A temporada vai começar, e o Palmeiras vai dar trabalho

Teve amistoso de luxo no Allianz nesse domingo (eu fui, claro, e mais de 15 mil parmeras também)… Palmeiras e Ponte Preta  – o arrumadinho ex-time do nosso técnico Eduardo Baptista –  empataram em 1 x 1. Talvez, por que fosse o Eduardo Baptista lá no banco… talvez, porque o Palmeiras seja o atual campeão brasileiro… talvez, porque as contratações palestrinas foram melhores do que as dos outros clubes e  o Palmeiras seja o adversário a ser batido… talvez,  porque não avisaram à Ponte sobre o jogo ser um amistoso… Ou então, quem sabe, por tudo isso junto e misturado é que a Ponte tenha sentado a botina nos jogadores do Palmeiras. O dono da casa em ritmo de amistoso, de treinador observando jogadores,  e o convidado baixando o sarrafo.

Mas se o Palmeiras queria “ensaiar” para a estreia, não poderia ter feito jogo melhor. Apanhou um bocado,  com a conivência do árbitro – ele também não devia saber que era amistoso, e meteu a mão no Palmeiras. Por essas coisas, o “ensaio” acabou sendo igualzinho ao que acontece sempre que o Palmeiras disputa uma partida de campeonato.

Gostei do “ensaio” do ‘Parmera’ (tem torcedor tão aloprado, que esquece que era um treino de luxo, para o técnico observar jogadores). O time do primeiro tempo me agradou bastante, foi veloz, ofensivo, criou muitas chances de gol, fez jogadas bonitas, meteu bolas na trave…

Raphael Veiga é bom jogador, Willian Bigode também. E “mi” gostei bastante do Felipe Melo “Pitbull”; ele foi bem no jogo, e apanhou bem também.  Tive a impressão que os jogadores da Ponte o provocavam, faziam as faltas querendo que ele revidasse (imagina se isso não estará na “prancheta” da maioria dos técnicos, senão todos, dos times que o Palmeiras enfrentará?), mas o jogador palmeirense foi bastante inteligente. Tche Tche contaria depois, na coletiva, que o Pitbull dizia: “Podem subir para o ataque, que eu  estou aqui atrás” . E o Tche Tche que sempre joga bem, jogou muito ontem (todos os seis), e parecia mais solto mesmo.

O time do segundo tempo não foi lá grande coisa, não funcionou tão bem quanto o do primeiro, mas isso não significa que jogadores que entraram depois não possam jogar com o primeiro time e render bem. Teremos muitas opções, graças a Deus. Barrios, que jogou na segunda etapa, marcou um belo gol de cabeça e, no finalzinho, a Ponte empatou cobrando pênalti. A Ponte não é nenhuma Brastemp, mas tem o time arrumadinho e foi um bom teste para o Verdão.

2017 parece bastante auspicioso…  E ainda tem um monte de gente para entrar no time… Segure-se nas cadeiras, amigo palestrino, a temporada vai começar… e o Palmeiras vai dar trabalho!