…..

Antes de qualquer coisa, quero deixar bem claro que, como torcedora palestrina que sou, estou bastante satisfeita com o contrato de patrocínio do Palmeiras com a Crefisa/FAM (empresas de mesmos proprietários que estampam as suas marcas em nosso uniforme).  A parceria é muito boa para clube, ainda mais porque, ao exigir exclusividade no uniforme do Palmeiras – não podemos ter outros patrocinadores em nosso uniforme – e ter exposição ainda maior, a patrocinadora acaba tendo que pagar mais por isso, e nem poderia ser diferente.

O que pega, o que está errado, e é por isso que faço essa postagem, é a necessidade absurda dos proprietários da Crefisa de querer fazer as pessoas acreditarem que fazem um favor ao Palmeiras, de que não teríamos nos reerguido se não fosse a empresa, ou que patrocinam o Palmeiras por amor… Onde estava esse amor, essa palestrinidade toda, no início de 2013, quando estávamos com a corda no pescoço, falidos e na segundona? Quem nos socorreu mesmo, quem reergueu o Palmeiras, quem fez pelo Palmeiras o que ninguém tinha feito antes se chama Paulo de Almeida Nobre.

Outra coisa que pega, e pega muito mal, é o que essa vontade, nociva,  de quererem ser mais do que apenas patrocinadores, está fazendo ao Palmeiras. Todo mundo está vendo Mustafá (fortalecido pelos muitos conselheiros de sua chapa, que a dona da Crefisa ajudou a eleger),  sair da sombra onde ele passou quatro anos e ganhar exposição nos portais, falando todas as besteiras que acha conveniente (abre o olho, Palmeiras!). Mas, para qualquer bom observador – pena que nem todo torcedor o é – fica muito clara, muito exposta, a mentalidade retrógrada e tacanha do Sr. Mustafá. Ele ainda pensa que um clube tem que economizar, e só economizar. Não contaram pra ele que atrair receitas – pra se poder gastar na montagem de bons times -, como foi feito na gestão anterior, é que é o pulo do gato, ou melhor, do porco.

Ano passado, segundo o que foi amplamente divulgado na imprensa, somando Avanti, bilheterias, patrocínios, naming-rights, cota de TV, venda de jogadores, venda de camisas e produtos oficiais… o Palmeiras terminou o ano com uma receita de quase R$ 500 milhões (440 milhões do futebol + 48 milhões, aproximadamente,  do clube social ( clube, para onde iam, antigamente, boa parte das receitas do futebol, né Mustafá?).

Nesse inicio de temporada 2017, em apenas 5 jogos pelo Paulistão e 1 pela Libertadores, o Palmeiras arrecadou o equivalente a R$ 9.282.856,67, com média de R$1.547.142,77 por jogo, e levou ao Allianz Parque 170.853 pagantes, média de público de 28.475 pessoas. No jogo Palmeiras x Mirassol, o mais recente jogo em nossa casa, o Palmeiras levou ao Allianz 21.488 pagantes, e arrecadou R$ 1.123.41,02. Pra você ter uma ideia, no campeonato carioca, Fla x Ban, Bot x Flu e Vas x Bot, juntos, levaram aos estádios 16.143 pessoas, e arrecadaram R$ 678.110,00.

Se levarmos em conta que, no Brasileirão 2016, o Palmeiras arrecadou R$ 42,3 milhões, com uma média de  R$ 2.226.928 e 31.359 pagantes por partida, e sabendo que ele está na Libertadores, com boas chances de se classificar à próxima fase, já está classificado no Paulistão,  disputará Copa do Brasil e o Brasileiro (onde deverá repetir as boas arrecadações), não fica difícil calcularmos, ainda que aproximadamente, que o Palmeiras, apenas com as bilheterias como mandante, vai faturar por volta de 80 milhões, se não mais.

Já a patrocinadora,  segundo as notícias, pagou ao Palmeiras no ano passado o equivalente a R$ 66 milhões, mais os R$ 12 milhões pelos gastos anuais com Lucas Barrios. E, neste ano, pagará R$ 78 milhões ao Palmeiras mais R$ 200 mil mensais, como parte dos salários de Borja. As luvas de 1 milhão de dólares (R$ 3,13 milhões) serão divididas entre o Palmeiras e a patrocinadora. Coube à patrocinadora também investir R$ 63,8 milhões mas negociações de Dudu (pagamento dos outros 50% dos seus direitos, e, ainda segundo as notícias, esse dinheiro, seria descontado quando o contrato fosse renovado), Fabiano, Guerra e Borja. E, no caso de negociação desses jogadores, o dinheiro investido será devolvido aos patrocinadores.

É realmente um ótimo patrocínio, a Crefisa é parceira do Palmeiras, no entanto, se ela muito faz ao Verdão, ela muito recebe também, não é mesmo ? Quanto mais investe no time, mais exposição positiva, e além do uniforme, ela tem, em todos os segmentos onde isso é possível. E o retorno é muito grande (A FAM, por exemplo, que tinha aproximadamente 5 mil alunos antes do patrocínio, tem hoje 17 mil).  E é essa parte que não vemos ser escrita por aí… são esses números que não são citados nas entrevistas  que ouvimos  por aí…

Eu não entendo nada de contabilidade, mas fui atrás das informações que poderiam me mostrar se é mesmo um patrocínio de “caridade”, se realmente “pagam muito mais do que vale”, ou se a patrocinadora “vai muitíssimo bem, obrigada” depois que veio patrocinar o Palmeiras. E, mesmo sem entender do assunto, (sei ler, somar e subtrair muito bem), tive a impressão que os números da Crefisa aumentaram bastante desde que ela passou a estampar a sua marca em nosso uniforme… tive a impressão de que o Palmeiras é muuuuito vantajoso pra ela…

Talvez, eu me engane… talvez, minha impressão seja correta…

Senhoras e senhores, apresento-lhes os balanços patrimoniais da Crefisa (parte deles) de 2013/2014 (antes do contrato com o Palmeiras) e 2015/2016 (depois do contrato com o Palmeiras)… Tirem as suas conclusões…

Então, né? Quem é que se dá bem com esse patrocínio mesmo? Parece que a ajuda é mútua… parece que a coisa é muito vantajosa para as duas partes… parece que o Palmeiras faz valer – e muito – cada moedinha investida nele…  parece que tem gente contando uma historinha pela metade para o torcedor palmeirense, você não acha?

Palmeiras e Crefisa é parceria que dá muito lucro… para os dois.

Que o Palmeiras – bem sucedido, ganhando campeonatos, com muitas e boas receitas, com o melhor elenco do país, com um patrocinador forte, com uma torcida apaixonada/parceira/patrocinadora – incomoda os rivais, a gente sabe… que ele incomoda, muito, os torcedores (rivais) “profissionais” de imprensa, já estamos até carecas de saber…

O Palmeiras não tem culpa de estar na excelente situação em que se encontra hoje,  não tem culpa de ter as melhores rendas (no Paulistão 2017, até agora, o Palmeiras arrecadou mais que Corinthians, São Paulo e Santos juntos, no Brasileirão 2016, foram aproximadamente 42 milhões em bilheterias); não tem culpa de ter o programa de sócio torcedor com mais adesões; não tem culpa de ter um patrocínio forte, enquanto a maioria dos times no Brasil, cujas administrações beiram o amadorismo, não consegue patrocinador, enquanto a maioria deles se sustenta às custas do dinheiro público da CAIXA, o banco estatal que é patrocinador máster da maioria dos clubes brasileiros (e nenhum jornalista vê nada errado numa estatal que acha necessário aumentar a prestação do “Minha Casa Minha Vida”, mas injeta muitos milhões em mal administrados clubes de futebol).

O Palmeiras também amargou um período sem um patrocínio máster que valesse a pena… também amargou um período de vacas muito magrinhas… Ninguém queria investir no clube desestruturado, que ia disputar a segundona, que estava falido e sem receitas…

Só que o Palmeiras, administrado por Paulo Nobre, consertou e estruturou a casa para que o clube passasse a ser atraente, financeiramente falando, para os investidores (com exceção de Paulo Nobre, ninguém, nenhuma empresa, coloca muitos milhões num clube se não for para ter retorno/lucro muito bom), e talvez seja essa a “culpa” do Palmeiras, que tanto incomoda “torcedores jornalistas” e pseudo jornalistas por aí: o trabalho e a seriedade que serviram para estruturar o clube, para torná-lo rentável e uma excelente opção de investimento  – foi por esse motivo, por ter se tornado um clube no qual valia a pena um patrocinador investir, é que a Crefisa veio expor a sua marca em nossas camisas. Se não fosse por isso, por querer investir de maneira segura, e se fosse apenas para ajudar, como dizem alguns, ela teria vindo antes, quando estávamos a help, atolados em problemas e sem nenhuma moedinha no porquinho, não é mesmo?

Tentaram de todo jeito encontrar algo errado, condenável, na maneira em que Paulo Nobre, no início da sua gestão, emprestou o seu dinheiro ao Palmeiras, mas não conseguiram (a dívida com ele atualmente, e segundo as notícias, já foi paga em mais de 50% do seu total). Tentam, então, achar algo errado no patrocinador máster do Palmeiras – que investe uma boa quantidade de dinheiro no clube sim,  mas tem um retorno muito bom também, claro (tem centuplicada cada moeda investida no Palmeiras, ou seja, ganha muito mais dinheiro do que investe). Tentam diminuir o Palmeiras usando o seu patrocinador…

A Crefisa (Crefisa e FAM, dos empresários José Roberto Lamacchia e Leila Pereira, são os patrocinadores do clube) não administra o Palmeiras, não é a dona do Palmeiras como tanto tentam fazer parecer algumas pessoas, tampouco é a tábua de salvação do clube como insistem em dizer alguns – até mesmo, e infelizmente, os donos da empresa. A Crefisa é parceira, uma excelente parceira, e a parceria é ótima para os dois lados, clube e empresa ganham bastante com o contrato de patrocínio. A empresa dá e recebe de volta, e recebe muito; em exposição da marca e, consequentemente, em muito dinheiro. O patrocínio gira em torno de apenas 20% das receitas da SEP, portanto, o Palmeiras não é dependente da “caridade” dos proprietários da Crefisa. O Palmeiras tem uma parceria forte, tem um bom investidor ao seu lado, mas a vontade de desvalorizar/atacar o Palmeiras – o rival bem sucedido – é tanta, que esse patrocínio acaba sendo uma das pautas preferidas da imprensinha, e os patrocinadores, infelizmente, entram nessa. Colocando a vaidade em primeiro plano, e adorando a visibilidade que têm agora, embarcam na canoa furada da avidez de alguns profissionais de imprensa de querer  ignorar a importância da marca Palmeiras.

“Sai do Armário” Cezar, o torcedor flamenguista e jornalista – figurinha carimbada em ter raivinha do Palmeiras -, entrevistou o dono da Crefisa, José Roberto Lamacchia, para o seu blog no portal UOL (espn.uol.com.br)… e algumas coisas me pareceram incoerentes… nas respostas do empresário, e também nas perguntas, que, a mim, deram a impressão de conduzir a uma resposta específica, que o entrevistador, talvez, quisesse muito ouvir/ler, e que serviu até de título para a matéria.

Vejamos…

Ele paga mais do que vale, mas diz que compensa… Se compensa, então vale o investimento, não é mesmo?

O próprio entrevistador admite que só fixou a marca “Crefisa” depois que ela passou a patrocinar o Palmeiras;  o investidor diz que vale a pena investir em futebol, revela que faz anúncios na Globo há anos (imagine quanto dinheiro foi investido nisso) e, mesmo assim, muita gente – o entrevistador, inclusive – só passou a conhecer a sua empresa DEPOIS QUE ELA TEVE A SUA MARCA ESTAMPADA NA CAMISA DO PALMEIRAS (então, a parceria com o Palmeiras foi muito boa para o patrocinador também, não é?). Uma declaração bastante significativa, que mostra que não há ninguém fazendo benemerência nessa parceria, e que ela só existe porque é muito vantajosa para clube e empresa.

De novo, o empresário afirma que o patrocínio é um ótimo negócio (pra sua empresa). Diz que o retorno é excelente e que vale a pena patrocinar

 

Mesmo com a afirmação do empresário de que a Crefisa e o Palmeiras já tinham combinado que, quando ela banca a contratação de um atleta para o clube o Palmeiras fará a devolução, sem juros e sem correção monetária, do valor pago no jogador, o entrevistador imagina/supõe/adivinha/chuta que, se algum deles for vendido, o Palmeiras vai querer usar o dinheiro para fazer novas contratações (nas entrelinhas, parece que ele acha que  o clube não vai honrar o combinado, vai dar um “perdido” no patrocinador). E o empresário, que gosta tanto do Palmeiras e do presidente atual, mostrando não ser muito perspicaz ao responder, diz que “sabe bem disso (que o clube vai querer o dinheiro para novas contratações) e que não é bobo”.

E então, uma declaração  intrigante…

Segundo o empresário, ele pagou a reforma e a construção do Centro de Excelência – mais ou menos R$ 6,5 milhões  de um total de R$ 8 milhões do investimento total.

Uéééééé…

Se o total do investimento era de R$ 8 milhões, como afirmou o empresário, e se Paulo Nobre deu R$ 4 milhões, se um fundo parceiro também ajudou na construção, no início, então tem algo errado nesse “a estrutura e o Centro de Excelência paguei a reforma e a construção”,  e também tem algo errado na conta desse “de aproximadamente R$ 8 milhões paguei uns R$ 6,5 milhões”…  E nenhum jornalista procura checar essa informação que não bate… parece até que é mais interessante vender a falsa ideia de que sem a patrocinadora o Palmeiras não seria nada.

As notícias de alguns meses atrás são diferentes do que nos é falado agora, não é mesmo? Até Alexandre Mattos – de quem José Roberto Lamacchia fala tão bem – confirma que Paulo Nobre terminava a obra com recursos próprios…

Acho que está na hora de a Crefisa ser uma grande parceira também nas declarações de seus proprietários. Está na hora de assumir que se deu muito bem ao resolver patrocinar o Palmeiras, e que se faz assim, se investe valores considerados altos para o mercado (o que determina se um valor investido é alto ou não é o retorno que ele dá) o faz porque tem uma grande compensação financeira, que justifica o investimento feito, que a relação com o clube é de parceria e não de favor.

Acho que está na hora, também, de ficarem mais espertos com a mídia e jogarem no time do parceiro, porque, se resolverem fazer o jogo da maioria dos parciais, despeitados e tendenciosos “jornaleiros”, se escolherem apenas estar “bombando em toda e qualquer notícia”,  estarão jogando no time dos clubes rivais ao clube onde investem o seu dinheiro, estarão jogando contra o seu próprio investimento.

E essa insistência em querer não reconhecer, de tentar diminuir o que fez o presidente anterior, em querer ter uma importância maior do que a que teve Paulo Nobre para o Palmeiras, é luta perdida. Paulo Nobre é palmeirense, de sangue e alma (era torcedor de arquibancada), sempre esteve envolvido com o clube, com a política do clube, e ajudou – até mesmo financeiramente – em outras gestões. Seguiu um longo caminho, não caiu de paraquedas na cadeira de presidente e fez um bem imenso ao Palmeiras – quem quiser fazer o mesmo, tem que esquecer os “atalhos” e seguir no caminho certo.

E, gostem dele ou não, Paulo Nobre foi o divisor de águas, merece reconhecimento, respeito e muita gratidão, foi um dos melhores presidentes palestrinos de todos os tempos (pra mim, foi o melhor), e já está na história da Sociedade Esportiva Palmeiras… pra sempre.

E quanto aos “jornalishtaish”… que continuem “verdes” de inveja… 😉

” A vida pode ser, de fato, escuridão se não houver vontade, mas a vontade é cega se não houver sabedoria, a sabedoria é vã se não houver trabalho e o trabalho é vazio se não houver amor.” – Khalil Gibran

Houve um tempo em que até um “Carlinhos Bala” se recusava a jogar no Palmeiras… um pai de um “Cristiano Ronaldo boliviano” qualquer, não queria que o filho – que ninguém sabe onde anda e o que faz – jogasse no Verdão… Houve um tempo em que não tínhamos bala na agulha e a maioria dos jogadores que contratávamos era de regular pra ruim… o time foi rebaixado, o clube faliu, não tinha receitas,  estava desmoralizado…

Então, veio  Paulo Nobre… Sonhando grande, mas com pés no chão, cheio de ideias, de objetivos – que ele traçou e seguiu com muita inteligência e determinação e, segundo dizem alguns, com uma boa dose de teimosia -, trazendo profissionalismo, transparência… com postura de presidente, discurso de presidente, com mentalidade nova e, sobretudo, com sabedoria, bastante coragem e muito amor ao Palmeiras…

Sofreu, penou… a coisa era pior do que parecia… e ele ajudou do jeito que podia e do jeito que o Palmeiras precisava naquele momento. Mas ele sabia que tinha que reforçar os alicerces primeiro. E, enquanto fazia o que ele – um muito bem sucedido homem de negócios – sabia ser necessário, enquanto colocava as finanças em ordem, criava novas receitas, mantinha os salários em dia, mesmo sem patrocínio (ele se recusava a aceitar qualquer valor que não fosse o que o Palmeiras merecia, e só apareciam empresas oferecendo merrecas), recebeu muitas pedradas… e quanta gente repetia: “Ainn, o Palmeiras não é banco para se preocupar em estar no azul”“Ainn, o Cu rintia compra mesmo sem ter dinheiro; o Flamengo tem uma dívida imensa e não deixa de contratar”… O tempo acabaria mostrando quem tinha razão…

O presidente errou também, claro – nenhum outro teria 100% de acertos -, lhe faltou flexibilidade muitas vezes, , foi cabeça dura em outras, faltou também alguma delicadeza (não só se desfez do meu ídolo, e ídolo de milhões de torcedores, como o fez de maneira injusta e meio cruel), talvez, no trato com algumas pessoas,  tenha lhe faltado alguma perspicácia também, mas, dentro do que traçara ao Palmeiras, dentro dos seus propósitos (ele me falou a respeito deles) de fazer o que fosse melhor ao clube, mesmo que o seu coração torcedor lhe doesse; dentro do objetivo  de reestruturar o Palmeiras para que, ganhar títulos, fosse uma condição natural e não um milagre esporádico, ele foi perfeito.

Mudou tudo lá dentro, cuidou de cada detalhe, não esqueceu nem mesmo de fazer com que os jogadores passassem a se apresentar nos programas esportivos devidamente trajados de Palmeiras. Blindou o time, dando segurança e tranquilidade para o Depto de Futebol trabalhar; emprestou milhões ao Palmeiras, sem nos cobrar as famigeradas taxas que costumam ser cobradas pelos bancos, e num momento em que os bancos nos esfolariam vivos se fizéssemos empréstimos (que levaríamos uma vida para pagar); comprou alguns jogadores com o seu próprio dinheiro e, quando foram vendidos, deixou o lucro ao Palmeiras; reclamou, publicamente, das tramoias do apito, saindo em defesa do Verdão;  nos deu um Centro de Excelência, maravilhoso, moderno, de presente… e mais do que tudo, comprou e venceu a “briga” com a WTorre, que pensava em se apropriar de nossas cadeiras no Allianz. Paulo Nobre literalmente ressuscitou o Palmeiras, o colocou de pé. Foi buscá-lo no fundo do poço e o colocou lá no alto. Nenhum outro fez tanto, e nenhum outro pegou o Palmeiras no estado em que PN o encontrou.

Hoje, tudo quanto é jogador fica louquinho para jogar no Palmeiras… hoje, os jogadores escolhem o Palmeiras… nós contratamos quem queremos, pagamos salários em dia, brigamos com o, monetariamente poderoso, mercado chinês… e ganhamos. Hoje tudo é alegria, é esperança, é acreditar em títulos com os quais antes nem podíamos sonhar.

Ainnn, mas o Palmeiras não é banco… Não é mesmo. É um clube muito bem administrado, com finanças muito bem cuidadas, que passou a ter novas e boas fontes de receita, que passou a ter dinheiro, credibilidade, sossego (ele tinha fechado todas as brechas por onde a rataiada fazia a festa). E foi por causa disso que o futebol do Palmeiras ressurgiu, a força do nosso time voltou, os bons jogadores, os títulos e o orgulho da torcida também voltaram.

Paulo Nobre, que nos deixou um maravilhoso legado, terminou o seu mandato em 2016, indicou o seu vice-presidente, Maurício Galiotte,  à sucessão, o ajudou a se eleger,  e Maurício, que tomou posse em 15 Dezembro, de 2016, comandará o clube no biênio 2017/2018.

A temporada 2017 está começando, já fizemos uma partida pelo Paulistão e obtivemos a nossa primeira vitória… O comandante é Eduardo Baptista, nosso time – se é que o Mattos (a melhor contratação de Paulo Nobre) não vai trazer mais ninguém – agora está montado. A contratação de Borja, há dois dias, parece ter fechado a conta. Para essa temporada, oito novos e muito bons jogadores se juntaram ao time campeão brasileiro de 2016:

Borja – Miguel Ángel Borja Hernández, colombiano, ex-Atlético Nacional-COL, 24 anos, atacante, campeão da Copa Sul-americana/2015, Super Liga da Colômbia/2015, Copa Libertadores da América/2016, Copa Colômbia/2016, eleito pelo El País como melhor jogador da América do Sul no ano passado.

Guerra – Alejandro Abraham Guerra Morales, venezuelano, ex-Atlético Nacional-COL, 31 anos, meia, campeão venezuelano 2003–04, 2005–06, 2006–07, 20080-09 e 2009–10, campeão da Copa Venezuela/2009,  Copa da Colômbia/2016, Copa Libertadores da América/2016; foi eleito o melhor jogador da competição e o terceiro melhor jogador da América do Sul(o segundo foi Gabriel Jesus).

Felipe Melo – Felipe Melo de Carvalhoex-Internazionale de Milão, 33 anos, joga como volante e zagueiro,  com títulos conquistados pelo Flamengo, Cruzeiro, Galatassaray (Turquia), Campeão da Copa das Confederações-2009 com a Seleção Brasileira, titular na Copa do Mundo 2010, eleito o melhor meio-campista do campeonato italiano de futebol de 2008-09.

Michel Bastos – Michel Fernandes Bastos, ex-São Paulo, 33 anos, atua como meia, ponta ou lateral-esquerdo, conquistou a Copa da França 2011/12 e Super Copa da França/2012, defendeu a seleção brasileira em 2009, foi titular na Copa do Mundo 2010, recebeu o Troféu de Prata no campeonato brasileiro 2005, como  lateral-esquerdo, foi o melhor volante da “Ligue1” (FRA)-2008/09, foi o melhor jogador do São Paulo no Campeonato Paulista de 2015.

Willian Bigode – Willian Gomes de Siqueiraex-Cruzeiro, 30 anos, atacante, foi Campeão Brasileiro 2011 e da Libertadores 2012, pelo Corinthians, Campeão Brasileiro 2013 e 2014 e Campeão Mineiro 2014 pelo Cruzeiro, recebeu o Troféu Mesa Redonda como Revelação do Brasileiro 2011.

Keno – Marcos da Silva França, ex-Santa Cruz, 27 anos, atacante, conquistou o Campeonato Baiano da Segunda Divisão com Botafogo da BA;  pelo Santa Cruz foi campeão da Copa Chico Science 2016, Copa do Nordeste 2016, campeão pernambucano 2016. Fez parte da seleção do Campeonato Pernambucano e da Copa do Nordeste, quando foi eleito a Revelação da Copa.

Raphael Veiga – Raphael Cavalcante Veiga, ex-Coritiba, 21 anos, meia, atua como profissional há apenas um ano.

Hyoran – Hyoran Cauê Dalmoro, ex-Chapecoense, 23 anos, meia, conquistou o Campeonato Catarinense-2016 e a Copa Sul-americana 2016.

O Palmeiras está pronto para a nova temporada. Tem mais do que um time excelente, tem um elenco excelente. Nosso time reserva é seguramente melhor do que qualquer outro time aqui no Brasil.

Se vamos ganhar os títulos que 2017 coloca em disputa, não podemos saber, essas coisas se resolvem em campo, mas, temos certeza, vamos brigar por eles… e com totais condições de conquistá-los.

PODE COMEÇAR, 2017! AGORA SIM ESTAMOS PRONTOS!

 

“A desilusão pode ser o despertar de um grande desejo de se dar conta da realidade.” – Sylvia Labrunetti

Paulo Nobre foi reeleito presidente da Sociedade Esportiva Palmeiras… e com uma grande vantagem para o candidato da oposição: 2421 x 1611 votos.

Espero, sinceramente, que Paulo Nobre não entenda isso como aprovação à sua administração, porque não tem um palmeirense nesse mundo que esteja feliz com ela, ou com parte dela (acho que nem ele mesmo). Espero que ele entenda que ganhou a eleição porque o outro candidato, e seu catado de “notáveis” e integrantes da chapa, eram impraticáveis, inimagináveis na administração do Palmeiras.

Além do próprio candidato da oposição, que teve o nome envolvido em algumas situações suspeitas, ocorridas dentro do Palmeiras, ele ainda tinha ao seu lado outras pessoas, que também tiveram seus nomes envolvidos em situações suspeitas, tinha o ex-jogador, que dizem ser torcedor do Flamengo, e tinha o ex-presidente, que torrou o dinheiro do clube, o afundou em dívidas, e que perdeu o brasileirão mais ganho de toda a história, em 2009. Não dava, né?

E, como agravante, ainda tem a história das cadeiras do Allianz Parque, que o grupo de oposição parecia estar doidinho para entregar de mão-beijada para a construtora – cansaram de defendê-la contra o Palmeiras -, mesmo sabendo quanto dinheiro o Palmeiras perderá com isso; tem o descaso com o sócio-torcedor, cujo programa, e me baseio nas declarações dadas, seria fatalmente implodido, graças às alianças e preferências, que o populismo, empregado na campanha oposicionista, teve que fazer.

Tivéssemos tido uma terceira e boa opção, certamente, essa terceira e boa opção teria ganhado, de lavada.

Em 2013, sabíamos que o Palmeiras tinha muitos problemas – menos que estava literalmente falido -, e apostamos em Paulo Nobre para resolvê-los – falo na primeira pessoa do plural, mas deixo claro que eu não voto. Precisávamos de um “craque”, que chutasse com as duas, ou seja, que resolvesse a situação financeira, caótica, e, ao mesmo tempo, resgatasse o futebol que se encontrava na segunda divisão, colocando o Palmeiras em busca de títulos novamente. Nosso candidato favorito não sabia, ou não soube, chutar com as duas.

Se, por um lado – o de sanear o rombo financeiro que havia no clube e trabalhar sem as receitas, recebidas e gastas pelo seu antecessor -, a administração Paulo Nobre foi exemplar, fazendo até mais do que o esperado e salvando o Palmeiras da falência; por outro – o lado do futebol (da metade de 2014 pra cá) -, ela foi decepcionante.

Quem imaginaria que, ao final de 2014, em pleno ano do nosso centenário, estaríamos brigando para não cair, e até a última rodada? Deus do céu! Que sofrimento… que dor no coração… que vergonha.  É um absurdo estarmos passando por isso de novo. O Palmeiras não merece.

E nos perguntamos: Como foi que a nossa diretoria deixou isso acontecer? Como foi que ninguém previu que as coisas caminhavam para isso? E se previram, como foi que não evitaram? A nossa decepção é gigantesca.

No entanto, sei que o presidente Paulo Nobre conduz o Palmeiras com honestidade, e sei que os muitos erros cometidos, foram com a intenção de acertar, mas sei também – todos nós sabemos – que mesmo com honestidade e boa intenção não dá mais para errar com o futebol do Palmeiras.

Uma nova chance é dada ao presidente Paulo Nobre, e eu desejo a ele o mesmo que desejaria para o outro candidato, caso ele tivesse vencido a eleição:

Desejo muita sorte e muito sucesso nesses dois anos que virão, presidente. Que você conduza o Palmeiras com muito amor e sabedoria, que saiba ser flexível, saiba ceder, quando isso for para o bem do Palmeiras… desejo que você se cerque de pessoas que amem e queiram o bem da SEP, de verdade, e que saiba identificar essas pessoas no meio de todas as que estarão à sua volta; que saiba identificar também as que apenas lhe bajulam com a intenção de tirar algum proveito, e que se afaste dessas pessoas.

Desejo que os que tanto falavam em união, em trabalhar em prol do Palmeiras, mostrem que o que pregavam era verdadeiro e não mote de campanha. 

Desejo que você tenha humildade para voltar atrás quando for preciso, e que saiba pedir ajuda quando necessário… Desejo que você deixe, sim, o seu coração de torcedor o orientar algumas vezes – ele é apaixonado, porém é sábio, e nem sempre será ruim ouvi-lo.

Desejo que você nunca aceite nada (jogador, técnico, patrocinador, maqueiro…) que seja menos do que o Palmeiras merece. E que você faça da nossa camisa um troféu, permitindo que ela seja vestida apenas por merecimento, por talento, por vontade de vencer, e não porque  foi o que deu pra trazer…

Desejo que você tenha por objetivo principal nessa nova etapa, fazer o Campeão do Século voltar a ser protagonista no futebol, voltar a ser gigante e conquistar títulos regularmente. E que você monte um time  como o Palmeiras merece, e não como a situação permitiria – o “pulo do gato” tem que ser esse: encontrar a maneira de montar um time competitivo, mesmo que, apesar de.

Desejo também que você se dê conta de que o Palmeiras é prejudicado pelas arbitragens, sim; é prejudicado, incessantemente, pelo STJD, sim; que tem inimigos na imprensa, sim; e que há má vontade com o Palmeiras, sim; que você se dê conta que as imagens dos prejuízos impostos pelas arbitragens ao nosso clube, desaparecem dos programas esportivos, cujos “microfones” nem as mencionam, desaparecem dos vídeos de melhores momentos, e que o mesmo não acontece com outras equipes; que as nossas notícias têm sempre um “senão” negativo, mesmo que seja para falar de uma grande vitória nossa; que o Palmeiras e os seus atletas não recebem – nem dentro e nem fora de campo -, o mesmo tratamento dado aos outros grandes clubes e seus jogadores.

E eu desejo que seja você “o cara” que defenderá o Palmeiras disso tudo. Que enfrentará todos os inimigos – sim, nós temos inimigos – e brigará contra tudo e contra todos, se e quando for preciso.

E que nesta semana, em que vivemos numa ansiedade imensa, com o coração na mão, você faça o possível, o impossível, e muito mais ainda, para salvar o Palmeiras do descenso. Que você faça tudo, mas tudo mesmo, que estiver ao seu alcance, até mesmo escalar o time, coisa que o nosso técnico não sabe fazer.

E te desejo mais, presidente Paulo Nobre, desejo que você tenha muita saúde, sabedoria, sensatez, malícia e jogo de cintura, porque a tarefa de conduzir um gigante não é fácil…

E por fim, desejo que haja muita Luz em seu caminho, que você seja muito bem sucedido e que Deus o abençoe.

“You always smile but in your eyes your sorrow shows, yes it shows…”

Eu não consegui chorar depois que o jogo acabou, chocada com a situação que vivemos agora, sem poder acreditar onde foi que nos colocaram outra vez, minhas lágrimas pareciam ter sumido. Um rasgo no coração já tão cansado de apanhar, coração, que estava morrendo de tristeza por causa do que fizeram ao Palmeiras. Acordei setecentas vezes durante à noite, pedindo a Deus para que meu cérebro “dormisse” um pouquinho e eu não fosse capaz de pensar, de entender, de lembrar…

Ao conversar com um amigo pela manhã, reencontrei as minhas tão amargas lágrimas desaparecidas… a dor no peito era/é imensa.

Estava na cara que o que não começou certo, ia terminar errado…

A montagem do time/preparação/planejamento – dê o nome que quiser – para o Brasileirão foi descuidada, desastrosa. Tínhamos montado um time bom para jogar a segundona, e passamos por ela sem sustos; depois, montamos um time legalzinho para o Paulistão e, por pouco, não chegamos à final. E aí, viria o Brasileiro… o campeonato mais importante do país.

Não sei se foi porque tinha sido fácil a montagem (sem dinheiro) do time de 2013,  se foi porque o time se saiu relativamente bem no paulista, mas o fato é que devem ter achado que seria fácil para o campeonato que tem a participação dos melhores clubes do país.

Precisávamos apenas de algumas peças para dar um “up” no time do Paulistão. Estávamos todos contentes esperando a melhoria no time, que não seria tão difícil assim. Mas vimos acontecer o contrário. Pra começar, perdemos um zagueiro titular, depois, perdemos o atacante – o melhor que havia no elenco -, e para o vizinho do lado. Eu sei que foi ele que se ofereceu ao clube vizinho, mas sei também que a nossa diretoria deu um vacilo tamanho gigante na condução da negociação com o jogador, que ainda tinha vínculo contratual com o Palmeiras. Um grande erro.

Pra piorar, nossos dirigentes, numa total falta de visão, venderam Valdivia, o nosso melhor jogador, o cérebro do time – eu sei que nenhum jogador é inegociável, mas como é que se vende o melhor jogador do time, sem que um substituto à altura tenha sido contratado? E aí a coisa desandou… sem ninguém com capacidade de substituí-lo na criação das jogadas, e com o nosso goleiro titular machucado, vimos a verdadeira cara do nosso futebol. De nada adiantou termos contratado Gareca, que era bom técnico, mas, devido às carências e ausências do elenco, não conseguia fazer o time vencer. E, com uma derrota atrás da outra, Gareca foi demitido, e Dorival Junior foi contratado (nunca achei nada em Dorival, mas já que veio, fazer o quê?).

Por sorte, Alá era palmeirense, a negociação do Mago não deu certo e ele voltou. Se não tivesse voltado, não estaríamos ainda fazendo contas, porque, certamente, nossas chances de fazer contas já teriam acabado faz tempo.

E o Palmeiras voltou a vencer algumas partidas, esboçou reação, voltou a jogar de igual pra igual com times que estavam bem na tabela, saiu da zona incômoda e ganhou uma gordurinha (e é capaz que essa gordurinha, que “tá no talo”, mais uma derrota do Vitória, acabem nos salvando). Mas isso foi até Dorival, que estava indo bem, começar a fazer bobagens… e o Palmeiras voltar a jogar nada e perder… quatro partidas seguidas… já são 19 derrotas no campeonato. Como assim, diretoria? Jogadores custo zero, que rendem zero, que utilidade têm? E um técnico mais barato, que não tem recursos e capacidade para, pelo menos tentar fazer algo diferente na hora que a água bate na bunda, serve pra quê?

O time travou, e só Dorival não viu… só ele não viu que alguns jogadores nada acrescentavam ao time, só ele não viu que deixava gente mais qualificada no banco, e continuou, tenebrosamente, a repetir escalações e substituições derrotadas – se dá tudo errado numa partida, como imaginar que as mesmas peças, nas mesmas posições, e as mesmas substituições, farão dar tudo certo na partida seguinte?

E o que vimos nas últimas quatro partidas foi um filme de horror. O Palmeiras sendo batido, colocado a nocaute, sem briga, sem luta, sem raça… e a gente olhando, querendo ajudar, mas sem poder fazer nada, sem poder acreditar.

Eu sempre achei que jogador que se sai bem numa partida ganha chance na próxima, e o que não se sai bem, perde o lugar. Acho que me enganei. Dorival prefere manter Mouche, Cristaldo, Allione e Washington, por exemplo, no banco, e insistir em Diogo, Juninho, Marcelo Oliveira, Felipe Menezes, Mazinho, Wesley (que nem foi tão mal assim no jogo passado)… Baseado em quê ele dá preferência a esses jogadores, até na hora da substituição, e deixa no banco os que deveriam ser titulares? E, na ausência do Mago, porque ele nunca tenta os outros meias que temos no elenco?

Depois de tanto sofrermos e gastarmos dinheiro à toa tentando encontrar laterais, “achamos” João Pedro e Victor Luís nas categorias de Base. E o que aconteceu? Victor Luís, tomando conta da lateral-esquerda, virou volante, para o fraco Juninho continuar jogando e o Washington, que é volante, ficar no banco. Não dá para entender e nem aceitar.

O time é ruim? É!! Mas, mesmo assim, daria para arrumar ele melhor, né Dorival?

Que desgraça! Como se não bastasse a vergonha e frustração da derrota na estreia do Allianz, por pura burrice do nosso técnico, que privilegiou jogadores que não andam rendendo nada, que mantém o time sem padrão de jogo, por falta de pensar dos nossos dirigentes (estreia da arena numa fase dessa?), nós ainda fomos queimar mais um cartucho diante do Coritiba, mais uma oportunidade de pontuarmos e ficarmos mais tranquilos na tabela.

E o pior, nem Sport e nem Coritiba jogaram muita bola, nós é que deixamos a desejar e não jogamos absolutamente nada! Entregamos os jogos sem luta, sem brio, sem sangue nos olhos, sem sangue nas veias. O Prass tem razão, “A gente toma o gol e depois se desorganiza. A gente está sem poder de reação. O time adversário não se sente agredido e fica com confiança para fazer o gol”. É bem assim, quando os adversários percebem que não levamos perigo algum, eles tratam de ir buscar o resultado. E o Dorival é o único que não percebe isso. E, pelo visto, não tem ninguém que o faça enxergar.

Ficamos ansiosos para ver um time modificado em Curitiba, mas, quando vimos a escalação… já ficamos “espertos”. E não deu outra, sem agredir o adversário, sem levar perigo algum, com Valdivia machucado, tentando jogar no sacrifício, com um monte de bobagens feitas por Dorival (desde quando Diogo é substituto para o Mago? Desde quando Cristaldo, Mouche e Allione são banco?) acabamos sendo derrotados e mergulhados num pesadelo.

E o que fazemos agora com esse “inverno” que se apoderou  do nosso coração? Quem é que vai colocar de volta o chão que havia debaixo dos nossos pés? Quem vai tirar essa angústia do nosso peito?

De quem vamos esperar as providências que farão com que o elenco e a comissão técnica reajam e saiam desse torpor? Para quem podemos pedir que não seja mais escalado o mesmo time que foi derrotado em 4 partidas seguidas? Quem é que vai enfiar na cabeça oca de Dorival que ele tem que mudar o que não está funcionando, que ele tem que ousar, inovar, meter três zagueiros no time, cazzo? Que Mouche e Cristaldo jogam mais que Diogo? Que Victor Luís é lateral? Que o Wesley não acerta um passe? Que Allione não pode entrar em campo só depois que a vaca foi pro brejo? Quem é que vai preservar Valdivia – caso ele não tenha 100% de condições para jogar contra o Inter – para o jogo decisivo no Allianz (jogo decisivo… Deus do céu!)? Quem é que vai gritar para esse elenco que ainda não acabou, e que temos chances sim, p$#@rra? Que se a torcida não desiste nunca, eles estão proibidos de desistir também? Que eles são homens e não meninos, e que não podem se acovardar e sair de campo sem ter lutado, sem ter suado até à última gota, sem ter honrado a camisa que vestem?

Quem é que vai vir nos dizer alguma coisa?

Não tenho as respostas para essas perguntas… mas espero que esse “alguém” seja você, presidente Paulo Nobre. E que você se importe e  se mexa enquanto há tempo, que você faça o time acreditar e cobre mudanças do técnico,  que você faça tudo o que estiver ao seu alcance (mala branca, mala verde…), e até o que não estiver, para salvar o Palmeiras.

Não merecemos esse sofrimento, e o Palmeiras não merece essa vergonha.

Mas, deixo claro, com sofrimento ou sem ele, com vergonha ou sem, não importa como, não vou desistir do Palmeiras! De jeito nenhum!

REAGE VERDÃO, E VAI BUSCAR ESSES PONTOS QUE FALTAM, A VANTAGEM É PEQUENA, MAS AINDA É NOSSA!

Segundo notícia publicada no site da Globo, a administração Paulo Nobre regularizou a situação do clube com a Receita Federal e está livre para conseguir patrocinador estatal.

Depois de uma longa batalha e uma grande reestruturação financeira, a diretoria do Palmeiras obteve na Receita Federal, na última quarta-feira (10), a Certidão Negativa de Débitos (CND). De posse dessa certidão, o Palmeiras poderá receber incentivos fiscais para desenvolvimento da categoria de base, dos esportes olímpicos e até conseguir patrocínio de empresas estatais. 

Paulo Nobre e os seus principais aliados trabalhavam desde o ano passado para regularizar a situação do clube e conseguir a CND. Ao assumir a presidência da SEP, em janeiro de 2013, Paulo Nobre herdou das gestões anteriores um processo de 17 páginas de pendências fiscais – o clube não repassou à Receita cerca de R$ 37 milhões em impostos.

http://globoesporte.globo.com/futebol/times/palmeiras/noticia/2014/09/por-incentivos-fiscais-palmeiras-obtem-certidao-negativa-de-debitos.html

……………………………………………………………………………………………………


Realmente, as gestões anteriores deixaram o Palmeiras numa péssima situação. A última, o deixou falido, de cofres vazios, cheio de dívidas para pagar e sem nada pra receber. Ainda bem que a administração atual, a duras penas, vai consertando as coisas, e essa é uma boa notícia.

Nós, torcedores, costumamos achar que isso não é prioridade, que tem que vir depois do futebol, mas não é bem assim não. Reestruturar as finanças do clube, regularizar a sua situação com a Receita Federal, possibilitando a entrada de novas receitas, é muito importante. Afinal, tudo isso acaba, para o bem ou para o mal, refletindo no futebol. E se queremos um Palmeiras bem sucedido em campo, vamos ter de fazê-lo bem sucedido e saudável nas finanças também. São assuntos de um mesmo universo, uma vez que o sucesso do time em campo está intrinsecamente ligado à possibilidade de se ter “bala na agulha” para contratar bons – e caros – jogadores.

Além disso,  sabemos muito bem que para o Palmeiras tem que ser tudo certinho, que ele não tem as mesmas regalias, a mesma tolerância que outros clubes recebem (tá aí o Petros pegando só três jogos de gancho por agressão, que não me deixa mentir – Valdivia pegou dois, por sorrir, ao tomar um desejado terceiro cartão amarelo). Não somos lunáticos quando dizemos isso, e agora temos mais uma prova, numa outra esfera.

Afinal, se o Palmeiras precisava regularizar a sua situação com a Receita para a obtenção da CND, COMO É QUE TIMES COMO VASCO, CORINTHIANS E FLAMENGO, QUE DEVEM UMA FORTUNA EM IMPOSTOS, CONSEGUIRAM A TAL CERTIDÃO NEGATIVA DE DÉBITO PARA TER PATROCÍNIO ESTATAL, não é mesmo?

Pra se pensar…

“Se alguém disser pra você não cantar
Deixar teu sonho ali pr’uma outra hora…

… Se alguém disser pra você não dançar
E que nessa festa você tá de fora…

Não acredite, grite, sem demora…

Eu quero ser feliz agora!”  –  Oswaldo Montenegro

Por mais que nós soubéssemos que o Palmeiras precisava começar a ser reconstruído em seus alicerces – sei que essa é a lógica -, por mais que tenhamos conhecimento de que nos próximos dois anos, seja quem for o presidente, ele vai encontrar a instituição muito mais saudável, sem as sangrias de dinheiro palestrino que havia por todos os lados (dependendo de quem assumir, o clube vai sangrar tudo outra vez), sem  a falência, constatada em Abril de 2013; por mais que tivéssemos tido/tenhamos paciência, não dá para ficarmos inertes diante do que estamos vendo, não dá para não ouvirmos o nosso coração que quer apenas ser feliz…

As sirenes de alerta do futebol do Palmeiras estão “berrando”… A venda de Valdivia, o único craque diferenciado que tínhamos pra “pegar pelo rabo”, expôs a ferida da qual tanto nos horrorizamos agora. Era ele a “usina geradora de qualidade” que alimentava de bom futebol diversos setores do time.

Eu sei que vender e comprar jogadores é rotina de todos os clubes, mas sei também que um bom planejamento prevê que um craque nunca irá embora antes do seu substituto chegar. Todo mundo está vendo a ruindade que o time do Palmeiras ficou sem ele – e justo quando temos um bom técnico. E onde está o substituto de Valdivia? Onde está o novo camisa 10 diferenciado? E como podem os nossos dirigentes acreditar que o time sobreviverá sem ter alguém para criar as jogadas? E como podem não se incomodar que o time do Palmeiras não sobreviva – é essa a impressão que tenho – e despenque na tabela por causa disso, em pleno centenário do clube?

NÃO! MIL VEZES, NÃO! EM TEMPO ALGUM, AINDA MAIS EM NOSSO CENTENÁRIO!

Diante do Bahia, do fraco Bahia, que serviu de sparring pra todo mundo, nosso time só foi capaz de empatar. O primeiro tempo foi de doer. O time corria, tentava buscar, mas o nível técnico era sofrível. Do lado do Bahia, era pior. E o time baiano ficava inteirinho no campo de defesa, e fazia cera de montão.

O Palmeiras teve muito mais posse de bola na partida, o que foi uma inutilidade, já que eram poucos os que a punham no chão para tentar construir uma boa jogada. Ciscava, ciscava, e nada! Tinha posse, mas não tinha ‘munição’ para os ‘atiradores’ lá da frente. E, para alguns, fica tão mais fácil culpar os ‘atiradores’; para outros, fica fácil culpar o técnico…

Não acho que falta vontade aos jogadores como dizem alguns, nem que tenha jogador querendo sabotar o técnico como fantasiam outros. O que acontece é que falta qualidade no time, e, em várias situações de jogo, não se sabe como chegar ao gol adversário, por mais que se tente, por mais que Gareca procure acertar o time. Aquele malfadado “último passe” não acontece como deveria, e aí a finalização sai pior ainda. E isso é quase matemático, né? Sem uma boa assistência = ataque zerado, exceção feita apenas para jogadas individuais e cheias de talento, e algumas outras, de pura sorte. E estamos numa falta tremenda dessas jogadas…

A carência no setor é tanta, que estávamos todos lamentando a ausência do garoto Allione, recém contratado, e que tinha feito até então apenas uma partida – está na cara que a pressão e a cobrança em cima dele, acabarão sendo muito maiores do que deveriam ser. Ele terá que dar certo pra ontem, tadinho, e não deveria ser desse jeito, não é mesmo?

Ainda assim, precisamos de um 10, e dificilmente um substituto à altura do Mago poderá ser comprado pelo dinheiro que se conseguiu com a sua venda; precisamos de um lateral direito também, ainda que Weldinho se saia melhor do que Wendel; precisamos de mais um atacante, bom – vem chegando  Willian José, que estava emprestado ao Barcelona B  (será que é o irmão do Louro José?) Que seja uma grata surpresa, assim como aconteceu quando chegou Kardec, que estava encostado lá no Benfica… Não temos muito tempo para apostas, precisamos de gente pra chegar e resolver.

Mas, no Pacaembu, no nosso compromisso diante do Bahia, quando encarávamos os nossos problemas, a única bola redonda que chegou no ataque foi um cruzamento de Victor Luís (está se saindo bem o garoto), na medida, que Henrique guardou de cabeça aos 15′ do segundo tempo. Nas outras oportunidades criadas, no jogo todo, como a bola não chegava redondinha, era preciso que nossos atacantes tivessem boas doses de criatividade e talento para finalizar com acerto, e, por isso mesmo, nada acontecia.

Era triste ver o nosso futebol tão magrinho… Era doloroso ver o Palmeiras, às vésperas de seu aniversário de 100 anos, não conseguir se impor diante de um time da zona de rebaixamento. O Bahia, tão mixuruca, quando viu que o dono da casa não assustava, tratou ele de tentar. Ficamos tão felizes e aliviados com o gol de Henrique, mas não conseguimos nem comemorar direito, porque o Bahia logo empatou – muita gente não conseguiu ver o gol adversário, por estar, contrariadamente, embaixo de uma bandeira de torcida. Se, por acaso, tivesse sido um gol do Palmeiras, não teríamos visto também.

E se o Bahia já fazia cera antes do seu gol, imagine depois dele… E o Palmeiras sem cacife para detonar um adversário desse naipe. Pobre Palmeiras…

O juiz deu 4 minutos de acréscimo, mas podia ter dado 40… muito provavelmente o placar continuaria inalterado.

Olhávamos um pra cara do outro e nem sabíamos o que dizer, nem sabíamos o que pensar… o coração estragado por vermos o nosso amor tão enfraquecido dentro de campo.

A poucos dias de uma data que deveria ser memorável, pela qual tanto ansiamos, estamos nós aqui, esperando a entrega do Allianz Parque (que não fica pronto nunca, porque tem gente esquecendo que ele É do Palmeiras), com a tabela de classificação na mão, fazendo contas, e rezando para não entrarmos na zona de rebaixamento. Quem diria?

Que “presentão” de aniversário para aqueles que carregam o Palmeiras nas costas… e para a história do Palmeiras principalmente… Faz tempo que estamos só no #AmorModeOn da torcida.

Eu  me recuso a acreditar que Paulo Nobre e os responsáveis pelo Departamento de Futebol não estão vendo o perigo rondando… que o Departamento de Marketing não esteja sendo capaz de gerar receita para que seguremos alguns jogadores e compremos outros;  não consigo nem conceber a ideia de que o coração dos palmeirenses administradores não esteja doendo como dói o nosso… que eles não se sintam miseravelmente tristes e amargurados, como nos sentimos agora…

Não posso admitir que o futebol, a razão do Palmeiras existir, seja deixado de lado dessa maneira, assim como estão sendo deixados de lado os seus torcedores. Não posso esquecer que tínhamos um time bem melhor no ano passado, e no começo deste ano também… não vou subestimar a capacidade dos dirigentes, achando que só nós, torcedores, sabíamos que quebrar a espinha do time, perdendo Kardec, vendendo o Mago, e sem contratar à altura, ia nos deixar mancos, sem condições de caminhar…

Não quero só ter que entender – e olha que sou boa nisso -, não quero só ter que esperar, que aceitar, que ser racional… Quero poder enlouquecer de alegria, quero perder a razão… É aniversário do Palmeiras, e eu quero ser feliz com ele, agora!

E se não puderem, se não vão me fazer feliz, por favor, só não me façam infeliz… de novo.

Eu não queria escrever sobre esse assunto baseada nas incontáveis especulações que o cercam. Queria ter informações mais concretas, saber detalhes, mas parece que, por enquanto, isso não será possível.

A bomba da vez (palmeirenses sempre convivem com “bombas”) é a saída de Kardec… para o outro lado do muro! Tão de repente, tão sem termos o que fazer. E o torcedor se pergunta: Como assim? Perdemos Kardec? E para o time useiro e vezeiro em sacanear o Palmeiras? (Quem mandou o Palmeiras ajudar o São Paulo a se salvar da falência na década de 30, né? Arrumou um “encosto” do tamanho do mundo)

A partir dessa cacetada (com requintes de crueldade), o caos palestrino se instaurou, e não era pra menos. A imprensinha fez a festa e tocou o terror nos palmeirenses, os ressentidos pelas regalias e cargos perdidos encontraram a “arma” com a qual sonhavam, os torcedores ficaram decepcionados e transtornados.

Eu também fiquei. Até entendo quando dizem que talvez os títulos não venham agora, MAS NÃO QUERO QUE ME TIREM A P%@RRA DO DIREITO DE SONHAR COM ELES! E se vamos perder bons jogadores do time, não vamos poder sonhar com títulos, não é mesmo?  Sabemos que o amor ao clube não tem data de validade, no entanto, o que move um torcedor, o que alimenta e sustenta esse amor, não são os títulos, e sim a possibilidade de acreditar neles a cada novo campeonato…

E foi uma chuva de informações…

“O pai, ou o empresário, do Kardec já assinou com o São Paulo” (como assim já assinou – sim, assinou/acertou -, se o jogador tem um contrato com o Palmeiras até o último dia de Junho?).

“O SP ofereceu salários maiores ao atleta” (verdade, mas, se ofereceu salários maiores, então sentaram com o jogador, ou seu agente, pra conversar sobre o assunto, enquanto ele ainda é jogador do Palmeiras, e enquanto negociava com o Palmeiras. Isso é aliciar jogador, não é?)

– “Brunoro e Omar já tinham acertado tudo com o atleta, o ok havia sido dado, mas a besteira de querer reduzir ainda mais o salário foi feita pelo presidente Paulo Nobre” (como assim presidente? Que mancada foi essa, que nos fez perder nosso melhor atacante?)

– “O São Paulo teria oferecido mais ao Benfica, clube que detém os direitos do jogador” (Mas o Palmeiras, clube para o qual o valor do jogador era de 4 milhões de euros, não tinha um prazo até 30 de Maio para concluir a negociação? E, durante esse prazo, o valor para qualquer outro clube não era de 6 milhões de euros? E se ainda está no prazo/prioridade de compra dado ao Palmeiras, como um outro clube pode atravessar a negociação oferecendo menos do que os tais 6 milhões?)

“O Palmeiras cobriu a oferta do clube oculto junto ao Benfica” (quem age sem ética, com sordidez, sempre se mantém oculto. E se ele cobriu a oferta e o jogador vai mudar de clube, então ele está pulando o muro porque lá o salário vai ser maior, porque as comissões foram maiores?)

– “Paulo Nobre quer contratar o jogador mas o COF não permite” (por que o presidente não manda o COF, e seu ‘proprietário’, pra ponte que caiu? Mas, segundo fui informada depois, o COF nada teve a ver com isso.)

O impasse no acerto, que facilitou o aparecimento do clube oculto, ficou por conta de uma diferença de 20 mil reais no salário” (bobagem, inventada sabe-se lá por quem. Basta a gente pensar… não dá para acreditar que o Palmeiras, e o jogador também, preferindo até mudar de clube, tenham sido tão inflexíveis por causa de 20 mil reais)

“O atleta não vai jogar mais para não cumprir as sete partidas que o impedirão de jogar o campeonato brasileiro por um outro clube” (mas, se ele tem um contrato com o Palmeiras até final de junho, ele não teria que honrar esse contrato e jogar pelo Palmeiras até o encerramento dele? Ou vai ter gastrite até lá?)

“O atleta, através de seu agente, na hora de renovar/acertar contrato  “encostou a faca” no pescoço do Palmeiras. Seu agente (pai) promoveu um leilão do jogador. (acompanhamos o leilão, mas mal sabíamos que o acerto com o clube do subterrâneo já havia sido feito)

“O Palmeiras tentou de tudo, inclusive cobriu o valor dos salários, mas o atleta se recusou a ficar no clube. (como o pai/agente do atleta já estava acertado com o outro time, recusou qualquer oferta posterior do Palmeiras)

O que pensarmos de tudo isso?

Acho que qualquer diretoria, qualquer uma, comete erros e acertos, e isso é fato  (Vagner Love, vendido para a Rússia por uma ninharia; Luxa e Muricy demitidos, e o Palmeiras tendo que pagar multas absurdas; gastos excessivos, ou gastos insuficientes; Valdivia e Henrique, negociados na metade de um campeonato que tínhamos totais condições de conquistar; dois rebaixamentos; presidente na praia depois de um descenso; presidente comprando picanha, enquanto o time era rebaixado; vaga na disputa de um mundial da Fifa, trocada – “vendida?” – por algo que nunca aconteceu; contrato do Thiago Neves, do Martinuccio; o “caso Rogério”, “caso David Braz”; aumentos de salários oferecidos e não pagos; Wesley comprado por 21 milhões, e o calote no clube que o vendeu… a nossa lista é longa)…

Mas, perder o artilheiro do time, num país com uma baita escassez de jogadores eficientes nessa posição, no início do campeonato brasileiro, do ano do nosso centenário, e para o inimigo mais sórdido, é para f…. com 20 milhões de torcedores, presidente! Como assim? Por melhores que fossem as suas intenções na tal negociação, e eu acredito que você tem boas intenções, que você é uma pessoa de bem, como você levou essa bola nas costas? Como não percebeu que qualquer time estaria cobiçando o artilheiro do Paulistão, cogitado para a seleção brasileira, e que haveria quem jogaria sujo para levá-lo? Jogadores importantes para o time precisam ser valorizados, senão, aparece quem os valorize.

E como vamos fazer agora? Ficou provado na última partida, que sem um atacante mais categorizado a coisa fica difícil. Não vamos mais poder nem sonhar nesse ano, tão especial pra nós? Por mais que você esteja consciente do caminho que deve seguir, caminho que você traçou, há que se ter alguma flexibilidade de vez em quando, há que se permitir um ou dois passos fora da trilha, se esses passos forem ajudar a chegar ao objetivo. Nem sempre se pode esticar tanto a corda…

E essa acertou o nosso fígado, viu? Não porque ele seja o mais maravilhoso dos atacantes, mas porque ele estava acertadinho no nosso time, porque vai fazer falta, e porque gostávamos um bocado dele. E, de uma hora pra outra, permitiram (ele também) que Kardec virasse “inimigo”…

Mas, se estamos muito contrariados com a maneira com a qual imaginamos que o Palmeiras conduziu essa negociação, se ficamos putos da vida com esse desfecho, não podemos fechar os olhos para o outro lado da moeda…

Kardec sempre foi um jogador mediano, e nunca foi uma “Brastemp”, nunca teve status de estrela, mas se encaixou no Palmeiras, e caiu como uma luva lá na frente do nosso ataque (e nem sempre o sucesso num clube se repete em outro, né Barcos?).

E foi o Palmeiras que o tirou do ostracismo em que ele vivia lá no Benfica (se o Benfica o colocou à venda é porque ele não deu certo lá), que o ‘ressuscitou’, fazendo com que ele ganhasse uma exposição que nunca teve antes. E foi no Palmeiras que a torcida o elevou à condição de um grande jogador. Foi vestindo a camisa do Palmeiras que ele se tornou o melhor atacante do Paulistão (graças à sua performance e competência, eu sei, mas também, graças  às performances dos companheiros de time,  que lhe deram passes e cruzamentos perfeitos, que resultaram em gols), foi à frente do ataque do Verdão que Kardec foi cogitado para a seleção.

Depois de Valdivia, era o meu jogador favorito: o “Lã Kardec, lindo”. E o “Lã Kardec lindo” tem todo o direito de escolher o clube onde quer jogar; tem todo o direito de se aborrecer com a maneira que, imaginamos, o Palmeiras teria conduzido a negociação; tem todo o direito de querer o maior salário, de crescer os olhos para valores que ele não vira até agora em toda a sua carreira… essas coisas fazem parte do futebol e da profissão.

Mas ele não tem o direito de inventar uma gastrite para se recusar a cumprir o contrato que ainda tem com o Palmeiras (Kleber – O retorno). Não tinha o direito de fechar com o outro clube (o seu pai ou seu empresário o fez) quando ainda negociava com o Palmeiras. Isso, na minha opinião, é de uma ‘filhadaputice’ sem tamanho! Tão grande quanto deixar um clube para jogar no seu maior inimigo. E isso, Alan Kardec, do jeito que eu o imaginava, por mais aborrecido que estivesse com os dirigentes, não podia fazer com o clube que jogou todos os holofotes nele, nem com a torcida que tão bem o tratou.

E como gosto de analisar as situações, não pude deixar de reparar numa notícia de hoje (27/04) e analisá-la com as muitas informações que pipocaram nos últimos dias. Os parênteses são meus.

Enquanto a nossa “desavisada” diretoria não percebia o que ia acontecer…

Primeiro, o presidente bambi anuncia o Kardec, a imprensa toda diz que ele acertou com o SP. que os bambis ofereceram um salário “X”, maior do que o que o salário “Y” que o Palmeiras  teria oferecido (então, o SPFW conversou com o jogador, mesmo que seja atráves do pai dele, sobre salários, né? E os valores foram colocados na mesa).

Depois, sai na Folha:

O presidente do São Paulo, Carlos Miguel Aidar, disse hoje que a negociação com o atacante palmeirense Alan Kardec será definida nesta semana (se não definiu ainda, como é que o Kardec comunicou ao Palmeiras que não vai ficar no clube?).

Em entrevista ao SporTV em Uberlândia, onde o time paulista enfrenta o Cruzeiro pelo Brasileiro, Aidar chegou até a se contradizer. Primeiro ele disse que os representantes do atleta disseram ao São Paulo que ele não pretende continuar no Palmeiras (se ele não tivesse a proposta  e o acerto com o SPFW, ele não seria bobo de comunicar ao Palmeiras que não iria ficar, NÉ???).

Depois, Aidar, disse que ainda não acertou salário porque não conversou com Kardec e seu estafe (E O KARDEC DEIXA O PALMEIRAS, POR NÃO ACEITAR O SALÁRIO OFERECIDO,  E QUER IR PARA OS BAMBIS SEM SABER QUANTO VAI GANHAR LÁ??? Ah, tá… e eu sou a Angelina Jolie.)

“Até quarta-feira o Palmeiras tem prioridade para fazer um pagamento ao Benfica [clube que tem os direitos econômicos do atacante]. O que ouvimos é que precisa ter o acerto com o jogador e ele [Kardec] não quer ficar lá”, disse Aidar.

O Palmeiras acertou com o Benfica que pagaria 4 milhões de euros para ficar com o atleta, mas ofereceu a Kardec um salário inferior ao pretendido pelo jogador. O São Paulo esta disposto a pagar ao clube português 4,5 milhões de euros e um salário superior do que o oferecido pelo rival ao atacante (ENTÃO, O KARDEC SABE O VALOR DO SALÁRIO QUE O SPFW QUER PAGAR, NÉ? ELE E OS DIRIGENTES DOS BAMBIS ACERTARAM VALORES… ENQUANTO ELE AINDA É JOGADOR DO PALMEIRAS. O time do São Paulo fez a oferta ao clube português e ao atleta enquanto ele negociava com o Palmeiras, clube com o qual ainda tem contrato).

Difícil não acharmos que os leonores, que costumam agir nos subterrâneos, vendo que havia um impasse nas negociações palestrinas com Kardec, aproveitaram para aliciar o jogador do Palmeiras e, agora, essas notícias, de que não há nada acertado, são divulgadas pela imprensa – que se faz de desinformada -, com o intuito desse clube trapaceiro se esquivar da responsabilidade com que conduziu o negócio em conluio com o empresário do jogador.

É bastante provável (e bota bastante nisso) que as pessoas que cuidam da carreira do atleta já tinham se acertado com o outro time, quando o pai dele começou a fazer ameaças de ouvir propostas de outros clubes (não nascemos ontem, né?)… e tá na cara que a nossa diretoria comeu uma bola imensa (na melhor das hipóteses, foi ingênua ao não imaginar que tão alardeado impasse não fosse criar a brecha para os nossos velhos e conhecidos trapaceiros  da farsa do gás, da pilha, do estádio que quiseram nos tomar um dia…)

Não esperava essa burrada master da nossa diretoria, mas também não esperava esse “profissionalismo” do Kardec… Ao se utilizar da desculpa de uma “gastrite agravada” para não honrar o contrato que ainda tem com o Palmeiras, fez papel de moleque (O Palmeiras que o obrigue a cumprir  o restante do contrato. Se ele refugar, vamos saber um pouco mais sobre ele).

Eu não digo que não há amizade entre os clubes? Amizade entre clubes é só “bom dia”, “boa tarde”, “boa noite” e “ô, essa ‘carteira’ aí é minha”…

Tomara que a lição seja aprendida rapidamente, e mais rapidamente ainda seja feita a reposição do jogador.

É o mínimo que pode ser feito.

 

 

 

TVPalmeiras

A Press publicou, é verdade, mas os grandes portais sobre futebol não jogaram nem uma luzinha sobre o assunto, e não te contaram que o Head do Youtube na América Latina, John Farrell, se encontrou com o Presidente do Palmeiras, Paulo Nobre, na Academia de Futebol, na semana passada, para parabenizá-lo pessoalmente pelo crescimento “impressionante” – foi o que ele disse -, da TV Palmeiras no site.

Não é brincadeira, parmerada, em menos de três meses de existência, a TV Palmeiras é a primeira do Brasil e a 6ª do mundo. Desbancou todos os clubes brasileiros e também alguns grandes clubes do mundo.

Não foi a toa que o chefão do Youtube declarou: “O Youtube ama o Brasil e ama o Palmeiras. Nos dois últimos meses, o Palmeiras teve um crescimento incrível na nossa plataforma… Porque eu acho que o Palmeiras tem os torcedores mais engajados não só do Brasil, mas de todo o mundo. Estamos aqui para parabenizar e agradecer pelo crescimento dos negócios no Youtube… Eu acho que o primeiro motivo para o sucesso é uma base de torcedores apaixonados. Eu ouvi que não existe torcedor como o do Palmeiras na hora de falar de amor pelo time.”

Nossa torcida, que dizem estar encolhendo, é fantástica, não é mesmo? E até os gringos reconhecem isso, menos a imprensa esportiva no Brasil, menos a Globo, quando vai calcular as cotas que cabem aos clubes.

Pra você ter uma ideia, à frente do Palmeiras estão apenas Barcelona, Real Madrid, Chelsea, Juventus e Manchester City.

E vamos continuar aumentando o número de inscritos, parmerada! Faltam apenas 7 mil para atingirmos a marca de 250 mil inscrições. Não demora muito, vamos ultrapassar mais um.

Vai lá no site, é só clicar… YouTube.com/Palmeiras 

 

Palmeiras-gambás-promovem-paz

Depois dos últimos acontecimentos, quando torcedores do Corinthians invadiram o CT alvinegro, ameaçaram jogadores,  agrediram o jogador Guerrero e uma funcionária do clube, roubaram celulares e danificaram carros de alguns atletas, no estacionamento, Palmeiras e Corinthians, numa iniciativa inédita, se juntaram para uma entrevista coletiva nesta sexta-feira, no Salão Nobre do Pacaembu, visando promover a paz às vésperas do dérbi, que será realizado no estádio municipal, neste domingo, pelo Paulistão.

Mário Gobbi e Paulo Nobre, presidentes de Corinthians e Palmeiras, trocaram elogios :

Estamos aqui reunidos com a única mensagem de dizer que Palmeiras e Corinthians são apenas, e nada mais do que apenas, adversários durante 90 minutos da partida. Atitudes como a de hoje contribuem com certeza para a diminuição da violência – disse Mário Gobbi, elogiando, na sequência, Paulo Nobre como “uma das boas novidades do meio do futebol, com ideias novas”.

Somos amigos, adversários, mas não inimigos. Em campo, vou fazer de tudo para ver meu time ganhar. Depois, nada impede que eu saia com o Mário Gobbi para comermos uma pizza – emendou Paulo Nobre.

Odiar o torcedor adversário é insano – completou.

Muito legal tudo isso, e os clubes deveriam se unir para combater a violência de parte das suas torcidas. Ser torcedor não é isso. É apoiar e jogar com o seu time, nos bons e, principalmente, nos maus momentos.

Acontece que o presidente corintiano, que por acaso também é delegado (licenciado) de polícia, não parece estar (não pode??) muito (nada) interessado na punição de seus torcedores organizados (isso sim contribuiria para a diminuição da violência), pelos atos de violência, terrorismo e desordem:

Palmeiras-gambás-promovem-paz1

O presidente do rival do Palmeiras,  esteve no Decradi (Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância de São Paulo, que investiga a invasão), viu fotos de suspeitos e disse não ter identificado nenhum dos invasores do CT (em outra oportunidade ele afirmou que não houve invasão!?! Foi invasão ou não foi?), negou também que o clube dê benefícios para as organizadas (vamos fingir que acreditamos…).

– Dentro das organizadas tem muita gente boa, que vai torcer e não tem nada a ver com meia dúzia que não sabe se comportar (meia dúzia que, mesmo com a PM no CT, não foi presa e nem ao menos colocada pra fora, para preservar a segurança e a integridade de atletas e funcionários do clube). Eles fazem uma festa muito bonita. E continuamos abertos ao diálogo.  Não cabe ao Corinthians finalizar isso (Cuma, seu delegado licenciado? O interesse maior não é do seu clube? As iniciativas não devem partir dele?). O limite é o diálogo. Eles têm a gestão deles, nós não nos metemos lá, assim como eles não têm que interferir nos atos de gestão do clube (não interferem, mas o Pato foi vazado rapidinho, né?).

Palmeiras-gambás-promovem-paz2

O ex-presidente do Corinthians, Andrés Sanchez (aquele mesmo que era o braço direito do Kia, que usava o Corinthians para lavar dinheiro de crimes da máfia russa; aquele que, quando estava na CBF, declarou que queria que o Palmeiras caísse para a segunda divisão – ‘coincidentemente’ o time foi prejudicado inúmeras vezes pelas arbitragens e rebaixado naquele mesmo ano), aparentemente ironizou a coletiva dos dirigentes de Palmeiras e Corinthians. Em seu perfil no Twitter, o ex-dirigente (seria o Gobbi o “Haddad” deles?) riu da declaração de Paulo Nobre, mandatário do Palmeiras, que sugeriu uma pizza com Mário Gobbi, atual presidente alvinegro, após o clássico do próximo domingo.

Tweet-cara-de-areia

Abre o olho, presidente Paulo Nobre! Essas cobras não tem a mesma índole, boa vontade e seriedade que você. Você quer mesmo combater a violência, mas o outro lado está fazendo teatrinho. Como diz um amigo meu, “boa vontade, harmonia e cordialidade não podem existir somente de um lado ou quando alguém está fragilizado” (eles ficam bonzinhos apenas quando estão por baixo). Essa boa-vontade entre  rivais não pode caminhar numa via de mão única.

Conceitos como esses devem prevalecer sempre e não apenas para atender interesses de uma única parte, quando é conveniente apenas para a parte “mais esperta” (o adjetivo, na verdade, não seria “esperta”). As declarações do ex-presidente gambá (ex??), nas redes sociais, mostram a verdadeira face do outro lado”, o sentimento de “amizade” que impera por lá.

Os palmeirenses não esquecem a total falta de cordialidade em 2011, na disputa das semifinais do Paulistão, com árbitro escolhido para o jogo, cujo nome já tinha sido divulgado antes mesmo do sorteio (baita mutreta) e que depois operou o Palmeiras em campo, expulsou nosso técnico e o jogador Danilo, conduzindo a partida para a disputa de pênaltis.

Não houve cordialidade também, e nem respeito ao Palmeiras, em 2012, ano em que fomos derrubados para a série B, ou nas vezes em que o Palmeiras enfrentou vários problemas com parte da nossa torcida. O Palmeiras, seus atletas e torcedores, em muitas situações, eram alvos de ironia e escárnio, por parte da imprensa gambá, dos diretores corintianos e até mesmo de alguns jogadores alvinegros, quando a fase lhes era favorável, ao contrário do que acontece agora. Em nenhum momento, nem mesmo quando Fernando Prass teve a cabeça rachada por um copo, atirado por torcedores, no aeroporto da Argentina, se articulou uma greve ou qualquer tipo de movimento para defender a integridade dos profissionais palmeirenses, para defender o Palmeiras. Não houve um ato sequer de solidariedade. Nem mesmo quando, depois desse lamentável episódio, o presidente Paulo Nobre rompeu com as organizadas e solicitou o apoio e trabalho conjunto dos demais clubes para se combater a violência desses torcedores.

Agora, quando estão sendo picados pelas cobras que criaram, e que fazem questão de continuar criando (vide a declaração do Gobbi), quando eles estão mergulhados até o pescoço em problemas criados por eles mesmos, quando se negam a tomar medidas fortes, e necessárias, para resolver esses problemas, eles querem que se faça greve? E são simpáticos a participarem de ações de amizade?

Ah, presidente Paulo Nobre, eu não acredito nesses caras, não! E acho que você também não deveria acreditar… Não sei se você conhece a fábula do escorpião e do sapo, mas vou te contar:

Um certo dia, um escorpião aproximou-se de um sapo que estava à beira do rio. Como não sabia nadar, e se afogaria caso tentasse chegar ao outro lado, pediu uma carona ao sapo para chegar à outra margem. Desconfiado, o sapo respondeu: “Ora, escorpião, só se eu fosse tolo demais! Você é traiçoeiro, vai me picar, me envenenar e eu vou morrer.”

Mas o escorpião insistiu, com o argumento lógico de que se picasse o sapo ambos morreriam: “Imagina se eu faria uma coisa dessas com você, sapo! Só se eu fosse burro. Se eu te picar e você morrer, morro também. Estamos juntos nisso”. Com promessas de que poderia ficar tranquilo, o sapo, que por ser correto, imaginava que o escorpião também o seria, concordou,  Acomodou o escorpião em suas costas e começou a nadar.

E o escorpião se comportava maravilhosamente bem. Só que, ao final da travessia, quando já tinha conseguido o seu objetivo de atravessar o rio e os dois se aproximavam da margem, o escorpião cravou o seu ferrão mortal no sapo e saltou ileso em terra firme.

Atingido pelo veneno mortal e já começando a afundar, o sapo desesperado quis saber o porquê de tamanha crueldade, porquê  o escorpião tinha a necessidade de matá-lo. E o escorpião respondeu friamente:

– Porque essa é a minha natureza!

E é assim que a coisa funciona. Eles são do jeito que são e se valem de qualquer expediente, principalmente, dos árbitros “sorteados”, para levarem vantagem – conhecemos isso tão bem.

Respeito e esportividade fazem parte da maneira como o Palmeiras tem se conduzido ao longo desses cem anos de existência, mas, presidente Paulo Nobre, todo cuidado é pouco para que não façamos o papel do sapo da fábula, né?

O jogo de amanhã vai ter influência no restante do ano para os dois clubes. O vencedor vai ganhar força, vai se encher de moral e confiança, o perdedor vai ganhar muitos problemas, enfraquecer, e ter que conviver com mais pressão e desconfiança, principalmente, se ele for o time que já está com a corda no pescoço. Todo cuidado é sempre pouco.

Que fora de campo, essa partida seja vista apenas como uma competição esportiva, que os torcedores dos dois clubes deixem a disputa para quem entrar nas quatro linhas, mas, que o Palmeiras tome muito cuidado com a arbitragem e, dentro de campo, respeitando as regras do jogo, que nossos jogadores saibam que é guerra, sim, é final de Copa do Mundo, sim. 

É HORA DO DERBY, PALMEIRAS!! PRA CIMA DELES!!!
  
E TEM QUE TER RAIVA DESSA PORRA DE CU RINTIA!