É MUITA FATALIDADE PARA SER SÓ FATALIDADE…

Na partida diante do Linense, não conseguimos ser 100% felizes, mesmo com a goleada e o belo futebol do Palmeiras. Eu diria que foi uma felicidade bem triste…  Numa entrada dura do jogador Zé Antonio, do Linense, Moisés sofreu um entorse no joelho,  saiu chorando muito na maca (o que nos fazia saber que era sério pra caramba) e a possibilidade de perdermos um jogador fundamental para o time por quase todo o resto da temporada nos deixou arrasados (botinadas já nos tiraram Tche Tche também, extramegasuperhiper fundamental ao time, nos tiraram Fabiano)…

Como não foi o Felipe Melo que torceu o joelho de ninguém, a imprensinha correu livrar a cara do jogador do Linense, correu vesti-lo com as roupas de “coitadinho” – se fosse o Felipe Melo mandando algum adversário para o hospital, certamente ele seria crucificado e execrado pelos mesmos que agora vitimizam o Zé Antonio. Um escrotíssimo “jornaleiro” da Fox teve a pachorra de dizer que Moisés tinha que pedir desculpas ao Zé Antonio por tê-lo chamado de ‘agressor’. Entorse e cirurgia no joelho dos outros é refresco, não é mesmo escrotíssimo ‘jornaleiro’?

Acho que todo jogador (seja ele quem for, e do clube que for) que atinge um adversário, na maldade, e o deixa sem poder exercer a profissão por meses, deveria ser punido/multado. Deveria ter que pagar a cirurgia/tratamento do atleta que ele quebrou/lesionou, e também os salários dele, até ele poder voltar ao trabalho. Ou, então, ser punido com um gancho que dure o mesmo período em que o outro ficará afastado dos gramados.

Ok, talvez o Zé Antonio não tenha tido a intenção de estourar o joelho do Moisés e mandá-lo para o hospital (mas não ponho a minha mão no fogo por essa falta de intenção de estourar o palmeirense), mas, o jogador que dá uma entrada dura, maldosa, uma joelhada, de lado. no joelho da perna de apoio de um adversário que está tentando chutar uma bola com a outra perna, só pode estar querendo pará-lo na marra, tirá-lo de combate, mesmo machucando-o, não é? Porque é óbvio que o joelho vai torcer e é óbvio que quem comete a falta sabe que vai machucar.

E, no ‘sem querer querendo’, o cara é serial rompedor de ligamentos alheios…

Campeonato Paulista 2016 – Palmeiras x Linense… Em lance com Zé Antonio, Moisés sofre fratura e tem lesão de ligamento do pé.  Foi tão “simples” a coisa, que ele precisou colocar pinos no pé.

Em Dezembro/2016, após a conquista do eneacampeonato brasileiro, Moisés se submeteu a outra cirurgia, agora mais simples, para a retirada dos pinos. Ele queria estar bem, estar zerado, para a nova temporada…

E então, com um ano de diferença, de novo no mês de Fevereiro, de novo num Paulistão, de novo contra o Linense e de novo numa falta maldosa de Zé Antonio…  Moisés teve um entorse no joelho e foi parar no hospital…

Assista ao vídeo abaixo e repare, Zé Antonio não toca na bola, ele aparece com tudo (atrasado) e vai no corpo do Moisés… ele não está dando a passada pra ir atrás da bola, a perna de trás já arrasta o pé, no movimento de quem vai usar o joelho, com o qual ele acertou o joelho de Moisés…

Veja esse outro vídeo com imagens da Band… Repare uma outra coisa,  Zé Antonio acaba de acertar Moisés,  que está desesperado no chão, pedindo substituição, morrendo de dor… É a segunda vez que Zé Antonio lesiona o Moisés “sem querer”… Deve ser horrível machucar alguém sem querer, imagino que a primeira coisa que a gente faça numa situação assim é ir ver o que aconteceu, ver se machucou pra valer, e pedir desculpas… mas  ele não tá nem aí pro Moisés, não se importa nem um pouco com o companheiro de profissão que ele acabou de lesionar “sem querer” e que está no chão se torcendo todo de dor… muito significativo isso, não é mesmo? Me engana que eu gosto, viu Zé Antonio?

 

E enquanto o Moisés ia para o hospital, para mais uma cirurgia, para mais seis meses, no mínimo, sem poder jogar, uma outra vítima, um terceiro caso, de  alguém que também teve os ligamentos do joelho lesionados pelo Zé Antonio, há alguns anos, e que também precisou se submeter à uma cirurgia, se fazia lembrar…


É muita fatalidade pra ser só fatalidade…