Palmeiras ia enfrentar o Galo, em MG, defendendo a sua permanência no G4… Jogo na TV, e eu teria que assistir online… ó céus!

Mayke estava de volta à lateral (ainda bem), mas, ao invés de sentar Jean, Cuca achou um lugar pra ele no meio e deixou Thiago Santos no banco.

O Palmeiras começou bem na partida, parecendo bem mais esperto em relação à marcação – um dos nossos grandes problemas nesses últimos meses – deixando menos espaços. E tínhamos só três minutos de jogo, quando, num ataque do Palmeiras, Luan cometeu um pênalti muito escandaloso. De braço aberto e esticado ao lado do corpo, interceptou com esse mesmo braço um chute de Willian. Leandro Vuaden, figurinha carimbada em prejudicar o Alviverde, e com uma cara de pau tamanho EXG, nada marcou.

………………..

………………………………….

Não dá para imaginar que árbitro, bandeira e auxiliar de linha de fundo nada tivessem visto, não é mesmo? É impressionante o poder (ou seria o encargo?) que alguns árbitros têm para apitarem e “desapitarem” do jeito que bem entenderem, até mesmo deixando as regras de lado.

Uns minutinhos depois, meu link resolveu travar a imagem e só pude ouvir que o mesmo Luan mandou uma bola em nossa trave…

Começo de jogo disputado, mas, ao contrário das nossas expectativas dos primeiros minutinhos, o Galo se acertou e foi chegando na nossa área, começou a nos pressionar, a ter chances… e fazia jogadas sempre tentando achar Fred… e ora Fred tentava o chute, ora o genérico (Valdivia só tem um) chutava…

Se por um lado isso era ruim pra gente, e corríamos o risco de tomar gol, por outro, podíamos ver que a defesa estava se saindo bem, e que Dracena ia se sobressaindo na partida.

Eu não vi, mas ouvi, quando Egídio cometeu pênalti e o juiz assinalou… Fred iria para a cobrança. “Ai, meu São Prass dos Pênaltis Defendidos” – sempre tenho esperança de defesa de pênaltis quando ele está no gol…

E não deu outra. Como se fosse um gato, Prass defendeu, Prass encaixou – ele, abusado,  apontou o canto em que  queria que Fred batesse (e Fred bateu lá mesmo). E pensar que o Palmeiras enrola pra renovar com ele (e pensar que ele não estava em campo nas cobranças de pênaltis naquele Palmeiras x Barcelona-Guayaquil)…

Depois que vi e revi as imagens direitinho, até fiquei em dúvida em relação ao pênalti. Pra mim, pareceu que Egídio já estava com o pé esquerdo apoiado à frente e ficou com ele lá, e só depois apareceu o jogador do Galo e a queda aconteceu.  No entanto, na hora, muita gente, muitos palmeirenses também, acharam a mesma coisa:  pênalti. Ainda bem que o Prass pegou e não deixou o Galo abrir o placar.

Graças ao link “maravilhoso” eu mais ouvia do que via o jogo e, às vezes, nem ouvia. Mas dava pra perceber que tava meio difícil para o Palmeiras, e que ele tentava se insinuar no ataque descendo mais pela direita, com Guerra, com Mayke.

Meus amigos, via Messenger, Whatsapp, me avisaram que tinha gol… e pelo “GOOOOOOL” todo em maiúsculas, só podia ser do Verdão… coração a mil. Em contra ataque (eu vi depois), Moisés tocou pra Willian lá na frente, o BGod avançou, se livrou do marcador, e deu aquela bola “caramelada” para Deyverson chutar cruzado e abrir o placar. Ah, Palmeiras, seu lindo!

Meus amigos me avisavam também que o Vuaden estava metendo a mão no Palmeiras, que Deyverson tinha sido chutado duas vezes pelo Fábio Santos, e o Vuaden… nada. Nem amarelo.

O time mineiro continuou em cima do Palmeiras e seis minutinhos depois do nosso gol, aos 39′, após uma cobrança de falta, o juiz assinalou pênalti de Luan em Leonardo Silva. Luan e Leonardo Silva se empurravam, e quando Leonardo Silva avançou para tentar alcançar a bola, que tinha sido chutada lá pra área na cobrança da falta, Luan puxou a camisa do atleticano, continuou puxando, e Vuaden marcou a falta. Até estaria tudo certo se Leonardo Silva não estivesse impedido no momento da cobrança e antes de ser puxado…

………………..

No vídeo de melhores momentos , não sei se por descuido, ou de propósito, não é possível pegar a imagem do exato momento em que a bola é chutada,  a não ser com a imagem da cobrança – quando ela é repetida – sobreposta à imagem anterior. Mas dá pra ver mesmo assim.

…………………….

E não parou aí a lambança da arbitragem. A menos que eu e mais algumas pessoas tenhamos tido alucinação coletiva, o juiz não mostrou o amarelo para Luan, como manda a regra, e mostrou o vermelho direto…

…………………….

……………………………..

Eu sei que seria o segundo amarelo dele, e ele seria expulso mesmo, mas o árbitro não parecia interessado em apitar algumas coisas corretamente errou.

Coma expulsão de Luan, Cuca chamou o zagueiro Juninho e sacou Guerra. Não gostei muito da substituição; com dois atacantes no time, achei que ele poderia ter tirado Deyverson  (gostaria de entender porque Deyverson, desde que chegou aqui,  recebe todas as chances que Cuca nunca deu para Borja).

E já que era pra garfar o Palmeiras mesmo, Vuaden “enfiou o pé na jaca”… Na cobrança do pênalti, convertido por Fábio Santos, mais uma página do Livro de Regras foi rasgada e jogada fora. Houve invasão na área no momento da cobrança…

Cobrança de pênalti -Regra 14 (a parte que nos interessa aqui):

Se um jogador do time batedor invadir a área no momento da cobrança e sair o gol, a cobrança deverá ser repetida.
Se jogadores dos dois times invadirem a área no momento da cobrança e sair o gol, a cobrança deverá ser repetida.

 

…………………….

Não dá para acreditarmos que árbitro, bandeira e auxiliar de linha de fundo desconhecem a regra, não é mesmo? E se conhecem… Lembra que num outro Palmeiras x Atlético-MG, o Palmeiras teve que voltar uma cobrança, convertida em gol, por causa de invasão? Então…

Depois do pênalti convertido, Fred deu um bico na bola… e deveria ter levado amarelo – seria o segundo. Mas o árbitro… nada. Imagina se fosse um parmera? Se fosse o Prass, por exemplo? Era amarelo na certa.

E fomos para o intervalo com um pênalti não marcado para o Palmeiras, com o chute que o Fábio Santos deu em Deyverson, e que ficou por isso mesmo, o com o segundo cartão amarelo que o árbitro não quis dar para o Fred… 3 x 0 para o Vuaden.

Nos primeiros minutos do segundo tempo, mesmo com um a menos, o Palmeiras apertava o Galo… E o Dudu no banco, porque estava voltando de contusão e “treinara pouco”…. Para um jogador como Dudu, o craque do nosso time, é necessário apenas levantar da cama  para ir a campo…

Leonardo Silva desviou uma bola com a mão e o árbitro assinalou pênalti para o Palmeiras. Achei que Jean fosse cobrar, porque na maioria das vezes em que está em campo, é ele quem cobra, mas sei lá porque Deyverson foi para a cobrança… e cobrou mal demais. O goleiro pegou, claro.

Errar uma cobrança de pênalti é coisa que acontece, é até tolerável, mas bater mal desse jeito, dar na mão do goleiro, é de matar a gente de raiva… Com um a menos e podendo fazer 2 x 1… Chuta que nem homem, cazzo!  

Cuca chamou Duduzinho e sacou Deyverson.

O Galo, mesmo querendo ir pra cima, por estar com um homem a mais, não levava muito perigo ao Verdão, não. Nossos jogadores iam mandando muito bem nos desarmes, nas tiradas de bola… Prass, Dracenão da Massa e Tche Tche estavam bem no jogo.

E então, o Vuaden resolveu dar mais trabalho para o Palmeiras – que juizinho sem vergonha esse. O genérico (Valdivia só tem um) entrou de sola na coxa de Willian,  Willian, instintivamente, deu um chute nele logo em seguida, e logo em seguida também se tocou da bobagem que fizera… Vuaden o expulsou. Ele mereceu a expulsão, mas e o Genérico? Faz uma “faltinha” pra arrebentar o parmera e não vai pra rua,  Vuaden? Você viu o que aconteceu depois dessa entrada criminosa, mas não viu a entrada criminosa? Mas que arbitragem “criminosa” a sua, não? Louquinha para “matar” um dos times…

…………………….

Que picareta esse Vuaden… Ele sempre prejudica o Palmeiras, mas estava abusando dessa vez…

Cuca sacou Jean e promoveu a entrada de Thiago Santos… com dois a menos, era meter o cadeado no time mesmo…

Vuaden, que não amarelou o bicão do Fred, que deixou passar batido o chute de Fábio Santos em Deyverson, a entrada criminosa do Genérico em Willian, amarelou Prass porque ele demorou para cobrar o tiro de meta. Que filho da “fruta”!!

O Palmeiras não dava mole pro Galo não, era valente e defendia muito… Dracenão da Massa estava soberbo! Prass também jogava muito. E imagina se o Vuaden não ia dar 5 min de acréscimo? Segura aí, Verdão!

E o Vuaden, picaretíssimo, ainda ia aprontar antes dos acréscimos, aos 45’…

Moisés desceu pela esquerda, entrou na área sozinho, e o jogador do Galo deu um toque no pé dele, fez uma carga em sua perna, e o derrubou…

…………………….
…………………….

Pênalti. Mas o juiz, nem aí. Aquele, do Egídio foi marcado prontamente; esse, foi ignorado…  Que arbitragem sem-vergonha.

Prass ainda faria mais duas boas defesas. Uma, na jogada de Otero;  outra,  no chute de Elias. E o árbitro, que via ir por terra as chances de o Palmeiras perder (o tempo todo pareceu que era isso o que ele queria), encerrou a partida. Uma vergonha, uma roubalheira a arbitragem do Vuaden (quem será que teria tanto interesse em uma derrota do Palmeiras?)… e, pode apostar, não vai ter árbitro suspenso (como acontece quando alguns times são prejudicados pelo apito), porque a corrupta CBF, que parece bem se utilizar desses “prestadores de serviço”,  nada fará a respeito dessa vez. Prejudicar o Palmeiras é de lei.

Garfado em dois pênaltis, garfado no gol que tomou, garfado no chute em Deyverson, que nem amarelo ocasionou, garfado na falta criminosa sofrida por Willian, que o juiz não puniu… o Palmeiras,  como se fosse aquele cara, que é assaltado, perde, o relógio, a carteira com cartões de crédito, dinheiro e documentos, leva umas porradas, mas ainda dá graças a Deus porque está vivo e porque o celular estava na meia e o assaltante não viu,  teve que dar graças a Deus pelo time que lutou bravamente contra adversário e apito e não se deixou derrotar.

Poderíamos ter vencido, mas “fizeram a elza” no Palmeiras.

 

Palmeiras x SPFW, no Allianz Parque… mais de 36 mil palestrinos, ansiosos, sorridentes, aguardavam o apito inicial…

Tche Tche, nosso motorzinho, estava de volta; Mina, nosso motorzão da zaga, também… Eduardo Baptista escalara Prass, Fabiano, Mina, Mito, Egídio, Thiago Santos, Tche Tche, Michel Bastos, Guerra, Duduzinho e Willian… Borjão da Massa estava no banco, Jean, Zé, Dracenão e Keno também estavam; o Pitbull, que havia tomado um amarelo pra lá de mandrake, encomendado, estava suspenso; Moisés, lesionado, continuará fora do time pelos próximos seis meses…

Torcedores sempre ficam tensos em clássicos e, ao mesmo tempo, se sentem confiantes, esperam grandes atuações, goleadas… ainda mais quando o adversário é mais do que um rival, é um inimigo de longa data. Ter grandes expectativas com esse timaço atual do Palmeiras é  natural, espontâneo, ainda que os ‘mimizentos’ vivam reclamando do técnico – mesmo nas vezes em que o técnico não merece – , no entanto, a parmerada não estava achando que seria tão fácil… de novo, e nem que aconteceria… de novo.

Cantamos o nosso hino, nos emocionamos… festejamos nossos craques… A torcida, linda, gritou o nome do Eduardo Baptista, gritou o nome do Vitor Hugo (é dessa maneira que se joga com o time, e não perseguindo os que se vestem de verde e branco)… Fizemos um minuto de silêncio – de aplausos, na verdade – para o Moacir, um dos fundadores da Mancha, que fora covardemente assassinado…

E, então, o clássico começou.

Logo de cara, já percebemos que o Palmeiras não ia dar mole para os bambis; com dois minutos de jogo, Michel Bastos, lá da direita do ataque, arriscou um chutão de fora da área, e a bola pegou a rede pelo lado de fora. Achei (todo mundo achou) que a bola ia entrar.

O Palmeiras era ofensivo, aguerrido, e marcava a saída de bola do adversário muito bem… os bambis pareciam temerosos, talvez, pelo retrospecto  – em Paulistas, não ganham do Palmeiras desde 2009, e no Allianz, até hoje, ainda não conseguiram ganhar nem um pontinho -,  alguns jogadores deles, algumas vezes, pareciam nem saber o que fazer com a bola.

Em compensação, o árbitro… ah, o árbitro… esse parecia saber muito bem o que fazia. Ignorava todas as faltas que o Palmeiras sofria perto da área – mesmo as mais escandalosas -, transformava nossos escanteios em tiros-de-meta, deixava Duduzinho apanhar e nem falta marcava…  ele tinha um critério para as infrações do Palmeiras e outro, bem diferente, para as infrações dos bambis.  E, por isso, era “homenageado” muitas vezes pela torcida…

Só dava Palmeiras no jogo – com Tche Tche em campo é outra coisa. Ele joga muito -, os bambis eram um arremedo de time, mas, mesmo assim, o nosso gol não saía…  O toque de bola do Palmeiras era bonito, veloz, envolvente, com bola no chão (essa bola no chão me agrada muito), mas parecia faltar um acerto antes do último passe… Embora o Palmeiras fosse muito mais ofensivo do que o adversário, faltava chegar de maneira mais incisiva, faltava emoção. O primeiro tempo se desenrolava meio morno e, para atrapalhar, os leonores estavam sempre parando o jogo, precisando de algum atendimento, sempre tinha um caído… todos vítimas daquela velha e conhecida “lesão”: ‘paura cerosa purulenta’.

Bambi Ceni, diplomado no “supletivo de técnico” na Inglaterra, enquanto via seu time totalmente inoperante, sendo anulado pela defesa do Palmeiras, enquanto via a sua defesa, horrorosa (ainda bem que ele foi goleiro e entende de defesa, né?), tomando umas entortadas e enfiadas de bola, ficava lá na lateral fazendo pose, sem ao menos tirar a mão do bolso. Era “homenageado” pela nossa torcida também.

A placa de  3 minutos de acréscimo já tinha subido, o relógio marcava 45′ e, muito provavelmente, iríamos levar o empate para o intervalo…

E então, Egídio, na lateral, bem próximo da linha do meio de campo, bateu a carteira do distraído Buffarini e tocou para Dudu… e então, o Allianz parou até de respirar… Duduzinho lindo resolveu botar fogo no jogo e, de muito longe, olhou, viu o discípulo de Bambi Ceni adiantado,  e bateu pro gol encobrindo o goleiro (Denis, que fez todo mundo lembrar do M1CO na hora, estava ‘adiantadérrimo’,  já estava em Maio, no mês das noivas, quando Dudu, em Março, chutou)…

Como se fosse um Da Vinci pintando a sua Monalisa, Duduzinho fez uma pintura, uma verdadeira obra de arte, um gol m-a-r-a-v-i-l-h-o-s-o!! Nós ficamos olhando a longa trajetória da bola… encantados, sem falar, sem respirar…  E com que perfeição ela  foi morrer no fundo da rede…

A torcida enlouqueceu no gol de Dudu… o grito de gol foi um estrondo que fez o Allianz tremer, todo mundo gritava alucinado (só tínhamos vontade de gritar, gritar muito), todo mundo se abraçava… De novo, um golaço, e, de novo, por cobertura; de novo, em cima do inimigo, de novo no gol que nomeamos “Rogério Ceni” (o do Gol Norte). Vaidar, você tinha razão, meu caro, tem clube se apequenando mesmo, você só não sabia que era o seu, né?

Não basta apenas uma falha, um goleiro adiantado, para se fazer um gol desse… é preciso a percepção e o chute perfeito do craque. Sem isso, o goleiro pode falhar quanto quiser, que um gol desse não sai de jeito nenhum (Rogério Ceni, o técnico bambi, sabe bem como isso acontece)…. Méritos totais do Duduzinho.

Nossos jogadores correram levantar o Pequeno Gigante para festejar a maravilha de gol que ele fizera, e ele parecia até meio sem jeito pra comemorar  a sua obra prima… Eduardo Baptista vibrava como se estivesse na bancada… Que momento, amigo palestrino, que momento…

O intervalo foi ruidoso, festivo, a parmerada, contente com o Palmeiras que via em campo, não parava de conversar sobre o gol e comemorar. Voltamos para o segundo tempo com a imagem do gol em nossa memória… olhávamos um para o outro e dizíamos/pensávamos: “De novo por cobertura?”  hahahaha Ninguém tirava mais o sorriso da nossa cara.

Quando o Palmeiras voltou, e até que a bola rolasse de novo, não nos demos conta de que ele voltara “de fraque e cartola”… Que segundo tempo espetacular ele faria.

Só dez minutos tinham se passado – o Palmeiras já tinha ido na área dos bambis algumas vezes -, quando Michel Bastos, pela direita, achou Tche Tche pertinho da área… ‘Yaya’ Tche Tche ajeitou a bola e, de esquerda, bateu forte no canto , fazendo 2 x 0.  E saiu batendo no peito e dizendo: “Eu não, Deus”, antes de sumir no bolo de jogadores que foram comemorar com ele. Eduardo Baptista, morrendo de alegria, puxava a própria camisa, batia no escudo do Parmera em seu peito… Foi um gol lindo. E que delícia a sensação de bater “azinimiga” de novo. A festa no chiqueiro pegava fogo…

O SPFW, perdidaço, dava espaços para o Palmeiras e ele ia pra cima (alguns jogadores leonores pareciam que não viam a hora do jogo acabar)… Pratto, pesadão, não assustava ninguém. A torcida cantava e vibrava como sempre…

Eduardo chamou Borja pro lugar de Willian. “Ole lê, ola lá… o Borja vem aí e o bicho vai pegar”.

Cabeçada de Egídio… uma grande defesa, meio milagre, de Denis…

Passe lindo de Guerra pra Borja, ele chuta forte, mas a bola vai por cima do gol…

Era uma atrás da outra, os bambis, atordoados, estavam praticamente nocauteados. E o Palmeiras jogava bonito, jogava do jeito que a gente gosta, do jeito que a gente quer ver o Palmeiras jogar, do jeito que eu acho que Eduardo Baptista vai nos fazer jogar sempre, tão logo esse time e esquema encaixem, e tomara isso aconteça. Mesmo ganhando, e com o adversário já batido, o Palmeiras ia pra cima, e Eduardo Baptista dava uma aula para a Borboleta-Mor…

Denis cobrou o tiro de meta e Thiago Santos devolveu de cabeça pro ataque; Michel Bastos ficou com a bola e lançou Borja, que tinha Douglas em seu encalço. Borja levou a melhor, mas quando chegou na cara de Denis foi empurrado pelo são paulino e foi para o chão, Denis se atrapalhou todo, a bola passou por ele, e Guerra, esperto, chegou rápido para empurrar pro gol. Com goleada é mais gostoso!

Com muita festa na torcida, aos gritos de “Olé”, com o Palmeiras em tarde de gala e  infernizando as vizinhas, o jogo seguiu… e, aos 48′, pra alívio dos leonores (o jogo poderia durar dois dias que eles não iam conseguir fazer nada), e com muita alegria verde , o juiz encerrou a partida.

E, mais uma vez, o recado foi dado: No Allianz, o “sorvete” é com cobertura sim! Tchuuuuupa, bambi!

 

Dia de jogo do Palmeiras no Allianz Parque…  Palmeiras x Botafogo, 36ª rodada de um campeonato que já dura 22 anos…

Os palmeirenses, ansiosos, ávidos, famintos – e nem poderia ser diferente -, esgotaram todos os ingressos no dia seguinte ao início das vendas. Os palmeirenses, do time que lidera o campeonato há 27 rodadas, já guardam o mesmo segredo no coração, mas, apenas por uma certa prudência, ainda não ousam expressá-lo.

Saí de casa e fui observando  as muitas camisas do Palmeiras que encontrava pelo caminho; assim como os seus donos, as camisas pareciam sorrir orgulhosas umas para as outras… e todos esses parmeras tinham aquele olhar de quem se prepara para uma grande festa…

Quantos caminhos percorremos até aqui… Meu Deus! Só nós sabemos. Parece mentira que a hora é agora, mas é verdade, a hora é agora. E que momento maravilhoso é esse.

Na minha cabeça, há muito tempo, o jogo decisivo seria o de hoje… Ao contrário do que a mídia escrota tenta fazer parecer, não dependemos de um único resultado dos adversários. O Palmeiras, desde a 9ª rodada, depende só dele, e basta que ele vença os seus jogos, que administre a vantagem que tem, que pouco nos importarão os resultados dos outros times. Eles podem ganhar todas as partidas, até as do campeonato de Júpiter, que nada mudará. Queremos que eles percam pontos, claro, mas é apenas para ficarmos mais confortáveis.

Encontrei os amigos nos arredores do Allianz para nos prepararmos para o jogo. E quanta alegria! Eu tive a sorte de ver o Palmeiras ser campeão brasileiro em 93,  94…  fui aos jogos, ao Palestra depois do título, fui na Paulista, vivi tudo aquilo, mas a maioria dos amigos que estavam comigo a caminho do Allianz eram crianças na época, e apenas lembram um pouco do que foram as nossas conquistas no campeonato brasileiro. E, hoje, enquanto nos preparávamos para essa “final”, eu os observava… eram todos crianças de novo, felizes, brincando com as tintas com que pintavam os cabelos (também pintei os meus), os rostos, as barbas… vivendo a magia de um campeonato maravilhoso do Palmeiras…

Entramos num Allianz  ainda meio deserto…  e os pontos vazios nas cadeiras, como se fossem lâmpadas se acendendo, iam sendo coloridos por muito verde e branco,  azul, amarelo… Os camarotes estavam acesos… O mascote periquito apareceu; Gobatto, nosso porco mascote, também… o barulho aumentava em nossa casa…

Jailsão da Massa entrou em campo para se aquecer… aplausos, assobios, gritos pro nosso goleiro (que bom que Deus nos mandou você, Jaílson). O time também veio se aquecer… Dudu, G.Jesus, Moisés, Mito, Zé Roberto,  Tche Tche, Mina, Jean, Guedes, CX… e mais aplausos da torcida. O Caldeirão do Porco começava a entrar em ebulição…

Os minutos se passaram, a ansiedade era névoa densa no Allianz, e chegou a hora do jogo. Nosso time em campo… a torcida pronta, com periquitos no estômago (palmeirenses não têm borboletas no estômago), nosso hino sendo cantado… “Palmeiras, meu Palmeiras, meu Palmeiras”, o Palmeiras que é só nosso. Haja emoção… Parece meio clichê repetir que o torcedor sente orgulho do seu time, do seu hino… mas é de verdade, que orgulho imenso sentimos do Palmeiras.  E como explicar o amor que trazemos dentro do peito, e que escapa por todos os poros? Joelmir tinha  razão, ninguém além de nós mesmos pode entender.

Exceto pela saída de Mina, que sentiu dores musculares antes dos primeiros quinze minutos de jogo, e parecia chorar no banco de reservas (meu coração rachou), o primeiro tempo tinha a cara que a gente queria, era tudo o que esperávamos: o Palmeiras no ataque – segundo as estatísticas, o Verdão teve 71% de posse de bola no primeiro tempo. O Botafogo se defendia e esperava apenas pelas oportunidades de contra atacar.

Cabeçada de Moisés… quase!

A torcida se agitou, e o telão confirmou… tinha gol do Cruzeiro em cima das sardinhas! O Caldeirão do Porco fervia…

Era como um filme se desenrolando à minha frente… Dudu jogando com Moisés, que chamou Guedes, que mandou de cabeça pra Jesus, na área, na cara do gol… a bola bateu na perna do nosso menino e foi pra fora… Uhhhhhhhhhh! Cuca, com sua calça “Restart”, lamentava a oportunidade perdida… e haja unha pra ele roer… Meu coração fazia um barulho imenso…

Moisés chapelou o botafoguense (e que chapéu!), avançou e tocou pro Dudu; nosso soldadinho de chumbo cortou para o meio, e chutou pro gol, Sidão se esticou todo e caiu no canto para espalmar.

Dudu recebeu desceu em velocidade pela esquerda e tocou lá pro meio, Moisés apareceu e, de primeira, mandou um balaço pro gol, mas a bola foi pra fora. Que chute do Moisés!

E o grito de gol arranhava a nossa garganta, louquinho para sair… Mas o que gritávamos mesmo eram  broncas no juiz, que deixava de amarelar jogadores, deixava de marcar faltas na área…

A torcida do Palmeiras incendiava o Allianz e cantava sem parar.  Só dava Verdão! Mas, embora o Botafogo não levasse perigo, o jogo era bastante pegado, disputado, brigado… os jogadores se estranhavam o tempo todo.

Dudu deixava a defesa do Botafogo perdida, e sofria muitas faltas. Gabriel Jesus também, e pra variar, levava muitas botinadas. Moisés estava jogando muito (que contratação mais certeira), Tche Tche, como sempre, estava com seus clones todos em campo (parece que temos meias dúzia de “Tche Tches”), Zé Roberto – nossa “revelação” -, imprescindível. Já o Botafogo, atazanado pelos jogadores de verde, pela velocidade e dribles de Dudu, Moisés, Guedes, Jesus… e aproveitando que fazia sol, batia até na sombra dos parmeras, com as bençãos do juiz. Um absurdo.

Teve muitos “erros de arbitragem” no primeiro tempo (não poderia deixar de falar deles). Nós ficávamos divididos entre aquele frio na barriga a cada lance ofensivo do Verdão, a cada quase gol, e a raiva que sentíamos do juiz por ignorar algumas faltas importantes cometidas pelos cariocas.

Jesus levou uma cotovelada, e o juiz deu vantagem para o Palmeiras. Ok, está na regra. Mas não é porque deu vantagem que, depois, tem que deixar de punir o jogador que faz uma coisa assim…

palxbot-2016-faltadesleal-em-gjesus1

Repara, depois que Jesus está no chão, e a bola está bem à frente, o jogador adversário – a não ser que eu esteja louca – está pisando/tentando pisar no jogador do Palmeiras.

Mina é empurrado na área…  (no vídeo, que está na postagem, apesar de a TV não aproximar a imagem  – ela só faz isso quando a infração é do Palmeiras -, dá pra ver o empurrão)…

palxbot-2016-penalti-em-yerrimina

Falta – para amarelo  em Zé Roberto, mas, como 4 minutos antes dessa botinada,  Emerson Silva já havia levado cartão por uma falta desleal em Gabriel Jesus, o árbitro resolveu aliviar para o Botafoguense e não mostrar o segundo cartão. As arbitragens adoram “ajudar” o Palmeiras, não é mesmo?

palxbot2016-falta-em-zeroberto

Ataque do Verdão, Vítor Hugo – que é sempre um perigo na área inimiga – vai pra bola e é empurrado (está no vídeo também)…

palxbot-2016-vitorhugo-e-empurrado-na-area

Falta dura de Dudu cearense no Dudu do Palmeiras… Ele vai de sola na coxa de Dudu, e de braço aberto na cara dele… o homem de vermelho está pertinho do lance… e cadê a punição para o jogador?

palxbot-faltaduducearense-em-dudu

Ainda bem que dizem (aquele carioca flamenguista diz – e não prova) que Marco Polo Del Nero pressiona as arbitragens para não errarem contra o Palmeiras, né? Imagina como seria se fosse ao contrário?

A torcida incentivava o time, e o time ia pra cima do Botafogo. No entanto, mesmo com toda a disposição do Verdão em buscar o gol, fomos para o intervalo no 0 x 0.

Na segunda etapa, logo de cara, quase abrimos o placar. Jean fez a jogada pra Dudu, nosso baixinho mandou pro gol, o goleiro defendeu e CX, no rebote, mandou pra fora. Em Minas, o Cruzeiro sofria o empate…

O Botafogo tentou se acertar em campo,  e começou a fazer umas investidas mais perigosas, daquelas que a gente, só por causa da tensão, acaba achando ainda mais perigosas do que foram… Mas a defesa estava bem, Jailsão da Massa também. E o Palmeiras estava determinado a vencer…

Cuca sacou CX e colocou Alecsandro. O Botafogo continuava levando perigo ao nosso gol, o Palmeiras dava uma segurada no ímpeto inimigo,  se fechava e saía no contra ataque.

Tão logo ficamos sabendo que o Santos virara pra cima do Cruzeiro, Moisés mandou a bola pra frente, Alecsandro ajeitou pra Dudu, que desceu em velocidade e cruzou pra Gabriel Jesus que entrava do outro lado; Gabriel Jesus não conseguiu finalizar, correu atrás da bola, dominou, girou e cruzou na medida para Duduzinho, nosso pequeno gigante, subir e cabecear pro gol…

O Allianz explodiu no gol de Dudu!  o banco e o time do Palmeiras explodiram no gol de Dudu… O Palmeiras fazendo a sua parte para ser campeão… e a gente já não sabia mais o que fazer com aquele menino, de 22 anos, que estava louco pra participar da festa também… Emocionados, tremendo, tínhamos  que ralhar com ele: Espera um pouquinho “É campeão brasileiro”, logo você estará livre.

Não sei se era eu que não via mais o jogo direito, ou se era o Botafogo que sentiu o gol e murchou em campo (continuou batendo bastante), mas não sentia mais perigo, o Palmeiras estava seguro, o Palmeiras era o senhor da partida… a vitória seria nossa, sabíamos disso; nossos jogadores transbordavam garra e vontade em campo… Que interação deliciosa essa entre time e torcida… era como se um se alimentasse da energia do outro.

O Cruzeiro empatou em Minas… e a torcida aumentou o barulho e a festa…

O Allianz tremia e se tornava pequeno para tanta energia e vibração… “Dá-lhe, dá-lhe, dá-lhe, porco… seremos campeões, mais uma vez”…

O jogo se aproximava do seu final… Mais três minutos… E então, o apito final.

“Ai, ai, ai, ai… ai, ai, ai… está chegando a hora…”, a Que Canta e Vibra cantava e vibrava como nunca… ela já sabia, ela sempre soube…

Nosso jogadores, ajoelhados e abraçados no centro do campo, certamente faziam uma oração, agradeciam, renovavam a vontade de serem campeões brasileiros pelo Palmeiras…

Os torcedores se abraçavam, choravam, aplaudiam seus guerreiros… Falta um ponto… Nunca, nesses 22 anos, esteve tão perto… o segredo que guardamos no coração está prestes a ser revelado…

ESTÁ CHEGANDO A HORA, PALMEIRAS… A HORA DE SERMOS FELIZES…

FORZA, VERDÃO, E VAMOS BUSCAR O ENEA!!!

 

 

 

Ia ser uma postagem no Facebook, mas, como virou textão, veio parar no blog…

Ontem (14/10), recebi muitos cumprimentos pelo meu aniversário, via timeline do FB, do TT, via inbox, DMs, e-mails, áudios, ligações, whatsapp… recebi cumprimentos de parmeras de várias localidades do país,  recebi cumprimentos dos EUA, do Japão, da Itália, da Turquia,  recebi carinho até de Amsterdã… coisas que esse mundo virtual faz acontecer…

Não consegui, infelizmente,  responder a todas as mensagens, porque as li na hora, mas não pude responder no mesmo momento e, depois, já não conseguia ter acesso a todas elas. Mas eu quero agradecer cada amigo pela gentileza de ter me oferecido um minutinho do seu tempo, do seu carinho, da sua palestrinidade… pelos bolos parmeras, pelos porquinhos, flores, abraços, beijos, e pelas palavras tão gentis. Vocês todos me deram muito mais do que eu mereço… Muito obrigada, seus lindos! <3

E como praticamente todas as mensagens me desejavam como presente “aquilo” que nós todos queremos ganhar… fiquei pensando  que é hora de gastarmos todo o “tesouro”  que temos guardado – no coração, na alma – no presente de todos os aniversários e aniversariantes do ano… no nosso presente de Natal… É hora de criarmos aquela energia mágica, maravilhosa (mais maravilhosa ainda do que já tem sido),   é hora de entrarmos no gramado, e de atuarmos fora dele também… pelo Palmeiras… para defender os interesses do Palmeiras.

Estamos acompanhando a prática espúria nos bastidores, a mutreta, tão habitual, da CBF (atolada em corrupção), da rgt  – e todos os seus tentáculos no mundo da comunicação -, dos árbitros sacanas e dos “profissionais” de imprensa – que, de dentro do esgoto que chamam de “redação”, ou dos bueiros televisivos, sempre fazem o trabalho de legitimar a podridão (parecido com aquele “ah, mas já roubavam antes do PT” , “ah, é golpe”)… Sabemos o que pretendem. Já vimos isso tantas vezes… vimos isso “ontem” mesmo, no brasileirão de 2015…

Sujeira (uma “reunião de condomínio” dentro de campo e dez minutos de informações EXTRA CAMPO para se anular um gol – em qual país você já viu isso? – súmula de jogo entregue só no dia seguinte à partida, e sem as informações exatas sobre o ocorrido), desonestidade, verdades distorcidas, moral seletiva (se é seletiva, não é moral, é falta dela), tentando se sobrepor a trabalho sério, a planejamento, reestruturação financeira – que levantou um clube, enquanto os restantes não sabem se vendem a janta pra pagar o almoço, ou vendem o almoço pra pagar a janta…

Os de “caráter seletivo” perderam a vergonha de vez  – na Fox, um “profissional” lembrou/sugeriu (só faltou pedir) ao jogador santista, que se o Santos perder para o time carioca na penúltima rodada, ele pode ” se vingar e tirar o título” do Palmeiras. Será que querem que o Botafogo, que enfrentará o Palmeiras nessa mesma rodada, entregue o jogo e, por rivalidade regional, tire as chances do outro time carioca? É uma depravação e  nem disfarçam mais (vou falar sobre isso em outra postagem)… 
 .
O grande vilão  a ser combatido é o que faz tudo certo… morrem de raiva daquele que prima pela honestidade, pela lisura… Essa “filosofia de vida” está matando o Brasil e ninguém se dá conta disso… a “Alemanha” faz “7 x 1” aqui todos os dias… 
 .
Portanto, somos nós com nós mesmos.  O Palmeiras só tem a nós com quem contar… e nós só temos o Palmeiras. E, se estão nos dando as “pilhas”, vamos aproveitar e carregar as nossas baterias com elas… não é mesmo? 😉
Que a partir de hoje, e durante as partidas, esteja encerrado o ciclo do “Ah, mas o Cuca errou quando tirou o Huguinho e deixou o Zezinho…”, “ah, mas eu prefiro o Luisinho ao Huguinho…”, “como ele pôde tirar o Cebolinha do jogo?”“ah, mas o Franjinha não jogou bem como poderia…”, “ah, mas ele perdeu um gol feito…”,  “Ah, mas se o Donald tivesse passado a bola pro Mickey…”, “Ah, o Gastão está com a cabeça em outras coisas”
Basta disso agora.
 .
É o Palmeiras, o nosso Palmeiras, pôxa!!
É o Palmeiras, líder há 21 rodadas…
É o Palmeiras, do melhor ataque e melhor saldo de gols…
É o Palmeiras, que o “Huguinho”, o “Zezinho” e o “Luisinho” trouxeram até aqui…
É o Palmeiras, a 8 partidas de um sonho…
É o Palmeiras, que nos tira o sono, e por quem nós fazemos qualquer coisa…
É o Palmeiras, que está em todas as nossas preces…
É o Palmeiras,  que nos faz chorar de emoção, alegria, e nos faz sentir um amor sem medidas…
 .

Querem sacanear o Palmeiras… E nós não vamos deixar.
.
Chegou a hora de sermos o Jailsão da Massa se esticando todo pra colocar a bola pra fora, de sermos o Prass cobrando pênalti para conquistar um título; a hora de sermos o Dudu driblando o inimigo e decidindo em uma final; de sermos o Gabriel Jesus apanhando o tempo todo e não desistindo; de sermos o Mito, que para no ar antes de fazer um gol…  ou  o Mina, que defende tudo, balança a rede e vai dançar de alegria… é hora de sermos o Alecsandro, que superando a mutreta e sacanagem premeditada do tribunal, entra em campo e vai pro gol… de sermos o Rafa, o Barrios, de gols decisivos; de sermos Moisés “abrindo” os caminhos para o time passar…
.
Chegou a hora de fazermos mais, de fazermos o “impossível” e sermos o “Zé Roberto tirando aquela bola em cima da  risca”… hora de mostrarmos ao Zé que aquele esforço, do c#@alho, que ele fez, vai virar taça sim!  Chegou a hora de fazermos nossos jogadores sentirem, de verdade, que estamos com eles em qualquer situação…
.
Vamos apoiar e defender o Verdão! Vamos apoiar e defender quem quer que entre em campo com a nossa camisa! Vamos torcer para que os erros – caso aconteçam – virem acertos… Vamos mostrar ao nosso time que acreditamos, muito, nele, que jogamos com ele… e que só queremos em troca muita, mas muita raça e dedicação.
.
O jogador do Palmeiras é o torcedor em campo, e o torcedor é o jogador na bancada…
.
Dissemos lá no começo… “JUNTOS PELO TÍTULO”… e é isso, JUNTOS VAMOS BUSCAR!
.
É uma guerra, Verdão, contra tudo e contra todos! Se não fosse assim não seria o Palmeiras, não seríamos nós! E de guerra nós somos bons, desde 1914; a Arrancada Heróica de 42 não nos deixa mentir. E é essa guerra, essa luta e esse monte de inimigos e sacanagens contra nós que carimbam cada título nosso com 100% de honra, dignidade e grandeza. É ela que transforma nossos jogadores em ídolos, inesquecíveis e imortais…
.
Na mão grande não vão levar, não, porque AQUI É PALMEIRAS, P#@RRA, e os palestrinos vão à luta!
.
BOOOOOOORA SER CAMPEÃO, VERDÃO! 

“Cachorro mordido de cobra tem medo até de linguiça…” – Ditado popular

O Palmeiras é líder do campeonato, mas a sua campanha não agrada a um monte de gente… e podemos perceber isso – sem dificuldade alguma – prestando atenção ao “TODO MUNDO X PALMEIRAS”, à guerra deflagrada contra o Palmeiras.

Parece clichê esse “temos que jogar contra tudo e contra todos, temos que ganhar de tudo e de todos”, mas infelizmente não é.

A imprensinha está em polvorosa e indecente campanha para um clube do RJ, as pautas para desmerecerem o grande campeonato que o Palmeiras está fazendo, para fazer parecer que o caminho do Palmeiras é só pedra, são as mais escabrosas possíveis: “Palmeiras tenta superar crise de liderança” (dá uma crise ser líder há 20 rodadas, né? Imagino que ninguém queria estar passando por essa “crise” no lugar do Palmeiras.)… não bastasse isso, as arbitragens “erram” até não querer mais contra o Verdão.

Então, nos lembramos de como um certo clube ganhou o campeonato do ano passado, nos lembramos de como o apito foi essencial para essa “conquista”; lembramos da CBF metida em corrupção até o pescoço; lembramos da emissora que manda e desmanda no futebol – e de como ela faz lobby para determinados dois times -; lembramos das maracutaias todas que rebaixam uns e “sobem” outros (o que ocupa a segunda posição nesse campeonato 2016, por exemplo), dos escândalos das arbitragens e da comissão de arbitragem com seus telefonemas para árbitros antes das partidas (remember Gutemberg?); lembramos “daquele” gol do Obina; nos lembramos das informações extra-campo que chegam aos árbitros só quando é conveniente para alguns…

Difícil não ficarmos desconfiados, não é mesmo?

E então, quando faltam apenas 10 rodadas, quando o Palmeiras abriu 3 pontos do time que CBF, emissora de TV e imprensinha barata querem empurrar, “sortearam” um árbitro carioca para apitar o jogo do líder. Como assim? Independentemente de qualquer desconfiança que possamos ter, nunca poderia ter ido para sorteio do jogo do líder um árbitro carioca. Afinal, é um time carioca que está na segunda posição da tabela; assim como não poderia ser um paulista a apitar um jogo do time carioca. Assim seria correto e evitaria qualquer desconfiança sobre a arbitragem.

Ah, mas o juiz ser carioca pode não querer dizer nada…  Verdade. Se ele apitar corretamente, não importa de onde ele venha, pode ser até de Marte. Mas será que é esse o caso agora?

Numa pesquisa rápida, encontrei algumas coisas…

Há três anos, a torcida do Vasco fez uma Nota de Repúdio contra o árbitro Wagner Nascimento Magalhães, por sentir que o seu time era sempre prejudicado por ele…

juiz-carioca

Numa outra oportunidade, o árbitro, que vai apitar o jogo do Palmeiras hoje, validou um gol do Flamengo em que a bola não entrou, e  aos 29 do segundo tempo, quando ele perdia do Madureira por 1 x 0…juiz-carioca1

Os tricolores cariocas também não gostam muito dele… Wagner Nascimento Magalhães,  expulsou o Fred, num Fla x Flu, ano passado, sem motivo algum para expulsar… e revoltou os jogadores e torcedores do Flu.juiz-carioca2

Na derrota do Palmeiras para o Galo, no Allianz, no primeiro turno deste campeonato, o árbitro era Wagner N. Magalhães… Deu um amarelo para Tche Tche com um minuto de jogo, e teve um lance em que a nossa torcida pediu pênalti em Roger Guedes, mas que não foi marcado… No entanto, como o Palmeiras não foi bem na ocasião, como teve uma falha do nosso goleiro (Vagner), e não teve nada de muito relevo na atuação da arbitragem, o lance no Guedes passou batido, não foi analisado, nem confirmado ou negado, e pouco ou nada se falou sobre isso.

Pode ser que eu esteja totalmente enganada ao desconfiar do árbitro  e do  “sorteio” que o escalou para um jogo teoricamente fácil para o Palmeiras (é isso o que me intriga), mas… pode ser que não seja engano nenhum, e que ele tenha sido “sorteado” de propósito.

Vamos observar…

Mas, pelo sim, pelo não… abre bem o olho, Verdão!

Sabe quando você está adorando uma pessoa e, depois de um tempo, começa a perceber uns defeitos que não via antes? Sou eu com o Cuca…

Sei que ele é o responsável pelos muitos pontos que o Palmeiras amealhou no campeonato, sua escalações “de acordo com o jeito de jogar do adversário”, as suas substituições, sacando do time quem não estava rendendo e fazendo mexidas cirúrgicas, colocando pra jogar quem estivesse melhor (eu estava adorando isso) fizeram o Palmeiras ganhar jogos nos quais precisou vencer até mesmo as arbitragens (GRE, FLA…), só que isso não vem mais acontecendo… E perdemos muitos pontos de bobeira… e, no meu entender, por grande responsabilidade de nosso técnico.

Não frequento os treinos, não sei o que acontece, mas, aqui de fora, percebo algumas coisas… se estou certa, não sei… mas tá parecendo que Cuca não gosta de argentinos e os quer bem longe (e que idiotice se isso for mesmo verdade). Sem contar que anda segregando bons jogadores do nosso elenco, como é o caso do Gabriel, do Rafa… E o pior, essa segregação toda acontece em favor de jogadores que não rendem pra justificar essa preferência.

O rendimento do time vem caindo, na hora em que deveria estar acontecendo o contrário. Os rivais dão mole, e a gente, ao invés de aproveitar os vacilos adversários, dá mole também…

Jesus faz falta, eu sei (Prass faz muito mais), mas dá para jogarmos sem ele, dá para vencermos, afinal, temos um bom elenco. Não entendo um Dudu (que decidiu uma partida de final de campeonato) no banco, e não entendo também ele jogar como meia, nas vezes em que entra em campo… Não entendo o Allione que nunca é chamado pro jogo (mesma coisa com Rafa, que já foi decisivo em tantas partidas importantes), mesmo nas vezes em que CX está sumido nas partidas, só tocando de lado… E não vou entender nunca um Barrios no banco e  Leandro Pereira em campo… não faz sentido algum, e também não há estatística e número nenhum que justifique isso…

Se formos olhar, só por cima, Leandro fez 121 partidas como profissional, marcou 35 gols, média de 0,289 por partida; Barrios fez 439 partidas (colocou Lewandovski no banco), marcou 194 gols, média de 0,441 por partida. Leandro marcou 11 gols jogando pela Chapecoense, marcou 9 pelo Palmeiras, foi para a Bélgica e em 24 partidas não marcou nenhum. Não quero desmerecê-lo, mas Barrios vai ser reserva dele por qual motivo?

Jogadores são peças de uma engrenagem e devem ser utilizados no time como tal, para fazer a engrenagem render o melhor possível, e nunca serem escalados porque são amiguinhos, ou porque são brasileiros, ou seja lá qual for o motivo. Pô, Cuca!

Sei que o Cuca é bom técnico, já nos mostrou isso, e o que espero dele é que faça o seu melhor, como estava fazendo antes, como fazia quando o time tava sobrando em campo… acredito que ele pode nos dar o que pedimos, e é por isso a cobrança, quero ser campeã com ele. Além do mais, já não basta todos os pontos que as arbitragens nos tiram? Não podemos contribuir com isso, não é mesmo?

Não jogamos bem boa parte da partida, não criávamos nada,  mas poderíamos ter ganhado da Chapecoense; um gol impedido, que o juiz e bandeira validaram, a colocou em vantagem no jogo – embora a imprensinha nada, ou quase nada, tenha falado sobre esse impedimento, estava impedido sim.

Mesmo num ângulo não muito favorável – ninguém disponibiliza a imagem de lado – é inconfundível o fato que os de camisa escura estavam à frente dos de camisa branca.

Chapecoense-gol-impedido

No segundo tempo, quando viu que a coisa tava complicada e nosso gol não saía, Cuca, parecendo ouvir nossos apelos colocou Barrios e Allione em campo (CX já tinha entrado antes), e eles mudaram o jogo, o Palmeiras passou a jogar diferente, ficou mais perigoso, o goleiro deles, -como fazem todos os goleiros que jogam contra o Palmeiras – pegava tudo e mais um pouco.

E então, já depois dos 30′ do segundo tempo (estávamos atrás no placar desde a primeira  etapa) num ataque verde, Cleiton Xavier foi tocado por trás dentro da área. E, para nossa sorte, o juiz marcou o pênalti (a maioria dos árbitros se recusa a marcar as penalidades máximas que sofremos).

Tudo bem que CX exagerou na tentativa de mostrar que tinha sido atingido, mas, ao contrário do que o descontrolado Caio Junior reclamava (tô esperando o STJD o fritar, como faria se fosse o Cuca a fazer aquele escândalo todo, a retardar o jogo), ao contrário do que a imprensinha tanto tentou fazer parecer (ela adora fazer parecer que o Palmeiras foi beneficiado, quando, na verdade, ele foi prejudicado), foi pênalti sim.

CX-pênaltiCX-pênalti1

Jean foi lá e empatou a partida.

O time tentou buscar a virada, mas o jogo terminou empatado. O importante é que mostrou a todos nós, deve ter mostrado ao Cuca também, que o caminho pra realinhar o time, que o caminho para fazê-lo jogar melhor está logo ali, pertinho, ao nosso alcance. Tomara o nosso técnico tenha percebido…

Vou falar de novo… quero ser campeã com Cuca, estou esperando por isso desde 92… e acho que ele também.

CAPRICHA AÍ, CUCA!! Hoje é só fazer a lição de casa!

PRA CIMA DO VITÓRIA! E VAMOS GANHAR PORCOOO!!

14ª rodada… E lá fomos nós disputar o clássico contra as sardinhas…

Time desfalcado de peças importantes, uma delas, Gabriel Jesus, que virou desfalque graças à  “boa vontade” e “criatividade” do árbitro de Palmeiras x Sport,  que deu amarelo pra G.Jesus, depois que ele tentou dar uma caneta no adversário e levou uma cotovelada no queixo (parmeras levam cartão até quando são agredidos).

Allianz Parque lotado, público de 40.035, recorde de público na arena. A parmerada em festa, e era uma terça-feira à noite, de uma 14ª rodada de um campeonato longo, com 38 partidas para cada time.

O telão explodia em muitos tons de verde, em verde-e-branco, em azuis, amarelos… mostrava muitos sorrisos, olhos brilhantes, orgulho de estar ali, de fazer parte da melhor família do mundo… mostrava palestrininhos que, mesmo ainda tão pequeninos, já comungavam a paixão em verde e branco. E que linda, e sempre emocionante, a execução do hino à nossa moda.

Achei que a cara do árbitro não me era estranha e,  por algum motivo, que na hora eu não lembrava, eu não gostava nada dela. Comentei isso até com um amigo, e já fiquei cismada com o juiz (mais tarde, ao saber o nome da “peça”, eu me lembraria que ele, Wilton Pereira Sampaio, na época aspirante Fifa, fora o primeiro árbitro da final da Copa do Brasil 2012, “aquele”, que amarelou Valdivia sem motivo algum, e depois de permitir  que ele fosse agredido por Willian Farias, e de não ter expulsado o tal Edílson como manda a regra, deu um segundo cartão para o Mago na sequência do lance,  tirando-o do jogo por uma falta – bem mais inofensiva – no cara que tinha acabado de olhe dar um chute e ficara impune; e, se não bastasse isso, ele também não expulsou o jogador que cometeu o pênalti em Betinho, facilitando a vida do Coritiba que deveria ter tido dois jogadores expulsos e não teve nenhum…

Lembraria também que Wilton Pereira Sampaio tinha sido o árbitro de Palmeiras x Inter, pela Copa do Brasil 2015, e permitiu que o Inter fizesse dois gols irregulares; um deles, na sequência de uma falta em Lucas – um pé na cabeça do palmeirense – e um outro, em impedimento – dois “erros” que quase nos  custaram a classificação. E foi ele também quem marcou uma penalidade a favor do Grêmio, em 2015, num toque praticamente involuntário de Amaral, do Palmeiras. Olha o naipe do juiz.).

O Palmeiras começou como sempre, indo pra cima do adversário – jogadores do Santos  discutiam com os palmeirenses, parecendo até ser de propósito. Gustavo Henrique bateu boca com Barrios e o juiz os advertiu verbalmente.

Tínhamos só 6 minutos de jogo quando Dudu foi cobrar um escanteio. Eu, que estava na outra ponta do campo, só vi a bola ir certinha na direção de um parmera, vi esse parmera subir muito e cabecear, vi também a bola morrer no fundo da rede. GOOOOOOOOOOOOOOOOOOOL! Eu não sabia ao certo quem tinha feito o gol, mas ao vê-lo dançar, sabia que não poderia ser outro… Yerry Mina. Primeiro jogo dele em casa, e que apresentação – impossível não lembrar de Armero e seu “armeration”.

Gabriel provocava Moisés e os dois se encaravam, batiam boca, Wilton Pereira Sampaio, ao contrário do que fizera com Gustavo Henrique e Barrios, deu amarelo para os dois. Que coincidência o juiz resolver amarelar justo o parmera que estava pendurado…

Não tinha nem 10 minutos de jogo e Moisés, que estivera lesionado, e tinha sido escalado minutos antes do jogo, sentiu a lesão, e iria ter que ser substituído (um erro ele ter sido escalado).

Enquanto nos preocupávamos com mais uma importante baixa no time, o Santos cobrou uma falta, antes  que o árbitro autorizasse, e a bola passou pertinho do gol de Prass. Os palmeirenses ficaram bravos e reclamaram muito com o árbitro.

Aos 12′, Moisés foi substituído. Ao invés de Cleiton Xavier, ou Rafa Marques, que sempre se sai bem em clássicos (Allione não estava nem no banco), Cuca acabou optando por um volante: Arouca.

Na hora, até achei acertada a substituição, mas logo percebi que colocar Arouca em campo tinha sido um erro de Cuca. Não que o jogador não tivesse se saído bem na sua função, mas com ele, o Palmeiras recuou, e a bola não chegava nos pés dos atacantes, de Barrios, principalmente, que tinha que voltar toda hora para buscar jogo e perdia a sua melhor característica: a de ser finalizador. A opção deveria ter sido por um jogador que pudesse criar jogadas para  levar os atacantes pra dentro da área.

O clima era quente entre os jogadores… resquícios da última Copa do Brasil, que o Santos parecia querer desforrar nem que fosse na botinada… Em uma cobrança de escanteio santista, Gustavo Henrique deu uma pancada em Mina, que ficou caído, reclamando, mas a arbitragem “nem viu”.

As chances se revezavam entre um time e outro, e o Palmeiras, jogando no contra-ataque, não era tão perigoso como costuma ser, permitindo que a bola ficasse mais nos pés do adversário.

Estávamos nos acréscimos do primeiro tempo quando Mina, que tinha sentido alguma coisa e ficara caído no gramado, saiu de maca, chorando… mais um desfalque. Dracena entrou em seu lugar.

Na segunda etapa, o Palmeiras começou pressionando o Santos, e já no primeiro minuto o goleiro santista teve que trabalhar na jogada de Dudu com a  finalização de Erik. O Santos respondia, mas não conseguia furar a defesa do Verdão.

E  então, aos 5′, um “erro” capital da arbitragem… na cobrança de falta de Dudu, Zeca ajeitou a bola no braço, dentro da área, na frente do bandeira, na cara do juiz, e isso é pênalti, mas nenhum deles assinalou a infração.

E não tinha desculpas para a não marcação, não cabia o “foi lance interpretativo”, “foi discutível”, uma vez que o mesmo árbitro, na mesma partida, já tinha assinalado falta de Barrios num lance idêntico, no primeiro tempo. E por que usava outro critério na infração santista?  Se Wilton Pereira Sampaio achou que o toque de Barrios foi uma infração, não tinha como ele achar que o de Zeca não foi. Isso não é erro, tem outro nome. A “capivara” de “crimes” de Wilton Pereira Sampaio contra o Palmeiras vai aumentando.

No vídeo abaixo, tem o lance de Amaral, que ele assinalou como pênalti, em 2015. O critério de Wilton Pereira Sampaio muda consideravelmente  quando o infrator é o Palmeiras, não é mesmo?

Com o time desfalcado, vencendo o jogo, segurando o adversário e o árbitro decide não marcar um pênalti que poderia fazer o Palmeiras aumentar a vantagem e determinar o ritmo da partida… é pra se pensar, não?

Cinco minutos depois da garfada no pênalti para o Palmeiras, o Santos empatou. E foi um lance de sorte. Após a cobrança de uma falta, que bateu na barreira, Gabriel arriscou de fora da área, a bola desviou em Vitor Hugo, e tirou qualquer chance de defesa de Prass.

Cuca então, em tarde não muito feliz, sacou Barrios e colocou Leandro em campo – ele acabaria desperdiçando uma boa chance. O problema do time não era o centroavante… Se o Cuca quer se livrar do Barrios – é essa a impressão que tenho -, tinha que ter pedido “O” 9 para a diretoria. Leandro é bom jogador, gosto dele, mas ele não tem esse status de Evair que estão querendo lhe dar. Saiu daqui sem esse status e não fez nada lá fora pra voltar com ele. Eu, particularmente, fico desapontada com isso, não gosto nada dessa “fritura” de jogador, seja ele quem for.

Faltava uma peça no nosso time, e as substituições já tinham sido feitas, o Santos tinha mais posse de bola, mas o Palmeiras finalizava mais.

O juiz ia fazendo o que podia para não dar o segundo cartão amarelo para Gabriel, e isso era nítido. Além disso, marcava falta de ataque do Palmeiras, deixava de assinalar umas faltas santistas, mas marcava qualquer coisa a favor deles, e a torcida xingava…

Luiz Felipe(SAN), tocou a bola com o braço e o juiz marcou a falta (fora da área é tranquilo marcar, né juizão?). A bola estava parada para a cobrança e Gabriel, pra provocar, a tirou do lugar. Dudu, então, chutou a bola nele. Imagina se o juiz mostrou amarelo pra eles? Imagina se o juiz daria o segundo amarelo para Gabriel (e eu até me lembrei de uma final de Paulistão, em 99, quando Galeano foi expulso por tirar do lugar uma bola preparada para uma cobrança de falta)?

Nada de mais relevante aconteceu… e o Santos, vaiado pela torcida, e como se vencesse o jogo, ficou trocando passes, fazendo o tempo passar para garantir o empate. E assim terminou a partida.

Já foram 14 rodadas, e o Palmeiras foi prejudicado com “erros” capitais em pelo menos 10 delas. Isso não é por acaso… tampouco o silêncio e omissão da imprensa, que faz um escândalo quando os prejudicados são outros. A coisa está escancarada… É como se roubar o Palmeiras fosse legal, permitido…

Cada um que pense o que quiser, mas não tenho como não achar que isso seja proposital… não tenho como deixar de comparar o que fazem ao Palmeiras com o que não fazem para certos outros times.

A diretoria do Palmeiras que abra bem os olhos, enquanto é tempo… não há lugar para a diplomacia quando você “está faminto e tentam roubar a sua comida”…

Continuamos na liderança, apesar de todos os prejuízos (7 pontinhos já nos foram garfados), não é possível ser campeão dessa forma, time nenhum consegue vencer adversários + arbitragens num campeonato todo, num campeonato longo, e sabemos muito bem  disso.

Amanhã tem mais… vamos observar…

 

Não tive tempo pra escrever depois da 8ª rodada, mas tenho que deixar registrado aqui o que aconteceu com o meu time na ocasião…

O Palmeiras foi à Curitiba, enfrentar o Coritiba e, de novo, teve que enfrentar as “forças ocultas”. Isso não acaba nunca? O “garfo” de árbitros e bandeiras não tiram férias, não vão operar outros clubes?

Difícil assim, e ainda mais difícil quando dá um ataque de burrice galopante em alguns de nossos torcedores e eles ajudam as “forças ocultas” e o… adversário!

Antes do jogo começar, já podíamos ver que jogar ali não seria muito fácil. O gramado era um horror. Em muitos lugares do campo, ao invés de grama se podia ver apenas areia. O dono da casa alegava que tinha plantado grama de inverno há apenas duas semanas e que ela ainda não tinha crescido  – não deveriam permitir que fossem mandados jogos em gramados assim. E pensar que  reclamamos do gramado do Allianz.

Quando a bola rolou, o melhor ataque do campeonato logo abriu o placar, pra variar. Com seis minutos de jogo, Thiago Santos roubou a bola do “Radiador” e com um lançamento longo encontrou Roger Guedes, que descia em velocidade pela direita; Roger entrou na área, girou sobre o seu marcador e meteu a bola na rede, colocando o Palmeiras na frente. Um golaço, que viria a ser o gol mais bonito da rodada. A comemoração de Roger e dos seus companheiros foi em homenagem à Alecsandro, suspenso.

O Palmeiras me parecia melhor na partida, mas, aos 19′, numa cobrança de falta, os parmeras vacilaram na marcação – ficou todo mundo olhando a bola – e o jogador João Paulo, do Coritiba, de cabeça, mandou na rede do Prass.

O Palmeiras tinha mais posse de bola, acertava muito mais passes do que o seu adversário e, muito embora o Coritiba tentasse tirar os espaços do Palmeiras, era o Verdão quem tinha domínio das ações, era o Verdão quem desarmava tudo (estou gostando muito das partidas do Thiago Santos).

Mas, depois dos gols, o jogo ficou meio truncado; ainda assim, o Palmeiras manteve a superioridade na posse de bola. Já no final do primeiro tempo, o Palmeiras estava errando passes e a nossa zaga parecia assistir à algumas jogadas do Coxa, por conta disso Prass precisou aparecer no jogo e fez duas boas defesas, uma delas já nos descontos.

O árbitro tinha dado 5 minutos de acréscimo por conta do atendimento a Prass aos 13′ de jogo, depois do goleiro ter sido atingido pelo “Radiador” ao tentar fazer uma defesa – o curioso foi o Palmeiras, que teve seu goleiro atingido e ferido na testa,  ter que devolver a bola ao Coritiba em… fair play (totalmente equivocado o nosso entendimento de fair-play, não é mesmo?).

Na segunda etapa, Thiago Santos não voltou e Cleiton Xavier entrou em seu lugar. No primeiro lance, quase que Gabriel Jesus ficou com a bola de cara para o goleiro, mas o goleiro foi mais rápido e ficou com ela.

O jogo corria, as investidas eram quase todas do Palmeiras, que era melhor em campo e buscava o segundo gol. E Jesus teve outra chance, e quase marcou depois de um lindo lançamento de Moisés.

Cuca sacou Rafa Marques e colocou Cristaldo em campo… e quem não sabia o que Cristaldo faria?

Não fazia nem dez minutos que Cristaldo estava em campo quando Moisés cobrou lateral e mandou lá na área, Vitor Hugo desviou de cabeça e Cristaldo, iluminado, e com uma vontade imensa, ao ver a bola pingar à sua frente, meteu a cabeça nela (precisou até se abaixar), balançou a rede, desempatou a partida e colocou o Palmeiras na liderança do campeonato.

Que alegria eu senti! Tinha que ser ele… Cristaldo!! E que festa da torcida, que lotava o espaço destinado a ela. Quatro mil ingressos haviam sido vendidos para os parmeras, num estádio com público de 12.794 pagantes.

Tudo certinho pra gente, e o Coritiba, vendo jogo se aproximava do final, tentava ir pro tudo ou nada, mas sem grande perigo, seus jogadores já pareciam ter aceitado a derrota. O Palmeiras se fechava na defesa e segurava a vantagem, segurava a vitória, que, na era dos pontos corridos, ainda não tinha acontecido lá em Curitiba.

E então,  graças à uma burrice galopante de parte da nossa torcida – “até tu, Brutus?” – o jogo foi paralisado pela arbitragem.

Quem pode acreditar que uma torcida, cujo time vence o jogo em cima de um adversário já batido, já conformado com a  derrota, vai fazer a burrice de acender sinalizadores – que são proibidos – e aos 42′ do segundo tempo, para que o árbitro paralise a partida, para que o adversário tenha tempo de conversar e acertar algumas coisas, e para esfriar e  tirar a concentração do seu próprio time?

A nossa torcida – que sabe muito bem que as partidas são paralisadas quando torcedores fazem uso de sinalizadores, e esse é o detalhe mais decepcionante -, descartando completamente o uso do cérebro, fez isso, e atrapalhou o Palmeiras . E o pior, os demais torcedores não reclamaram disso e nem tentaram impedir que eles fossem acesos.

sinalizadoressinalizadores1

O jogo ficou parado alguns minutos, o juiz deu 6 de acréscimo, nossa zaga, desconcentrada com a parada, vacilou numa bola levantada, e o Coritiba empatou a partida aos 49, com um chute de longe de Leandro (aquele, a calopsita). E pensar que a partida, normalmente, mal passaria dos 48…

Já vi torcedor fazer muita burrada, dar muito tiro no próprio pé, mas, ajudar o time a perder dois pontos, e quando ele briga pela liderança do campeonato – um campeonato que ele não conquista há 22 anos -, eu nunca tinha visto. Essa, foi uma “punhalada mas costas”, digna de quem tem orelhas de burro na cabeça.

E pra não perdermos  o costume, para o serviço que andam fazendo contra o Palmeiras ficar completo (quem é o mandante disso?),  o gol foi impedido, mas a arbitragem não assinalou o impedimento, mesmo com o bandeira tendo visão total.

Coritiba-gol-impedido1

Não dá pra acreditar que isso é erro, que o bandeira, que faz curso pra ser bandeira, que é preparado pra ser bandeira e enxergar as infrações , não teve como ver o impedimento – um está à frente, e de camisa branca;  o outro está mais atrás, e de camisa verde verde. Sem contar que são dois jogadores impedidos e com a possibilidade de receber a bola. E sem contar também que o Palmeiras, na mesma partida, teve impedimentos milimétricos marcados em seus ataques. E como esse, escancarado, não foi?

Está dando na cara demais… em todas as rodadas as arbitragens “erram” contra o Palmeiras. E ficamos nos perguntando: Quem está por trás disso? Se a coisa parece orquestrada, essa coisa tem chefe, tem mandante… você não acha?

Um pontinho aqui, dois ali… no final, é um prejuízo imenso.

ABRE BEM O OLHO, PALMEIRAS! E COMPRA ESSA BRIGA!

Tá bom, vamos encerrar o assunto e a discussão sobre a vitória do Palmeiras no derby.

Não foi falta no Prass – ele não estava com as duas mãos na bola, e não levou um tranco do Felipe nem uma cabeçada na mão, e o Tite nem ficou com cara de b…. quando viu a imagem.

Pal1x0LavaJato-12-06-2016-Falta-em-Prass

Preste atenção na imagem, o jogador ‘lava-jato’ não acertou o Prass… De onde tiram essas ideias?

Pal1x0LavaJato-12-06-2016-Falta-em-Prass1

E o Tite “não reclamou nadinha da arbitragem” ontem, porque ele “é muito sensato”, “não é hipócrita” e “não costuma falar sobre arbitragem”. Em 2015, ele cansou de repetir que “não fala sobre arbitragem”…

Pal1x0LavaJato-12-06-2016-Tite-ignora-arbitragem

Também não sei como podem querer comparar o lance de ontem do Felipe (COR) sobre o Prass, com o lance do Jesus e o goleiro do Flamengo. Foi “tão diferente”… por isso que, na ocasião, ninguém da imprensa – ao contrário do que muitos fazem agora – queria que o gol do Palmeiras fosse validado. Nem mesmo os jornaleiros palmeirenses, que agora “não dariam a falta em Prass”… Porque a falta do Jesus no goleiro do Flamengo “foi diferente da falta do Felipe no Prass”.

Pal2x1Fla-Falta-Jesus-goleiro

E tem mais, no início da jogada, antes da falta que “não aconteceu” no Prass,  o Felipe “não estava impedido” – é ilusão de ótica o que a gente vê na imagem…

Pal1x0LavaJato-12-06-2016ImpedimentoFelipe1

O fato de só o Felipe estar na parte mais escura da imagem abaixo, não significa que ele estava impedido. Ele parece estar à frente, mas na realidade não está. É só “o cérebro da gente sendo enganado pela imagem”. Como ver impedimento nisso? Lance muito “duvidoso”…

Pal1x0LavaJato-12-06-2016ImpedimentoFelipe

E ocorre mais um engano quando se fala sobre a agressão de Fagner. Fagner não agrediu Dudu, ele “só visou a bola”, nem abriu o braço bem antes, nem deixou o cotovelo preparado, o tempo todo, pra acertar o palmeirense.  O juiz “acertou” em não dar um vermelho para o jogador ‘lava-jato’.

Pode reparar, quando Dudu ia subir pra cabecear, o Fagner estava olhando só a bola, o cotovelo dele estava levantado por acaso… Na verdade, foi o Dudu quem se direcionou ao cotovelo do Fagner e trombou com ele… não foi o Fagner quem andou de cotovelo já armado com a intenção de agredir Dudu… a imagem mostra que ele nem viu Dudu direito de tanto que olhava a bola…

Pal1x0LavaJato-12-06-2016-Fagner-agride-Dudu3Pal1x0LavaJato-12-06-2016-Fagner-agride-DuduPal1x0LavaJato-12-06-2016-Fagner-agride-Dudu1

Nem sei porque o Gaciba, na transmissão, falando sobre a “falta que Dudu fez no cotovelo de Fagner”,  disse: “ele (Fagner) está um pouco acima da temperatura do jogo”…

Pal1x0LavaJato-12-06-2016-Fagner-agride-Dudu2

Portanto, amigo leitor, estão aí as imagens, e elas não mentem.

Felipe “não estava impedido”… Felipe “não fez falta em Prass”…   Fagner “não agrediu Dudu”…  E minha mãe é homem…

E não se fala mais nisso.