“O óbvio é a verdade mais difícil de se enxergar” – Clarice Lispector
 …..
…..
Eu não entendo muito (quase nada) de esquemas e táticas, mas tem gente que parece entender bem menos do que eu… e acha que qualquer vitória é sinônimo de raça e comprometimento de todos, que todo jogador é “monstro” quando ganhamos um jogo, e que qualquer derrota é o inverso… jogadores “vagabundos”, “lixos”, sem vontade de vencer, fazendo corpo mole, querendo mandar técnico embora… Isso acontece também, é verdade, mas esquema tático ruim, escalações e substituições pavorosas,  jogadores fora de suas posições, jogador em má fase que não vai pro banco, deficiência técnica de alguns atletas, árbitros fazendo resultado… são sempre os motivos mais comuns. E não é preciso muito esforço pra se enxergar isso. 
… 
Cuca, em 2017, armava mal o time inúmeras vezes, escalava e substituía sem priorizar o melhor rendimento da equipe, e sim colocando em campo somente os jogadores que seu ego permitia, e excluindo outros que seu ego, por algum motivo, não tolerava.  A bola que o sujeito poderia ou não jogar,  não parecia ser a prioridade. Muita gente em má fase nunca ia para o banco, e muita gente com mais bala na agulha continuava assistindo o jogo sentado no banco de reservas. Isso, e o chuveirinho incessante e irritante, mais alguns “erros” do apito, nos custaram muitos pontos e  eliminações.
Valentim assumiu, mudou algumas peças – Keno, jogado pras traças lá no banco, virou titular e fez toda a diferença nas 3 vitórias seguidas que o Palmeiras conquistou; Borja, voltando a ter chances no time, também nos ajudou a vencer – a moçada colocou a bola no chão e o futebol reapareceu, a ofensividade também. Valentim mudou apenas dois jogadores e, com praticamente o mesmo time do técnico anterior, fez diferente.
O Palmeiras então, com essas três vitórias e com as derrotas do líder, voltou a brigar pelo título. E o que aconteceu? Foi GARFADO nos dois jogos seguintes diante do Cru, no Allianz, e contra o Lava Jato, no Itaquerão. Ainda que parecesse nos ter faltado sangue no zóio, no derby, foi só  PELA OBRA DO APITO, que o Palmeiras não conquistou mais duas vitórias e assumiu a liderança da competição – esquecer isso é ser conivente com a trapaça e com os trapaceiros que, talvez, possam estar por trás desses “erros” do apito. 
Culparmos nossos jogadores pelo resultado que não veio nas partidas em que tivemos que jogar contra 16, é jogarmos contra nós mesmos – Daronco, o juiz do derby, pra se ter uma ideia, vai ser julgado por ter jogado a regra no lixo e não ter dado o segundo amarelo para Gabriel,  não ter expulsado o jogador, que voltou a campo sem autorização – um árbitro, experiente (árbitro FIFA desde 2015), desconhece a regra? Um árbitro Fifa “esquecer a regra”, “esquecer” que SÓ ELE poderia autorizar a entrada do jogador e passar a responsabilidade para o bandeira – que também sabe que não poderia autorizar a entrada – foi muito significativo, não é mesmo? E isso é um erro de direito, bem mais grave que o erro de fato do gol impedido que foi validado, por exemplo. Mas, depois que o ‘serviço’ está feito, eles nos dão um “enganation” com um julgamento que certamente não dará em nada.
 ….
E eu até entendo que o Palmeiras tenha desanimado depois dessa “apitada” dupla e descarada que sofreu. Entendo que, depois de ser tirado, no apito, da briga pelo título,  pela armação de sabe-se lá quem, o Palmeiras desse uma “brochada” na partida seguinte diante do Vitória, lá na Bahia, e nem podia ser muito diferente. Era previsível esse desânimo, mas, ainda que todo mundo estivesse desanimado pelas garfadas de Heber e Daronco,  dava pra termos  nos saído bem melhor nessa partida…
 …
Valentim armou  mal o time, não escalou os jogadores que poderiam fazê-lo render mais, nem mesmo quando fez as substituições (colocou em campo, como primeira substituição, um garoto da base, de 18 anos, que nunca tinha jogado  com o principal antes, deixando um Guerra no banco, um Felipe Melo, um Thiago Santos) não trocou algumas peças que não vinham funcionando bem (e ainda tirou o Keno)… e, apático, jogando mal, o Palmeiras perdeu o jogo (nos afanaram um gol legítimo nessa partida também, mas não foi por isso que perdemos). 
E então, com parte da torcida surtando – e esquecendo que, das seis partidas sob o comando de Valentim, o Palmeiras tinha ido mal em apenas uma delas -, caçando todas as bruxas, e fazendo lista de dispensas que incluíam até Dudu e Prass (pode?), fomos enfrentar o Flamengo no último domingo,  no Allianz Parque (temos todo o direito de reclamar,  era pra ter sido bem melhor o nosso ano; temos todo o direito de protestar pelo “presente de grego” que nos deram, mas sem gerarmos uma crise monstruosa para o clube que ganhou o BRA 2016 e, apesar de todos os vacilos e tropeços no ano, ainda ocupa as primeiras posições do campeonato 2017)…


E bastou o Valentim voltar a escalar melhor o time (eu ainda gostaria que Guerra fosse titular), bastou ele colocar o  Michel Bastos (outro esquecido)  na lateral esquerda, onde vínhamos tendo problemas; bastou ele dar uma reforçada no meio escalando Felipe Melo e deixando a defesa mais protegida;  bastou apenas alguns ajustes para a bola não ficar voltando para nossa área o tempo todo, de qualquer jeito, e pegando nossos zagueiros de “calças curtas”, que a coisa funcionou. Com o time menos vulnerável
, dando menos espaços, os jogadores ficaram mais tranquilos, renderam mais (ou erraram menos), o futebol  melhorou de novo  – não foi uma ‘Brastemp’, mas foi bem melhor -, fomos mais ofensivos, objetivos e, com dois gols de Deyverson, ganhamos por 2 x 0 – poderia até ter sido por um placar maior. Vitória tranquila, sem sustos e, mais importante, uma vitória no estilo Palmeiras… sem a ajuda do apito.

Então… quando o técnico acerta o “desenho na prancheta”, e quando a arbitragem não parece incumbida de fazer o resultado de um jogo,  o futebol melhora e aparece… e isso é tão óbvio, não é mesmo?

“Ainnn, mas o X não tá comprometido… Ainnn, mas o Y ganha não sei quanto… Ainnn, mas o W foi na balada e pegou umas p#tas 2 dias antes do jogo… Ainnn, mas  o Z pintou o cabelo…” 

1961 – Final da Libertadores – Jogadores do Peñarol agridem jogadores do Palmeiras (não encontrei  imagens disponíveis)…

…..

1990 – Copa Competência – Peñarol e Nacional protagonizam uma luta campal…

…..

1993 – Supercopa – Peñarol (derrotado, claro) quebra o pau com o Grêmio, agride policiais e jogadores do time brasileiro…

…………………….

…………………….

…………………….

…..

1999 – Semifinal da Copa Mercosul – Eliminado pelo Flamengo, em Montevidéu, o Peñarol partiu pra cima dos brasileiros assim que a partida foi encerrada, e os jogadores do Flamengo foram agredidos até chegarem ao túnel de acesso para os vestiários.

…………………….

…………………….

………………….

…..
2000 – Torneio Clausura – Mais uma covarde, e corriqueira, batalha campal de uruguaios… e adivinha se o  Peñarol não estava nela?

…..
2009 – Amistoso com o Newell Old Boys,  e mais violência e covardia… ainda bem que era amistoso, não é mesmo?
……………………

…..
2011 – Final da Libertadores – Derrotado pelo Santos, o Peñarol, covarde e despeitado, querendo impedir a volta olímpica do time brasileiro, promoveu a maior pancadaria depois que o jogo acabou (teve agressão durante a partida também). E, pra variar, os covardões, cheios de querer bater em todo mundo, apanharam um bocado.

…………………….

…………………….

…………………….

…………………….

…………………….
…..
2016 – Campeonato Uruguaio – Peñarol x Nacional – Mais pancadaria…

…………………….

…………………….

…………………….
…..
2017 – Amistoso com o Atlético-PR … Muy ‘amistoso’ esse Peñarol, não?

…………………….

…………………….

…………………….

…………………….

…..

2017 – Copa Libertadores – Fase de Grupos – Derrotado  em Montevidéu pelo Palmeiras, e praticamente eliminado da competição, o Peñarol partiu para o que sabe fazer de melhor… e não é mais futebol o que ele sabe melhor. Mais uma vez, os covardes, racistas e despeitados uruguaios,  que não praticam um bom futebol há muito tempo, que não se garantem na bola, e que sempre mostram não ter hombridade e civilidade suficientes para aceitar uma derrota… partiram para a briga, chamaram nossos jogadores de “macacos”, agrediram Willian com um soco na cara, antes de o juiz apitar o final de jogo, e, após o apito, cercaram Felipe Melo, correram atrás dele querendo agredi-lo, cercaram Prass e o agrediram… Deram um vexame duplo. Tomaram uma virada espetacular quando venciam por 2 x 0 (com um gol irregular) e pipocaram na briga que arrumaram… e, como sempre, covardes e sujos e desleais que são, justificaram a sua incompetência e selvageria culpando o adversário, que não se cansaram de chamar de “macaco”…

…………………….

…………………….

…..
O vídeo abaixo tem todas as imagens e não deixa nenhuma dúvida sobre quem começou, sobre quem queria a violência… e por qual motivo Felipe Melo deu um direto na cara do uruguaio – o sujeito corria atrás dele para agredi-lo.

E a culpa dessa violência toda que vimos acima, a culpa da ignorância e covardia uruguaia,  que acontece desde que a Libertadores começou a ser disputada, que acontece sempre e em qualquer campeonato, há mais de 50 anos, é do… Felipe Melo.

Faz tempo que o Pitbull joga  futebol, hein?

.

.

Não bastasse a baderna, a “reunião de condomínio” dentro de campo, a partida interrompida por 13 minutos para, ilegalmente, se  anular um gol ilegal do Fluminense, no Fla x Flu – e não anular um gol ilegal do Flamengo na mesma partida…

Não bastasse a súmula dessa partida, cheia de coisas estranhas, ter sido entregue pelo árbitro Sandro Meira Ricci apenas no dia seguinte, e sem a explicação sobre a confusão…

Não bastasse a participação da imprensinha fazendo parecer normal o uso de interferência externa – proibido pela Fifa -, fazendo de conta que a reclamação/escândalo  era pela anulação de um gol ilegal em si, e não por conta da ILEGALIDADE DA ANULAÇÃO – o autor do comentário abaixo não foi o único…

gambazek-fazendo-a-egipcia1

 

Não bastasse essa baderna toda, esse blá blá blá, apareceu o Figueirense querendo anular a partida em que foi derrotado pelo Palmeiras. Como se na partida tivesse havido qualquer coisa para legitimar a sua anulação.

E ficamos nos perguntando: O pessoal do Figueirense está doido, ou o quê? Esse “o quê” nos fez imaginar muitas coisas, até mesmo que ele pudesse estar a serviço de “alguém” que tivesse muito interesse em que a partida do líder fosse anulada…

Ok, já sabemos que o STJD rejeitou o pedido, e nem poderia ser diferente. Mas imagina se a imprensinha, tão “isenta” e “imparcial”, não ia fazer um veneno, não ia tentar plantar uma ‘ideiazinha’ na cabeça dos torcedores…

uol-sacana

A decisão do presidente do STJD  de não aceitar o pedido do Figueirense se deu pela inconsistência do pedido, e só por isso – e o presidente do tribunal poderia ter trabalhado em qualquer lugar do mundo, até aqui na minha casa, que não seria diferente. Sem a justificativa pertinente, sem o erro de direito, é impossível, até mesmo para o STJD (que salva o FluminenC e o Flamengo do descenso, rebaixando a Lusa) anular uma partida.

Mas eu já disse lá em cima que sabemos que essa ‘presepada’, protagonizada pelo Figueirense (quem diria que ele se prestaria a isso?), não deu em nada…

Porém, existem algumas considerações a serem feitas e algumas coisas a ficarem registradas…

O Figueirense resolveu pedir a anulação da partida, e a petição foi feita por um advogado da OAB……….. do RJ!!

advogado-carioca6

“Maoeeeeee”, diria Silvio Santos…

Tentemos entender a situação, raciocinarmos sobre ela, sem prestarmos atenção ao “cheirinho” estranho que isso exala… Talvez, não existam advogados em SC com conhecimentos em direito desportivo… Talvez, o advogado do Figueirense seja um dos que não entendam nada sobre isso… Talvez, o advogado da OAB-RJ seja uma sumidade no assunto e, por esse motivo, tenha sido contratado…

advogado-carioca

Ele diz que está descrente com o futebol brasileiro, mas redigiu e assinou um pedido de anulação de uma partida sem que tivesse ocorrido qualquer coisa nessa partida para justificar esse pedido? Sem um erro de direito, de verdade? Por um lateral que, dependendo do ângulo visto, ninguém pode cravar se a bola pingou fora ou dentro do campo? Então, né? Se essa partida fosse anulada, o futebol ficaria mais desacreditado ainda…

advogado-carioca1

O futebol precisa de uma limpa, diz ele – e eu concordo – mas era ele mesmo quem orientava, instruía o Figueirense, quem redigia uma petição para que o clube catarinense conseguisse anular um resultado sem um argumento legítimo? Não houve erro de direito nenhum na partida – e foi por isso que o STJD rejeitou o pedido.

Sem comentários para a declaração abaixo…

advogado-carioca2

advogado-carioca-lusagate

Falou-se muito em “erro de fato” e “erro de direito” nesses últimos dias – eu já citei isso na postagem algumas vezes -, mas o que essas expressões querem dizer?

Não sou advogada, nem especialista em legislação desportiva, mas sei que erro de fato é o tipo de erro que ocorre quando um árbitro, conhecedor das regras de futebol, interpreta um lance de maneira equivocada. Como, por exemplo, o gol impedido do Flamengo, no Fla x Flu – o do Fluminense também. O jogador impedido, valendo-se da posição de impedimento, atrapalha o goleiro, a visão do goleiro, quando a bola é alçada e também durante o trajeto da mesma. O juiz  sabe que isso não é permitido (seus auxiliares também), mas errou ao validar o gol, seja por não ter visto o lance, ou por ter entendido de outra forma o que viu. E assim pode ocorrer também quando um árbitro interpreta que em um lance não houve pênalti ou que não houve uma falta em uma jogada, pode ocorrer quando ele se equivoca na identificação de um jogador e acaba expulsando o jogador errado, que não cometeu falta alguma…

O erro de direito, que justificaria uma anulação de partida, seria o juiz errar porque desconhece a regra ou porque a aplica de maneira equivocada. Por exemplo, ele anula, invalida um gol olímpico, por achar que dessa maneira o gol não seja lícito, ou ele valida um gol feito após uma cobrança de pênalti onde a bola bate na trave e volta para o mesmo jogador, que faz o gol. Isso não é permitido, mas o árbitro achava que era. Em casos como esses, onde existiu um “erro de direito”, a partida pode vir a ser anulada.

A legislação desportiva prevê a possibilidade de anulação de partida quando ocorrer, comprovadamente, erro de direito, ou então algum comportamento também comprovado de alguém que agiu de forma atentatória à dignidade do desporto, agiu de má-fé, com o objetivo de alterar o resultado da competição, como, por exemplo, o suborno de árbitro, auxiliares, goleiro, etc. Mas, por erro de fato, não tem como se anular uma partida (Já pensou se o Palmeiras pudesse anular todas as partidas em que erros de arbitragem lhe subtraíram pontos importantes?).

E parece que o advogado do pedido de anulação da partida entre Figueirense e Palmeiras sabe muito bem que “erros de fato” não anulam partidas, não é mesmo?

advogado-carioca5

 

Sim,  não daria em nada querer anular o jogo entre Vasco e Flamengo por um erro de fato. Então, por que ele fez a tal petição agora, querendo anular o jogo entre Figueirense e Palmeiras, se baseando numa cobrança de lateral, onde a bola supostamente tenha pingado fora? Isso não é erro de direito. Por que será que o advogado não disse aos dirigentes do Figueirense que não havia nada que sustentasse esse pedido? E, se disse, por que será que levaram isso adiante?

advogado-carioca-lavajato-e-futebol

Nós não sabemos o porquê de muitas coisas, não sabemos se alguém alimentou/incentivou o Figueirense nessa empreitada ridícula; não sabemos se os dirigentes do time catarinense foram apenas bobinhos e irresponsáveis ou se fizeram um favor para alguém; se o advogado, mesmo sabendo  da inutilidade do pedido feito ao STJD, apenas atendeu à vontade do seu cliente, ou se todos  contavam com o fato de o “futebol ser muito, mas muito pior que a Lava-jato”… não podemos afirmar nada, só podemos pensar, imaginar, questionar… talvez, nosso olfato nos engane… mas ficou um ‘cheirinho’ estranho no ar, você não acha?

 

P.S.- Os prints dos tweets me foram enviados pelo amigo Wellington Bortolotti (@wbortolotti). Grazie, caro.

 

 

 

Palmeiras e Flamengo se enfrentaram no Allianz Parque pela 25ª rodada do campeonato brasileiro 2016…

O líder, desde a 9ª rodada, e o time que ocupa a segunda posição – que não liderou o campeonato em momento algum, exceto por 19 minutos dessa mesma partida – tinham por alvo a liderança da competição.

O Palmeiras, queria mantê-la; o Flamengo, queria tomá-la do Palmeiras…

O resultado ficou no 1 x 1… para decepção de ambas as torcidas – para a do Palmeiras, nem tanto -, que esperavam a vitória.

E então começou a choradeira por parte do Flamengo (o mesmo clube que se safou do descenso em 2013, graças à uma baita armação pra cima da Portuguesa)… começou o mimimi…

“O Palmeiras foi beneficiado!”, gritavam todas as trancinhas com as cores favoritas do STJD…

E não é que o Flamengo tinha razão? O Palmeiras foi muito “beneficiado”.

Onde já se viu o juiz expulsar o Márcio Araújo sem ele ter feito nada para receber o cartão vermelho?

flamengo-mimimi-expulsao-marcioaraujo
Como o juiz teve coragem de dar o primeiro amarelo pra ele nesse lance? Pô, Márcio Araújo “foi na bola”… a imagem é clara! “Nem tentou parar Gabriel Jesus” que vinha em velocidade…

flamengo-mimimi-cartaomarcioaraujo1flamengo-mimimi-falta-marcioaraujo-em-jesus

E, depois, o juiz beneficiaria o Palmeiras de novo, deixando pra lá um novo “desarme” do mesmo Márcio Araújo e não dando o segundo cartão amarelo pra ele.
flamengo-mimimi-segunda-falta-pra-cartao-marcioaraujo

O segundo amarelo para o Márcio Araújo, então, foi um abuso de ‘benefício’ ao Palmeiras. De novo, ele ‘foi na bola’, ‘nem tentou atropelar o Gabriel’… Imagina se isso era falta pra amarelo… mesmo sendo o terceiro “desarme” seguido…

flamengo-mimimi-falta-marcioaraujo-em-gabriel

Ninguém concordou com essa expulsão. Márcio Araújo estava tão bem no jogo…  Não fez nada pra ser expulso…
flamengo-mimimi-expulsao-marcioaraujo1

E a ‘sorte’ do Palmeiras é que o juiz o ‘beneficiou’ bastante, senão, seria bem capaz de ter marcado pênalti nesse lance em cima de Roger Guedes… Guedes é quem deu um jeito de ter a perna do flamenguista no meio das suas, e colocar seu pé bem no caminho do pé flamenguista, para, assim,  atrapalhar a sua própria descida em velocidade e fatalmente cair… sorte que o juiz resolveu “beneficiar” o Palmeiras…

flamengo-mimimi-falta-em-guedesflamengo-mimimi-falta-em-guedes1flamengo-mimimi-falta-em-guedes2flamengo-mimimi-falta-em-guedes3flamengo-mimimi-falta-em-guedes4flamengo-mimimi-falta-em-guedes5

E não bastasse todos esses benefícios, e outros mais em muitas faltas duras que os palmeirenses sofriam “de propósito”, e o juiz, para nos “beneficiar”, não marcava nada… ele ainda teve a cara de pau de nos “ajudar” mais um pouco…

Onde já se viu o Dudu, que vinha em velocidade, não ter visto a perna – o pé também – que o flamenguista esticou “sem querer” pra trás, coincidentemente no caminho do Dudu?

Mas como o juiz estava determinado a “favorecer” o Palmeiras, ele não viu nada errado nisso.

flamengo-mimimi-toque-em-duduflamengo-mimimi-toque-em-dudu1flamengo-mimimi-toque-em-dudu2

Mas o cúmulo mesmo do benefício ao Palmeiras foi a marcação desse lateral…

lateral-mandrake-para-o-flamengo

Todo mundo sabe que a bola toda, inteira,  precisa estar fora do campo, ter ultrapassado a linha lateral para que se considere que ela está fora das quatro linhas. Mas o juiz, olha… como se não conhecesse as regras, nem ligou para o fato que o Mina a parou em cima da linha e tratou de beneficiar o Palmeiras dando lateral para o Flamengo. E o Flamengo abriu o placar graças à esse erro da arbitragem, que, mais uma vez,  “beneficiava” o dono da casa.

Precisam tomar uma providência, urgente, o Palmeiras anda sendo muito “beneficiado” mesmo…

E não bastasse todo o “benefício” em campo, a nossa torcida ainda teve que “constranger” e “atemorizar” os flamenguistas que estavam no camarote – o presidente do Flamengo, inclusive. Logo eles, que foram “tão educados” e, “em nenhum momento, provocaram os torcedores”…

Eles ficaram “tão assustados”, coitados… o próprio presidente do Flamengo disse isso.

Vejam as imagens*… É revoltante ver como ficaram “atemorizados”, são chocantes as expressões de “medo” e “insegurança” em seus rostos…

flamenguistas-camarote-allianz flamenguistas-camarote-allianz1

Uma vergonha tudo isso, não é mesmo?? E ninguém toma providência alguma…

*As imagens dos camarotes são de Sérgio Ortiz, do Força Palestrina.

rumo-ao-enea-blogclorofila rumo-ao-enea-blogclorofila1

Nós sabemos muito bem que faltam ainda muitas rodadas para terminar o campeonato… sabemos também que uma vitória hoje ainda não é garantia de título para o Palmeiras – e nem para quem tem menos pontos do que ele.

Sabemos que hoje não é uma final, como a imprensa e o próprio Flamengo querem fazer parecer. Infelizmente, não é – adoraria que fosse. Há muito exagero em relação  nesse jogo. É um confronto entre dois candidatos ao título, e não uma guerra entre SP e RJ. O Palmeiras quer se manter líder, ratificar a sua excelente campanha, quer se aproximar um pouco mais do enea, e o Flamengo quer lhe tomar a liderança…

Já aconteceu isso antes neste campeonato. Primeiro, com o Inter, depois com o time da Lava-jato, com o Grêmio, depois com o Santos, e com o Galo… todos brigaram pela liderança com o Palmeiras, quiseram tomá-la do Palmeiras em algum momento, agora, é a vez do Flamengo. Não tem vida fácil, parmerada. Under pressure, all the time.

Nos últimos cinco anos, quase seis, foram 10 confrontos entre as duas equipes, o Palmeiras obteve 5 vitórias, empatou 4 vezes e perdeu em uma única oportunidade. De 30 pontos disputados entre paulistas e cariocas, o Palmeiras conquistou 19 deles, o adversário apenas 7. Auspicioso, não?

Vai ser um jogão certamente. E o Palmeiras tem tudo para conseguir um belo resultado, pra conquistar a vitória e mais três pontos; tem time, tem banco, tem técnico, tem jogadores talentosos, valentes, cheios de garra, tem uma baita determinação, experiência, tem uma sede enorme de conquistar o enea, seu nono campeonato brasileiro, e tem a torcida mais linda e apaixonada do mundo.

O confronto é no Allianz Parque… e quando o confronto é na nossa casa, já sabe como é, né? Uma l-o-u-c-u-r-a!

A rua Palestra Italia vira um rio, verde, pulsante… Corredor alviverde (vai ter corredor sim) iluminando a noite e o coração dos parmeras… luzes verdes, fumaça, camisas, bandeiras, chapéus, bares lotados, cerveja, alegria, vozes, muitas vozes, nossa gente cantando… olhos confiantes, apressados, sorrisos, abraços, muita reza, emoção à flor da pele e amor… uma quantidade imensurável de amor…

O Caldeirão do Porco esquenta uma barbaridade, a temperatura sobe na medida em que a torcida não para de cantar, na medida em que a energia verde deixa o Allianz Parque eletrizante… e o Palmeiras transborda por todos os poros, o Palmeiras ilumina todos os olhos, o Palmeiras se agita em todas as veias, o Palmeiras pulsa em milhões de corações…

O Allianz Parque estará lotado, vibrante, e a Que Canta e Vibra vai entrar em campo com o Verdão… vai dar mais um passo com o Palmeiras em busca do enea… a torcida vai jogar sim senhor!

Jailsão da Massa, Vitor Hugo e Mina, zaga atacante de raça… Zé Roberto – Animal, e Jean, talento e experiência… Duduzinho lindo, o cracaço da camisa 7… Menino Jesus (será?) nosso garoto artilheiro iluminado… Moisés, xerifão… Tche Tche, que vale por meia dúzia… Gabriel, o Pitbull… Barrião da Massa, o finalizador, Rafa Marques, dos gols decisivos, Thiago Santos, que desarma mais que a PM no Eliminates Arena… Allione, Cleiton Xavier, Roger Guedes, Matheus Sales, Arouca, Erik, Leandro Pereira, Egídio, Fabiano, Dracena, Thiago Martins, Fabrício…

Jogue quem jogar – o Cuca é quem sabe dos paranauês -,  o Palmeiras vai em busca da vitória, e nós vamos jogar com ele. De alguma maneira, e como sempre acontece, os milhões de palmeirenses espalhados pelo planeta estarão juntos no Allianz… de alma, coração, energia, e muita, muita vontade de vencer…

É HOJE! O CALDEIRÃO DO PORCO VAI FERVER! O PALMEIRAS VAI JOGAR, NÓS VAMOS!!

Boa sorte, Palmeiras! Boa sorte, seus lindos! RUMO AO ENEA!!

“E a gente tem que ser bem boboca pra achar que esses árbitros todos decidem assim, do nada, garfar e esfolar um mesmo time, né? Pra não imaginar que tenha um mandante por trás desse prejuízo (perseguição) constante”. – Rita Hayworth

 

Palmeiras 4 x 0 Atlético-PR

– Pênalti do goleiro do Atlético-PR sobre Jesus, e não marcado pelo árbitro.
– Cartão amarelo para Barrios – que sofreu  falta – quando o cartão deveria ser vermelho e para o jogador do Atlético-PR.

Ponte Preta 2 x 1 Palmeiras

– Gol de Jesus, legítimo, anulado pela arbitragem.
– Cuca, expulso por reclamação (reclamou sozinho, sem se  dirigir ao árbitro) após a marcação de falta inexistente em Tche Tche.

Palmeiras 2 x 0 FluminenC

– Entrada criminosa em Egídio, no campo de visão do juiz (do auxiliar também), que deixou de mostrar cartão (vermelho) e marcou apenas a falta.

São Paulo 1 x 0 Palmeiras

– Falta em Dudu, não marcada pela arbitragem, dando sequência à jogada de gol do  time do Panetone. (o Palmeiras não perdeu por causa disso, mas é um erro de arbitragem (mais um), importante, dentre tantos erros com o Palmeiras).

Palmeiras 4 x 3 Grêmio

Gol do Grêmio em total e claro impedimento, validado pela arbitragem – e depois dos acréscimos.
Tche Tche, pisado por Maicon, na cara do juiz, e o juiz,ao invés de assinalar a falta de Maicon, e mostrar o cartão vermelho por agressão, assinalou falta do… Tche Tche.
Pênalti de Geromel em Jesus, não marcado pela arbitragem, na sequência da jogada, gol de Roger Guedes, segundo do Palmeiras, que perdia por 2 x 1 (e se o gol não tivesse saído?).
Jesus agarrado e derrubado por Geromel, o juiz marcou apenas a falta, sem mostrar cartão, no entanto, Matheus Sales levou amarelo por ter agarrado o adversário, e Fabrício também levou amarelo por ter tentando segurar um gremista.

Muitos “erros” de arbitragem prejudicando um time só, não é mesmo?

E, depois do Grêmio, teríamos o Flamengo pela frente… aquele, que as arbitragens costumam ajudar; que ganha campeonato, no último minuto, com gol escandalosamente impedido, marcado por juiz conhecidamente flamenguista… o que escapou do descenso em 2013, aproveitando carona na manobra que rebaixou a Lusa  e subiu o FluminenC (reza a lenda que a ajuda visava mesmo salvar o time rubro-negro); um dos queridinhos da imprensinha e da emissora platinada (o outro, será o nosso próximo adversário… imagina a arbitragem?)… e que andou dando uns vexames ultimamente…

O juiz seria Dewson Fernando Freitas da Silva (PA), o árbitro FIFA, que já tinha nos operado diante do Atlético-PR, em 2015, e  que, por isso mesmo, foi chamado por Robinho de “c@*$ralho ruim”.

E quem não sabia o que ia acontecer, né?

Jogo em Brasília, mais de 54 mil pessoas (torcedores dos dois times  todos juntos e misturados. Lindo!), a maioria de palmeirenses. Palmeirenses, que faziam mais barulho, que estavam felizes por ver o time de coração de perto, e que se deslocaram de vários outros estados só pra ver o Palmeiras jogar.

E eles viram bem mais do que isso, viram o Palmeiras ser assaltado, de novo (quem estaria por trás desses “erros” todos e em todas as partidas do Palmeiras?). E, graças a Deus, viram também o Palmeiras vencer a arbitragem, de novo…

Pra variar, Jesus abriu o caminho da vitória logo no comecinho da partida. Tche Tche interceptou uma bola e, de cabeça, a colocou à frente de Jesus que entrava na área. E Jesus, matador (desculpe a heresia) finalizou com perfeição.

Tomamos o empate dois minutos depois, com um gol de Alan Patrick, num chute de longe, do canto da área. A bola fez uma curva que impossibilitou a defesa de Prass.

E, então, o c@#%ralho ruim começou a aparecer…

Dudu roubou uma bola e partiu para o ataque. Márcio Araújo o parou com falta, que o juiz não marcou. Só que o bandeira viu a falta, a assinalou e, convicto, fez até o gesto para mostrar ao juiz como a falta tinha sido feita por Márcio Araújo (era pra amarelo), mas o juiz preferiu ignorar as informações do bandeira (tem auxiliar pra quê?).

Moisés deu um lançamento lindo para Jesus, mas, ao invés de matar no peito e fuzilar o goleiro, ele tentou parar e ajeitar a bola com o pé e a jogada se perdeu. Cuca ficou bem contrariado.

Embora desse alguns espaços ao Flamengo, o Palmeiras tinha o controle do jogo, ficava mais com a bola, descia com velocidade e as oportunidades mais perigosas eram verdes. Novo lançamento de Moisés para Jesus, mas o nosso menino não conseguiu finalizar…

As jogadas saíam, mas estávamos pecando nas finalizações. Nosso meio de campo era melhor, Moisés ficava livre para criar.

E com dois minutos de acréscimo (cinco de acréscimo, e sem motivo algum, é só em jogo dos ‘lava-jato’) o primeiro tempo acabou com o empate no placar.

No intervalo, teve uma confusão com as torcidas organizadas dos dois times na área dos banheiros e bares;  a polícia fez uso de gás-pimenta, que se espalhou pelo estádio todo, afetando torcedores, jogadores, e fazendo com que muitas pessoas – as que estavam com crianças principalmente (elas eram muitas), tivessem que ir embora. Um horror!

Segundo uma notícia do UOL, o Flamengo, responsável pela segurança, porque era o mandante do jogo, não seguiu o que havia sido combinado e deixou as torcidas muito próximas:

TV-Mancha1

Na segunda etapa, o Flamengo começou tentando pressionar o Palmeiras, mas não levava tanto perigo, o Palmeiras me parecia que tinha tomado chá de camomila no intervalo.. mas não demorou muito e ele ficou bem acordado.

Cuca, que sempre acerta nas substituições, colocou Luan em lugar de Matheus Sales, e, ao contrário do que eu imaginara que aconteceria, Luan entrou bem na partida.

Moisés lançou Luan, que cruzou para a área, Jesus dividiu com o goleiro, que acabou soltando a bola e ela entrou  no gol. O juiz acertadamente anulou o gol.

E então, a garfada master aconteceu… Dudu tocou pra Luan, ele cruzou, e Léo Duarte, que não alcançou a bola, a desviou, intencionalmente, com a mão. Ela ainda bateu na trave antes de sair. Até as minhocas embaixo da grama e da terra viram a penalidade, menos o juiz e o bandeira.

FlaxPal-pênalti-LéoDuarte

Jogo empatado, o flamenguista mete a mão na bola, como se fosse vôlei, e a arbitragem… nem aí! Uma vergonha! Não marca o pênalti e nem expulsa o jogador pela infração cometida. Imaginem se a camisa do jogador fosse verde?

Os árbitros podem errar e “errar” à vontade e nada acontece. Deveria ser regra que árbitros e bandeiras dessem coletiva após as partidas.

Jesus entrou na área, tocou por cima do goleiro e o zagueiro, como se fosse goleiro, fez uma defesaça… com a mão . Nem se o “c@#&ralho ruim” quisesse teria como ignorar tamanha penalidade. Ele marcou e expulsou César Martins pela infração. Jean colocou na marca da cal e colocou o Palmeiras na frente de novo.

Mancuello quase quebrou a perna do Fabrício e levou amarelo… E então, o juiz deu um jeitinho de amarelar Vitor Hugo e tirá-lo do próximo jogo do Palmeiras –  quem não tinha certeza que ele seria amarelado?

Aos 41′, Jesus fez a jogada e lançou Rafa Marques, que ia sair na cara do goleiro. Márcio Araújo fez a falta e derrubou o Rafa dentro da área. Eu não achei que foi pênalti, porque Márcio Araújo o toca ainda fora da área, mas foi falta, e quando o Rafa entraria na área com bola dominada, com grande chance de marcar mais um gol para o Palmeiras; falta pra expulsão. Dewson Freitas, o “@#&ralho ruim”, ignorou a falta e o cartão vermelho que deveria mostrar a Márcio Araújo – já tinha deixado de dar um amarelo pra ele antes (mas amarelo pro VH ele deu, né?)

E, pra fechar com “chave de ouro” a péssima  atuação e desempenho do “árbitro-FIFA”, na súmula da partida ele anotou que, Jean, autor do segundo gol do Palmeiras aos 26′ do segundo tempo, havia sido substituído aos 12 minutos (14 minutos antes de fazer o gol) para a entrada de Luan, quando, na verdade, quem deixara o campo fora Matheus Sales.

Não dá pra entender como esses árbitros podem ser promovidos a “Árbitros-FIFA” ou “aspirantes-FIFA”. Parece até que andam distribuindo promoções para árbitros e auxiliares por outros motivos que não a capacidade dos promovidos…

Será que é para eles fazerem essas lambanças (e resultados) mesmo?

Abre o olho, Palmeiras!! Até quando vão nos roubar? Quanto mais vamos permitir que isso aconteça? No futebol é ao contrário, os bonzinhos, que nunca reclamam de nada, que não prestam atenção nas manobras dos bastidores, não se dão bem e nem colocam a faixa no peito.

Chega de sermos as ovelhas servindo de banquete para a festa dos lobos, né?

Um absurdo o que estão fazendo com o Palmeiras, ele vem sendo garfado pelas arbitragens um jogo sim e outro também… As “forças ocultas” e nefastas, que esculhambam o futebol brasileiro (taí a horrorosa selenike que não me deixa mentir), parecem estar preocupadas com esse Palmeiras  2016. E agora nem disfarçam mais.

Hoje, meteram a mão no Verdão de novo, e com a assinatura do Sr. Dewson Freitas, o “c@#%ralho ruim” – by Robinho, que nos operou ano passado diante do Atlético-PR. E não apareceu quarto-árbitro, nem delegado, nem jornalista nenhum pra avisar que ele “errou”…

A coisa está cada vez pior, alguém precisa tomar uma providência, pra ontem (viu Palmeiras?), afinal, nem sempre vamos conseguir ganhar da arbitragem.

O texto sobre a roubalheira de hoje já está a caminho… estou pescando as imagens.

 Flamengo-e-juiz

 

 

Depois de ter sentido na pele o que as arbitragens fizeram com o Palmeiras nos “mata-matas” do Paulistão, depois de ter visto o Bragantino arrebentar nossos jogadores – com a conivência do juiz, que não puniu ninguém – e tirar o Mago, o nosso mais talentoso jogador, da semifinal; depois de ter visto Alan Kardec ser agredido por duas vezes na semifinal contra o Ituano, e, por isso, ter saído de campo lesionado ainda no primeiro tempo, sem que seu agressor tivesse sido expulso; depois desse “enfraquecimento forçado” do Verdão, fator determinante para tirá-lo da final do campeonato, eu não poderia deixar de escrever sobre o futebol do último final de semana.

No País da Copa do Mundo, dos estádios superfaturados e não-acabados, construídos com dinheiro público; no país do Fluminense, que é rebaixado, e volta à série A na mutreta armada para rebaixar a Lusa; no país em que o torcedor (do Ituano), num programa de rádio, agradece ao seu zagueiro, por ele ter quebrado o jogador adversário (Kardec) e “ter conquistado o campeonato nesse lance”; num país como esse, o futebol não poderia ser uma maravilha mesmo. Mas o que se viu na reta de chegada de alguns estaduais, é para deixar o Cristo Redentor, no RJ, e a estátua do Borba Gato, em SP, querendo comprar passagem, só de ida, pra Argentina.

Nesse último domingo, nas finais dos campeonatos paulista e carioca, as arbitragens nos mostraram que não sabemos nada sobre o futebol e suas regras disciplinares.

Ao acompanhar as decisões do final de semana, me senti como aquelas mulheres que não manjam niente de futebol, que desconhecem a regra de impedimento, que nem desconfiam porque aquele homem de calção preto, que usa uma camisa igualzinha à do Corinthians, sopra o apito quando alguém cai naquele lugar do campo com uns retângulos pintados na grama, e que fica perto do jogador que pode por a mão na bola. Na verdade, sem conseguir associar o que via acontecer em campo ao que sabia de futebol, fiquei com a impressão que as regras todas mudaram.

NO RJ…

Partida final entre Vasco e Flamengo pelo campeonato carioca; nos últimos minutos da partida, o placar apontava 1 x 0 para o Vasco, resultado que faria o time de São Januário campeão. O Flamengo precisava do empate para ficar com o título, mas, com o relógio caminhando para a última volta do ponteiro, a situação dos rubros-negros parecia muito difícil e a fatura praticamente liquidada…

Só que, aos 45′, num ataque do Flamengo, a bola bateu na trave, Márcio Araújo (o Caramujinho) ficou com o rebote, empatou a partida, e o título do campeonato mudou de mãos.

Que sorte do Flamengo! SORTE???? Sorte de ter um árbitro, por acaso torcedor, que ‘não viu’ o lance, não é? Sorte os auxiliares também ‘não terem visto nada’ (não é o que mostram as imagens).

O Sr. Marcelo de Lima Henrique, da foto acima, validou o gol de Márcio Araújo, que só chegou na bola em condições de mandá-la pra rede, porque se beneficiou de uma posição irregular. Estava “impedidaço”! Pelo menos, eu costumava achar que esse tipo de lance era impedimento, mas já não sei mais se é, uma vez que a arbitragem, mesmo tendo visto claramente a posição do jogador, nada assinalou.

E, assim, com um “erro grosseiro”, o título foi tomado do Vasco e dado de bandeja ao Flamengo. Nessa batida, o Vasco vai ser vice “ad eternum”.

Dá uma olhada no tamanho do impedimento que os auxiliares viram muito bem:

 Impedimento-Flamengo1

Num país com tantos “erros” de arbitragem, como pode a FERJ escalar um árbitro – que já cometeu outros grandes erros -, para apitar a decisão do time… dele?

E para completar a lambança, e aguçar ainda mais a desconfiança sobre esse título que caiu no colo do Flamengo, a gente volta no tempo e lê  o que a esposa, vascaína, do árbitro flamenguista, escreveu numa rede social, dias antes da partida: “Quanto ao Vice isso já é certo”… “qualquer coisa a gente comemora o campeonato como vice de novo, mesmo. kkkkkkkk”. E não é que, graças ao marido dela, ela acertou na profecia? Que coisa, não? Só eu achei estranhíssimo uma torcedora fazer piada com o que seria (mais) um possível vice campeonato (mais uma desgraça) do seu próprio time?

Que horror, não? Só por isso, para evitar qualquer problema, o árbitro da partida jamais deveria ser o marido dessa senhora, não é mesmo? É muita coincidência para ser só coincidência… Tudo tão suspeito… E valendo título… Tão fácil colocar a culpa num “erro” e pronto.

E para fechar com chave de (des)honra essa lambança (mais uma) do futebol carioca, ao final da partida, o goleiro flamenguista, Felipe, esquecendo os valores morais e o profissionalismo no vestiário,  zombou e tripudiou dos adversários e do próprio futebol, dizendo que “ganhar roubado é mais gostoso” (então, até ele confirma que foi roubado?). Nossa! Como ele é “esperto”, não? “Profissionalíssimo o cara”! Perdeu uma grande oportunidade para ficar de boca fechada.

E pensar que a Justiça Desportiva puniu Valdivia, com uma pena inédita no futebol brasileiro, por um “sorrisinho” que incomodou o promotor… Tenho quase certeza que a tal Justiça Desportiva será omissa agora. Quer apostar que não vai acontecer nada com o goleiro das “trancinhas” com as cores favoritas dos promotores? Quer apostar como não vai aparecer nenhum promotor para enquadrá-lo em nenhum artigo? Quer apostar como a imprensa toda vai publicar um monte de notícias dizendo que foi… piada?

E depois não sabem porque o público é cada vez menor nos estádios do RJ e do Brasil. O futebol brasileiro, com seus campeonatos de cartas marcadas, vai enchendo o saco de todo mundo e perdendo o brilho dia após dia.

EM SP…

E se no RJ, foi vergonhoso ver o título ser tirado do Vasco e dado ao Flamengo, graças a um “erro” de arbitragem, em SP, só não aconteceu o mesmo porque o Ituano levou a melhor nas cobranças de pênaltis e evitou que o título fosse parar nas mãos do Santos. Mas os dois times só chegaram a esse tipo de decisão, porque o árbitro da partida, Raphael Claus, deu uma mãozinha para o time da Vila, quando marcou uma penalidade em Cícero. Com o gol marcado, o Santos conseguiu tirar a vantagem do empate do Ituano e levar a decisão para a loteria dos pênaltis.

Acontece que a penalidade assinalada pelo árbitro não existiu, e, ainda que tivesse existido, na jogada que originaria o lance houve uma irregularidade. O jogador Cícero, que sofreria o tal pênalti, estava em completo impedimento  antes de  ir em direção à bola e cair/ser derrubado na área. Confira:

 Impedimento-Santos1

Mais uma partida em que a arbitragem interferiu no resultado. E o título do paulistão só não mudou de endereço de novo (já tinham mudado o seu endereço na semifinal do Pacaembu), porque o Santos foi incompetente. Afinal, o time da Vila pôde decidir em duas partidas contra o Ituano, com o estádio cheio de santistas nas duas ocasiões, com time completo, com juiz ajudando a levar a decisão para os pênaltis, lhe dando uma sobrevida e, nem assim, conseguiu superar o adversário. Mas, como disse a imprensa, isso foi zebra, foi raça do Ituano. ‘Vexame’, ‘vergonha’, ‘tropeço’, é só com o Palmeiras, que, graças ao regulamento mal-feito da FPF, jogou uma partida só com o time de Itu, foi garfado pela arbitragem e perdeu jogadores importantes, antes e durante a partida semifinal.

Como vai mal o futebol brasileiro, não é mesmo? Cada vez mais afundado em armações e situações que não enganam ninguém. Os torcedores reclamam, reclamam e nada acontece. São sempre os mesmos clubes a serem favorecidos, assim como são sempre os mesmos os prejudicados. A impressão que se tem é que os demais servem apenas de instrumento para que os favorecimentos ou desfavorecimentos possam ser colocados em prática.

Foi lamentável acompanhar o que aconteceu no RJ e em SP na semifinal e final, é revoltante saber que alguns campeonatos e finalistas possam ser decididos no apito; dá nojo imaginar que esses “erros”, que acontecem cada vez mais, possam não ser apenas “erros” …   e que tem sempre alguém da imprensa para tentar fazê-los parecer legítimos (será que as arbitragens da Copa terão esse mesmo nível?).

O futebol perde a credibilidade, o público vai perdendo o interesse e diminuindo nos estádios, o espetáculo vai ficando mais pobre de futebol-arte… Nem mesmo a seleção brasileira é unanimidade entre os torcedores do país, descontentes com as convocações mandrakes, com os amistosos caça níqueis, com os escândalos envolvendo a CBF, com o balcão de negócios que virou a seleção nacional.  Se a coisa não mudar, chegará a hora em que vai ficar ruim pra todo mundo… até mesmo para quem acha que está levando vantagem hoje.

Quem viver verá…

*”juiz ladrão” é a forma com que as torcidas se referem aos  árbitros que cometem erros grosseiros demais.

 

Pois é, meu caro leitor, o “Flameingo” parece que tem uma admiração exagerada pelo Palmeiras, vive querendo surrupiar nossos jogadores e técnicos. Os palmeirenses são sempre o “sonho de consumo” do rubro-negro carioca. Tempos atrás, ele “tinha contratado” o Felipão 99,9%, queria contratar o Kleber… o Valdivia já foi “contratado” umas 3 ou 4 vezes…

Como diria Camões: “Num é facio”!

A bola da vez é Alan Kardec, que quando esteve no vizinho Vasco não interessou aos rubro-negros, mas bastou vir para o Palmeiras… Dizem as notícias que a diretoria do clube carioca já está até tentando contato com ele. Será que ela vai conseguir?

mesa-espírita

Pois é, amigo leitor, que lambança estamos vendo acontecer no Superior Tribunal de Justiça Desportiva. A cada nova situação, vamos percebendo que não é lenda urbana, paranóia de torcedor e tampouco brincadeira, que os tais promotores andam punindo jogadores e clubes de acordo com a quantidade de simpatia  que têm por eles. A falta de critério nas denúncias ou na falta delas, nos julgamentos e punições nos levam a pensar que estão agindo com clubismo por lá, e cada vez de maneira mais escancarada!

Puniram Valdivia por ter forçado um terceiro cartão amarelo e admitido isso, mas não fizeram o mesmo com o Elias, do Flamengo, que cometeu a mesmíssima infração (infração, nas contas do tribunal, que deu um jeitinho de enquadrar algo corriqueiro no futebol no tal artigo 258, e só porque era com Valdivia, DO PALMEIRAS). Dessa vez, o SporTV não ligou para o tribunal, o jornalista gambá, convenientemente, não viu, não ouviu e não falou nada sobre o cartão forçado do flamenguista; o promotor, já legitimando a punição que não viria para Elias, disse que precisaria analisar a reação do jogador… Uma vergonha! Não há nada na regra sobre conduta anti-desportiva que justifique que um seja punido e outro não, quando os dois agiram da mesma maneira.

A infração, que é o que deve ser motivo de punição, foi a mesma! De diferente só os jogadores, os clubes envolvidos e a raivinha do promotor porque Valdivia sorriu. O que nos leva a pensar que o tribunal pune com mais rigor os jogadores e clubes dos quais os promotores gostam menos. Mas isso não é correto, não é mesmo, Dona Justiça Desportiva? Afinal, eles estão lá para fazer com que o futebol seja conduzido dentro das regras, e só quando se fizer necessária a intervenção do tribunal. Mas não é isso que temos visto acontecer. Os promotores têm atuado e aparecido muito mais do que as arbitragens que já aparecem mais do que os jogadores, verdadeiros donos do espetáculo. E caso fosse mesmo necessário que aparecessem tanto – e não é – isso significaria que, dentro de campo, as arbitragens não estariam fazendo o seu trabalho direito e seriam os árbitros e bandeiras que deveriam ser punidos, não é mesmo?

E assim como Elias foi poupado de punição (detalhe: ele não ia servir seleção alguma. Forçou o cartão para descansar, porque estava meio ‘baleado’. Isso é bem mais anti-desportivo, né “Ximit”?), outros jogadores, de grandes clubes, também serão poupados. A punição mesmo, foi só para o Valdivia, DO PALMEIRAS. Penso que não deram e não darão punições iguais a outros atletas, de grandes clubes, porque não querem (ou será que não podem?) punir determinados jogadores de determinados clubes (pelo menos, essa é a impressão que esse dois-pesos-e-duas-medidas me dá). Assim como não punem também os clubes de determinadas torcidas, façam elas o que fizerem.

E desse jeito, acabam conduzindo campeonatos, quando, através do abuso de poder, através das penas rigorosas para uns e da benevolência e camaradagem pra outros, enfraquecem alguns times, fazendo-os ficar sem alguns de seus jogadores, fazendo-os jogar fora de seus domínios e longe das suas torcidas; enquanto isso, beneficiam outros clubes (são sempre os mesmos os beneficiados) absolvendo seus atletas, até mesmo em caso de agressão ou então, punindo-os, raríssimas vezes, com as penas mais brandas possíveis, e permitindo que suas torcidas aprontem seguidas vezes, sem que o clube pegue nenhum gancho mais pesado – isso, quando ele pega algum gancho.

O Palmeiras perdeu mandos de jogos, de novo, porque duas de suas torcidas organizadas brigaram entre si. As torcidas estão erradas, e sabem muito bem disso. Na verdade, qualquer torcedor que frequenta estádio sabe que a sua má conduta pode motivar uma punição para seu clube. E a torcida do Palmeiras, se pensar mesmo no Palmeiras, sabe que tem que se cuidar ainda mais do que as outras, porque o STJD faz vistas grossas para os delitos de algumas torcidas, enquanto pune com extremo rigor os delitos dos palmeirenses.

Já tínhamos perdido 10 mandos de jogos e, agora, perdemos mais dois. Você já viu algum clube grande perder tantos mandos assim? Mas já viu torcida soltar fogos em cima da torcida rival (flamenguistas, nos torcedores do Atlético-GO, por exemplo), já viu torcedores botarem abaixo a cerca do Pacaembu; invadirem o local destinado a outra torcida e baterem em torcedores e policiais; dispararem sinalizadores na direção do campo; matarem torcedores de emboscada; matarem torcedor dentro do estádio, num outro país;  já viu uma torcida atear fogo em carro alegórico de carnaval, fazer arruaça na Marginal; já viu são-paulinos quase matarem um flamenguista (caso recente e o tribunal nada fez)… os casos são tantos, um pior do que o outro e, alguns, são sucessivos, e de uma mesma torcida. Eu concordo que os atos de vandalismo de torcidas, de qualquer torcida, atos de violência cometidos por elas, resultem em punição. Mas quando só o Palmeiras é punido, a coisa fica com cara de trambique.

Na rodada de ontem, o Corinthians, do estádio com entulho reciclado – com sapo e tudo – do Palestra (pausa para risos… hahahahahaha) foi goleado pela Lusa por 4 x 0 (mais uma pausa… hahahahah). O bandeira, que ficou à frente da torcida alvinegra marcou um impedimento do ataque corintiano (milagre essa marcação), acertadamente, diga-se de passagem (não pagaram o BolsaApito), e levou uma garrafada da contrariada torcida.

Veja as imagens:

garrafada-bandeirinhagarrafada-bandeirinha1

 

garrafada-bandeirinha2garrafada-bandeirinha3

Mais um caso de perda de mandos de jogos, né? Mas o promotor Paulo Schmitt já me saiu com essa:

“Deverá constar na súmula (CUMA?), mas as imagens serão solicitadas, sem dúvida”. Mas se não constar na súmula, o tribunal pega as imagens e pune mesmo assim, né “Ximit”? Como já fez ‘trocentas’ vezes com o Palmeiras. Não me faça pensar que você está preparando o terreno para deixar o clube sem punição. Já tá ficando impossível adjetivar esse ‘modus operandi’ do tribunal. Tratem de usar o mesmo Livro de Regras para todos os clubes.

Mesmo porque, se o árbitro não colocou essa ocorrência na súmula, ele é quem tem que ser punido. Foi avisado pelo bandeira, que lhe entregou a garrafa que havia sido  atirada em sua cabeça. Olha aí a imagem:

garrafada-bandeirinha4garrafada-bandeirinha5

garrafada-bandeirinha6

E nada de pensarem em dizer que foi torcedor da Lusa quem atirou a garrafa, como já disse, com a maior desfaçatez, o tal Dr. Osmar. Olha o bandeirinha onde estava e olha qual era a torcida atrás dele. Pra ser torcerdor da Lusa, tinha que ter sido atirado um bumerangue e não uma garrafa.

garrafada-bandeirinha7

A mim, não importa que a torcida infratora seja da Ponte Preta da Capital, da Ponte de Campinas ou qualquer outra, de qualquer outro clube. Importa que esse tal de Tribunal de (IN)Justiça Desportiva, aplique as regras e distribua as punições IGUALMENTE. Como deve ser para um tribunal que se intitule ‘de Justiça’.

Talvez seja gostoso – para alguns torcedores – punir jogadores de clubes rivais; talvez seja divertido punir clubes adversários aos clubes de coração, deixá-los em má situação… mas isso não é correto, e não é divertido para todo mundo também. O Palmeiras e a gente do Palmeiras têm que receber o mesmo tratamento dos demais clubes.

Porque, se não for assim, está na hora de acabarem com esse modelo de tribunal que temos aqui. No resto do mundo tem alguma coisa parecida com essa Capitania Hereditária Brasilis, que passa de pai pra filho? Com a demora para se julgar alguns e uma baita rapidez para se julgar outros? Então…

Vão lá pra arquibancada, senhores. É lá que devem estar os torcedores. Ou então, arrumem uns apitos e umas bandeiras e vão pra dentro do campo apitar os jogos. Só tá faltando isso mesmo.