“O óbvio é a verdade mais difícil de se enxergar” – Clarice Lispector
 …..
…..
Eu não entendo muito (quase nada) de esquemas e táticas, mas tem gente que parece entender bem menos do que eu… e acha que qualquer vitória é sinônimo de raça e comprometimento de todos, que todo jogador é “monstro” quando ganhamos um jogo, e que qualquer derrota é o inverso… jogadores “vagabundos”, “lixos”, sem vontade de vencer, fazendo corpo mole, querendo mandar técnico embora… Isso acontece também, é verdade, mas esquema tático ruim, escalações e substituições pavorosas,  jogadores fora de suas posições, jogador em má fase que não vai pro banco, deficiência técnica de alguns atletas, árbitros fazendo resultado… são sempre os motivos mais comuns. E não é preciso muito esforço pra se enxergar isso. 
… 
Cuca, em 2017, armava mal o time inúmeras vezes, escalava e substituía sem priorizar o melhor rendimento da equipe, e sim colocando em campo somente os jogadores que seu ego permitia, e excluindo outros que seu ego, por algum motivo, não tolerava.  A bola que o sujeito poderia ou não jogar,  não parecia ser a prioridade. Muita gente em má fase nunca ia para o banco, e muita gente com mais bala na agulha continuava assistindo o jogo sentado no banco de reservas. Isso, e o chuveirinho incessante e irritante, mais alguns “erros” do apito, nos custaram muitos pontos e  eliminações.
Valentim assumiu, mudou algumas peças – Keno, jogado pras traças lá no banco, virou titular e fez toda a diferença nas 3 vitórias seguidas que o Palmeiras conquistou; Borja, voltando a ter chances no time, também nos ajudou a vencer – a moçada colocou a bola no chão e o futebol reapareceu, a ofensividade também. Valentim mudou apenas dois jogadores e, com praticamente o mesmo time do técnico anterior, fez diferente.
O Palmeiras então, com essas três vitórias e com as derrotas do líder, voltou a brigar pelo título. E o que aconteceu? Foi GARFADO nos dois jogos seguintes diante do Cru, no Allianz, e contra o Lava Jato, no Itaquerão. Ainda que parecesse nos ter faltado sangue no zóio, no derby, foi só  PELA OBRA DO APITO, que o Palmeiras não conquistou mais duas vitórias e assumiu a liderança da competição – esquecer isso é ser conivente com a trapaça e com os trapaceiros que, talvez, possam estar por trás desses “erros” do apito. 
Culparmos nossos jogadores pelo resultado que não veio nas partidas em que tivemos que jogar contra 16, é jogarmos contra nós mesmos – Daronco, o juiz do derby, pra se ter uma ideia, vai ser julgado por ter jogado a regra no lixo e não ter dado o segundo amarelo para Gabriel,  não ter expulsado o jogador, que voltou a campo sem autorização – um árbitro, experiente (árbitro FIFA desde 2015), desconhece a regra? Um árbitro Fifa “esquecer a regra”, “esquecer” que SÓ ELE poderia autorizar a entrada do jogador e passar a responsabilidade para o bandeira – que também sabe que não poderia autorizar a entrada – foi muito significativo, não é mesmo? E isso é um erro de direito, bem mais grave que o erro de fato do gol impedido que foi validado, por exemplo. Mas, depois que o ‘serviço’ está feito, eles nos dão um “enganation” com um julgamento que certamente não dará em nada.
 ….
E eu até entendo que o Palmeiras tenha desanimado depois dessa “apitada” dupla e descarada que sofreu. Entendo que, depois de ser tirado, no apito, da briga pelo título,  pela armação de sabe-se lá quem, o Palmeiras desse uma “brochada” na partida seguinte diante do Vitória, lá na Bahia, e nem podia ser muito diferente. Era previsível esse desânimo, mas, ainda que todo mundo estivesse desanimado pelas garfadas de Heber e Daronco,  dava pra termos  nos saído bem melhor nessa partida…
 …
Valentim armou  mal o time, não escalou os jogadores que poderiam fazê-lo render mais, nem mesmo quando fez as substituições (colocou em campo, como primeira substituição, um garoto da base, de 18 anos, que nunca tinha jogado  com o principal antes, deixando um Guerra no banco, um Felipe Melo, um Thiago Santos) não trocou algumas peças que não vinham funcionando bem (e ainda tirou o Keno)… e, apático, jogando mal, o Palmeiras perdeu o jogo (nos afanaram um gol legítimo nessa partida também, mas não foi por isso que perdemos). 
E então, com parte da torcida surtando – e esquecendo que, das seis partidas sob o comando de Valentim, o Palmeiras tinha ido mal em apenas uma delas -, caçando todas as bruxas, e fazendo lista de dispensas que incluíam até Dudu e Prass (pode?), fomos enfrentar o Flamengo no último domingo,  no Allianz Parque (temos todo o direito de reclamar,  era pra ter sido bem melhor o nosso ano; temos todo o direito de protestar pelo “presente de grego” que nos deram, mas sem gerarmos uma crise monstruosa para o clube que ganhou o BRA 2016 e, apesar de todos os vacilos e tropeços no ano, ainda ocupa as primeiras posições do campeonato 2017)…


E bastou o Valentim voltar a escalar melhor o time (eu ainda gostaria que Guerra fosse titular), bastou ele colocar o  Michel Bastos (outro esquecido)  na lateral esquerda, onde vínhamos tendo problemas; bastou ele dar uma reforçada no meio escalando Felipe Melo e deixando a defesa mais protegida;  bastou apenas alguns ajustes para a bola não ficar voltando para nossa área o tempo todo, de qualquer jeito, e pegando nossos zagueiros de “calças curtas”, que a coisa funcionou. Com o time menos vulnerável
, dando menos espaços, os jogadores ficaram mais tranquilos, renderam mais (ou erraram menos), o futebol  melhorou de novo  – não foi uma ‘Brastemp’, mas foi bem melhor -, fomos mais ofensivos, objetivos e, com dois gols de Deyverson, ganhamos por 2 x 0 – poderia até ter sido por um placar maior. Vitória tranquila, sem sustos e, mais importante, uma vitória no estilo Palmeiras… sem a ajuda do apito.

Então… quando o técnico acerta o “desenho na prancheta”, e quando a arbitragem não parece incumbida de fazer o resultado de um jogo,  o futebol melhora e aparece… e isso é tão óbvio, não é mesmo?

“Ainnn, mas o X não tá comprometido… Ainnn, mas o Y ganha não sei quanto… Ainnn, mas o W foi na balada e pegou umas p#tas 2 dias antes do jogo… Ainnn, mas  o Z pintou o cabelo…” 

 

Eu achava que o jogo do Palmeiras contra o Cruzeiro seria difícil… mas, difícil, por causa do adversário.  Não imaginei que seríamos nós a facilitar a vida deles, nem que nosso zagueiro, totalmente de bobeira, faria um gol contra logo aos cinco minutos de jogo – com tantas direções possíveis para isolar a bola, Juninho chutou na direção do gol de Prass… mas nem que nosso goleiro fosse o Superman…

No entanto, mesmo com esse balde de água fria logo de cara, com essa vacilada master do Juninho, e com a retranca do Cruzeiro depois, o Palmeiras fez um bom jogo, e deu bastante trabalho para o goleiro adversário, principalmente no segundo tempo. E teria vencido a partida não fosse a “garfada” cirúrgica que o árbitro Heber Roberto “figurinha carimbada” Lopes deu no Palmeiras – que ele poderia nos prejudicar eu tinha imaginado, e imaginado muito, tão logo soube que apitaria nosso jogo.

Ainda no primeiro tempo, o árbitro anulou um gol legal de Borja assinalando falta do palmeirense em Manoel (mas só apitou a fictícia falta depois que a bola entrou). Era o segundo gol do colombiano na partida, e seria o gol da virada de jogo, feito no final do primeiro tempo, e uns cinco minutos depois de ele ter empatado a partida em 1 x 1 (Borja marcaria um terceiro gol ainda)…. Mas não houve falta de Borja no lance. E não sou a única a dizer que o gol foi legal. Com exceção do Heber, e de Arnaldo “ex-juiz picareta” Rabbit, da Rede Goebbels, todo mundo sabe que Borja não fez falta alguma.  Até Zico e Zinho, que “não entendem nada de futebol”, confirmam isso:

Além do gol legal anulado, Heber Roberto Lopes não marcou também um pênalti em Keno – puxado pela camisa e derrubado -, e um toque de mão de Manoel na área (porque não teve replay desse lance, ainda não tenho essa imagem)… quase nada, né?

………………………………..

E depois de mais um vacilo da nossa zaga, quando tomamos o segundo, e de mais um gol de Borja, que empatou de novo, o jogo terminou 2 x 2.

E os picaretas ainda dizem que existe um “Esquema Crefisa”… Se esse é o “Esquema Crefisa” que, segundo o “lava jatense” Chico Lambe, está comprando o campeonato para o Palmeiras, a Crefisa que trate de desfazer o negócio, porque foi enganada. O time que dizem ser “prejudicado” ganha com gol de mão, e o que dizem ser “favorecido” empata com gol legal anulado, pênalti não marcado (em quase todos os jogos)… é roubado escandalosamente.

Então… o campeonato aberto, o Palmeiras na disputa do título com o Lava Jato, podendo diminuir para três pontos a diferença entre eles (a vantagem é do rival), com um confronto direto entre os dois na próxima partida, e o árbitro tira o bisturi do bolso e opera o Palmeiras? Hmmmmm… Esquisito, né? E mais esquisito ainda quando a gente se lembra de algumas coisas…

Não faz muito tempo, Heber Roberto Lopes foi suspenso por ter favorecido o… time Lava Jato. Uma entrada desleal de Fagner em Ederson (Fla), uma tesoura criminosa, que causou uma lesão óssea no joelho da vítima, e que mandou o flamenguista para o hospital e o deixou por mais de 10 meses sem jogar, não foi vista por Heber Roberto Lopes, que não marcou nem falta no lance. É mole? E nas “vigarísticas” manobras tribunalescas, que sempre livram a cara de alguns, o jogador brucutu pegaria um – SÓ UM – jogo de suspensão por ter quebrado um companheiro de profissão e o deixado sem poder jogar por quase um ano (tribunal bonzinho, não?); o árbitro se valeria de recurso suspensivo e voltaria a apitar normalmente.

……………………………

……………………………

Olha só o que o Fagner fez com o joelho do Ederson. Como será que Heber não viu uma “faltinha” dessa, não?

…………….  

 

Mais recentemente, há menos de duas semanas, antes de um jogo contra o Lava Jato, o presidente do Grêmio reclamou de  Heber Roberto Lopes ter sido escalado para apitar seu jogo no Itaquerão…

……………………………

Mas eu disse que o Heber é figurinha carimbada, não disse? E isso vem de longe…  Lembra da Máfia do Apito de 2005? O esquemão arranjado para fazer algumas partidas serem jogadas de novo (foi preciso meterem a mão no Santos em uma delas para o esquemão dar certo), mesmo aquelas sobre as quais nenhuma suspeita havia, e surrupiarem o título do Internacional? Lembra do árbitro Edílson Pereira de Carvalho, acusado de fabricar resultados, e do empresário Nagib Fayad, apontado como o chefe da Máfia do Apito que ganhava dinheiro com apostas nesses jogos de resultados fabricados? Lembra que outros árbitros tiveram seus nomes envolvidos? Então…

Heber Roberto Lopes era um deles… foi dedurado indiretamente por Nagib Fayad  – em depoimento na CPI dos Bingos. Ele afirmou ter sido aconselhado por Edílson Pereira de Carvalho a apostar no time carioca na partida entre Botafogo e Juventude – que seria apitada por Heber -,  porque o Botafogo seria protegido (segundo ele, Heber sempre protegia os times cariocas)…

…………………

Isso foi praticamente esquecido logo depois,  sem que investigassem a denúncia e a coincidência que havia entre o que Edilson falou que aconteceria no jogo do Botafogo, apitado por Heber, e o que aconteceu de fato.

Nesse mesmo ano, 2005, o apito “equivocado” de Heber fabricou a vitória do COR diante do CRU assinalando um pênalti inexistente contra o clube mineiro e deixando de marcar um outro, escandaloso, em cima do lateral Maurinho. Tevez, que teria sofrido a penalidade inexistente, saiu de campo dizendo “não saber” se de fato a tinha sofrido.

Também em 2005, no jogo BOT x SAN, um outro empate (3 x 3) acabaria sendo produzido pelo apito de Heber… Ele deixou de assinalar um pênalti a favor do time paulista, inventou um pênalti para o time carioca aos 44′ do segundo tempo. O goleiro Saulo defendeu, mas Heber Roberto Lopes fez voltar a cobrança. Na ocasião, ele foi até processado por um advogado que se sentiu lesado ao deixar de ganhar R$ 1,4 milhão na Loteria Esportiva com o resultado.

No Brasileiro 2010, teve mais um empate fabricado em uma partida arbitrada por Heber… empate, que tiraria 2 pontos do CRU no jogo diante do BOT, no Engenhão. Um gol legal do time mineiro foi anulado (gol legal anulado te lembra alguma coisa?),  e um pênalti, a favor do Botafogo, foi marcado em uma falta ocorrida  FORA da área.

Na 35ª rodada do Campeonato Brasileiro 2014, Heber Roberto Lopes “apitou” o empate entre São Paulo e Internacional ao validar um gol  irregular do Colorado – marcado pelo zagueiro Paulão, em completa posição de impedimento.

Um árbitro, com nome envolvido na Máfia do Apito, acusado por duas pessoas condenadas por manipulação de resultados… árbitro, que já cometeu “erros” absurdos, que já fez vários resultados de jogos… árbitro, que já foi suspenso por ter claramente beneficiado  o time Lava Jato, deixando de expulsar o autor de uma falta criminosa que mandaria um atleta para o hospital… Na melhor das hipóteses, ele seria um árbitro muito ruim. E nem poderia/deveria continuar apitando, não é mesmo? Principalmente, jogos importantes, de times que disputam um título…

E ainda tem mais uma cerejinha nesse bolo de “erros” aí…

……………………………

http://esportes.r7.com/futebol/fotos/influenciaveis-veja-para-que-times-torcem-os-arbitros-de-futebol-20130417-10.html#fotos

https://doentesporfutebol.com.br/2014/03/time-de-coracao-dos-arbitros/

Aí a coisa fica pior, e mais esquisita… principalmente em relação ao último empate que o apito “equivocado” do Heber produziu…

Brasileirão sendo disputado em suas últimas rodadas, alguns clubes com chances de conquistá-lo… O líder vindo de derrotas e caindo vertiginosamente de produção… o Palmeiras, segundo colocado na tabela, vindo de 3 vitórias e bom futebol, se aproximando do líder na pontuação…

E, então, no jogo em que o Palmeiras poderia – caso vencesse – encostar no líder, e ir para o derby em condições até de assumir a liderança do campeonato (caso vencesse também)… a CBF manda a campo um árbitro que é torcedor do time com o qual o Palmeiras disputa o título?  Um árbitro que já teve seu nome envolvido na Máfia do Apito, em muitos resultados produzidos por seus “erros”, e portanto, com a sua credibilidade e isenção bastante arranhadas? Um árbitro que já foi até punido por favorecer o time para o qual ele  torce – e que já favoreceu esse time em outras oportunidades e campeonatos com “erros” em jogos de seus concorrentes diretos?

E esse árbitro anula um gol legal do Palmeiras (e só apitou a falta quando viu a bola entrar no gol), deixa de marcar pênalti a seu favor (o toque do Manuel até poderia ter passado despercebido, mas o puxão no Keno não), impedindo-o de ganhar o jogo e tirando dele dois pontos? Maoeeee!

O empate do Palmeiras diante do Cruzeiro, os dois pontos que lhe foram subtraídos nessa partida, têm a assinatura de Heber Roberto Lopes, foram desenhados por ele. No entanto, ele estar em campo fazendo o resultado de uma partida, decidindo o placar de um jogo, é de responsabilidade total da CBF (será que o Estatuto do Torcedor nos permite processá-la por prejuízos e danos?).  Na dúvida, esse árbitro, com tantos senões em seu curriculum, não deveria entrar no sorteio para apitar esse jogo.

Não dá para acreditarmos na seriedade da CBF… Na rodada passada, e como já ocorreu conosco em outras oportunidades igualmente importantes, decisivas, ela mandou outra “carta marcada” para um jogo do Palmeiras.

E a diretoria alviverde assiste calada… #VoltaPauloNobre

 

 

……….Resultado de imagem para keno palmeiras

João, um conceituado jornalista esportivo, é contratado para trabalhar num grande canal de TV… O canal de TV se preparou para a transmissão do maior campeonato do país, comprou novos e caros equipamentos para fazer uma temporada campeã…  e, com um belo salário, trouxe de volta o João, que, no ano anterior, trabalhara na empresa e fizera um trabalho excelente comandando a equipe da grade esportiva do canal.

E aí, o João, todo esquisito, chega lá no canal de TV com cara de poucos amigos – na sua apresentação, a cara dele era um desgosto só -, em total desacordo com a alegria e a festa que todos da emissora, e também os telespectadores,  faziam pra ele.

E, de cara, sem nem testar, João já não gosta do microfone caro que o seu patrão trouxera da Europa, não gosta também da câmera que seria usada e nem do cinegrafista contratado… Então, ele começa a trabalhar e deixar de lado as novidades todas que o canal de TV havia comprado para a nova temporada, e usa só o que ele já conhecia, mesmo tendo coisa melhor como opção… sem se importar em desvalorizar o patrimônio da empresa, deixando muito equipamento novo empoeirando nos armários.

Todo mundo aceita porque o trabalho do João valia a pena. Mas o trabalho do João não rende dessa vez… suas matérias são ruins, o som é horrível, mas ele diz que o novo microfone não se encaixa no seu jeito de trabalhar, diz que o microfone é um patrimônio da empresa e, caso seja necessário será usado… diz que precisa de tempo… deixa a câmera de lado e faz o seu patrão comprar outra, cara, mas de uma marca que ninguém conhecia… e a imagem que até parece mais ou menos a princípio, justo no dia de uma filmagem super importante, a mais importante do ano, dá uma rateada e não funciona… numa outra ocasião, também importante, a câmera falha, de novo… sim, a câmera era bem inferior, mas João continua a fazer dela uma prioridade. João faz seu patrão comprar outros equipamentos também, se recusando a usar os que estão à sua disposição desde a chegada.

E João insiste em suas burras convicções,, mesmo com o seu trabalho fraquinho, mesmo não alcançando os pontos de Ibope que eram esperados com a sua contratação, mesmo vendo que a coisa está cada vez pior, que os telespectadores estão bem descontentes com seu trabalho, que estão reclamando… ainda assim, ele insiste em deixar de lado os novos equipamentos e vive inventando umas gambiarras com os aparelhos e peças que prefere… E, muito cobrado, e não gostando de ser cobrado, dá sinais que pode se demitir, aí diz que vai ficar… e, quando a coisa aperta de vez, alega estar em seu limite…

João não levou a sério seu trabalho dessa vez… não o colocou como prioridade,  não primou pela qualidade de seu trabalho, nem pelo bom rendimento de toda a equipe do jornalismo esportivo da emissora. E o patrão, que tanto apostou nele, que tanto confiou no bom  trabalho que ele faria – e não fez – , não teve opção… o demitiu.

Familiar essa historiazinha inventada, não?

Um cara que não consegue trabalhar no Palmeiras atual, no clube estruturado, com salários em dia, centro de treinamento de primeiro mundo e cheio de opções no elenco (mesmo com algumas coisas erradas que acontecem no clube, com o vaivém de conselheiros na academia de futebol – antes blindada a esse tipo de coisa), não conseguirá trabalhar na maioria dos times brasileiros.

Não sei se foi só teimosia(burrice), se faltou vontade, se “João” voltou sem querer voltar…  mas foi bem ruim o trabalho em 2017.

E Valentim assumiu o time interinamente, mais uma vez (tomara seja muito bem sucedido e continue como técnico do Palmeiras)…

Mesmo sabendo que não seria possível ele mudar muita coisa já na primeira partida – ele treinou só um dia com o grupo todo -, gostei bastante do que vi.

Pra começar, tirou o Keno, todo empoeirado, do armário onde “João” o deixava (sabe-se lá porque) e o colocou em campo, e, mais importante ainda, deixou Deyverson no banco. E o Palmeiras jogou mais leve, mais solto… Keno estava on fire! Fez uma partidaça. A melhor partida dele com a camisa do Verdão.

Dudu, Willian e Keno (no modo turbo – ninguém pegava ele na corrida) se movimentaram muito, infernizaram a defesa do Atletico -GO, o dono da casa.

O Atlético, buscando atacar, até que levou algum perigo nos primeiros minutos, mas o Palmeiras estava ligadíssimo no jogo e foi pra cima buscar a vitória. Tocando a bola, com velocidade, leve, foi pra cima e não deu chances ao adversário.

Fez 2 x 0 na primeira etapa com dois belos gols…

Aos 20′, uma jogada linda… Mayke lançou,  Willian, de cabeça (e já correndo lá pra área), enfiou para o Keno que vinha em velocidade pela direita (oadversário que correu com Keno tá procurando o parmera até agora), ele avançou com a bola, entrou na área, tirou o marcador, meteu no meio das pernas do zagueiro e cruzou para Willian guardar na rede o seu 17º gol na temporada. Tá “fraco” esse BGod, hein (e pensar que, contra o Santos, no Allianz, ele foi substituído e o Deyverson continuou em campo)?

Palmeiras na frente. Gol bonito, jogada bonita… Tudo isso numa velocidade e tanto (ninguém pegava o Keno), e com bola no chão. Adoro.

Ainn, mas o Dudu fez falta num outro jogador – que nem participou da jogada – antes do Willian fazer o gol…

Fez sim, empurrou um adversário, e o juiz não viu.

Essas coisas aqui (e tem muitas mais) os árbitros também não viram… Reza a lenda que não viram até gol de mão, na cara do auxiliar de linha de fundo…

……………       

……………       

……………       

…………………………

 

 

 

 

Ainda no primeiro tempo, o Atlético até fez o Prass fazer uma boa defesa, mas o Prass está lá pra isso, né? O Palmeiras estava perigosíssimo, correndo muito, buscando fazer mais um gol e tinha total controle da partida.

E o segundo gol veio aos 40’… mas não foi um gol qualquer… foi um golaço…

Keno, “on fire”, esbanjou categoria. Arrancou pela direita (e quem acha ele?), gingou na frente de dois marcadores e fez o que pra ele pareceu mais fácil, deu uma levantada na bola e meteu ela no meio dos dois marcadores,  por cobertura, deixando Moisés  na cara do gol. E o Moisesão da Massa, com categoria também, mandou pro fundo do gol. Que gol, senhores. Que gol. Lindo de viver! Acho que até o porco, que o torcedor levou lá na bancada, comemorou essa beleza de gol…

No segundo tempo a pegada do Verdão foi a mesma. Calor infernal e Keno correndo como nunca…

Aos 14′, o BGod deixou o seu marcador falando sozinho, avançou em velocidade e tocou para quem lá na direita? Pra quem? Isso mesmo! Tocou para Keno. E Keno,  o maestro do dia, fez um cruzamento perfeito para Duduzinho lindo, de cabeça, colocar 3 x 0 no placar. Coisa linda esse trio! Coisa linda esse Palmeiras! Pena que Keno tenha sentido a coxa e deixado o jogo.

Mayke acabaria cometendo um pênalti bobinho e o Atlético faria o seu gol.  O Atlético também teve um jogador expulso por uma falta muito dura em Thiago Santos. Mas não faria diferença, o Palmeiras era o senhor do jogo, o Palmeiras foi o senhor do jogo.

Bela partida do Palmeiras, levinho, soltinho. Partidaça do maestro Keno… Vitória fácil do Verdão, tranquila, sem sustos, sem aquelas insistentes bolas atrasadas do ataque para a defesa, sem aquele monte de chutões, aquele não sei como fazer para chegar no gol… com dribles de tirar o chapéu, jogadas lindas e gols maravilhosos… E hoje, tem mais!

VAI QUE É SUA, VALENTIM!

 

 

 

 

 

 

 

O sinal de alerta já estava aceso…

A presepada em nossa casa, na primeira partida diante do Cruzeiro, pesou na conta… afinal, tomar três gols em mata-mata, na sua própria casa, é meio que pedir para ser morto na outra partida, não é mesmo? E mesmo com o empate bravamente conquistado na ocasião (ir buscar um 3 x 0 não é fácil), a possibilidade de eliminação passou a ser coisa séria…

E o 1 x 1, que normalmente teria sido um resultado bom para um jogo fora, acabou por ser desastroso e determinou a nossa desclassificação na Copa do Brasil.

O juiz, Wilton Pereira Sampaio – que havia nos operado diante do Santos, no Brasileirão, e que, por tantas outras ‘operadas’, nos deixava ressabiados nessa partida -, embora tivesse sido bem mais simpático e bonzinho com os donos da casa, não teve interferência direta no resultado da partida. Nós perdemos a vaga por nossa conta mesmo.

No primeiro tempo, os dois times, jogando fechados, pareciam se preocupar mais em se defender, em não tomar gol. O Palmeiras nem podia pensar em tomar gol mesmo, e o Cruzeiro, por sua vez, imagino eu, embora mais tranquilo – podia empatar até por 2 x 2, – certamente não queria permitir que o Palmeiras repetisse o bom futebol apresentado no segundo tempo da partida em São Paulo.

Os times eram bastante cautelosos, mas o Palmeiras tocava, tocava, tocava e parecia não saber como chegar ao gol, não criava nada de perigoso. Precisando da vitória, não era suficientemente ofensivo. O futebol do Palmeiras não me agradava, não tinha “sustância”, estava apagado – o do Cruzeiro, ainda bem, não era grande coisa também.

Tínhamos mais posse de bola, mas não aproveitávamos isso, e insistíamos em cruzamentos… não pegávamos outros atalhos para o gol adversário… e o Cruzeiro chutava mais ao nosso gol.

A torcida do Palmeiras, por sua vez, mesmo sendo muito menor, fazia a festa lá e se fazia ouvir lindamente pela TV.  A do Cruzeiro, claro, na sua casa, não ficava atrás…

Cuca trouxe Keno para o segundo tempo e deixou Guerra no vestiário… Embora goste muito do Keno, confesso que fiquei preocupada… Se já não estávamos criando muito mesmo, imagine sem o Guerra…

E eu queria tanto que o Palmeiras marcasse um gol…

O segundo tempo não parecia ter começado melhor… ora errávamos o passe,  ora o jogador passava da bola… e a gente precisando ganhar…

Cuca tirou Felipe Melo para a entrada de Raphael Veiga (deixar o Pitbull 3 jogos fora – isso faz perder ritmo de jogo -, poupar o cara pra esse jogo, e o tirar aos 12′ do segundo tempo?). Se por um lado era ruim a saída do Pitbull, por outro, talvez Veiga pudesse fazer a bola chegar aos atacantes.

O Palmeiras parecia se insinuar mais na área inimiga, mas sem o perigo que a gente tanto queria. O relógio parecia correr… Raphael Veiga chutou de fora da área e a bola passou pertinho… o Cruzeiro atacou e Mina tirou…

Nervosa, eu já começava a minha “via-crucis” de entrar e sair da sala… Ouvia, de longe, as descidas do Cruzeiro, e corria ver quando era o Palmeiras que ia pro ataque… E já tínhamos 24′ de segundo tempo…

E então, eu estava em pé, na frente da TV, Jean cobrou escanteio (acho que era o Jean), o goleiro deu um socão mandando a bola longe. De fora da área, Keno chutou pro gol, ela desviou no jogador do Cruzeiro e foi morrer na rede. GOOOOOOOL, P#%%@!! Keno, seu lindo!!! Quase morri de alegria…

E aí, o Cuca comeu mais uma bola na partida… com 28′ de jogo, com o Palmeiras ganhando, ele me tira o Dudu (Dudu não é pra sair nunca) e coloca o Tche Tche… Se pensava em segurar lá na frente, como diria depois na entrevista, tinha que ter deixado o Dudu em campo, né?

Depois do nosso gol, o maledeto do relógio resolveu caminhar, muito devagar… o tempo não passava. E o Cruzeiro vinha pra cima…

Eu nem vi na hora… Borja recebeu livre e virou o jogo para Egídio. Ele recebeu, tinha a opção do Veiga no meio, mas resolveu arriscar o chute e mandou a bola pra Júpiter… Já não criávamos quase nada, e ele me desperdiça uma chance dessa.

Na sequência, faltou a pegada dos jogadores de defesa, faltou o Jailson ter saído um milésimo de segundo antes… numa bola levantada em nossa área, o jogador do Cruzeiro, subindo tranquilo ao lado de Mina, cabeceou pro gol vencendo Jaílson…

E estávamos com 39’… agora o relógio voaria… e só se fosse por um milagre…

Milagres não acontecem todos os dias, nem sempre conseguimos aquele gol redentor no último minuto… De longe, ainda escutei o Jaílson fazer uma baita defesa… e o jogo acabou.

O Palmeiras, contrariando as nossas muitas expectativas, foi eliminado. E teríamos que conviver com isso. Empatamos dois jogos e perdemos a vaga… por causa daqueles três gols tomados em casa… E, no fundo, sabíamos que eles dificultariam a nossa vida mesmo.

Ficamos tristes, claro, um pouco bravos na hora também, mas não há uma bruxa a ser caçada. A conta é do time todo, é do técnico, é do Palmeiras. Todos eles deram, de alguma maneira, a sua contribuição para esse desfecho.

E vamos em frente… Temos dois campeonatos a disputar ainda. O Brasileirão, embora mais difícil pra nós, ainda está aberto, e a vaga na Libertadores, nós decidiremos em casa.

Sábado tem Palmeiras x Avaí. E SE O PALMEIRAS VAI JOGAR, É CLARO QUE EU VOU!!

EU PLANTEI PALMEIRAS NO  !!

 

 

 

 

 

Duas coisas, que aconteceram no derby, estão servindo de pauta pra todo mundo, desde quarta-feira, e também são o motivo de escândalo dos nossos “honestíssimos” rivais, “reis do fair-play”, “que nunca recebem benefício algum das arbitragens” e que, quando recebem, “comunicam o erro imediatamente ao árbitro”: a cotovelada que Vítor Hugo desferiu no jogador do Corinthians (segundo dizem, em revide a algo que Pablo lhe fizera antes – as imagens já começam a aparecer por aí, logo saberemos se isso é verdade ou não) e a expulsão equivocada do Gabriel.

Eu achei horroroso o que Vítor Hugo fez , seja por revide ou não. Não pode. Não estamos acostumados a ver o Vítor Hugo fazendo esse tipo de coisa e isso nos envergonhou, nos chocou. Não tinha nada que agredir e, se foi mesmo revide, não tinha nada que revidar. Agressões não são do feitio de Vítor Hugo, tanto, que ele se arrependeu, pediu desculpas depois – são poucos os que se desculpam – mas, com desculpas ou sem elas, ele deveria ter sido expulso,  e nenhum de nós poderia reclamar da sua expulsão.

Agressões são inadmissíveis, seja o Mito a fazê-lo ou qualquer outro jogador… são os “melhores recursos” de jogadores desleais, que só sabem ser desleais, que não se garantem dentro das quatro linhas, ou então dos que são desequilibrados e nunca conseguem raciocinar em campo, e em nenhuma dessas coisas o VH se encaixa; além de ser um grande zagueiro ele é gente boa pra caramba. Não faz mais isso, Mito! Que vergonha!

Eu sei que todo e qualquer torcedor fica furioso quando seu time é prejudicado pela arbitragem e quando um jogador do seu time é agredido, ainda mais se a agressão ficou impune; não há desculpas para esse tipo de coisa, a arbitragem está lá pra ver… e para punir. No entanto, vermos os ‘lava-jato’  fazerem um escândalo tão grande, se sentirem tão indignados com um árbitro que lhe deu uma garfada e com uma jogada desleal sofrida é o suprassumo da cara de pau, não é mesmo?

Logo eles, useiros e vezeiros em agredir adversários sem receber punição (né Fagner, Cássio, Vilson, Elias, Sheik, Gil, Liedson, Chicão…?) , ou sem receber a punição devida; useiros e vezeiros em benefícios e pontos oriundos do apito (vide Brasileirão 2015)… Logo eles, os “honestíssimos”, que costumam molhar só um lado do campo, que conseguiram “golear” o São Bento de Sorocaba por 1 x 0 graças a um pênalti que Jô simulou ter sofrido…

Pois eles estão com amnésia agora e, desde quarta-feira, juram que são um poço de virtudes e fair-play e nunca viram nada parecido com a cotovelada – indesculpável – do Vítor Hugo e com o erro do árbitro – e a imprensinha faz o mesmo… Que fiquem aborrecidos, eu entendo, eles têm razão, e não poderia ser diferente, ninguém gosta de ser prejudicado, mas que ‘metam o louco’ se fazendo de ‘Madre Teresa dos gramados’, de ‘vítima do apito’, pedindo punição pra todo mundo, não dá, né? E logo quem… Nem em novela mexicana isso seria verossímil. É como ver o Fernandinho Beira-Mar escandalizado com o tráfico de drogas…

Não me importo e nem acho errado que o tribunal use as imagens da agressão e puna o Vítor Hugo (ele fez por merecer), mas desde que o tribunal faça o mesmo com os demais que dão cotoveladas, os que agridem seus adversários (cujos nomes e delitos são ignorados por um monte de gente), desde que as regras se apliquem a todos, igualmente. 

No entanto, observando as reações de muitos, percebo que dimensionam de maneira diferente as agressões, dependendo de quem foi o jogador agressor e quem foi o agredido, dependendo da camisa que esse agressor veste e a que veste o agredido…

Por que não fizeram o mesmo estardalhaço, que fazem agora, quando aconteceu essa cotovelada aqui?

Não me lembro de tribunal algum querer pegar imagens para punir o Vilson por ele ter rachado a cabeça do Guedes com uma cotovelada (o árbitro nada marcou)… Também não vi a imprensa fazer um escarcéu, pedir a punição dele – como  faz agora agora com VH -, não vi nenhum ‘lava-jato’ se escandalizar com essa agressão do Vilson (nem com qualquer uma das outras agressões que estão nas imagens abaixo)… não vi ‘lava-jato’ nenhum falar que o árbitro os estava beneficiando ao ignorar essa agressão, que ele tinha sido comprado…

E se fosse só essa… ainda ia…

Olha que “anjo da bondade e do fair-play” é o Alfacio… olha a posição que está a perna dele só para conseguir atingir o joelho do jogador do Cruzeiro… Arrebentou o joelho do cara e o juiz não marcou nada.


…..
Fagner, o moço do “jogo limpo”, que “não costuma agredir ninguém” (o Ederson que o diga), dando uma bela cotovelada no Dudu… e ficando por isso mesmo…

…..

Renato Augusto… deu soco na cara do adversário e não levou vermelho… ah, esses árbitros que apitam a favor do Palmeiras…

…..

Mais dois momentos “jogo limpo” do Fagner, que “não agride ninguém”… o jogador do Flamengo (na segunda imagem abaixo) está há meses parado, sem poder jogar,  e Fagner continua batendo em todo mundo, sem medo de ser feliz.

…..
Esse é o Gil, que, assim como Fagner, tem “imunidade” e quase nunca é expulso… mas, também, como expulsar um jogador tão “fair-play”, né?


E esses não são os únicos exemplos. Existem muitos outros… Wallace pisando na perna de Barcos, Elias dando cotovelada no Mago, Chicão solando Barcos, Liedson dando um chute no peito de Deola, o mesmo Liedson entrando de sola  e rasgando a coxa do Danilo (os dois se agrediram e só o Palmeirense foi expulso)…  Gil dando cotovelada em Henrique, Sheik pisando no pescoço de um adversário e pegando um jogo de gancho, Cassio entrando de pé alto e fazendo pênalti em Gabriel Jesus (e nem falta o juiz marcou)…

Então…  agressão é agressão e ponto. É inadmissível e ponto. Mas pimenta nos olhos dos outros é refresco… não é mesmo?

…..

A outra coisa a ser falada aqui é a intenção de se punir o Keno pelo erro do juiz, Thiago Duarte Peixoto, na expulsão do Gabriel.  “O Keno induziu o árbitro ao erro ao apontar o Gabriel como o autor da falta”, dizem alguns…

O Keno foi tocado por trás, caiu, foi atingido por mais um jogador ‘lava-jato’, levantou, viu Gabriel à sua frente e achou que tinha sido ele.  Ao árbitro não cabe consultar jogadores para saber quem fez falta e quem não fez, para saber quem ele deve punir… ele está em campo pra isso, pra ver as infrações, identificar os infratores, ele tem auxiliares em campo pra isso também, tem até um quarto-árbitro. A responsabilidade pela aplicação das regras no campo de jogo é do juiz e dos seus auxiliares. Se Thiago Duarte Peixoto, o árbitro, errou, errou por sua própria responsabilidade.

Querer punir o Keno por causa disso é querer inventar uma regra só pra ele. Afinal, se é preciso punir quem ‘leva o juiz no bico’ e o induz a assinalar algo equivocadamente, então o tribunal vai ter que rever algumas situações e punir mais um monte de jogadores, e não só o Keno…

Por exemplo, se um jogador simula ter sofrido uma falta na área e o árbitro marca o pênalti, esse jogador induziu o árbitro ao erro, não é mesmo? E o jogador que faz isso tem que ser punido também, ou é só para o Keno que isso vale?

Parece que a noção de certo e errado do Jô varia de acordo com com quem fez a ação… Se for ele a induzir o árbitro ao erro, é motivo de riso;  se for um adversário a fazê-lo, é errado…

É absurdo um árbitro expulsar um jogador por engano, ainda mais porque identificar os infratores é parte da tarefa dele em campo (ele também errou ao não dar  amarelo para o Gabriel quando ele fez uma falta dura em Dudu).

Mas já aconteceu a mesma coisa em outras oportunidades… Numa delas, um SAN x COR, em 2015, o árbitro expulsou David Braz (SAN) por engano, por achar que ele cometera um pênalti que, na verdade, fora cometido por Zeca.  Uma informação equivocada que lhe fora passada pelo bandeira.

E nenhum jogador do Corinthians avisou ao árbitro que ele cometia um erro, que não era o David, e ninguém cobrou os corintianos por terem ficado calados; ninguém chamou o Corinthians e seus jogadores de “desonestos”, ninguém falou em falta de caráter…. e tribunal nenhum, mesmo depois de tomarem conhecimento do erro do árbitro, anulou o cartão vermelho que David recebeu…

Essa decisão foi tomada dois meses depois da partida entre Santos e Corinthians. No entanto, em relação à expulsão do Gabriel nessa quarta-feira passada, o TJD, no dia seguinte, decidiu que o cartão vermelho do atleta seria anulado – mudou o código ou só mudou a “boa vontade” do tribunal em razão do clube prejudicado ser outro?

O árbitro foi punido, mas o bandeira, que “cantou” o nome de David Braz para o árbitro, mesmo tendo sido a pessoa que induziu o árbitro ao erro, não recebeu punição alguma.

Ah, mas o Keno tem que ser exemplarmente punido…

E depois as pessoas falam em honestidade…

” A vida pode ser, de fato, escuridão se não houver vontade, mas a vontade é cega se não houver sabedoria, a sabedoria é vã se não houver trabalho e o trabalho é vazio se não houver amor.” – Khalil Gibran

Houve um tempo em que até um “Carlinhos Bala” se recusava a jogar no Palmeiras… um pai de um “Cristiano Ronaldo boliviano” qualquer, não queria que o filho – que ninguém sabe onde anda e o que faz – jogasse no Verdão… Houve um tempo em que não tínhamos bala na agulha e a maioria dos jogadores que contratávamos era de regular pra ruim… o time foi rebaixado, o clube faliu, não tinha receitas,  estava desmoralizado…

Então, veio  Paulo Nobre… Sonhando grande, mas com pés no chão, cheio de ideias, de objetivos – que ele traçou e seguiu com muita inteligência e determinação e, segundo dizem alguns, com uma boa dose de teimosia -, trazendo profissionalismo, transparência… com postura de presidente, discurso de presidente, com mentalidade nova e, sobretudo, com sabedoria, bastante coragem e muito amor ao Palmeiras…

Sofreu, penou… a coisa era pior do que parecia… e ele ajudou do jeito que podia e do jeito que o Palmeiras precisava naquele momento. Mas ele sabia que tinha que reforçar os alicerces primeiro. E, enquanto fazia o que ele – um muito bem sucedido homem de negócios – sabia ser necessário, enquanto colocava as finanças em ordem, criava novas receitas, mantinha os salários em dia, mesmo sem patrocínio (ele se recusava a aceitar qualquer valor que não fosse o que o Palmeiras merecia, e só apareciam empresas oferecendo merrecas), recebeu muitas pedradas… e quanta gente repetia: “Ainn, o Palmeiras não é banco para se preocupar em estar no azul”“Ainn, o Cu rintia compra mesmo sem ter dinheiro; o Flamengo tem uma dívida imensa e não deixa de contratar”… O tempo acabaria mostrando quem tinha razão…

O presidente errou também, claro – nenhum outro teria 100% de acertos -, lhe faltou flexibilidade muitas vezes, , foi cabeça dura em outras, faltou também alguma delicadeza (não só se desfez do meu ídolo, e ídolo de milhões de torcedores, como o fez de maneira injusta e meio cruel), talvez, no trato com algumas pessoas,  tenha lhe faltado alguma perspicácia também, mas, dentro do que traçara ao Palmeiras, dentro dos seus propósitos (ele me falou a respeito deles) de fazer o que fosse melhor ao clube, mesmo que o seu coração torcedor lhe doesse; dentro do objetivo  de reestruturar o Palmeiras para que, ganhar títulos, fosse uma condição natural e não um milagre esporádico, ele foi perfeito.

Mudou tudo lá dentro, cuidou de cada detalhe, não esqueceu nem mesmo de fazer com que os jogadores passassem a se apresentar nos programas esportivos devidamente trajados de Palmeiras. Blindou o time, dando segurança e tranquilidade para o Depto de Futebol trabalhar; emprestou milhões ao Palmeiras, sem nos cobrar as famigeradas taxas que costumam ser cobradas pelos bancos, e num momento em que os bancos nos esfolariam vivos se fizéssemos empréstimos (que levaríamos uma vida para pagar); comprou alguns jogadores com o seu próprio dinheiro e, quando foram vendidos, deixou o lucro ao Palmeiras; reclamou, publicamente, das tramoias do apito, saindo em defesa do Verdão;  nos deu um Centro de Excelência, maravilhoso, moderno, de presente… e mais do que tudo, comprou e venceu a “briga” com a WTorre, que pensava em se apropriar de nossas cadeiras no Allianz. Paulo Nobre literalmente ressuscitou o Palmeiras, o colocou de pé. Foi buscá-lo no fundo do poço e o colocou lá no alto. Nenhum outro fez tanto, e nenhum outro pegou o Palmeiras no estado em que PN o encontrou.

Hoje, tudo quanto é jogador fica louquinho para jogar no Palmeiras… hoje, os jogadores escolhem o Palmeiras… nós contratamos quem queremos, pagamos salários em dia, brigamos com o, monetariamente poderoso, mercado chinês… e ganhamos. Hoje tudo é alegria, é esperança, é acreditar em títulos com os quais antes nem podíamos sonhar.

Ainnn, mas o Palmeiras não é banco… Não é mesmo. É um clube muito bem administrado, com finanças muito bem cuidadas, que passou a ter novas e boas fontes de receita, que passou a ter dinheiro, credibilidade, sossego (ele tinha fechado todas as brechas por onde a rataiada fazia a festa). E foi por causa disso que o futebol do Palmeiras ressurgiu, a força do nosso time voltou, os bons jogadores, os títulos e o orgulho da torcida também voltaram.

Paulo Nobre, que nos deixou um maravilhoso legado, terminou o seu mandato em 2016, indicou o seu vice-presidente, Maurício Galiotte,  à sucessão, o ajudou a se eleger,  e Maurício, que tomou posse em 15 Dezembro, de 2016, comandará o clube no biênio 2017/2018.

A temporada 2017 está começando, já fizemos uma partida pelo Paulistão e obtivemos a nossa primeira vitória… O comandante é Eduardo Baptista, nosso time – se é que o Mattos (a melhor contratação de Paulo Nobre) não vai trazer mais ninguém – agora está montado. A contratação de Borja, há dois dias, parece ter fechado a conta. Para essa temporada, oito novos e muito bons jogadores se juntaram ao time campeão brasileiro de 2016:

Borja – Miguel Ángel Borja Hernández, colombiano, ex-Atlético Nacional-COL, 24 anos, atacante, campeão da Copa Sul-americana/2015, Super Liga da Colômbia/2015, Copa Libertadores da América/2016, Copa Colômbia/2016, eleito pelo El País como melhor jogador da América do Sul no ano passado.

Guerra – Alejandro Abraham Guerra Morales, venezuelano, ex-Atlético Nacional-COL, 31 anos, meia, campeão venezuelano 2003–04, 2005–06, 2006–07, 20080-09 e 2009–10, campeão da Copa Venezuela/2009,  Copa da Colômbia/2016, Copa Libertadores da América/2016; foi eleito o melhor jogador da competição e o terceiro melhor jogador da América do Sul(o segundo foi Gabriel Jesus).

Felipe Melo – Felipe Melo de Carvalhoex-Internazionale de Milão, 33 anos, joga como volante e zagueiro,  com títulos conquistados pelo Flamengo, Cruzeiro, Galatassaray (Turquia), Campeão da Copa das Confederações-2009 com a Seleção Brasileira, titular na Copa do Mundo 2010, eleito o melhor meio-campista do campeonato italiano de futebol de 2008-09.

Michel Bastos – Michel Fernandes Bastos, ex-São Paulo, 33 anos, atua como meia, ponta ou lateral-esquerdo, conquistou a Copa da França 2011/12 e Super Copa da França/2012, defendeu a seleção brasileira em 2009, foi titular na Copa do Mundo 2010, recebeu o Troféu de Prata no campeonato brasileiro 2005, como  lateral-esquerdo, foi o melhor volante da “Ligue1” (FRA)-2008/09, foi o melhor jogador do São Paulo no Campeonato Paulista de 2015.

Willian Bigode – Willian Gomes de Siqueiraex-Cruzeiro, 30 anos, atacante, foi Campeão Brasileiro 2011 e da Libertadores 2012, pelo Corinthians, Campeão Brasileiro 2013 e 2014 e Campeão Mineiro 2014 pelo Cruzeiro, recebeu o Troféu Mesa Redonda como Revelação do Brasileiro 2011.

Keno – Marcos da Silva França, ex-Santa Cruz, 27 anos, atacante, conquistou o Campeonato Baiano da Segunda Divisão com Botafogo da BA;  pelo Santa Cruz foi campeão da Copa Chico Science 2016, Copa do Nordeste 2016, campeão pernambucano 2016. Fez parte da seleção do Campeonato Pernambucano e da Copa do Nordeste, quando foi eleito a Revelação da Copa.

Raphael Veiga – Raphael Cavalcante Veiga, ex-Coritiba, 21 anos, meia, atua como profissional há apenas um ano.

Hyoran – Hyoran Cauê Dalmoro, ex-Chapecoense, 23 anos, meia, conquistou o Campeonato Catarinense-2016 e a Copa Sul-americana 2016.

O Palmeiras está pronto para a nova temporada. Tem mais do que um time excelente, tem um elenco excelente. Nosso time reserva é seguramente melhor do que qualquer outro time aqui no Brasil.

Se vamos ganhar os títulos que 2017 coloca em disputa, não podemos saber, essas coisas se resolvem em campo, mas, temos certeza, vamos brigar por eles… e com totais condições de conquistá-los.

PODE COMEÇAR, 2017! AGORA SIM ESTAMOS PRONTOS!