TÁ CHEGANDO A HORA, PALMEIRAS… VAMOS BUSCAR O ENEA!

Dia de jogo do Palmeiras no Allianz Parque…  Palmeiras x Botafogo, 36ª rodada de um campeonato que já dura 22 anos…

Os palmeirenses, ansiosos, ávidos, famintos – e nem poderia ser diferente -, esgotaram todos os ingressos no dia seguinte ao início das vendas. Os palmeirenses, do time que lidera o campeonato há 27 rodadas, já guardam o mesmo segredo no coração, mas, apenas por uma certa prudência, ainda não ousam expressá-lo.

Saí de casa e fui observando  as muitas camisas do Palmeiras que encontrava pelo caminho; assim como os seus donos, as camisas pareciam sorrir orgulhosas umas para as outras… e todos esses parmeras tinham aquele olhar de quem se prepara para uma grande festa…

Quantos caminhos percorremos até aqui… Meu Deus! Só nós sabemos. Parece mentira que a hora é agora, mas é verdade, a hora é agora. E que momento maravilhoso é esse.

Na minha cabeça, há muito tempo, o jogo decisivo seria o de hoje… Ao contrário do que a mídia escrota tenta fazer parecer, não dependemos de um único resultado dos adversários. O Palmeiras, desde a 9ª rodada, depende só dele, e basta que ele vença os seus jogos, que administre a vantagem que tem, que pouco nos importarão os resultados dos outros times. Eles podem ganhar todas as partidas, até as do campeonato de Júpiter, que nada mudará. Queremos que eles percam pontos, claro, mas é apenas para ficarmos mais confortáveis.

Encontrei os amigos nos arredores do Allianz para nos prepararmos para o jogo. E quanta alegria! Eu tive a sorte de ver o Palmeiras ser campeão brasileiro em 93,  94…  fui aos jogos, ao Palestra depois do título, fui na Paulista, vivi tudo aquilo, mas a maioria dos amigos que estavam comigo a caminho do Allianz eram crianças na época, e apenas lembram um pouco do que foram as nossas conquistas no campeonato brasileiro. E, hoje, enquanto nos preparávamos para essa “final”, eu os observava… eram todos crianças de novo, felizes, brincando com as tintas com que pintavam os cabelos (também pintei os meus), os rostos, as barbas… vivendo a magia de um campeonato maravilhoso do Palmeiras…

Entramos num Allianz  ainda meio deserto…  e os pontos vazios nas cadeiras, como se fossem lâmpadas se acendendo, iam sendo coloridos por muito verde e branco,  azul, amarelo… Os camarotes estavam acesos… O mascote periquito apareceu; Gobatto, nosso porco mascote, também… o barulho aumentava em nossa casa…

Jailsão da Massa entrou em campo para se aquecer… aplausos, assobios, gritos pro nosso goleiro (que bom que Deus nos mandou você, Jaílson). O time também veio se aquecer… Dudu, G.Jesus, Moisés, Mito, Zé Roberto,  Tche Tche, Mina, Jean, Guedes, CX… e mais aplausos da torcida. O Caldeirão do Porco começava a entrar em ebulição…

Os minutos se passaram, a ansiedade era névoa densa no Allianz, e chegou a hora do jogo. Nosso time em campo… a torcida pronta, com periquitos no estômago (palmeirenses não têm borboletas no estômago), nosso hino sendo cantado… “Palmeiras, meu Palmeiras, meu Palmeiras”, o Palmeiras que é só nosso. Haja emoção… Parece meio clichê repetir que o torcedor sente orgulho do seu time, do seu hino… mas é de verdade, que orgulho imenso sentimos do Palmeiras.  E como explicar o amor que trazemos dentro do peito, e que escapa por todos os poros? Joelmir tinha  razão, ninguém além de nós mesmos pode entender.

Exceto pela saída de Mina, que sentiu dores musculares antes dos primeiros quinze minutos de jogo, e parecia chorar no banco de reservas (meu coração rachou), o primeiro tempo tinha a cara que a gente queria, era tudo o que esperávamos: o Palmeiras no ataque – segundo as estatísticas, o Verdão teve 71% de posse de bola no primeiro tempo. O Botafogo se defendia e esperava apenas pelas oportunidades de contra atacar.

Cabeçada de Moisés… quase!

A torcida se agitou, e o telão confirmou… tinha gol do Cruzeiro em cima das sardinhas! O Caldeirão do Porco fervia…

Era como um filme se desenrolando à minha frente… Dudu jogando com Moisés, que chamou Guedes, que mandou de cabeça pra Jesus, na área, na cara do gol… a bola bateu na perna do nosso menino e foi pra fora… Uhhhhhhhhhh! Cuca, com sua calça “Restart”, lamentava a oportunidade perdida… e haja unha pra ele roer… Meu coração fazia um barulho imenso…

Moisés chapelou o botafoguense (e que chapéu!), avançou e tocou pro Dudu; nosso soldadinho de chumbo cortou para o meio, e chutou pro gol, Sidão se esticou todo e caiu no canto para espalmar.

Dudu recebeu desceu em velocidade pela esquerda e tocou lá pro meio, Moisés apareceu e, de primeira, mandou um balaço pro gol, mas a bola foi pra fora. Que chute do Moisés!

E o grito de gol arranhava a nossa garganta, louquinho para sair… Mas o que gritávamos mesmo eram  broncas no juiz, que deixava de amarelar jogadores, deixava de marcar faltas na área…

A torcida do Palmeiras incendiava o Allianz e cantava sem parar.  Só dava Verdão! Mas, embora o Botafogo não levasse perigo, o jogo era bastante pegado, disputado, brigado… os jogadores se estranhavam o tempo todo.

Dudu deixava a defesa do Botafogo perdida, e sofria muitas faltas. Gabriel Jesus também, e pra variar, levava muitas botinadas. Moisés estava jogando muito (que contratação mais certeira), Tche Tche, como sempre, estava com seus clones todos em campo (parece que temos meias dúzia de “Tche Tches”), Zé Roberto – nossa “revelação” -, imprescindível. Já o Botafogo, atazanado pelos jogadores de verde, pela velocidade e dribles de Dudu, Moisés, Guedes, Jesus… e aproveitando que fazia sol, batia até na sombra dos parmeras, com as bençãos do juiz. Um absurdo.

Teve muitos “erros de arbitragem” no primeiro tempo (não poderia deixar de falar deles). Nós ficávamos divididos entre aquele frio na barriga a cada lance ofensivo do Verdão, a cada quase gol, e a raiva que sentíamos do juiz por ignorar algumas faltas importantes cometidas pelos cariocas.

Jesus levou uma cotovelada, e o juiz deu vantagem para o Palmeiras. Ok, está na regra. Mas não é porque deu vantagem que, depois, tem que deixar de punir o jogador que faz uma coisa assim…

palxbot-2016-faltadesleal-em-gjesus1

Repara, depois que Jesus está no chão, e a bola está bem à frente, o jogador adversário – a não ser que eu esteja louca – está pisando/tentando pisar no jogador do Palmeiras.

Mina é empurrado na área…  (no vídeo, que está na postagem, apesar de a TV não aproximar a imagem  – ela só faz isso quando a infração é do Palmeiras -, dá pra ver o empurrão)…

palxbot-2016-penalti-em-yerrimina

Falta – para amarelo  em Zé Roberto, mas, como 4 minutos antes dessa botinada,  Emerson Silva já havia levado cartão por uma falta desleal em Gabriel Jesus, o árbitro resolveu aliviar para o Botafoguense e não mostrar o segundo cartão. As arbitragens adoram “ajudar” o Palmeiras, não é mesmo?

palxbot2016-falta-em-zeroberto

Ataque do Verdão, Vítor Hugo – que é sempre um perigo na área inimiga – vai pra bola e é empurrado (está no vídeo também)…

palxbot-2016-vitorhugo-e-empurrado-na-area

Falta dura de Dudu cearense no Dudu do Palmeiras… Ele vai de sola na coxa de Dudu, e de braço aberto na cara dele… o homem de vermelho está pertinho do lance… e cadê a punição para o jogador?

palxbot-faltaduducearense-em-dudu

Ainda bem que dizem (aquele carioca flamenguista diz – e não prova) que Marco Polo Del Nero pressiona as arbitragens para não errarem contra o Palmeiras, né? Imagina como seria se fosse ao contrário?

A torcida incentivava o time, e o time ia pra cima do Botafogo. No entanto, mesmo com toda a disposição do Verdão em buscar o gol, fomos para o intervalo no 0 x 0.

Na segunda etapa, logo de cara, quase abrimos o placar. Jean fez a jogada pra Dudu, nosso baixinho mandou pro gol, o goleiro defendeu e CX, no rebote, mandou pra fora. Em Minas, o Cruzeiro sofria o empate…

O Botafogo tentou se acertar em campo,  e começou a fazer umas investidas mais perigosas, daquelas que a gente, só por causa da tensão, acaba achando ainda mais perigosas do que foram… Mas a defesa estava bem, Jailsão da Massa também. E o Palmeiras estava determinado a vencer…

Cuca sacou CX e colocou Alecsandro. O Botafogo continuava levando perigo ao nosso gol, o Palmeiras dava uma segurada no ímpeto inimigo,  se fechava e saía no contra ataque.

Tão logo ficamos sabendo que o Santos virara pra cima do Cruzeiro, Moisés mandou a bola pra frente, Alecsandro ajeitou pra Dudu, que desceu em velocidade e cruzou pra Gabriel Jesus que entrava do outro lado; Gabriel Jesus não conseguiu finalizar, correu atrás da bola, dominou, girou e cruzou na medida para Duduzinho, nosso pequeno gigante, subir e cabecear pro gol…

O Allianz explodiu no gol de Dudu!  o banco e o time do Palmeiras explodiram no gol de Dudu… O Palmeiras fazendo a sua parte para ser campeão… e a gente já não sabia mais o que fazer com aquele menino, de 22 anos, que estava louco pra participar da festa também… Emocionados, tremendo, tínhamos  que ralhar com ele: Espera um pouquinho “É campeão brasileiro”, logo você estará livre.

Não sei se era eu que não via mais o jogo direito, ou se era o Botafogo que sentiu o gol e murchou em campo (continuou batendo bastante), mas não sentia mais perigo, o Palmeiras estava seguro, o Palmeiras era o senhor da partida… a vitória seria nossa, sabíamos disso; nossos jogadores transbordavam garra e vontade em campo… Que interação deliciosa essa entre time e torcida… era como se um se alimentasse da energia do outro.

O Cruzeiro empatou em Minas… e a torcida aumentou o barulho e a festa…

O Allianz tremia e se tornava pequeno para tanta energia e vibração… “Dá-lhe, dá-lhe, dá-lhe, porco… seremos campeões, mais uma vez”…

O jogo se aproximava do seu final… Mais três minutos… E então, o apito final.

“Ai, ai, ai, ai… ai, ai, ai… está chegando a hora…”, a Que Canta e Vibra cantava e vibrava como nunca… ela já sabia, ela sempre soube…

Nosso jogadores, ajoelhados e abraçados no centro do campo, certamente faziam uma oração, agradeciam, renovavam a vontade de serem campeões brasileiros pelo Palmeiras…

Os torcedores se abraçavam, choravam, aplaudiam seus guerreiros… Falta um ponto… Nunca, nesses 22 anos, esteve tão perto… o segredo que guardamos no coração está prestes a ser revelado…

ESTÁ CHEGANDO A HORA, PALMEIRAS… A HORA DE SERMOS FELIZES…

FORZA, VERDÃO, E VAMOS BUSCAR O ENEA!!!

 

 

 

  • Wilian Domingues

    Que texto!!! Espetacular!!! O Enea vem domingo!!!