Estamos vivendo o pior momento de nossa história. Pior até que o do descenso. Sem comando no Departamento de Futebol, o Palmeiras virou a “casa da Maria Joana”! De fazer o torcedor morrer de vergonha…

Que tristeza… MEU DEUS!!! Acho que nunca vi o Palmeiras numa situação tão complicada como agora… Não me lembro de, palestrinamente falando, ter vivido nada parecido com esse horror…

Nem mesmo na época da fila o torcedor parecia tão perdido, tão sem saber como se posicionar. E, de tão desorientados, vamos perdendo a capacidade de pensar e vamos dizendo qualquer coisa, mesmo que algumas sejam totalmente sem sentido. E, o que é pior, vamos perdendo a capacidade de nos revoltar contra o que está acontecendo ao Palmeiras.

Quantos torcedores (até nosso treinador já jogou a toalha!?!) já não estão com o discursinho pronto: Vamos nos planejar para 2012, pegar Sulamericana… Pegar Sulamericana a PQP! Aqui é Palmeiras, porra! O Palmeiras tem que disputar títulos! Sulamericana é prêmio de consolação. E vai pegar como, jogando assim? Vai pegar como, se com mais da metade do time colocada em campo com a missão de defender, tomamos gol de cabeça, com o atacante adversário na cara do goleiro e sem marcação nenhuma? Se não conseguimos ganhar nem do CAG, mesmo tendo dois jogadores a mais? Se os nossos jogadores, por mais que se aventurem ao ataque, não conhecem o caminho das pedras? Planejar 2012? Vai planejar como, com esses dirigentes incapazes, que colocaram fogo no clube, no elenco e não sabem (e não querem) resolver os problemas internos, apagar os incêndios e não preservam elenco e técnico para que o futebol possa aparecer dentro de campo?

É se enganar demais e enganar os outros também. A água tá batendo na bunda e vamos continuar “tocando violinos”, como faziam os músicos do Titanic, enquanto ele afundava?

Todos os clubes enfrentam problemas internos iguais aos que enfrentamos nós. Nossos jogadores não são diferentes, e não se comportam de maneira diferente, a nenhum outro no mundo. Mas só aqui, porque NÃO TEMOS ALGUÉM QUE SAIBA CUIDAR DO FUTEBOL, tudo é motivo de escândalo, tudo é jogado na imprensa, tudo é amplificado, ampliado… Qualquer coisa é motivo para tumultuar o ambiente do clube, é motivo para colocar técnico contra jogadores, jogadores contra técnico… para colocar a torcida em guerra contra os seus iguais, em guerra contra o clube que ama, em guerra com os jogadores que aprendeu a admirar, e que agora, por méritos dessa diretoria incompetente, são hostilizados e sofrem um linchamento moral diário (‘curiosamente’, alguns, ainda que deem motivos, são poupados) e, com isso, o patrimônio do clube é desvalorizado.

De quem é esse prejuízo? NOSSO! DO PALMEIRAS, O CLUBE QUE A GENTE AMA!

Nossos jogadores têm cometidos muitos erros, dentro e fora de campo… nosso técnico não é mais o mesmo e tem errado muito também, com escalações equivocadas e substituições prá lá de prejudiciais ao rendimento do grupo, sem contar algumas declarações desastrosas que, desde que chegou aqui, ele tem feito; tão experiente, tão tarimbado, também me parece perdido em meio à essa confusão que respira diariamente, em meio à essa hostilidade que contamina as coisas do Palmeiras, e não consegue se fazer estimado e ter o grupo na mão… Mas não é prá isso que um diretor de futebol serve? Para cuidar e acertar as coisas que não estão dando liga na área de sua competência?  Para promover a concórdia, a paz, aparar as arestas, amenizar as hostilidades em proveito do futebol do Palmeiras? Frizzo não faz nada disso… trabalha pouco, trabalha pouco. Tirone, por sua vez, não sabe nem de que caminhão de mudança caiu…

Outubro mal começou e, enquanto torcedores de outros clubes compram camisas dos seus ídolos e sonham com título do campeonato e a vaga na Libertadores, como presente de Natal, nós estamos mandando embora nossos jogadores (da pior maneira possível), estamos fazendo contas… Estamos contando quantos pontos faltam para nos deixar matematicamente livres de qualquer possibilidade de rebaixamento! Pode uma coisa dessa? Tem algo que possamos achar bom nessa campanha ridícula? Neste segundo turno, o nosso aproveitamento nos coloca entre os últimos colocados. Ainda bem que no primeiro turno ganhamos uns pontinhos a mais…

Pra piorar, no começo da semana o jogador João Vítor, seu cunhado e um amigo, foram agredidos enquanto compravam camisas do Palmeiras na loja oficial! Aí entramos no caos total! Mais uma vez, o filme já tão conhecido… O nome do Palmeiras exposto de maneira tão negativa. Imagens do jogador sendo agredido, com a camisa rasgada, sendo mostradas em todos os lugares. UMA VERGONHA SEM TAMANHO PARA A NAÇÃO PALESTRINA! Depois de toda a confusão instalada, surgiram novas versões e novas imagens para o episódio. Ele teria sido ofendido por torcedores, seus amigos teriam ido prá cima (supostamente, ele também) e agredido primeiro, vieram mais torcedores e sobrou porrada prá todo lado. No final das contas, as vítimas não eram tão vítimas, os bandidos não eram tão bandidos. Mas nenhum deles estava certo. E o Palmeiras, mais uma vez nos noticiários, por causa de seus torcedores, por causa de seus jogadores…. A marca Palmeiras prejudicada, de novo…

E se é para perdermos a paz, a gente perde em alto estilo! Com direito à encrencas inimagináveis… Alguns jogadores se rebelaram contra o que teria sido a agressão ao João Vítor e se recusaram a viajar para o RJ, onde o Palmeiras enfrentaria o Flamengo. Kleber e Deola teriam liderado o motim; Felipão não concordou, discutiu com o atacante. Com todo mundo de cabeça quente, as coisas ficaram insustentáveis e Kleber nem jogou diante do time carioca. Tínhamos dois líderes, mas apenas um foi punido. Ao que parece, Kleber, errado por dizer muitas coisas, mas certo na maioria delas, não jogará mais pelo Palmeiras.

E assim vamos nós… Assim vai o Palmeiras enfrentar o Fluminense. Com a ‘cabeça tranquila’, ‘cheios de alegria e confiança’, com todo o “suporte” recebido por parte da diretoria, com “união”, “amizade” e “paz” “sem intrigas” e “sem trapaças”… Bom seria se fosse assim, né?

Eu vou estar no Canindé. Vou estar debaixo dessa chuva toda, cantando como nunca e apoiando o Palmeiras como sempre! Minha razão diz para eu jogar a toalha, não acreditar… Mas, meu coração, independente, rebelde, louco por esse time, não obedece a razão e acredita! Sempre! Além disso, Valdivia está de volta!

Que Deus nos ajude! E que ELE inspire o Mago e seus companheiros! AMÉM!

“Na SEP política é  confundir, desqualificar, mentir e, com tudo isto, desviar a atenção com informações e noticias que não levam a nada” (Esta frase não é minha, mas é a que melhor define o que acontece no Palmeiras)

Eu sempre acreditei, e acho que você também, que caráter não é igual à catapora. Dá e depois passa. Você não é acometido por um surto de caráter e depois volta a ser mau caráter, ou então, a ser alguém sem caráter. NÃO! Caráter é algo que ‘vem de fábrica’, ‘de berço’. Não é sazonal, não é ocasional… Quem tem, tem! E quem não tem,  morre sem ele!

No mundo do futebol, imaginamos e criamos perfis para jogadores, dirigentes e técnicos, de acordo com o que vemos, ouvimos e lemos por aí, de acordo com as atitudes e gestos que essas pessoas nos passam através de suas declarações, através das atitudes que são de domínio público. De acordo com o que imaginamos e o que sentimos de bom ou de ruim por determinadas pessoas. Até aí, tudo certo, é normal que seja assim. Mais que isso, só se você privar da intimidade da pessoa.

Felipão é uma dessas figuras públicas que, de tão públicas, tão familiares, nós dá a impressão que é da família, nos dá a impressão que a gente conhece bem, conhece a fundo. Os jogadores do Palmeiras nos parecem até “parentes”. (Tem gente que confunde essa sensação e jura que sabe o que pensa, faz e motiva uma pessoa assim “familiar”) Mas, gostemos ou não do que faz Felipão com o time, dos esquemas que monta, das suas escalações e substituições, não vejo quase ninguém (nunca há unanimidade) que ataque a sua moral, a sua integridade. A ideia que ele nos passa é a de uma pessoa séria, correta, íntegra. É assim que eu o vejo.  É assim que eu imagino que ele erre algumas vezes; querendo acertar; é assim que imagino a sua luta contra as ratazanas (foi ele quem disse que elas existem e sabe quem são) que infestam o Palestra Itália.

Mas o fato é que, cansamos de saber que nossos maiores inimigos, os que mais prejudicam o Palmeiras, não são os que entram em campo, são os estão lá dentro do Palestra. Dirigentes, empresários fomentando fofocas, gente querendo se aproveitar do Palmeiras e das coisas que ele proporciona. E não é de agora; estão roendo as nossas estruturas há décadas. Mas nós também sempre soubemos que esses dirigentes de agora foram contra a contratação de alguns jogadores, foram contra a contratação do técnico, foram/são contra altos salários, foram contra a Arena Palestra…

Sabemos também que o nosso presidente, que não veste a camisa do Palmeiras, mas veste a do Chelsea, ficou um tempão se recusando a assinar o documento que daria continuidade às obras da Arena, alegando querer melhorias no contrato, e que essas ‘melhorias’ foram a conquista de alguns camarotes e vagas permanentes no estacionamento… Sabemos que foi nosso Depto de futebol que recusou a contratação de Borges por apenas 1,5 milhão… Ouvimos dizer que Paulo Henrique, que não foi pretendido por Felipão, talvez tenha sido trazido para o Palmeiras, numa negociação suspeita entre um empresário e um dirigente… Reza a lenda que, por barrar alguns jogadores que um sobrenome “ilustre” queria enfiar no Palmeiras, Felipão foi brindado com uma faixa “FORA FELIPÃO” colocada lá no CT, e que o Palmeiras jura não saber quem a colocou, mas também não vai investigar… Vai ver foram ratos…


E nada melhor para mascarar a existência de ‘ratos’, nada melhor para fazer ‘rato’ parecer gato, do que um punhado de ratazetes militantes para desfocar o torcedor dos reais problemas, para plantar ideias por aí, sem nunca provar. Para fingir que não sabem e não veem o que de errado acontece no poder palestrino.

Mas eu falava de Felipão, não é mesmo? Falava de sua correção, sua integridade.  Ainda que não concordemos com algumas de suas ações, nunca colocamos em dúvida a sua transparência (ele não manda recados) e nunca questionamos as suas declarações. Pois bem…

Há semanas, por causa de erros cometidos na condução de um assunto profissional, Kleber foi eleito o ‘sem caráter’, o ‘Judas’ por boa parte da torcida. Todo mundo sabe que Kleber nunca foi um dos meus jogadores favoritos, nem mesmo em 2008. Eu posso criticar algumas de suas atitudes, posso criticar a sua performance em campo, posso até nem gostar dele, mas eu jamais vou desrespeitar quem veste a camisa do meu time. E acho estranho que Felipão não saiba mais avaliar seus jogadores e tenha escolhido Kleber para seu capitão, assim que o jogador foi contratado… E me pergunto, Felipão mentia/se enganava em todas as vezes que falava bem do atacante?

Lincoln e Pierre já foram… E a diretoria não escondeu a satisfação por não ter que arcar mais com os salários, ou parte deles, como é o caso de Lincoln. Kleber já está queimado e poderá ser negociado, sem transtorno algum com a torcida, quando a diretoria bem entender… Felipão, a continuar tendo resultados insatisfatórios, mesmo que pareça blindado, não vai dar muito trabalho, mais à frente, para que a diretoria se livre dele.

As baterias se voltam agora para Valdivia! Além de ser culpado por ser convocado para a seleção do seu país (Henrique não é condenado por ser convocado para a Selenike) é também culpado pelas contusões. Sabemos, mas apenas porque dizem por aí,  que não há santos nessa história e que o Mago deu umas pisadas na bola. Mas isso já passou, e todos ficamos sabendo  que ele, na época, conversou e se acertou com Felipão. (O próprio Felipão veio a público dizer isso. Será que ele mentia?) E sei que Frizzo, muito antes desses problemas todos surgirem, disse para um amigo meu (com nome sobrenome, RG, CPF e telefone) lá no clube, que seria ganhar na loteria poder vender o Mago. ENTÃO ESSA É A VONTADE DELE HÁ TEMPOS! Tirone também disse o mesmo naquela entrevista que deu “sem querer”, “sem saber”, lembram?

Então, surgiu a informação de que era Valdivia quem queria sair. Que os “pobres dirigentes” não queriam vender, mas nada podiam fazer para segurar o jogador. Iríamos ficar à mercê da ineficiencia de Tinga e Patrik. (Uma boa partida do Mago vale por 100 jogos dos dois juntos.) Quem conhece o Valdivia, sabia q ele nao queria sair. E Valdivia foi à TV e desmentiu o que diziam, afirmando que quer ficar. Aí surgiu a história de que ele teria tido um aumento de 30%. Vejam que as histórias surgem do nada! Mais uma notícia infundada e sem noção, que a própria diretoria tratou de desmentir.

O Mago então, foi acusado de cometer um novo pecado. Revoltados, alguns associados lá no clube, garantiam que Valdivia teria dito: ” Não quero ficar nessa m… Vou sair e que segurem o rojão.” Afirmavam também que o presidente estava mostrando para conselheiros uma carta com o pedido de liberação feito pelo jogador. Questionados sobre a identidade do conselheiro que teria visto a tal carta, ou a fonte da informação, as respostas foram evasivas. No mesmo dia, num evento palestrino, Tirone disse: “Não quero vender, mas ele quer sair, e só irei analisar alguma coisa quando tivermos a proposta oficial, que não chegou.” E neste evento, o presidente não mostrou carta alguma…

Prá se pensar não é mesmo?

Mas o mais intigrante são algumas declarações de Felipão totalmente contrárias ao que afirmam alguns:

“Valdivia tem um bom caráter”  – http://miud.in/VTG

“Não tenho problema de caráter com o Valdivia. Caráter não se compra em farmácia e ele tem. No contato que tenho com ele diariamente, vejo que tem um bom caráter”

Felipão isentou o jogador de culpa pelas seguidas lesões que ele teve na temporada. “Não é porque ele quer. Aconteceram muitos detalhes e ele foi perdendo tempo de voltar melhor. Aqui no Palmeiras, ele vinha crescendo e jogando bem, mas teve de ir para a seleção e se machucou. É essa dificuldade que vem fazendo o Valdivia não adquirir ritmo de jogo, por isso ele não é o mesmo de 2008. Essas idas e vindas para o departamento médico fez com que ele tivesse um decréscimo de produção”

“Se ainda estivéssemos com o Valdivia, que é um dos meus principais jogadores, provavelmente teríamos quatro, cinco, seis pontos a mais na tabela.” http://miud.in/VTH

É um dos nossos melhores e, quando tiver condições, jogará normalmente, porque é craque”

Alheio a questões financeiras, Felipão celebrou a permanência do jogador.

“É ótimo. O Valdivia tem saída de bola, qualidade no passe, organização… Ele ficando, melhor para mim. Acho ótimo ele ter ficado, mas as outras situações não sou eu que administro.”

Hoje, chegou no Twitter, a informação de que Felipão disse lá no CT que conhece os vagabundos (o mesmo termo usado por alguns torcedores) do time e que ano que vem eles não estarão mais aqui. Já acho estranho e anti ético um técnico chamar os seus comandados de vagabundos, quando outro dia mesmo, após uma vitória, os chamou de guerreiros. Mas vá lá… Só que, revelar esses “offs”, num procedimento idêntico ao das ratazanas que tanto combatemos, nenhum benefício traz ao Palmeiras, ou ao time. Além de desvalorizar o patrimônio palestrino, tal atitude vai ser motivante, ou vai irritar e conturbar mais o ambiente? Quem é que sabe… Mas a pergunta que não quer calar é: “Em qual Felipão eu devo acreditar?”


“O diabo pode citar as Escrituras quando isso lhe convém”  (Shakespeare)

O clima era quase o de uma guerra. Palmeiras e Flamengo, graças às atitudes pouco éticas de Patrícia Amorim, nunca estiveram tão rivais. O time rubro negro, que jurou ter contratado Felipão 99,9%, enquanto esse assinava com o Palmeiras; que ia contratar Valdivia (que nunca quis ir prá lá); que levou Ronaldinho Gaúcho (graças a Deus) quando o Palmeiras estava perto de trazê-lo, agora tinha tentado contratar Kleber. E causou um baita rebuliço no clube e nas estruturas de amor que mantinham a relação Kleber x Torcida. Por esse motivo as duas últimas semanas tinham sido de decepção para muitos e de apreensão para todos.

E a grande incógnita era se Kleber entraria em campo. Ele estava concentrado e relacionado, mas no dia anterior à partida, o Flamengo acenara com mais uma proposta. Não sei se é verdade, mas dizem que Tirone foi até o CT levá-la ao jogador. Caso isso tenha mesmo ocorrido, vou continuar acreditando que a nossa diretoria está louca para vender os caros jogadores do elenco. E, cá entre nós, no dia de hoje em que os “arautos da ética e far play” vomitam sandices na imprensa, é lícito que um clube faça uma proposta para um jogador de um outro clube, que será o seu próximo adversário,  e às vésperas da partida?

O Pacaembu estava praticamente lotado! 35 mil torcedores compareceram à “guerra”. O Flamengo estava recheado de desafetos palestrinos (R.Gaúcho, David ex gambá, David zagueiro, T. Neves, Luxa, Felipe, Mortícia Amorim) A Que Canta e Vibra fazia a festa, quando a escalação do Palmeiras começou a ser dada pelo auto-falante. Tinha chegado a hora de sabermos qual teria sido a escolha de Kleber… Todo mundo parou para prestar atenção. Enquanto uns tinham certeza de que ele estaria ali, outros duvidavam. Os nomes eram ditos uma a um… Marcos… Maikon Leite e… KLEBER! Ainda que uma boa parte da torcida esteja desapontada com ele, o Pacaembu comemorou muito! Kleber, finalmente, fizera a sua escolha!

O Palmeiras começou o jogo com bastante atitude. Ronaldinho Gaúcho (que graças a Deus preferiu o Flamengo) não teve vida fácil na partida. Cicinho, o melhor lateral direito do campeonato brasileiro, infernizou o ex-melhor do mundo que estava muito mais preocupado em fazer firulas do que jogar. O rubro-negro carioca muito pouco fazia em campo e vivia apenas de contra ataques. Mas, embora o Palmeiras dominasse a partida e chegasse algumas vezes ao gol do time carioca, não conseguia oportunidades reais de gol, exceção feita à uma bela jogada de Maikon Leite que Luan, quase embaixo de trave, deixou escapar; à uma cobrança de falta de Thiago Heleno que raspou a trave e tocou a rede pelo lado de fora; e ao pênalti sofrido por Kleber, que Leandro Pedro Vuaden, o árbitro, deixou de marcar. Jogo difícil, um clássico do futebol brasileiro, o time com dificuldades para criar, aí o juiz deixa de apontar uma penalidade…

E ele também deixou de dar cartão amarelo para Ronaldinho quando, com a jogada já paralisada, ele esqueceu o fair play e tentou encobrir o pentacampeão Marcos. Mas o Santo, claro, fez uma baita defesa, como a dizer: AQUI NÃO, MEU FILHO! E tivesse tomado esse amarelo, teria sido expulso depois, quando tomou, o que deveria ter sido, seu segundo cartão amarelo.

Eu achei que o Palmeiras respeitou o Flamengo muito mais do que ele mereceu. Pelo futebol apresentado pelo time de Luxemburgo, não era necessário que o Palmeiras rifasse tanto a bola. Tinha que colocar no chão e trabalhar a jogada. O Verdão tinha força, determinação, vontade, estava atento na marcação, nossos jogadores, brilhantemente, desarmavam quase todas as jogadas do Flamengo, mas faltava um cérebro. Faltava alguém para pensar o jogo e armar a equipe. Com Patrik não criávamos nada. E o “cérebro”, aflito, atento, acompanhava o jogo feio, de muita marcação. Eu não vi, me contaram, que o nosso Mago assistia à partida da cabine.

Na segunda etapa, o jogo ficou chato, monótono. O Palmeiras perdeu um pouco da posse de bola e o Flamengo até tentou vir prá cima. Ainda bem que Ronaldinho tentava as suas firulas sem sucesso, e também era desarmado com muita facilidade, na maioria das vezes. Do outro lado, A “Daiane dos Santos Gigante” que o Flamengo tem no gol, se pudesse faria um duplo twist carpado até em bola atrasada por seus companheiros. Patético…

Felipão tentou mudar o time. Tirou Patrik, que nada fez, para colocar Tinga que nada faz. E embora Kleber, que foi o Gladiador que esperávamos (marcou, correu, trombou, buscou…), e Maikon Leite parecessem entrosados, Felipão, resolveu tirar o garoto, o melhor atacante em campo e colocar Dinei. Juro que não entendi. Tirasse então o Luan! Já não tinha entendido ele ter levado o Chico e deixado o Pierre e saí do jogo sem entender porque ele não levara W.Paulista.

O jogo, que se arrastava monótono, à exceção das arquibancadas que não paravam de cantar, estava quase para terminar quando, num momento em que a bola estava parada entre um jogador do Palmeiras e outro do Flamengo, porque um atleta carioca estava no chão (por que não colocaram a bola prá fora?) Kleber, saiu com a bola dominada, correu em direção ao gol e chutou. A bola não entrou, mas os jogadores do Flamengo partiram prá cima de Kleber e tivemos momentos de confusão. Os ânimos foram acalmados, parte da torcida gritou o nome de Kleber e o jogo terminou do jeito que começou… num brochante 0 x 0. Confesso que esperava mais dessa partida.

Mas após o apito final e, durante todo o dia de hoje, não se falou em outra coisa: FAIR PLAY. No fair-play que teria faltado a Kleber, e que a maioria dos flamenguistas e dos “pais” da ética e da boa conduta já nomearam falta de caráter. No Brasil todo mundo acha que fair play é só um time colocar a bola prá fora, de novo, quando o seu adversário já o fez anteriormente, para que um jogador machucado seja atendido. E a ideia de bom caráter anda um tanto quanto equivocada.

Vejamos:

O Código de Ética Esportiva, elaborado pelo Conselho da Europa (1996), ressalta que o fair play está além de um simples comportamento: O fair play significa muito mais do que o simples respeito às regras; cobre as noções de amizade, de respeito pelo outro, e de espírito esportivo, representa um modo de pensar, e não simplesmente um comportamento. O conceito abrange a problemática da luta contra batota, a arte de usar a astúcia dentro do respeito às regras, o doping, a violência (tanto física quanto verbal), a desigualdade de oportunidades, a comercialização excessiva e a corrupção.

Partindo daí, quem é que pode atirar a primeira pedra? Como é que um time que tem o “exemplo de ética” Luxemburgo, no comando, vem falar de ética e caráter? Como é que o clube que envia proposta para jogador de outro clube, na véspera de enfrentá-lo, tem coragem de falar em ética? Luxemburgo, Patrícia Amorim, alguns jogadores do Flamengo, e outros tantos aí, falando em ética, fair play e falta de caráter, é o mesmo que um Idi Amin Dada cobrar democracia de um Hugo Chavez. É o mesmo que o goleiro Bruno, ou o Netinho de Paula querer defender os direitos da Mulher. Podem  falar que a atitude de Kleber não foi bacana, mas é só!

Ronaldinho ter tentado encobrir Marcos e marcar um gol, quando a jogada já tinha sido parada, foi de um fair play admirável, não é mesmo? Ele quis, ou não levar vantagem de maneira idêntica à de Kleber? Felipe sair em qualquer defesa, mesmo as mais fáceis, com a perna levantada pronto a atingir o adversário, é coisa de gente de caráter, é uma atitude totalmente baseada em fair play? Kleber sofrer pênalti (pasmem! Até a Globo concordou!), o juiz não marcar, e o jogador do Flamengo pedir amarelo prá ele é fair play? Poderia escrever um livro aqui…

Mas, o supra sumo de tudo isso, é a cena em que os jogadores do Flamengo partem prá cima de Kleber… FAIR PLAY PARA INGLÊS NENHUM BOTAR DEFEITO!!

Enquanto isso, a hipocrisia, livre leve e solta, dá risada…


 

Já tinha sido uma dor de cabeça termos deixado dois pontos em Minas, quando jogamos diante do fraco time do América/MG. Pontos que vão nos fazer falta depois e que fizeram também agora, quando poderíamos ter ficado isolados na vice liderança do campeonato.

 

Mas nem podia ser diferente… Apesar de o juiz ser muito ruim e, na minha opinião, ter prejudicado o Palmeiras em alguns lances, nem dá para reclamarmos do sujeito. O Palmeiras apresentou um futebol ruim, sem criatividade alguma (ainda bem que Valdivia volta logo), com falhas nas finalizações, muitos erros de passe; Chico foi, equivocadamente, escalado na lateral; Lincoln não rendeu absolutamente nada, W.Paulista, esforçado, mas meio perdido em campo; Luan voltou a ser Luan; muitas falhas; time sem pegada nenhuma e sem Kleber, lesionado…


Ah, essa lesão… Que novela!

Justo quando o Flamengo acenou com uma proposta de salários mais altos, o nosso Gladiador sentiu uma dor muscular. Confessoque fiquei meio desconfiada, afinal, ele já tinha feito seis partidas pelo Palmeiras. Se fizer a sétima não poderá mais ser negociado para times aqui do Brasil. Mas acreditei que ele estivesse lesionado. Tantos jogadores nossos vêm se machucando, por que não Kleber?

Mas a coisa começou a se arrastar, vieram os papos de que Kleber queria e quer aumento. Aumento? Mas como, se o time só ganhou desclassificações? Uma delas com um vexatório 6 x 0. Como algum jogador, daqueles 10 (Marcos fez o que pode) que se arrastaram em campo naquele 6 x 0, pode pensar em pedir aumento? Eu não daria!

O empresário do jogador desmentia os pedidos de aumento, mas nada do Kleber, que costuma ser tão falante no Twitter, vir a público colocar uma pedra sobre o assunto. Como tinha feito Valdivia, quando o Botafogo quis contratá-lo. Ele simplesmente disse: NÃO VOU! E eu achava que, num momento ou outro, Kleber faria o mesmo. Mas que nada…

Eu sou apenas uma torcedora. E quando escrevo aqui, ainda que tenha as minhas fontes, ainda que tenha os meus contatos, me baseio apenas na visão da torcedora que sou. Por isso, fiquei observando os acontecimentos. Não conversei com dirigente algum sobre o assunto, não tenho acesso ao Kleber, apenas tive algum contato com seu empresário, Giuseppe Dioguardi, que me passou a informação que ele não tinha tido reunião alguma com o Flamengo nesta semana, e não tinha nenhuma outra agendada. Me disse também que ele e Kleber não estavam pedindo um centavo sequer de aumento. Se eu acreditei nessa história ou não, é outro papo. Mas acho justo que seja dito aqui.

Só que um novo episódio causou rebuliço nesta semana. Nosso DM (quem me lê sempre sabe que não confio muito nele) liberou o atleta e deu carta branca a Felipão para escalá-lo. Kleber treinou normalmente na semana, não tomou mais remédios, nem mesmo precisou fazer gelo na coxa (segundo disse em seu blog o Alex Muller). E, detalhe importante, também não se queixou de dores! Então, todo mundo supôs que ele estava recuperado, não é mesmo? Que nada!

Eu não confio em nosso DM, mas isso é coisa minha. Só que, a liberação do jogador, “casou” com o fato de que ele treinou normalmente, sem remédios, sem dores e sem gelo. Mas não é que, após o treinamento da manhã de ontem, quando teria que se concentrar com o restante do elenco, Kleber se reuniu com Frizzo e, após essa conversa, comunicou ao médico do Palmeiras que ainda sentia dores e, por isso, não iria jogar?

À tarde, foi à uma clínica particular, muito conceituada por sinal, e por conta própria, realizou novos exames, que apontaram uma lesão grau dois em sua coxa esquerda.

E isso é que não “casa” com a performance que o atleta tinha tido nos treinamentos durante a semana… Isso eu não consegui assimilar.

O fato é que o jogador está desmentindo o DM do Palmeiras. Isso é uma coisa muito séria! Não me atrevo aqui a culpar e, tampouco, a inocentar quem quer que seja. Mas não posso fazer de conta que não reli, no dia de ontem, a notícia de um ano atrás, de uma lesão na coxa de Kleber, justamente quando estava para fazer o sétimo jogo pelo Cruzeiro e o Palmeiras o queria contratar. A situação é semelhante demais à que temos agora. Que triste…

Mas, se a versão de Kleber for verdadeira, que ele compre essa guerra com o DM então! E já que não tem intenção de sair do Palmeiras, que não está apenas forçando a sua saída, é muito fácil de mostrar isso a todos. Que entre em campo hoje e depois peça para ser substituído por estar com dores.

As pessoas que me leem aqui, e as que privam da minha amizade, sabem muito bem que Kleber nunca foi meu ídolo, mas também sabem que gosto dele e o respeito. Fiquei muito feliz com a volta do Gladiador. Me emocionei bastante com aquelas cinco mil pessoas, numa tarde de um dia útil, fugindo do trabalho, da escola, só para sentir de perto a alegria de ver o ídolo de volta.

Também não consegui ficar indiferente às juras de amor de Kleber…

E é por isso que, com tristeza, estou quase acreditando que ele vai escolher jogar fora tudo o que conquistou aqui, e que nenhum dinheiro do mundo pode comprar.

Vamos lá, Gladiador! Mostre prá mim, e para milhões de outros, que estamos errados!

A bola tá pingando na área… você chuta se quiser. Mas nunca se esqueça, O PALMEIRAS VEM SEMPRE EM PRIMEIRO LUGAR!!!

 

Até parecia jogo contra os bambis… (Mais à frente você entenderá porquê) Mas era contra o Santo André, lá no Bruno José Daniel e seu gramado horroroso. O time do Palmeiras treina no gramado certinho da Academia e depois tem que ficar fazendo “tour” pelos piores estádios de Sampa e do Brasil. E pensar que a FPF, por tantas vezes, quis vetar o Palestra para jogos contra os grandes, porque um deles sempre reclamava do nosso estádio. E esse “grande” vai jogar em Santo André, São Caetano… E não reclama. Que coerente!

O jogo começou com o Santo André marcando forte, mas sem levar perigo ao Palmeiras, que era superior na partida. Logo aos 3′, quase que Marcos Assunção abre o placar, em cobrança de falta. Mas o comentarista da Globo e vidente, Caio Ribeiro, jurava que o Assunção quis cruzar. Haja saco! Comentários infelizes à parte, a superioridade verde foi ficando mais acentuada. Aos 21′, depois de passe mágico do Mago, Kleber recebeu e entrou na área, tentou cortar e foi derrubado. PÊNALTI!!! O Gladiador foi para a cobrança e o goleiro defendeu! Mas a alegria de Neneca durou só meio segundo. Porque Kleber, rápido, pegou o rebote e guardou! O grito de gol explodiu nas arquibancadas! A festa palestrina, que já começara antes do apito inicial, se consolidava entre os 6 mil palmeirenses que compunham a maioria no estádio.

E aí o Palmeiras cresceu! Valdivia estava soberbo! Kleber se movimentava muito bem lá na frente e Luan na esquerda. Pena que Luan esteja pecando nas finalizações… Perdeu uma chance depois de um belo cruzamento de Cicinho, e mais outra após cruzamento de Danilo. Ele cabeceou, tirando do goleiro, mas a bola foi muito alta. Antes que o juiz apitasse o final do primeiro tempo, Tinga ainda tentaria com um belo chute, mas a bola passou perto…

Na segunda etapa, com 20s de jogo, Aloísio chutou de longe; Deola teve que cair e se esticar para fazer a defesa. O Palmeiras parecia ter diminuído o ritmo e, o Santo André, pelo primeiro lance de real perigo que levou ao gol de Deola, parecia estar disposto a vir prá cima. Mas não aconteceu nem uma coisa nem outra. Um estranho e misterioso gás, liberado, sabe-se lá como (por isso eu disse que parecia jogo contra os bambis. Eles é que gostam dessas artimanhas.), se espalhou pelo campo e a partida teve que ser interrompida por cinco minutos. Jogadores e comissão técnica tossiam, tinham os olhos ardendo  e ninguém sabia nem mesmo o que estava acontecendo… Mais tarde diriam que a PM teria usado gás lacrimogênio do lado de fora do estádio… Essa Copa do Mundo promete!

O jogo foi reiniciado e Tinga, tentando por cobertura, perdeu uma bela chance. O Santo André insistia em atacar, mas a defesa barrava as investidas do “Ramalhão”. Aos 17′, Tinga, do meio de campo meteu uma bola linda para Luan, que entrou na área, tentou bater cruzado, mas chutou em cima do goleiro. Aos 22′, Valdivia tirou mais um sortilégio ‘das mangas de sua capa’ e achou Luan pela esquerda; ele entrou na área e foi derrubado. Pênalti! Cleber Machado, incansável, ao invés de comentar a maravilha de passe de Valdivia, tentava de todas as formas achar uma irregularidade qualquer na marcação do árbitro. Alguém precisa avisá-lo que se houve o toque (como ele mesmo afirmou), ainda que o jogador tenha valorizado (outra afirmação dele), é pênalti, sim senhor! Kleber foi para a cobrança, bateu do mesmo jeito que batera o primeiro e… o goleiro defendeu! Para alegria do narrador que não se cansava de dizer que, agora sim, Neneca tinha defendido do jeito que queria, sem dar rebote, mandando para escanteio. E o escanteio foi cobrado por Assunção, Thiago Heleno cabeceou, Neneca defendeu e, no rebote, adivinhem quem apareceu? QUEM?? Ele mesmo! Kleber chegou primeiro e marcou o segundo gol do Palmeiras, o segundo do nosso Gladiador artilheiro!

Um jogador que perde dois pênaltis na mesma partida, e marca dois gols logo em seguida, se aproveitando dos rebotes, tá ou não tá com sorte e garra de campeão?? E foram dois pênaltis originados pelos mágicos pés de Valdivia. Mas, aos 30′, o Mago extrapolou! Levou a torcida ao delírio e presenteou a todos os que assistiam à partida com mais uma jogada de encantamento e magia… Uma jogada de Valdivia! Um toque de letra digno de aplausos e que me fez chorar de alegria… Eu sempre disse e vou continuar a afirmar: VALDIVIA É UM PRESENTE DE DEUS! E eu nunca vou deixar de agradecê-Lo por isso.

Que maravilha ver o Palmeiras assim! Que maravilha  ter o Mago e o Gladiador no time! Que maravilha ter Felipão no banco para fazer do nosso antigo amontoado de jogadores, um time de verdade, com padrão de jogo, consciência e pegada. QUE DÁDIVA SER PALMEIRENSE!

Em campo, aos 34′, Felipão sacou Valdivia, que sofrera um forte pisão no pé, chamando pro jogo o estreante Wellington Paulista. A Que Canta e Vibra o recebeu com muitos aplausos. Aos 40′, foi a vez de Chico ir a campo em lugar de Assunção. Mas, com a vantagem, o Palmeiras diminuiu o ritmo. Sem o Mago, ficou menos perigoso. E, numa cobrança de falta’, Anderson, de cabeça, diminuiu para o Santo André. Felipão ainda faria mais uma substituição, colocando João Vítor no lugar de Kleber. Com a partida quase no fim, o Ramalhão viu Vítor Hugo ser expulso após entrada muito dura em Danilo. Com 7 minutos de acréscimo o juiz encerrou a partida.

Os palestrinos que saíram felizes, cantando e confiando no time para a segunda partida, à noite iriam sonhar com os gols de Kleber, com os encantamentos do Mago, com a Copa do Brasil… Do outro lado, Neneca, com certeza, iria ter pesadelos com o Gladiador…

E hoje é em Campinas, ‘parmeras’! A última partida da fase de classificação do Campeonato Paulista. O Palmeiras vai em busca de mais uma vitória e da manutenção da liderança (que tantos profetizaram, seria do Verdão apenas uma rodada)! Não teremos o Mago e vários outros titulares estarão no banco. Mas o time do Palmeiras é uma família agora. E fazemos parte dela. ENTÃO VAMOS APOIAR OS “PARENTES”, SEJAM ELES QUAIS FOREM A VESTIR O MANTO!

FORÇA, PALMEIRAS! ÔÔÔ VAMOS GANHAR PORCOOOOO!

O Palmeiras foi à MG enfrentar o time do Uberaba, pela segunda fase da Copa do Brasil. Até aí nada demais. Mas foi de ônibus! E a imprensinha achou uma heresia e fez o maior escarcéu! No Lixo Aberto, provavelmente sem pauta, não se falava outra coisa. De propósito, ninguém se atentou para o fato, e para as declarações dos dirigentes que, indo de avião, gastaria-se muito mais tempo e ainda teriam que fazer a última parte do percurso (Uberlândia – Uberada) de ônibus. Alheia aos “incendiários”, a delegação palestrina seguia tranquila, confortável, assistindo a uns filminhos, dormindo, sem check-in, sem espera, sem desce aqui, embarca ali…

E enquanto o Palmeiras viajava sossegado, a imprensinha, que não faz alarde dos números do Palmeiras em 2011 – 16 JOGOS, 11 VITÓRIAS, 4 EMPATES E 1 DERROTA- , tratou de focar mais um “desastre” palestrino: a Arena Palestra Itália e os “problemas” que a sua construção supostamente trará! A Folha de (ou do?) São Paulo, publicou uma matéria tendenciosa, de meias verdades sobre a construção do estádio palestrino com o título: “Palmeiras terá que pedir licença no seu estádio”. Falou sobre o Palmeiras ter que avisar com antecedência as datas de seus jogos,  que lá ele não poderá mandar jogos do time B ou da Base e que, mesmo um amistoso teria que ser comunicado pelo menos 120 dias antes. E por aí foi…
.
Revelando aqui, escondendo ali, a Folha focou apenas metade do todo, sugerindo ao leitor que o Palmeiras estaria sendo feito de bobo, que a W-Torre seria a dona da Arena.  A W-Torre vai gastar 150 milhões e o pessoal da Folha acha que vai ficar por isso mesmo? Tudo bem que aqui é Brasil. ‘Tudo bem’ que aqui tem o Morumbi construído com dinheiro público, com terreno doado também às custas de dinheiro público; ‘tudo bem’ que o Corinthians vai ganhar um estádio com dinheiro público… MAS A ARENA PALESTRA, QUE ESPEROU DOIS ANOS PELA APROVAÇÃO DA PREFEITURA, ENQUANTO OUTROS “PROJETOS” RECEBEM APROVAÇÃO IMEDIATA, NÃO TERÁ NADA A VER COM DINHEIRO PÚBLICO, FAVORES… Então, é óbvio que quem financia a obra, no futuro será ressarcido de alguma forma.
.
E como isso será feito? De várias maneiras, como por exemplo, com a venda do espaço para shows. E como acontecerão alguns grandes shows na nova Arena, é evidente que todas as datas de uso do local terão que ser previamente agendadas, não é mesmo? Além do mais, como bem diz Belluzzo, não está sendo feito um ato de caridade. Não nos dão 150 milhões e apenas dizemos “Obrigado”, como a turma de Mustafá gostaria que fosse. São negócios! De gente grande! Sem contar que o Palmeiras não terá mais nenhuma despesa com a manutenção do estádio. Parece que os “profissionais” da Folha de/do São Paulo e os atuais dirigentes palestrinos, entendem muito pouco deste assunto. E cá entre nós… PORQUE É QUE O MUSTAFÁ, QUE FICOU 12 ANOS NO PODER, NÃO FEZ  MELHOR? TEMPO ELE TEVE DE SOBRA!
.
A matéria tinha muito mais coisa, muito mais de meias verdades e informações omitidas. Desisti de me alongar sobre o assunto quando me lembrei de algo que me contaram certa vez; que em 1999, na redação da Folha se fez uma grande comemoração pela derrota do Palmeiras no Mundial do Japão. Imaginem qual é a motivação a cada vez que escrevem sobre o Campeão do Século.
.
E, contrariando os “Nostradamus” do ‘apocalipse palestrino’, o Palmeiras chegou à Uberaba… E como a imprensinha não encontrou ratos e nem baratas no hotel da delegação, que tal “mandar” Felipão para outro clube? Pois bem, depois dos rumores (devidamente alardeados pela imprensa – que mal noticia que Robinho processa a Nike…),  que candidatos à presidência do Sporting, contratariam o treinador palmeirense caso fossem eleitos, o aprendiz de comentarista e fake de jornalista, Neto,  passou a afirmar que já havia uma negociação. Ouvir proposta não é negociar! E eu duvido que Felipão esteja negociando com quem quer que seja! Mas, não satisfeito, antes do início da partida, Neto disse na TV que as coisas tinham mudado de rumo e o destino de Felipão poderia ser o Fluminense. Porra, esse cara dorme com Felipão? Porque EU DUVIDO QUE FELIPÃO LIGUE PRÁ ELE PARA DIZER QUE ESTÁ EM NEGOCIAÇÃO COM O SPORTING E, LOGO A SEGUIR, QUE MUDOU DE PLANOS E PODE IR PARA O FLUMINENSE!! A não ser que ele receba a informação por parte daqueles “palmeirenses” que querem acabar com o Palmeiras, que querem pressionar Felipão a sair do clube.
.
Então, depois sintonizar a Band e deixar no mute, fui assistir ao jogo do Palmeiras…
.
O estádio estava lotado de palestrinos, e o campo cheio de água,  por causa da chuva que caira durante o dia todo e ainda continuava caindo. Estádio de time pequeno não costuma ter um sistema de drenagem de primeiro mundo, feita com rodos, como têm os bambis… Mas Felipão, atento aos detalhes, resolveu trocar jogadores mais leves, como Gabriel Silva, Cicinho e Vinícius, por Chico, Rivaldo e Luan , fisicamente mais fortes. E olha que Felipão acertou na mosca!
.
E acertou também quando orientou Kleber (de volta ao time) a escolher o lado menos encharcado do campo. Apesar da dificuldade, da quantidade absurda de água, o Palmeiras começou a tocar a bola e a levar perigo. Valdivia, que joga até debaixo d’água, esbanjava categoria em passes, dribles…  Aos 10′, Luan quase marcou com um chutaço de fora da área. O goleiro precisou espalmar.  Aos 11′, Assunção cobrou escanteio pela esquerda e Luan, de cabeça, mandou na rede!  O Verdão saía na frente!
.
O Palmeiras continuou tocando, perdendo algumas chances, até que, aos 21′, o nosso camisa 21, tabelou com Kleber  pela esquerda e chutou forte, sem defesa para o goleiro do Uberaba. Palmeiras 2 x 0. Segundo gol de Luan que, taticamente perfeito, fazia uma grande partida!
.
O Uberaba tentava em contra ataques, mas o Palmeiras, esperto desarmava tudo no meio de campo. E jogava muito bem! Levamos um susto aos 35′, com  uma bola na trave, mas foi só. O Palmeiras , muito superior, comandava as ações de jogo. Mas não era tão fácil quanto parecia. No campo pesado, enlameados, cansados, os jogadores esbanjavam vontade e, para espanto de todos, alegria! E o que já tava bom, ficou melhor ainda! Aos 42′,  Valdivia deu um passe perfeito para Kleber. O Gladiador, que também estava jogando muito, só teve o trabalho de tocar no contrapé do goleiro e ampliar para o Palmeiras! Já sabíamos que a fatura estava liquidada.
.
Na segunda etapa, com o resultado feito, com o time jogando bem, Mago e Gladiador incendiaram o coração do torcedor. Demonstrando grande entrosamento, com belas jogadas, criaram as melhores chances do time. Perdemos muitos gols, é verdade,  mas o chute no vácuo, as embaixadinhas do Mago e o golaço do Kleber aos 46′, foram deliciosos! Com chuva, bom futebol, muita disposição,  belos gols, e com Mago, Kleber e Luan, como os melhores em campo, o Palmeiras passou à fase seguinte da Copa do Brasil.
.
.
Felipão, com poucas opções, está tirando leite de pedra, fazendo o time evoluir e jogar com alegria… É PRECISO APENAS QUE OS INIMIGOS DO PALMEIRAS, QUE AGORA ESTÃO NO PODER, RESPEITEM  O TÉCNICO  E O DEIXEM TRABALHAR EM PAZ…
.
BOOOORA, PALMEIRAS! A TORCIDA ESTÁ COM VOCÊS!!

Deixa chover, deixa a chuva molhar,
Dentro do peito tem um fogo ardendo que nunca, nada vai apagar… (Guilherme Arantes)

Tarde de muita chuva em São Paulo… Tarde de transtornos para qualquer maluco que, como eu, resolveu ir ao Morumbi. O famoso “melhor estádio do Brasil para a realização da Copa do Mundo”, estádio do “time que tem estrutura de clube europeu” (Oi?) deveria ter oferecido boias, pés-de-pato e snorkels aos torcedores que resolveram se aventurar a chegar até ali e a assistir à partida naquela pocilga.

A avenida em frente aos portões principais do estádio estava alagada. Lá dentro, as arquibancadas viraram piscinas (os bambis se refestelaram), imensas poças d’água eram vistas em todo o gramado. “inteligentemente”, as canaletas que escoavam a água das arquibancadas, a despejavam exatamente sobre as cadeiras das numeradas inferiores. Coisa de primeiro mundo! De time que prima pela modernidade. E pensar que Rogério Ceni vive metendo o pau nos estádios alheios…

Mas a coisa não parava aí. O acesso ao gramado estava alagado, bancos de reservas não podiam ser utilizados e os funcionários do estádio “QUE QUER SER SEDE DA COPA DO MUNDO”, retiravam a água com baldes. Num jogo de Copa do Mundo, os europeus teriam achado tão original…Dentro de campo a maravilhosa drenagem era feita com rodos (que acabou quebrando hahaha)!!! Tudo aos moldes da FIFA. Um espetáculo!

Toda essa “maravilha”no Piscinão do Jardim Leonor atrasou o início da partida (que por pouco não foi suspensa) em 1 hora e 10 minutos. E o Estatuto do torcedor tão preocupado com o que se diz para os juízes, cuida muito pouco de quem paga para assistir à uma partida de futebol em condições tão precárias.

Quando o jogo começou, já pudemos notar o “espírito competitivo” que teríamos em campo.  Os bambis logo abriram a bolsinha de maquiagem e tiraram as suas ‘ferramentas de trabalho’. É impressionante como os bambis se incomodam com o Mago e com Kleber!! No primeiro minuto de jogo Valdivia já tinha tido a sua mão pisada por Miranda (que deveria ter sido expulso no lance) e, três minutos depois, o mesmo Miranda fez falta violenta no Mago e levou amarelo. Duas faltas violentas, no mesmo jogador, cometidas pelo mesmo adversário, e apenas um amarelo foi mostrado. E as “moças descontroladas” ainda se acham no direito de reclamar. Mas o Valdivia também, né? Vai ‘colocar a mão embaixo do pé’ do Miranda? Tenha dó, né Valdivia? Aí já é provocação demais!

O MAGO É UM MONSTRO! Joga muito e tá voando em campo! Jogou os 90 minutos, naquele campo pesado, difícil, levando porrada e matou a pau! Valdivia não tem medo dos zagueiros brucutus, que só têm como arma as botinadas, e honra o manto alviverde como ninguém!  Kleber também honra o manto e encarou as pancadas que levou, sem entrar no joguinho dos bambis! Senti tanto orgulho deles ontem! Orgulho porque, provocados ao máximo, foram muito inteligentes e não cairam nas provocações que intencionavam tirá-los de campo. Tivesse o juiz agido acertadamente, seriam dois carniceiros bambis a irem pro chuveiro mais cedo.

E no primeiro tempo, o Palmeiras era quem mais chegava. Cicinho, Kleber, Gabriel e Valdivia se destacavam. Mas faltava o”9″ prá guardar nas redes. Só que o time do São Paulo, que só parava as jogadas do Palmeiras na falta, se não  teve tantas oportunidades, teve mais poder de fogo para finalizar, e trabalhou melhor as jogadas dentro da área. Mas foi na jogada mais despretensiosa que o time da casa conseguiu abrir o marcador. Aos 24′ (só podia!), Fernandinho avançou pela esquerda e chutou forte. A bola entrou no canto esquerdo do gol de Deola.

E então… MÁGICA!!! As luzes se apagaram!!! As luzes dos refletores, né? Porque, as dos camarotes, do restaurante, da academia e as da festinha infantil continuaram acesas… Não sei como funciona a distribuição de energia lá, mas que foi estranho, foi… Como dizia a minha avó: “Quem te conhece que te compre”, né Juvenal? E o jogo foi paralisado por uns 15/20 minutos. Na segunda etapa do primeiro tempo, aos 52′, Gabriel chutou de longe e Rogério espalmou em escanteio; aos 54′, o Palmeiras teve uma chance clara de empatar, mas a bola tinha sobrado para Thiago Heleno que furou o chute.

O segundo tempo começou com as mesmas “faíscas” do primeiro. Miranda (que adora bater e provocar) discutia com Kleber. Os bambis partiam prá cima do juiz, a cada lance, querendo amarelo para o Gladiador que, malandro, esperto e bastante determinado, não caía na provocação, mas jogava duro, sem moleza para os desleais tricolores. Mas Felipão tinha colocado Adriano em campo e, se bater e provocar Valdivia e Kleber, não estava dando resultado, a besta humana chamada Alex Silva achou que podia intimidar o garoto. Numa jogada de ataque, lá pelos 12′, Alex derrubou Adriano, o juiz não marcou nada, mas o destemperado e covarde jogador, quando viu Adriano se levantando, o atingiu por trás , o pisou e o xingou. E foi expulso, claro! E aí a revolta se instalou na Floresta Encantada! Barbie que estava  lá do outro lado do campo e nada pôde ver, saiu do gol e veio cobrar o juiz. Bambi, Tambor, Flor e Hello Kitty ficaram revoltadas! Em seguida, Marcos Assunção levou amarelo… a bicharada (que pisa na mão de jogador no primeiro minuto de jogo) se descabelava pedindo vermelho para o palmeirense. Tudo isso acirrava ainda mais os ânimos.

A chuva não parava… Encharcados até os ossos, com frio, não parávamos de cantar, acreditando no gol do Palmeiras. Embora em menor número (nos disponibilizaram um pouco mais de 3000 ingressos), na maioria das vezes eram as vozes palestrinas as que mais se faziam ouvir no estádio. Os modinhas, que eram bem poucos, estavam mais preocupados em nadar do que em torcer… rsrs

Felipão, que já tinha sacado Danilo, com amarelo, colocando Leandro Amaro, com medo de Assunção ser expulso, colocou João Vítor.  Aí ganhamos mais poder ofensivo e mais velocidade. O Palmeiras foi prá cima. Aos 26′, cobrança de falta do Mago, quase na linha de fundo, na rebatida a bola sobrou para Tinga (que joga em posição errada) dar uma pancada, de fora da área, obrigando o goleiro a espalmar. Seria um golaço! Os bambis, acuados, passaram a viver de contra-ataques.  Aos 33′, Valdivia deu um corte em Miranda, que fazia forte marcação nele, e chutou forte. O goleiro espalmou por cima do gol. Aos 37′, depois de belo passe de Valdivia, Adriano chutou pro gol, o goleiro defendeu; no rebote, Adriano chutou outra vez, mas em cima do goleiro, que defendeu. Faltou calma para Adriano concluir e guardar.

A Que Canta e Vibra não parava de cantar… Só faltava  M.Jackson dançar… E não é que o DJs Valdivia e Kleber,  tocaram a música certa? Eram 39′, quando Valdivia tocou para Kleber, que lançou perfeitamente Adriano; ele chutou, cruzado rasteiro, balançou as rede!s e foi dançar!! Michael Jackson dançou em pleno Panetone!! FESTA NAS ARQUIBANCADAS! OLÊ PORCOOO, OLÊ PORCOOO!!! Silêncio no ‘bambizal’… E o Palmeiras foi buscar a virada, mas um impedimento inexistente assinalado pelo árbitro, impediu que Gabriel desse os 3 pontos ao Palmeiras.

E, depois de mais de três horas desde o seu início, o juiz apitou o fim da partida.  Aos bambis só restou o chororô nas TVs e um tresloucado Alex Silva, com parcos conhecimentos da Lingua Portuguêsa, a vociferar bobagens no twitter, sendo retweetado por aquele “jornalista esportivo” que reclamava a não convocação do Montillo pelo Mano.  Patéticos os dois…

Que choradeira, hein? Imagina se tivessem perdido? Para nós, o empate teve um delicioso sabor de vitória. Ah, se Felipão tivesse iniciado a partida com Adriano e João Vítor…

Mas quarta-feira tem mais Verdão em campo!! E valendo vaga na Copa do Brasil. Vamos lotar o Pacaembu! Mas…’peraí’! Quarta não é dia de Corinthians e Cruzeiro pela Libertadores? Hahahahahahahahah

“Nós podemos tudo, nós podemos mais. Vamos lá fazer o que será!!!” (Gonzaguinha)


Passei o sábado no Palmeiras… Dia de eleições para escolher os novos conselheiros. A votação iniciou-se às 10h e encerrou-se às 20h20. Compareceram para a votação 3.207 sócios, e tivemos apenas 4 votos em branco. Estar com pessoas queridas foi uma maravilha, esperar pelos votos que acabariam elegendo um dos representantes da Pró-Palmeiras, Prof. Wilson Nakamura, foi aflitivo. Mas o dia teria tudo o que eu imaginara e mais um pouco…

Teria sido um sucesso, se os (des) organizadores  não tivessem abusado da paciência e da tolerância (a meu ver, de propósito) do eleitor palestrino  Com menos de dois meses no poder, a turma das Trevas (do vitalício envolvido em roubo de madeira), já deu mostras do que é capaz. Com o Palestra todo em obras, o que por si só já seria bastante desconfortável, ainda tiveram o ‘requinte de crueldade’ de  fazer os palmeirenses, que se dispuseram a votar, a maioria deles já idosos, enfrentarem filas enormes, debaixo do causticante sol do sábado paulistano.

E eram horas de fila!! Em média, duas horas (debaixo do sol e com um calor insuportável) para se conseguir votar. Algumas pessoas chegaram a ficar na fila por quase três horas!!! Um absurdo, que motivava os palestrinos a desistirem de votar. E deveria ser essa mesmo a intenção dos (des)organizadores. Imaginaram que só assim poderiam deter a renovação no conselho. Renovação que vai mudar muita coisa na hora de se escolher um novo presidente. Quiçá não serão essas novas caras no Conselho, as responsáveis pela aprovação da mudança do estatuto que permitirá que as eleições sejam diretas? A turma do Sapo tinha que tentar impedir que acontecesse. Por isso dificultaram o quanto puderam. E some-se a esse transtorno todo, a falta de espaço para que tanta gente se locomovesse, os banheiros insuficientes, urnas fora do ar, queda de sistema, a revolta dos palestrinos tratados com descaso…

Mas, o que já estava insuportável, eles conseguiram piorar, com maestria! Lembram-se daquele sujeito que tentou impedir o início das obras da Arena, porque estava “preocupado” com as árvores onde, provavelmente, secam as cuecas do seu rei? Pois bem, a figura odiosa, foi, cirurgicamente,  colocada para ‘tomar conta’ da fila e deu uma confusão só. O sujeito deixava os amigos e algumas múmias vitalícias furarem fila, na cara dura, e barrava as pessoas que, ele presumia, votariam em outras chapas. Passa o tempo e o “modus operandi” dessa gente não muda. De fazer inveja à Camorra…

Mas de nada adiantou… Ao final, demos uma lição nessa gente obsoleta, ultrapassada e inútil. Vitória da democracia, da renovação! Vitória do Palmeiras que nós amamos (eles não amam)! E de lavada! 24 conselheiros eleitos pela Chapa Palmeiras Forte (?) de Mustafá Contursi e 52 eleitos pelas chapas daqueles que querem fazer um Palmeiras para os palmeirenses, como deve ser! Pró-Palmeiras (que elegeu o Prof. Wilson Nakamura, o segundo mais votado da UVB) e Fanfulla – da Chapa União Verde e Branca, e também as chapas Academia e Palestra.

Foi para lavar a alma palestrina! Contra todas as armações, todas as dificuldades “fabricadas” e contra todos os “inimigos” do Palmeiras, as cadeiras do Conselho agora terão novas pessoas, novos sobrenomes e novas competências e, principalmente, novos e bons caracteres.

Parabéns a todos os nossos eleitos e a todos os envolvidos em mais essa conquista!

E se a noite começava feliz, pelos resultados obtidos nas eleições; ela terminaria perfeita!


No Pacaembu, o Palmeiras enfrentaria o time do Americano, terceiro colocado no campeonato (já dividiu a liderança com o Santos), com quatro vitórias em 7 jogos. Não ia ser um jogo fácil, já sabíamos. Além das ausências de Marcos, Maurício Ramos, Gabriel, Lincoln e Valdivia (que está quase pronto para voltar e por isso a imprensa já trabalha contra ele), ainda tínhamos as deficiências no ataque, causadas pela falta de um bom camisa 9. Felipão escalara Patrik, na vaga de Dinei, que nem considerei um desfalque).

Eu que queria tanto ir ao jogo, com aquele calorão, acabei saindo do Palmeiras e indo direto prá casa. Cheguei em tempo de tomar um  delicioso e muito desejado banho e assistir à partida que já tinha começado.

O Palmeiras que, a despeito de todas as dificuldades em montar o time, a imprensinha vagabunda e leviana chama de “time do 1 x 0” (ao que me consta, qualquer vitória vale 3 pontos. E, se vencermos todas as partidas por 1 x0, seremos os campeões, né?), iniciou o jogo com velocidade. De cara (eu soube depois), já perdemos boas chances com Patrik e Márcio Araújo. Até o Rivaldo marcou um gol, mas não valeu…

Deola quase nem via a bola. Nossa defesa, melhor do campeonato (efeito Felipão), mantinha as coisas iguais, enquanto  nosso ataque não conseguia achar o gol. Com Kleber como unica referência lá na frente, e apanhando um bocado, no manjado e permitido (pelos árbitros) sistema de ‘rodízio de faltas’, ficava ainda mais difícil abrir o placar. Assunção, por duas vezes, quase guardou de falta. Mas a primeira etapa terminaria empatada.

Felipão voltou para o segundo tempo, descendo a boca na arbitragem, e com razão! Além de a arbitragem permitir o rodízio de faltas, não marca a maioria delas, o que descaracteriza completamente a caçada que o Gladiador sofre em campo, a cada partida.

E o Verdão, fulminante, foi prá cima! Num curto espaço de tempo, teve duas chances. Uma com Kleber, e outra com Luan. Aos 8′, na terceira tentativa do ataque, o Gladiador avançou pela esquerda, se livrou do marcador e, entre dois adversários, chutou rasteiro, de fora da área. A bola foi morrer no canto direito do goleiro. QUE BELO GOL DE KLEBER! QUE BELO GOL DO LÍDER DO CAMPEONATO! Para a alegria dos 10 mil palestrinos que se encontravam no Pacaembu e dos outros 20 milhões espalhados pelo planeta!!!

Sentindo que a ‘vaca tinha ido para o brejo’, o time do Americano quis reagir, mas o Palmeiras se fechou na defesa (Felipão trocou Tinga e Luan por João Vítor e o estreante Chico) e passou a viver de contra-ataques. Tivéssemos tido mais competência, poderíamos ter ampliado o placar. Ainda teríamos uma grande chance, aos 39′. Depois de bela jogada de Patrik, Kleber mandou de cabeça. Joilson, com uma bela ponte, impediu o segundo gol do Palmeiras.

Final de jogo, justíssima vitória do Verdão, liderança mantida, e a certeza que o time está encorpando, está começando a ficar com a cara que tanto sonhamos. A cara de Felipão… O que significa um time valente, lutador e extremamente competente.

É hora de fecharmos olhos e ouvidos às notícias inventadas por aqueles  “profissionais” de imprensa e por alguns palestrinos de araque, que querem  o Verdão em crise, com problemas.  Somos líderes, temos o melhor técnico, o melhor atacante, Valdivia está voltando. Tá na cara que vão nos infernizar com notícias mentirosas!

Falta muito ainda, mas o Palmeiras  está no caminho certo e vamos com ele!

EU PLANTEI PALMEIRAS NO CORAÇÃO!!!!!

Eu ainda não tinha escrito sobre o Derby, porque tinha ficado muito aborrecida de termos conseguido perder para um time como aquele,  mas como hoje é Missa de Sétimo Dia da Libertadores dos Gambás, resolvi escrever… hahaha

Decididamente, o Palmeiras tem a Síndrome do Bom Samaritano… É um time tão “caridoso”… ADORA RESSUSCITAR MORTOS-VIVOS!

No Derby não foi diferente. Jogando mais, em situação muito melhor, liderando o Campeonato Paulista, o Palmeiras acabou sendo punido pela bola. Não dizem que ela pune? E puniu o time que não conseguia colocá-la prá dentro do gol por mais que ela a ele se oferecesse. Acho que a bola ficou magoada e resolveu se vingar numa das poucas oportunidades que o time do Corinthians, praticamente morto, teve.

Foi um festival de finalizações sem competência o que o torcedor palestrino foi obrigado a assistir. Sem contar as inúmeras vezes em que nossos atacantes facilitaram a vida do goleiro Júlio César chutando quase tudo em cima dele, ajudando-do a fazer uma excelente partida. Mas também, jogando com 9 (Rivaldo e Dinei não contam, são “café-com-leite), até que o Palmeiras se saiu muito bem…

Nos primeiros minutos até que a partida foi equilibrada. Também, os gambás vinham fortalecidos pelas ausências de Ronaldo, Roberto Carlos e Dentinho. Pipocas amarelinhas legítimas! Pressionados pela torcida após a perda da vaga à Libertadores, os jogadores corin
tianos entraram com bastante vontade e, aos 5′ quase que Jucilei abre o placar, mas Marcos fechou bem o ângulo e fez grande defesa. O Palmeiras foi se acertando e desde os 15, 20 minutos já comandava as ações da partida. Aos 25′, cabeçada de Kleber, após cruzamento de Assunção, que Julio César mandou para escanteio. Um minuto depois, Maurício Ramos, após cobrança de escanteio, chuta em cima de Julio César, no rebote, sem goleiro, ele manda prá fora… Uma chance escancarada de gol que o Palmeiras perdia… Dominávamos a partida e nada do gol sair… Aos 46′, Kleber recebeu pelo meio, entrou na área,cortou o zagueiro, mas chutou fraco e o goleiro defendeu no reflexo, com o pé.

Veio a segunda etapa e o panorama não mudava. Só dava Palmeiras em campo. Marcos estava abandonado lá no gol… O Verdão continuava martelando, mas a pontaria, a finalização eram sofríveis. Dinei (ele não serve para o Palmeiras), arriscou de fora da área aos 5′, e a bola passou raspando. E  durante mais 30 minutos ficamos na mesma lenga-lenga… E como quem não faz, toma… Aos 37′, Alessandro, depois de tabelar com Morais, invadiu a área e bateu na saída de Marcos, que nada pode fazer. Achei que foi um vacilo da nossa zaga…

Na comemoração, Alessandro foi provocar os torcedores palmeirenses da Mancha Verde Já vi até jogador ser expulso por provocação desse tipo, mas ali ficou por isso mesmo. A atitude reles do Alessandro só veio provar que ele e o elenco estavam mordidos com as brincadeiras de que vinham sendo alvo. Mas jogar bola lá na Colômbia e virar macho quando os jogadores do Tolima dançaram, ele não quis, né? Que grande idiota! O mosaico tava tão lindo… hahahaha

O Palmeiras ainda perderia duas grandes e claras oportunidades de gol (não era nosso dia, mesmo!). Aos 40′, Kleber pegou a sobra, girou e finalizou. O goleiro pegou no susto. Aos 46′, Kleber chutou de dentro da área e o goleiro espalmou, no rebote, Patrik mandou no travessão e jogou fora a última chance de empate. Bem, se é verdade que quem dá aos pobres, empresta a Deus… depois de domingo estamos com um baita crédito lá em cima. Não ganhamos porque não quisemos…

A derrota só foi ruim para o nosso orgulho porque, dentro do campeonato, não nos complicamos e nem sequer perdemos a liderança. O time do Palmeiras, a meu ver, tem apresentado uma boa evolução e, mesmo desfalcado, mesmo com dois jogadores a menos (Rivaldo e Dinei), foi muito melhor que o time do Corinthians. Mas precisamos de um “9”, e de nos livrarmos da teimosia de Felipão em manter os inúteis Rivaldo e Dinei no time.  Não há mais o que tentar com esses dois, principalmente com Rivaldo. Ainda bem que Gabriel vai voltar, Valdivia e Lincoln também…

Situação ruim mesmo é a dos gambás. Não tem dinheiro nem prás velas da Missa de Sétimo Dia da Libertadores… O presidente deles fugindo do fiasco, da revolta da torcida, e das gozações daqui, foi passar o chapéu lá na Europa para arranjar uns troquinhos pro Esmolão… Uma vez gambá, sempre gambá, né? Nunca conseguem andar com as próprias pernas. Haja juízes e bandeiras ladrões, políticos desonestos, mutretas…

Fazia um calor absurdo no domingo… Jogo no Canindé é meio fora de mão para os torcedores, mas a Que Canta e Vibra lá estava! Nas imediações do estádio só se viam camisas verdes do Palmeiras. Parmeras prá todos os lados e chegando por todos os lados, em busca de mais uma vitória, em busca da confirmação da boa fase dentro de campo; ansiosos pela quarta vitória consecutiva, que desde 2009 não conseguimos repetir.

É o Palmeiras 2011, buscando dentro de campo o caminho da paz que, nas alamedas do Palestra, parece que não vai chegar nunca… Nosso novo “presidente” (será que ele  é mesmo o presidente? Parece ser oposição ainda…) está se esmerando em infelizes aparições televisivas e declarações idem.

Valdivia ainda não está no time; estava faltando o Assunção, o Gabriel, mas o Palmeiras de Marcos foi ao Canindé com umas caras novas:  Cicinho (já não tão desconhecido assim), o estreante Thiago Heleno, em lugar de Danilo, que foi à Itália cuidar de sua possível transferência (que pena!); outro estreante, João Vítor e, no banco, as presenças de Max Santos “Pardalzinho” e Adriano “Michael Jackson”, enquanto aguardava a chegada e a apresentação de Chico. E o time foi recebido com festa pelos quase 10 mil torcedores palestrinos (da Lusa, mesmo, não tinha quase ninguém) que se aventuraram a sair de suas casas e enfrentar o sol e calor absurdos da tarde de domingo! Os vendedores de água, cerveja e refrigerantes faziam a festa.

(Por que Felipão insiste em escalar Rivaldo?)

O jogo não foi bom e começou com forte marcação no meio de campo por parte das duas equipes. Mais ainda por parte da Lusa que não pensava em tomar gol de jeito nenhum em seus domínios. Kleber, nosso mais perigoso atacante, sofria com dois e às vezes três marcadores à sua volta. Mas quem não largava dele era Domingos (lembram dele quando Diego Souza lhe deu uma merecidíssima rasteira?), batendo, pegando, provocando… O Gladiador apanhava um bocado, mas o juiz, prá variar, fazia que não via. Mas o jogo tava duro… de assistir! Futebol, que é bom, tava difícil. Sofremos um bocado com os erros de passes, com cruzamentos medonhos, com bolas rifadas, com a falta de criatividade e finalização…

(Por que Felipão mantém Rivaldo time?)

Mesmo assim, aos 10, Dinei arriscou da entrada da área, a bola passou pertinho da trave; a Lusa respondeu aos 18′, mas Marcos espalmou para escanteio; aos 23′, depois de uma bela troca de passes, Luan lançou Rivaldo pelo alto, que tocou na saída do goleiro e mandou prá fora. A Portuguesa teria uma boa chance aos 41′, num contra-ataque de velocidade, quando Henrique, após bobeada da zaga palestrina, recebeu pela direita e, ao ver Marcos saindo do gol, tentou encobri-lo. Mas o Santo se esticou todo e interceptou a trajetória da bola, para delírio de nossa devota torcida.

(Por que Felipão insiste em escalar Rivaldo?)

Veio a segunda etapa e o Palmeiras estava disposto a buscar os três pontos. O inoperante Dinei não voltara do intervalo e em seu lugar Felipão trouxe Patrik. A Lusa também adotou uma postura mais ofensiva. Mas todas as tentativas do time da casa que, por acaso, passavam pela defesa, morriam nas mãos de Marcos, que a torcida não cansava de homenagear. “PQP, É O MELHOR GOLEIRO DO BRASIL, MARCOS!!” Embora melhor, o Palmeiras não conseguia “achar” a jogada ideal que o levasse ao gol da Lusa. A torcida aguardava ansiosa que Max Pardalzinho e Adriano  fizessem as suas estreias. E foi o que fez Felipão! Sacou Luan e chamou Max, o já nosso Pardalzinho, e não é que ele botou fogo no jogo? Rápido, insistente,  começou a ajudar as jogadas a aparecerem. Aos 30′, Max avançou até a linha de fundo e tocou para trás para Kleber (que continuava apanhando do Domingos), que bateu de primeira, mas não pegou direito na bola.

(Por que é que Felipão não tira o Rivaldo do time?)

Felipão já tinha tirado o cansado Tinga e promovido a entrada de Adriano “MJ”. O ataque verde começava a dar mostras que o gol iria acabar saindo. E não deu outra! Aos 36′, Kleber entrou pelo meio e achou Cicinho (que boa contratação!) livre pela direita. Ele chutou de primeira e fez um golaço!! A bola foi morrer no canto direito de Wewerton que só pôde olhar… E que comemoração do Cicinho! Correu prá galera, batendo no peito, ajoelhou, chorou; uma maravilha!! Festa nas arquibancadas! Eu gostei do futebol apresentado por Cicinho e da sua motivação. O rapaz sabe bem o que vale a camisa que ele agora veste!

(Por que é que Rivaldo nunca sai do time?)

O Palmeiras continuava tentando; Kleber continuava muito marcado por Domingos, zagueiro grosso e fora de forma, tendo como melhor recurso a botinada e as provocações. Mas numa briga de atacante com zagueiro imaginem o que deu, né? Adriano fez uma bela jogada pela direita e cruzou para Kleber, que estava dentro da área ‘sozinho’ com três marcadores da Lusa. O Gladiador girou e tocou rasteiro pro fundo do gol! Deu a melhor resposta possível aos zagueiros botinudos da Portuguesa, matou o jogo e decretouque o Palmeiras está na briga pela liderança e pelo campeonato, ficando com a segunda colocação apenas pela diferença no saldo de gols. Kleber ainda trouxe um problema para a impren$inha… hahaha Como é que eles vão noticiar a boa fase que atravessa o Palmeiras. Logo eles que nos chamam de time de genéricos… que falam que vamos lutar para não cair… Chega  a ser ‘divertido’ ver o quanto tentam minimizar o que de bom acontece ao Palmeiras. Chega a ser incoerente que os responsáveis pelas notícias esportivas façam de conta que não estão vendo esse Palmeiras com cara e jeito de Felipão.

Vejam só como até o portal da Globo e seus estagiários se atrapalharam:


Vencemos o jogo e a Globo noticiou que o perdemos!! E, ao corrigir, deram um jeitinho de nos fazer perder alguma coisa… Falam sobre as vitórias de todos os outros clubes, menos da vitória do Palmeiras. SERÁ QUE É PORQUE O PALMEIRAS NEGOCIA O LICENCIAMENTO DE ALGUNS DE SEUS PRODUTOS COM A RECORD???

Parece brincadeira, mas é verdade. E as verdadeiras intenções de quem noticiou parecem saltar da imagem, não é mesmo?

Mas não estamos nem aí! Ainda que o time do Palmeiras não esteja pronto, ainda que falte entrosamento para os que estão chegando, a melhora é considerável! Se não estamos (ainda) esbanjando técnica, se a parte individual tem deixado a desejar, o espírito coletivo tem feito toda a diferença e foi o que nos faltou em outros campeonatos. É o time ficando com a cara de Felipão… Muita água ainda vai passar embaixo dessa ponte…  A impren$inha vai ter que se virar com as próximas notícias… hahaha QUE VENHA O MIRASSOL!!

E HOJE… O TOLIMA É BRASIL!!!!