Acalma o teu coração, muita coisa boa ainda está por vir

…..

O Palmeiras perdeu do Ituano…

E então… 11 em cada dez torcedores, dos que esqueceram de tomar o Gardenal e/ou o Rivotril, passaram a anunciar o apocalipse a “gritar” #VoltaCuca #ForaEduardo #DeramUmaFerrariProRubinho…

Vamos combinar… primeiro, e infelizmente, o Cuca não pode voltar; o Cuca quis/precisou sair… portanto, até que a situação dele mude, ele é carta fora do baralho e de nada adianta ou ajuda ficarmos pedindo a sua volta.

Segundo, Eduardo Baptista é o nosso técnico, a nossa realidade, e é muita ingenuidade acharem que o Palmeiras vai demiti-lo na primeira derrota (imagina se tivesse feito isso com o Cuca, que teve 4 derrotas no início?). E já que isso não vai acontecer, já que o Palmeiras não vai trocar de técnico por causa dessa derrota – pode até fazê-lo mais pra frente -, deixemos  o nosso técnico trabalhar e mostrar ao Palmeiras se é ou não capaz de comandar esse time.

Terceiro, o Mattos, f%dástico, sensacional,  que sabe montar uma Ferrari, que é mais esperto do que os chineses cheio de  milhões, é o mesmo Mattos que contratou o técnico… será que ele e a direção erraram tanto assim?

Mas eu concordo que foi uma vergonha e frustração o resultado e, mais do que ele, o futebol bem ruinzinho que o time apresentou. Eu sei que o técnico errou, armou mal o time  (Dudu e Guedes em lados trocados do campo?), mas, convenhamos, com esse time nosso, dava pra ganhar do Ituano (que não é tão ruim assim, como a nossa frustração faz parecer) até comigo como técnica, não é verdade? Dava pra ganhar até mesmo sem técnico no banco…

Achei que, além dos erros do técnico, as atuações individuais foram muito abaixo do esperado , com exceção do Guerra, que fazia a sua estreia e  teve bons momentos no jogo, de Felipe Melo e de Prass, o restante do time deu cada pipocada… alternaram acertos com erros bisonhos de passes, bolas quadradas em devolução à bolas redondinhas recebidas (as de Guerra, por exemplo), algumas vezes, não conseguiam dominar bolas fáceis, eram desarmados sem muita dificuldade… sem contar que alguns jogadores pareciam desinteressados (esse desinteresse pode ser efeito da armação diferente,  o jogador sente que assim não consegue jogar como sabe, não consegue render, e se desmotiva)…

Mas o primeiro tempo não foi de todo ruim (eu não achei), o Palmeiras imprimia velocidade no jogo e tentava fazer muitas jogadas pelo meio (essa parte me agradou), criou algumas chances de gol, porém não aproveitou – Guerra, Guedes e Willian (no chute de Willian, a bola passou lambendo a trave) desperdiçaram boas chances (teve uma penalidade no Guedes, que não foi marcada). No entanto, no comecinho do segundo tempo, numa vacilada master, tomamos o gol (como deixar aquele grandalhão livre, na cara do Prass, sem marcação alguma – ele nem precisou pular -); e o gol saiu numa cobrança de escanteio, situação em que todo mundo sabe mais ou menos o que o adversário pretende.

E se o time já estava esquisitão, aí é que a coisa desandou mesmo. Mas, sejamos justos, o Palmeiras correu, tentou ir pra cima – Keno quase marcou -,  no entanto, se atrapalhava com algumas bolas, errava passes pra caramba e a coisa não fluía. E se desorganizou de tal maneira, que em alguns momentos o time pareceu um catado em campo… até na parte física ficamos devendo, mas isso é compreensível num começo de temporada…

No entanto, mesmo com tudo isso, a régua com que medem o “visto de permanência do técnico no time”, não é muito exata e nem justa… ainda. É início de temporada, a segunda partida do time no Paulistão, a primeira derrota, o time com desfalques importantes (Tche Tche, Moisés e Mina fazem falta pra caramba), algumas caras novas, técnico novo… o sinal de alerta está aceso, sim, e nem poderia ser diferente, mas é injusto cravarmos um “serve” ou “não serve” agora, hoje.

E devemos nos lembrar, MO chegou aqui e conseguiu sete vitórias e um empate nas oito primeiras partidas que fez. Ficamos encantados e, depois – mesmo após a conquista da Copa do Brasil -, descobrimos que a coisa não ia, não era legal, que o trabalho dele não nos agradava nada, que parecia estagnado – mas não sem antes escracharmos os jogadores, chamá-los de “vagabundos” (muita gente fez isso), acusá-los de estarem fritando o técnico; Cuca, quando chegou, perdeu as quatro primeiras partidas… e quantos torcedores diziam: “Será que o problema do Palmeiras é o técnico mesmo?”

E, durante boa parte do campeonato brasileiro 2016 também, quantas reclamações de parte dos torcedores ‘apocalípticos’… “o Palmeiras está perdendo rendimento, Santos e Flamengo estão crescendo, não vai dar pra gente”… “se perdemos em casa, não vamos ganhar as partidas importantes fora”… “Tem hora que esse time lembra o do MO e fica dando chutão”… “Gabriel Jesus perde muitos gols, precisa ir para o banco”… “Nossa, o Zé não dá mais”… “Mesmo vencendo, faz tempo que o Palmeiras não joga bem”… “O Palmeiras não vai se segurar na liderança por muito tempo”…  E, a despeito de tudo isso, ganhamos o campeonato com o pé nas costas.

Essas coisas me fazem acreditar que, por mais que estejamos contrariados, desconfiados (desconfiadíssimos), nós temos que esperar mais um pouco, temos que dar ao técnico a chance de mostrar o que sabe, ou o que não sabe… afinal, na maioria das vezes, os imediatistas e apocalípitcos não têm razão. Por eles, não teríamos trazido e nem mantido no time titular o Vitor Hugo (falhou contra os gambás e quanta gente cravou que ele não prestava, que não ia dar nada aqui, que tinha sido uma péssima contratação?), não teríamos trazido Jailsão da Massa (“um goleiro, de time de série B, com 34 anos? Logo aqui que é Escola de Goleiros?”), não teríamos trazido o Zé Roberto (“é craque , mas já está na hora de se aposentar… não corre, não marca”), não teríamos contratado Moisés (“o Conca dando sopa e vão contratar esse Moisés, que estava na Croácia?”), nem Tche Tche (o Palmeiras contratou errado, o bom do Audax é o Bruno Paulo)… não teríamos trazido nem o Cuca (Abel é melhor, Mano é melhor… blá blá blá…)

Espero que o Eduardo tenha personalidade, assim como teve o Cuca, que fez o que acreditava ser o certo, e provou pra todo mundo – para a imprensa, inclusive –  que sabia muito bem o que estava fazendo. Espero que Eduardo tenha a mesma competência e coragem também… e o mesmo pulso firme com o elenco – não é fácil lidar com um time com tanto jogador bom, domar as feras todas. E espero que ele tenha muita sorte também.

Vamos ficar de olho, claro, mas não vamos perder a nossa essência… vamos torcer muito, apoiar muito, sem criarmos mais pressão do que a que já existe para os que acabaram de chegar, sem atrapalhar o time na sua caminhada…

Muita coisa boa ainda está por vir…

2016 acabou e a temporada 2017 vai ter início…  Vivemos momentos surreais nesse ano que “acabou de acabar”, nos alegramos com um monte de coisas, com um monte de gente, mas, em compensação,  aguentamos muita encheção de saco… da imprensinha, principalmente.

O jornalismo esportivo no Brasil anda meio ‘caidaço’ mesmo, muitos de seus profissionais abdicaram do serviço de levar ao torcedor a informação como ela é, primando apenas pela guerrinha de ódio aos clubes rivais dos seus clubes de coração. E ainda há os que buscam “notoriedade” provocando torcedores nas mídias sociais. #RestInPeaceJournalism

Agem tão naturalmente que nem percebem que as suas declarações são um festival de contradições e incoerências, temperadas apenas com o despeito e a raivinha que sentem pelos rivais. E com o Palmeiras (sempre) vale qualquer coisa…

Quem não se lembra do Gambazek, ‘dedurando’ Valdivia ao STJD por forçar um terceiro cartão amarelo (ele jura que não foi ele, mas, se foi no programa dele, se era pauta do programa dele) e, no entanto, nunca tê-lo visto fazer o mesmo com nenhum outro jogador dentre todos os que forçam cartões? Quem não o viu, nesse Brasileirão 2016, ironizar Paulo Nobre por “ter reclamado do nível da arbitragem”, quando, na verdade, Paulo Nobre reclamou da tramoia de se valerem da interferência externa, ilegal, proibida pela Fifa, para se anular um gol ilegal num FlaxFlu de dois gols ilegais?

Atitudes pouco ou nada profissionais de alguns “jornaleiros” estão sempre pipocando por aí (não foi só em 2016)… Poderíamos listar uma tonelada delas. O santista, “Zé Caiu”, ofendendo até a mãe de torcedores no Twitter, fazendo insinuações levianas e maldosas sobre o Palmeiras, tripudiando sobre a lesão de um jogador (fez isso com Arouca em 2015). Os prints, inúmeros, estão por aí…

Sormani (outro santista), em 2015,  sendo extremamente grosseiro com Zé Roberto – convidado do programa da FOX -, ao falar sobre a mítica preleção do jogador, da qual o jornalista, com uma soberba tamanho GG, desfez um bocado – acabou pedindo desculpas depois, porque ficou feio pra caramba…  o mesmo Sormani, nesse Brasileirão, achou um horror a torcida do Palmeiras lotar o aeroporto para incentivar o time, mas não achou nada errado quando foi a torcida do Flamengo a fazer o mesmo, semanas antes… Renato “Felipão é 99,9% do Flamengo” Prado, dizendo que o Palmeiras “estava se borrando de medo do Flamengo” (dias depois, desesperançado, desceu a lenha no seu próprio time)…  Neto – esse, nem jornalista é – falando asneiras,  falando do Palmeiras, dos jogadores do Palmeiras, do presidente do Palmeiras, praticamente todos os dias, com o ranço curtido e envelhecido em tonéis de despeito de quem foi descartado pelo Ribamar…

J. Canalha, tão “elegante”, “isento” e santista,  chamando o zagueiro Vitor Hugo – convidado do programa da ESPN – de vice campeão da Copa do Brasil 2015, antes mesmo das partidas finais entre Palmeiras e Santos serem jogadas… e dando piti recentemente,  por causa dos sinalizadores – “podem queimar o olho de alguém” – que a torcida do Palmeiras acendeu em Congonhas. Mas ele não pareceu se preocupar com queimadura alguma nas vezes que outras torcidas fizeram o mesmo… André Hernan, fazendo “força-tarefa” para dedurar um ponto, supostamente usado por Cuca, mas deixando passar, em oportunidades anteriores, e sem “força-tarefa” alguma, os pontos usados, muy notadamente, por Dorival, Marcelo Oliveira, Tite…

A FOX, com o seu ‘dois pesos e duas medidas’, tentando fazer parecer ilícita uma situação que, semanas antes, e com outra torcida, ela tinha achado “histórica”.

fox-suja-imunda1

Chega a ser vergonhoso quando comparamos, não? Como dar credibilidade à essa imprensa?

A lista de “profiçionais” e “profiçionalices” é grande.  Os pênaltis não marcados para o Palmeiras são sempre “questionáveis”, polêmicos”, “interpretativos”, “o jogador tropeçou na própria perna”… alguns “erros” capitais contra o Palmeiras não são nem mesmo mostrados ou discutidos – vide os pênaltis sofridos por Yerry Mina, nesse Brasileirão, diante do Sport, diante do Galo. Um mínimo de beneficiamento que o Palmeiras receba – no meio de dezenas de prejuízos constantes que ele sofre e de pontos que lhe subtraem -, vira um escarcéu, e boa parte da imprensa, no seu jeitinho tão “Goebbels” de ser, repete incansavelmente o mesmo mantra de que o Palmeiras está sendo beneficiado.  No entanto, no brasileirão 2015, por exemplo, quantos ‘erros’, favorecendo um mesmo time, passaram quase despercebidos pela imprensa em geral – até mesmo pelos jornalistas ditos palmeirenses. Todo mundo deu um jeitinho de fazer parecer normal, entre outras coisas, um time cometer inúmeros pênaltis e passar 35 rodadas sem que nenhum deles tivesse sido assinalado…

O Palmeiras parece ser a vítima principal desse jornalismo rastaquera. Liderando o Brasileiro 2016 desde a 9ª rodada até a última, se viu em meio a uma verdadeira guerra que a imprensinha deflagrou contra ele, e sempre em favor de quem estivesse na segunda posição da tabela, principalmente quando quem esteve em segundo foi o “Flameingo”.

Quanta bobagem tivemos que ouvir e ler, quantas previsões furadas (até de pai de santo) tivemos que aguentar (o Palmeiras vai cair da primeira posição na 12ª rodada…), quantos torcedores profissionais de imprensa perderam a máscara querendo nos fazer acreditar que não ia dar para o Palmeiras… Difícil escolhermos o mais “disgusting”…

No entanto, teve um “jornalishta flamenguishta” – que jura que é torcedor do Racing-ARG  (jurava. Agora, não dá mais pra ele esconder o time de coração) -, que sempre se incomoda muito com o Palmeiras, e que quase surtou nesse 2016…

Não é de hoje que  Mauro Cezar Pereira nos dá a impressão que mistura o ato de informar com o de torcer. Pinta sempre com tintas mais escuras os comentários e análises sobre o Palmeiras e tudo o que se relaciona ao clube – nem os torcedores escapam -, se utilizando, muitas vezes, de argumentos que nos parecem meio distorcidos e um tanto quanto incoerentes.

A torcida do Palmeiras não engoliu a postura  pouco isenta do cidadão em 2016. Somos torcedores, e torcedores são passionais, é verdade, mas é exatamente por sabermos disso, que ficamos muito desconfiados que o torcedor lá “dentro do armário” do jornalista é quem andou escrevendo e falando sobre o Palmeiras no último ano.

O interessante é que, assim como os torcedores, ele também não é tolerante com certas coisas… Perguntaram a ele, certa vez, se em alguma ocasião ele achou que passou do ponto, se achou que tenha sido mal-educado, falado alguma grosseria ou usado um tom agressivo demais com um colega durante o debate, e tem um trecho na resposta dele que é bem interessante…

mauro-mulambo-estupidez

Então…  Deturpar algo que é dito para sustentar o próprio ponto de vista, não dá; e eu diria que distorcer alguns fatos para sustentar determinados argumentos é intolerável. E não tem como concordar com coisas que tentam fazer parecer que  “preto é branco e azul é vermelho”. É por pensarmos o mesmo que marcamos posição em relação à uma boa parte da imprensa.

Como você pode ver na imagem abaixo, falando sobre o Avanti, o programa de Sócio-Torcedor do Palmeiras, ele diz que 100 mil associados – marca que o Palmeiras comemorava efusivamente na ocasião, e que a maioria dos clubes ainda estava longe de atingir – não representam nada (o “nada” está nas entrelinhas), representam só 1% da nossa torcida, “segundo pesquisas”. Uma notícia aparentemente normal, uma informaçãozinha de nada, a não ser pelo fato de que as pesquisas. nas quais ele se baseou, “mataram” milhões de torcedores do Palmeiras.

mauro-mulambo-estupidez2

Eis aqui um exemplo do “fazer parecer que azul é vermelho”…  A pessoa tem que ser muito bobinha, ou ter muita vontade de encolher a torcida do Palmeiras, para acreditar que ele tem apenas 10 milhões de torcedores e outros times por aí têm mais de 30/40 milhões, não? Se, há alguns anos, o Palmeiras tinha 15 milhões de torcedores e os dos “mais de 30/40 milhões” atuais tinham, aproximadamente, 20 milhões, basta pensarmos um pouco para percebermos que essa conta aí não bate. Algumas torcidas aumentaram em 50%/100% o número de seus torcedores e a do Palmeiras encolheu mais de 30%?  Morreram milhões e não nasceram outros? Ah, esse jeitinho “Goebbels” da press…

O Palmeiras teve o melhor público do campeonato, está entre os melhores índices de audiência, vende uma tonelada de camisas – infantis, inclusive (há alguns anos, era um dos 5 que mais vendiam adidas no mundo. Imagina agora?) – tem o programa de sócio torcedor que está entre os 10 maiores do mundo; tem canal do Youtube com mais inscrições no país; enche estádios em outros estados… a supremacia dos outros clubes, em número de torcedores, aparece onde mais além das “pesquisas”?

E ele critica sempre os programas de sócios-torcedores (algo que existe nos maiores clubes do mundo, inclusive, no futebol inglês,  para o qual ele se derrete) e diz que os clubes estão segregando quem não pode pagar e fazendo futebol para a classe média.

mauro-mulambo-estupidez3

mauro-mulambo-estupidez7-pobre-nao-tem-espaco-no-futebol
“Preferem lugares sobrando no estádio”
… O Allianz está sempre cheio, mas, ainda que não estivesse, até parece que antes dos programas de sócios-torcedores os estádios estavam sempre lotados aqui  no Brasil, não?

E será que é o preço do ingresso mesmo o (único) termômetro do que leva, ou não, o torcedor ao estádio? Nem sempre quem cobra menos tem o melhor público (esta aí o SPFW , que não enche estádio nem cobrando R$ 10,00 – não encheu nem nem quando cobrou R$ 1,99 – que não me deixa mentir ). Como podemos constatar na imagem abaixo – onde não há nenhuma crítica do jornalista ao preço de ingresso, bem maior, praticado pelo Flamengo –, mesmo cobrando bem menos, o Santos teve público menor.

mauro-mulambo-ingresso-santos

Eu sei que ele parece falar de maneira geral quando critica os preços praticados pelos clubes em seus programas de sócio-torcedor, mas adivinhe se ao citar o Palmeiras não tem um veneninho?

mauro-mulambo-estupidez4

A postagem acima é de 2015…

Com tantas arenas por aí, só a do Palmeiras é que é a “arena do presidente Paulo”. Tem um veneninho aí, não? Além disso, o raciocínio não é muito lógico. Se o torcedor palmeirense pagava R$ 70.00 e tinha acesso direto, basta calcularmos, com 4 partidas como mandante no mês, esse ingresso saía muito mais barato que os 40 reais que pagávamos, sem Avanti, no Pacaembu e no Palestra, ou até mesmo os 30 reais de alguns anos atrás. Onde isso é ruim?

Nos valores de hoje, o Plano Ouro custa R$ 109,90 ao mês e dá 100% de desconto no setor que o jornalista chama de “menos nobre”, o Gol Norte; 4 mandos ao mês = ingressos a R$ 27,27 = uma senhora economia para o torcedor que vai sempre ao estádio -, no entanto, o sócio-torcedor do Flamengo, por exemplo, num plano quase equivalente, de R$ 99,00 ao mês, tem apenas direito a descontos no valor do ingresso, descontos que não ultrapassam os 50% (e se o torcedor quiser comprar mais de uma entrada, terá um acréscimo de R$ R$ 30,00 na mensalidade). Faça as contas…

Ah, mas “mais da metade da população brasileira é classificada como pobre ou de baixa renda”,  a maioria não pode pagar… “Não é moleza para a maioria desembolsar a taxa mensal. Ainda mais “num país em que a renda média domiciliar per capita é de R$ 1.052,00”.

É  verdade mesmo, a maioria não pode pagar por futebol –  não pôde nem pensar em pagar pelos caríssimos jogos da Copa do Mundo 2014, inclusive -, mas também não pode pagar por restaurantes, viagens, teatros, cinemas, Olimpíada e por… canais de TV! Ele não acha que são caras as assinaturas dos canais de TV?  Não acha que esses canais – o que ele trabalha, inclusive -, que muitas vezes transmitem jogos que a TV aberta não transmite – o que praticamente obriga os torcedores a assiná-los -, estejam fora do alcance do bolso de mais da metade da população brasileira? Não acha que é um abuso o torcedor ter que pagar por esses canais (com Premiere, é pior ainda) e ainda ter que assistir aos jogos com narradores tendenciosos, com torcedores rivais como comentaristas? Parece meio hipócrita isso, não? Os donos das TVs podem fazer programas sobre futebol (alguns bem ruinzinhos) apenas para a classe média,  podem transmitir futebol para menos da metade do país, segregando a outra parte, mas os clubes, que precisam investir muito em seus times e estádios, não podem? E quem vai sustentar os clubes, pagar as suas contas, montar os grandes times com os quais torcedores ricos e pobres sonham? Os jornalistas?

Os europeus podem vender carnês (em troca de descontos  “obrigam” o torcedor a comprar ingressos para o ano todo), podem até vender escalações antes dos jogos – como acontece na Inglaterra, com clube de divisão inferior – podem ter programas de sócios-torcedores, privilegiar esses associados com descontos nos ingressos, e tudo isso é lindo,  é de primeiro mundo, mas os clubes brasileiros, – a maioria deles, num miserê danado – não podem?

E ele não parece querer só dar aulas de marketing e administração para os clubes… Com o Palmeiras liderando o Brasileirão 2016, ele deu a impressão que queria ensinar o técnico Cuca a fazer o Palmeiras jogar. Quem o lia/ouvia até pensava que ele entendia mais da profissão do Cuca do que o próprio Cuca.

O Palmeiras foi campeão com 80 pontos, foi líder desde a 9ª rodada, com maior número de vitórias, o menor número de derrotas, o melhor ataque, a melhor defesa, o melhor saldo de gols, o Bola de Ouro, colocou vários jogadores na seleção do campeonato, fez o melhor segundo turno da história dos pontos corridos, e o futebol do Palmeiras, segundo o jornalista – que repetiu isso o campeonato todo -, era ruim, era o Cucabol. E não era apenas uma opinião dada, a crítica pontual, constante, tinha cara de perseguição mesmo – até o Cuca reclamou. Se fosse rubro-negra a camisa do líder, será que as críticas existiriam? Haveria perseguição? Faça a sua aposta.

sai-do-armariocucabol

E onde será que está escrito que há alguma coisa errada com os gols originados de rebote de lateral? Onde será que existe a tal “regra” que gols originados de cruzamentos têm menos valor? Quem determinou que um técnico não pode aproveitar o fato de ter jogadores altos, de ter bons cabeceadores no time ?  Isso ficou com cara de uma vontade imensa, e rubro-negra, de querer desmerecer o futebol do Palmeiras e o seu técnico, não? (Do gol irregular do Flamengo, ele nada falou) Afinal, se o “Cucabol” era ruim, como é que o ‘bom e objetivo’ futebol dos outros times não conseguiu ser mais eficiente que o do Palmeiras, e esses times ficaram 29 rodadas atrás do time do Cucabol? Como não conseguiram superar os números do Cucabol? Como perderam para o Palmeiras o título de melhor time do campeonato? Como o criador do Cucabol foi escolhido o melhor técnico da competição? Por que não houve um “Entregobol” e outros apelidos depreciativos para as defesas e esquemas dos times que tomaram 62 gols de um esquema “tão ruim” quanto o de Cuca? Que jornalismo é esse, que ataca só o time que lidera o campeonato?

E foi bizarro ele tanto desmerecer o “Cucabol”, mas fazer ‘cara de paisagem’ para o futebol de outros times, o do ex-segundo colocado na tabela, por exemplo, que não deu nem pro cheiro. Ele achava que esse time tinha o futebol mais objetivo do campeonato… Não é o que dizem as estatísticas. Essa, por acaso, foi feita um pouco depois do confronto entre Palmeiras e Flamengo no segundo turno.

mauro-mulambo-comparativo-palxfla

Confrontado com essas estatísticas por torcedores (que ele, tão “democrático”, bloqueia loucamente no Twitter), ele se saiu com essa:

mauro-mulambo-palmeiras-depende-da-bola-aerea

 

Puro enrolation… O Flamengo cruzava quase 4 vezes mais do que o Palmeiras e não dependia dessa jogada? E a fazia tanto por quê? Pra passar o tempo?  Deve ser por isso que o campeão foi o Flam… Oh, wait! E aí nos lembramos do craque Alex dizendo que os clubes jogam exatamente como treinam…

E dá-lhe pentelhação e dor de cotovelo…

Resultado de imagem para mauro cezar pereira cucabol

Na imagem abaixo, podemos perceber o “jornalismo ressentido”… Ele achou absurdo o pênalti a favor do Palmeiras, mas absurdo mesmo foi fazer de conta que essa penalidade não existiu e ainda tentar atrelar isso a um outro jogo onde uma grande picaretagem tinha dado a vitória ao Flamengo…

textoblog-mimimi-saidoarmario-torcedor

.

Em 15/09, o Flamengo continuava correndo atrás do Palmeiras, e, segundo o jornalista, o Palmeiras estava “estagnado” com o previsível Cuca,  e o Flamengo, do seu coração torcedor, estava em evolução…

mauro-mulambo-palmeiras-estagnado-flamengo-em-evolucao

 

A análise dele era tão “isenta”, “criteriosa”, tinha tanto “embasamento”, a “evolução” do Flamengo era tanta, e o Palmeiras, do “previsível Cuca”, estava “tão estagnado”  que, algumas rodadas depois, em 23 Outubro, ele já tinha jogado a toalha. Nem com o segundo lugar ele contava mais para o time que “estava em evolução”…

sai-do-armario-joga-a-toalha

.
E nem os torcedores escapam. Os do Palmeiras parecem ser os favoritos; são criticados pelo jornalista desde a inauguração do Allianz Parque, “enchem o estádio só porque é novidade”. Ele tem a pretensão de ignorar e diminuir até o amor dos palestrinos pelo Palmeiras, porque cansou de afirmar que a “torcida cappuccino”, que é como ele nos chama, “vai ao estádio apenas para fazer selfies e tomar café” (e ninguém conta pra ele que não vendem café no Allianz)… Não demora muito, o ca#ador de regras, vai querer dar dicas de moda para as torcedoras também…

E perde um tempão reclamando das selfies dos torcedores (o que ele tem com isso, né?)…

sai-do-armario-selfie-girls

Você leu na imagem acima? Então, fica estabelecido que selfie em estádio ‘é muito patético’, segundo a cartilha “O que o torcedor pode e o que ele não pode fazer no estádio”, que o jornalista parece ter escrito (o pau de selfie ele deve ter visto sabe-se lá onde;  no Allianz, os parmeras não usam isso não). E o mastro, que “agitava a bandeira com fervor”, só não está mais nos estádios (paulistas) porque foram proibidos pela polícia. O coitado do pau de selfie nem existia quando a proibição foi feita, as selfies também não.

E fazer selfie, com pau ou sem,  é mais patético ainda quando quem a faz é o ca@ador de regras, que critica as selfies de “girls and boys” que ‘ignoram o placar’…

Faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço. Porque, comigo, preto é branco e azul é vermelho…

sai-do-armario-nem-gosta-de-selfie-mesmo

.
Confrontado por torcedores, de novo, após essas imagens irem parar na internet, ele se justificou dizendo que a selfie foi um pedido dos torcedores. Realmente, seria indelicado, arrogante, ele se recusar a atender um pedido de torcedores. Mas não é ele quem critica as selfies feitas com ou sem acompanhante?

Depois disso, ele foi fotografado na bancada do Pacaembu, num outro jogo do Flamengo – e não há nada demais que ele vá aos jogos do seu time -; as imagens caíram na internet, e ele, ironizando o fato e os que o fotografaram, continuou martelando que  “selfie é patético”…

saidoarmario-selfieepatetico

Parece que as definições de “patético” foram atualizadas… hahahahaha

,Resultado de imagem para mauro cezar pereira odeia selfiesResultado de imagem para mauro cezar pereira selfie no e stádio

Mauro_Racing

Não se esqueça,  amigo leitor, você e eu não podemos fazer selfie no estádio – os outros torcedores também não podem -, porque “é patético”, tá? hahahahaa

2017 promete… muito mais incoerência, hipocrisia e artrose em “jornalíshticosh” cotovelos…

“Sai do armário”, Cezar! Lugar de torcedor é na bancada!

Dia de jogo do Palmeiras no Allianz Parque…  Palmeiras x Botafogo, 36ª rodada de um campeonato que já dura 22 anos…

Os palmeirenses, ansiosos, ávidos, famintos – e nem poderia ser diferente -, esgotaram todos os ingressos no dia seguinte ao início das vendas. Os palmeirenses, do time que lidera o campeonato há 27 rodadas, já guardam o mesmo segredo no coração, mas, apenas por uma certa prudência, ainda não ousam expressá-lo.

Saí de casa e fui observando  as muitas camisas do Palmeiras que encontrava pelo caminho; assim como os seus donos, as camisas pareciam sorrir orgulhosas umas para as outras… e todos esses parmeras tinham aquele olhar de quem se prepara para uma grande festa…

Quantos caminhos percorremos até aqui… Meu Deus! Só nós sabemos. Parece mentira que a hora é agora, mas é verdade, a hora é agora. E que momento maravilhoso é esse.

Na minha cabeça, há muito tempo, o jogo decisivo seria o de hoje… Ao contrário do que a mídia escrota tenta fazer parecer, não dependemos de um único resultado dos adversários. O Palmeiras, desde a 9ª rodada, depende só dele, e basta que ele vença os seus jogos, que administre a vantagem que tem, que pouco nos importarão os resultados dos outros times. Eles podem ganhar todas as partidas, até as do campeonato de Júpiter, que nada mudará. Queremos que eles percam pontos, claro, mas é apenas para ficarmos mais confortáveis.

Encontrei os amigos nos arredores do Allianz para nos prepararmos para o jogo. E quanta alegria! Eu tive a sorte de ver o Palmeiras ser campeão brasileiro em 93,  94…  fui aos jogos, ao Palestra depois do título, fui na Paulista, vivi tudo aquilo, mas a maioria dos amigos que estavam comigo a caminho do Allianz eram crianças na época, e apenas lembram um pouco do que foram as nossas conquistas no campeonato brasileiro. E, hoje, enquanto nos preparávamos para essa “final”, eu os observava… eram todos crianças de novo, felizes, brincando com as tintas com que pintavam os cabelos (também pintei os meus), os rostos, as barbas… vivendo a magia de um campeonato maravilhoso do Palmeiras…

Entramos num Allianz  ainda meio deserto…  e os pontos vazios nas cadeiras, como se fossem lâmpadas se acendendo, iam sendo coloridos por muito verde e branco,  azul, amarelo… Os camarotes estavam acesos… O mascote periquito apareceu; Gobatto, nosso porco mascote, também… o barulho aumentava em nossa casa…

Jailsão da Massa entrou em campo para se aquecer… aplausos, assobios, gritos pro nosso goleiro (que bom que Deus nos mandou você, Jaílson). O time também veio se aquecer… Dudu, G.Jesus, Moisés, Mito, Zé Roberto,  Tche Tche, Mina, Jean, Guedes, CX… e mais aplausos da torcida. O Caldeirão do Porco começava a entrar em ebulição…

Os minutos se passaram, a ansiedade era névoa densa no Allianz, e chegou a hora do jogo. Nosso time em campo… a torcida pronta, com periquitos no estômago (palmeirenses não têm borboletas no estômago), nosso hino sendo cantado… “Palmeiras, meu Palmeiras, meu Palmeiras”, o Palmeiras que é só nosso. Haja emoção… Parece meio clichê repetir que o torcedor sente orgulho do seu time, do seu hino… mas é de verdade, que orgulho imenso sentimos do Palmeiras.  E como explicar o amor que trazemos dentro do peito, e que escapa por todos os poros? Joelmir tinha  razão, ninguém além de nós mesmos pode entender.

Exceto pela saída de Mina, que sentiu dores musculares antes dos primeiros quinze minutos de jogo, e parecia chorar no banco de reservas (meu coração rachou), o primeiro tempo tinha a cara que a gente queria, era tudo o que esperávamos: o Palmeiras no ataque – segundo as estatísticas, o Verdão teve 71% de posse de bola no primeiro tempo. O Botafogo se defendia e esperava apenas pelas oportunidades de contra atacar.

Cabeçada de Moisés… quase!

A torcida se agitou, e o telão confirmou… tinha gol do Cruzeiro em cima das sardinhas! O Caldeirão do Porco fervia…

Era como um filme se desenrolando à minha frente… Dudu jogando com Moisés, que chamou Guedes, que mandou de cabeça pra Jesus, na área, na cara do gol… a bola bateu na perna do nosso menino e foi pra fora… Uhhhhhhhhhh! Cuca, com sua calça “Restart”, lamentava a oportunidade perdida… e haja unha pra ele roer… Meu coração fazia um barulho imenso…

Moisés chapelou o botafoguense (e que chapéu!), avançou e tocou pro Dudu; nosso soldadinho de chumbo cortou para o meio, e chutou pro gol, Sidão se esticou todo e caiu no canto para espalmar.

Dudu recebeu desceu em velocidade pela esquerda e tocou lá pro meio, Moisés apareceu e, de primeira, mandou um balaço pro gol, mas a bola foi pra fora. Que chute do Moisés!

E o grito de gol arranhava a nossa garganta, louquinho para sair… Mas o que gritávamos mesmo eram  broncas no juiz, que deixava de amarelar jogadores, deixava de marcar faltas na área…

A torcida do Palmeiras incendiava o Allianz e cantava sem parar.  Só dava Verdão! Mas, embora o Botafogo não levasse perigo, o jogo era bastante pegado, disputado, brigado… os jogadores se estranhavam o tempo todo.

Dudu deixava a defesa do Botafogo perdida, e sofria muitas faltas. Gabriel Jesus também, e pra variar, levava muitas botinadas. Moisés estava jogando muito (que contratação mais certeira), Tche Tche, como sempre, estava com seus clones todos em campo (parece que temos meias dúzia de “Tche Tches”), Zé Roberto – nossa “revelação” -, imprescindível. Já o Botafogo, atazanado pelos jogadores de verde, pela velocidade e dribles de Dudu, Moisés, Guedes, Jesus… e aproveitando que fazia sol, batia até na sombra dos parmeras, com as bençãos do juiz. Um absurdo.

Teve muitos “erros de arbitragem” no primeiro tempo (não poderia deixar de falar deles). Nós ficávamos divididos entre aquele frio na barriga a cada lance ofensivo do Verdão, a cada quase gol, e a raiva que sentíamos do juiz por ignorar algumas faltas importantes cometidas pelos cariocas.

Jesus levou uma cotovelada, e o juiz deu vantagem para o Palmeiras. Ok, está na regra. Mas não é porque deu vantagem que, depois, tem que deixar de punir o jogador que faz uma coisa assim…

palxbot-2016-faltadesleal-em-gjesus1

Repara, depois que Jesus está no chão, e a bola está bem à frente, o jogador adversário – a não ser que eu esteja louca – está pisando/tentando pisar no jogador do Palmeiras.

Mina é empurrado na área…  (no vídeo, que está na postagem, apesar de a TV não aproximar a imagem  – ela só faz isso quando a infração é do Palmeiras -, dá pra ver o empurrão)…

palxbot-2016-penalti-em-yerrimina

Falta – para amarelo  em Zé Roberto, mas, como 4 minutos antes dessa botinada,  Emerson Silva já havia levado cartão por uma falta desleal em Gabriel Jesus, o árbitro resolveu aliviar para o Botafoguense e não mostrar o segundo cartão. As arbitragens adoram “ajudar” o Palmeiras, não é mesmo?

palxbot2016-falta-em-zeroberto

Ataque do Verdão, Vítor Hugo – que é sempre um perigo na área inimiga – vai pra bola e é empurrado (está no vídeo também)…

palxbot-2016-vitorhugo-e-empurrado-na-area

Falta dura de Dudu cearense no Dudu do Palmeiras… Ele vai de sola na coxa de Dudu, e de braço aberto na cara dele… o homem de vermelho está pertinho do lance… e cadê a punição para o jogador?

palxbot-faltaduducearense-em-dudu

Ainda bem que dizem (aquele carioca flamenguista diz – e não prova) que Marco Polo Del Nero pressiona as arbitragens para não errarem contra o Palmeiras, né? Imagina como seria se fosse ao contrário?

A torcida incentivava o time, e o time ia pra cima do Botafogo. No entanto, mesmo com toda a disposição do Verdão em buscar o gol, fomos para o intervalo no 0 x 0.

Na segunda etapa, logo de cara, quase abrimos o placar. Jean fez a jogada pra Dudu, nosso baixinho mandou pro gol, o goleiro defendeu e CX, no rebote, mandou pra fora. Em Minas, o Cruzeiro sofria o empate…

O Botafogo tentou se acertar em campo,  e começou a fazer umas investidas mais perigosas, daquelas que a gente, só por causa da tensão, acaba achando ainda mais perigosas do que foram… Mas a defesa estava bem, Jailsão da Massa também. E o Palmeiras estava determinado a vencer…

Cuca sacou CX e colocou Alecsandro. O Botafogo continuava levando perigo ao nosso gol, o Palmeiras dava uma segurada no ímpeto inimigo,  se fechava e saía no contra ataque.

Tão logo ficamos sabendo que o Santos virara pra cima do Cruzeiro, Moisés mandou a bola pra frente, Alecsandro ajeitou pra Dudu, que desceu em velocidade e cruzou pra Gabriel Jesus que entrava do outro lado; Gabriel Jesus não conseguiu finalizar, correu atrás da bola, dominou, girou e cruzou na medida para Duduzinho, nosso pequeno gigante, subir e cabecear pro gol…

O Allianz explodiu no gol de Dudu!  o banco e o time do Palmeiras explodiram no gol de Dudu… O Palmeiras fazendo a sua parte para ser campeão… e a gente já não sabia mais o que fazer com aquele menino, de 22 anos, que estava louco pra participar da festa também… Emocionados, tremendo, tínhamos  que ralhar com ele: Espera um pouquinho “É campeão brasileiro”, logo você estará livre.

Não sei se era eu que não via mais o jogo direito, ou se era o Botafogo que sentiu o gol e murchou em campo (continuou batendo bastante), mas não sentia mais perigo, o Palmeiras estava seguro, o Palmeiras era o senhor da partida… a vitória seria nossa, sabíamos disso; nossos jogadores transbordavam garra e vontade em campo… Que interação deliciosa essa entre time e torcida… era como se um se alimentasse da energia do outro.

O Cruzeiro empatou em Minas… e a torcida aumentou o barulho e a festa…

O Allianz tremia e se tornava pequeno para tanta energia e vibração… “Dá-lhe, dá-lhe, dá-lhe, porco… seremos campeões, mais uma vez”…

O jogo se aproximava do seu final… Mais três minutos… E então, o apito final.

“Ai, ai, ai, ai… ai, ai, ai… está chegando a hora…”, a Que Canta e Vibra cantava e vibrava como nunca… ela já sabia, ela sempre soube…

Nosso jogadores, ajoelhados e abraçados no centro do campo, certamente faziam uma oração, agradeciam, renovavam a vontade de serem campeões brasileiros pelo Palmeiras…

Os torcedores se abraçavam, choravam, aplaudiam seus guerreiros… Falta um ponto… Nunca, nesses 22 anos, esteve tão perto… o segredo que guardamos no coração está prestes a ser revelado…

ESTÁ CHEGANDO A HORA, PALMEIRAS… A HORA DE SERMOS FELIZES…

FORZA, VERDÃO, E VAMOS BUSCAR O ENEA!!!

 

 

 

.moisesao-mandamento

Muita gente que não acompanha o Palmeiras pela internet, ou que não acompanha tão atentamente as notícias de alguns programas esportivos, talvez não tenha entendido muito bem a cobrada, a “chamada na chincha” que o Moisés deu no repórter da Fox Sports, na entrevista ao final da partida diante do Galo – quando o Palmeiras, pra “variar”, foi muito assaltado pela arbitragem – talvez não tenha entendido a cara sem graça das pessoas no estúdio…

Na publicação anterior, mostrei um pouco do que foi o embarque do Palmeiras para MG, mostrei um pouquinho da festa, maravilhosa, que a Que Canta e Vibra fez para o Verdão.

Foi tudo muito lindo e emocionante… a ponto de deixar os torcedores profissionais de imprensa com uma baita dor de cotovelo, e com amnésia também, afinal, eles até esqueceram que, semanas antes, eles acharam lindo uma torcida tomar as dependências de um aeroporto para apoiar o seu time.

Mas a Nossa Senhora do Print, que tudo vê, não esqueceu o dois pesos e duas medidas da Fox Sports (dos profissionais da Fox Sports), por exemplo…

fox-suja-imunda1

Vê como funciona? O modus operandi é esse…

Para o time que querem dar uma força, eles fazem parecer que a ida da torcida ao aeroporto é algo bastante positivo (e é mesmo), que é “o time nos braços da torcida”, “é a invasão histórica”; a ideia a passar é a de força, energia, poder… Já no caso da nossa torcida ir para o aeroporto, ficou parecendo que a intenção de quem escreveu era exatamente a de passar a ideia de algo negativo, algo ilícito (eles estão sempre procurando ilegalidade nas coisas do Palmeiras), “torcida de clube pode fechar aeroportos para fazer festa?”… quem lê, já torce o nariz de cara para a presença dos palmeirenses em Congonhas.  No entanto, ninguém questionou isso – a Fox não questionou isso –  em outras oportunidades, não é mesmo? O que é “lindo” pra um, é “ilícito” para o outro? Ah, tá…

Houve ainda quem ficasse indignado com os sinalizadores. João Canalha, da ESPN (aquele mesmo babaca que chamou o Vitor Hugo de vice-campeão da Copa do Brasil, antes das finais), ficou tendo chiliques por isso,  s sinalizadores “poderiam queimar alguém” . Será que ele acha que só os sinalizadores verdes podem queimar alguém, porque não me lembro de ele, e qualquer outro ‘jornaleiro’, ter reclamado desses sinalizadores aqui:

sinalizadores-flamengo-chegada-diego sinalizadores-torcida-flamengo-aeroportosinalizadores-flamengo-antes-da-decisao sinalizador-gambazada

Você vê? É errado só para a torcida do Palmeiras… Como podemos confiar nas notícias, opiniões e análises de profissionais desse “quilate”? Como podemos levar a sério o que nos dizem e nos contam sobre o Palmeiras?

Fox, ESPN, SporTV… é tudo a mesma mer… cadoria!!  Estamos de olho, e a Nossa Senhora do Print também! 😉

Parabéns, Moisesão da Massa! A sintonia entre time e torcida está perfeita. Aplausos pra você, seu lindo!

E BOOOOOOORA SER CAMPEÃO!!  #VeeeeeeeeemENEA

 

“Não desças os degraus do sonho
Para não despertar os monstros.
Não subas aos sótãos – onde
Os deuses, por trás das suas máscaras,
Ocultam o próprio enigma.
Não desças, não subas, fica…”  –

Mario Quintana

O Palmeiras dá uma tropeçada – quando podia tropeçar, quando tinha vantagem que lhe permitia perder -, e parte da torcida se ‘agarra à pedra’… abdica de raciocinar e, guiada  pelo medo e pelo não saber lidar com a frustração, caso ela aconteça, desce os degraus do sonho e vai despertar todos os monstros…

Que escarcéu! E quanta incoerência… Alguns torcedores – pra lá de pessimistas – vociferam contra alguns jogadores, se descabelam e fazem parecer que as posições na tabela foram invertidas, que é o Palmeiras quem está 5, 6 e 7 pontos atrás do líder, e não que o Palmeiras continua na liderança, com vantagem sobre os demais.

A 5 rodadas do final do campeonato, é melhor ter 5 pontos a mais do que o segundo colocado, ou ter 5 pontos a menos do que o primeiro? Será mesmo que preferiam que o Palmeiras ocupasse qualquer outra posição que não fosse a que ele ocupa agora?

E pensar que a derrota na Vila foi a única do time nos últimos 16 jogos. E ela aconteceu porque , visivelmente, entramos em campo para empatar. O resultado certamente teria sido outro se a nossa postura em campo fosse mais ofensiva, ambiciosa, e se errássemos menos passes também. Normalmente, jogar pra empatar não funciona, mas quase que deu certo essa falta de ambição do nosso time e do nosso técnico. O Santos não jogou nada, nós também não jogamos nada , não atacamos, só que resolvemos tomar um gol pra lá de besta e perdemos o jogo.

Parte da torcida do Palmeiras, ao mesmo tempo que gosta de bradar o “aqui é contra tudo e contra todos”, basta um insucesso, uma expectativa frustrada, já vem com a ladainha que “o Palmeiras gosta de se auto sabotar”, de que “ele adora perder pra ele mesmo”, que “ele sempre faz dessas” e que “é por isso que a torcida não confia”

Insucessos, títulos perdidos, fazem parte da história de qualquer time. Mas será que perdemos tantos ” títulos que estavam praticamente ganhos” assim? Será que o Palmeiras sempre faz dessas? Nos títulos que conquistamos, ‘passamos o carro’ em todo mundo mesmo, sem nenhuma escorregada?

Na maioria das vezes em que chegou, o Palmeiras se sagrou campeão e não o contrário como fazem parecer alguns. Não fosse assim, ele não seria o maior campeão do Brasil, o Campeão do Século.

Vejamos algumas das últimas conquistas mais ‘recentes’, aquelas das quais nos lembramos, as que acompanhamos, ou as que vimos nossos pais acompanharem e torcerem…

Campeonato Brasileiro de 1972  – PALMEIRAS CAMPEÃO

30 Jogos – 16V – 10E – 4D   ///  (52 gols marcados e 13 sofridos)
Média de gols marcados: 1,53/J – Média de gols sofridos: 0,63/J
Melhor série sem perder: 12 jogos  / Pior série sem vencer: 4 jogos

O time campeão do Palmeiras, da inesquecível e consagrada Academia, entre outros resultados, obteve uns placares que, hoje em dia, levariam o torcedor à loucura: 0 x 0 com o Nacional-AM,  2 x 2 com o ABC, 1 x 1 com o Sergipe; perdeu do Corinthians, do São Paulo, do Santos e do Coritiba. “Salto alto” seria a coisa mais amena que diriam após esses resultados.

Campeonato Brasileiro de 1973 – PALMEIRAS CAMPEÃO

40 Jogos – 25V – 12E – 3D  ///  (46 gols marcados e 19 sofridos)
Média de gols marcados: 1,3/J – Média de Gols sofridos 0,33/J
Melhor série sem perder: 22 jogos / Pior série sem vencer: 4 Jogos

O time campeão de 1973, a temida Academia, que parava até o Santos de Pelé, deu as suas escorregadas também. Perdeu do São Paulo, Guarani e Grêmio; empatou, sem gols, com o Sergipe; ganhou (só) por 1 x 0, em casa, do América-RN, da Ferroviária, em Araraquara, também. Circunstâncias de um campeonato, que nem de longe foram determinantes para o resultado final.

Campeonato Brasileiro de 1993 – PALMEIRAS CAMPEÃO

22 jogos – 16V – 4E – 2D  ///  (40 gols marcados e 17 sofridos)
Média de gols marcados: 1,82/J – Média de gols sofridos: 0,77/J
Melhor série sem perder: 9 jogos / Pior série sem vencer:  2 jogos
Marcou gols em 20 jogos e sofreu gols em 18.

O Palmeiras, que se classificou no Grupo B disputando 20 jogos  – os outros dois jogos foram as finais -, perdeu duas vezes para o Santos  (3 x 1, fora, e 0 x 1, em casa) e, das 14 vitórias obtidas no grupo, 7 delas tiveram placares com apenas um gol de diferença (4 jogos com placar de 2 x1,  2 jogos  com placar de 1 x 0 e 1 jogo com placar de 3 x 2).

O time do Palmeiras era sensacional, superior aos demais, de verdade – e isso não está em discussão aqui – , mas, ainda assim, teve várias vitórias com placares apertados. Hoje em dia, seria uma choradeira infinita pelos gols perdidos e muita crítica para quem, por acaso, tivesse desperdiçado algumas chances..

Campeonato Brasileiro de 1994 – PALMEIRAS CAMPEÃO

31 jogos – 20V – 6E – 5D  ///  (58 gols marcados e 30 sofridos)
Média de gols marcados: 1,87/J – Média de gols sofridos: 0,97/J
Melhor série sem perder: 14 jogos / Pior série sem vencer: 4 jogos
Marcou gols em 28 jogos e  sofreu gols em 22

E sim, o time maravilhoso do Palmeiras campeão de 1994, cheio de craques, também dava umas rateadas… perdia algumas partidas. Perdeu para o Paysandu, Portuguesa, Guarani, Flamengo, foi goleado pelo Fluminense… teve uma vitória bem magrinha (1 x 0) sobre o União São João…  Essas coisas fazem parte, mas… ah, se fosse agora…

Libertadores 1999 – PALMEIRAS CAMPEÃO

14 jogos – 7V – 2E – 5D  ///  24 gols marcados e 18 gols sofridos
Média de gols marcados: 1,71/J  –  Média de Gols Sofridos: 1,29/J
Melhor série sem perder: 4 Jogos  / Pior série sem vencer: 3 jogos

E todos sabemos que não foi fácil essa conquista. Todos sabemos que foi no talento dos jogadores, do técnico, mas foi também na raça, no peso da camisa;   foi com o coração e a alma, foi com o amor da torcida. Derrota fora, na semifinal, vitória em casa; derrota fora, na final,  vitória com a mesma vantagem em casa… e decidida nos pênaltis… sacramentada no erro de Zapata…  E os torcedores todos acreditando no time… torcendo, apoiando (rezando)… como deve fazer quem se diz torcedor.

Copa do Brasil de 1998 – PALMEIRAS CAMPEÃO

12 Jogos, 6V – 4E –  2D  ///  21 gols marcados e 9 gols sofridos
Média de gols marcados: 1,75/J – Média de Gols Sofridos: 0,67/J
Melhor série sem perder: 5 Jogos  / Pior  série sem vencer: 4 jogos

Só conseguimos uma única vitória fora de casa no campeonato – contra o Sport. Nas semifinais, e nas finais também, a coisa foi parelha, apertada. O que dizer daquele gol, tido como ‘espírita’ de Oséas, na segunda final (tínhamos perdido a primeira)? O que dizer daquela conquista sobre o forte time do Cruzeiro?

Copa do Brasil de 2012 – PALMEIRAS CAMPEÃO

11 Jogos – 8V – 3E – 0D  ///  23 gols marcados e 6 gols sofridos
Média de gols marcados: 2,09/J  – Média de Gols Sofridos: 0,55/J
11 jogos sem perder

E quem diria que o time, que uma parte tão grande da torcida achava fraco (alguns jogadores eram fracos mesmo), fosse se sagrar campeão, não é mesmo? Quem diria que o time que “está sempre se auto sabotando”, que “sempre faz isso”, o time “que é o culpado por não confiarmos nele”, fosse superar a falta de talento de alguns, fosse superar apendicite, sequestro, a falta de sua casa no campeonato, a bagunça administrativa dos seus dirigentes, o ambiente sempre conturbado, as fofocas, o fogo-amigo, fosse superar a desconfiança de tanta gente?

Quem diria que ele fosse ganhar do Grêmio lá no sul e, na partida da volta, fosse aguentar porrada, pisão, soco na cara, expulsão mandrake (Henrique levou um soco e foi expulso, lembra?) e, com um gol maravilhoso de Valdivia – tão perseguido por uma parte da torcida – saísse com a vaga para a final?

Quem diria que nas partidas finais o time seria prejudicado pela arbitragem de novo – pênalti não marcado sobre Valdivia, na primeira partida; pênalti não marcado sobre Henrique, no segundo jogo;  com a expulsão de Valdivia, em Barueri, por falta cometida no jogador que, segundos antes, o agredira com um chute e não recebera punição alguma – e, ainda assim fosse conquistar o título?

Quem diria que ele fosse sair de Curitiba campeão com um gol de Betinho? A estrela de campeão já estava até pintada na parede da sede da torcida adversária…

É esse mesmo o time que faz a gente desconfiar dele?

Copa do Brasil de 2015 – PALMEIRAS CAMPEÃO

13 Jogos, 8V – 3E – 2D  ///  25 gols marcados e 14 gols sofridos
Média de gols marcados: 1,92/J   Média de Gols Sofridos: 1,08/J
Melhor série sem perder: 9 Jogos

Essa foi ontem mesmo… todo mundo lembra… todo mundo sabia das dificuldades… todo mundo viu o Palmeiras empatar com o Sampaio Correa, empatar com o Asa – e ganhar dele fora só por 1 x 0…  Vimos o pênalti não marcado em Jesus, lá no sul,  os dois gols irregulares do Inter aqui… todo mundo viu o gol, legítimo, de Amaral, anulado no RJ, diante do Fluminense… todo mundo viu a imprensa fazendo o Santos campeão antes da hora, os deboches, o pênalti em Barrios, não marcado lá na Vila…

Todo mundo viu a força de se desejar algo ardentemente,  a capacidade de se superar, todo mundo viu o Prass fazer ainda mais do que o muito que ele já fazia no time… todo mundo viu a mágica de se acreditar… todo mundo viu o sonho se realizar na força de milhões, na garra e entrega de um time, no amor de uma torcida…

E é sério que tem gente fazendo o contrário agora? Que prefere atacar o Palmeiras, seus jogadores, justo quando faltam 5 partidas para acabar o campeonato e o Palmeiras fará três delas em casa? Justo quando o Palmeiras é líder, com vantagem de 5 pontos sobre o segundo colocado e 86% de chances matemáticas de conquistar o título? Quando mais duas vitórias praticamente lhe darão o título? É sério que tem palmeirense sem coragem de abrir o peito à possibilidade de ser feliz, só pelo medo de não dar certo? Que não vê que a nossa campanha atual em nada fica devendo às campanhas vitoriosas de outros tempos? É sério que existe torcedor que prefere se resguardar de um revés, que, matematicamente, tem 86% de chances de não acontecer? É sério que ainda não aprenderam a acreditar  no Palmeiras?

Que pena…

Ninguém pode saber como acabará o campeonato, ninguém pode bater o martelo sobre quem será o campeão. Todos podemos imaginar… E já dizia Shakespeare: “O horror visível tem menos poder sobre a alma do que o horror imaginado”.

Se é para imaginar, eu imagino o melhor, sempre… o corredor verde, luzes, fumaça, a Palestra Italia lotada de gente “verde”, o Allianz Parque explodindo de felicidade, os jogadores do Palmeiras se abraçando, comemorando… Cuca agradecendo à Nossa Senhora… os torcedores palmeirenses chorando de alegria… o enea conquistado…

A minha alma está com você, Palmeiras, e ela quase ouve os gritos de “é campeão” que estão guardados no meu coração… e a minha alma vai acreditar em você, Palmeiras, até o último minuto… até o juiz apitar o final da última partida… do último campeonato…

<3

Ia ser uma postagem no Facebook, mas, como virou textão, veio parar no blog…

Ontem (14/10), recebi muitos cumprimentos pelo meu aniversário, via timeline do FB, do TT, via inbox, DMs, e-mails, áudios, ligações, whatsapp… recebi cumprimentos de parmeras de várias localidades do país,  recebi cumprimentos dos EUA, do Japão, da Itália, da Turquia,  recebi carinho até de Amsterdã… coisas que esse mundo virtual faz acontecer…

Não consegui, infelizmente,  responder a todas as mensagens, porque as li na hora, mas não pude responder no mesmo momento e, depois, já não conseguia ter acesso a todas elas. Mas eu quero agradecer cada amigo pela gentileza de ter me oferecido um minutinho do seu tempo, do seu carinho, da sua palestrinidade… pelos bolos parmeras, pelos porquinhos, flores, abraços, beijos, e pelas palavras tão gentis. Vocês todos me deram muito mais do que eu mereço… Muito obrigada, seus lindos! <3

E como praticamente todas as mensagens me desejavam como presente “aquilo” que nós todos queremos ganhar… fiquei pensando  que é hora de gastarmos todo o “tesouro”  que temos guardado – no coração, na alma – no presente de todos os aniversários e aniversariantes do ano… no nosso presente de Natal… É hora de criarmos aquela energia mágica, maravilhosa (mais maravilhosa ainda do que já tem sido),   é hora de entrarmos no gramado, e de atuarmos fora dele também… pelo Palmeiras… para defender os interesses do Palmeiras.

Estamos acompanhando a prática espúria nos bastidores, a mutreta, tão habitual, da CBF (atolada em corrupção), da rgt  – e todos os seus tentáculos no mundo da comunicação -, dos árbitros sacanas e dos “profissionais” de imprensa – que, de dentro do esgoto que chamam de “redação”, ou dos bueiros televisivos, sempre fazem o trabalho de legitimar a podridão (parecido com aquele “ah, mas já roubavam antes do PT” , “ah, é golpe”)… Sabemos o que pretendem. Já vimos isso tantas vezes… vimos isso “ontem” mesmo, no brasileirão de 2015…

Sujeira (uma “reunião de condomínio” dentro de campo e dez minutos de informações EXTRA CAMPO para se anular um gol – em qual país você já viu isso? – súmula de jogo entregue só no dia seguinte à partida, e sem as informações exatas sobre o ocorrido), desonestidade, verdades distorcidas, moral seletiva (se é seletiva, não é moral, é falta dela), tentando se sobrepor a trabalho sério, a planejamento, reestruturação financeira – que levantou um clube, enquanto os restantes não sabem se vendem a janta pra pagar o almoço, ou vendem o almoço pra pagar a janta…

Os de “caráter seletivo” perderam a vergonha de vez  – na Fox, um “profissional” lembrou/sugeriu (só faltou pedir) ao jogador santista, que se o Santos perder para o time carioca na penúltima rodada, ele pode ” se vingar e tirar o título” do Palmeiras. Será que querem que o Botafogo, que enfrentará o Palmeiras nessa mesma rodada, entregue o jogo e, por rivalidade regional, tire as chances do outro time carioca? É uma depravação e  nem disfarçam mais (vou falar sobre isso em outra postagem)… 
 .
O grande vilão  a ser combatido é o que faz tudo certo… morrem de raiva daquele que prima pela honestidade, pela lisura… Essa “filosofia de vida” está matando o Brasil e ninguém se dá conta disso… a “Alemanha” faz “7 x 1” aqui todos os dias… 
 .
Portanto, somos nós com nós mesmos.  O Palmeiras só tem a nós com quem contar… e nós só temos o Palmeiras. E, se estão nos dando as “pilhas”, vamos aproveitar e carregar as nossas baterias com elas… não é mesmo? 😉
Que a partir de hoje, e durante as partidas, esteja encerrado o ciclo do “Ah, mas o Cuca errou quando tirou o Huguinho e deixou o Zezinho…”, “ah, mas eu prefiro o Luisinho ao Huguinho…”, “como ele pôde tirar o Cebolinha do jogo?”“ah, mas o Franjinha não jogou bem como poderia…”, “ah, mas ele perdeu um gol feito…”,  “Ah, mas se o Donald tivesse passado a bola pro Mickey…”, “Ah, o Gastão está com a cabeça em outras coisas”
Basta disso agora.
 .
É o Palmeiras, o nosso Palmeiras, pôxa!!
É o Palmeiras, líder há 21 rodadas…
É o Palmeiras, do melhor ataque e melhor saldo de gols…
É o Palmeiras, que o “Huguinho”, o “Zezinho” e o “Luisinho” trouxeram até aqui…
É o Palmeiras, a 8 partidas de um sonho…
É o Palmeiras, que nos tira o sono, e por quem nós fazemos qualquer coisa…
É o Palmeiras, que está em todas as nossas preces…
É o Palmeiras,  que nos faz chorar de emoção, alegria, e nos faz sentir um amor sem medidas…
 .

Querem sacanear o Palmeiras… E nós não vamos deixar.
.
Chegou a hora de sermos o Jailsão da Massa se esticando todo pra colocar a bola pra fora, de sermos o Prass cobrando pênalti para conquistar um título; a hora de sermos o Dudu driblando o inimigo e decidindo em uma final; de sermos o Gabriel Jesus apanhando o tempo todo e não desistindo; de sermos o Mito, que para no ar antes de fazer um gol…  ou  o Mina, que defende tudo, balança a rede e vai dançar de alegria… é hora de sermos o Alecsandro, que superando a mutreta e sacanagem premeditada do tribunal, entra em campo e vai pro gol… de sermos o Rafa, o Barrios, de gols decisivos; de sermos Moisés “abrindo” os caminhos para o time passar…
.
Chegou a hora de fazermos mais, de fazermos o “impossível” e sermos o “Zé Roberto tirando aquela bola em cima da  risca”… hora de mostrarmos ao Zé que aquele esforço, do c#@alho, que ele fez, vai virar taça sim!  Chegou a hora de fazermos nossos jogadores sentirem, de verdade, que estamos com eles em qualquer situação…
.
Vamos apoiar e defender o Verdão! Vamos apoiar e defender quem quer que entre em campo com a nossa camisa! Vamos torcer para que os erros – caso aconteçam – virem acertos… Vamos mostrar ao nosso time que acreditamos, muito, nele, que jogamos com ele… e que só queremos em troca muita, mas muita raça e dedicação.
.
O jogador do Palmeiras é o torcedor em campo, e o torcedor é o jogador na bancada…
.
Dissemos lá no começo… “JUNTOS PELO TÍTULO”… e é isso, JUNTOS VAMOS BUSCAR!
.
É uma guerra, Verdão, contra tudo e contra todos! Se não fosse assim não seria o Palmeiras, não seríamos nós! E de guerra nós somos bons, desde 1914; a Arrancada Heróica de 42 não nos deixa mentir. E é essa guerra, essa luta e esse monte de inimigos e sacanagens contra nós que carimbam cada título nosso com 100% de honra, dignidade e grandeza. É ela que transforma nossos jogadores em ídolos, inesquecíveis e imortais…
.
Na mão grande não vão levar, não, porque AQUI É PALMEIRAS, P#@RRA, e os palestrinos vão à luta!
.
BOOOOOOORA SER CAMPEÃO, VERDÃO! 

..
Quando estamos em uma situação de perigo, quando somos atacados, chamamos a polícia… e o que fazemos quando é a polícia a nos colocar em perigo
?
.. 
Sabemos que muitas torcidas aprontam um bocado, sabemos que alguns torcedores, baderneiros, privilegiam a briga, a disputa com torcidas rivais, e promovem muita desordem por aí…
.. 
Mas sabemos também que policiais militares, em muitas ocasiões, abusam do poder, principalmente quando lidam com torcidas… eu mesma já fui testemunha, algumas vezes, de pequenos – grandes também – abusos da PM com torcedores.
.. 
Quem não lembra do que a PM fez na final do Paulistão 2008, lá no Palestra, e da batalha campal que ela provocou na Turiaçu? Quem nunca viu ela chegar, do nada, e ir “ajeitando”, com cassetetes (!?!) e algumas cacetadas (!?!), os torcedores numa fila de entrada no Allianz? Eu mesma já contei aqui no blog sobre a truculência e rispidez com que fui tratada, em mais de uma vez, por causa de uma simples touca de porco.
 ..
Mas, agora, quem abusou do poder e da truculência foi a PM de Minas Gerais, a mesma que, dizem, aprontou poucas e boas com a torcida do Atlético-MG, na partida diante do Corinthians, no Brasileirão 2015. 
.. 
Filippe Rafael e Clara Paiva – um pai e filha, torcedores palmeirenses comuns (não são de nenhuma torcida organizada), foram assistir CRU x PAL, em MG, e, com os demais palmeirenses que estavam no setor destinado aos torcedores visitantes no Mineirão, viveram momentos de terror proporcionados pela polícia militar local.
.. 

Existem muitos relatos de torcedores, esse, é o de Filippe Rafael:

Esta noite vivi um dos momentos mais absurdos após algumas décadas que frequento estádio de futebol.
A Policia Militar de MG, representada por alguns pseudos policiais, usou de extrema covardia ao atacar com balas de borrachas, bombas de efeito moral (que explodiram entre eu e minha filha), porretadas e gás de pimenta um grupo de aproximadamente 150 pessoas acuadas em um espaço físico que cabiam no máximo 20 pessoas, formadas na maioria por mulheres, crianças e torcedores comuns.
Um amigo, João, ao assistir tamanho absurdo, foi em um clarão pedir calma aos policias e prontamente também foi agredido com porretada.
Uma mulher grávida foi levada por este grupo covardemente bombardeado para 2 bombeiros que assistiam pasmos a barbárie. Ela tinha hematomas na barriga e dores.
E qual não foi a surpresa quando após todo este saldo de covardia (que não canso de repetir) ler uma matéria da Uol Esportes, há tempos o veículo de comunicação com menos credibilidade no meu conceito, colocar que houve uma briga interna da própria torcida. São loucos, mal informados e débeis mentais.

Uma leitura que faço disso é que a torcida do Palmeiras tem sido discriminada em diversas Cidades e Estados para inibir a voz do canto, o amor pelo clube e a festa das bancadas.

Mas os COVARDES membros da PM de MG que hoje “policiaram” o Mineirão, de uma forma ou outra pagarão pelo que fizeram, mesmo que seja ao entrarem em suas casas e não terem a honestidade de ao se olharem no espelho verem o quanto INESCRUPULOSOS são pelados, sem estarem escondidos atrás de armas, uniformes, capacetes, bombas e porretes.

COVARDES são julgados da forma mais justa, cedo ou tarde, quando verem algum ser não pensante como eles, agindo desta forma com os seus familiares.

C O V A R D E S !

 ..

Veja o vídeo abaixo e o despreparo e truculência de alguns policiais mineiros na detenção de um torcedor palmeirense, que vestia uma camisa da MV, e se encontrava no setor destinado à torcida visitante, cuja maioria era composta de torcedores comuns – não era um espaço exclusivo para TOs.

É revoltante a covardia e o abuso de poder dos policiais, mais especialmente, de um deles.

Com que direito a polícia pode ser violenta, usar bombas, gás de pimenta, balas de borracha em torcedores que não estavam fazendo nada de errado? E num espaço onde haviam crianças, mulheres, uma delas grávida (atendida com hematomas na barriga!?!), torcedores comuns e também organizados, e em local com uma única saída? Como pode a polícia ser violenta com um torcedor que ela já tinha conseguido deter e imobilizar?
 ..
A função da polícia não é a de dar segurança para os torcedores? E por que ela anda fazendo o contrário e, para deter uma única pessoa, coloca em risco a integridade das demais?
.. 

Não encontrei a informação sobre o que o torcedor fez pra ser detido, mas imagino (e só imagino) que ele não foi escolhido lá no meio da torcida, ao acaso, à toa (não li nada sobre ele ter sido detido  injustamente), no entanto, ainda assim, ele não precisava ser detido da maneira que foi, não precisava ter sido jogado de bruços no chão e, já imobilizado, ter o policial pisando/se ajoelhando em suas costas o tempo todo. Se foi detido, se promoveu alguma desordem, deveria ter sido retirado dali e pronto. Havia policiais em número  suficiente para deter e retirar o torcedor sem causar confusão e sem usar de violência com os demais.
..
As imagens mostram que ninguém acuou os policiais… Portanto, não havia necessidade alguma da polícia  se utilizar de bombas de efeito moral – jogadas na direção das pessoas que ali se encontravam -; não era preciso/NÃO DEVERIA a polícia bater com cassetetes em algumas delas e, muito menos, chamar todo mundo de vagabundo – só isso já é o absurdo dos absurdos.
..
Essas são imagens dos fragmentos de bomba, utilizados pela polícia, e de uma das cadeiras onde uma bomba foi atirada,

Lamentável! Costumamos pensar que isso seja fruto do despreparo da PM e da covardia e ignorância de algumas pessoas que vestem a farda da polícia militar, mas está difícil de continuarmos acreditando só nisso, algumas coisas parecem até propositais…

E, se não bastasse a covardia dos homens da PM-MG, ainda vem aquela parte irresponsável da imprensa veicular notícias inverídicas de uma briga interna no setor onde estavam os palmeirenses. Todo mundo que estava lá desmente isso, as imagens não mostram briga também…
 ..
Acho que está faltando uma boa dose de respeito, bom senso e responsabilidade por aí, não é mesmo?  Não se promove segurança atacando pessoas que nada fizeram de errado, dando cacetadas e atirando bombas nelas, muito pelo contrário, porque, se essas pessoas se revoltarem contra a arbitrariedade sofrida, aí é que a violência se generalizará.
.. 
Eu sei que nem todos os policiais são maus profissionais e covardes, mas sei também que nem todos os torcedores são baderneiros e arruaceiros – a grande maioria não é.
.. 
Acho que o que menos interessa ao futebol, às federações e aos clubes – a maioria deles, cheios de dívidas –  é que os torcedores, por medo – agora da polícia – deixem de ir aos estádios, não é mesmo? Não deve interessar a ninguém que esses cidadãos/torcedores sejam punidos por algo que não fizeram, sejam atacados, ou até mesmo feridos, apenas por terem ido se divertir num estádio onde a polícia é despreparada e age de maneira violenta e covarde.
 ..
No entanto, é de grande interesse de toda a população, que o dinheiro que ela paga em impostos, e que banca a existência das polícias militares do país, seja usado para que a polícia lhe dê segurança, e não para que a exponha ao perigo .
.. 
Que o Palmeiras e seus torcedores tomem todas as providências cabíveis, e que a Corregedoria da Polícia do Estado de Minas Gerais faça o mesmo.
 

Não tive tempo pra escrever depois da 8ª rodada, mas tenho que deixar registrado aqui o que aconteceu com o meu time na ocasião…

O Palmeiras foi à Curitiba, enfrentar o Coritiba e, de novo, teve que enfrentar as “forças ocultas”. Isso não acaba nunca? O “garfo” de árbitros e bandeiras não tiram férias, não vão operar outros clubes?

Difícil assim, e ainda mais difícil quando dá um ataque de burrice galopante em alguns de nossos torcedores e eles ajudam as “forças ocultas” e o… adversário!

Antes do jogo começar, já podíamos ver que jogar ali não seria muito fácil. O gramado era um horror. Em muitos lugares do campo, ao invés de grama se podia ver apenas areia. O dono da casa alegava que tinha plantado grama de inverno há apenas duas semanas e que ela ainda não tinha crescido  – não deveriam permitir que fossem mandados jogos em gramados assim. E pensar que  reclamamos do gramado do Allianz.

Quando a bola rolou, o melhor ataque do campeonato logo abriu o placar, pra variar. Com seis minutos de jogo, Thiago Santos roubou a bola do “Radiador” e com um lançamento longo encontrou Roger Guedes, que descia em velocidade pela direita; Roger entrou na área, girou sobre o seu marcador e meteu a bola na rede, colocando o Palmeiras na frente. Um golaço, que viria a ser o gol mais bonito da rodada. A comemoração de Roger e dos seus companheiros foi em homenagem à Alecsandro, suspenso.

O Palmeiras me parecia melhor na partida, mas, aos 19′, numa cobrança de falta, os parmeras vacilaram na marcação – ficou todo mundo olhando a bola – e o jogador João Paulo, do Coritiba, de cabeça, mandou na rede do Prass.

O Palmeiras tinha mais posse de bola, acertava muito mais passes do que o seu adversário e, muito embora o Coritiba tentasse tirar os espaços do Palmeiras, era o Verdão quem tinha domínio das ações, era o Verdão quem desarmava tudo (estou gostando muito das partidas do Thiago Santos).

Mas, depois dos gols, o jogo ficou meio truncado; ainda assim, o Palmeiras manteve a superioridade na posse de bola. Já no final do primeiro tempo, o Palmeiras estava errando passes e a nossa zaga parecia assistir à algumas jogadas do Coxa, por conta disso Prass precisou aparecer no jogo e fez duas boas defesas, uma delas já nos descontos.

O árbitro tinha dado 5 minutos de acréscimo por conta do atendimento a Prass aos 13′ de jogo, depois do goleiro ter sido atingido pelo “Radiador” ao tentar fazer uma defesa – o curioso foi o Palmeiras, que teve seu goleiro atingido e ferido na testa,  ter que devolver a bola ao Coritiba em… fair play (totalmente equivocado o nosso entendimento de fair-play, não é mesmo?).

Na segunda etapa, Thiago Santos não voltou e Cleiton Xavier entrou em seu lugar. No primeiro lance, quase que Gabriel Jesus ficou com a bola de cara para o goleiro, mas o goleiro foi mais rápido e ficou com ela.

O jogo corria, as investidas eram quase todas do Palmeiras, que era melhor em campo e buscava o segundo gol. E Jesus teve outra chance, e quase marcou depois de um lindo lançamento de Moisés.

Cuca sacou Rafa Marques e colocou Cristaldo em campo… e quem não sabia o que Cristaldo faria?

Não fazia nem dez minutos que Cristaldo estava em campo quando Moisés cobrou lateral e mandou lá na área, Vitor Hugo desviou de cabeça e Cristaldo, iluminado, e com uma vontade imensa, ao ver a bola pingar à sua frente, meteu a cabeça nela (precisou até se abaixar), balançou a rede, desempatou a partida e colocou o Palmeiras na liderança do campeonato.

Que alegria eu senti! Tinha que ser ele… Cristaldo!! E que festa da torcida, que lotava o espaço destinado a ela. Quatro mil ingressos haviam sido vendidos para os parmeras, num estádio com público de 12.794 pagantes.

Tudo certinho pra gente, e o Coritiba, vendo jogo se aproximava do final, tentava ir pro tudo ou nada, mas sem grande perigo, seus jogadores já pareciam ter aceitado a derrota. O Palmeiras se fechava na defesa e segurava a vantagem, segurava a vitória, que, na era dos pontos corridos, ainda não tinha acontecido lá em Curitiba.

E então,  graças à uma burrice galopante de parte da nossa torcida – “até tu, Brutus?” – o jogo foi paralisado pela arbitragem.

Quem pode acreditar que uma torcida, cujo time vence o jogo em cima de um adversário já batido, já conformado com a  derrota, vai fazer a burrice de acender sinalizadores – que são proibidos – e aos 42′ do segundo tempo, para que o árbitro paralise a partida, para que o adversário tenha tempo de conversar e acertar algumas coisas, e para esfriar e  tirar a concentração do seu próprio time?

A nossa torcida – que sabe muito bem que as partidas são paralisadas quando torcedores fazem uso de sinalizadores, e esse é o detalhe mais decepcionante -, descartando completamente o uso do cérebro, fez isso, e atrapalhou o Palmeiras . E o pior, os demais torcedores não reclamaram disso e nem tentaram impedir que eles fossem acesos.

sinalizadoressinalizadores1

O jogo ficou parado alguns minutos, o juiz deu 6 de acréscimo, nossa zaga, desconcentrada com a parada, vacilou numa bola levantada, e o Coritiba empatou a partida aos 49, com um chute de longe de Leandro (aquele, a calopsita). E pensar que a partida, normalmente, mal passaria dos 48…

Já vi torcedor fazer muita burrada, dar muito tiro no próprio pé, mas, ajudar o time a perder dois pontos, e quando ele briga pela liderança do campeonato – um campeonato que ele não conquista há 22 anos -, eu nunca tinha visto. Essa, foi uma “punhalada mas costas”, digna de quem tem orelhas de burro na cabeça.

E pra não perdermos  o costume, para o serviço que andam fazendo contra o Palmeiras ficar completo (quem é o mandante disso?),  o gol foi impedido, mas a arbitragem não assinalou o impedimento, mesmo com o bandeira tendo visão total.

Coritiba-gol-impedido1

Não dá pra acreditar que isso é erro, que o bandeira, que faz curso pra ser bandeira, que é preparado pra ser bandeira e enxergar as infrações , não teve como ver o impedimento – um está à frente, e de camisa branca;  o outro está mais atrás, e de camisa verde verde. Sem contar que são dois jogadores impedidos e com a possibilidade de receber a bola. E sem contar também que o Palmeiras, na mesma partida, teve impedimentos milimétricos marcados em seus ataques. E como esse, escancarado, não foi?

Está dando na cara demais… em todas as rodadas as arbitragens “erram” contra o Palmeiras. E ficamos nos perguntando: Quem está por trás disso? Se a coisa parece orquestrada, essa coisa tem chefe, tem mandante… você não acha?

Um pontinho aqui, dois ali… no final, é um prejuízo imenso.

ABRE BEM O OLHO, PALMEIRAS! E COMPRA ESSA BRIGA!

diabinho-anjinho-a-dúvida-do-palmeirense

Tá difícil o início do nosso 2016… estamos todos confusos…

Pra mim, futebol é emoção… mas, ontem, no Allianz, na partida diante da Ferroviária, pelo Paulistão, o futebol do Palmeiras, à exceção do gol de Cristaldo, não me fez sentir emoção alguma. Tem jogos em que você mal pode piscar, porque corre o risco de perder algum lance importante, alguma jogada linda, um gol… Mas, ultimamente, tanto faz se a gente pisca, se olha pro campo, pro lado, pro celular… Não acontece nada mesmo.

Não sabemos o que passa com o nosso time, com o futebol do Palmeiras, que anda sumidão… só podemos achar… achar que seja “isso”, “aquilo”, ou “aquela outra coisa lá”…

O fato é que o nosso treinador parece  estar perdido; o fato é que o P-a-l-m-e-i-r-a-s  p-e-r-d-e-u  d-a  F-e-r-r-o-v-i-á-r-i-a (!?!); o fato é que a Ferroviária jogou muito bem; o fato é que o Palmeiras não jogou nada.

Pior do que o Palmeiras perder, foi a derrota ser merecida. Isso chateou demais o torcedor, e o deixou na bronca. E, com a Libertadores apenas em seu início, e sabendo que nosso time pode jogar bem mais do que temos visto, todos nos perguntamos: “O que está acontecendo?”.

A torcida se divide entre os que acham que MO deve sair, e os que acham que ele deve ficar. E o surreal é que existem argumentos significativos para as duas possibilidades, que justificam as duas coisas. Todo mundo tem um pouco de razão.

Porém,  além dos argumentos significativos, tem sempre as teorias, que negam o óbvio – o futebol está ruim porque técnico e jogadores encontram dificuldades para fazê-lo fluir em campo – que preferem acreditar que o futebol mixuruca que vemos em campo está ligado ao caráter “desse” ou “daquele”, de “todos”, à raivinha, birra de um, de todos…

“Os jogadores são uns vagabundos e estão entregando, querendo fritar o técnico” – E eu me pergunto: Esses “vagabundos” (eu não acho nada disso) são os mesmos, que, há três meses,  se superaram, superaram adversários difíceis, e se doaram em campo para sermos campeões?

Os que “estão entregando, fritando” esqueceram de entregar na goleada diante do XV? Esqueceram de fritar o técnico?

E, seguindo essa “lógica”, temos 11 picaretas em campo então – fora os suplentes? Se um time inteiro não vai bem e a há os que acham que os jogadores fazem de propósito, então, podemos concluir que estão todos os jogadores nessa vibe? Caso contrário, quem não compactuao com isso já teria aberto a boca e já teria tentado dar um basta na “fritura de técnico” dos demais, não é?

Sem contar que os jogadores teriam que ser muito burros para jogarem no lixo o status conquistado aqui, o carinho, os aplausos, a visibilidade, a possibilidade de ganharem outros títulos… Que no futebol exista um ou outro tapado para agir assim, tudo bem; que talvez tivesse algum assim no nosso time, eu até poderia acreditar,  mas, um time inteiro, e que acabou de ganhar um título de maneira épica?

Você agiria assim, amigo palestrino? Eu não. E, sinceramente, não acredito em nada disso. Não dá pra ser guerreiro, herói, e, dois meses depois, ser um tremendo de um fdp que “faz corpo-mole”.

“Mas o MO ganhou dois brasileiros e uma Copa do Brasil seguidos, não pode ser que ele seja o problema” – Pode ser que não seja ele mesmo… mas também pode ser que seja sim… 

Eu me pergunto (encontro muitas respostas fazendo perguntas pra eu mesma responder): Um técnico, que ganhou 3 títulos nacionais seguidos, não saberia identificar o “corpo-mole” – caso existisse/exista corpo-mole -, e não teria ele, comandante que é, fritado meio mundo lá ao invés dele próprio ser jogado na frigideira? A diretoria também não teria identificado isso?

Além do mais, um técnico que ganhou 3 títulos seguidos não saberia identificar os erros básicos que o time comete em campo?

Nada bate… nada faz sentido… então, ficamos com as nossas teorias sobre aquilo que vemos no campo, o que é real, o que sentimos do que vimos, e não o que imaginamos sobre o que o “Fulano”, “Sicrano” e “Beltrano” pensam… nunca poderemos ter certeza sobre o que uma outra pessoa pensa.

Existem outras teorias e todas elas fogem do óbvio: o futebol está ruim porque, do jeito que ele está sendo pensado/planejado, não está dando certo.

Ontem, a coisa  ficou estranha… mas também expôs muito claramente o nosso problema. A Ferroviária, time pequeno, jogando certinho, com a bola no chão… sem chutões, com toques mais curtos, bem mais precisos, aproveitando os espaços que encontrava, jogadores parecendo muito próximos uns dos outros. Mágica? Claro que não! É treino!

E tá na cara que os seus jogadores não resolveram jogar daquele jeito lá na hora. Estão acostumados a jogar dessa maneira, certamente treinam assim todos os dias, dava pra gente perceber, o time era todo organizadinho. Por isso, a Ferroviária teve mais posse de bola – 59% -, dentro da nossa casa; por isso, jogou melhor e sabia o que estava fazendo em campo;  por isso, seu goleiro mal sujou o uniforme… por isso, tirou os nossos espaços para jogar, e, por isso também, não fossem as apitadas pró “Sport Club Caiu é Pênalti”, ela seria líder na classificação geral. O técnico da Ferroviária faz um belo trabalho.

E do nosso lado, onde estão os jogadores de melhores condições técnicas… quanta coisa errada. O time parece/é mal posicionado, e isso deixa vários buracos para o adversário jogar. Nossos jogadores parecem muito distantes uns dos outros e, sem criatividade (que saudade do Mago), quando o adversário, bem posicionado em campo, fecha as “passagens”, a única iniciativa que eles têm são os famigerados, os detestados chutões…  que não dão em nada. Uma vez ou outra, quando um companheiro aparece lá na frente, sozinho, em condições de surpreender, vá lá arriscar um “chutão”, um lançamento longo. Mas sempre? Até na saída de bola? E para qualquer jogador, até mesmo os adversários? Não dá.

Não sou grande entendida no assunto, mas uma outra coisa que eu também acho, é que tem jogador fora de posição. Dudu, por exemplo, que é veloz, driblador, está no meio – um desperdício. Alguém lá no meio é que deveria lançar o Dudu, aproveitar a sua velocidade, os seus dribles (onde está o meia, que faz muita falta em nosso time?). Jogador em posição errada dificilmente vai render o que pode.

Custo a crer que o MO não esteja vendo isso tudo,  que não veja que perdemos a posse de bola o tempo todo, custo a crer que no Depto de Futebol ninguém veja isso também.

Pra mim,  o problema está com o MO, mas não quero a sua saída (ainda não),  e acho que ele pode resolvê-lo, tem como fazer isso. Não me parece tão difícil a tarefa. Não sei se ele se sente mais pressionado no Palmeiras, pelo tamanho do clube e da torcida, pelo tamanho da exigência diária e ininterrupta, e, por causa disso e por medo de errar, de fazer algo diferente, acabe insistindo sempre na mesma coisa.

Mas o fato é que se você faz uma coisa e ela não dá certo; faz de novo, do mesmo jeito, e não dá certo de novo; tenta mais uma vez, fazendo igual às vezes anteriores, e não dá certo outra vez, você precisa se tocar que tem que mudar o jeito que faz, não é? Senão, vai continuar a obter sempre o mesmo resultado. Até criança aprende dessa maneira.

Coragem, MO! Estamos do seu lado, mas as coisas precisam mudar. Basta querer, basta não ter medo de sair do lugar comum, basta ousar. Presta atenção no que outras pessoas estão fazendo, repara onde elas acertam, amplia as suas possibilidades, a sua “visão periférica”.

Se continuarmos jogando dessa maneira, se o time continuar a não apresentar evolução alguma, as coisas acabarão se complicando. E isso seria um pecado. Nosso time é bom sim, pode jogar bem mais do que isso sim, e tem tudo para ter um ano maravilhoso, tem tudo pra ser campeão sim.

Booooora, MO! Acertar esse time aí, e vamos buscar mais um título. Quinta-feira será um dia ótimo para começarmos a acertar tudo dentro de campo.

E nós estaremos lá com você, com o nosso time, com o nosso Verdão.

O ALLIANZ VAI TREMER! E VAMOS GANHAR, PORCOOOO!!

Quando começou o ano de 2015,  tudo o que nós queríamos era conquistar uma vaga na Libertadores 2016.

Conquistamos muito mais coisas ao longo de 2015… Um vice-campeonato paulista, um título maravilhoso da Copa do Brasil… conquistamos, ou melhor, ratificamos a soberania do Palmeiras em disputas nacionais. Sim, o nosso Palmeiras, com 12 conquistas nacionais,  é o maior campeão do Brasil.

E de quebra vieram os aperitivos… desclassificamos os gambás lá na impressora, ganhamos de novo deles, e de novo no Esmolão…

Demos uns sacodes nos bambis, com gosto de chocolate e coberturas de requintes de crueldade (né, Robinho?)… ganhamos um “Rio-São Paulo” quando batemos todos os grandes times dos dois estados… vibramos com gols maravilhosos… vimos nosso time com garra… voltamos a ter o nosso caldeirão, o Allianz Parque, onde o Santos, e a empáfia de alguns de seus jogadores, amarelaram na final…

E bebemos a alegria de ver jogadores guerreiros em nosso time, e vimos que as suas lágrimas de alegria eram iguais às nossas… Conquistamos um título com um gol de Prass e canonizamos mais um goleiro… e celebramos o primeiro título do Allianz Parque.

E, o melhor de tudo, recuperamos o respeito de todos.

Aqui estamos nós, começando 2016… e hoje é o primeiro jogo da Libertadores, com a qual tanto sonhamos em 2015. O Verdão vai estrear diante do River-URU, lá no Uruguai. Goleamos eles na pré-temporada, lembra?

E sobre esse jogo,  baseada no futebol que tenho visto nessas três primeiras rodadas de Paulistão, eu diria que qualquer resultado é possível nessa partida. No entanto, meu coração já gritou aqui, e ele diz que tem vitória do Parmera hoje!

Se o Palmeiras jogar direitinho, não dá mesmo pros uruguaios. O maior adversário do nosso time, nesse comecinho de ano,  é (tem sido) ele mesmo.

Nós sabemos que qualquer campeonato que o Palmeiras dispute é importante, pode ser até de botão. No entanto,  teríamos que ser muito dissimulados pra fazer de conta que não damos “A” importância pra Copa Libertadores.

Não a disputamos todo ano; conquistá-la, dá vaga para o mundial de clubes (tem quem pule o “vestibular” pra “entrar na faculdade”)… conquistá-la, faz o clube ser o Campeão da América, e é claro que nossos olhos crescem, e muito, para essa competição. Ganhá-la depende de um monte de coisas e circunstâncias, mas, querê-la, depende só da nossa vontade, da vontade dos jogadores, técnico e diretoria. Não tem um torcedor que a descarte… não tem um jogador e técnico, da América do Sul, que a menospreze.

E é por isso mesmo, porque nós queremos essa Copa também, que o apoio ao Palmeiras deve ser total, sem  “terrorismo amigo” com o nosso time.  SÓ APOIO, E COM MUITO ALTO ASTRAL! Vai dar certo!

Nossa maravilhosa torcida fez magia na Copa do Brasil, e, aposto, vai fazer de novo.

Ah, e tem mais uma coisa… desejo toda a sorte do mundo pro MO! Não quero que ele se saia mal para que tenha força alguma crítica que tenho feito a ele, para que eu tenha razão. Nada disso, e muito pelo contrário!

QUERO QUE O MO MANDE MUITO BEM! E que Deus o abençoe e ilumine – abençoe e ilumine nossos jogadores também -, e que ele inicie hoje a conquista de mais um título no Verdão!!

Força na peruca, MO!! TAMOJUNTO! FORÇA, PALMEIRAS!!

América, aí vamos nós!!