1961 – Final da Libertadores – Jogadores do Peñarol agridem jogadores do Palmeiras (não encontrei  imagens disponíveis)…

…..

1990 – Copa Competência – Peñarol e Nacional protagonizam uma luta campal…

…..

1993 – Supercopa – Peñarol (derrotado, claro) quebra o pau com o Grêmio, agride policiais e jogadores do time brasileiro…

…………………….

…………………….

…………………….

…..

1999 – Semifinal da Copa Mercosul – Eliminado pelo Flamengo, em Montevidéu, o Peñarol partiu pra cima dos brasileiros assim que a partida foi encerrada, e os jogadores do Flamengo foram agredidos até chegarem ao túnel de acesso para os vestiários.

…………………….

…………………….

………………….

…..
2000 – Torneio Clausura – Mais uma covarde, e corriqueira, batalha campal de uruguaios… e adivinha se o  Peñarol não estava nela?

…..
2009 – Amistoso com o Newell Old Boys,  e mais violência e covardia… ainda bem que era amistoso, não é mesmo?
……………………

…..
2011 – Final da Libertadores – Derrotado pelo Santos, o Peñarol, covarde e despeitado, querendo impedir a volta olímpica do time brasileiro, promoveu a maior pancadaria depois que o jogo acabou (teve agressão durante a partida também). E, pra variar, os covardões, cheios de querer bater em todo mundo, apanharam um bocado.

…………………….

…………………….

…………………….

…………………….

…………………….
…..
2016 – Campeonato Uruguaio – Peñarol x Nacional – Mais pancadaria…

…………………….

…………………….

…………………….
…..
2017 – Amistoso com o Atlético-PR … Muy ‘amistoso’ esse Peñarol, não?

…………………….

…………………….

…………………….

…………………….

…..

2017 – Copa Libertadores – Fase de Grupos – Derrotado  em Montevidéu pelo Palmeiras, e praticamente eliminado da competição, o Peñarol partiu para o que sabe fazer de melhor… e não é mais futebol o que ele sabe melhor. Mais uma vez, os covardes, racistas e despeitados uruguaios,  que não praticam um bom futebol há muito tempo, que não se garantem na bola, e que sempre mostram não ter hombridade e civilidade suficientes para aceitar uma derrota… partiram para a briga, chamaram nossos jogadores de “macacos”, agrediram Willian com um soco na cara, antes de o juiz apitar o final de jogo, e, após o apito, cercaram Felipe Melo, correram atrás dele querendo agredi-lo, cercaram Prass e o agrediram… Deram um vexame duplo. Tomaram uma virada espetacular quando venciam por 2 x 0 (com um gol irregular) e pipocaram na briga que arrumaram… e, como sempre, covardes e sujos e desleais que são, justificaram a sua incompetência e selvageria culpando o adversário, que não se cansaram de chamar de “macaco”…

…………………….

…………………….

…..
O vídeo abaixo tem todas as imagens e não deixa nenhuma dúvida sobre quem começou, sobre quem queria a violência… e por qual motivo Felipe Melo deu um direto na cara do uruguaio – o sujeito corria atrás dele para agredi-lo.

E a culpa dessa violência toda que vimos acima, a culpa da ignorância e covardia uruguaia,  que acontece desde que a Libertadores começou a ser disputada, que acontece sempre e em qualquer campeonato, há mais de 50 anos, é do… Felipe Melo.

Faz tempo que o Pitbull joga  futebol, hein?

“Pau que bate em Chico… bate em Francisco também.”

Tem uns torcedores (torcedores jornalistas também) que são uns bobocas mesmo , e devem ser assim, bobocas, em todos os setores da vida…

‘Retardado’ Oliveira, enquanto achava que ia ser campeão da CB (e não só nessa ocasião), provocava os torcedores do Palmeiras, provocava jogadores (pisou no Prass, foi gritar na orelha do Dudu), tirava sarro de todo mundo, era um deboche só, e a sardinhada achava lindo (a press idem)… O Palmeiras foi o campeão do torneio, e fez máscara do ‘Retardado’ – pra zoar mesmo, para dar o troco (isso é do futebol, tem a ver com rivalidade, e sempre existiu) – e, então, ficou todo mundo de mimimi, inclusive, ele…

………………..
………………..

………………..Imagem relacionada

…………………..
Romarinho, depois de um gol, no Pacaembu,  foi até a grade, em frente à torcida organizada do Palmeiras, para comemorar… com a mão nos testículos, no gesto característico de provocação (ali, naquele momento,  foi uma irresponsabilidade a provocação, pois ela poderia ter desencadeado até mesmo uma tragédia)… e ninguém condenou o moço por isso… Numa outra ocasião, jogando fora do país, fez um vídeo para provocar o Palmeiras e os palmeirenses, de novo, e o time Lava-jato até usou a provocação em seu site…
…………….

Edilson Capetinha, também num derby, ficou fazendo embaixadinhas com a bola no pescoço, provocando a torcida e desrespeitando os jogadores do Palmeiras… e, com exceção dos palmeirenses, todo mundo achou lindo, teve até quem tenha chamado aquilo de “futebol arte”…
………………..
………………..
Jogadores do Corinthians, no treino, após uma vitória sobre o Palmeiras (uma ocasião em que Valdivia saiu lesionado), se divertiram imitando o chute no vácuo (inventado pelo Mago) e o momento da sua lesão… Apesar de,  no meu entender, isso ser apenas um demonstrativo da pequenez, como profissionais e como seres humanos, dos jogadores “lava-jato”, ninguém achou nada errado nisso, nenhum jornaleiro de ‘programicho’ esportivo desceu a lenha neles… e ficou tudo na conta do “isso é do futebol”

………………..

As provocações são muitas, dos profissionais de imprensa também… Para fazer graça, ou até mesmo por rivalidade, falam e escrevem cada coisa, fazem gozação com clubes, técnicos e jogadores… e está tudo certo, “é do futebol”

………………..
“Agora sim” é ótimo, né?

………………..Será que só o Palmeiras usa o tal “GPS”, e só ele o utiliza sob esse mesmo suporte?

………………..

Quem não lembra, ou não ouviu falar, de Viola, imitando um porco em provocação aos palmeirenses, num derby de final de campeonato (no jogo seguinte, de paura, estava vomitando no vestiário antes mesmo do jogo começar, antes de levar 4 x 0 no lombo)… e ninguém achou condenável o que ele fez, pelo contrário, acharam tão divertida a provocação, “isso é do futebol”

Vampeta, Sheik, Romário,  Diego Souza, Leo, Lucas Lima, Felipe (que disse: “ganhar roubado é mais gostoso”, depois de o Flamengo ser campeão graças a um gol escandalosamente impedido) … a lista é enorme, e as provocações são sempre “coisa do futebol” (e são mesmo, a reação dos provocados também é ), menos quando quem provoca  joga no Palmeiras (Valdivia, Dudu, Felipe Melo…),  aí a implicância/perseguição da imprensinha transforma a  coisa em crime inafiançável, com direito à pública” execução, em cadeira elétrica”, do provocador…

………………… ……………….. ………………..

……………….. …………………

E não foi diferente depois do último domingo… Antes do jogo entre Palmeiras e Santos, no Aquário,  Lucas Lima – que é muito falastrão e adora provocar antes da hora (e depois tem que engolir  o sapo) disse que ia rir da cara do Felipe Melo…  As sardinhas torcedoras, por sua vez, provocaram o Pitbull o jogo todo, e desde antes do jogo – até mesmo durante a execução do hino, quando dirigiram um monte de impropérios para vários jogadores do Palmeiras, inclusive, Felipe Melo -, e estava tudo bacaninha, era tudo coisa do futebol… E então, o Palmeiras virou o jogo, saiu com a vitória, e o Pitbull, claaaaaaaaro, devolveu a provocação (e foi sábio em fazê-lo depois de o Palmeiras ter vencido, quando era ele quem “estava por cima da carne seca”, ou seria da sardinha seca?). E começou o mimimi…

Afinal, eles não gostam de provocar ninguém, não é mesmo?

…….

         ……….

    

………………..

ENTÃO, NÉ?  SE NÃO SABE BRINCAR, NÃO DESCE PRO PLAY!!

 

 

 

 

“Não desças os degraus do sonho
Para não despertar os monstros.
Não subas aos sótãos – onde
Os deuses, por trás das suas máscaras,
Ocultam o próprio enigma.
Não desças, não subas, fica…”  –

Mario Quintana

O Palmeiras dá uma tropeçada – quando podia tropeçar, quando tinha vantagem que lhe permitia perder -, e parte da torcida se ‘agarra à pedra’… abdica de raciocinar e, guiada  pelo medo e pelo não saber lidar com a frustração, caso ela aconteça, desce os degraus do sonho e vai despertar todos os monstros…

Que escarcéu! E quanta incoerência… Alguns torcedores – pra lá de pessimistas – vociferam contra alguns jogadores, se descabelam e fazem parecer que as posições na tabela foram invertidas, que é o Palmeiras quem está 5, 6 e 7 pontos atrás do líder, e não que o Palmeiras continua na liderança, com vantagem sobre os demais.

A 5 rodadas do final do campeonato, é melhor ter 5 pontos a mais do que o segundo colocado, ou ter 5 pontos a menos do que o primeiro? Será mesmo que preferiam que o Palmeiras ocupasse qualquer outra posição que não fosse a que ele ocupa agora?

E pensar que a derrota na Vila foi a única do time nos últimos 16 jogos. E ela aconteceu porque , visivelmente, entramos em campo para empatar. O resultado certamente teria sido outro se a nossa postura em campo fosse mais ofensiva, ambiciosa, e se errássemos menos passes também. Normalmente, jogar pra empatar não funciona, mas quase que deu certo essa falta de ambição do nosso time e do nosso técnico. O Santos não jogou nada, nós também não jogamos nada , não atacamos, só que resolvemos tomar um gol pra lá de besta e perdemos o jogo.

Parte da torcida do Palmeiras, ao mesmo tempo que gosta de bradar o “aqui é contra tudo e contra todos”, basta um insucesso, uma expectativa frustrada, já vem com a ladainha que “o Palmeiras gosta de se auto sabotar”, de que “ele adora perder pra ele mesmo”, que “ele sempre faz dessas” e que “é por isso que a torcida não confia”

Insucessos, títulos perdidos, fazem parte da história de qualquer time. Mas será que perdemos tantos ” títulos que estavam praticamente ganhos” assim? Será que o Palmeiras sempre faz dessas? Nos títulos que conquistamos, ‘passamos o carro’ em todo mundo mesmo, sem nenhuma escorregada?

Na maioria das vezes em que chegou, o Palmeiras se sagrou campeão e não o contrário como fazem parecer alguns. Não fosse assim, ele não seria o maior campeão do Brasil, o Campeão do Século.

Vejamos algumas das últimas conquistas mais ‘recentes’, aquelas das quais nos lembramos, as que acompanhamos, ou as que vimos nossos pais acompanharem e torcerem…

Campeonato Brasileiro de 1972  – PALMEIRAS CAMPEÃO

30 Jogos – 16V – 10E – 4D   ///  (52 gols marcados e 13 sofridos)
Média de gols marcados: 1,53/J – Média de gols sofridos: 0,63/J
Melhor série sem perder: 12 jogos  / Pior série sem vencer: 4 jogos

O time campeão do Palmeiras, da inesquecível e consagrada Academia, entre outros resultados, obteve uns placares que, hoje em dia, levariam o torcedor à loucura: 0 x 0 com o Nacional-AM,  2 x 2 com o ABC, 1 x 1 com o Sergipe; perdeu do Corinthians, do São Paulo, do Santos e do Coritiba. “Salto alto” seria a coisa mais amena que diriam após esses resultados.

Campeonato Brasileiro de 1973 – PALMEIRAS CAMPEÃO

40 Jogos – 25V – 12E – 3D  ///  (46 gols marcados e 19 sofridos)
Média de gols marcados: 1,3/J – Média de Gols sofridos 0,33/J
Melhor série sem perder: 22 jogos / Pior série sem vencer: 4 Jogos

O time campeão de 1973, a temida Academia, que parava até o Santos de Pelé, deu as suas escorregadas também. Perdeu do São Paulo, Guarani e Grêmio; empatou, sem gols, com o Sergipe; ganhou (só) por 1 x 0, em casa, do América-RN, da Ferroviária, em Araraquara, também. Circunstâncias de um campeonato, que nem de longe foram determinantes para o resultado final.

Campeonato Brasileiro de 1993 – PALMEIRAS CAMPEÃO

22 jogos – 16V – 4E – 2D  ///  (40 gols marcados e 17 sofridos)
Média de gols marcados: 1,82/J – Média de gols sofridos: 0,77/J
Melhor série sem perder: 9 jogos / Pior série sem vencer:  2 jogos
Marcou gols em 20 jogos e sofreu gols em 18.

O Palmeiras, que se classificou no Grupo B disputando 20 jogos  – os outros dois jogos foram as finais -, perdeu duas vezes para o Santos  (3 x 1, fora, e 0 x 1, em casa) e, das 14 vitórias obtidas no grupo, 7 delas tiveram placares com apenas um gol de diferença (4 jogos com placar de 2 x1,  2 jogos  com placar de 1 x 0 e 1 jogo com placar de 3 x 2).

O time do Palmeiras era sensacional, superior aos demais, de verdade – e isso não está em discussão aqui – , mas, ainda assim, teve várias vitórias com placares apertados. Hoje em dia, seria uma choradeira infinita pelos gols perdidos e muita crítica para quem, por acaso, tivesse desperdiçado algumas chances..

Campeonato Brasileiro de 1994 – PALMEIRAS CAMPEÃO

31 jogos – 20V – 6E – 5D  ///  (58 gols marcados e 30 sofridos)
Média de gols marcados: 1,87/J – Média de gols sofridos: 0,97/J
Melhor série sem perder: 14 jogos / Pior série sem vencer: 4 jogos
Marcou gols em 28 jogos e  sofreu gols em 22

E sim, o time maravilhoso do Palmeiras campeão de 1994, cheio de craques, também dava umas rateadas… perdia algumas partidas. Perdeu para o Paysandu, Portuguesa, Guarani, Flamengo, foi goleado pelo Fluminense… teve uma vitória bem magrinha (1 x 0) sobre o União São João…  Essas coisas fazem parte, mas… ah, se fosse agora…

Libertadores 1999 – PALMEIRAS CAMPEÃO

14 jogos – 7V – 2E – 5D  ///  24 gols marcados e 18 gols sofridos
Média de gols marcados: 1,71/J  –  Média de Gols Sofridos: 1,29/J
Melhor série sem perder: 4 Jogos  / Pior série sem vencer: 3 jogos

E todos sabemos que não foi fácil essa conquista. Todos sabemos que foi no talento dos jogadores, do técnico, mas foi também na raça, no peso da camisa;   foi com o coração e a alma, foi com o amor da torcida. Derrota fora, na semifinal, vitória em casa; derrota fora, na final,  vitória com a mesma vantagem em casa… e decidida nos pênaltis… sacramentada no erro de Zapata…  E os torcedores todos acreditando no time… torcendo, apoiando (rezando)… como deve fazer quem se diz torcedor.

Copa do Brasil de 1998 – PALMEIRAS CAMPEÃO

12 Jogos, 6V – 4E –  2D  ///  21 gols marcados e 9 gols sofridos
Média de gols marcados: 1,75/J – Média de Gols Sofridos: 0,67/J
Melhor série sem perder: 5 Jogos  / Pior  série sem vencer: 4 jogos

Só conseguimos uma única vitória fora de casa no campeonato – contra o Sport. Nas semifinais, e nas finais também, a coisa foi parelha, apertada. O que dizer daquele gol, tido como ‘espírita’ de Oséas, na segunda final (tínhamos perdido a primeira)? O que dizer daquela conquista sobre o forte time do Cruzeiro?

Copa do Brasil de 2012 – PALMEIRAS CAMPEÃO

11 Jogos – 8V – 3E – 0D  ///  23 gols marcados e 6 gols sofridos
Média de gols marcados: 2,09/J  – Média de Gols Sofridos: 0,55/J
11 jogos sem perder

E quem diria que o time, que uma parte tão grande da torcida achava fraco (alguns jogadores eram fracos mesmo), fosse se sagrar campeão, não é mesmo? Quem diria que o time que “está sempre se auto sabotando”, que “sempre faz isso”, o time “que é o culpado por não confiarmos nele”, fosse superar a falta de talento de alguns, fosse superar apendicite, sequestro, a falta de sua casa no campeonato, a bagunça administrativa dos seus dirigentes, o ambiente sempre conturbado, as fofocas, o fogo-amigo, fosse superar a desconfiança de tanta gente?

Quem diria que ele fosse ganhar do Grêmio lá no sul e, na partida da volta, fosse aguentar porrada, pisão, soco na cara, expulsão mandrake (Henrique levou um soco e foi expulso, lembra?) e, com um gol maravilhoso de Valdivia – tão perseguido por uma parte da torcida – saísse com a vaga para a final?

Quem diria que nas partidas finais o time seria prejudicado pela arbitragem de novo – pênalti não marcado sobre Valdivia, na primeira partida; pênalti não marcado sobre Henrique, no segundo jogo;  com a expulsão de Valdivia, em Barueri, por falta cometida no jogador que, segundos antes, o agredira com um chute e não recebera punição alguma – e, ainda assim fosse conquistar o título?

Quem diria que ele fosse sair de Curitiba campeão com um gol de Betinho? A estrela de campeão já estava até pintada na parede da sede da torcida adversária…

É esse mesmo o time que faz a gente desconfiar dele?

Copa do Brasil de 2015 – PALMEIRAS CAMPEÃO

13 Jogos, 8V – 3E – 2D  ///  25 gols marcados e 14 gols sofridos
Média de gols marcados: 1,92/J   Média de Gols Sofridos: 1,08/J
Melhor série sem perder: 9 Jogos

Essa foi ontem mesmo… todo mundo lembra… todo mundo sabia das dificuldades… todo mundo viu o Palmeiras empatar com o Sampaio Correa, empatar com o Asa – e ganhar dele fora só por 1 x 0…  Vimos o pênalti não marcado em Jesus, lá no sul,  os dois gols irregulares do Inter aqui… todo mundo viu o gol, legítimo, de Amaral, anulado no RJ, diante do Fluminense… todo mundo viu a imprensa fazendo o Santos campeão antes da hora, os deboches, o pênalti em Barrios, não marcado lá na Vila…

Todo mundo viu a força de se desejar algo ardentemente,  a capacidade de se superar, todo mundo viu o Prass fazer ainda mais do que o muito que ele já fazia no time… todo mundo viu a mágica de se acreditar… todo mundo viu o sonho se realizar na força de milhões, na garra e entrega de um time, no amor de uma torcida…

E é sério que tem gente fazendo o contrário agora? Que prefere atacar o Palmeiras, seus jogadores, justo quando faltam 5 partidas para acabar o campeonato e o Palmeiras fará três delas em casa? Justo quando o Palmeiras é líder, com vantagem de 5 pontos sobre o segundo colocado e 86% de chances matemáticas de conquistar o título? Quando mais duas vitórias praticamente lhe darão o título? É sério que tem palmeirense sem coragem de abrir o peito à possibilidade de ser feliz, só pelo medo de não dar certo? Que não vê que a nossa campanha atual em nada fica devendo às campanhas vitoriosas de outros tempos? É sério que existe torcedor que prefere se resguardar de um revés, que, matematicamente, tem 86% de chances de não acontecer? É sério que ainda não aprenderam a acreditar  no Palmeiras?

Que pena…

Ninguém pode saber como acabará o campeonato, ninguém pode bater o martelo sobre quem será o campeão. Todos podemos imaginar… E já dizia Shakespeare: “O horror visível tem menos poder sobre a alma do que o horror imaginado”.

Se é para imaginar, eu imagino o melhor, sempre… o corredor verde, luzes, fumaça, a Palestra Italia lotada de gente “verde”, o Allianz Parque explodindo de felicidade, os jogadores do Palmeiras se abraçando, comemorando… Cuca agradecendo à Nossa Senhora… os torcedores palmeirenses chorando de alegria… o enea conquistado…

A minha alma está com você, Palmeiras, e ela quase ouve os gritos de “é campeão” que estão guardados no meu coração… e a minha alma vai acreditar em você, Palmeiras, até o último minuto… até o juiz apitar o final da última partida… do último campeonato…

<3

14ª rodada… E lá fomos nós disputar o clássico contra as sardinhas…

Time desfalcado de peças importantes, uma delas, Gabriel Jesus, que virou desfalque graças à  “boa vontade” e “criatividade” do árbitro de Palmeiras x Sport,  que deu amarelo pra G.Jesus, depois que ele tentou dar uma caneta no adversário e levou uma cotovelada no queixo (parmeras levam cartão até quando são agredidos).

Allianz Parque lotado, público de 40.035, recorde de público na arena. A parmerada em festa, e era uma terça-feira à noite, de uma 14ª rodada de um campeonato longo, com 38 partidas para cada time.

O telão explodia em muitos tons de verde, em verde-e-branco, em azuis, amarelos… mostrava muitos sorrisos, olhos brilhantes, orgulho de estar ali, de fazer parte da melhor família do mundo… mostrava palestrininhos que, mesmo ainda tão pequeninos, já comungavam a paixão em verde e branco. E que linda, e sempre emocionante, a execução do hino à nossa moda.

Achei que a cara do árbitro não me era estranha e,  por algum motivo, que na hora eu não lembrava, eu não gostava nada dela. Comentei isso até com um amigo, e já fiquei cismada com o juiz (mais tarde, ao saber o nome da “peça”, eu me lembraria que ele, Wilton Pereira Sampaio, na época aspirante Fifa, fora o primeiro árbitro da final da Copa do Brasil 2012, “aquele”, que amarelou Valdivia sem motivo algum, e depois de permitir  que ele fosse agredido por Willian Farias, e de não ter expulsado o tal Edílson como manda a regra, deu um segundo cartão para o Mago na sequência do lance,  tirando-o do jogo por uma falta – bem mais inofensiva – no cara que tinha acabado de olhe dar um chute e ficara impune; e, se não bastasse isso, ele também não expulsou o jogador que cometeu o pênalti em Betinho, facilitando a vida do Coritiba que deveria ter tido dois jogadores expulsos e não teve nenhum…

Lembraria também que Wilton Pereira Sampaio tinha sido o árbitro de Palmeiras x Inter, pela Copa do Brasil 2015, e permitiu que o Inter fizesse dois gols irregulares; um deles, na sequência de uma falta em Lucas – um pé na cabeça do palmeirense – e um outro, em impedimento – dois “erros” que quase nos  custaram a classificação. E foi ele também quem marcou uma penalidade a favor do Grêmio, em 2015, num toque praticamente involuntário de Amaral, do Palmeiras. Olha o naipe do juiz.).

O Palmeiras começou como sempre, indo pra cima do adversário – jogadores do Santos  discutiam com os palmeirenses, parecendo até ser de propósito. Gustavo Henrique bateu boca com Barrios e o juiz os advertiu verbalmente.

Tínhamos só 6 minutos de jogo quando Dudu foi cobrar um escanteio. Eu, que estava na outra ponta do campo, só vi a bola ir certinha na direção de um parmera, vi esse parmera subir muito e cabecear, vi também a bola morrer no fundo da rede. GOOOOOOOOOOOOOOOOOOOL! Eu não sabia ao certo quem tinha feito o gol, mas ao vê-lo dançar, sabia que não poderia ser outro… Yerry Mina. Primeiro jogo dele em casa, e que apresentação – impossível não lembrar de Armero e seu “armeration”.

Gabriel provocava Moisés e os dois se encaravam, batiam boca, Wilton Pereira Sampaio, ao contrário do que fizera com Gustavo Henrique e Barrios, deu amarelo para os dois. Que coincidência o juiz resolver amarelar justo o parmera que estava pendurado…

Não tinha nem 10 minutos de jogo e Moisés, que estivera lesionado, e tinha sido escalado minutos antes do jogo, sentiu a lesão, e iria ter que ser substituído (um erro ele ter sido escalado).

Enquanto nos preocupávamos com mais uma importante baixa no time, o Santos cobrou uma falta, antes  que o árbitro autorizasse, e a bola passou pertinho do gol de Prass. Os palmeirenses ficaram bravos e reclamaram muito com o árbitro.

Aos 12′, Moisés foi substituído. Ao invés de Cleiton Xavier, ou Rafa Marques, que sempre se sai bem em clássicos (Allione não estava nem no banco), Cuca acabou optando por um volante: Arouca.

Na hora, até achei acertada a substituição, mas logo percebi que colocar Arouca em campo tinha sido um erro de Cuca. Não que o jogador não tivesse se saído bem na sua função, mas com ele, o Palmeiras recuou, e a bola não chegava nos pés dos atacantes, de Barrios, principalmente, que tinha que voltar toda hora para buscar jogo e perdia a sua melhor característica: a de ser finalizador. A opção deveria ter sido por um jogador que pudesse criar jogadas para  levar os atacantes pra dentro da área.

O clima era quente entre os jogadores… resquícios da última Copa do Brasil, que o Santos parecia querer desforrar nem que fosse na botinada… Em uma cobrança de escanteio santista, Gustavo Henrique deu uma pancada em Mina, que ficou caído, reclamando, mas a arbitragem “nem viu”.

As chances se revezavam entre um time e outro, e o Palmeiras, jogando no contra-ataque, não era tão perigoso como costuma ser, permitindo que a bola ficasse mais nos pés do adversário.

Estávamos nos acréscimos do primeiro tempo quando Mina, que tinha sentido alguma coisa e ficara caído no gramado, saiu de maca, chorando… mais um desfalque. Dracena entrou em seu lugar.

Na segunda etapa, o Palmeiras começou pressionando o Santos, e já no primeiro minuto o goleiro santista teve que trabalhar na jogada de Dudu com a  finalização de Erik. O Santos respondia, mas não conseguia furar a defesa do Verdão.

E  então, aos 5′, um “erro” capital da arbitragem… na cobrança de falta de Dudu, Zeca ajeitou a bola no braço, dentro da área, na frente do bandeira, na cara do juiz, e isso é pênalti, mas nenhum deles assinalou a infração.

E não tinha desculpas para a não marcação, não cabia o “foi lance interpretativo”, “foi discutível”, uma vez que o mesmo árbitro, na mesma partida, já tinha assinalado falta de Barrios num lance idêntico, no primeiro tempo. E por que usava outro critério na infração santista?  Se Wilton Pereira Sampaio achou que o toque de Barrios foi uma infração, não tinha como ele achar que o de Zeca não foi. Isso não é erro, tem outro nome. A “capivara” de “crimes” de Wilton Pereira Sampaio contra o Palmeiras vai aumentando.

No vídeo abaixo, tem o lance de Amaral, que ele assinalou como pênalti, em 2015. O critério de Wilton Pereira Sampaio muda consideravelmente  quando o infrator é o Palmeiras, não é mesmo?

Com o time desfalcado, vencendo o jogo, segurando o adversário e o árbitro decide não marcar um pênalti que poderia fazer o Palmeiras aumentar a vantagem e determinar o ritmo da partida… é pra se pensar, não?

Cinco minutos depois da garfada no pênalti para o Palmeiras, o Santos empatou. E foi um lance de sorte. Após a cobrança de uma falta, que bateu na barreira, Gabriel arriscou de fora da área, a bola desviou em Vitor Hugo, e tirou qualquer chance de defesa de Prass.

Cuca então, em tarde não muito feliz, sacou Barrios e colocou Leandro em campo – ele acabaria desperdiçando uma boa chance. O problema do time não era o centroavante… Se o Cuca quer se livrar do Barrios – é essa a impressão que tenho -, tinha que ter pedido “O” 9 para a diretoria. Leandro é bom jogador, gosto dele, mas ele não tem esse status de Evair que estão querendo lhe dar. Saiu daqui sem esse status e não fez nada lá fora pra voltar com ele. Eu, particularmente, fico desapontada com isso, não gosto nada dessa “fritura” de jogador, seja ele quem for.

Faltava uma peça no nosso time, e as substituições já tinham sido feitas, o Santos tinha mais posse de bola, mas o Palmeiras finalizava mais.

O juiz ia fazendo o que podia para não dar o segundo cartão amarelo para Gabriel, e isso era nítido. Além disso, marcava falta de ataque do Palmeiras, deixava de assinalar umas faltas santistas, mas marcava qualquer coisa a favor deles, e a torcida xingava…

Luiz Felipe(SAN), tocou a bola com o braço e o juiz marcou a falta (fora da área é tranquilo marcar, né juizão?). A bola estava parada para a cobrança e Gabriel, pra provocar, a tirou do lugar. Dudu, então, chutou a bola nele. Imagina se o juiz mostrou amarelo pra eles? Imagina se o juiz daria o segundo amarelo para Gabriel (e eu até me lembrei de uma final de Paulistão, em 99, quando Galeano foi expulso por tirar do lugar uma bola preparada para uma cobrança de falta)?

Nada de mais relevante aconteceu… e o Santos, vaiado pela torcida, e como se vencesse o jogo, ficou trocando passes, fazendo o tempo passar para garantir o empate. E assim terminou a partida.

Já foram 14 rodadas, e o Palmeiras foi prejudicado com “erros” capitais em pelo menos 10 delas. Isso não é por acaso… tampouco o silêncio e omissão da imprensa, que faz um escândalo quando os prejudicados são outros. A coisa está escancarada… É como se roubar o Palmeiras fosse legal, permitido…

Cada um que pense o que quiser, mas não tenho como não achar que isso seja proposital… não tenho como deixar de comparar o que fazem ao Palmeiras com o que não fazem para certos outros times.

A diretoria do Palmeiras que abra bem os olhos, enquanto é tempo… não há lugar para a diplomacia quando você “está faminto e tentam roubar a sua comida”…

Continuamos na liderança, apesar de todos os prejuízos (7 pontinhos já nos foram garfados), não é possível ser campeão dessa forma, time nenhum consegue vencer adversários + arbitragens num campeonato todo, num campeonato longo, e sabemos muito bem  disso.

Amanhã tem mais… vamos observar…

 

PalmeirasTricampeão-PrassMonstro

“O amor conquista todas as coisas” – Cícero

Só agora estou voltando ao normal, arrebatada que fui por tanto encantamento… Só agora consigo falar a respeito do sonho, no qual entrei Prass nunca mais sair…

Aqueles que não conhecem os caminhos retos para se conquistar objetivos – campeonatos, por exemplo -, os que não sabem o que é caminhar com as próprias pernas, os que não têm história, jamais entenderão a magnitude desse momento do Palmeiras…

Era mais que um título, era mais que a Copa do Brasil… era mais do que a primeira volta olímpica da história do Allianz Parque… era mais do que ter chegado à final tendo que vencer adversários e arbitragens durante todo o campeonato… era mais do que viver um momento de prosperidade, de salários em dia, de casa sempre cheia… mais do que começar a colher os frutos da reconstrução do Palmeiras… era mais do que calar a empáfia e a dissimulação do adversário final… era mais do que poder desdizer os jornaleiros e seus prognósticos ridículos, mais do que fazer a imprensa engolir as suas chacotas, piadinhas, seu desdém… era mais do que mostrar a força do time que a imprensa insistia em fazer desacreditado…  era mais  do que mudar o fato de que em 40 anos só outros dois técnicos ganharam títulos aqui…  era tudo isso junto, era justiça, era uma questão de ser Palmeiras,  era(é) o resgate de um Gigante, que estava prestes a escrever mais uma linda página da sua gloriosa história…

Como foi difícil atravessar a noite e o dia que antecederam a final da Copa do Brasil…

Um certo passado, ainda recente, nos fazia ficar apreensivos; a razão, no entanto, nos lembrava que o adversário, que só nos vencera na primeira partida com a ajuda do árbitro, não era tudo aquilo que diziam dele; e o coração, ah, o coração… ele, que nunca erra, fazia os palpites palestrinos serem os melhores possíveis…

Por mais que eu tivesse imaginado mil vezes o final da noite do dia 02/12, não pensei que ele seria tão espetacular, tão épico, tão Palmeiras…

Desde que saí da minha casa, os palmeirenses pelo caminho eram incontáveis. Nas proximidades do Allianz, eram milhares, e traziam no rosto aquela ansiedade e  brilho nos olhos de quem está indo para uma grande festa.

A Rua Palestra Itália estava uma loucura! Entupida de gente… Muitas luzes de sinalizadores,  fogos, que espocavam sem parar… risos, alegria, ansiedade… todo mundo sabendo que a realização do nosso sonho já tivera o seu início…

PalmeirasTricampeão-RuaPalestraItalia

No entorno do Allianz, o ambiente era mágico, surreal. Nunca tinha visto nada igual, não daquele jeito. Era como se estivéssemos dentro de um sonho, numa outra dimensão, de luzes e névoa…

PalmeirasTricampeão-Matarazzo PalmeirasTricampeão-EntradaAllianz

40 mil pessoas no Allianz… Do lado de fora, na Palestra Italia/Turiaçu e arredores, outras 40 mil, se não mais, acompanhariam nos televisores dos bares..

PalmeirasTricampeão-RuaPalestraItalia1

E tanto dentro do Allianz como fora dele havia uma energia única, arrebatadora, que deixava a gente tonto, como se tivéssemos ingerido alguma droga, cujo efeito colateral fosse a felicidade.

Eu olhava aquele gramado e me lembrava de outros momentos, sentia o Palestra Italia  vivo ali, sabia que um pedaço da antiga ferradura dormia embaixo das arquibancadas… passado e presente misturados…

Eram muitas risadas, conversas e corações a mil quando Prass entrou pra se aquecer, seguido pelos companheiros… A recepção a eles foi eletrizante. “O Palmeiras é o time da virada, o Palmeiras é o time do amor”. E quanto amor estava envolvido naquela final…

A nossa “droga da felicidade” ia fazendo efeito. A conexão entre o que se via e ouvia era feita diretamente na nossa pele, no sangue nas nossas veias… Os sons e imagens pareciam atravessar a nossa pele e tomar conta do nosso corpo. O cérebro, atordoado, tentava assimilar, classificar, entender aquele mundo mágico, de sonho, mas era impossível, só podíamos sentir…

A última batalha ia começar… Corações a postos, orações,  alguns olhos grudados no céu,  outros fechados, mãos que seguravam terços… nossa energia se tornando uma só. O lindo mosaico da torcida, que, com muita justiça, trazia Prass, apareceu no momento em que nosso “hino nacional” ganhou os ares… e ele nunca foi tão lindo, tão tocante…

“Palmeiras, meu Palmeiras, meu Palmeiras”… era emoção demais…  As lágrimas nublavam os meus olhos e, muitas vezes, eu só mexia a boca, porque a voz não saía…

O juiz mal acabara de apitar o início e, com uns 10 segundos de jogo, Arouca achou Barrios lá na frente, ele deu um passe lindo para Gabriel Jesus sair na cara do goleiro e chutar pro gol, mas Vanderlei conseguiu salvar com os pés e tirar a bola por cima… Uhhhhh!

Era o Palmeiras mostrando que era o dono da casa, que ali a conversa seria outra; o Santos parecia assustado, mas foi pro ataque, Prass fez uma defesaça e, no rebote, a bola foi chutada na trave. Que susto!

O Palmeiras procurava não dar espaços para o Santos, desarmava, defendia, e era mais ofensivo, mais objetivo. O time tinha velocidade e uma vontade enorme. Do jeito que a gente queria, do jeito que as sardinhas e a imprensinha não contavam que  seria…

Mergulhada na “outra dimensão”, nervosa, eu enxergava diferente, como se tudo à minha volta tivesse uma outra luz, uma outra perspectiva… a respiração era curta, mais difícil… assistia com o coração…

Chance com Dudu… Chance com Zé Roberto, que recebeu carga do defensor do Santos e caiu na área… Chance com Barrios, de cabeça, e o goleiro defendeu de mão trocada pra evitar o gol certo…

Vaaaamos, Palmeiras! A Que Canta e Vibra dava um show e esperava pelo momento de gritar gol… a energia nas cadeiras do Allianz era absurda. O som era impressionante… “Eu sempre te amarei e te apoiarei, eu canto ao Palmeiras”… Time e torcida dando tudo e o melhor de si…

O Santos fazia muita cera, e o seu goleiro inventava mil e uma para parar o jogo. Com as bençãos do juiz, que fazia muito jogo de cena para parecer aborrecido, mas amarelo que é bom…

Jesus invadiu a área e David Braz meteu o cotovelo na bola, pra evitar que ela sobrasse pro palmeirense. Braço afastado do corpo, braço que desceu para acertar a bola com o cotovelo… E o juiz… nada! Que raiva! Não tinha sido suficiente o gambá Oliveira nos garfar e nos fazer sair em desvantagem na primeira partida?

Sentindo dores no ombro, Jesus, que fazia uma bela partida, saiu de campo aos 40′ para a entrada de Rafael Marques. Que triste perder nosso Menino Jesus e vê-lo  sair chorando…

O grito de gol se torcia em nossas gargantas, querendo escapar…. mas o primeiro tempo acabou 0 x 0.

E veio a segunda etapa… a decisão se aproximava do final…

O Santos, que tanto se gaba de um dia ter parado uma guerra, iniciara uma guerra estúpida e imbecil contra o Palmeiras – logo contra o Palmeiras, que parava até o Santos de Pelé – e se dera muito mal, porque não tinha bala na agulha para enfrentar o Palmeiras em seus domínios. E tremia na base… amarelava… se encolhia…

O falastrão David Braz já tinha saído machucado; Lucas Lima, das risadinhas irônicas, era engolido pelo brilhante futebol de Matheus Salles; Ricardo Oliveira, o imbecil “Viola da vez”, não conseguia fazer nenhum palmeirense entrar na sua pilha…

Por outro lado, Dudu e Barrios jogavam muito…  na verdade, o time todo do Palmeiras jogava muito e era bem melhor que o seu adversário. Seria só questão de ter paciência e sangue-frio. Mas sangue-frio só se fosse o das sardinhas amarelentas… porque o sangue verde pegava fogo e fazia o Caldeirão do Porco ferver.

Eu não vi como a jogada foi feita,  só vi a bola morrer na rede lá do outro lado e o grito de gol de 20 milhões de palestrinos (estavam todos lá) se livrar das amarras e explodir no Allianz. Eu me perdi no amontoado de abraços e lágrimas, e gritos de alegria…

Duduzinho, lindoooooo!! Dudu vibrava muito, aliás, vibração foi a palavra dessa noite épica… Com 11′, conseguíamos tirar a vantagem que Luís Flávio de Oliveira, o árbitro da primeira partida, dera ao Santos. E íamos buscar o título…

O Palmeiras jogava muito mais (que partida de Barrios!), merecia a vantagem, e com uma garra do tamanho da nossa vontade de gritar “É campeão”, ia pra cima das sardinhas falastronas…

O tempo passava… A tensão aumentava. Eu sentia tonturas… Barrios sentiu a coxa e deu lugar para Cristaldo. Minutos depois, Lucas Taylor entrou no lugar de João Pedro…

O jogo ia se aproximando dos 40′, e nós íamos ficando cada vez mais nervosos. Eu já não via mais o jogo direito… estava inquieta, rezava… a cabeça voava mentalizando o final de jogo, a festa da torcida.

E então, uma falta para o Palmeiras… Rafa, um amigo, me pergunta: Você lembra da falta em 98? Presta atenção. Sim, eu me lembrava…

Dito e feito! Robinho cobrou lá na esquerda, Vítor Hugo desviou de cabeça, Rafa Marques deu um toquinho e mandou pra área. Com três santistas ali, Duduzinho apareceu como um raio e guardou.

E o Allianz enlouqueceu e se abraçou com o Palestra Italia. Duduzinho, herói do jogo, emocionado, nos emocionava ainda mais na comemoração…  Nossa camisa 7,  finalmente podia sorrir orgulhosa e feliz…

Palmeiras x Santos Dudu (Foto: Marcos Ribolli)

Mas a vida queria fazer mais um herói…

Não entendemos isso na hora em que o Santos marcou  o seu gol, justo quando faltavam poucos minutos para gritarmos o tão sonhado “É campeão”… Não entendemos porque a sorte madrasta tinha levado a decisão para as famigeradas cobranças de pênalti…

Tinha que ser épico, tinha que ser no jeito Palmeiras de ser, e logo compreenderíamos isso…

Eu, que nunca tinha visto nada igual a esse jogo, à essa vibração, à essa  conexão time e torcida, à festa na entrada, olhava a torcida palestrina no Allianz e pensava comigo “não existe outro final pra essa história. O Palmeiras vai ser campeão”… “Prass vai pegar”… Nem Deus, nem Allah, Jeová, a sorte, o destino, o acaso… ou seja lá o que for, seriam tão cruéis com essa torcida tão linda e tão apaixonada…

E me enchi de coragem pra assistir… Ninguém nos tomaria esse título… Em nossa casa mandamos nós!

Com meus terços nas mãos, eu chamava até Oberdan para ajudar Prass, mas acho que ele já estava ali mesmo… eu pensava que todos os heróis palestrinos, até mesmo os que já se foram, estavam no Allianz naquele momento…

Marquinhos Gabriel foi cobrar (“ajuda o Prass, Oberdan”)… e chutou pra fora! O Allianz explodia em alegria…

Zé Roberto foi para a nossa primeira cobrança… e guardou!!! O sangue esquentava na veia. Estávamos em vantagem…

Meu coração estava lá dentro do campo…

Gustavo Henrique foi pra cobrança (“Pega, Prass! Pega, Prass! Você vai pegar!” Eu quase perdia a voz de tanto gritar)… e Prass , maravilhoso, monstro, defendeu! Os palestrinos pareciam em transe de tanta felicidade…

Eu era a criança que encontrara a bicicleta embaixo da árvore de Natal… Meu Deus que felicidade! Chorava, ria e morria de nervoso ao mesmo tempo.

Rafa Marques cobrou e o goleiro do Santos defendeu… Isso fazia parte dos planos da vida para fazer um outro herói…

A tensão era palpável… qualquer erro agora poderia ser fatal… Mas continuávamos em vantagem… era só acertar as próximas cobranças… Alguns torcedores choravam copiosamente…

Geuvânio cobrou e fez para o Santos…

Jackson, com muita competência, guardou para o Palmeiras… Bendito seja o zagueiro que cobra como atacante…

Lucas Lima fez para o Santos…

Cristaldo,  cobrando lindamente, fez para o Palmeiras… raça gringa no Allianz em homenagem ao técnico adversário…

O “rei da farsa e pastor nas horas vagas” fez o terceiro  do Santos, e por muito pouco o Prass não defendeu…

Faltava uma cobrança… se guardássemos essa, o Palmeiras seria campeão… Um chute a gol nos separava de um sonho… um chute a gol… só um…

A cobrança era de Prass, cobrança  do nosso goleiro; aquele, que, profeticamente, a Mancha Verde trouxe em seu mosaico… aquele, que a vida, merecidamente, queria brindar agora com uma página especial em nossa história…

As mãos santas de Prass tinham nos empurrado à final… e, agora, pelos seus pés poderíamos conquistar o título. Prass nos colocaria uma faixa no peito…

Eu não tive coragem de ver… Olhei para o céu, pedi a Deus, lembrei de Evair, que assistia à partida, imaginei que a sua energia estaria com Prass naquele momento… a minha energia toda estava com Prass…

Fernando Prass bate pênalti (Foto: Marcos Ribolli)

Olhando pro céu, prendi a respiração e  esperei o grito da nossa torcida… e nunca mais vou me esquecer da força com que ele ganhou os ares…

Aquela camisa, metade Oberdan, metade São Marcos, com recheio de Prass, corria pelo gramado, enlouquecida de alegria. Prass entrava pra história do Palmeiras, e a gente soltava o grito guardado… É Campeão! É Campeão! Tricampeão!

O mundo ficou mais bonito, o mundo ficou todo verde…

O Gigante Palmeiras estava de pé! Tricampeão da Copa do Brasil, 12 títulos nacionais, o maior campeão do Brasil… E o Gigante batia no peito dizendo: Na minha casa não!

PARABÉNS, PALMEIRAS! PARABÉNS, TORCIDA QUE CANTA E VIBRA!! Foi limpo, legítimo e muito merecido! ¯\_(ツ)_/¯

 

Jornalismo de informação é para “os fracos”, a moda agora é jornalismo de alienação… com boas doses de meias verdades, informações distorcidas, para, nas entrelinhas, levar o leitor à comprar uma ideia que, algumas pessoas, em algumas redações, querem vender.

O Palmeiras perdeu do Coritiba, o Santos perdeu do Vasco…

Os dois com os seus times reservas, e, claro, os dois de olho na final da Copa do Brasil, que acontecerá na próxima quarta-feira no Allianz Parque. Mas com uma diferençazinha: enquanto o Palmeiras nada mais aspira no Brasileiro, o Santos ainda brigava pelo G4… e acabou com as suas chances de classificação.

Mas olha só como a rgt, tendenciosa x 1000, publicou a derrota de um e de outro.

O Palmeiras, “travado”; para o Santos, “É quarta-feira”; o Palmeiras, “sem vencer”, e com “pior público” (19 mil pessoas, mais do que cabe na Vila Belmiro); o Santos, “com reservas, concentrado na final da Copa do Brasil”… Como se o Palmeiras também não tivesse jogado com reservas, e como se ele também não estivesse concentrado e de olho na final da Copa do Brasil.

Pra um, uma derrota é significado de time que vai muito mal; pra outro, uma derrota, e o adeus ao G4, é como se fosse nada, e a notícia ruim é minimizada pela lembrança da final próxima…

Isso não é por acaso… Quem escreve sabe escolher as palavras, cirurgicamente. Está clara a preferência da rgt, não é mesmo? E, com tanta preferência (a gente sabe bem o que acontece com os preferidos da platinada), o Palmeiras que abra o olho com o árbitro que for “sorteado”.

No entanto, a rgt e mais um monte de gente por aí, fazem que esquecem de um detalhe: o Santos precisou que, entre outras coisas, o juiz garfasse o Palmeiras, lhe subtraísse uma penalidade máxima e a consequente expulsão do zagueiro santista, para que ele o vencesse pelo placar mínimo. E isso porque o Palmeiras jogou mal, senão, nem com juiz tinha dado…

Todas essas bobagens que estão sendo ditas por alguns jogadores do Santos, por alguns de seus torcedores jornaleiros deixam claro que eles têm medo do Palmeiras sim.

Fosse o contrário, nem se dariam ao trabalho…

Não vai ser mole no Allianz, como pensam alguns… mas não vai mesmo.

Prepare-se, rgt, preparem-se haters, o Caldeirão do Porco vai ferver!!

MOSTRA PRA ELES, VERDÃO!

“Depois de tudo o que passamos, não vamos deixar ninguém nos tomar esse título, esse sonho. NEM A PAU!” – São Marcos

Temos-a-força-imagem1

Há 15 anos não sabíamos o que era fazer duas finais no mesmo ano…  Mas os tempos mudaram.

Fomos trocando de caminho, saindo daquela estrada errada, que não nos levava a lugar algum… e quantas pedras encontramos… como foi difícil ter paciência para trocarmos de caminho… quanta turbulência nos chacoalhou quando tentamos sair do chão e voar…

Mas, entre caminhadas, algumas tímidas tentativas de voo, gols maravilhosos, dribles, Allianz Parque sempre lotado, muita vontade, disposição e alegria (sim, tivemos muitas alegrias), aqui estamos nós! Na segunda final de 2015.

Chegou o hoje… Um hoje de 20 títulos nacionais em campo (11 deles do Palmeiras)… Um hoje, como todos os outros “hojes” em que fomos felizes, construído a duras penas, passando por cima de todas as adversidades possíveis e imagináveis…

Torcedores, jogadores, comissão técnica e dirigentes sabem como foi duro vencer adversários difíceis, vencer as arbitragens tendenciosas, os pênaltis não marcados, vencer as inesperadas lesões, os desfalques, as cirurgias, as dores, a pressão… as notícias, propositadamente turbulentas e venenosas… o deboche de alguns adversários, que, em fim de carreira, vão confundindo talento com polêmica, provocação e falta de fair play…

Mas sabemos também como ficamos mais fortes quando nos colocaram à prova, quando duvidaram da nossa capacidade; como ficamos insuperáveis quando estivemos unidos e nos mantivemos alegres, e como essa força nos empurrou pra frente, mesmo quando até pareceu que não ia dar…

“Ah, do Cruzeiro o Palmeiras não vai passar”“O Inter tem mais time do que o Palmeiras e tem todas as chances de passar à semifinal”… “O FluminenC leva uma boa vantagem para a segunda partida e tem mais chances de chegar à final”… “A final será entre FluminenC e Santos”… blá blá blá… mimimi…

As  fichas dos “eshpecialishtaish de futebol” eram/são todas apostadas em nossos adversários… sempre.

E olha a gente aqui. Contrariando a “lógica torcedora rival” de alguns “jornaleiros”, e a “bundamolice” de outros tantos, estamos a um punhado de horas de realizarmos um sonho… Não dormimos direito essa noite, não conseguimos comer direito, os batimentos do coração já tem ritmos de arquibancada, e não conseguimos deixar de pensar no jogo, de imaginar lances, jogadas, dribles e gols…e camisas verdes se abraçando, e bandeiras verdes sendo agitadas… e lágrimas verdes de felicidade… vitória do Verdão…

Não vemos a hora da hora chegar…

Mas, de novo, eles dizem que não podemos… de novo eles nos subestimam, de novo eles esquecem a força dessa camisa e dessa gente verde-esmeralda. De novo eles minimizam a garra de nossos jogadores. De novo ignoram os méritos  que nos trouxeram até aqui…

Vamos mostrar que podemos sim, e podemos muito. Temos time, torcida, uma vontade do c……. de conquistar esse título…  temos tudo o que precisamos.

A sorte está lançada. Eu boto a maior fé no Verdão, e é claro que esse título foi, e é sonhado, mentalizado, desejado, rezado, esculpido e desenhado… Claro que eu quero essa Copa.

Mas eu sempre disse nos meus textos, e repito agora, durante todo esse tempo – que ficou pra trás graças a Deus – o que eu queria mesmo era isso: poder sonhar com um título, disputar um título… Tinham tirado o meu direito de sonhar.

E então, eu só sonhava que sonhava…

Sonhava que sonhava com esse frio na barriga e esse nó na garganta…

Sonhava  com essa ansiedade e esse sorriso besta que fica na cara da gente o tempo todo…

Sonhava em contar os dias, as horas, os minutos pra chegar a hora de um jogo…

Sonhava em ficar um tempão decidindo qual seria a “camisa da sorte” que eu deveria vestir… e quais as superstições que eu teria que alimentar…

Sonhava com poder comprar o ingresso pra final…

Sonhava em estar sonhando, como estou agora, com gols do Palmeiras, e dribles, e comemorações em campo… e abraços e gritos… lágrimas de alegria…

Sonhava com a Que Canta e Vibra cantando muito alto, feliz, altiva…

Sonhava em ver meu Palmeiras de volta ao seu lugar… nas finais.

Sonhava com as lágrimas que correm no meu rosto agora…

Posso estar apreensiva, ansiosa, insone, com borboletas no estômago, rezando, mentalizando, sonhando, desejando, chorando emocionada… mas, de verdade, estou com o coração em paz… com a alma plena, orgulhosa do Palmeiras e muito feliz!

E aos que não acreditam no Palmeiras, só digo uma coisa: Segurem-se nas cadeiras, porque o Verdão vai buscar! E a sua fantástica torcida vai com ele.

E que assim seja.

BOOOOOORA, PALMEIRAS!

Que não nos faltem os lindos dribles e passes de Dudu, nem as jogadas do Menino Jesus… que não nos falte a garra do Prass, do Rafa, do Cristaldo, do Zé, do Mouche, do Amaral… que não faltem as cabeçadas certeiras de Vitor Hugo, Barrios, Jackson e Rafa Marques… que não nos faltem as pinturas em forma de gol de Robinho, nem os desarmes de Arouca, Lucas e Egídio… que não nos faltem a fibra e a experiência de Zé Roberto, nem a segurança de Vitor Hugo… que não nos faltem as maravilhosas mãos e defesas de Prass…

E que não nos falte sabedoria pra discernir entre esperar e avançar…  nem calma e paciência pra lembrar que a decisão será no Allianz Parque… que não falte “jogar com a alma e o  coração” a nenhum palmeirense em campo… e, claro, que não nos faltem gols, muitos deles, na rede adversária.

Alegre-se palestrino, torça muito, o nosso Palmeiras está de volta… e quer ser campeão.

À luta, Verdão,  que o amor imenso da sua gente, amor que nunca está em falta, te conduza.

VAMOS BUSCAR A COPA!

 

 

 

Essa postagem quase não sai. Levei dias procurando algumas imagens. Elas simplesmente desapareceram dos vídeos de melhores momentos, assim como o VT completo, que acabou aparecendo só ontem… Mas o registro do que aconteceu na final do Paulistão precisa ser feito, seja em que tempo for.

Não deu…

O Palmeiras perdeu a partida na Vila por 2 x 1… Deu trabalho ao Santos, é verdade, mas o jogo foi para as cobranças de pênaltis, desperdiçamos uma, o goleiro santista defendeu outra, e o Santos ficou com o título do Paulistão. Parabéns ao Santos pela conquista!

Não fizemos um bom primeiro tempo. O time estava muito instável, os jogadores estavam nervosos, bastante intranquilos, o que possibilitou ao adversário ir se acalmando, ficar menos temeroso, e em seus domínios, ir pra cima. Arouca fez muita falta ao Palmeiras; a escalação que Oswaldo fez nos deixou praticamente com um volante só, o Santos ficou com liberdade na intermediária, e o Zé Roberto teve dificuldades em seu setor pela falta de um marcador como Arouca.

Valdivia era pouco acionado, Robinho não rendia tão bem (mas quase fez um golaço), nem Rafael Marques, e o Palmeiras, dando mole pro adversário, não “mordia as orelhas” dele. Prass, no entanto, fazia boas defesas, Lucas fazia boa partida.

Vitor Hugo sofreu pênalti, e o juiz não marcou; no mesmo lance, Leandro Pereira também sofreu falta na área, ao ser agarrado pelo defensor santista. Dois em um, e o juiz não marcou nenhum.

Tomamos dois gols bem evitáveis. No primeiro deles, a nossa linha burra – que foi bem burra, por sinal – não funcionou, e Robinho teve dois companheiros entrando livres, para escolher um e tocar, deixando o zagueiro santista na cara do Prass para abrir o placar.  Uma marcação mais cuidadosa, poderia ter evitado esse gol. Fiquei em dúvida na hora, porque, quando a bola foi lançada pra Robinho, David, que foi quem fez o gol, estava impedido, mas quando Robinho recebeu a bola nos pés, uma nova jogada se iniciou, e então, quando ele lançou David, estava tudo certo (guarde essa informação).

Já no segundo gol, que o Santos fez aos 42′ do primeiro tempo, Vitor Hugo foi quem ‘comeu bola’. Era a típica jogada de “ou passa a bola, ou passa o cara; os dois, nunca”. Mas passou a bola e o cara (Ricardo Oliveira) também. Prass ficou vendido no lance.

Pra piorar, Dudu foi expulso aos 45′ – Geuvânio, do Santos, também foi…

No segundo tempo, o Palmeiras voltou outro, e, decidido a ir ao ataque, acordou pra final (Cleiton Xavier entraria aos 8′). Imprimiu velocidade à partida, passou a pressionar o Santos e a ficar mais com a bola. Os espaços santistas começaram a aparecer para o Palmeiras, Rafael Marques chutou de fora da área, o goleiro defendeu em dois tempos; Cleiton Xavier cobrou escanteio, Rafael Marques cabeceou perigosamente para o chão, mas o goleiro fez uma grande defesa; Zé Roberto recebeu de Valdivia e mandou no ângulo direito do  goleiro, mas ele, por milagre, conseguiu ir lá no alto e tirar.

O árbitro deu amarelo para Victor Ramos, num lance em que Ricardo Oliveira se jogou…

O gol do Palmeiras parecia inevitável. E foi. Lucas recebeu um passe maravilhoso de Valdivia, que o encontrou na frente do goleiro santista; ele se livrou de Ricardo Oliveira que o marcava, e deu só um toquinho para guardar no gol. Festa palestrina! O Palmeiras marcava o seu gol, mostrava que estava no jogo e assustava o Santos.

Victor Ramos, que tinha levado um amarelo mandrake antes, cometeu falta em Ricardo Oliveira e foi expulso. O Palmeiras, com dois a menos, tinha que empatar com o Santos ‘completo’.

Aos 43′, Amaral fez o segundo gol do Palmeiras, depois de cobrança de falta de Cleiton, mas o bandeira assinalou impedimento.

O jogo foi para os famigerados pênaltis… O goleiro santista defendeu a cobrança de Rafael Marques, Jackson mandou a dele na trave, os adversários não desperdiçaram nenhuma, e o Santos sagrou-se campeão.

Torcemos, sofremos, vibramos, rezamos, nos alegramos com o Palmeiras indo pra cima, morremos de felicidade com o gol, quase infartamos nas cobranças (foi bem mais fácil cobrar pênalti contra os gambás, hein?) choramos, ficamos tristes…queríamos o título para coroar o bom trabalho  deste ano. Porém, ao final de tudo, concordamos que o primeiro tempo foi o que mais atrapalhou o Palmeiras. Concordamos que a intranquilidade, a irritação, o nervosismo e o desequilíbrio do primeiro tempo acabaram sendo fatais no resultado final. Foram 4 tempos de final, em duas partidas, e o Palmeiras foi melhor em três deles. E como é que ficou sem o título?

Acontece que a intranquilidade, a irritação, o nervosismo e desequilíbrio de um time, e a consequente tranquilidade do outro, passaram diretamente pelo apito…

E quem não sabia que tipo de coisas poderiam acontecer, não é mesmo? Só o Palmeiras, bobinho, não sabia… E deve ser por isso que não mandou nem mesmo um representante no tal “sorteio”. E olha que cantamos a bola bem antes dele acontecer.

O Palmeiras tinha saído com a vitória e com a vantagem do empate para o jogo final diante do Santos, na Vila, mas tinha  sido muito assaltado, e em pleno Allianz Parque…

Durante a semana que antecedeu o último jogo, todo mundo dizia que o santista Guilherme Ceretta de Lima, seria o árbitro “sorteado” para apitar. E não deu outra. Ele foi mesmo “sorteado”!?!? Ele “tem tanta sorte nos sorteios”, que foi quarto-árbitro na primeira partida e foi árbitro na segunda.

E Guilherme Ceretta de Lima, o árbitro, influenciou diretamente no resultado da segunda partida.

– Ceretta amarelou dois jogadores do Palmeiras com menos de dez minutos de jogo, Dudu aos 3′, Valdivia aos 8′; Dudu, por sofrer uma falta dura e reclamar, Valdivia, por fazer uma falta normal, que em nada mereceria amarelo, ainda mais com 8 minutos jogo numa final.  

Quem não sabe que esse tipo de atitude serve apenas para intimidar uma equipe, para minar o seu ímpeto e desestabilizar seus jogadores? E, reza a lenda, que o árbitro teria discutido com os dois, fora de campo, na primeira final, quando foi quarto árbitro. Mais suspeitos ainda ficam esses cartões inventados por ele…

– Ceretta deu 7 cartões amarelos para os palmeirenses e dois vermelhos, e deu dois amarelos e um vermelho para o Santos (será que o vermelho santista foi só pra disfarçar?). Em 24 minutos de jogo ele já tinha dado 4 cartões amarelos, 3 para o Palmeiras e 1 para o Santos. E quanta falta santista ficou sem punição…Além disso, ele invertia um monte de faltas que o Palmeiras sofria e quem cobrava era o adversário… Todo mundo sabe que é assim que se “segura” uma equipe…

Na hora em que vi dois amarelados em 8 minutos de jogo, eu já sabia… tá deixando os dois “pendurados” para poder expulsar mais tarde, tá segurando o Palmeiras para tirar a tranquilidade do time. Sim, era isso o que eu pensava. O árbitro preparou “a cama”, e o Palmeiras deitou…

Vitor Hugo sofreu um pênalti, bastante claro, mas o árbitro, mesmo tendo visto o lance, resolveu não marcar.

E foram duas penalidades simultâneas. Bola em jogo, Vitor Hugo levando um tranco pelas costas, sendo empurrado e jogado no chão, e o Leandro sendo agarrado na área (e permaneceu sendo agarrado). O santista Ceretta tinha duas penalidades, num lance só, para escolher uma e marcar, mas ignorou as duas. E, ao contrário do que afirmaram alguns, até mesmo um, pasme, jornalista palmeirense, o juiz VIU SIM as faltas! As imagens não mentem.

Final-Paulistão-penalidade-em-VitorHugo0

Final-Paulistão-penalidade-em-VitorHugo1 Final-Paulistão-penalidade-em-VitorHugo2

Ah, mas o Palmeiras não jogou bem no primeiro tempo e você vai reclamar do juiz? Eu devo ter vindo de outro planeta mesmo…

O Palmeiras, que venceu o 1º jogo, que TINHA A VANTAGEM DO EMPATE, sofreu um pênalti, QUANDO ESTAVA 0 X 0, tinha a chance de abrir o placar, tocar o terror nos santistas, jogar uma pressão danada neles, e o juiz, SANTISTA, que vê sim a falta, não marca o pênalti?  E tudo bem?

Dudu foi expulso (Geuvânio também), sem ter feito nada que justificasse a sua expulsão, e o Palmeiras passou a jogar com um a menos – o Santos, contando com o árbitro Guilherme Ceretta de Lima, continuava com onze.

Valdivia sofreu um pênalti de Chiquinho, mas Ceretta também não quis marcar.

E aí, os “pensadores” e “filósofos” mandrakes entraram em ação: “Valdivia estava impedido! Deveria ter sido punido por atrapalhar Chiquinho (olha o absurdo)…

Pau que bate em Chico… Se quando o David, voltando de impedimento, fez o primeiro gol do Santos, e o gol foi legal, porque, quando Robinho recebeu a bola uma nova jogada se iniciava e, nesse momento, o David já não estava mais impedido, o mesmo aconteceu em relação ao posicionamento de Valdivia. Quando Gabriel ia tocar lá pra direita, Valdivia estava impedido mesmo, porém, quando Lucas recebeu, e ia iniciar  uma nova jogada, Valdivia não estava mais impedido, e foi atropelado por Chiquinho. Mais um pênalti não marcado a favor do Palmeiras, na conta do Ceretta. Mais uma verdade que boa parte da imprensinha distorceu até virar mentira…

Final-Paulistão-pênalti-em-Valdivia1

E não fomos só nós palmeirenses que vimos isso, não…

Final-Paulistão-lancenet0

Final-Paulistão-lancenet3

Final-Paulistão-lancenet1

Final-Paulistão-lancenet2

E pra coroar mais uma vergonha do futebol brasileiro (7 x 1 foi pouco)… para coroar a  falta de cabimento e  qualificação para se ter alguém como o Coronel Marinho à frente da Comissão de Arbitragem (o que o qualifica para esse posto?) para reforçar o serviço prestado por um árbitro que influenciou diretamente no resultado de uma final de campeonato, “coincidentemente” em favor do seu time de coração (o Coronel Marinho gostou do que Ceretta fez, e deu nota 9 pra ele – deram também 200 mil reais de premio. Fica com uma cara de “recompensa”, né??)…

Para coroar tudo isso, fique aqui com as imagens que a Globo mostrou na sua programação do dia seguinte, na matéria sobre a conquista do título, que mostrava os familiares dos jogadores e do árbitro, em suas casas, durante a partida…

http://globoesporte.globo.com/fute…bol/times/santos/noticia/2015/05/leifert-e-jogadores-santistas-choram-ao-ver-clipe-especial-do-titulo-assista.html

Foi só um segundinho no vídeo, quando, na passagem da camêra, alguns pertences do Ceretta foram mostrados, segundinho que passou despercebido da maioria…

Ceretta-camisas

Ceretta-camisas1
Ceretta-camisas2

Reconheceu algo? Presta atenção…

Ceretta-camisa-Santos-minuto-6-16

Não tem certeza? Compara com a da imagem abaixo, olha o logo na manga:

Camisa-Santos

Então, né?

O APITO “PASSOU NA JANELA” E SÓ O PALMEIRAS NÃO VIU!

“O bolo tá quase pronto, mas querem jogar a cereja fora” – Epicuro

O Palmeiras parece que ainda não deu liga…

A derrota para o Santos, depois de termos feito 1 x 0 logo de cara, já tinha nos mostrado algumas coisas. Uma delas é que, contra times mais tarimbados, a nossa marcação não pode ser a mesma utilizada com os ditos mais “inexperientes”. Foi equivocada e improdutiva a maneira do Palmeiras marcar. O.O precisa acertar isso – parecer que está vivo, e não empalhado na lateral do campo, pode ajudar também.

Outra coisa – nem tão outra coisa assim -, o time não pode deixar jogar, livre de marcação, cheio de espaço, um jogador como Robinho, que desequilibrou o jogo e ajudou o Santos a buscar a virada, tampouco deixar jogadores receberem livres de marcação na cara do Prass, ou achar que marcar um Ricardo Oliveira é o mesmo que marcar um boneco cheio de ar – ele tem mais recursos do que a maioria.

Vimos também que as arbitragens continuam prejudicando o Palmeiras. Tivemos um gol, legítimo, anulado com a marcação de um impedimento que não existiu. Com falhas ou não, era para o Palmeiras ter saído do jogo com 2 x 2.

E teve mais uma coisa para observarmos… mesmo tendo bons jogadores, o Palmeiras, ao contrário do Santos, não teve esse jogador que desequilibra, chama a responsa faz um buraco na zaga inimiga e ajuda o time a decidir. Preocupante…

Aí, veio o XV de Piracicaba, disposto a comer bacon no café da manhã (tá entalado o bacon ainda ou já engoliu, Nhô Quin?).

E, em pleno domingo de manhã – por causa da manifestação contra a ‘incompetenta’, à tarde -, o Palmeiras foi recebido em campo por mais de 26 mil torcedores. Que coisa linda essa torcida, que caiu da cama – beijinho no ombro para o presidente daquele time do estádio vazio. Beijinho no ombro pra “incompetenta” também, o Brasil foi pintado em verde-amarelo, as suas verdadeiras cores!

Mas, o que deveria ser quase um treino e três pontos facilmente conquistados, foi um jogo monótono, sonolento, sem criatividade alguma, e uma vitória que parecia que não ia vir nunca. O Palmeiras foi mais time durante a partida, é verdade, mas a insistência em descer com a bola até a linha de fundo e levantá-la na área era irritante, e só tínhamos essa essa jogada, que foi repetida à exaustão (o XV já sabia ela de cor).

A torcida implorava para o Palmeiras chutar a gol, e… nada. Queríamos que alguém se atrevesse a fazer uma jogada pelo meio, a sair na cara do goleiro adversário, a colocar um atacante nosso na cara do gol pra que ele chutasse. Mas… nada. E quando achávamos que a jogada iria sair, ela era desperdiçada com um supérfluo toque a mais, facilitando o desarme inimigo. Nosso bom time tem sido muito previsível (tem que dar jeito nisso, Oswaldo). Não conseguíamos furar a retranca do XV de Piracicaba… pode isso? E não tínhamos como não pensar em Valdivia, e em seu imprevisível futebol.

A entrada de Gabriel Jesus,  cheio de bola e vontade, acordou todo mundo. Ele quase fez um gol, fez jogador adversário ser expulso (os adversários acham que podem descer o sarrafo no garoto)… mas, foi graças à “ousadia” do nosso outro Gabriel, que saímos com a vitória. Ele arriscou um chute de longe (como fazer gols sem chutar, né?) e guardou um gol lindo na rede do XV… a torcida explodiu de alegria e alívio, e vencemos a partida! Uffa!!! Nosso domingo estava salvo.

Mas a discussão foi aberta… como será o restante do campeonato, como nos sairemos no próximo clássico, e nas quartas, se continuarmos jogando assim, com a mesma jogada manjadinha, e só com ela? Hein, Oswaldo?

Sim, eu sei que temos Valdivia para quebrar essa previsibilidade, e sei que Oswaldo conta com isso. E sabia também (todo mundo sabia) que se o Mago jogasse aquela partida do dia 7/12, à base de infiltrações como fez, ele teria a sua lesão agravada. Mas todos pedíamos que “ele jogasse, do jeito que fosse, nos ajudasse a escapar do descenso, e depois ele aproveitaria para se recuperar durante o Paulistão” – na terceira rodada todo mundo já cobrava a sua volta.

Não dá para fazer de conta que ele não é importante para o time. Que ele não faz a diferença em campo. O nosso time é bom sim, mas está faltando algo… falta o Mago. E para fazer dupla com Cleiton Xavier, que também falta entrar no time, e vai qualificar ainda mais o nosso meio-campo. Em 2009, faltou alguém como o Mago para jogar com CX, e desde que o Mago voltou, falta alguém como CX para jogar com ele.

Só que existe uma renovação de contrato no meio do caminho. Há alguns dias, parte da imprensa abusava de escrever bobagens, de informar coisas que nem tinham acontecido. Noticiou valores, falou em recusa do jogador… mas ainda nem havia acontecido uma reunião entre as partes, nenhuma delas havia apresentado as suas propostas.

O jogador diz que quer ficar, o Palmeiras diz que tem interesse em renovar… mas a imprensa fala diferente…

Agora, ela fala que o Palmeiras não faz questão nenhuma de renovar, que o Palmeiras arma para o jogador… falam que o Palmeiras não recebe o seu representante, falam que o Palmeiras tá fazendo um jogo estranho. Partindo do princípio de que essas informações sejam verdadeiras (não me fio nelas), penso que é um direito do clube não renovar se acha que não precisa do futebol dele – outros clubes, o atual bi-campeão brasileiro, por exemplo, pensam diferente e gostariam de ter Valdivia em seu elenco – mas agindo de maneira correta. (Uma coisa é curiosa, repare, a mesma imprensa, que acha que ele não serve para o Palmeiras, acha que ele será ótimo para os nossos rivais. Como assim, press?)

O Palmeiras decide o que achar melhor, ele é o “dono da bola” nessa brincadeira. Mas, por favor, Palmeiras, “Tirone feelings”, não. Esse “falar que quer e agir como quem não quer”,  esse “querer se isentar da bronca que boa parte da torcida ficará”,  – (até o dia em que comecei a escrever essa postagem, uma pesquisa de um portal esportivo, apontava que 75% da torcida quer a renovação) não combina com a administração que temos agora. Não acredito que o Palmeiras  agiria assim, de maneira tão ‘tironesca’, não nessa gestão.

Não sei o que o Palmeiras decidirá. Valdivia foi legal com o Palmeiras ao fazer infiltrações para poder jogar e nos ajudar a escapar do descenso, ao contratar um fisioterapeuta,  ao pedir dispensa da seleção chilena (se não aceitaram, a culpa não é dele), mas o Palmeiras, na gestão de Paulo Nobre, também foi muito legal com Valdivia durante esse tempo todo. E é por isso mesmo, por todas as coisas que já aconteceram, que um contrato de produtividade me parece algo bastante justo e sensato.

Sou suspeitíssima para falar sobre isso, mas, assim como boa parte da torcida, espero que Valdivia fique, que clube e jogador encontrem esse denominador comum e acertem a renovação. E não falo isso só porque ele é meu jogador favorito, e sim porque ele é craque e faz a diferença mesmo, porque ele salvou o Palmeiras do rebaixamento, e também pela necessidade que o Palmeiras tem do seu futebol – a liga que falta pro time é ele.

Vimos isso quando ele foi vendido para os Emirados. Nosso time, que estava indo bem, sem ele, perdeu a liga e passou a apresentar um futebol horroroso, começou a perder uma atrás da outra, despencamos na tabela, e todos demos graças a Deus quando negociação não deu certo e o Mago voltou  – a volta de Prass também foi essencial, sem os dois, teríamos sido rebaixados, e muito antes do campeonato acabar. Aquela sequência de jogos em que voltamos a ganhar – Valdivia saía como o melhor em campo em todas as partidas -, foi determinante para o nosso destino no Brasileiro.

E os números são incontestáveis. No Brasileiro-2014, como mostra a notícia da rgt, o Palmeiras conseguiu somar apenas 15 pontos e fazer 9 gols em 17 partidas sem Valdivia (em seis delas ele estava com a seleção chilena), tendo 29% de aproveitamento, e somou 19 pontos e marcou 19 gols em 11 partidas em que ele esteve em campo, com 53% de aproveitamento.

aproveitamento-Palmeiras-com-Valdivia aproveitamento-Palmeiras-com-Valdivia1 aproveitamento-Palmeiras-com-Valdivia2 aproveitamento-Palmeiras-com-Valdivia3

Valdivia ainda nos ajudaria muito a conquistar um ponto precioso na última rodada e a fazer o Palmeiras escapar do rebaixamento. Fez infiltrações para poder jogar, se arrastou em campo, e, ainda assim, foi o melhor da partida, o que mais correu.

E os números do Mago não ficaram só nisso… Pra se ter uma ideia, mesmo tendo feito apenas 16 jogos, ele foi o 5º no resultado final da Bola de Ouro, o 4º entre os melhores meias do país, e com pouca diferença na pontuação para os demais. Se não tivesse sido convocado, e tivesse feito mais umas 3 ou 4 partidas, Valdivia certamente teria levado o prêmio.

Mago-BolaDeOuro

Mago-BolaDeOuro-pontuação

Mago-Bola-de-Ouro-Prataenquete-espn1

Os números de Valdivia não mentem, não é a toa que tem sempre alguém querendo contratá-lo, mas ele precisa jogar, precisa estar em campo o maior número de vezes possível. A torcida tem razão ao reclamar disso. É dentro de campo que ele é imprescindível. E é assim que queremos vê-lo.

Queremos que ele faça dar liga no nosso time, fazendo o que só ele sabe. Como na imagem abaixo, fazendo o Palmeiras, que, na ocasião, lutava para escapar do descenso, ser tão temido pelo rival que brigava pelo título. Conta aí quantos gambás estavam na “zona Valdivia” de jogo (o restante do time do time verde ficou sem marcação)… é isso o que o Mago faz e causa quando tem a bola nos pés… não foi a toa que nessa jogada saiu um gol do Palmeiras.

derby7-MagoÉFoda

Booora Palmeiras, booora Mago, vamos acertar essa renovação! Estamos com saudades de lances como esse!