderia ter defendido. Mas acho que, com aquela água toda, mesmo as defesas mais fáceis se tornam difíceis.

Eu bem que acreditava na virada no segundo tempo, mas lá no fundo, sabia que ia ser um ‘parto’ o restante da partida… Ao Palmeiras restariam as jogadas aéreas, uma vez que, pelo chão, não ia dar. E não somos muito produtivos nesse tipo de jogada. Tivemos a prova, nos tempos de Muricy e sua única jogada. Na ‘lagoa’ de Rio Claro, as nossas cobranças de faltas eram todas desperdiçadas. Compreendo que Zago queira um time que toque com rapidez e jogue com a bola no chão, mas ouvi-lo dizer que não treinou ainda a tal “bola parada”, me assusta. Quero crer que tenha sido apenas pela falta de tempo, porque nem sempre as condições nos serão favoráveis, né belo?

No segundo tempo, o Palmeiras veio desatento, e por pouco o dono da casa não ampliou o placar no primeiro minuto. Marcos salvou com um ‘milagre’. Aos 5, Lenny, por puro capricho da bola, não igualou. A “mardita” passou raspando a trave… Zago chamou Ivo e Marquinhos, para a saída de Souza e Lenny. Mas a coisa não ia… Para se jogar nas condições que encontramos em Rio Claro, é preciso muita determinação, vontade e, sobretudo, criatividade. E isso nos faltou… Diego (principalmente) e Cleiton, de quem sempre esperamos mais, deixaram muito a desejar. Como o resultado não vinha, o desânimo, a apatia e os erros (a mim parecia que fosse assim) tomavam conta do time. E o Rio Claro tratou de suportar a pressão de um Palmeiras  que   queria, sim, empatar, mas errava muito. Zago ainda tentou Willian em lugar de Wendel, mas continuávamos apenas no “quaaaase”… 45′, e Robert cabeceou pro gol, mas o goleiro Sidney faz a defesa. E terminou assim. O Palmeiras conseguiu a façanha de perder do Rio Claro. Que m….!!!

Foi só a chuva e o gramado ruim, os responsáveis? Eu acredito que não. Com todos os problemas, ainda assim, somos, ou deveríamos ter sido, melhores que o lanterna do campeonato. Mas temos  muitas coisas a acertar, muitos fundamentos a treinar. A equipe não está pronta, como equivocadamente afirma Cipullo. Temos um bom time, mas precisamos de um bom elenco, também. Já vimos o “filme” de não termos um banco à altura do time e não queremos ver de novo. Mas, da mesma forma que a vitória contra os bambis não ofuscou os problemas que ainda temos, essa derrota para o lanterna do campeonato, não é parâmetro para dizermos que está tudo perdido. Pelo contrário, estamos caminhando, e o trabalho do Zago, apenas começando. A classificação é difícil, sim. O próximo jogo é contra o embalado Santo André. Eu sei que estamos muito mais próximos da parte de baixo da tabela do que da de cima. Tenso! Mas, com 24 pontos a disputar, ainda não é hora de jogarmos a toalha, né Zago? Né diretoria? Sem esse papinho furado que já estamos ouvindo por aí…  Tem que buscar até o fim!! AQUI É PALMEIRAS, PORRA!

Não sei você, amigo leitor, mas eu não desisti… E vou continuar ‘jogando junto’ com Zago e os nossos rapazes. Tô botando fé no trabalho que está sendo feito e vou ‘pagar’ prá ver.

FORÇA, VERDÃO!!! ESTAMOS JUNTOS NESSA!!