O Palmeiras continua 100% no Paulistão… 5 jogos, 5 vitórias, melhor ataque, melhor defesa, melhor saldo de gols. E dessa vez foi contra o Santos.

Final de semana de primeiro grito de carnaval em São Paulo, milhões de pessoas nos blocos, e nem assim o Allianz ficou vazio. Ao contrário, o bloco “Unidos de Allianz Parque” estava entupido de gente… 38 mil pessoas.

Foi uma vitória tranquila do Palmeiras… e teria sido mais tranquila ainda não fosse o árbitro…

No primeiro jogo de Lucas Lima contra o seu ex-time, deu Verdão. Ainda que não tivesse levado perigo ao adversário o tempo todo, como gostamos nós, torcedores, o Palmeiras venceu o Santos com sobras e teve o domínio da partida.

O juiz, Flávio Rodrigues de Souza, mal tinha apitado o início de jogo e o Palmeiras já saía na frente. Com 2′, na segunda cobrança de escanteio palestrina, Antonio Carlos subiu mais que David Braz e, de cabeça, guardou no canto esquerdo de Vanderlei.  Uma bela cobrança de escanteio de Duduzinho (ele já participou de 5 dos 10 gols palmeirenses no ano). E foi bem pertinho de onde eu estava, que delícia de gol. Os jogadores todos se uniram num abraço gigante em volta do emocionado Antonio Carlos, os reservas correram lá na lateral pra comemorar com Roger…  nós nos abraçávamos na bancada…  Nosso “primeiro grito de carnaval” explodia no Allianz Parque.

E não tive como deixar de lembrar do treinamento de finalização em cobranças de escanteios e faltas que Roger Machado tinha dado no treinamento de preparação para o clássico.

Logo depois do gol, Lucas Lima mandou na trave uma cobrança de falta. Foi um lance rápido, a bola bateu no travessão, ficou viva na área,  mas eles conseguiram evitar que os palmeirenses aproveitassem o lance.

Jogo de torcida cantando forte…  de adversário meio perdido, sem força para ameaçar o Palmeiras. E só aos 13′ eles levaram perigo à nossa meta. Depois de uma falha individual – nosso primeiro erro de passe no jogo – , Arthur chutou pela direita e Jaílson fez uma boa defesa mandando pra escanteio. Na cobrança, Sasha subiu livre e cabeceou pro gol… porém, tinha um Jaílson no meio do caminho de Sasha… Jailsão da Massa fez uma defesaça e impediu o gol santista. Ô goleiro enjoado que não sabe o que é perder…

O jogo ficou meio devagar, o Palmeiras diminuiu o ritmo, esperando pelas oportunidades de contra atacar – e não estava errado. O primeiro clássico da temporada, o primeiro clássico de Roger e de alguns  jogadores aqui no Palmeiras… e estávamos ganhando, jogando melhor… O Santos até se animou com isso e rondou a nossa área, mas sem realmente levar perigo, a não ser nos dois lances, já citados, em que Jaílson resolveu.

Os palmeirenses se movimentavam bastante, trocavam de posição… O Verdão ditava o ritmo de jogo.

Já no final do primeiro tempo, com o Palmeiras voltando a empurrar o Santos para o seu campo de defesa, Felipe Melo desarmou Copete e foi pisado pelo santista… e  Flávio Rodrigues de Souza, o árbitro, deixou barato.  “Ainnn, ele errou o tempo da bola”, diriam alguns…

…………………….

Imagina o que diriam essas mesmas pessoas – que recebem ordens para falar mal do Palmeiras -, se fosse o Felipe Melo “errando o tempo da bola” e pisando algum adversário como Copete fez com ele? Levaria vermelho direto.  E mesmo tendo cometido outras faltas, além desse pisão que ficou impune, o santista só levaria um cartão no final da segunda etapa. Lucas Lima, no entanto,  levou um amarelo aos 25 minutos do primeiro tempo.

No segundo tempo, o Palmeiras voltou aceso. No primeiro minuto, Felipe Melo (que nos primeiros 45 minutos já tinha dado um drible num santista e o deixado procurando a bola e ele até hoje), chutou de fora da área , mas o goleiro segurou. Logo depois, Borja recebeu na área, mas Caju conseguiu chegar a tempo de travar o chute… No minuto seguinte, Thiago Martins, na cara do goleiro, cabeceou pro gol, mas Vanderlei fez uma boa defesa… Blitz do Palmeiras pra cima das sardinhas.

O relógio marcava 4 minutos do segundo tempo, Borja enfiou a bola para Willian, ele avançou tentando entrar na área , passou por dois, mas a bola escapou dele um pouquinho… Não deu nem tempo de a gente ver direito o que aconteceu e ela estava dentro do gol do Santos. Borja, na meia lua, espertíssimo, tão logo viu a bola que ia em sua direção, mandou um canudo de primeira que foi morrer no fundo da rede. Que gol lindo, Borjão! Fiquei feliz demais com o gol dele.

Com a tranquilidade de 2 x 0 no placar, o Palmeiras, que dominava o jogo, esperava o Santos… Nossa defesa estava bem… só se acontecesse algo muito inesperado para tomarmos um gol…

E, então, aos 17′, com o Santos ciscando em nossa área, o inesperado, não tão inesperado assim (as arbitragens sempre afanam o Palmeiras mesmo) aconteceu. Marcos Rocha não conseguiu evitar um escanteio, tocou na bola depois que ela havia saído, e ela voltou pro campo. O árbitro ignorou  a saída de bola e deu continuidade à jogada; os palmeirenses, achando que ele ia marcar o escanteio, se descuidaram – não deveriam – e o Santos descontou.

……………

……………

Veja só, a bola sai inteirinha pela linha de fundo e o juiz deixa a jogada seguir como se nada tivesse acontecido. Quais as chances de o Palmeiras fazer um gol nessas condições e não aparecer jornalista, árbitro de vídeo,  delegado, marciano, inca venusiano  informando ao quarto-árbitro que teve irregularidade na jogada?  Nenhuma, né?

Uns minutos depois, Tchê Tchê sofre pênalti de David Braz – ele entrou atropelando o palmeirense – e o juiz nada marca. O bandeira também não. A imagem abaixo foi tirada de um gif, mas dá pra ver muito bem. Com a perna direita estendida para o lado ele atinge o pé de apoio de Tchê Tchê, e com o corpo acerta o pé que domina a bola e derruba o palmeirense.

………………….

Difícil acreditarmos que juiz e bandeira não viram a falta… ou que acharam que ela foi normal.

Aos 30′, Roger atendeu a torcida e colocou Keno.  Dudu deu lugar a ele. O baixinho saiu aplaudidíssimo, aos gritos de “Dudu, guerreiro”. Keno também foi aplaudido ao entrar. Minutos depois, Bruno Henrique entrou no lugar de Tchê Tchê.

O Palmeiras seguro na marcação, seguro do meio pra trás, dominava o jogo e garantia o resultado, que só não era maior porque o árbitro não apitava direito. E ele resolveu ignorar mais um pênalti a favor do Palmeiras. Com quase 40 minutos de segundo tempo, BGod recebeu na área, levou um tranco e foi derrubado por Alison. O juiz nada marcou (não tive tempo de procurar essa imagem, mas logo ela estará aqui).

Roger ainda promoveu uma estreia; colocou Scarpa no lugar de Lucas Lima. Aplausos para os dois. Com 4 min de acréscimo, ele encerrou a partida. O Palmeiras, merecidamente, saiu com a vitória.

“Tô mi gostando” do Roger Carvalho. O time está jogando bem, ele parece saber lidar bem com o elenco de tantos bons jogadores.  Bancou o Borja no time e ele fez o gol da vitória, e tá jogando bem e se soltando cada vez mais… voltou o Pitbull para o lugar de onde ele não deveria ter saído… repete a escalação, mas mesmo assim sempre dá um jeito de dar oportunidade para os que estão no banco… O Palmeiras, do meio pra frente tá encardido, tem muita qualidade ali. 

Se do meio pra trás a coisa funcionar, estiver consistente, penso que o Palmeiras vai dar trabalho, muito trabalho. E o bom da coisa é que parece que o Roger está acertando esse do meio pra trás… 

Mas tem um porém… a diretoria tem que abrir os olhos e mantê-los bem abertos,  nas arbitragens. Dia desses meteram a mão na Ferroviária para favorecer um certo time, no clássico no Allianz era palpável a impressão de que o árbitro usava um critério diferente para cada time.  Flávio Rodrigues de Souza fez vistas grossas para muita botinada que deram em Dudu, em Lucas Lima, em Willian, fez vistas grossas para a mão adversária na cara do Keno, para a pisada no Pitbull… para a bola que saiu em escanteio e resultou em gol… para o pênalti cometido por David Braz, para o outro pênalti cometido por Alison…  e poderia ter mudado o resultado da partida.

Já sabemos que a pagadora de propina manda jornalistas meterem o pau no Palmeiras (um  ex-SporTV foi quem cantou essa bola), e como ela parece mandar no futebol e até na CBF, fica a pergunta:  será que esses árbitros, que prejudicam o Verdão, são instruídos para apitarem assim, são paus mandados também?

Abre o olho, Galiotte! E não dá mole não.

18_ame2

“Não há nada como um sonho para criar o futuro” – Victor Hugo (Em meio ao caos, eu ainda sonho…)

Meus amigos, a Ilha de Lost é aqui! Igualzinho à série, ninguém entende porra nenhuma do que se passa e tampouco sabe como e quando essa merda vai acabar! E todo esse caos acontece com o nosso Parmera! Como se não tivesse sido suficiente termos sido eliminados da Copa do Brasil dias atrás, do Paulistão há algumas semanas, do Brasileiro no finalzinho do ano passado; como se não tivessem sido suficientes as agressões, os jogadores escurraçados do clube, segredos do Palmeiras, que vazam na imprensa ‘a torto e a direito’, técnicos demitidos covardemente e sem motivo aparente, agora o caos se instalou de vez na vida do palestrino! Quando a gente menos esperou, veio um tsunami gigantesco, e varreu o nosso mundo!

Um escândalo sem precedentes, de jogadores chegando de manhã no hotel, acompanhados de mulheres; de porradas (não confirmadas) trocadas por Antonio Carlos e Robert, jogaram por terra o restinho de paz que havia no Palestra.  A nossa diretoria que conduz às cegas a Nau Palmeiras, se perde cada vez mais em atitudes mal pensadas. A Lei dos dois-pesos-e-duas-medidas é a que está em vigor no nº 1840 da Rua Turiassu. Robert e Antonio Carlos são punidos exemplarmente (?) e os demais baladeiros saem impunes e ilesos da exposição covarde que sofreram os outros. Por quê? O torcedor só pode acompanhar o desenrolar macabro pela imprensa. Um joga a culpa no outro e o outro joga a culpa no um. Cipullo, maquiavélico, teve a cara de pau de afirmar que, o técnico que cobrou disciplina, foi demitido porque poderia ocasionar uma situação desfavorável ao clube. E tem mais! Zago afirmou que Robert e Ewerthon tentaram entrar com mulheres no hotel, os atletas negam. Cipullo afirma que fica com  a versão dos atletas. Como é que esses dirigentes contratam para o Palmeiras, um técnico no qual eles mesmos não confiam? Assim como fizeram com Muricy, nossos dirigentes,covardes mais uma vez, não admitem os reais motivos da demissão.

Belluzzo, em quem tanto depositamos as nossas esperanças, é a nossa ‘Rainha da Inglaterra’. Tem a pompa e o carisma de uma rainha, mas não governa p…. nenhuma. Quem governa é o primeiro-ministro Gilberto Cipullo, de ego inflado, que não consegue contratar ninguém e tem pouquíssima capacidade para conduzir as coisas no Reino de Palestra Itália. Nos corredores do “castelo” há dezenas de fantasmas, com grandes ouvidos e bocas enormes. Esses “fantasmas” divididos em várias facções, sussuram para a imprensa inimiga, todos os segredos, inconfessáveis ou não (tão conveniente à diretoria, às vezes), da Rainha e do Primeiro Ministro.  Reino esse que virou um feudo da Traffic. Seus jogadores, ainda que não sirvam ao time, têm que estar sempre na vitrine, não podem ir para o banco  de suplentes(a não ser quando são ruins demais e não dá para disfarçar) e, como quase ia acontecendo agora com Marquinhos, quase nunca são punidos. Nossos garotos da base, para benefício do novo senhor feudal, não podem ser aproveitados no time. E o Palmeiras está sequestrado! O Palmeiras é refém desse contrato de parceria. O Palmeiras é refém da inércia dos dirigentes, do seu amadorismo. E só agora quando Antonio Carlos escancara para a imprensinha, é que os lerdos dirigentes palestrinos, começam a desconfiar o que todo torcedor já sabe há anos: TEM UM FDP LÁ DENTRO, VAZANDO PARA A IMPRENSA, AS INFORMAÇÕES CONFIDENCIAIS!!

Já são 4 técnicos desde 2009 (Estamos pagando 3 deles e não temos nenhum para comandar o time. NA MINHA CASA, BELLUZZO, A ECONOMIA FUNCIONA MELHOR QUE NO PALMEIRAS, SABIA? E EU NÃO SOU ECONOMISTA!!), um monte de contratações feitas por fazer, demissões sumárias, brigas, escândalos. Os abutres da imprensinha fazem a festa! Ao torcedor só resta vergonha, tristeza e o desespero de, mais uma vez (como ocorria nos tempos de Mustafá), ver o Palmeiras sendo feito em pedaços. São 95 anos de uma história grandiosa, de um número absurdo de troféus conquistados, que deram ao Palmeiras um título que nenhum outro clube brasileiro possui: O DE CAMPEÃO DO SÉCULO! E esses senhores, que agora dirigem o Palmeiras, estão destruindo em dois anos, quase um século de glórias.

Acorda, Belluzzo! Pelo amor que você tem ao Palmeiras, pare de ser “amigo” de quem não faz bem ao Verdão.Não se preocupe apenas em não deixar Mustafá voltar.  Tem gente tão ruim quanto (quiçá pior) ele querendo o poder no Palmeiras! Enquanto vocês brigam com Mustafá, não veem os ratos que estão à espreita. Faça o que tem que fazer ainda que perca aliados! O Palestra é maior que essa guerra de poder! Deixe seu coração falar mais alto e ele vai te levar pelo caminho certo. Caminho que vai trazer de volta o meu Palmeiras. O nosso Palmeiras. O Palmeiras de mais de vinte milhões de torcedores…

Não tema, Belluzzo! Não agora, quando precisamos tanto da sua coragem. Dê um basta nessa bagunça que aí está. Vamos mudar esse negro futuro que se avizinha! Vai, Belluzzo! Ponha todos os ratos para correr, abra as janelas! Deixa o meu Palmeiras respirar! SE VIRA PRESIDENTE, MAS TRAZ O MEU PALMEIRAS DE VOLTA!!!

Deus, eu continuo pedindo, não deixa nenhum clube europeu contratar o Felipão e nem o Mago. Amém.

Nada funcionou na partida diante do Rio Claro (era rio, mesmo!). Prá começar, o estádio e o gramado eram péssimos. Chovia muito e as poças d’água pareciam jogar também. Uma hora a favor, outra, contra o Palmeiras. Sem contar que parecia um circo, com arquibancadas improvisadas. Os vestiários do Palmeiras estavam alagados!! San Genaro tava de colete salva-vidas. A   Federação Paulista, que nos enche o saco a cada vez que queremos mandar um clássico no Palestra, é a mesma que habilita e aprova um estádio como esse? Eu, hein? Um time grande não pode ir ao Palestra, mas pode ir jogar na “casa” do Rio Claro?

Mas a chuva é democrática, dirão alguns. Choveu para os dois times. As dificuldades também foram para os dois. Talvez o Rio Claro tenha levado vantagem, por não ser uma equipe técnica e sempre treinar ali, mas  a verdade é que o Palmeiras não jogou nadinha… do que esperávamos. E, ao me lembrar disso, me lembro também que NÃO TEMOS TIME E NEM TÉCNICO DE POLO AQUÁTICO… Culpa da diretoria, rsrsrs

Começo de partida e o Palmeiras, sem Pierre, veio pressionando. Com 4 minutos,Diego recuperou uma bola no meio de campo e lançou Robert que, ganhou na dividida, e bateu cruzado. Aos 7′, Lenny recebeu na área, quase embaixo da trave e, por estar de costas, tentou de calcanhar, mas a zaga tirou. Aos 25′, Wendel cruzou para Robert cabecear à “queima roupa” e o goleiro fazer uma defesaça. Aos 29′, Souza mandou um canhão que acertou o travessão e, no rebote, Cleiton isolou a bola. Até então, Marcos tinha feito apenas uma grande defesa.O Palmeiras era mais perigoso, mas não tinha ainda conseguido se adaptar às condições do gramado. E um gramado naquele estado, é lógico que beneficia o time menos técnico. Aos 34′, demos um vacilo. Osni foi lançado; Souza perdeu o tempo de bola e a jogada, Osni bateu forte e marcou. Eu achei que Marcos poderia ter defendido. Mas acho que, com aquela água toda, mesmo as defesas mais fáceis se tornam difíceis.

Eu bem que acreditava na virada no segundo tempo, mas lá no fundo, sabia que ia ser um ‘parto’ o restante da partida… Ao Palmeiras restariam as jogadas aéreas, uma vez que, pelo chão, não ia dar. E não somos muito produtivos nesse tipo de jogada. Tivemos a prova, nos tempos de Muricy e sua única jogada. Na ‘lagoa’ de Rio Claro, as nossas cobranças de faltas eram todas desperdiçadas. Compreendo que Zago queira um time que toque com rapidez e jogue com a bola no chão, mas ouvi-lo dizer que não treinou ainda a tal “bola parada”, me assusta. Quero crer que tenha sido apenas pela falta de tempo, porque nem sempre as condições nos serão favoráveis, né belo?

No segundo tempo, o Palmeiras veio desatento, e por pouco o dono da casa não ampliou o placar no primeiro minuto. Marcos salvou com um ‘milagre’. Aos 5, Lenny, por puro capricho da bola, não igualou. A “mardita” passou raspando a trave… Zago chamou Ivo e Marquinhos, para a saída de Souza e Lenny. Mas a coisa não ia… Para se jogar nas condições que encontramos em Rio Claro, é preciso muita determinação, vontade e, sobretudo, criatividade. E isso nos faltou… Diego (principalmente) e Cleiton, de quem sempre esperamos mais, deixaram muito a desejar. Como o resultado não vinha, o desânimo, a apatia e os erros (a mim parecia que fosse assim) tomavam conta do time. E o Rio Claro tratou de suportar a pressão de um Palmeiras  que   queria, sim, empatar, mas errava muito. Zago ainda tentou Willian em lugar de Wendel, mas continuávamos apenas no “quaaaase”… 45′, e Robert cabeceou pro gol, mas o goleiro Sidney faz a defesa. E terminou assim. O Palmeiras conseguiu a façanha de perder do Rio Claro. Que m….!!!

Foi só a chuva e o gramado ruim, os responsáveis? Eu acredito que não. Com todos os problemas, ainda assim, somos, ou deveríamos ter sido, melhores que o lanterna do campeonato. Mas temos  muitas coisas a acertar, muitos fundamentos a treinar. A equipe não está pronta, como equivocadamente afirma Cipullo. Temos um bom time, mas precisamos de um bom elenco, também. Já vimos o “filme” de não termos um banco à altura do time e não queremos ver de novo. Mas, da mesma forma que a vitória contra os bambis não ofuscou os problemas que ainda temos, essa derrota para o lanterna do campeonato, não é parâmetro para dizermos que está tudo perdido. Pelo contrário, estamos caminhando, e o trabalho do Zago, apenas começando. A classificação é difícil, sim. O próximo jogo é contra o embalado Santo André. Eu sei que estamos muito mais próximos da parte de baixo da tabela do que da de cima. Tenso! Mas, com 24 pontos a disputar, ainda não é hora de jogarmos a toalha, né Zago? Né diretoria? Sem esse papinho furado que já estamos ouvindo por aí…  Tem que buscar até o fim!! AQUI É PALMEIRAS, PORRA!

Não sei você, amigo leitor, mas eu não desisti… E vou continuar ‘jogando junto’ com Zago e os nossos rapazes. Tô botando fé no trabalho que está sendo feito e vou ‘pagar’ prá ver.

FORÇA, VERDÃO!!! ESTAMOS JUNTOS NESSA!!

“O dia de amanhã ninguém usou, pode ser seu…”

Parece que a casa vai sendo colocada em ordem, o céu, antes negro, vai clareando e o sol volta a brilhar nas alamedas do Palestra… Sei lá se é sorte de quem está chegando, ou se já é o trabalho dando resultados, mas a verdade é que o Palmeiras de Antonio Carlos, ou Zago, como a maioria o chama, está diferente… Na formação, na disposição e também na sorte. Não é que o tão perseguido Robert, parece ter colocado a má fase na mala de Muricy (aproveita, Armero!)? São 4 gols em dois jogos. ALELUIA! Até o Marquinhos, começou a mostrar futebol, o que não fez durante um ano inteiro em 2009. E olha que teve oportunidades, hein?

Sejam lá quais forem os motivos, eu estou adorando!! Cansei de dizer aqui que não gostava de ver meu time jogar retrancado, em casa, contra qualquer timeco. E o Zago, que foi ídolo num Verdão que jogava muita bola, parece que tomou gosto pelo futebol bonito e é isso que anda sonhando para o Verdão. Fazendo o simples, mas sem perder a coragem, Zago vai arejando a casa. Todo o “barulho” foi contido, os críticos quase nem existem mais… enfim , outros tempos chegaram ao Palmeiras. Oxalá, continue assim.

Foi um jogo em ritmo de treino e, por saber que seria assim, Zago resolveu descansar Wendell, Cleiton, Márcio Araujo e Lenny. Saíram jogando Figueroa, Sacconi e Marquinhos. Mas o narrador do Sportv (acho que era o Milton Leite) “jurava” que Lenny estava estava na partida e  falava seu nome à toda hora!! hahahah E ninguém contava a verdade prá ele.  Hilário! Dentro de campo a vida do Palmeiras era fácil e logo aos três minutos, Sacconi foi atropelado, dentro da área, com um carrinho escandaloso. PENALTI!! Só o Rodrigo Farah, do UOL, achou duvidoso… Ainda que o jogador tenha atingido primeiro a bola, carrinhos são proibidos, viu seu ‘jornalista’? Dentro da área então… piorou!! Falar do roubo sofrido pelo Racing, você e os outros não querem, né? Ou não podem, vai saber! Mas a bola tava na cal e Robert foi para a cobrança e guardou!!! Como o Flamengo/PI apenas se defendia, só o Palmeiras jogava. O Verdão criava várias oportunidades, mas errava muito nas finalizações. Aos 16′, Sacconi foi lançado na área, sozinho com o goleiro (!!)… mas chutou por cima e perdeu gol feito…

O jogo era sem muitas emoções, chatinho.  Marcos, em inatividade total, acho que tinha descido para os vestiários para assistir às Olimpíadas de Inverno e tomar um cafezinho. Haja café, hein Santo? uahuhauha Aos 27′, depois de cobrança de escanteio, Danilo cabeceou na trave; no rebote Léo, de cabeça, mandou pro gol. Mas, ao marcar, acabou cabeceando o adversário também e se feriu. Na comemoração, o suor do nosso zagueiro artilheiro se misturava ao sangue que escorria pelo seu rosto. Oito minutinhos depois, um passe lindo de Diego,encontrou Sacconi dentro da área, que tocou para Robert (ele já tinha perdido uma boa chance) que avançava pela esquerda. Ele só teve o trabalho de tocar, com classe, e marcar o terceiro.

No segundo tempo, Zago voltou com Souza no lugar de Léo, e o ‘treino’ continuou. Com o placar feito e o Flamengo sem nenhuma possibilidade de reação, coube ao Palmeiras diminuir o ritmo. Enquanto isso, em Palogrande (WHAT?), o Once Caldas vencia o Once Bambis, de virada. Rogério fez um gol, mas tomou dois. É melhor ele jogar na linha… Mas, de “joelhos”, na linha, “comofaz”? E o Miranda? Deve estar até agora procurando a bola, que levou no meio das canetas,  no segundo gol… auhuhauhauahua   E se em Palogrande as coisas não iam bem, graças a Deus, no Palestra tava tudo às mil maravilhas. Aos 27′, Diego Souza deu lugar ao estreante Ivo. E não é que ele, assim que entrou, fez uma jogada linda? Driblou o zagueiro, entrou na área e, na linha de fundo, fez um cruzamento perfeito para Edinho,  pegar de voleio e fazer um golaço?? Era o Ivo mostrando o “cartão de visitas”!! E a torcida gostou!!

No banco do Flamengo, Jardel (a impren$inha diz que o Palmeiras o teme rsrs) esperava o momento de entrar em campo. Até lanche tomou, acreditam? E o pior de tudo foi ele pedir atendimento médico porque se machucou no aquecimento!! uhauhauhauh Como tem ex-jogador enganando os times por aí… E se lá no Piauí ele entrou aos 45º do segundo tempo, aqui, ele aqueceu, sentiu o joelho, e NÃO ENTROU!!! E a partida terminou 4 x 0 pro Verdão. O time do Flamengo é fraco, é verdade, mas o Naviraiense e o Racing/URU também são, né?  Então…

É isso aí,  o Palestra respira ares de um novo tempo!! Antonio Carlos 100%, esboça um novo e confiante Palmeiras! Robert, com 4 gols, é pura alegria! Marquinhos, que reencontra o seu futebol, tá cheio de esperança! E a Que Canta e Vibra? Ah, essa, voltou a dormir tranquila…

Palestrino, a torcida mais apaixonada do planeta  também está no Twitter.   Se junte a nós na bancada virtual     @TwitPigs_SEP  .

Robertgol

Antonio Carlos, definitivamente, é um cara que tem estrela! Chegar ao Palmeiras durante um “tsunami”de problemas, receber logo de cara as ‘más vindas’ de alguns torcedores, ter um clássico pela frente, diante do inimigo (não é rival) mais odiado dos palestrinos, e vencer sem grandes problemas, não é para qualquer um.

Como se  fosse o culpado pela maneira desastrosa com que Muricy foi dispensado, ele já sentiu na pele a rejeição do torcedor. Mas o ex zagueiro, que tem muita personalidade e nunca teve medo de adversário nenhum, também não teve medo da nossa ‘cara feia’. E fez a sua estreia apenas com uma mudança significativa. Aquela, que muitos (eu, principalmente) pediam que fosse feita por Muricy: TIRAR UM VOLANTE DO TIME E COLOCAR O LENNY, PORRA!! Wendel ficou na lateral direita e Eduardo (que me agradou)  na esquerda. Claro que os jogadores colaboraram! Aquela postura e rendimento inacreditavelmente ruins diante do São Caetano, não se repetiram. Os jogadores me pareceram estar com muito mais vontade… Mas é sempre assim quando chega um novo comandante. Todo mundo quer mostrar serviço.

O Palestra até que recebeu bom público, dadas as circunstâncias e a semana tão turbulenta.Só Gilberto Cipullo foi “homenageado”. Os outros, pelo que eu pude perceber, saíram ilesos. E a torcida cantou e apoiou, comosempre. Lá fora, na Turiassu, ficaram as faixas de “CADÊ OS REFORÇOS?”.Eu confesso que estava com um medinho. Ainda que o São Paulo não tenha lá um grande time, o Verdão, nas últimas partidas tinha apresentado tão pouco futebol que, um resultado desastroso, passava muito de vez em quando pela minha cabeça. Mas dificilmente eu vou ao Palestra ver meu time perder. E não seria dessa vez.

Começo de jogo, num esquema simples, sem nada demais, já podíamos perceber o time mais consistente e seguro. Com um volante a menos e um atacante a mais, aos 7′, o Palmeiras já assustou os leonores, com Lenny.  Rogério mandou prá escanteio. Não sei se foi o papo com A.Carlos, ou se ele acertou alguns posicionamentos e tempo de bola, mas a nossa defesa estava muito melhor, mais alerta. Marcos também me pareceu mais tranquilo. Se alguém falhava, tinha sempre outro cobrindo e nós, torcedores, não tínhamos tempo nem de nos assustar com as poucas investidas dos bambis, que cometiam muitas faltas e, em algumas vezes, um pouco mais duras. O Palmeiras marcava forte, em cima e era superior. Com um volante a menos e diante de um adversário cuja rivalidade, sempre acirra os ânimos, nossa defesa nunca esteve tão segura. Viu como dá para jogar assim, Muricy?

O calor e o sol eram de matar camelo de desidratação. E o jogo não foi lá grande coisa na primeira etapa.O Palmeiras que tinha começado melhor, depois dos 25′, deu uma parada, mas os leonores (que time ruinzinho, o deles!) pouco perigoofereciam, uma vez que seus jogadores mais perigosos, eram facilmente anulados pela zaga palestrina, peloslaterais (Wendel parou Jorge Vagner) e por Pierre, que fazia uma partidaça, como é usual. Enquanto os bambis procuravam mais as bolas aéreas, principalmente com Jorge Vagner, pela esquerda, o Palmeiras com um volante a menos, explorava muitas jogadas pelo meio. Como Diego e Cleiton não estivessem muito inspirados, os nossos atacantes não foram acionados como deveriam ter sido. Mas o torcedor palestrino contente com o que via, com o padrão de jogo do time, acreditava cada vez mais que a vitória chegaria. Eu estava incrivelmente tranquila… Pena que não tínhamos um centroavante, de verdade, dizíamos nós… NÃO TÍNHAMOS É??? 

Veio o segundo tempo e aos 6′, após uma boa jogada de Eduardo, Xandão foi justamente expulso. Os leonores contestam o seu primeiro cartão amarelo. “Já conhecemos esse árbitro” disse o goleiro são paulino. E aquele que validou o gol de mão de Adriano, você também conhecia, Rogério? Os palestrinos que não paravam de cantar, aí é que cantavam mais!!! Palestra Itália ensurdecedor!! Eu fiquei arrepiada e senti o gol chegando. Dois minutos depois, Cleiton meteu a bola na área, e Robert, no lugar certo, na hora certa, só teve o trabalho de guardar!!! XÔÔ ZICAAAA!!! Aí o Palestra explodiu de vez! Fazer gol nos bambis é uma delícia e tirando a ‘nhaca’ do nosso jogador, é melhor ainda!!! Felicidade explícita!! Robert,tão contestado, chorou ao comemorar… Rogéria, a cada gol que toma, levanta o braço (ninguém sabe o porquê) e não foi diferente dessa vez! Será que ela chamava um táxi, precisava retocar a maquiagem ou queria ser apresentada a Robert…? Uhauhauhauh Who Knows? Essa atitude é simplesmente manjada e ridícula!

Depois do gol, os bambis quiseram vir prá cima. Mas, para nos atacar, deixavam um buraco lá atrás.O Palmeiras, meio escaldado pelos últimos insucessos, não aproveitou para golear. Antonio Carlos, colocou Marquinhos no lugar do Lenny e eu fiquei muito contrariada. Marquinhos??? Mas me enganei.  Ele entrou bem e dois minutos depois cobrou escanteio no primeiro pau.  Robert se antecipou à zaga e cabeceou forte. O zagueiro e o goleiro bambi se atrapalharam lá com os saltos das chuteiras e nem viram a bola entrar!! Rogério ficou procurando… hahaha Tava liquidada a fatura!! Robert decidiu a partida!!! Eu ainda achei que ele sofreu penalti ao ser puxado na área. Claro que não acho as imagens para confirmar… Elas sempre somem. E aos, 30′, a torcida gritava olé!! Cleiton, quase marca um golaço, numa jogada maravilhosa em que ele acabou chutando em cima do goleiro. Antonio Carlos fez mais duas mudanças, colocando Sacconi no lugar de Robert, e depois Edinho, no de Cleiton,  e o jogo terminou assim.

O comandante do time leonor, que havia pedido uma goleada (quanta pretensão!) aos seus comandados, acho que não administrou bem a derrota e o melhor futebol do Verdão. Nervosíssimo nas entrevistas, ao final da partida, sentiu-se mal e teve que  seguir direto para o hospital, por ter tido um princípio de AVC. Dizem os torcedores que foi um “Acidente Verde Cerebral”…  

O Palmeiras levantou, sacudiu a poeira e deu a volta por cima! A paz voltou ao Palestra, Antonio Carlos, emocionado, teve seu nome gritado pelos torcedores, Cipullo “consertou” a máquina de fax, e Ewerthon foi finalmente confirmado, o torcedor saiu feliz, esperançoso e cantando, enquanto o placar,  todo orgulhoso, marcava 2 x 0!

Placar1

Não há mais nada a dizer… Ou melhor, há sim!!! TCHUUUUUUPA, BVAMBVIS!!! (como diria Valdivia) UHAUHAUHAUAHUAHAU  

A quinta feira foi conturbada… Mas depois de um dia de reclamações ferozes de nossa parte, de uma insegurança tremenda, a gente foi dormir e acordou com uma certeza: aconteça o que acontecer, jamais daremos as costas ao Palmeiras. Não tem como não apoiar, não tem como não torcer…

Eu fiquei bastante decepcionada e acredito que algumas pessoas lá no Palestra merecem as críticas que a gora recebem. Mas não tenho raiva de Belluzzo, por exemplo. Fiquei triste dele ter que ir contra o que dizia pensar, logo após a derrota para o São Caetano. Triste, por imaginar que ele se viu “obrigado”, pelas circunstâncias, a dispensar Muricy e, manter o agora odiado por grande parte da torcida, Cipullo. Desapontada, por achar que ele era uma fortaleza, e agora se mostrar vulnerável. Mas compreendo que a sombrade Mustafá não permite certas rupturas na situação.

Eu também não queria o Antonio Carlos como novo comandante, por achar que ele ainda não é “o” técnico. Mas ele veio. Já vestiu a camisa e, até que prove não ser capaz, vai ter o meu apoio, sim! Já disse mais de uma vez que não gosto de ficar ‘de mal’ com o Palmeiras. E não vou ficar! Já apoiei Viola em outros tempos  e, depois disso, estou pronta para o que der e vier. Só espero que todas essas mudanças não sejam apenas pelo vil motivo de $$$empre… Porque é o que está parecendo… Marquinhos que já estava praticamente descartado e, por isso, bem desvalorizado, para prejuízo da Traffic, de uma hora prá outra, foi relacionado. Será que Antonio Carlos, no primeiro treino, já percebeu que ele “bate um bolão”? Será que ele mostrou em um treino o que não mostrou em um ano e muitas oportunidades em campo?? É ruim, hein? Se a gente for voltar aos tempos em que Luxemburgo enchia o time de tudo quanto é tranqueira que encontrava por aí, então vou entender quais foram os fatores extra campo (como afirmou nosso presidente) que fizeram com que o novo técnico fosse contratado. E vou ficar muito decepcionada com a nossa diretoria. Principalmente com Belluzzo. E quero ver também como vai se portar o time que me pareceu ter ‘fritado’ Muricy.

Mas agora, a página já virou e não adianta a gente reclamar. O técnico do Palmeiras é Antonio Carlos, aquele craque que por aqui passou e nos ajudou a ganhar muitos títulos. E chega desse papo de racismo, né! É verdade que Antonio Carlos, uma certa vez, teve uma atitude condenável. Mas que atire a primeira pedra aquele que não fere, ou nunca feriu,  nenhum semelhante com algum tipo de preconceito. Logo nós, que usamos e abusamos da homofobia contra o jogador Richarlyson? Se temos telhado de vidro, não dá para atirar pedras no telhado do vizinho. Aposto que se fosse um fabuloso craque contratado, ninguém reclamaria dele ser, ou não, racista.   E, ainda que eu seja contra o racismo, isso é uma questão de princípios, de valor moral, e se os de algumas pessoas são tão mais elevados que os dele, o mínimo que se espera é um pouco de complacência com aquele que ainda não conseguiu evoluir nesse aspecto.

Eu quero que Antonio Carlos faça um bom trabalho, com dedicação, competência e lealdade ao Verdão e, se possível, nos dê títulos. Os princípios dele, desde que não interfiram no trabalho aqui no Palmeiras, só a ele interessam. E é engraçado ver alguns torcedores, que chamaram Vagner Love de ‘preto safado’, “macaco”, agora se voltarem contra o racismo de Antonio Carlos. Hipocrisia pura!

Amanhã tem clássico contra os bambis e não somos os favoritos, muito pelo contrário. E é bem capaz de, por isso mesmo, o Palmeiras sair com a vitória. O time vai à campo diferente, sem os três volantes costumeiros, segundo declarações do novo técnico. Vamos ver qual Palmeiras entrará em campo diante dos leonores e como esse time vai se portar.

Meu ingresso está na mão. Ainda estou bem triste, meio sem chão e muito insegura, é verdade. Mas é hora do Palmeiras levantar, chacoalhar a poeira e dar a volta por cima. E, mesmo baqueada, ele pode contar comigo!!!

O PALMEIRAS, VAI JOGAR, EU VOOOOOOU!!!