“Defender a Seleção é uma honra, mas defender a Seleção com seu time do coração… é uma emoção que não se esquece jamais” – Valdir de Moraes
…..
O valor de uma conquista não está no “preço da etiqueta”, não está apenas no “troféu levantado”…
O valor está na quantidade de esforço que você fez para consegui-la, para fazer ainda melhor do que o esperado… está no amor e na dedicação empregados… está em tudo o que ela representou, está no tamanho da alegria que ela te fez sentir, que ela fez um número imenso de pessoas sentirem… está também no orgulho de ter sido o primeiro e o único a fazê-lo…
 
07/09/1965… A maravilhosa Academia “amarelou”, se tornou canarinho… O Palmeiras, se transformou em seleção brasileira… e venceu a seleção uruguaia por 3 x 0.
 
E essa conquista é só nossa! Auguri, Palmeiras! #OrgulhoImensoDaSuaHistória
………………..Imagem relacionada
………………..
………………..
………………..
………………………..“O Palmeiras um dia foi Brasil, e isso ninguém mais vai apagar” – Ademir da Guia, o Divino.

TextoFinal-Prass-elenco

Foi uma paulada… jamais imaginaríamos que aconteceria algo com Fernando Prass, o nosso goleiro amado, herói das metas palestrinas e melhor goleiro do Brasil, enquanto ele estivesse a serviço da seleção brasileira, ainda mais antes de estrear.

Eu não pude acreditar quando me avisaram no whatsapp que Prass teria uma fratura no cotovelo… como assim, meu Deus? Fratura? Ele havia sentido dores no cotovelo, ok, mas, na sexta-feira à noite, uma publicação da CBF dizia que estava tudo bem com ele, que provavelmente poderia até jogar o amistoso, e no final da tarde de sábado… uma fratura? A ser confirmada ainda? Uma fratura que acontecera no aquecimento (era o que diziam)?

A notícia esmagou o meu coração…

Às vezes, a vida tem um jeito horrível de escrever as coisas… Era impossível não chorar… era impossível não sentir a dor que Prass deveria estar sentindo… a empatia me fazia sentir aquele gosto horrível de sonho que não se realizou por inteiro, aquele gosto amargo de “quase”… me fazia sentir a dor dele, que perdia também o restante do campeonato brasileiro. Sim, para aumentar a nossa tristeza,  Prass não joga mais neste ano.

Não era nosso sonho que Prass fosse convocado, que viesse a ser capitão da seleção brasileira, não, nós o queríamos no Palmeiras; a maioria das pessoas (sou uma  delas) nem gosta mais da seleção. Mas a seleção era o sonho de Prass (é o sonho de todos os jogadores de futebol) e, por isso, sonhamos com ele, nos alegramos com ele, por isso, quase morremos de felicidade quando o vimos com a camisa da seleção canarinho… por ele – por Gabriel Jesus também -, iríamos torcer muito pela seleção.

Mas nosso herói sofreu um revés da vida… e se tinha uma pessoa que não merecia passar por isso, essa pessoa é Fernando Prass, profissional, sério, ético, muito dedicado… um atleta que honra mesmo a camisa que veste. E é por isso, por ele, que doeu tanto na gente.

“O Prass não!”, dizíamos todos… mas a confirmação do corte veio… e também a imagem dele, mochila nas costas, abatido, falando ao celular… como administrar algo assim? E, chorando, eu só conseguia me lembrar daqueles olhos brilhando, sorridentes, que fizeram Prass parecer mais menino que Gabriel Jesus na coletiva pós convocação…

Numa hora dessa a gente vê que gosta do Prass ainda mais do que imagina… e chorávamos todos. Estou chorando até agora.

Mas a vida é assim, Prass… ninguém poderia ser chamado de guerreiro se não tivesse batalhas para vencer… ninguém poderia ser chamado “forte” se não tivesse que enfrentar obstáculos e momentos de superação…

Não se abale,  não esmoreça, capitão! Você representa muito pra todos nós, é o nosso herói, o cara que ajudou (e como ajudou) a escrever o início de novos e felizes tempos no Palmeiras, e que escreverá muitos mais. Estamos com você nessa! E estaremos juntos em cada momento dessa batalha, que será mais breve do que imaginamos, se Deus quiser. “Iremos” até às sessões de fisioterapia com você, esteja certo disso. E nossa admiração, nosso carinho e nosso amor vão te recuperar (os médicos do Palmeiras também, claro), e logo você estará de volta ao gol do Verdão. Outras oportunidades na seleção vão te encontrar pelo caminho, acredite. Você merece que isso aconteça.

Hoje, choramos todos de tristeza (imagino que até a camisa da seleção esteja chorando porque não será mais vestida pelo melhor do país)… mas, em breve, choraremos de alegria, juntos!

O Palmeiras jogará pra você, tenho certeza. Esse infortúnio de agora será o combustível extra pra conquistarmos a outra metade do campeonato e oferecê-la a você, já que você foi indispensável na conquista de quase um turno inteiro. Vagner e Jaílson, que são ótimos goleiros, serão um espelho seu em campo. Se tudo der certo – e vai dar -, no final do ano, ao lado de seus companheiros e da sua família verde-esmeralda você levantará a taça de campeão pra nós.

#ForzaPrass!! Um cara que joga brilhantemente no gol, que superou tantos momentos difíceis transformando-os em alegrias imensas, e tirou de letra a pressão de cobrar um pênalti pra decidir uma competição e dar um título ao seu time,  pode superar qualquer coisa!  Que o imenso amor da Família Palmeiras conforte o seu coração… e esteja com você todos os dias.

ATÉ BREVE, CAMPEÃO!!
PalmeirasTricampeão-PrassMonstro

 

Há 49 anos, o Palmeiras foi o Brasil em campo… foi a seleção brasileira.

Depois daquela derrota doída para o Uruguai na final Copa de 50, a celeste permanecia entalada na garganta dos brasileiros. E a rivalidade entre as duas seleções, fazia com que qualquer confronto entre elas passasse a ter muita importância.

E naquele 7 de Setembro de 1965, num amistoso, com público de 80 mil pagantes, Brasil e Uruguai se enfrentariam novamente na inauguração do Mineirão.

E quem foi que a CBD chamou para representar o Brasil naquela missão? O Palmeiras, claro! A  famosa Academia!

E não foi à toa, afinal, o Palmeiras possuía um dos principais times do país na época, que era chamado de “verdadeira Academia”. E contava com vários jogadores “selecionáveis”, ou seja, jogadores com passagem anterior pelo selecionado nacional ou que seriam convocados no futuro. O bicampeão mundial Djalma Santos, Julinho Botelho (um dos destaques da seleção na Copa de 54), Djalma Dias, Servílio, Rinaldo e Valdir de Moraes já tinham passagem pela seleção. Jovens talentosos como Ademir da Guia e Dudu, certamente acabariam sendo convocados.

O médico e os massagistas também eram esmeraldinos. O treinador, o argentino Filpo Nuñes, também era do Palmeiras. Até hoje, ele foi o único estrangeiro a dirigir a seleção brasileira. 

Que moral tinha la nostra Academia, non è vero?

Time bom, entrosado, bem treinado, cheio de jogadores talentosos… não deu outra! O Brasil/Palmeiras criou um monte de chances de gol, e abriu o placar aos 27′ do primeiro tempo, com Rinaldo cobrando pênalti. Sete minutos depois, Tupãzinho fez 2 a 0. No segundo tempo, mesmo tendo feito cinco substituições, a seleção verde(esmeralda)-amarela, esbanjou categoria e futebol e, literalmente superior em campo, ampliou aos 29, com gol de Germano.

E porque era o Palmeiras, não bastava apenas representar a seleção, tinha que honrá-la com uma vitória, com um 3 x 0 nos rivais uruguaios.

E assim, o Palmeiras, com a sua inesquecível Academia, escreveu mais uma página da sua linda história, e da história do futebol brasileiro também.

Bravíssimo, Palmeiras!

“São cem anos de história, de lutas e de glórias, te amo meu Verdão…”♫♪

100Anos-Brasão

 

 

 

 

Tem torcedor que não tinha nascido, outros eram muito pequenos e nem se lembram, alguns assistiram à partida,  outros acompanharam no radinho… 

Mas a verdade é que 7 de Setembro é uma data que palmeirense nenhum vai se esquecer. Em 7 de Setembro de 1965, há exatos 44 anos, o Palmeiras foi convidado para representar a Seleção Brasileira, numa partida amistosa, diante da temida e poderosa Seleção do Uruguai, a Celeste Olímpica, como também é conhecida. O amistoso festejaria a inauguração do estádio Magalhães Pinto, o Mineirão.

Nunca na história do futebol brasileiro, uma equipe tinha tido a honra de vestir a camisa amarela.  Do goleiro ao ponta-esquerda,  incluindo os reservas, o técnico e o massagista, a Seleção Brasileira foi composta pela Academia do Palmeiras.  E olhem que naquele tempo, tínhamos o Santos de Pelé, e o Botafogo de Garrincha, mas o Palmeiras por ser considerado a melhor equipe do país é quem foi convidado pela CBD (atual CBF) para representar a seleção. Já pensaram o que sentiu o torcedor naquela ocasião?

Nosso técnico era o argentino Filpo Nuñes, que foi o único estrangeiro a dirigir a Seleção Brasileira. Nem um outro jamais teve essa oportunidade.

Palmeirasseleção

A Seleção do Uruguai, forte e temida, chegava cheia de pose, porque tinha acabado de se classificar para a Copa de 66 e tinha muitos craques. Cincunegui, Manicera, Esparrago, Varela, Douskas… O Verdão, por sua vez,  era considerado a Academia e tinha um elenco de craques: Valdir de Moraes, Djalma Santos, Dudu, Julinho, Servílio, Ademir da Guia…

E o Alviverde Imponente, que já tinha encantado o mundo ao conquistar o Mundial de 51, escreveu mais uma página belíssima no livro de sua história. Diante de 80.000 pagantes, a Seleção Brasileira/Palmeiras goleou os uruguaios por 3 x 0, com gols de Rinaldo, Tupãzinho e Germano.

Palmeirasseleção2

“Foi algo mágico, imensurável na época e nos dias atuais. Foi o dia em que um clube de futebol representou toda uma nação. Não sei se vai existir uma homenagem desse tipo algum dia. É algo que até hoje sou lembrado. E que o Palmeiras vai carregar para o resto de sua vida”, afirmou Valdir Joaquim de Moraes, atual consultor técnico do Verdão e goleiro naquela ocasião.

“Até hoje fico pensando naquele jogo. Foi uma homenagem feita pela CBD ao nosso grande time, a Academia do Palmeiras. Os mais jovens precisam sempre saber disso e ter orgulho desse jogo. O Palmeiras um dia foi Brasil, e isso ninguém mais vai apagar”, destacou Ademir da Guia, camisa 10 na partida contra a Celeste.

palmeirasseleção3

A CBD ficou com o troféu por 23 anos. Mas em 1988, ficou decidido que o Palmeiras é quem deveria, justa e honrosamente,  ficar com a taça.

palmeiraseleção4

É palmeirense, o Palmeiras já foi Brasil, e a prova disso brilha lá na nossa Sala de Troféus. Orgulhe-se!

Parabéns Palmeiras!!! Parabéns torcedor palestrino!

Ficha Técnica BRASIL (PALMEIRAS) 3 x 0 URUGUAI

Brasil [Palmeiras] Valdir de Moraes (Picasso); Djalma Santos, Djalma Dias e Ferrari; Dudu Zequinha) e Valdemar (Procópio); Julinho (Germano), Servílio, Tupãzinho (Ademar Pantera), Ademir da Guia e Rinaldo (Dario).

Uruguai
Taibo (Fogni); Cincunegui (Brito), Manciera e Caetano; Nuñes (Lorda) e Varela; Franco, Silva (Vingile), Salva, Dorksas e Espárrago (Morales).

Árbitro: Eunápio de Queiroz

Data: 07/09/65
Local: Estádio Magalhães Pinto, em Belo Horizonte (MG)
Público: aproximadamente 80.000 pagantes
Renda: Cr$ 49.163.125,00
Gols: Rinaldo, aos 27, e Tupãzinho, aos 35 minutos do primeiro tempo.
Germano, aos 29 da etapa final.

Colaboração: Academia de História do Palestra-Palmeiras