QUANDO O FAX É BOM, É HISTÓRIA O QUE ELE TRANSMITE… E SEM APITO #QuemTemMaisTem9

Falar em ‘fáquis’ é o consolo dos incompetentes – Victor Hugo

………

Fogão de lenha, fogão a gás, fogão elétrico… fogão
Telefone fixo, telefone sem fio, celular… telefone
Zezinho, Zezão, Seu Zé, Vô Zé… José
Taça Jules Rimet, Copa do Mundo da FIFA… Copa do Mundo
Taça Brasil,Torneio Roberto Gomes Pedrosa, Robertão, Taça de Prata, Campeonato Nacional de Clubes, Copa Brasil, Taça de Ouro, Copa União, Campeonato Brasileiro, Copa João Havelange,  Campeonato Brasileiro Série A… campeonato brasileiro

 ………………………………………

Eu sei que o Palmeiras deve provocar artrose em muitos cotovelos, sei que deve ser difícil querer ultrapassá-lo em algumas coisas – fazer um monte de trapaças pra isso, comprar títulos, ser basicamente sustentado por cotas de emissoras de TV, por dinheiro público, pelo apito, ter o lobby de toda a imprensa –  e não conseguir…

Também sei que deve ser desconfortável para alguns admitirem que houve um período áureo no futebol brasileiro  – período de craques maravilhosos, de lendas como Ademir da Guia, Djalma Santos, Julinho Botelho, César, Valdir de Morais, Dudu, César Maluco, Leão, Eurico, Gerson, Tostão, Garrincha, Gilmar, Nilton Santos, Manga, Coutinho, Carlos Alberto Torres, Jairzinho, De Sordi, Rivellino, Dorval, Pepe, Pelé… – e que seus times nada conquistaram nos campeonatos disputados nesse período; alguns, não conseguiram nem mesmo um campeonato estadual que os classificasse à disputa maior – e ser campeão paulista nesse período, por exemplo, não era pra qualquer um. Pra esses, é mais fácil acreditar que não havia futebol nessa época,  que não havia campeonatos em que se confrontavam os grandes times e craques do país (em quatro copas disputadas nesse período – 12 anos – em que o futebol “não existia”, o Brasil, graças aos craques maravilhosos que brilharam nos campeonatos que “não existiram”, ganhou três delas)… para esses, é mais fácil querer apagar as conquistas de outros clubes.

O Palmeiras foi considerado o Campeão do Século XX por conta de tudo o que fez/conquistou/representou para o futebol brasileiro nesse século (e até que se chegue em 2100, e apareça o “campeão do século XXI”, o Palmeiras continuará a ser o único clube brasileiro a ostentar esse título), é eneacampeão brasileiro, é o maior campeão nacional (13 conquistas); é o clube com a história mais bonita…

O Palmeiras foi o primeiro campeão mundial de clubes – parou, emocionou, arrebatou e encheu de orgulho um país inteiro com essa conquista. Um milhão de pessoas foram às ruas para festejá-lo. Criaram até uma cachaça – bem famosa hoje em dia – em homenagem à essa conquista…

………………………………

……….

O Verdão foi o primeiro, dentre todos os times do futebol brasileiro, a ter um treinador de goleiros;  é o clube que teve o maior número de craques e ídolos; teve duas “Academias” (times maravilhosos e, por isso, chamados assim); foi o clube que, do goleiro ao ponta esquerda, e incluindo o técnico, representou a seleção brasileira, com muita categoria, vencendo a temida seleção uruguaia por 3 x 0 na inauguração do Mineirão…

O Palmeiras atual tem a melhor arena multiuso do país, uma das melhores do mundo – sem dinheiro público -, e muito bem localizada em São Paulo; é um clube que se reestruturou nos últimos 4 anos, tem as suas receitas bastante equilibradas, sem ser sustentado/ser dependente de apenas uma delas, de cotas de TV, ou do dinheiro público de bancos estatais, como acontece com alguns; é o clube que conseguiu um ótimo contrato de patrocínio máster; os naming rights de sua arena foram vendidos rapidamente e sem dificuldade alguma por centenas de milhões, e para uma grande empresa estrangeira; o clube paga salários em dia (tem clube por aí que deve até as marmitas); tem uma Academia de Futebol maravilhosa, tem um Centro de Excelência de primeiro mundo – nenhum outro clube no país possui um igual… e tem uma torcida linda, apaixonadíssima por ele, que enche o Allianz Parque e faz com que o Avanti seja um dos melhores programas de Sócio-Torcedor do país… que faz com que a receita com bilheteria seja maior até mesmo do que o alto investimento do patrocínio máster…

É até compreensível – mas não é honesto – que tentem diminuí-lo. No entanto, torcedores rivais – os da imprensa, inclusive – parecem se sentir melhor agindo assim.

E inventam qualquer coisa,  noticiam qualquer coisa… mentiras e mais mentiras na tentativa de diminuir o gigante verde, na tentativa de desmerecer as suas conquistas. Mentiras, que não convencem nem mesmo aos mentirosos que as propagam. E, se aproveitando dos muitos nomes que o campeonato brasileiro já teve ao longo de sua história, e como se antes de 1971 (1990 para alguns) só disputássemos torneios estaduais no país,  surgiu o “Ainnn, os títulos nacionais do Palmeiras são títulos de fáquis”

Mas que fax ‘mizeravi’ de bom esse, não? rsrsrs.

As taças de quatro campeonatos do Palmeiras (e inúmeras outras, de outros clubes campeões), as medalhas e faixas de campeão, as centenas de partidas que foram disputadas,  as vitórias sobre os times rivais (que também participaram de alguns desses campeonatos, mas não tiveram competência para conquistá-los)… as rendas, o público das partidas, as notícias dos jornais da época, as fotos… os craques todos, Ademir da Guia, César, Djalma Santos, Julinho Botelho, Valdir de Moraes, a Primeira Academia, Pelé, Gerson, Jairzinho, Garrincha, Tostão, Félix, Rivellino, Carlos Alberto Torres, Cafuringa, Raul, Dirceu Lopes… os seus dribles, as jogadas maravilhosas, as grandes defesas, os gols inesquecíveis, as comemorações, os gritos e aplausos das torcidas, as suas lágrimas de alegria… tudo isso veio no fax – até mesmo o milésimo gol de Pelé… veja só! Passou tudo pelo fax. E, por sorte, ninguém se machucou, os troféus não se quebraram… Como diria Duduzinho: Ah, Grazadeus

E apesar da farta documentação disponível, alguns “jornaleiros” atuais – que há algum tempo nem pensavam em questionar essas conquistas, muito pelo contrário -, ainda teimam em negar as evidências, os fatos, as fotos, os troféus, os relatos, as imagens… teimam em negar o que a história do futebol brasileiro escreveu, colocando em dúvida ou tentando desmentir o que brilhantes jornalistas esportivos, alguns deles, lendas do jornalismo, escreveram na época dessas competições. Negam/ignoram Nelson Rodrigues, João Saldanha, Ney Bianchi (o único a ganhar três vezes o Prêmio Esso de Informação Esportiva), Armando Nogueira, Thomaz Mazzoni, Mauro Pinheiro… Os caça cliques de hoje, no seu jeitinho tão “goebbels” de ser, se esmeram em tentar apagar parte da história do futebol, parte da história de clubes e de ídolos inesquecíveis… Querem apagar até mesmo o trabalho de jornalistas notáveis, nos quais deveriam se espelhar pois teriam muito o que aprender…

E esquecem até mesmo o que noticiavam há não tanto tempo assim…

……………  

…………… 

……….
Vamos dar uma voltinha na história do futebol brasileiro…

……

Campeonato Brasileiro de 1960 – a Taça Brasil

Desde 1952, a Fifa havia autorizado a CBD a criar a Taça Brasil. Enrola aqui, espera ali, o tempo foi passando, foi passando… e a competição nacional ainda não havia sido criada (o calendário trienal – até 58 – já estava aprovado e não podia sofrer alterações por causa da Copa do Mundo de 1958). Mas a Conmebol, sem querer, acabou apressando os brasileiros… em 1959, ela criou a Taça Libertadores da América (que já teve seu nome mudado  e continua sendo a mesma competição, tá?). E se o Brasil não tivesse um campeonato nacional, não teria como mandar um representante para a competição da Conmebol (precisa desenhar?). E, então, em 1959 mesmo, a Taça Brasil – o campeonato nacional, que daria ao Brasil o representante único para a Libertadores – foi criada. O Bahia foi o campeão nesse ano, foi o primeiro campeão brasileiro. Você sabia disso?

Santos. Bahia. Decisão hoje à noite da Taça Brasil. Será conhecida no Maracanã a equipe campeã brasileira entre clubes’ (Capa de A Gazeta Esportiva de 29 de março de 1959).

 

…………………………..Resultado de imagem para Palmeiras campeão brasileiro de 1969

“O futebol do Norte do país voltou a brilhar. Depois da atuação da Seleção de Pernambuco no Campeonato Brasileiro, ficando em segundo lugar, foi a vez do E. C. Bahia vencer a Taça Brasil, o primeiro campeonato brasileiro de clubes(A Gazeta Esportiva, 30 de março de 1959)

Bahia, primeiro campeão do Brasil de todos os tempos, um título único e inédito de uma importância sem igual. Uma odisséia fantástica do Esporte Clube Bahia, quase desacreditado depois da derrota em Salvador, vitorioso e inconstante no Rio de Janeiro, no templo do futebol, o Maracanã, contra o maior time do mundo” (O Globo, matéria assinada por Ricardo Serran, 1º de abril de 1960)

………………..

A Taça Brasil foi a primeira competição nacional de clubes de futebol do Brasil a dar ao seu vencedor o título de  campeão brasileiro, e, como se pode observar pelas notícias, isso não apareceu depois não, já na época de sua disputa era assim, o vencedor da Taça Brasil era considerado o campeão brasileiro (ela foi criada no ano em que surgiu a ponte-aérea – não existiam voos como os que temos agora. Viajar pelo extenso território brasileiro, fazer um torneio em outros moldes, era bem mais complicado).

IMPRENSA –  A testemunha mais importante, que registrou todos os acontecimentos, do jeitinho que eles aconteceram (no entanto, atualmente, os que  entendem por jornalismo  “caçar cliques e polêmicas nas mídias sociais”, “se indispor com torcedores”, “fazer estatísticas inúteis”, “distorcer notícias”, “abusar de meias verdades”, querem desdizer o que foi dito, querem desfazer o que foi feito).

‘Taça Brasil na fase decisiva. Santos x Grêmio hoje na Vila. Chega, afinal, à sua fase de maior interesse, a Taça Brasil, destinada a apontar o campeão nacional interclubes. E o Santos, na qualidade de campeão paulista de 1958, terá a responsabilidade de enfrentar o Grêmio portoalegrense, que é tricampeão do Rio Grande do Sul’ (A Gazeta Esportiva, chamada de capa, 17 de novembro de 1959).

Bahia, depois de vencer o Vasco, terá de enfrentar amanhã o Santos. Em plena luta pelo Campeonato Paulista, do qual é líder absoluto, o Santos, amanhã, será obrigado a se empenhar em um compromisso diferente, este valendo pelo título de campeão do Brasil. Para esta noite, com início às 21 horas, está marcada a partida entre o Santos F. C. e o E. C. Bahia, iniciando a série final relativa à Taça Brasil. Trata-se de um choque dos mais sugestivos, desde que reunirá dois esquadrões em situação de singular prestígio’ (A Gazeta Esportiva, título de página, 8 de novembro de 1959).

……………………………..Resultado de imagem para Palmeiras campeão brasileiro de 1969 notícias dos jornais

‘Santos vence e é campeão. Em partida válida pela Taça Brasil, e na qual sete jogadores foram expulsos de campo, o Santos derrotou o Vasco da Gama por 1 a 0, ontem à noite, no Maracanã, sagrando-se pentacampeão brasileiro’ (O Estado de S. Paulo, 9 de dezembro de 1965).

Carnaval chega em Belo Horizonte com o Cruzeiro. Chegada do Cruzeiro foi festa até de manhã. Cidade em festa. Do alto dos edifícios a população mineira jogava confetes, serpentinas, papéis picados, jornais rasgados, além de agitar freneticamente os lenços brancos do sucesso. Gritos de `Viva o Cruzeiro´ ecoavam do alto dos prédios repletos de pessoas e totalmente acesos. Até nas repartições públicas, embora não tenha havido expediente, viam-se pessoas jogando papel picado. O povo comemorou com grande carnaval a chegada do campeão do Brasil, tributando-lhe a maior homenagem e toda a sua vida. Pode-se garantir que nenhum clube mineiro teve tão elevado acolhida como o Cruzeiro, ontem à noite, ao chegar de São Paulo, às 19h45m, em um Viscount, da Vasp. Foram precisos mais de 100 policiais para impedir a aproximação do público do avião’ (Jornal dos Sports, matéria de página inteira, 8 de dezembro de 1966).

… Neco – Um marcador implacável. Agüentou a carga física de Amauri no primeiro tempo e a vivacidade dispersiva de Dorval no segundo, saindo sempre do lance para jogar. É uma peça sóbria e eficiente do campeão brasileiro de clubes’ (Jornal dos Sports, 8 de dezembro de 1966).

Ainnn, mas não era campeão brasileiro… buááááá

E o campeonato nacional seguia moldes semelhantes aos da Taça da Europa, que só permitia a participação de campeões nacionais dos países europeus e do campeão de sua última edição. Era disputada pelo sistema eliminatório, com confrontos diretos de ida e volta que classificavam a equipe com melhor saldo de gols. O diferencial da Taça Brasil foi ter os campeões dos estados e um terceiro jogo, em caso de igualdade, após as partidas de ida e volta.

No ano seguinte, em 1960, foi jogada a segunda edição desse torneio com a participação de dezessete campeões estaduais do ano anterior que se enfrentaram em sistema eliminatório de ida e volta (o qualifying era ser campeão estadual, e ser campeão paulista naquela época, por exemplo, não era fácil não – se o seu time não foi campeão estadual nesse ano, é por esse motivo que ele não participou, e não porque o torneio não existiu, ou não valia).

………………………………………

Os times de SP e RJ, por serem mais fortes e terem o maior número de craques,  entravam nas semifinais do campeonato – assim como acontece atualmente no mundial da Fifa com o campeão da América e o campeão da Europa. O Palmeiras teve uma tarefa bastante difícil para conseguir participar da Taça Brasil. Disputou 41 jogos no campeonato paulista – 3 deles na dificílima final contra o Santos, de Pelé. Foi o campeão paulista, e, depois, sagrou-se campeão da Taça Brasil, enfrentando o Fluminense em uma das semifinais, ganhando o primeiro jogo e empatando no jogo da volta. Na final,  escalado com Valdir, Djalma Santos, Valdemar Carabina, Aldemar, Jorge, Zequinha, Chinesinho, Julinho Botelho, Romeiro, Humberto e Cruz, comandados por Osvaldo Brandão (saiu do fax o grande Brandão também), o Palmeiras enfrentou o Fortaleza e o venceu nos dois jogos – 3 x 1 na casa do adversário e 8 x 2 no Pacaembu – SEM APITO – faturando seu primeiro Campeonato Brasileiro da história.
……….

Ainnn, mas não tinha campeonato nacional nessa época… Ainnn, não era campeão brasileiro quem conquistava a Taça Brasil…

……..  

Não era por acaso que a bandeira do Brasil era a primeira a ser carregada na volta olímpica…

…………………………………….

…..

Palmeiras com muito orgulho Campeão do Brasil. A Taça Brasil de clubes campeões do Estado, disputada desde 1959, elegeu a Sociedade Esportiva Palmeiras, pela segunda vez, o quadro campeão brasileiro de futebol, título conquistado ontem diante do Náutico (texto de um poster publicado por A Gazeta Esportiva, 30 de dezembro de 1967). 

E tá pensando o quê? Mesmo naquela época o fax chegava longe…

………………………………………

O fax ‘mizerávi’, como você pode ver,  levou o “Palmeiras Campeão Brasileiro” até para a França…

………………………………………

Por essa, nem o Juquinha esperava… rsrsrs O ‘Jumento-Falante’ também não. Mas esse mal sabe ler mesmo…


….

1967 – Mas como pode ser campeão brasileiro duas vezes no mesmo ano?

Do mesmo jeito que se pode ter dois campeões mundiais de clubes no ano 2000… do mesmo jeito que, por vários anos, tivemos dois campeões paulistas no mesmo ano, dois campeões cariocas no mesmo ano… do mesmo jeito que, durante um bom tempo (e até 2013), foram dois campeões argentinos no mesmo ano (torneio Apertura e Torneio Clausura)…

Assim como a Fifa, por exemplo, teve dois campeonatos mundiais, de formatos diferentes, no ano 2000 –  o campeonato  intercontinental de clubes,  que já existia e era disputado todos os anos entre o campeão da América e o campeão da Europa, e o outro, criado em 2000 (a pedido da Hicks Muse e da Traffic, e sem jamais ter tido uma segunda edição), a CBD, com a criação do Torneio Roberto Gomes Pedrosa de 1967, teve dois campeonatos nacionais, de formatos diferentes, disputados no mesmo ano, e por dois anos seguidos: a Taça Brasil e o Robertão – o novo torneio.

Assim como a Fifa aproveitou algumas coisas daquele mundial de 2000 (mesmo reconhecendo que o torneio fora um erro – o campeão da América de 99 não participou da disputa, o campeão da Ásia de 99 também não, havia dois times do mesmo país, teve clube convidado, sem ter nenhuma conquista sul-americana, o campeão jogou todo o torneio em seu próprio país) e corrigiu o formato do campeonato que era disputado todos os anos, o melhorou, para o que viria a ser o formato do atual Mundial de Clubes da FIFA -, em 1967, a CBD, de João Havelange, criou um novo formato de disputa do Campeonato Brasileiro, o ‘Torneio Roberto Gomes Pedrosa’.

E, da mesma forma que a Fifa reconhece dois campeonatos e dois campeões mundiais de clubes em 2000 (se, por exemplo, o time do Parque São Jorge tivesse conseguido passar pelo Palmeiras na semifinal da Libertadores de 2000, e tivesse conquistado o torneio, teria tido chances de conquistar dois mundiais no mesmo ano),  a CBF reconhece como campeão brasileiro o vencedor do Torneio Roberto Gomes Pedrosa-1967 e o vencedor da Taça Brasil-1967 (a nona e a décima edição, respectivamente, do campeonato brasileiro). O Palmeiras, por acaso, por bom futebol e, diga-se de passagem, sem apito, venceu os dois.

Por duas temporadas, Taça Brasil e Robertão dividiram o calendário – a primeira foi extinta depois de 1968.  Além de o Robertão se mostrar mais interessante em seu formato, de chamar mais a atenção das torcidas e, consequentemente, atrair mais público, gerar mais rendas, a Taça Brasil de 68, após um impasse entre dois clubes participantes, foi terminar… em outubro de 1969. Por causa desse atraso, e porque o campeonato, devido à sua demora, não indicaria os representantes à Libertadores de 1969, Palmeiras e Santos acabariam abandonando a competição daquele ano.

A Taça Brasil foi extinta em 1968 porque o ampliado Roberto Gomes Pedrosa – o Robertão – jogado a partir de 1967, no início com 15 clubes, passou a concentrar as atenções das torcidas e a ocupar o calendário esportivo. No Campeonato Brasileiro – assim considerado a partir de 1967, com o Robertão, ou Taça de Prata – , estamos valorizando, além do título de campeão, os vice-campeonatos, coerentes com a posição de que deixar de ganhar um título não deve ser encarado necessariamente como uma tragédia’ (exclusivo. O 1º Ranking do Futebol Brasileiro. Ranking do Cinqüentenário. Matéria de capa, de 10 páginas, publicada na edição 658 da revista Placar, em 31 de dezembro de 1982 – por que será que a Revista Placar teve ‘amnésia’ anos depois quando fez um outro ranking, não?).

……

Campeonato Brasileiro de 1967 – Torneio Roberto Gomes Pedrosa

O Campeonato Brasileiro de Futebol de 1967, originalmente denominado Torneio Roberto Gomes Pedrosa (o mesmo nome – e só o nome – de um campeonato que já existia anteriormente e era disputado entre paulistas e cariocas), também conhecido por Robertão (passou a ser chamado Robertão quando o caráter da disputa passou a ser nacional), foi a nona edição do Campeonato Brasileiro e o primeiro Torneio Roberto Gomes Pedrosa a apontar um campeão brasileiro.

Esta edição contou com a participação de quinze clubes representando cinco Estados. Na fórmula da Taça Brasil, onde só os campeões dos estados podiam participar, muitos clubes de SP e do RJ ficavam de fora. Em São Paulo, por exemplo, durante o período em que a Taça Brasil fazia campeão brasileiro o seu vencedor, só deu Santos e Palmeiras como campeões paulistas. O Robertão, em seu formato, permitia a inclusão de outros clubes. E, assim, o estado de São Paulo foi representado por cinco equipes (Palmeiras, Portuguesa, Santos, São Paulo e Corinthians), o Rio de Janeiro (Guanabara) também foi representado por cinco equipes (Bangu, Botafogo, Flamengo, Fluminense e Vasco da Gama), o Rio Grande do Sul por duas (Grêmio e Internacional), assim como Minas Gerais (Atlético Mineiro e Cruzeiro) e o Paraná com uma (Ferroviário).

…………………………………

 

Os quinze participantes eram divididos em dois grupos (um com 7 equipes e outro com 8) e todos jogavam contra todos, em turno único. Depois, os dois mais bem colocados de cada grupo classificavam-se para a disputa de um quadrangular final.

Classificação – 1ª Fase ..

…………………………………..

…………………………………..

Foram finalistas dois clubes paulistas (Palmeiras e Corinthians) e dois gaúchos (Grêmio e Internacional).  O Palmeiras liderou o seu grupo obtendo sete vitórias, cinco empates e duas derrotas. Chegou às semifinais com o melhor ataque  da competição na primeira fase — 31 gols em catorze jogos.

Cada um dos quatro classificados jogou nas semifinais contra os outros três, em dois turnos, com inversão de mando de campo. Saldo de gols, goal average e sorteio eram os critérios de desempate. O clube com maior número de pontos nesta fase foi declarado campeão.

O Palmeiras conseguiu duas vitórias e três empates (Pal 2 x 1 Int / Cor 2 x 2 Pal / Gre 1 x 1 Pal / Pal 0 x 0 Int / Pal 1 x 0 Cor)…

E no dia 8 de Junho, de 1967, na última rodada da fase final, o Palmeiras enfrentou o Grêmio, no Pacaembu, precisando apenas de um empate para ser campeão – o Internacional, que vencera o Corinthians na véspera, por 3 x 0,  precisava de uma vitória do Grêmio para ficar com o título. E o Palmeiras venceu o Grêmio por 2 x 1 com dois gols (nos 30 primeiros minutos de jogo)  de César Maluco (o gol do Grêmio foi de Ari Ercílio), conquistando o bicampeonato brasileiro. César Maluco (Pal) e Ademar (Fla), foram os artilheiros da competição com 15 gols cada.

 

…………………………………..

 

…………………………………..

Reparou na classificação final? Percebeu como os times de um monte de gente, que diz que esses campeonatos são de fax, que diz que eles não eram competições nacionais, participou do torneio? Alguns times não terem tido competência para conquistá-los deve ser a causa da “amnésia”  atual dos seus torcedores, jornaleiros ou não… Ah, fax “mizeravi”.

O Robertão/1967 foi o segundo campeonato brasileiro conquistado pelo Palmeiras (sim, ele já ganhava títulos nacionais enquanto outros clubes, com mais tempo de fundação, ainda estavam engatinhando no futebol).

…………………………..  

 

João Havelange, ex-presidente da CBD, que criou a Taça Brasil, o Torneio Roberto Gomes Pedrosa e o Campeonato Nacional de Clubes (1971), declarou que “as competições representavam a sequência uma da outra” e que “a Taça Brasil e o Robertão foram criados para definir o campeão brasileiro”, e disse também que “o Campeonato Nacional de Clubes – que veio depois, em 1971representou o prosseguimento destas competições” (Blog do Odir Cunha). Também, segundo Odir Cunha (jornalista, historiador e escritor), o surgimento do Campeonato Nacional de Clubes, em 1971, não invalidou os títulos brasileiros anteriores. Tanto é, que por muitos anos, a Taça Brasil e o Torneio Roberto Gomes Pedrosa foram computados nos rankings de clubes que se fazia. João Havelange também declarou, em 2010, ser favorável à unificação dos títulos da Taça Brasil e do Torneio Roberto Gomes Pedrosa ao Campeonato Brasileiro.  Em um evento oficial do Santos, ele afirmou que “se os títulos existiram é porque as competições foram oficiais e,  se foram oficiais, devem ser respeitadas”.

…………

Campeonato Brasileiro de 1967 – Taça Brasil

Foi a décima edição do Campeonato Brasileiro de Futebol de 1967 (e tem time por aí que, nessa época, ainda não tinha conseguido ganhar unzinho sequer). Foi vencido pelo Palmeiras, que conquistava na oportunidade o seu terceiro título de campeão brasileiro.

Esta edição contou com a participação de vinte e um clubes que se enfrentaram em sistema eliminatório de ida e volta, os mata-matas. Devido ao fato de o Cruzeiro ter se classificado para a disputa desta edição por ser o  campeão brasileiro de 66 e, como a equipe também conquistou o Campeonato Mineiro do mesmo ano,  o Atlético Mineiro, vice-campeão mineiro, acabou ficando, então, com a vaga destinada ao clube campeão do Estado de Minas Gerais.

Como a força do futebol brasileiro era bem mais concentrada em alguns estados (mais do que é hoje). Algumas equipes, consideradas mais fortes, entraram diretamente nas fases mais importantes da competição, como foi o caso do Cruzeiro, que entrou diretamente na semifinal, por ter sido o campeão de 1966. O mesmo aconteceu com o Palmeiras, pois era o campeão paulista de 1966. O Grêmio, campeão gaúcho de 1966 , o Botafogo, campeão da Taça Guanabara de 1967, o Atlético-MG, e o vice-campeão Náutico foram se incorporando nas fases mais decisivas do certame.

Mas a coisa não foi fácil para o Palmeiras. Teve que enfrentar o Grêmio, que era pentacampeão gaúcho e tinha um time muito forte. O Palmeiras foi derrotado por 1 x 2 no sul. No jogo da volta, César Maluco e a parmerada toda incendiaram o Palmeiras na vitória por 3 x 1. No jogo de desempate, nova vitória do Palmeiras, por 2 x 1.

O Palmeiras sagrou-se campeão após vencer duas, das três partidas finais contra o Náutico. Venceu a primeira, em Recife, por 3 x 1, perdeu a segunda, em São Paulo, por 1 x 2, e, na partida de desempate (em caso de igualdade, tinha que jogar uma terceira partida sim), no Maracanã-RJ, o Palmeiras de Perez; Geraldo Scalera, Baldochi, Minuca e Ferrari; Zéquinha, Dudu, César e Ademir da Guia (ele não tinha jogado a partida em São Paulo); Tupãzinho e Lula, comandados por Mario Travaglini, (esse também saiu do fax) com arbitragem de Armando Marques (mais um que apareceu via fax) e com gols de César e Ademir da Guia (os reis do fax), o Palmeiras derrotou o Náutico por 2 x 0.

Classificação Final
  – Palmeiras.……………………11º – Leônico…………………..21º – Perdigão
2º  – Náutico………………………..12º – Rio Branco
3º  – Grêmio…………………………13º – CSA
  – Cruzeiro……………………….14º – Goiás
  – Atlético-MG………………….15º – Ferroviário
6º  – Botafogo………………………16º – América-SE
  – América-CE…………………..17º – ABC
  – Treze…………………………….18º – Piauí
  – Goytacaz……………………….19º – Moto Clube
10º – Paysandu……………………..20º – Rabello

O campeão e o vice foram os dois representantes brasileiros na Taça Libertadores de 1968.

……………

……………Imagem relacionada

________________________________________________________________________________________________________________

Campeonato Brasileiro de 1969

O Torneio Roberto Gomes Pedrosa de 1969, que desde 68 já era também chamado de Taça de Prata, manteve o número de 17 participantes do ano anterior. São Paulo e Rio de Janeiro eram representados por cinco equipes cada, Minas Gerais e Rio Grande do Sul por duas, Paraná, Bahia e Pernambuco com uma equipe cada. O torneio crescia… Os representantes da Bahia e de Pernambuco haviam sido incluídos em 1968, pela CBD, e o torneio passava a ser disputado por representantes de 7 estados. Com a extinção da Taça Brasil, ele passava a ser o único torneio a ter um campeão brasileiro e a mandar dois representantes (campeão e vice) à Libertadores no ano seguinte – por protesto da CBD, descontente com as mudanças das regras por parte da Conmebol, o Brasil não participaria da Libertadores de 1970.

O sistema de disputa foi mantido no brasileiro de 69. Na primeira fase, todas as equipes se enfrentaram em turno único. Os dois primeiros colocados de cada chave prosseguiram para a segunda fase e se enfrentaram em turno único também. O time que somou o maior número de pontos na segunda fase foi o campeão.

……………………………………

O Palmeiras liderou seu grupo com nove vitórias, um empate e seis derrotas. Corinthians e Cruzeiro (grupo A), Palmeiras e Botafogo (grupo B) foram para o quadrangular final.
…………………..

Na última rodada, em 07/12/1969, no Estádio do Morumbi, o Palmeiras enfrentaria o Botafogo precisando vencê-lo e torcendo para uma vitória do Cruzeiro sobre o Corinthians.  E a vitória esmeraldina precisaria ser por uma diferença maior de gols do que a que fosse conseguida pelo Cruzeiro.

O Palmeiras entrou em campo com Leão; Eurico, Baldocchi, Nélson e Zeca; Dudu e Ademir da Guia; Cardoso (Serginho), Jaime, César Maluco e Pio (Copeu), comandados por Rubens Minelli; o Botafogo veio a campo com Cao; Luís Carlos, Chiquinho, Moisés (Ademir) e Valtencir; Leônidas e Afonsinho; Jairzinho, Humberto, Ferretti e Torino (Zequinha). comandados por Zagallo.

Com dois gols de Ademir da Guia, o Divino (11′ e 44′) e César (27′), o Palmeiras já vencia o Botafogo por 3 x 0 ainda no primeiro tempo. O time carioca descontou na segunda etapa e o jogo terminou 3 x 1 para o Verdão. Com a vitória do Cruzeiro sobre o Corinthians, por 2 x 1, o Palmeiras ficou em primeiro no quadrangular decisivo e foi o campeão.

 

…………………………………..

Foi o quarto título brasileiro do Palmeiras, o tetracampeonato.

……………Resultado de imagem para Palmeiras campeão brasileiro de 1969

………………..Resultado de imagem para Palmeiras campeão brasileiro de 1969 notícias dos jornais

………………..Imagem relacionada

(Foi nesse campeonato que Tostão, num jogo contra o Corinthians, e depois de ser atingido por uma bolada no rosto,  teve um descolamento de retina. O problema foi tão sério, que ameaçou a carreira do craque do Cruzeiro e da Seleção Brasileira, e só depois de um ano, e de uma cirurgia nos Estados Unidos, ele voltou a campo – informações e acontecimentos todos via “fáquis”).

Então, né? Palmeiras tetracampeão em 1969… o seu time poderia ter sido campeão nessa época também, assim como foi o Bahia, o Cruzeiro, o Santos (cinco vezes), mas o seu time não conseguiu ganhar nenhum… e a culpa não é do ‘fax’, e nem dos que foram campeões, é da bola que seu time jogava, ou deixava de jogar…

 

Odir Cunha, “desenha” direitinho para os que têm os cotovelos mais comprometidos pela “artrose”…

Está na história, os torneios foram oficiais, foram criados pela CBD com a finalidade de apontar o campeão brasileiro, a CBF sabe disso, reconhece isso – e nem poderia ser diferente.

………

………………….

 

Não se pode apagar o que a história escreveu só porque alguns não conseguiram escrever nada…

O Palmeiras é o maior campeão do Brasil… e isso é fato. Aceitem alguns ou não.

passou pelo “fáquis” o que realmente aconteceu, por isso não passou nada de alguns times, a não ser as suas pálidas tentativas de conquistas nesse período áureo do futebol brasileiro…

Quando o fax é bom, é história o que ele transmite… e sem apito! 😉

QUEM TEM MAIS TEM 9!!  

  • Angela Bonora Gamez

    Maravilhoso texto, só para variar um pouquinho! belíssimo trabalho de pesquisa. Parabéns Tania, eu gosto muito de ler o que você escreve,

    • taniaclorofila

      Muito obrigada, Angela.
      Essas informações não podem se perder no tempo e nem nas distorções feitas por alguns “jornaleiros” atuais.
      É história, e ninguém vai poder mudar isso.

  • MAIOR DAS AMÉRICAS

    Espetacular, estou sem palavras para expressar a minha admiração por um trabalho tão bem elaborado, como é bom ouvir pessoas que pregam e defendem a justiça e a verdade, Tânia parabéns, agradeço a Deus por pessoas como você ainda existirem, e principalmente por terem a liberdade de se expressar publicamente, um grande abraço a todos e que tenhamos um 2018 melhor do que esperamos.

    • taniaclorofila

      Muito obrigada, MAIOR DAS AMÉRICAS.
      Feliz Natal! E que 2018 seja de muitas alegrias para nós, palmeirenses!

  • Você é foda Taninha! Maravilhoso o texto.

    • taniaclorofila

      Obrigada, Mu!

  • Allan Leite

    Sensacional seu trabalho de pesquisa! Parabéns pelo texto!

    • taniaclorofila

      Obrigada, Allan.

  • Corneta 3VV

    Parabéns, Tânia. Um exemplo de relatório histórico este. Não precisamos mais gastar velas com defuntos ruins.

    • taniaclorofila

      Obrigada, Cunio!
      Tem muitos torcedores que desconhecem os fatos, não sabem como eram esses campeonatos, e os (maus) formadores de opinião que temos na press, ao invés de esclarecerem as pessoas, distorcem os acontecimentos, a verdade, da maneira que lhes é mais conveniente.
      Como você disse, chega de gastar vela com esses defuntos ruins.

  • fabriciobatera

    Sensacional texto e pesquisa, tudo provado por a + b. Chupa antis.

  • Marco

    Uma matéria que comprova a tese de que muitas vezes é preciso desenhar. Toda a imprensa sabe desses fatos, conhece os registros, mas por má vontade e má intenção os deturpa. O mesmo processo se dá em relação ao Mundial de 1951. O texto é um grande auxílio para uma parcela de palmeirenses, que muitas vezes não tem informações para responder sobre a sua história.

    • taniaclorofila

      Marco, só precisamos desenhar porque tem gente mal intencionada, se aproveitando do fato de trabalhar na imprensa esportiva, fazendo mentiras parecerem verdade. Como faz o Juquinha, como faz o Jumento-Falante (esse é um ignorante, não sabe ler, escrever e nem falar direito – que dirá pensar) e alguns picaretas mais.
      Mas a história é imutável… e quem escreveu páginas lindas na história do futebol brasileiro, escreveu… quem não teve competência para tal, fala em “fáquis”… rsrsrsr

  • Carolina Muller

    O que mais me decepciona é que a mídia esportiva sempre coloca austerísticos nas conquistas antes de 71 colocando os nomes oficiais, mas depois de 71 coloca o nome fantasia de “Campeonato Brasileiro”.

    Mas, caso eles não saibam, o “Campeonato Brasileiro” somente começou em 1989. Antes de 89 teve diversos nomes, diversas fórmulas de disputa, algumas competições com um nível fraquíssimo e nenhum desses títulos nunca foi contestado.

    • taniaclorofila

      Exatamente.
      Bem assim, Carolina.
      Nem o Torneio João Havelange, deixou de rebaixar muita gente, o Lava Jato, inclusive, é contestado. Mas isso se dá porque a imprensa esportiva tem um nível bem ruim, de “jornaleiros” torcedores, gritadores em seus programas… que têm por objetivo distorcer notícias, fatos, para colocar luzes em seus clubes de coração e apagar as luzes dos clubes rivais aos seus… e caçar cliques também, lógico.
      De jornalismo mesmo, não se vê quase nada mais.