Palmeiras ia enfrentar o Galo, em MG, defendendo a sua permanência no G4… Jogo na TV, e eu teria que assistir online… ó céus!

Mayke estava de volta à lateral (ainda bem), mas, ao invés de sentar Jean, Cuca achou um lugar pra ele no meio e deixou Thiago Santos no banco.

O Palmeiras começou bem na partida, parecendo bem mais esperto em relação à marcação – um dos nossos grandes problemas nesses últimos meses – deixando menos espaços. E tínhamos só três minutos de jogo, quando, num ataque do Palmeiras, Luan cometeu um pênalti muito escandaloso. De braço aberto e esticado ao lado do corpo, interceptou com esse mesmo braço um chute de Willian. Leandro Vuaden, figurinha carimbada em prejudicar o Alviverde, e com uma cara de pau tamanho EXG, nada marcou.

………………..

………………………………….

Não dá para imaginar que árbitro, bandeira e auxiliar de linha de fundo nada tivessem visto, não é mesmo? É impressionante o poder (ou seria o encargo?) que alguns árbitros têm para apitarem e “desapitarem” do jeito que bem entenderem, até mesmo deixando as regras de lado.

Uns minutinhos depois, meu link resolveu travar a imagem e só pude ouvir que o mesmo Luan mandou uma bola em nossa trave…

Começo de jogo disputado, mas, ao contrário das nossas expectativas dos primeiros minutinhos, o Galo se acertou e foi chegando na nossa área, começou a nos pressionar, a ter chances… e fazia jogadas sempre tentando achar Fred… e ora Fred tentava o chute, ora o genérico (Valdivia só tem um) chutava…

Se por um lado isso era ruim pra gente, e corríamos o risco de tomar gol, por outro, podíamos ver que a defesa estava se saindo bem, e que Dracena ia se sobressaindo na partida.

Eu não vi, mas ouvi, quando Egídio cometeu pênalti e o juiz assinalou… Fred iria para a cobrança. “Ai, meu São Prass dos Pênaltis Defendidos” – sempre tenho esperança de defesa de pênaltis quando ele está no gol…

E não deu outra. Como se fosse um gato, Prass defendeu, Prass encaixou – ele, abusado,  apontou o canto em que  queria que Fred batesse (e Fred bateu lá mesmo). E pensar que o Palmeiras enrola pra renovar com ele (e pensar que ele não estava em campo nas cobranças de pênaltis naquele Palmeiras x Barcelona-Guayaquil)…

Depois que vi e revi as imagens direitinho, até fiquei em dúvida em relação ao pênalti. Pra mim, pareceu que Egídio já estava com o pé esquerdo apoiado à frente e ficou com ele lá, e só depois apareceu o jogador do Galo e a queda aconteceu.  No entanto, na hora, muita gente, muitos palmeirenses também, acharam a mesma coisa:  pênalti. Ainda bem que o Prass pegou e não deixou o Galo abrir o placar.

Graças ao link “maravilhoso” eu mais ouvia do que via o jogo e, às vezes, nem ouvia. Mas dava pra perceber que tava meio difícil para o Palmeiras, e que ele tentava se insinuar no ataque descendo mais pela direita, com Guerra, com Mayke.

Meus amigos, via Messenger, Whatsapp, me avisaram que tinha gol… e pelo “GOOOOOOL” todo em maiúsculas, só podia ser do Verdão… coração a mil. Em contra ataque (eu vi depois), Moisés tocou pra Willian lá na frente, o BGod avançou, se livrou do marcador, e deu aquela bola “caramelada” para Deyverson chutar cruzado e abrir o placar. Ah, Palmeiras, seu lindo!

Meus amigos me avisavam também que o Vuaden estava metendo a mão no Palmeiras, que Deyverson tinha sido chutado duas vezes pelo Fábio Santos, e o Vuaden… nada. Nem amarelo.

O time mineiro continuou em cima do Palmeiras e seis minutinhos depois do nosso gol, aos 39′, após uma cobrança de falta, o juiz assinalou pênalti de Luan em Leonardo Silva. Luan e Leonardo Silva se empurravam, e quando Leonardo Silva avançou para tentar alcançar a bola, que tinha sido chutada lá pra área na cobrança da falta, Luan puxou a camisa do atleticano, continuou puxando, e Vuaden marcou a falta. Até estaria tudo certo se Leonardo Silva não estivesse impedido no momento da cobrança e antes de ser puxado…

………………..

No vídeo de melhores momentos , não sei se por descuido, ou de propósito, não é possível pegar a imagem do exato momento em que a bola é chutada,  a não ser com a imagem da cobrança – quando ela é repetida – sobreposta à imagem anterior. Mas dá pra ver mesmo assim.

…………………….

E não parou aí a lambança da arbitragem. A menos que eu e mais algumas pessoas tenhamos tido alucinação coletiva, o juiz não mostrou o amarelo para Luan, como manda a regra, e mostrou o vermelho direto…

…………………….

……………………………..

Eu sei que seria o segundo amarelo dele, e ele seria expulso mesmo, mas o árbitro não parecia interessado em apitar algumas coisas corretamente errou.

Coma expulsão de Luan, Cuca chamou o zagueiro Juninho e sacou Guerra. Não gostei muito da substituição; com dois atacantes no time, achei que ele poderia ter tirado Deyverson  (gostaria de entender porque Deyverson, desde que chegou aqui,  recebe todas as chances que Cuca nunca deu para Borja).

E já que era pra garfar o Palmeiras mesmo, Vuaden “enfiou o pé na jaca”… Na cobrança do pênalti, convertido por Fábio Santos, mais uma página do Livro de Regras foi rasgada e jogada fora. Houve invasão na área no momento da cobrança…

Cobrança de pênalti -Regra 14 (a parte que nos interessa aqui):

Se um jogador do time batedor invadir a área no momento da cobrança e sair o gol, a cobrança deverá ser repetida.
Se jogadores dos dois times invadirem a área no momento da cobrança e sair o gol, a cobrança deverá ser repetida.

 

…………………….

Não dá para acreditarmos que árbitro, bandeira e auxiliar de linha de fundo desconhecem a regra, não é mesmo? E se conhecem… Lembra que num outro Palmeiras x Atlético-MG, o Palmeiras teve que voltar uma cobrança, convertida em gol, por causa de invasão? Então…

Depois do pênalti convertido, Fred deu um bico na bola… e deveria ter levado amarelo – seria o segundo. Mas o árbitro… nada. Imagina se fosse um parmera? Se fosse o Prass, por exemplo? Era amarelo na certa.

E fomos para o intervalo com um pênalti não marcado para o Palmeiras, com o chute que o Fábio Santos deu em Deyverson, e que ficou por isso mesmo, o com o segundo cartão amarelo que o árbitro não quis dar para o Fred… 3 x 0 para o Vuaden.

Nos primeiros minutos do segundo tempo, mesmo com um a menos, o Palmeiras apertava o Galo… E o Dudu no banco, porque estava voltando de contusão e “treinara pouco”…. Para um jogador como Dudu, o craque do nosso time, é necessário apenas levantar da cama  para ir a campo…

Leonardo Silva desviou uma bola com a mão e o árbitro assinalou pênalti para o Palmeiras. Achei que Jean fosse cobrar, porque na maioria das vezes em que está em campo, é ele quem cobra, mas sei lá porque Deyverson foi para a cobrança… e cobrou mal demais. O goleiro pegou, claro.

Errar uma cobrança de pênalti é coisa que acontece, é até tolerável, mas bater mal desse jeito, dar na mão do goleiro, é de matar a gente de raiva… Com um a menos e podendo fazer 2 x 1… Chuta que nem homem, cazzo!  

Cuca chamou Duduzinho e sacou Deyverson.

O Galo, mesmo querendo ir pra cima, por estar com um homem a mais, não levava muito perigo ao Verdão, não. Nossos jogadores iam mandando muito bem nos desarmes, nas tiradas de bola… Prass, Dracenão da Massa e Tche Tche estavam bem no jogo.

E então, o Vuaden resolveu dar mais trabalho para o Palmeiras – que juizinho sem vergonha esse. O genérico (Valdivia só tem um) entrou de sola na coxa de Willian,  Willian, instintivamente, deu um chute nele logo em seguida, e logo em seguida também se tocou da bobagem que fizera… Vuaden o expulsou. Ele mereceu a expulsão, mas e o Genérico? Faz uma “faltinha” pra arrebentar o parmera e não vai pra rua,  Vuaden? Você viu o que aconteceu depois dessa entrada criminosa, mas não viu a entrada criminosa? Mas que arbitragem “criminosa” a sua, não? Louquinha para “matar” um dos times…

…………………….

Que picareta esse Vuaden… Ele sempre prejudica o Palmeiras, mas estava abusando dessa vez…

Cuca sacou Jean e promoveu a entrada de Thiago Santos… com dois a menos, era meter o cadeado no time mesmo…

Vuaden, que não amarelou o bicão do Fred, que deixou passar batido o chute de Fábio Santos em Deyverson, a entrada criminosa do Genérico em Willian, amarelou Prass porque ele demorou para cobrar o tiro de meta. Que filho da “fruta”!!

O Palmeiras não dava mole pro Galo não, era valente e defendia muito… Dracenão da Massa estava soberbo! Prass também jogava muito. E imagina se o Vuaden não ia dar 5 min de acréscimo? Segura aí, Verdão!

E o Vuaden, picaretíssimo, ainda ia aprontar antes dos acréscimos, aos 45’…

Moisés desceu pela esquerda, entrou na área sozinho, e o jogador do Galo deu um toque no pé dele, fez uma carga em sua perna, e o derrubou…

…………………….
…………………….

Pênalti. Mas o juiz, nem aí. Aquele, do Egídio foi marcado prontamente; esse, foi ignorado…  Que arbitragem sem-vergonha.

Prass ainda faria mais duas boas defesas. Uma, na jogada de Otero;  outra,  no chute de Elias. E o árbitro, que via ir por terra as chances de o Palmeiras perder (o tempo todo pareceu que era isso o que ele queria), encerrou a partida. Uma vergonha, uma roubalheira a arbitragem do Vuaden (quem será que teria tanto interesse em uma derrota do Palmeiras?)… e, pode apostar, não vai ter árbitro suspenso (como acontece quando alguns times são prejudicados pelo apito), porque a corrupta CBF, que parece bem se utilizar desses “prestadores de serviço”,  nada fará a respeito dessa vez. Prejudicar o Palmeiras é de lei.

Garfado em dois pênaltis, garfado no gol que tomou, garfado no chute em Deyverson, que nem amarelo ocasionou, garfado na falta criminosa sofrida por Willian, que o juiz não puniu… o Palmeiras,  como se fosse aquele cara, que é assaltado, perde, o relógio, a carteira com cartões de crédito, dinheiro e documentos, leva umas porradas, mas ainda dá graças a Deus porque está vivo e porque o celular estava na meia e o assaltante não viu,  teve que dar graças a Deus pelo time que lutou bravamente contra adversário e apito e não se deixou derrotar.

Poderíamos ter vencido, mas “fizeram a elza” no Palmeiras.

 

Tirone convoca presidenciáveis para conhecer setores estratégicos  – O presidente Arnaldo Tirone vai convocar os candidatos à presidência do Palmeiras para exercício do biênio 2013/14, em eleição que vai acontecer em 21 de janeiro deste ano, para conhecer os setores considerados estratégicos do clube: futebol, marketing e jurídico. A intenção do presidente palmeirense é apresentar o atual status de cada departamento e encerrar seu mandato visando agilizar o processo de transição para a próxima gestão.

Luan deixa críticas de lado e afirma que aceita jogar de ala  – Com a escassez de lateral-esquerdo no elenco de acordo com a própria diretoria (Fernandinho só volta em março e o clube só dispõe de Juninho), Luan admitiu que pode atuar nesta função caso seja solicitado pelo técnico Gilson Kleina.

“Vi que saiu algo a respeito. Não é minha posição e eu precisarei de um ritmo maior de treinos para me adaptar, mas se for necessário e o Gilson (Kleina) precisar, eu jogo tranquilamente por ali. Já atuo mais ou menos naquele setor e acho que não teria problema.”

Valdivia trabalha com bola e Kleina intensifica treinamentos –  O meia Valdivia fez na tarde desta terça-feira (08) o primeiro trabalho com bola desde que se reapresentou no início desta semana. O camisa 10, que se encontra em boas condições físicas e técnicas, participou integralmente de todo o treinamento realizado em campo reduzido comandado pelo técnico Gilson Kleina e seus auxiliares.

“O Valdivia voltou muito bem e por isso não teve nenhuma restrição para treinar com bola. O trabalho que ele fez na clínica médica especializada no Chile foi excelente e serviu para ele antecipar etapas. Foram duas semanas de treinamentos físicos intensos. Ou seja, podemos dizer que ele ganhou duas semanas e por isso retornou em ótimas condições”, explicou o médico Rubens Sampaio.

Agência Palmeiras

Parece que a providência Divina está dando uma mãozinha na escalação do Palmeiras para a partida de volta diante do Grêmio…

Não gosto que nenhum dos nossos jogadores se lesione – estranho que tenhamos tantos problemas com lesões –  e, no caso do Luan, que ficará fora do time por algumas semanas, preferiria que ele ficasse no banco. Mas, como nosso técnico não o tiraria do time de nenhuma outra maneira, nem mesmo com as belas partidas que Mazinho vem fazendo, parece que a vida se encarregou de acertar o nosso ataque. E vamos de Mazinho! Pelo menos,  é o que eu espero…

Essa é a notícia que me foi passada pela Assessoria:

O atacante Luan e o volante Marcos Assunção realizaram exames de ressonância magnética na tarde desta terça-feira (19); Luan teve um estiramento no músculo posterior da coxa direita e vai desfalcar a equipe entre seis e oito semanas. Já Marcos Assunção sofreu uma forte pancada na coxa direita, mas terá condições para o jogo de quinta-feira (21), contra o Grêmio, na Arena Barueri.

“O Assunção teve uma lesão no músculo da parte de trás interna da coxa direita e está com um edema em razão da forte pancada que levou na região. Ele tem algumas limitações quando bate na bola, mas melhorou muito de domingo para cá e vai continuar em tratamento intensivo até o dia do jogo. Pelo o que estamos sentindo, terá condições de ser relacionado”, explicou o médico Rubens Sampaio, que também esclareceu sobre a lesão de Luan.

“A lesão dele foi mais grave, de grau 2. Teve uma ruptura de um músculo importante, o posterior da coxa direita, e o tempo de recuperação nesse caso é maior. Inicialmente, ele vai ficar de duas a três semanas descansando esse músculo até retomar as atividades de fortalecimento.”

Agência Palmeiras
Fábio Finelli


Já perdi a conta de quantas vezes o Palmeiras teve chances de se aproximar dos líderes do campeonato e vacilou; de quantas vezes, por sua própria inoperância, jogou fora uma boa chance de vencer.

Ontem, foi para matar o torcedor de desgosto…

Jogamos melhor a partida toda, tivemos domínio do jogo e, por medo de atacar, quando em vantagem, e por inoperância no lance que decidiria a partida, perdemos dois preciosos pontos.

Felipão alega que o elenco é limitado. Eu concordo, faltam jogadores ao elenco. Mas o nosso presidente, torcedor do Chelsea que é, preocupado apenas em economizar, parece não estar nem aí para ganhar títulos. Mas já fala em reeleição…  Neste ponto Felipão tem razão, mas acho que nosso técnico se esquece que nesse limitado elenco,  muitas das pedras, das quais dizem que ele tira leite, foram bancadas por ele mesmo. Acho também que o cérebro de muitos jogadores nossos também é limitado. As táticas do nosso treinador também me parecem ser limitadas. Suas escolhas são limitadas. Nos desfizemos de Lincoln, mas seguramos Tinga; despachamos Pierre (que teve nota 7 atuando pelo Galo) e seguramos Rivaldo, João Vítor; não demos chances a W.Paulista e ficamos com Dinei… Não temos jogadas ensaiadas (eu não as reconheço), a não ser nas bolas paradas. E elas são tão iguais que raramente funcionam…

O Palmeiras abriu o placar com um belo gol de Fernandão, que a arbitragem anulou. Confesso que na hora não vi nadinha errado no lance e xinguei um bocado. Embora não jogássemos mal, a coisa não fluía, alguns jogadores não se achavam… Íamos bem até chegar na área adversária, ali a coisa complicava. Difícil para alguns jogadores nossos perceberem que, de azul, era o time adversário que jogava. Quantos passes errados, quantas tentativas de se chegar ao gol de Rafael, destruídas pela falta de raciocínio… O jogo feio, com poucos lances criados, não tinha emoção alguma, mas continuávamos confiantes, achando que nem que fosse por uma bola parada, sairíamos com a vitória. Pobre coração torcedor…

Eu seria injusta se não dissesse que Cicinho joga muito! Que se estivesse jogando num time daqueles que a imprensinha puxa o saco,  já estaria até na seleção; que o acho o melhor lateral direito do futebol brasileiro.  Se não dissesse que Henrique também é muito bom jogador; que Fernandão, que ainda está “chegando”, se entrosando, me agrada bastante.

Mas o Palmeiras, não criava quase nada – Continuo sem saber porquê Felipão não arrisca dar uma chance para Patrick Vieira. – Vivemos o primeiro tempo, de alguns pequenos momentos de entusiasmo. Um drible aqui, um toque mais bonitinho ali, um cruzamento mais perigoso acolá, um “quase”, não muito “quase”… E levamos um baita susto também, quando Anselmo Ramon, recebeu de Montillo, se antecipou à zaga e bateu. Juro que achei que foi San Genaro quem fez alguma coisa para aquela bola não entrar…

Veio a segunda etapa e o Palmeiras me pareceu ter voltado mais decidido. Assunção arriscou de longe, o goleiro rebateu; minutos depois, a bola sobrou para Luan, na área, chutar pro gol. Ela tocou num jogador do Cruzeiro e foi na rede pelo lado de fora. Aos 14′, cabeçada linda, cheia de estilo de Fernandão, que o goleiro espalmou. O time se acertava. A torcida, pequena, começava a se inflamar.

Aos 17′, Felipão trocou o sumido Patrik, pelo sempre “desaparecido” Tinga. O Palmeiras estava embalado em busca do seu gol. A torcida cantava, tentava empurrar. Parece que a gente pressente quando um gol está chegando. E ele veio! Depois de belo passe de Fernandão, Luan chutou, o goleiro espalmou e a bola sobrou, de novo, para Luan chutar forte e abrir o marcador. Festa nas arquibancadas. “Agora vai”, pensávamos todos nós.

Não demorou nadinha e Felipão tirou Fernandão (diria depois que ele pediu para sair) para a entrada de Ricardo Bueno. Não gostei nem um pouco. Quase sem criação, a não ser pelas belas jogadas de Cicinho na direita, o time vivia de bolas alçadas na área e, justo o alto Fernandão, é quem saía de campo, para entrar um baixinho? Tirasse então o Vinícius!

Mas o Palmeiras continuava buscando. Assunção quase fez de falta… Nós já contávamos com a vitória e sabíamos que alguns de nossos rivais perdiam seus jogos. Naquela tarde ensolarada, uma vitória serviria de bálsamo para o coração palestrino, tão machucado depois da derrota da partida anterior. Mas…

Nesse filme que assistimos há um bom tempo, sempre tem um mas… Felipão tirou o atacante Vinícius e colocou o volante João Vítor. (Mais tarde ele diria que Vinícius ‘não tinha mais pernas’. Estranho que um rapaz com 18/19 anos não tenha pernas para jogar 90 minutos). Fiquei me perguntando, qual a utilidade de se trocar um atacante por mais um volante quando temos uma vantagem tão magrinha? Qual o benefício de fazer com o que o time, que manda no jogo, perca ofensividade, facilitando a vida do adversário? Sei que lhe faltam peças, mas será que Felipão não se dá conta que é melhor perder uma partida, com um pouco de ousadia, tentando ganhá-la a qualquer custo, do que apenas fazer o meio termo e ficar no meio termo quanto às pretensões no campeonato? Que até os nossos jogadores parecem pensar pequeno e se conformam diante de resultados que deveriam ser inadmissíveis?

Eu quero, pelo menos, poder sonhar com títulos… Mas não porque sou uma sonhadora incorrigível; quero sonhos fundamentados em possibilidades reais.

E, no jogo, menos ofensivos, tendo convertido uma vez dentre inúmeras chances, deixamos que o Cruzeiro aproveitasse uma das poucas oportunidades que teve. Aos 40′, Montillo, após o vacilo de dois marcadores, empatou a partida. Que frustrante! Os torcedores olhavam uns para os outros sem entender como o time que jogou mais, deixava a vitória escapar…

Quando tudo parecia perdido, quando muitos torcedores já saíam do Pacaembu, João Vítor foi derrubado na área e o juiz apontou a marca da cal. Nós que sempre reclamamos a não marcação de muitos dos pênaltis que sofremos, comemorávamos felizes. Assunção seria o batedor. Eu achei bom. Afinal, se ele é quem tem mais habilidade para cobrar as faltas, não teria dificuldades em guardar de pênalti, sem barreira, só ele e o goleiro.

Mas que nada… Assunção que está no time pela habilidade com as bolas paradas, simplesmente desperdiçou a chance. Percebeu o goleiro pulando antes e bateu no meio. Rafael defendeu sem querer. Nunca mais vou me esquecer da fisionomia dos torcedores; daquele “não acredito no que vi” estampado nos olhos de cada um… Senti pena deles; senti pena de mim mesma, por ter que digerir mais uma frustração e não me conformei com o que vi, ou melhor, não vi…

Ao descer as escadas, em direção à saída, eu tinha uma certeza, o Palmeiras não faz por merecer estar onde nós gostaríamos que ele estivesse…

Mas, como diz o ditado, enquanto há vida, há esperança… Muitos pontos estão em disputa e, teoricamente estamos há 2 vitórias e um empate do líder. Podemos consertar o que está errado. Teremos a volta do Mago (tomara que não seja grave a sua lesão), Thiago Heleno melhora bem da amigdalite, Kleber talvez jogue na próxima, Maikon Leite se recupera…

Muita água ainda vai passar embaixo dessa ponte, e queira Deus ela seja verde esmeralda…

FORÇA, PALMEIRAS! Não adianta pedir para o torcedor acreditar. Ele acredita até mesmo quando não têm motivos! Quem tem que acreditar são os que entram em campo!

Que aniversário, esse, do Palmeiras…

Comemoramos 97 anos em grande estilo. Na noite do dia 26, teve uma festa linda no CT do Palmeiras, para comemorar a existência do nosso clube tão amado. Tive o privilégio de estar lá, de poder me emocionar quando ouvi tocar o nosso hino, de poder cantar parabéns e, ao lado de amigos queridos, tomar um champanhe e comer uma fatia do bolo mais lindo que eu já vi. Também, com aquelas cores e o distintivo tão amado, nenhum outro poderia ser mais bonito. Vejam só se não tenho razão…

Mas, justamente na semana do aniversário, teríamos uma pedreira pela frente. Clássico diante do freguês, líder do campeonato, amiguinho do trambiqueiro lá da CBF e, como efeito colateral dessa “amizade, amiguinho dos juízes também. Jogar contra o time dos gambás, nunca é problema mas, jogar contra os inventores, em parceria com a prefeitura de SP, do roubo travestido de incentivo fiscal, inventores da lavanderia invisível (a justiça e a CBF, simplesmente não a viram e nem a veem), parentes muito próximos da Família Oliveira, não ia ser fácil.

A rivalidade, que já é imensa, tomou proporções gigantescas depois de uma atitude idiota da maior torcida do adversário. Apareceram com uma antiga ficha de inscrição de Kleber como associado deles. Claro que a nossa torcida nem ligou. Claro que a nossa torcida não aceitou a “pilha” que tinha como objetivo tumultuar as coisas para o clássico. Se até Pokémons podem evoluir, por que Kleber não poderia?  E, claro que esse medo, tão revelado nessa atitude dos gambás, serviu ainda mais de motivação para o Palmeiras, e deixou o nosso ambiente mais alegre e divertido. Mas que burrice desses caras! Logo eles, que até outro dia tinham por ídolo um gordo e fervoroso torcedor do Flamengo.

Mas, é como diz o ditado, não se cutuca uma onça, ou melhor, um porco, com a vara curta… E a vara dos gambás, dentro das quatro linhas ficou curtinha, curtinha…

Jogo lá em Presidente Prudente, um calor infernal, que logo nos primeiros minutos da partida já deixava os jogadores bastante extenuados. Felipão, inteligentemente, mandara o Palmeiras à campo vestindo o uniforme branco, o que obrigaria os gambás a jogarem de preto. Não ia ser nada refrescante para os nossos fregueses.

Maikon Leite sentira uma contusão e estava fora, Cicinho, suspenso, também estava; Felipão, que tinha sido julgado e pegara duas partidas de gancho, assistiria o jogo de uma cabine. Em seu lugar, estaria o pé quente do Murtosa. E sabem que eu acho que o que fora, intencionalmente engendrado para nos prejudicar, acabou sendo uma ajuda inestimável? Lá de cima, Felipão viu o jogo muito bem e, com Murtosa, acertou o time direitinho quando precisamos.

O Palmeiras nem quis saber do calorão e foi prá cima dos gambás, desfalcados de Paulo Cesar Oliveira. Aos 8′, Patrik avançou e cruzou na cabeça de Kleber. Faltou pouco para ele guardar… Cinco minutos depois, Kleber avançou na área e chutou cruzado. Júlio César conseguiu mandar para escanteio. Só dava Palmeiras. Mas, aos 17, Emerson tentou cruzar, Henrique não conseguiu interceptar, acabou tirando Marcos da jogada e a bola entrou. Que saco!!

Meu coração, insistentemente, me avisava que o Palmeiras jamais perdera para os gambás com Valdivia em campo… E esse mesmo Valdivia, que dava uns passes lindos para seus companheiros, era caçado por Chicão… Kleber também sofria muitas faltas. Liedson tentava provocar Thiago Heleno. Mas nada dava certo… Os palestrinos estavam espertos às provocações. Chico, Luan, Valdivia, Kleber, Henrique, Thiago Heleno, Gabriel… marrentos, encaravam as discussões e os adversários.

Luan, apesar do sol escaldante, corria como nunca e jogava muito bem. Os gambás não conseguiam pará-lo. Imaginem se tivéssemos Cicinho também? Só Patrik destoava da disposição dos demais. E, ainda no primeiro tempo, aos 32′, Murtosa o trocou pelo estreante Fernandão. A alteração já surtiu efeito. Aos 34, Assunção cobrou escanteio. Fernandão e Henrique subiram, tentando cabecear; o goleiro Julio César se atrapalhou, fez uma defesa no vácuo, e Luan, sozinho, pegou a sobra e encheu o pé, estufando as redes. Que gol lindo! Os jogadores se abraçavam em campo, Felipão pulava lá nas cabines e a Que Canta e Vibra explodia na bancada. Que alegria eu senti! Que petardo do Luan! Mais tarde, o goleiro gambá, diria que Kleber o atrapalhou por estar à sua frente. Esse Kleber não tem mesmo fair play, hein gente? Tadinho do moço… Ninguém contou prá ele que os atacantes adversários vão prá área quando seus times estão no ataque? Me lembrou até um certo ‘goleiro de hóquei’…

E antes que acabasse o primeiro tempo, Luan, que estava inspirado, tentaria marcar mais duas vezes. Numa delas, depois do Mago tê-lo “achado”lá na frente, o goleiro defendeu o chute. Achei que, no segundo pau, Kleber e Fernandão poderiam ter concluído melhor, se ele tivesse passado. Mas a vontade de ganhar, quando é muita, faz dessas coisas…

Veio a segunda etapa, a sombra também veio para uma parte do gramado, e o Palmeiras veio prá cima dos gambás! Tínhamos 7′ de jogo quando Assunção lançou por cima da zaga para Fernandão. Ele, com uma categoria desgraçada, avançou pelo meio de dois marcadores, matou no peito, olhou onde estava o goleiro, e tocou sem chance de defesa. UM GOLAAAAAAAAAAAÇO MARAVILHOSO! Sei não… não é qualquer um que faz um gol daquele… com aquela calma e categoria…

Ao Palmeiras coube começar a administrar a virada, mas sem deixar de atacar. Com a vantagem, minha adrenalina ia à milhão. O time que já lutava muito desde o primeiro minuto, agora lutava mais ainda. Que orgulho eu sentia em ver meu time guerreiro, com aquela baita raça, brigando, apanhando, desarmando, batendo boca, “mordendo” o adversário… Mais do que os gols em si, a maneira como o time estava conquistando a vitória me deixava orgulhosa! O jogo não acontecia só onde a bola estava… Valdivia e Kleber que o digam! Isso é futebol!

O Palmeiras fazia um jogo digno de ser o presente de aniversário ao clube e à torcida. E se era presente, faltava o laço para embelezar o embrulho… O Mago, respondendo à todas as provocações, respondendo à vez em que, lesionado, foi motivo de chacota no treino dos gambás, meteu um chute no vácuo, enlouqueceu os palestrinos e matou de raiva a gambazada… “Tchicón” que o diga!  A torcida, feliz, gritava o nome de Valdivia!!

O árbitro Luiz Flávio, embora não tenha atuado à altura do seu irmão e ídolo alvinegro, Paulo César Oliveira, também não fez feio à linhagem. Deixou de expulsar Chicão, por uma cotovelada no Mago (imaginem se fosse Kleber a dar cotovelada em alguém? Seria enforcado pelo tribunal inquisidor); deixou de dar vermelho para Emerson, por todos os coices desferidos (já pensou se fosse o Mago a dar o carrinho criminoso que Emerson deu em Luan?). Os gambás tentavam com o “Milk” Sheik, mas os chutes eram sempre fraquinhos. Murtosa sacou Assunção para a entrada de João Vítor. Logo depois, o Mago deu um passe mágico para Luan (o grande nome da partida) invadir a área e chutar cruzado. Passou raspando…

Levamos um susto aos 43′, num chute de Liedson que Marcos bloqueou com uma defesa sensacional. Chicão, descontrolado, ainda tentava provocar o Mago no finalzinho da partida. E acabou por desferir um tapa na cara de Valdivia. (QUERO VER O QUE FARÁ, NESTE CASO, O STJD, QUE LEVOU KLEBER A JULGAMENTO, NUMA OUTRA OPORTUNIDADE, POR ACHAR FALTA DE FAIR PLAY ELE TER CONTINUADO UMA JOGADA EM QUE A BOLA ERA DE POSSE DO PALMEIRAS (Cotovelada e tapa na cara é  agressão, né promotor?). Juiz e bandeirinha fizeram que não viram a agressão, o jogo foi até os 50′, mas nada de diferente aconteceu… O PALMEIRAS VENCEU O DERBY!

Aos gambás sobrou o chororô habitual. E eles choraram mais pelas coisas que o Valdivia fez em campo do que pelos gols tomados e pela derrota sofrida. Aos programinhas esportivos coube a mesma ladainha de todas as vezes… Valdivia merece apanhar (eles mudam até as regras do futebol para justificar as asneiras que vomitam aos microfones) por ter feito o seu lance genial. Alguns “profissionais”de imprensa se incomodam tanto quando o Mago dá o chute no vácuo,  mas quando o Neymar conseguiu dar um igual, acharam o máximo. Que gente hipócrita!

Mas já estamos acostumados a isso, Valdivia também está. E lá se vão 97 anos de freguesia e, agora, Tite deve estar calculando a jogabilidade e freguesabilidade para entender o que aconteceu… hahahah…  Muchas Gracias, SCCP (Small Club Cliente Preferencial), nem Felipão motivaria melhor o meu time.

E… Parabéns, Palmeiras!!! Vocês foram bárbaros e merecem aplausos!

Sábado à noite, e a ‘balada’ era no Canindé… Só a CBF mesmo para marcar um jogo no sábado, às 21h00, quando não existe nenhum motivo, além do interesse da televisão, para que a partida não seja mais cedo.

Chuva fina, que molhava demais, e a torcida chegando… Nosso time bipolar, que alterna partidas muito boas, com outras em que parece que algum fio se solta e o time inteiro fica de bobeira,vinha a campo com algumas ausências importantes: Márcio Araújo e Kleber. Sem contar W.Paulista que, de última hora, disseram estar se transferindo para o Grêmio.

O Canindé, onde o Palmeiras vinha defender seu 100% de aproveitamento e a permanência no G-4, tinha um bom público. Fiquei na bancada de sempre, atrás do banco do Palmeiras. E ela estava infestada de corneteiros. Deus me livre!! Cada um cismava com um jogador. E deveriam ser “greemlins”. Porque, com a água da chuva, pareciam se multiplicar. Cada hora aparecia um diferente. Ao meu lado esquerdo, greemlin pai e greemlin filho, dois marmanjos descontrolados que não viam nenhum jogador em campo, à exceção de Valdivia. E ai dele se fosse desarmado alguma vez. Tinha um outro que gritava o tempo todo, incansavelmente: “Abre, Gerley!” e, nas vezes em que Gerley, em sua opinião, abria, ele mudava de ideia:”Não abre, Gerley!”. Pobre Gerley… e pobres de nós que éramos obrigados a ouvir xingamentos até para Márcio Araújo, que nem estava jogando.

15′ de jogo, nossos corações ainda estavam distraídos quando Dinei recebeu falta de Leonardo Silva. Assunção foi para a cobrança e fez um golaço! Nos portais alguns dizem que foi na sorte, na transmissão Muller diz que o goleiro é que falhou, por estar adiantado. UMA OVA! Seja de propósito ou intencional, foi um golaço! Semelhante ao que Ronaldinho Gaúcho fez na Inglaterra na Copa de 2002. Um cala boca àqueles poucos que vivem pedindo a saída de Assunção e que, em meio à torcida, comemoraram sem pudor algum, a beleza de gol e a vantagem do Palmeiras na partida.

Estávamos comemorando quando Luan voltou a bola para um companheiro, mas errou o passe. Os jogadores do Galo aproveitaram o vacilo de Luan e o da zaga, pega de surpresa, e Michel Bastos, girando à frente de Cicinho, empatou a partida. Que bobeada a nossa! Os “greemlins” foram à loucura!! E cada um deles xingava um jogador diferente… Luan porque errou o passe, Gerley porque não pegou o passe do Luan; Cicinho porque estava na frente do Michel Bastos, Valdivia porque olhou, Deola porque respirou… Só por Deus!

Eu me mantinha tranquila, apesar da vontade de desintegrar os greemlins pai e filho. As oportunidades iam surgindo. Numa delas, Valdivia recebeu de Luan e chutou de fora da área, o goleiro bateu roupa, mas não apareceu ninguém de verde… Maikon Leite se enroscou com o jogador do Atlético, ambos caíram, nosso garoto levantou e chutou pro gol. A bola entrou, mas o árbitro assinalou falta de Maikon Leite. Deola, por sua vez, parava as investidas do time mineiro. Numa cabeçada quase à queima-roupa, ele fez uma defesa perfeita! Digna de São Marcos, e da escola de goleiros que ele representa.

Já nem chovia mais quando o Mago “dançou” à frente de Richarlyson e quase guardou o dele. A bola desviou e, mesmo assim, passou pertinho. Os dribles e os passes de Valdivia começavam a aparecer… A magia já se deixava antever… Não tenho como ver o Mago em campo e deixar de lembrar que, em muito boa parte, foram por seus pés, que veio o único título que comemorei nos últimos 11 anos; não posso deixar de lembrar que vieram dele as comemorações mais felizes, mais divertidas, o meu peito inflado de orgulho; que foi por causa de seu empenho e talento que nossos rivais se curvaram, forçadamente, diante do Palmeiras. Algumas pessoas se esquecem; eu jamais me esquecerei…

No intervalo, Pierre, que é banco, passava em frente à torcida, e ela, com saudade, começou a gritar o seu nome. Tão bonito… Felipão fica bravo com as reclamações, mas deixar Pierre como terceira opção, perdendo até para Chico, não dá para entender.

Na segunda etapa, o Palmeiras continuava esbarrando nas finalizações. Luan, ora mandava a bola na Marginal, ora na Porky’s… Ele lutava, aparecia em quase todos os setores do campo, mas fazia cada coisa feia! Maikon Leite não repetia a atuação das suas duas primeiras partidas. Além disso, escorregava muitas vezes. Me parecia que estava precisando de “pneus de chuva”. Mas, aos 16′, Assunção (ele de novo) levantou na área, a zaga rebateu e sobrou para Luan fuzilar o goleiro do Galo. O Canindé explodiu! Que maravilha! Fiquei feliz por Luan poder se redimir com o gol. Não demorou nadinha e Felipão sacou Maikon Leite e colocou Patrik em campo, avançando Valdivia para jogar mais à frente com Dinei que, apesar não ter ido mal no jogo, parecia um clone de si mesmo. Meio robotizado, sem vibração e, às vezes, alheio ao ‘pega prá capar’ da partida.

O Galo tentava e levava perigo, o Verdão também. Valdivia chutou de fora da área e o goleiro espalmou. Aos 33′, em outra tentativa verde, a zaga tirou de chutão e a bola foi cair com Gerley que, de costas, num passe lindo, lançou Luan. Ele avançou, entrou na área e cruzou rasteiro, para trás, na direção do Mago que entrava pelo meio. Dois defensores impediram o domínio de Valdivia e a bola sobrou para Patrik, que chutou no cantinho e guardou! Que festa!

De novo, nem deu tempo de comemorar… No minuto seguinte, numa vacilada nossa, os mineiros diminuíram com um gol de cabeça de Wesley. Momentos depois, reclamando de falta cometida sobre Dinei, Felipão acabou sendo expulso pelo nosso “velho conhecido”, o assistente Roberto Braatz, que tá sempre prestando “serviço” contra o Palmeiras. O futebol ainda vai acabar morrendo com tanta viadagem…

A partir daí, as coisas ficaram tensas. Com o jogo terminando, o juiz acrescentou mais 4 minutos. Ficamos “comendo as unhas”, mas o Palmeiras defendeu, desarmou, atacou, foi na garra e na vontade de seus jogadores. Cicinho e Assunção, ambos com febre de 40 graus, Valdivia que ainda não está totalmente recuperado, a zaga, e todo o time (à exceção do apático Dinei), redobraram a garra e fizeram o Palmeiras sair do Canindé (cada vez mais ‘nosso’) com mais uma vitória, encostando um pouco mais nos líderes.

Eu saí duplamente feliz da “balada”! Pela bela vitória do meu Palmeiras e por ver o Mago, jogar os 90 minutos, como há muito eu não via. E feliz também, saiu aquele bigodudo teimoso, turrão, briguento, lindo, que a gente adora, e que assistiu aos minutos finais pela janelinha do vestiário…

PODE COMEMORAR, FELIPÃO! O NOSSO PALMEIRAS GANHOU!

.

.

“O Palmeiras merece a generosidade dos que o servem…” (Belluzzo)
.
Eu poderia falar do Palmeiras que entrou em campo com Lincoln e W.Paulista, como a torcida tanto pediu…
.
Poderia falar do carinho que a torcida tem por Felipão, e em como ele é aplaudido todas as vezes que faz a sua entrada no campo; em como isso já deixa nosso coração diferente a cada início de partida…
.
Talvez eu devesse falar do belo futebol que o Palmeiras apresentou diante do fraco Avaí. E que, mesmo sendo um time fraco, tendo dois laterais ruins e um goleiro inexperiente, não foi a causa do belo futebol do Verdão e nem tirou o mérito e o brilho da apresentação do Palmeiras…
.
Poderia falar que Luan, ontem, foi sensacional! Que, em minha opinião, ele foi o melhor jogador da partida. Que toda a luta e empenho, que ele tem apresentado em todas as partidas, foram premiadas com dois gols e lances muito bonitos. Que eu fiquei arrepiada quando o Canindé inteiro começou a gritar seu nome, em reconhecimento ao que ele fazia em campo. Que fiquei com os olhos cheios d’água quando percebi a alegria de Cicinho, vendo seu companheiro ovacionado. Poderia falar em como me pareceram desconfortáveis e negativas, aos atletas, as atitudes de uns poucos mentecaptos…
.
Talvez fosse melhor que eu falasse que Cicinho joga prá caramba!! Que eu fico impressionada vendo aquele jogador, magrinho, raça pura, nos dando alegrias na lateral direita, como há muitos anos, mas muitos mesmo, a gente não tinha…
.
Quem sabe eu devesse contar que o time todo  foi bem. Que Thiago Heleno é uma beleza de zagueiro; que nosso “Caramujo” joga muito; que o nosso lorde Assunção (sim, ele é um lorde), de futebol elegante, fez uma bela partida; que Lincoln correu e lutou muito, armou o jogo e saiu aplaudido quando foi substituído; que W.Paulista se movimentou muito bem; que Marcos fez defesas importantes…
.
Talvez o leitor prefira que eu fale da bela performance e do golaço, maravilhoso, do nosso Gladiador… que,  equivocado e talvez mal orientado, ao final do jogo acabou dando uma declaração totalmente desnecessária…
.
Talvez eu devesse falar daquele estádio que cantava sem parar, das inúmeras famílias presentes, e daquelas crianças de olhinhos brilhando com todos os lances de emoção e com os gols que o Palmeiras marcou…
.
Tudo isso eu poderia ter dito ainda no primeiro tempo, até o momento em que o placar marcava 4 x 0 para o Palmeiras, quando Lincoln foi derrubado na área e o juiz assinalou o pênalti…
.
O que aconteceu então, acho que eu não sei explicar. Foram alguns minutos, mas me pareceu ter sido um tempão. Começou como um pequeno rumor e foi ganhando força… “Marcos, Marcos!!”. Em poucos segundos o estádio inteiro pedia para Marcos bater o pênalti… Era eletrizante! O Santo, meio acanhado, lá do campo gesticulava que não. Ele não iria bater, e parecia irredutível. E a torcida insistia: “Marcos, Marcos, Marcos…”.
.

Eu ficava pensando que, caso Marcos concordasse em bater o pênalti,  aquele seria um momento histórico, que uma página maravilhosa da história de Marcos e do Palmeiras seria escrita ali, diante dos meus olhos e de milhares de outros que, com certeza, estariam em lágrimas… Que aquele era o momento certo, porque o Palmeiras vencia por 4 x 0 e, caso Marcos não convertesse o pênalti em gol, não teria problema algum. Eu pensava que mais do que por nós mesmos, queríamos aquele momento para Marcos, nosso goleiro absurdamente amado. Queríamos uma homenagem à maravilhosa carreira que ele construiu vestindo o nosso manto. Como se fosse um presente nosso prá ele. Nós que jamais poderemos retribuir tudo o que ele nos deu e ainda nos dá…
.
Não tinha como não imaginar o que seria termos um gol de Marcos ali. Imaginar o orgulho que isso traria ao torcedor; imaginar quantas camisas do goleiro seriam vendidas no dia seguinte; a exposição maravilhosa da marca Palmeiras e do nome do nosso Santo, que seria a atração dos programas esportivos, que mostrariam o seu gol à exaustão.  Um feito inédito, que seria o assunto de muito tempo nas rodas palestrinas, e em outras também; que seria manchete no resto do mundo…
.
Era impossível não desejar, do fundo do meu coração que Marcos caminhasse até o gol, com o estádio a gritar seu nome, que colocasse a bola na marca da cal e que nós, juntos, marcássemos aquele gol histórico. Juntos sim, porque estaríamos ali dentro de campo com ele, de alguma forma. Seríamos milhões a cobrar o pênalti. Marcos, os milhares de palestrinos presentes e os milhões de outros espalhados pelo mundo, diante das suas TVs ou mesmo os que ouviam pelo rádio… Marcos, marcando o gol, comemorando ajoelhado tendo seus companheiros à sua volta o abraçando… O Canindé vindo abaixo, sem que se pudesse saber, naquele momento, dentre os torcedores quais  eram os adultos e quais eram as crianças. Ah, eu sonhei tantas coisas em alguns segundos; eu senti tantas coisas diferentes naqueles breves momentos…
.
Os gritos de “Marcos, Marcos…” se faziam mais fortes. A torcida tentava convencer o ídolo. O Santo já hesitava…
.
O Canindé estava ensurdecedor! Os jogadores pararam em campo e começaram a chamar Marcos para ir bater o pênalti. A torcida enlouquecida não parava de gritar. Acho que até os anjos no céu vieram dar uma espiada para ver o que estava acontecendo ali. Foi quando Marcos deu alguns passos à frente e nos pareceu que ele iria em direção ao gol. Um jogador, nem me lembro quem foi, veio buscá-lo. A expectativa da torcida, que não parava de gritar seu nome, era tocante. Poucas vezes na vida senti uma emoção tão forte. Senti como se tivesse um sol dentro do peito. Um calor que começou no coração e invadiu meu corpo. O estádio era energia pura! Sentia a pele toda arrepiada… Mas, Marcos, mesmo sendo puxado pelo companheiro, mesmo vendo os outros jogadores o chamando, tomou a decisão final e voltou para o gol dizendo que não iria bater.
.
Confesso que fiquei frustrada, acho que ficamos todos nós… Não poderíamos perder um momento como aquele. Momento em que o livro da história estava aberto, com uma página em branco, só esperando para ser escrita…
.
Caímos do sonho e voltamos ao estádio… Nosso Gladiador foi lá e marcou o quinto gol do Palmeiras, colocando números finais na goleada. Coroando com mais um gol a belíssima partida que o Palmeiras de Felipão e, por causa de Felipão, fizera. Um resultado importante, que colocava o Palmeiras na vice liderança do campeonato e trazia de volta o futebol que o torcedor gosta de ver.
.
.
Na saída, os comentários eram todos sobre o gol que Marcos poderia ter feito, eram todos sobre aquela alegria, rara, que poderíamos ter tido.  Felipão não permitira, mas isso eu só saberia mais tarde. Marcos até teria ido para a cobrança, embalado no apelo da torcida. Ele confessaria depois que estava louquinho para ir, mas que não poderia, em sinal de respeito ao jovem, em começo de carreira, que agora defendia as traves do Avaí.
.
Ainda que eu não concorde, uma vez que, em seu lugar, nenhum outro teria hesitado um segundo sequer, não posso deixar de me curvar à humildade de Marcos, à sua grandeza. Não posso deixar de sentir um orgulho do tamanho do mundo, daquele homem que está prestes a encerrar a carreira, do jeitinho que a começou: com muito talento, mas também com simplicidade, coerência, respeito aos companheiros de profissão, com generosidade e muita humildade. Carreira construída com feitos notáveis e exemplos maravilhosos! E é isso que Marcos é: EXEMPLO!
.
Não é a toa que só ele é o Santo,  só ele é o goleiro Pentacampeão, só ele é querido e respeitado por torcedores de todos os clubes do Brasil. Só ele é nosso…
.
BEM AVENTURADO, SÃO MARCOS DE PALESTRA ITÁLIA! OS TEUS DEVOTOS TE AMAM IMENSAMENTE!

O Palmeiras foi à MG enfrentar o time do Uberaba, pela segunda fase da Copa do Brasil. Até aí nada demais. Mas foi de ônibus! E a imprensinha achou uma heresia e fez o maior escarcéu! No Lixo Aberto, provavelmente sem pauta, não se falava outra coisa. De propósito, ninguém se atentou para o fato, e para as declarações dos dirigentes que, indo de avião, gastaria-se muito mais tempo e ainda teriam que fazer a última parte do percurso (Uberlândia – Uberada) de ônibus. Alheia aos “incendiários”, a delegação palestrina seguia tranquila, confortável, assistindo a uns filminhos, dormindo, sem check-in, sem espera, sem desce aqui, embarca ali…

E enquanto o Palmeiras viajava sossegado, a imprensinha, que não faz alarde dos números do Palmeiras em 2011 – 16 JOGOS, 11 VITÓRIAS, 4 EMPATES E 1 DERROTA- , tratou de focar mais um “desastre” palestrino: a Arena Palestra Itália e os “problemas” que a sua construção supostamente trará! A Folha de (ou do?) São Paulo, publicou uma matéria tendenciosa, de meias verdades sobre a construção do estádio palestrino com o título: “Palmeiras terá que pedir licença no seu estádio”. Falou sobre o Palmeiras ter que avisar com antecedência as datas de seus jogos,  que lá ele não poderá mandar jogos do time B ou da Base e que, mesmo um amistoso teria que ser comunicado pelo menos 120 dias antes. E por aí foi…
.
Revelando aqui, escondendo ali, a Folha focou apenas metade do todo, sugerindo ao leitor que o Palmeiras estaria sendo feito de bobo, que a W-Torre seria a dona da Arena.  A W-Torre vai gastar 150 milhões e o pessoal da Folha acha que vai ficar por isso mesmo? Tudo bem que aqui é Brasil. ‘Tudo bem’ que aqui tem o Morumbi construído com dinheiro público, com terreno doado também às custas de dinheiro público; ‘tudo bem’ que o Corinthians vai ganhar um estádio com dinheiro público… MAS A ARENA PALESTRA, QUE ESPEROU DOIS ANOS PELA APROVAÇÃO DA PREFEITURA, ENQUANTO OUTROS “PROJETOS” RECEBEM APROVAÇÃO IMEDIATA, NÃO TERÁ NADA A VER COM DINHEIRO PÚBLICO, FAVORES… Então, é óbvio que quem financia a obra, no futuro será ressarcido de alguma forma.
.
E como isso será feito? De várias maneiras, como por exemplo, com a venda do espaço para shows. E como acontecerão alguns grandes shows na nova Arena, é evidente que todas as datas de uso do local terão que ser previamente agendadas, não é mesmo? Além do mais, como bem diz Belluzzo, não está sendo feito um ato de caridade. Não nos dão 150 milhões e apenas dizemos “Obrigado”, como a turma de Mustafá gostaria que fosse. São negócios! De gente grande! Sem contar que o Palmeiras não terá mais nenhuma despesa com a manutenção do estádio. Parece que os “profissionais” da Folha de/do São Paulo e os atuais dirigentes palestrinos, entendem muito pouco deste assunto. E cá entre nós… PORQUE É QUE O MUSTAFÁ, QUE FICOU 12 ANOS NO PODER, NÃO FEZ  MELHOR? TEMPO ELE TEVE DE SOBRA!
.
A matéria tinha muito mais coisa, muito mais de meias verdades e informações omitidas. Desisti de me alongar sobre o assunto quando me lembrei de algo que me contaram certa vez; que em 1999, na redação da Folha se fez uma grande comemoração pela derrota do Palmeiras no Mundial do Japão. Imaginem qual é a motivação a cada vez que escrevem sobre o Campeão do Século.
.
E, contrariando os “Nostradamus” do ‘apocalipse palestrino’, o Palmeiras chegou à Uberaba… E como a imprensinha não encontrou ratos e nem baratas no hotel da delegação, que tal “mandar” Felipão para outro clube? Pois bem, depois dos rumores (devidamente alardeados pela imprensa – que mal noticia que Robinho processa a Nike…),  que candidatos à presidência do Sporting, contratariam o treinador palmeirense caso fossem eleitos, o aprendiz de comentarista e fake de jornalista, Neto,  passou a afirmar que já havia uma negociação. Ouvir proposta não é negociar! E eu duvido que Felipão esteja negociando com quem quer que seja! Mas, não satisfeito, antes do início da partida, Neto disse na TV que as coisas tinham mudado de rumo e o destino de Felipão poderia ser o Fluminense. Porra, esse cara dorme com Felipão? Porque EU DUVIDO QUE FELIPÃO LIGUE PRÁ ELE PARA DIZER QUE ESTÁ EM NEGOCIAÇÃO COM O SPORTING E, LOGO A SEGUIR, QUE MUDOU DE PLANOS E PODE IR PARA O FLUMINENSE!! A não ser que ele receba a informação por parte daqueles “palmeirenses” que querem acabar com o Palmeiras, que querem pressionar Felipão a sair do clube.
.
Então, depois sintonizar a Band e deixar no mute, fui assistir ao jogo do Palmeiras…
.
O estádio estava lotado de palestrinos, e o campo cheio de água,  por causa da chuva que caira durante o dia todo e ainda continuava caindo. Estádio de time pequeno não costuma ter um sistema de drenagem de primeiro mundo, feita com rodos, como têm os bambis… Mas Felipão, atento aos detalhes, resolveu trocar jogadores mais leves, como Gabriel Silva, Cicinho e Vinícius, por Chico, Rivaldo e Luan , fisicamente mais fortes. E olha que Felipão acertou na mosca!
.
E acertou também quando orientou Kleber (de volta ao time) a escolher o lado menos encharcado do campo. Apesar da dificuldade, da quantidade absurda de água, o Palmeiras começou a tocar a bola e a levar perigo. Valdivia, que joga até debaixo d’água, esbanjava categoria em passes, dribles…  Aos 10′, Luan quase marcou com um chutaço de fora da área. O goleiro precisou espalmar.  Aos 11′, Assunção cobrou escanteio pela esquerda e Luan, de cabeça, mandou na rede!  O Verdão saía na frente!
.
O Palmeiras continuou tocando, perdendo algumas chances, até que, aos 21′, o nosso camisa 21, tabelou com Kleber  pela esquerda e chutou forte, sem defesa para o goleiro do Uberaba. Palmeiras 2 x 0. Segundo gol de Luan que, taticamente perfeito, fazia uma grande partida!
.
O Uberaba tentava em contra ataques, mas o Palmeiras, esperto desarmava tudo no meio de campo. E jogava muito bem! Levamos um susto aos 35′, com  uma bola na trave, mas foi só. O Palmeiras , muito superior, comandava as ações de jogo. Mas não era tão fácil quanto parecia. No campo pesado, enlameados, cansados, os jogadores esbanjavam vontade e, para espanto de todos, alegria! E o que já tava bom, ficou melhor ainda! Aos 42′,  Valdivia deu um passe perfeito para Kleber. O Gladiador, que também estava jogando muito, só teve o trabalho de tocar no contrapé do goleiro e ampliar para o Palmeiras! Já sabíamos que a fatura estava liquidada.
.
Na segunda etapa, com o resultado feito, com o time jogando bem, Mago e Gladiador incendiaram o coração do torcedor. Demonstrando grande entrosamento, com belas jogadas, criaram as melhores chances do time. Perdemos muitos gols, é verdade,  mas o chute no vácuo, as embaixadinhas do Mago e o golaço do Kleber aos 46′, foram deliciosos! Com chuva, bom futebol, muita disposição,  belos gols, e com Mago, Kleber e Luan, como os melhores em campo, o Palmeiras passou à fase seguinte da Copa do Brasil.
.
.
Felipão, com poucas opções, está tirando leite de pedra, fazendo o time evoluir e jogar com alegria… É PRECISO APENAS QUE OS INIMIGOS DO PALMEIRAS, QUE AGORA ESTÃO NO PODER, RESPEITEM  O TÉCNICO  E O DEIXEM TRABALHAR EM PAZ…
.
BOOOORA, PALMEIRAS! A TORCIDA ESTÁ COM VOCÊS!!

Dizia a notícia na quinta-feira: “Sentado no banco de reservas, Valdivia chorou”. Que aperto no peito ler isso. Um momento tão feliz de todos nós e tinha que ter algo para toldar a nossa felicidade. Como é difícil acompanharmos a tristeza de alguém que amamos. Como se não bastasse termos sofrido com todos os dramas de Marcos, agora temos que ver nosso ídolo, normalmente tão sorridente, chorando por não conseguir jogar… Juro, sinto o meu coração doer, de verdade…

Eu tinha acordado às 4 da matina, na quarta-feira. Saira de casa enquanto o mundo ainda dormia; nas ruas, totalmente desertas, eu parecia um  personagem de um filme de ficção sobre um mundo sem habitantes. Durante o trajeto, foram aparecendo as pessoas e os ônibus que, enfurecidos, avançavam em meio à escuridão, com seus letreiros acesos. Pareciam contrariados por carregar tanta gente quando ainda deveria ser hora de dormir.

Eu tinha tantas coisas para pensar, mas à toda hora me lembrava que à noite teria jogo do Palmeiras, valendo vaga na semifinal da Sulamericana. Não queria me sentir ansiosa mas, àquela hora da manhã, já tinha “borboletas no estômago”…E como foi difícil esperar o dia passar. Por ter me levantado tão cedo, o dia me pareceu ainda mais longo. Nem mesmo todas aquelas crianças e as provas que ajudariam a avaliar a qualidade do Ensino Fundamental nas escolas de São Paulo, me faziam esquecer que era dia de jogo entre Palmeiras e Galo; o jogo da volta. Mal podia esperar o momento de chegar ao Pacaembu e ver o Verdão em campo. Verdão que tinha o Mago entre os relacionados. Imaginem se eu iria perder… Uma terceira camisa, novinha em folha, dormia quietinha na minha bolsa, só esperando o momento de ser vestida.

As horas custavam a passar… Será que iríamos vencer? Será que o juiz não nos roubaria desta vez? Será que o Mago conseguiria jogar a partida toda? Quantas perguntas eu me fiz o dia todo.  Só que as horas, teimosas, como se fizessem de propósito, se arrastavam. Mas elas acabaram vencidas e o momento de ir ao Pacaembu chegou. Enquanto me dirigia ao estádio a tensão aumentava.  Felipão pedira 25 mil torcedores, mas a torcida, desobediente e apaixonada, resolveu que seria mais de 35 mil. Recorde de público do Verdão neste ano. Depois de um dia de muito sol, o frio tomava conta da cidade e, antes do jogo começar, uma chuva fina já descia do céu. Mas quem é que se importava? Os amigos iam se encontrando, se abraçavam e, sorrindo, faziam planos, arriscavam palpites, numa felicidade que antecipava o resultado do jogo.

Quando o Palmeiras entrou em campo foi recebido pela festa e euforia da Que Canta e Vibra.  Lindo! E o time esbanjou raça e vontade, correspondendo à energia que vinha das arquibancadas! E foi prá cima do Galo que, com seus três zagueiros, conseguia conter a ofensividade do Verdão. Em 20 minutos tivemos 10 finalizações e a cada uma delas o Pacaembu (com o coração doendo, desde os 9 minutos de jogo) se preparava para explodir. Os jogadores palestrinos vibravam a cada lance de bola roubada, de desarme. Ainda que a técnica deixasse a desejar algumas vezes, o time era raça pura! E o Palmeiras é quem buscava e ditava o ritmo da partida. E tanto buscou que, aos 26′, Marcos Assunção, “esnobe”, predestinado, cobrou escanteio fechado na primeira trave e fez olímpico!! O PACAEMBU EXPLODIU EM VERDE E BRANCO!! A semifinal estava mais perto. Os torcedores, molhados pela chuva, pulavam, se abraçavam… O Palmeiras chegando…E esse Assunção, hein? Já é uma sumidade nas cobranças de falta e agora tá fazendo até gol olímpico? E eu, lá nas cadeiras, pensando que o gol tinha sido do Luan…

No segundo tempo, o Galo resolveu tentar mais. Em alguns momentos o Palmeiras parecia se manter acuado. Mas quem é que não lembra daquele time campeão de Felipão? Quem é que não lembra da maneira dele jogar? Nosso técnico, não está preocupado com espetáculo, com goleada. Não! Ele é mestre em conseguir resultados!! A torcida, conhecedora do trabalho dele, mesmo com o coração entristecido e doendo desde os 9 minutos, fazia a sua parte! Empurrava o time, marcava em cima o juiz e o time adversário. O Galo, querendo o gol que levaria o jogo à decisão por pênaltis, veio prá cima, mas deu de cara com a consistente defesa que ninguém passa; deu de cara com Deola, Danilo, Maurício Ramos, Edinho (que cara chato! ainda bem que joga no meu time… rsrs); deu de cara com Luan, que pode não ser ainda o atacante dos nossos sonhos, mas já é imprescindível ao time. Ajuda Gabriel(como joga esse garoto!) na esquerda, ajuda a zaga, corre o campo inteiro, durante o jogo todo e ainda faz gol. Tá certo que o Galo nos assustou em duas bolas que passaram raspando, mas saiu do jogo sem conseguir vencer Deola e a parede verde. E ainda teve que se virar para conter os avanços de Lincoln, Kleber, Tinga, Luan, e até de Márcio Araújo, algumas vezes.

E para selar a partida; para “matar” o Galo, de vez, e conquistar a vaga à semifinal da Sulamericana, aos 33′, numa jogada rápida, Tinga puxou o contra-ataque pela direita e tocou para Lincoln, no meio. Ele tocou na esquerda para Luan, já dentro da área, chutar cruzado e guardar!! A TORCIDA ENLOUQUECEU! A FESTA NO CHIQUEIRO, EXPLODIU DE VEZ!!  O PALMEIRAS ESTAVA CLASSIFICADO! Ia esperar o confronto entre Goiás e Avaí para conhecer seu próximo adversário (será o Goiás). A torcida , rouca e molhada, já podia voltar para casa e dormir tranquila, feliz…

Teria sido tudo maravilhosamente perfeito se, no comecinho da partida, aos 9 minutos, numa jogada de velocidade, que quase resultou em gol do Palmeiras, Valdívia não tivesse sentido a coxa, outra vez… A terceira vez seguida! Foi por isso que o coração palestrino doeu o jogo todo. Aquele pequeno gesto de colocar a mão na perna, gelou o torcedor no Pacaembu. Eu não podia acreditar que o Mago, que treinara normalmente na terça, segundo disseram, não tivesse conseguido jogar nem 10 minutos. Rezei tanto, pedi tanto a Deus que lhe enviasse ajuda naquele momento e não consegui conter as lágrimas diante da tristeza do meu ídolo e das suas tentativas de se alongar e continuar jogando. Os torcedores, mudos, se entendiam apenas pelo olhar.  Uma névoa de  dúvida e receio pairou no Pacaembu. A dor e a tristeza do Mago eram de todos nós. Poucas vezes me senti tão triste… Ainda agora, ao escrever, não consigo conter as lágrimas, ao me lembrar dele saindo de campo, aos 15′, triste, cabisbaixo, se sentindo derrotado por uma lesão… Logo ele, que é a encarnação da alegria… E, como se fosse um afago, um carinho, a torcida gritava seu nome.  Que revolta me deu! Enquanto tem jogador badalado pela imprensinha, que joga uma partida, “descansa” trinta e ainda reclama do tédio da concentração, lá no banco do Palmeiras a magia chorava por não poder estar em campo…

Tenha paciência, Mago. A vida de um “parmera” nunca é fácil, e como você é palestrino de coração, não poderia ser diferente. Talvez os dois anos em que esteve fora e a preparação física lá dos Emirados sejam responsáveis por esse drama que você vive agora. Talvez nosso Depto Médico, tenha errado em alguma coisa. Não sei…  Só sei que vai dar tudo certo, acredite ! Nosso amor vai te curar, Valdivia! Você é um guerreiro e a sua volta por cima se dará em breve e SERÁ OLÍMPICA!! Valdivia, Felipão e Kleber, voltaram para ser campeões, e vão ser!! VAMOS CONQUISTAR ESSA PORRA E VOCÊ MAGO, VAI ESTAR EM CAMPO E FARÁ O GOL DO TÍTULO!

Estamos na subida final do ponteiro do relógio e na subida é mais difícil. FORZA VALDIVIA!! FORZA PALMEIRAS!! TEMOS UM TÍTULO  A CONQUISTAR!