Essa postagem será atualizada a cada rodada do Brasileirão.

O Campeonato Brasileiro 2016 teve 9 rodadas até agora, e o Palmeiras já foi prejudicado em todas elas.

Palmeiras 4 x 0 Atlético-PR – 1ª rodada

– Pênalti do goleiro do Atlético-PR em Gabriel Jesus, e não marcado pela arbitragem. Wewerton, às costas de Gabriel  Jesus, deu uma cotovelada no palmeirense e o atropelou na sequência do lance. Gabriel Jesus precisou até de atendimento médico.

cotovelada-goleiro-em-Jesus

– Barrios, em jogada em que teria chance clara de gol, foi atingido por Paulo André, num carrinho por trás; o juiz sinalizou que daria amarelo para… Barrios. Seria o segundo dele (o primeiro já tinha sido mandrake). Parecendo ter sido avisado da presepada, o árbitro voltou atrás, mas, ao invés de cartão vermelho – punição adequada à infração cometida -, advertiu Paulo André com cartão amarelo.

Ponte Preta 2 x 1 Palmeiras – 2ª rodada

– O árbitro marcou uma falta, inexistente, de Tche Tche, Cuca reclamou (sozinho, sem se dirigir ao árbitro) e foi expulso por reclamação. E estamos carecas de ver muitos outros técnicos reclamarem (Tite, Roger Machado…), em praticamente todos os jogos, e não serem expulsos.

PALxGre2016-técnico-reclama

PALxGre-técnicoreclama

– Gol legal de Gabriel Jesus, anulado pela  arbitragem, que teve influência direta no resultado da partida e tirou um ponto do Palmeiras.

PalxPon2016-impedimento-mal-marcado


Palmeiras 2 x 0 FluminenC – 3ª rodada

Com exceção de algumas faltas mais bruscas, que deixaram de ser punidas com cartão, a arbitragem não comprometeu. No entanto, deram um jeito de prejudicar o Palmeiras de outra maneira.

– Cuca, expulso contra a Ponte, não pôde comandar o time diante do FluminenC. Um repórter, do SporTV, segundo as suas próprias palavras, fez uma “força-tarefa” pra denunciar Cuca por ele estar supostamente se utilizando de um ponto, lá do camarote, para se comunicar com seus auxiliares em campo.

O STJD, atendendo ao “esforço” do repórter, prontamente, denunciou, julgou e puniu os profissionais do Palmeiras.

Mas nem repórter e nem STJD denunciaram esses profissionais aqui, tampouco eles foram julgados e punidos pela Justiça Desportiva…

Ponto-eletrônico-Tite1Ponto-eletrônico-Dorivalrecurso-eletrônico-Dorivalrecurso-eletrônico-MO1recurso-eletrônico-MO
E também não foi punido o técnico santista na ocasião em que, suspenso, se comunicou com seu banco de reservas através de um buraco providencialmente feito no acrílico do camarote. E o Palmeiras consegue ser prejudicado pelo “dois-pesos-e-duas-medidas” até com a ajuda insistente da imprensa…

Punição-do-Cuca2

Eu sei que o ponto é proibido (era proibido também quando esses outros técnicos se utilizaram dele), porém, quando a regra existe só pra um, é claro que esse “um” está sendo prejudicado.


SPFW 1 x 0 Palmeiras – 4ª rodada

– Falta clara em Dudu, ignorada pelo árbitro, e dando sequência ao lance que originaria o gol do SPFW.


Palmeiras 4 x 3 Grêmio – 5ª rodada

– Coice  de Geromel em Jesus, que o juiz deixou impune.

PALxGre-gremista-senta-o-pé

– Jesus foi agarrado, derrubado e impedido de dar continuidade à uma jogada.  O árbitro marcou a falta, mas não deu amarelo para o gremista. No entanto, Matheus Sales e Fabrício, ambos do Palmeiras, receberiam cartão amarelo no decorrer do jogo por infrações semelhantes.

PALxGre2016-Falta-em-Jesus-1556

Maicon esqueceu a bola, pisou/agrediu Tche Tche, e o juiz, deixando de expulsar Maicon por agressão, assinalou falta de… Tche Tche. É preciso estar com muita vontade de marcar uma falta contra o Palmeiras, para, num lance como esse, assinalar falta de Tche Tche.

PALxGre2016-falta-em-TcheTche2

PALxGre-Pisão-em-TcheTche

– Dudu sofreu uma falta brusca, o árbitro não marcou, logo a seguir, Dudu cometeu falta, bem mais amena, e a dele o árbitro marcou. Dudu reclamou desse critério dúbio e foi advertido com cartão amarelo. Apanhar, pode; reclamar da lambança do juiz, não.


Gol do Grêmio, em claro impedimento, validado pela arbitragem, e depois dos 4 minutos de acréscimo do primeiro tempo – na ocasião, o Palmeiras vencia por 1 x 0.

PALxGre-gol-impedido

– Pênalti de Geromel em Jesus, e não marcado pela arbitragem.

PALxGre-pênalti-em-Jesus1

Flamengo 1 x 2 Palmeiras – 6ª rodada

Pênalti claro cometido por Léo Duarte, e ignorado pela arbitragem. O juiz deveria ter assinalado a penalidade máxima e mostrado cartão vermelho para o jogador infrator.

FlaxPal-pênalti-LéoDuarte

– Mancuello quase quebrou a perna de Fabrício e recebeu apenas amarelo.

– Falta de Márcio Araújo sobre Rafael Marques, quando ele ia pro gol e teria uma boa chance de gol. O árbitro, que, pelo tipo de infração cometida, deveria ter mostrado cartão vermelho para Márcio Araújo, nem assinalou a falta.


Palmeiras 1 x 0 Corinthians – 7ª rodada

– Cotovelada de Fagner em Dudu. Agressão, que o árbitro  deixou de punir (contra os “lava-jato” a permissão para agressões costuma ser habitual).

Pal1x0LavaJato-12-06-2016-Fagner-agride-DuduPal1x0LavaJato-12-06-2016-Fagner-agride-Dudu1

Impedimento claro de Felipe,  não marcado pela arbitragem (o bandeira tinha totais condições de ver a infração). E, como consequência dessa não marcação de impedimento, houve uma falta de Felipe em Prass, quando ele já segurava a bola, houve uma entrada de sola de Bruno Henrique em CX, e houve um gol do Corinthians. Ao contrário que queriam os corintianos (acostumados ao favorecimento do apito), o árbitro assinalou a falta em Prass e acabou evitando que a arbitragem fosse uma catástrofe total.

Pal1x0LavaJato-12-06-2016ImpedimentoFelipePal1x0LavaJato-12-06-2016-Falta-em-Prass1Pal1x0LavaJato-12-06-2016-Falta-em-Prass1


Coritiba 2 x 2 Palmeiras – 8ª rodada

O Coritiba perdia por 2 x 1 e empatou o jogo aos 49′ do segundo tempo com um gol impedido. O jogador Evandro, em condição inequívoca de impedimento, faz o pivô para Leandro chutar ao gol e empatar a partida. Pra variar, o bandeira não viu porque não quis ver.

Coritiba-gol-impedido1


Palmeiras x Santa Cruz – 9ª rodada

– Roger Guedes levou uma cotovelada de Willian Correia, no rosto, de maneira proposital, portanto, uma agressão, e o juiz puniu seu agressor apenas com cartão amarelo. Guedes precisaria jogar com um tampão no nariz, enquanto seu agressor sairia rindo do lance.

Pal3x1StaCruz-Cotovelada-em-RGuedes

– Gol irregular de Grafite, e validado pela arbitragem. Haviam dois jogadores do Santa Cruz impedidos, no momento da cobrança da falta.

PalxStaCruz-impedimento

Tem algo muito errado nisso, não é mesmo? Dizem que os “árbitros erram para todos os times”… Só  que para alguns eles só “erram” a favor; para outros, só “erram” contra. Ninguém nunca “erra” a favor do Palmeiras (e não quero que nos beneficiem mesmo), mas, quando erram e o Palmeiras se beneficia de alguma maneira, aparece quarto árbitro, delegado, jornalista, repórter, quero-quero, imagens de TV, pra informar o erro ao árbitro e fazer com que ele seja corrigido.

Ano passado, vimos muito bem o que aconteceu com aqueles “erros” todos de arbitragem no Brasileirão,  que visavam favorecer um único time enquanto sabotavam as pretensões dos seus concorrentes mais diretos ao título. Foi uma vergonha, e foi escancarada, e todo mundo ficou com a “pulga atrás da orelha”, imaginando que aquela roubalheira devia ter sido planejada na mesa de alguém…

A CBF, da futebolísticamente falida seleção brasileira, nem se importa com o que acontece. E, porque ela está mais preocupada com punições aos jogadores e técnicos, por reclamações, ao invés de se preocupar em punir exemplarmente as agressões e demais infrações, e porque os árbitros e auxiliares fazem o que bem entendem (ou o que os mandam fazer – vai saber…) e não são punidos, fica parecendo, muito, que a CBF é conivente com esses abusos todos de arbitragem… fica parecendo que é coisa orquestrada, que ela quer mesmo que os árbitros continuem interferindo nos resultados das partidas…

E se temos muitas denúncias de corrupção na CBF, denúncias até de convocações compradas na seleção, fica mais fácil ainda imaginarmos que essa roubalheira toda tem mandante(s)… e que esse(s) mandante(s) está(ão) a fim de prejudicar o Palmeiras…

Parece que está na hora de uma “Lava-jato” no futebol brasileiro, você não acha? Parece que as “forças-ocultas” precisam ter as suas caras mostradas ao grande público…

A 10ª rodada vai ter início. Estamos de olho… e vamos continuar registrando a roubalheira e ver até onde isso vai.

Sempre que jogamos um derby, acontece um monte de coisas estranhas (roubalheira)… Um “Liedson”, que rasga a coxa de um Danilo com as travas da chuteira, de propósito, e só o “Danilo” é expulso… um mesmo “Liedson”, que dá uma solada no peito de um “Deola” e continua em campo… um “Chicão”, que entra de sola na canela de um “Barcos” e o juiz não marca nem falta… um “Wallace”, que pisa na canela de um mesmo “Barcos”, que está no chão, e fica por isso mesmo… um “Romarinho”, que vai na grade provocar a torcida organizada rival (existe um artigo pra isso), leva apenas um amarelo, e só depois de muita confusão e reclamação… um “Gil”, que agride um “Henrique”, e o juiz (a imprensa esportiva também) faz de conta que não viu… um “Elias”, que dá uma cotovelada, proposital, num “Valdivia” e não leva nem amarelo… caso eu fosse relacionar tudo aqui, a lista seria imensa.

É um festival de coisas, cometidas pelos nossos rivais, que os árbitros deixam de marcar, deixam de punir como manda a regra… Somos useiros e vezeiros em soermos garfados no apito sempre que jogamos contra os gambás.

garfadas-Derby6

garfadas-Derby0

garfadas-Derby

garfadas-Derby1

garfadas-Derby2

garfadas-Derby3

garfadas-Derby4

garfadas-Derby5

garfadas-Derby-Mago-Agredido

garfadas-Derby-Mago-Agredido1

E é porque, nesses jogos, os árbitros “erram” tanto em benefício de um mesmo time, porque os árbitros se omitem tanto, se acovardam tanto quando precisam punir jogadores desse time, porque deixam de marcar as faltas desse time,  porque deixam de amarelar seus defensores (pra não correr o risco de ter de expulsá-los depois), deixam de punir as agressões cometidas por eles, e a rivalidade fica ainda mais acirrada, é que o árbitro “sorteado” para um derby recebe tantos holofotes – já teve ocasião de saberem quem era o “sorteado”, antes mesmo do sorteio…

E olha só quem foi “sorteado” para o derby de amanhã:

O moço da foto, Thiago Peixoto Duarte, à direita, de branco, que está em companhia do seu pai, de um amigo e, veja só, da camisa dos gambás, vai apitar a semifinal do Paulistão amanhã – ele só apitou um clássico no campeonato paulista (Santos x Palmeiras).

Questionado sobre a já polêmica foto, o árbitro alegou que a camisa foi uma doação para a Santa Casa de Barretos, onde a sua mãe tinha estado internada antes de falecer, em 2011. Queria retribuir o bom atendimento à mãe, e soube que a Santa Casa fazia leilões para arrecadar fundos. Um amigo conseguiu a camisa gambá para a doação (logo a gambá, né? Que coincidência!).

Tenha ele o motivo que tiver, se é um árbitro de futebol, não deveria tirar foto com camisa de clube nenhum, não é mesmo?

No entanto, tem muita gente por aí, que diz que o moço é torcedor alvinegro sim. Há quem diga que ele tem até carteirinha de sócio torcedor. Como essas informações têm origem nas mídias sociais, não dá para se ter certeza se são verdadeiras ou não.

Não sei, não…  Depois de termos visto os gambás ganharem dois pênaltis da arbitragem no jogo com o Botafogo; depois de termos visto a Ponte Preta ser assaltada e os gambás ficarem com a vaga na semi; depois de termos visto o Palmeiras ser muuuuito roubado diante do mesmo Botafogo – roubado diante dos gambás -,  não é nada difícil imaginarmos que os gambás virão jogar com o mesmo esquema de sempre “dois bandeiras abertos e um juiz centralizado”. Difícil ganhar desse esquema, ainda mais se tiver um quarto árbitro na lateral.

E a imprensa, que fez um escarcéu por causa do patrocínio da Crefisa na camisa dos árbitros, “berrando” que haveria favorecimentos para o Palmeiras (ele foi garfado como sempre), agora, não fala nadinha sobre essa foto, não coloca nenhuma suspeita sobre a sua atuação no derby…

E o árbitro ficou bastante eufórico com a notícia de que iria pro jogo: “Acho que até soar o apito, vou tremer um pouco. Mas depois do apito, jogo.”

Espero que ele faça o trabalho dele com honestidade, e que seja ele o único a tremer, e não a torcida do Palmeiras por ver o time ser garfado em campo.

Porém, pelo sim, pelo não… ABRE BEM O OLHO COM O JUIZ, PALMEIRAS!! Algo me diz que teremos que jogar contra 15 de novo…

PRA CIMA DELES, VERDÃO! CONTRA TUDO E CONTRA TODOS, RUMO Á FINAL!!

MAGIA NELES, MAGO!!! E VAMOS GANHAR, PORCOOOOOO!!

“You always smile but in your eyes your sorrow shows, yes it shows…”

Eu não consegui chorar depois que o jogo acabou, chocada com a situação que vivemos agora, sem poder acreditar onde foi que nos colocaram outra vez, minhas lágrimas pareciam ter sumido. Um rasgo no coração já tão cansado de apanhar, coração, que estava morrendo de tristeza por causa do que fizeram ao Palmeiras. Acordei setecentas vezes durante à noite, pedindo a Deus para que meu cérebro “dormisse” um pouquinho e eu não fosse capaz de pensar, de entender, de lembrar…

Ao conversar com um amigo pela manhã, reencontrei as minhas tão amargas lágrimas desaparecidas… a dor no peito era/é imensa.

Estava na cara que o que não começou certo, ia terminar errado…

A montagem do time/preparação/planejamento – dê o nome que quiser – para o Brasileirão foi descuidada, desastrosa. Tínhamos montado um time bom para jogar a segundona, e passamos por ela sem sustos; depois, montamos um time legalzinho para o Paulistão e, por pouco, não chegamos à final. E aí, viria o Brasileiro… o campeonato mais importante do país.

Não sei se foi porque tinha sido fácil a montagem (sem dinheiro) do time de 2013,  se foi porque o time se saiu relativamente bem no paulista, mas o fato é que devem ter achado que seria fácil para o campeonato que tem a participação dos melhores clubes do país.

Precisávamos apenas de algumas peças para dar um “up” no time do Paulistão. Estávamos todos contentes esperando a melhoria no time, que não seria tão difícil assim. Mas vimos acontecer o contrário. Pra começar, perdemos um zagueiro titular, depois, perdemos o atacante – o melhor que havia no elenco -, e para o vizinho do lado. Eu sei que foi ele que se ofereceu ao clube vizinho, mas sei também que a nossa diretoria deu um vacilo tamanho gigante na condução da negociação com o jogador, que ainda tinha vínculo contratual com o Palmeiras. Um grande erro.

Pra piorar, nossos dirigentes, numa total falta de visão, venderam Valdivia, o nosso melhor jogador, o cérebro do time – eu sei que nenhum jogador é inegociável, mas como é que se vende o melhor jogador do time, sem que um substituto à altura tenha sido contratado? E aí a coisa desandou… sem ninguém com capacidade de substituí-lo na criação das jogadas, e com o nosso goleiro titular machucado, vimos a verdadeira cara do nosso futebol. De nada adiantou termos contratado Gareca, que era bom técnico, mas, devido às carências e ausências do elenco, não conseguia fazer o time vencer. E, com uma derrota atrás da outra, Gareca foi demitido, e Dorival Junior foi contratado (nunca achei nada em Dorival, mas já que veio, fazer o quê?).

Por sorte, Alá era palmeirense, a negociação do Mago não deu certo e ele voltou. Se não tivesse voltado, não estaríamos ainda fazendo contas, porque, certamente, nossas chances de fazer contas já teriam acabado faz tempo.

E o Palmeiras voltou a vencer algumas partidas, esboçou reação, voltou a jogar de igual pra igual com times que estavam bem na tabela, saiu da zona incômoda e ganhou uma gordurinha (e é capaz que essa gordurinha, que “tá no talo”, mais uma derrota do Vitória, acabem nos salvando). Mas isso foi até Dorival, que estava indo bem, começar a fazer bobagens… e o Palmeiras voltar a jogar nada e perder… quatro partidas seguidas… já são 19 derrotas no campeonato. Como assim, diretoria? Jogadores custo zero, que rendem zero, que utilidade têm? E um técnico mais barato, que não tem recursos e capacidade para, pelo menos tentar fazer algo diferente na hora que a água bate na bunda, serve pra quê?

O time travou, e só Dorival não viu… só ele não viu que alguns jogadores nada acrescentavam ao time, só ele não viu que deixava gente mais qualificada no banco, e continuou, tenebrosamente, a repetir escalações e substituições derrotadas – se dá tudo errado numa partida, como imaginar que as mesmas peças, nas mesmas posições, e as mesmas substituições, farão dar tudo certo na partida seguinte?

E o que vimos nas últimas quatro partidas foi um filme de horror. O Palmeiras sendo batido, colocado a nocaute, sem briga, sem luta, sem raça… e a gente olhando, querendo ajudar, mas sem poder fazer nada, sem poder acreditar.

Eu sempre achei que jogador que se sai bem numa partida ganha chance na próxima, e o que não se sai bem, perde o lugar. Acho que me enganei. Dorival prefere manter Mouche, Cristaldo, Allione e Washington, por exemplo, no banco, e insistir em Diogo, Juninho, Marcelo Oliveira, Felipe Menezes, Mazinho, Wesley (que nem foi tão mal assim no jogo passado)… Baseado em quê ele dá preferência a esses jogadores, até na hora da substituição, e deixa no banco os que deveriam ser titulares? E, na ausência do Mago, porque ele nunca tenta os outros meias que temos no elenco?

Depois de tanto sofrermos e gastarmos dinheiro à toa tentando encontrar laterais, “achamos” João Pedro e Victor Luís nas categorias de Base. E o que aconteceu? Victor Luís, tomando conta da lateral-esquerda, virou volante, para o fraco Juninho continuar jogando e o Washington, que é volante, ficar no banco. Não dá para entender e nem aceitar.

O time é ruim? É!! Mas, mesmo assim, daria para arrumar ele melhor, né Dorival?

Que desgraça! Como se não bastasse a vergonha e frustração da derrota na estreia do Allianz, por pura burrice do nosso técnico, que privilegiou jogadores que não andam rendendo nada, que mantém o time sem padrão de jogo, por falta de pensar dos nossos dirigentes (estreia da arena numa fase dessa?), nós ainda fomos queimar mais um cartucho diante do Coritiba, mais uma oportunidade de pontuarmos e ficarmos mais tranquilos na tabela.

E o pior, nem Sport e nem Coritiba jogaram muita bola, nós é que deixamos a desejar e não jogamos absolutamente nada! Entregamos os jogos sem luta, sem brio, sem sangue nos olhos, sem sangue nas veias. O Prass tem razão, “A gente toma o gol e depois se desorganiza. A gente está sem poder de reação. O time adversário não se sente agredido e fica com confiança para fazer o gol”. É bem assim, quando os adversários percebem que não levamos perigo algum, eles tratam de ir buscar o resultado. E o Dorival é o único que não percebe isso. E, pelo visto, não tem ninguém que o faça enxergar.

Ficamos ansiosos para ver um time modificado em Curitiba, mas, quando vimos a escalação… já ficamos “espertos”. E não deu outra, sem agredir o adversário, sem levar perigo algum, com Valdivia machucado, tentando jogar no sacrifício, com um monte de bobagens feitas por Dorival (desde quando Diogo é substituto para o Mago? Desde quando Cristaldo, Mouche e Allione são banco?) acabamos sendo derrotados e mergulhados num pesadelo.

E o que fazemos agora com esse “inverno” que se apoderou  do nosso coração? Quem é que vai colocar de volta o chão que havia debaixo dos nossos pés? Quem vai tirar essa angústia do nosso peito?

De quem vamos esperar as providências que farão com que o elenco e a comissão técnica reajam e saiam desse torpor? Para quem podemos pedir que não seja mais escalado o mesmo time que foi derrotado em 4 partidas seguidas? Quem é que vai enfiar na cabeça oca de Dorival que ele tem que mudar o que não está funcionando, que ele tem que ousar, inovar, meter três zagueiros no time, cazzo? Que Mouche e Cristaldo jogam mais que Diogo? Que Victor Luís é lateral? Que o Wesley não acerta um passe? Que Allione não pode entrar em campo só depois que a vaca foi pro brejo? Quem é que vai preservar Valdivia – caso ele não tenha 100% de condições para jogar contra o Inter – para o jogo decisivo no Allianz (jogo decisivo… Deus do céu!)? Quem é que vai gritar para esse elenco que ainda não acabou, e que temos chances sim, p$#@rra? Que se a torcida não desiste nunca, eles estão proibidos de desistir também? Que eles são homens e não meninos, e que não podem se acovardar e sair de campo sem ter lutado, sem ter suado até à última gota, sem ter honrado a camisa que vestem?

Quem é que vai vir nos dizer alguma coisa?

Não tenho as respostas para essas perguntas… mas espero que esse “alguém” seja você, presidente Paulo Nobre. E que você se importe e  se mexa enquanto há tempo, que você faça o time acreditar e cobre mudanças do técnico,  que você faça tudo o que estiver ao seu alcance (mala branca, mala verde…), e até o que não estiver, para salvar o Palmeiras.

Não merecemos esse sofrimento, e o Palmeiras não merece essa vergonha.

Mas, deixo claro, com sofrimento ou sem ele, com vergonha ou sem, não importa como, não vou desistir do Palmeiras! De jeito nenhum!

REAGE VERDÃO, E VAI BUSCAR ESSES PONTOS QUE FALTAM, A VANTAGEM É PEQUENA, MAS AINDA É NOSSA!

Existem sextas-feiras 13… e existem quintas-feiras 13º,  domingos 12º…

Bastaram 3 vitórias seguidas e o Palmeiras saiu do Z4 e subiu umas boas posições na tabela… bastou Valdivia, voltar ao time para que o futebol do Palmeiras começasse a apresentar qualidade… bastou Prass voltar, para que o nosso gol passasse a ter fechadura e cadeado…

Bastou a torcida acreditar e apoiar…

E aquele time “ruim”, “pior de todos”, “de pernas-de-pau” (a imprensinha – ela anda tão canalha ultimamente – vendeu isso pra nossa torcida, e  um monte de gente comprou), aquele time tão execrado e, propositadamente, diminuído por algumas bocas, tem a melhor campanha do segundo turno. Mesmo tendo sido assaltado seguidas vezes pelas arbitragens.  Tchuuupem essa manga!

Pra mim, não importa a fase, não importa a situação… uma vitória do Palmeiras enche de luz o meu mundo. Tenta imaginar 3 vitórias  seguidas… 

Início de Outubro, quinta-feira, às 19h30, quase 16 mil pessoas estavam no Pacaembu, para ver o Palmeiras golear, de virada, a Chapecoense por 4 x 2; para ver Henrique marcar 3 gols e virar artilheiro do campeonato (ele, tão “ruim”, do time “pior de todos”, rendendo mais que os badalados centroavantes dos “quartetos” e times “melhores” por aí); pra ver Valdivia sobrar em campo (foi o melhor da partida) e esbanjar categoria como capitão e líder do time; para ver o árbitro deixar de marcar duas penalidades claras a favor do Palmeiras; para ver o nosso melhor jogador, ser caçado em campo, com o consentimento de Vuaden, o juiz (de cada 5 faltas sofridas pelo Mago, os árbitros costumam marcar uma, repare); para ver Cristaldo ser pisado, e o mesmo Vuaden dar lateral para a Chapecoense, ignorando a falta feia… para ver um monte de outras faltas deixarem de ser marcadas contra o visitante; para ver o Palmeiras – ainda meio inseguro, é verdade -, jogar muito bem (Valdivia arrasou), e, abraçado pela sua torcida, e, mesmo tendo sido assaltado pela arbitragem, enfiar os três pontos no bolso e dar adeus ao Z4…

Veja os lances das penalidades ignoradas pelo árbitro. Aos 9′, do primeiro tempo, João Pedro dribla o marcador na área e é parado com falta. Vuaden teve totais condições de ver o lance e não marcou porque não quis (E POR QUE NÃO QUIS??). Repare, o zagueiro esquece a bola e pega o jogador. E isso é pênalti sim!

  Pênalti-Chapecoense-em-JPedro1Pênalti-Chapecoense-em-JPedro3

A regra de “mão na bola/bola na mão é falta”, continua não valendo para qualquer time que esteja enfrentando o Palmeiras. A infração aconteceu, o time inteiro do Verdão – a torcida também – reclamou o toque ao mesmo tempo, e quando todo mundo vê e reclama ao mesmo tempo… a gente sabe que foi, né? Mesmo com a imagem embaçada, se pode ver que ele usa a mão na tentativa de dominar a bola.

Pênalti-Chapecoense Pênalti-Chapecoense-time-pede

Depois dessa vitória tão importante, o Palmeiras, com Prass de volta ao gol, graças a Deus, foi ao RJ, enfrentar o Botafogo, que o juiz tanto quis ajudar (de tão vazio o estádio, eu tinha a impressão que a torcida local vestia azul e amarelo, a cor das cadeiras)…

A barulhenta torcida palmeirense, que o “comentariXta” Roger (que porre esse cara), “jurava” que era do Botafogo e seria o diferencial do jogo, viu o Palmeiras jogar mais que o dono da casa; viu Valdivia (melhor da partida, de novo) colocar os companheiros na cara do gol várias vezes e fazer uma jogada de Mago para Henrique marcar um golaço; viu Prass trancar o gol à sete chaves…

Viu também soltarem as “correias” pra cima do Verdão, e o juiz – doido para empatar o jogo -, começar a apitar só em “carioqueish”; viu Tobio levar um chute no peito e o “comentarishta” dizer que foi lance involuntário; viu Junior César fazer uma falta em Valdivia, o juiz dar amarelo para o… palmeirense(!?) e o “comentarishta” pedir a expulsão do Mago (expulsão, por sofrer uma falta?); viu uma bola bater no peito de Tobio, e a TV mostrar “n” vezes a jogada, na tentativa de encontrar um toque de mão que não existiu; viu o Mago, caçado em campo – com a permissão da arbitragem -, sofrer duas faltas duras, do mesmo jogador, o infrator nem amarelo levar, e o “comentarishta”, claro, dizer que foi lance normal; viu o Juninho levar amarelo por uma falta que não cometeu…

Assim, assaltados em todos as partidas, é bem mais difícil, não é mesmo?

Na imagem abaixo, você verá que o estagiário da Globo teve a cara de pau de colocar um título na notícia que é exatamente o oposto do que a imagem mostra. Valdivia “empurrou” tanto Junior César, que até se “desequilibrou no braço esticado do adversário”, e no corpo que o adversário usou para pará-lo, quando ele ia claramente atrás da bola…

JuniorCésar-FaltaEmValdivia

JuniorCesar-deixa-o-corpo0JuniorCesar-deixa-o-corpoJuniorCesar-deixa-o-corpo1JuniorCesar-deixa-o-corpo2JuniorCesar-deixa-o-corpo3

E pensar que o “comentariSHta” queria a “eSHpulsão” do Mago…

Tem picaretagem demais nesses comentários futebolísticos atuais – o cartão amarelo, dado injustamente a Valdivia, certamente prejudicará o Palmeiras mais à frente, quando ele ficar desfalcado do diferencial do seu time (sem contar que o segundo julgamento do Mago, cirurgicamente marcado para o dia 22, pode tirá-lo de campo  no Derby. Mas o Guerrero-COR acabou sendo só advertido pelo STJD por uma cabeçada no jogador do Grêmio).

Eis o “lance involuntário”, que o “comentarishta” alegou, que, por ser “involuntário” não era falta (!?)… (eles aliviam pra uns e “pesam” pra outros do jeito que bem entendem, do jeito que o coração torcedor, a conveniência e a falta de profissionalismo determinarem. Preste atenção aos comentários nas transmissões que você acompanhar)

Tobio-agredido

 

E mesmo com o “carioqueish” do apito, e os péssimos comentários da TV, o torcedor palestrino, feliz da vida, viu o Palmeiras sair do RJ com os três pontos… para “deXgoXto” do juiz (ele inventou 5 minutos de acréscimo!!) e “doSH comentariSHtas”…

Duas vitórias seguidas, importantíssimas, e, por causa das arbitragens mais difíceis de serem conquistadas.  E o Palmeiras, que tem sido prejudicado pelos árbitros em todos os jogos, subia mais um pouquinho na tabela. Nosso coração já podia bater mais distraído…

Mas ainda havia quem dissesse que os times vencidos pelo Palmeiras eram pequenos, fracos…

E lá fomos nós enfrentar o Grêmio, que estava no G4…

Queria falar sobre as três vitórias juntas, mas,  o que aconteceu nesse jogo foi tão surreal, foi tão omitido pelas “imprenseiras” bocas, que a história dessa partida vai ser contada na próxima postagem.

Depois da bela partida diante do Vitória (acabei nem falando dela aqui), do futebol bonito, dos belos gols, do jogo sem sustos, sem atropelos, sem gol tomado,  sem “fio desencapado”, com passe “de costas”… depois de uma noite de alegria, estávamos todos confiantes para a partida seguinte diante do Figueirense.

Mas, abriram a Caixa de Pandora e todos os “monstros” escaparam…

Dorival mandou a campo Deola, João Pedro, Gabriel Dias, Nathan, Victor Luis, Renato, Marcelo Oliveira, Diogo, Valdivia, Cristaldo e Henrique.  Henrique, seria o centroavante isolado à frente, para ser municiado por Diogo, Valdivia e Cristaldo, armados no meio de campo; o já conhecido 4-2-3-1. Na zaga, talento e vontade da garotada, mas também muita inexperiência. Com 21 anos e 20 partidas no profissional, Victor Luis era o atleta mais experiente da defesa do Palmeiras.

Chovia bastante…

O “serviço de primeira” lá do SporTV, ao mostrar a escalação do Palmeiras, usou a foto de Everaldo(FIG) como se ele fosse Cristaldo. Olha o nível…

Cristaldo-by-SporTV

No primeiro minuto de jogo, Valdivia levou uma cotovelada e o árbitro nada marcou. Na TV, mesmo vendo o replay com a cotovelada dada com vontade, Milton Leite diria:“até sobrou um braço na cara dele, mas aparentemente o jogador não teve a intenção”. Dobrou bem o braço e meteu o cotovelo… e foi sem intenção? Se fosse o contrário, teria intenção, mereceria expulsão, né Milton “só podia ser gambá” Leite?

Valdivia-leva-cotovelada1

Dois minutinhos depois, Henrique tocou lindamente para Diogo arriscar da entrada da área, mas o goleiro mandou pra escanteio.  Um início de jogo muito auspicioso para nós…

Valdivia era caçado em campo – até os 20 minutos aproximadamente, sofreria três faltas duras (fora as outras, menos desleais),  uma delas, a cotovelada do primeiro minuto, e nenhum adversário levaria sequer amarelo. Os idiotizados narrador e comentaristas da transmissão achavam tudo normal e “segue o jogo”.

O jogo era de muitas faltas (o Palmeiras apanhava muito mais do que batia), o gramado pesado… e, por isso mesmo, os erros de passe apareciam e a criação das jogadas ficava comprometida.

Mas o Palmeiras ia pra frente, tentando buscar o gol. As melhores jogadas de ataque saíam dos pés do Mago, Cristaldo e Diogo, sempre buscando Henrique, o “1” do 4-2-3-1 de Dorival Júnior. Lá atrás, quando o Figueirense aparecia, encontrava uma defesa segura. Nathan jogava certinho, com confiança…

Falta em Cristaldo, falta em Henrique… e nada do juiz marcar… Valdivia sofreu uma falta desleal, na cara do juiz, mas sabe quem levou amarelo? Marcelo Oliveira, que, na sequência, parou o jogador do Figueirense com falta. A cartão para o catarinense, o juiz, que deu vantagem para o Palmeiras no lance, preferiu deixar no bolso (mas não teve como “esquecer” de amarelar Paulo Roberto, no minuto seguinte, por uma falta dura em Victor Luís). O Figueirense fazia muitas faltas.

E haja saco para aguentar as piadinhas dos “humoristas” da transmissão, e a sua ignorância futebolística – não é porque o juiz deu vantagem, que ele tem que deixar de dar cartão para quem faz uma falta dura, né seus manés? E pensar que a gente tem que pagar para poder assistir ao SporTV…

Valdivia cobrou falta e mandou a bola na área, a zaga tirou e a sobra ficou com Cristaldo, ele cruzou, o zagueiro furou, e Henrique chutou pro gol, mas o chute foi fraco, e ficou fácil a defesa do goleiro. Com a bola molhada podia até ter dado certo…

O Figueirense fez uma tentativa, Nathan estava esperto e tirou a bola da nossa área. Verdão foi pro ataque, Valdivia deu um belo passe pra Cristaldo (eles começam a se entrosar), mas ele chutou na rede pelo lado de fora… Furada de Thiago Heleno, João Pedro pega a sobra e toca pro Mago, ele tenta surpreender o goleiro com chute colocado, mas a bola sai à direita… Valdivia lança Henrique, que vai até a linha de fundo, tenta bater pra trás, mas é interceptado… O Palmeiras, marcando bem e se insinuando no jogo… mas precisava achar o “último atalho”…

E não é que o Cris achou? Diogo fez uma ótima jogada pela esquerda, cruzou pra trás procurando Henrique, que deixou a bola passar para Cristaldo; CR9 girou e chutou forte, bonito, e ela foi morrer no canto direito do goleiro. CRISTALDO, SEU LINDOOO!

O Palmeiras, que cadenciava mais o jogo depois do gol, tentou engatar mais uns ataques, mas sem muito perigo. E antes que o juiz apitasse o final do primeiro tempo, Renato, dando lugar a Bruninho, saiu lesionado e chorando… e nós, tão felizes estávamos, tão desavisados, nem percebemos que abriam a caixa dos nossos pesadelos…

Nos primeiros minutos da segunda etapa, depois de tentativa de Henrique, Bruninho tentou de longe, mas a bola foi pra fora… no minuto seguinte, em contra-ataque do Verdão, Valdivia dá um passe lindo pra Cristaldo, colocando-o na cara do gol, mas o Cris chutou em cima do goleiro…

O Palmeiras ia pra cima, trocando passes Diogo lançou Cristaldo, que tocou para Marcelo Oliveira, que chegava pelo meio; mas  a defesa do Figueirense afastou…

Mesmo tendo errado muito mais passes, o Palmeiras tinha finalizado mais e tinha desarmado muito mais também (28 x 7), o que explicava a sua superioridade em campo,  mas o Figueirense, a pedido de Argel, jogava mais adiantado.

No campo pesado, alguns jogadores do Palmeiras pareciam extenuados – Diogo era um deles -, e Dorival demorou a se dar conta disso. Os atacantes, improvisados como meias, já não conseguiam render muito. Dorival demorava pra substituir… os “monstros” saíam da caixa…

Aos 22′, troca de passes entre Valdivia, Cristaldo, Marcelo Oliveira, e a bola voltou para Valdivia, de frente para o goleiro. Ele tentou abrir para Henrique que entrava pela direita, mas o zagueiro ficou com a bola, matando a nossa oportunidade.  A gente quase gritando gol… putz… não pode!!!

Não se pode perder uma chance de gol, de jeito nenhum! Valdivia deveria ter tentado fazer o gol (se ia fazer eram outros quinhentos). Viu a brecha tem que bater, não podemos desperdiçar nada, ainda mais nessa situação. A opção foi um erro, mas não foi um crime. Não dá para culpar Valdivia, com exclusividade, pelo resultado final (outros gols foram perdidos por outros jogadores na mesma partida, outros erros foram cometidos). Tem vários culpados nessa história. Valdivia é um deles, sim, não é o único. Tentou enganar o goleiro, o goleiro não entrou na dele, saiu bem, fechando em cima dele, e então escolheu passar para Henrique.

Mago-chute1

Essa jogada é típica do Mago e a aconhecemos muito bem. Vimos ele fazer o mesmo em tantas outras oportunidades – na Copa do Brasil 2012, por exemplo, com o gol escancarado à sua frente, deu de bandeja para Luan marcar… e, na ocasião, todo mundo o elogiou pela jogada e pelo altruísmo. Talvez o altruísmo desse domingo pudesse esperar outra hora, outro jogo, outro campeonato. Eu também preferiria que ele tivesse tentado marcar, mesmo porque o considero mais competente pra isso. No entanto, se Henrique tivesse acompanhado a jogada, como fez o zagueiro adversário, poderia ter feito o gol, e sem goleiro, e nenhum de nós estaria reclamando agora, pelo contrário.

Nossas chances de vitória poderiam ser maiores, caso tivéssemos feito esse gol? SIM! Mas o grande erro do Mago, não justificaria todos os outros que veríamos mais à frente… Não é porque ele perdeu um gol praticamente feito que nossa zaga e goleiro poderiam entregar três.

O jogo seguiu…

Valdivia sofreu falta dura, que ele mesmo cobrou com perigo, fazendo o goleiro colocar pra escanteio. Dois minutos depois, Valdivia recebeu na esquerda e tocou atrás para Nathan, ele limpou a jogada, mas o chute saiu fraco, pra fácil defesa do goleiro catarinense. Argel ia trocando os atacantes.

As coisas pareciam sob controle… E nós nem sonhávamos com o que viria… os “monstros” se libertariam todos então…

Aos 31′, o Figueirense foi pro ataque, a bola foi cruzada na área, o atacante subiu sozinho (a zaga não saiu do chão) e cabeceou lá da marca de pênalti, Deola ficou só olhando a bola entrar no gol, nem pulou na tentativa de defender.  Achei que ele poderia ter evitado o gol.

Figueirense-gol

Os fios desencapados, que tanto temos visto entrar em curto a cada vez que tomamos um gol, se encostaram uns nos outros… Dorival sacou Cristaldo e colocou Allione.

Um minuto depois, ainda tentávamos entender o que tinha acontecido para tomarmos aquele gol besta, quando mais uma bola foi levantada na nossa área, e mais um gol do adversário aconteceu. Victor Luís levou uma senhora bola nas costas, e o atacante saiu na cara do Deola, sozinho (!?!?) sem marcação alguma… Deus do céu!

Cleiton-pede-bola

Três minutos depois, em mais uma cochilada monstra da nossa defesa, e do nosso goleiro, que foi muito mal no lance (11 gols tomados, é isso mesmo, Deola?), tomávamos o terceiro gol. Três palmeirenses na área, mais o goleiro, e um adversário, sozinho, fez a festa…

Figueirense-gol3

Tomamos 3 gols em 4 minutos… como pode uma coisa dessa? (os levianos e tendenciosos espantalhos da transmissão quase morriam de felicidade)

Se já estava péssimo… o juiz ajudou a ficar pior… aos 38′, Henrique sofreu pênalti de Thiago Heleno, mas o árbitro marcou fora da área – em cima linha é dentro, juizão.

Figueirense-pênalti

Já no finalzinho, o sinal claro que o emocional do time está em frangalhos (imagina o nosso?), Nathan seria expulso por pisar no adversário.

E o juiz decretou o fim do jogo, o fim do sossego que teríamos por alguns dias, o fim do nosso final de semana…

Os “monstros”, fora da caixa, tripudiavam das nossas esperanças… e um frio danado se apoderava da gente…

Duro de entender, duro de engolir, duro de aceitar (cadê os planos B.C,D… X,Y,Z, diretoria? Que centenário, hein?)

Mas não temos escolha, é lutar ou lutar. É ficar com o Palmeiras, ou abandoná-lo.

E EU ESCOLHO VOCÊ, PALMEIRAS!

E vamos à luta! A próxima batalha vem aí!

Em época de comemoração do título da Copa do Brasil, a quantidade de vídeos, feitos com a torcida cantando o hino do clube, é ainda maior.

E maiores também são os absurdos que ouvimos. Tem torcedor assassinando o Hino do Verdão! Hoje, eu fui ver um vídeo com belas imagens e com o som da torcida cantando; fiquei espantada ao ouvir, nitidamente, “que a dureza do velho não tarda”. E existem outras coisas absurdas que, infelizmente, costumamos ouvir no estádio…

Eu até acredito que seja distração das pessoas, que nem se dão conta do que estão cantando. Elas cantam errado algumas vezes e, depois, fica errado pro resto da vida. Mas não pode isso, né? Cantar o hino corretamente é obrigação de quem ama o Palmeiras. É um sinal de respeito, e deveria vir como uma das primeiras regras no Manual de Torcedor.

Então, vamos lá…

QUANDO SURGE O ALVIVERDE IMPONENTE – Lindo!! É o momento em que o Palmeiras entra em campo, e a gente quase morre de alegria! Essa ninguém erra!

NO GRAMADO EM QUE A LUTA O AGUARDA – Esta parte também vai bem…

SABE BEM O QUE VEM PELA FRENTE –  Aqui já começam as invenções! É comum ouvir torcedores cantando “sabe SEMPRE”. Nada disso, amigos! O Palmeiras ‘sabe (muito) BEM’ o que o aguarda, sabe que toda partida é uma luta!

QUE A DUREZA DO PRÉLIO NÃO TARDA –  Esta é a frase onde se cometem os erros  mais horrorosos! Não tem nada de “VELHO” e nem de “PRÉDIO” na letra, gente! É PRÉLIO mesmo, que significa: luta, peleja, combate, disputa esportiva. Quer dizer que as dificuldades da disputa não demoram a começar.

E O PALMEIRAS NO ARDOR DA PARTIDA – Nem pensar em cantar “o Palmeiras MANDOU na partida”, tá? É “ARDOR”, que significa: calor.

TRANSFORMANDO A LEALDADE EM PADRÃO – É costume do Palmeiras ser leal, é PADRÃO; ele sempre se comporta assim! Nada de cantarem “PATRÃO”, tá?

SABE SEMPRE LEVAR DE VENCIDA E MOSTRAR QUE DE FATO É CAMPEÃO! Nada de “sabe sempre levar DIVIDIDA”.O Palmeiras consegue sempre vencer e mostrar que é mesmo o campeão!

DEFESA QUE NINGUÉM PASSA – Já ouvi um torcedor cantar: “TORCIDA que ninguém passa”, acreditam? Mas são bem poucos os que erram esta frase.

LINHA ATACANTE DE RAÇA – Nada de cantarem “VINHA atacante de raça” ! Nossa LINHA de ataque é de raça, nossos atacantes são raçudos!

TORCIDA QUE CANTA E VIBRA – Ninguém deveria errar este trecho; basta dizer “a Que Canta e Vibra” e todo mundo sabe que se fala da torcida do Palmeiras. É como somos conhecidos! Mas há quem cante “torcida DESPROTEGIDA”. Meeeu Deeeus! Nada disso!

POR NOSSO ALVIVERDE INTEIRO – Aqui também é tranquilo e todo mundo acerta. 

QUE SABE SER BRASILEIRO – Tem uma quantidade enorme de pessoas que cantam “QUEM sabe ser brasileiro”  Esqueçam o “QUEM sabe”, tá? O certo é “QUE sabe”! 

OSTENTANDO A SUA FIBRA – O finalzinho também não apresenta problemas.

Então, vamos cantar e treinar para o próximo jogo?

Quando surge o alviverde imponente
No gramado em que a luta o aguarda,
Sabe bem o que vem pela frente.
Que a dureza do prélio não tarda!

E o Palmeiras no ardor da partida,
Transformando a lealdade em padrão.
Sabe sempre levar de vencida
E mostrar que, de fato, é campeão!

Defesa que ninguém passa.
Linha atacante de raça.
    Torcida que canta e vibra!!! 

Defesa que ninguém passa.
Linha atacante de raça.
Torcida que canta e vibra

Por nosso alviverde inteiro,
Que sabe ser brasileiro,
Ostentando a sua fibra!