COM VOCÊ, PALMEIRAS… ATÉ O FINAL DA ÚLTIMA PARTIDA… DO ÚLTIMO CAMPEONATO

 

“Não desças os degraus do sonho
Para não despertar os monstros.
Não subas aos sótãos – onde
Os deuses, por trás das suas máscaras,
Ocultam o próprio enigma.
Não desças, não subas, fica…”  –

Mario Quintana

O Palmeiras dá uma tropeçada – quando podia tropeçar, quando tinha vantagem que lhe permitia perder -, e parte da torcida se ‘agarra à pedra’… abdica de raciocinar e, guiada  pelo medo e pelo não saber lidar com a frustração, caso ela aconteça, desce os degraus do sonho e vai despertar todos os monstros…

Que escarcéu! E quanta incoerência… Alguns torcedores – pra lá de pessimistas – vociferam contra alguns jogadores, se descabelam e fazem parecer que as posições na tabela foram invertidas, que é o Palmeiras quem está 5, 6 e 7 pontos atrás do líder, e não que o Palmeiras continua na liderança, com vantagem sobre os demais.

A 5 rodadas do final do campeonato, é melhor ter 5 pontos a mais do que o segundo colocado, ou ter 5 pontos a menos do que o primeiro? Será mesmo que preferiam que o Palmeiras ocupasse qualquer outra posição que não fosse a que ele ocupa agora?

E pensar que a derrota na Vila foi a única do time nos últimos 16 jogos. E ela aconteceu porque , visivelmente, entramos em campo para empatar. O resultado certamente teria sido outro se a nossa postura em campo fosse mais ofensiva, ambiciosa, e se errássemos menos passes também. Normalmente, jogar pra empatar não funciona, mas quase que deu certo essa falta de ambição do nosso time e do nosso técnico. O Santos não jogou nada, nós também não jogamos nada , não atacamos, só que resolvemos tomar um gol pra lá de besta e perdemos o jogo.

Parte da torcida do Palmeiras, ao mesmo tempo que gosta de bradar o “aqui é contra tudo e contra todos”, basta um insucesso, uma expectativa frustrada, já vem com a ladainha que “o Palmeiras gosta de se auto sabotar”, de que “ele adora perder pra ele mesmo”, que “ele sempre faz dessas” e que “é por isso que a torcida não confia”

Insucessos, títulos perdidos, fazem parte da história de qualquer time. Mas será que perdemos tantos ” títulos que estavam praticamente ganhos” assim? Será que o Palmeiras sempre faz dessas? Nos títulos que conquistamos, ‘passamos o carro’ em todo mundo mesmo, sem nenhuma escorregada?

Na maioria das vezes em que chegou, o Palmeiras se sagrou campeão e não o contrário como fazem parecer alguns. Não fosse assim, ele não seria o maior campeão do Brasil, o Campeão do Século.

Vejamos algumas das últimas conquistas mais ‘recentes’, aquelas das quais nos lembramos, as que acompanhamos, ou as que vimos nossos pais acompanharem e torcerem…

Campeonato Brasileiro de 1972  – PALMEIRAS CAMPEÃO

30 Jogos – 16V – 10E – 4D   ///  (52 gols marcados e 13 sofridos)
Média de gols marcados: 1,53/J – Média de gols sofridos: 0,63/J
Melhor série sem perder: 12 jogos  / Pior série sem vencer: 4 jogos

O time campeão do Palmeiras, da inesquecível e consagrada Academia, entre outros resultados, obteve uns placares que, hoje em dia, levariam o torcedor à loucura: 0 x 0 com o Nacional-AM,  2 x 2 com o ABC, 1 x 1 com o Sergipe; perdeu do Corinthians, do São Paulo, do Santos e do Coritiba. “Salto alto” seria a coisa mais amena que diriam após esses resultados.

Campeonato Brasileiro de 1973 – PALMEIRAS CAMPEÃO

40 Jogos – 25V – 12E – 3D  ///  (46 gols marcados e 19 sofridos)
Média de gols marcados: 1,3/J – Média de Gols sofridos 0,33/J
Melhor série sem perder: 22 jogos / Pior série sem vencer: 4 Jogos

O time campeão de 1973, a temida Academia, que parava até o Santos de Pelé, deu as suas escorregadas também. Perdeu do São Paulo, Guarani e Grêmio; empatou, sem gols, com o Sergipe; ganhou (só) por 1 x 0, em casa, do América-RN, da Ferroviária, em Araraquara, também. Circunstâncias de um campeonato, que nem de longe foram determinantes para o resultado final.

Campeonato Brasileiro de 1993 – PALMEIRAS CAMPEÃO

22 jogos – 16V – 4E – 2D  ///  (40 gols marcados e 17 sofridos)
Média de gols marcados: 1,82/J – Média de gols sofridos: 0,77/J
Melhor série sem perder: 9 jogos / Pior série sem vencer:  2 jogos
Marcou gols em 20 jogos e sofreu gols em 18.

O Palmeiras, que se classificou no Grupo B disputando 20 jogos  – os outros dois jogos foram as finais -, perdeu duas vezes para o Santos  (3 x 1, fora, e 0 x 1, em casa) e, das 14 vitórias obtidas no grupo, 7 delas tiveram placares com apenas um gol de diferença (4 jogos com placar de 2 x1,  2 jogos  com placar de 1 x 0 e 1 jogo com placar de 3 x 2).

O time do Palmeiras era sensacional, superior aos demais, de verdade – e isso não está em discussão aqui – , mas, ainda assim, teve várias vitórias com placares apertados. Hoje em dia, seria uma choradeira infinita pelos gols perdidos e muita crítica para quem, por acaso, tivesse desperdiçado algumas chances..

Campeonato Brasileiro de 1994 – PALMEIRAS CAMPEÃO

31 jogos – 20V – 6E – 5D  ///  (58 gols marcados e 30 sofridos)
Média de gols marcados: 1,87/J – Média de gols sofridos: 0,97/J
Melhor série sem perder: 14 jogos / Pior série sem vencer: 4 jogos
Marcou gols em 28 jogos e  sofreu gols em 22

E sim, o time maravilhoso do Palmeiras campeão de 1994, cheio de craques, também dava umas rateadas… perdia algumas partidas. Perdeu para o Paysandu, Portuguesa, Guarani, Flamengo, foi goleado pelo Fluminense… teve uma vitória bem magrinha (1 x 0) sobre o União São João…  Essas coisas fazem parte, mas… ah, se fosse agora…

Libertadores 1999 – PALMEIRAS CAMPEÃO

14 jogos – 7V – 2E – 5D  ///  24 gols marcados e 18 gols sofridos
Média de gols marcados: 1,71/J  –  Média de Gols Sofridos: 1,29/J
Melhor série sem perder: 4 Jogos  / Pior série sem vencer: 3 jogos

E todos sabemos que não foi fácil essa conquista. Todos sabemos que foi no talento dos jogadores, do técnico, mas foi também na raça, no peso da camisa;   foi com o coração e a alma, foi com o amor da torcida. Derrota fora, na semifinal, vitória em casa; derrota fora, na final,  vitória com a mesma vantagem em casa… e decidida nos pênaltis… sacramentada no erro de Zapata…  E os torcedores todos acreditando no time… torcendo, apoiando (rezando)… como deve fazer quem se diz torcedor.

Copa do Brasil de 1998 – PALMEIRAS CAMPEÃO

12 Jogos, 6V – 4E –  2D  ///  21 gols marcados e 9 gols sofridos
Média de gols marcados: 1,75/J – Média de Gols Sofridos: 0,67/J
Melhor série sem perder: 5 Jogos  / Pior  série sem vencer: 4 jogos

Só conseguimos uma única vitória fora de casa no campeonato – contra o Sport. Nas semifinais, e nas finais também, a coisa foi parelha, apertada. O que dizer daquele gol, tido como ‘espírita’ de Oséas, na segunda final (tínhamos perdido a primeira)? O que dizer daquela conquista sobre o forte time do Cruzeiro?

Copa do Brasil de 2012 – PALMEIRAS CAMPEÃO

11 Jogos – 8V – 3E – 0D  ///  23 gols marcados e 6 gols sofridos
Média de gols marcados: 2,09/J  – Média de Gols Sofridos: 0,55/J
11 jogos sem perder

E quem diria que o time, que uma parte tão grande da torcida achava fraco (alguns jogadores eram fracos mesmo), fosse se sagrar campeão, não é mesmo? Quem diria que o time que “está sempre se auto sabotando”, que “sempre faz isso”, o time “que é o culpado por não confiarmos nele”, fosse superar a falta de talento de alguns, fosse superar apendicite, sequestro, a falta de sua casa no campeonato, a bagunça administrativa dos seus dirigentes, o ambiente sempre conturbado, as fofocas, o fogo-amigo, fosse superar a desconfiança de tanta gente?

Quem diria que ele fosse ganhar do Grêmio lá no sul e, na partida da volta, fosse aguentar porrada, pisão, soco na cara, expulsão mandrake (Henrique levou um soco e foi expulso, lembra?) e, com um gol maravilhoso de Valdivia – tão perseguido por uma parte da torcida – saísse com a vaga para a final?

Quem diria que nas partidas finais o time seria prejudicado pela arbitragem de novo – pênalti não marcado sobre Valdivia, na primeira partida; pênalti não marcado sobre Henrique, no segundo jogo;  com a expulsão de Valdivia, em Barueri, por falta cometida no jogador que, segundos antes, o agredira com um chute e não recebera punição alguma – e, ainda assim fosse conquistar o título?

Quem diria que ele fosse sair de Curitiba campeão com um gol de Betinho? A estrela de campeão já estava até pintada na parede da sede da torcida adversária…

É esse mesmo o time que faz a gente desconfiar dele?

Copa do Brasil de 2015 – PALMEIRAS CAMPEÃO

13 Jogos, 8V – 3E – 2D  ///  25 gols marcados e 14 gols sofridos
Média de gols marcados: 1,92/J   Média de Gols Sofridos: 1,08/J
Melhor série sem perder: 9 Jogos

Essa foi ontem mesmo… todo mundo lembra… todo mundo sabia das dificuldades… todo mundo viu o Palmeiras empatar com o Sampaio Correa, empatar com o Asa – e ganhar dele fora só por 1 x 0…  Vimos o pênalti não marcado em Jesus, lá no sul,  os dois gols irregulares do Inter aqui… todo mundo viu o gol, legítimo, de Amaral, anulado no RJ, diante do Fluminense… todo mundo viu a imprensa fazendo o Santos campeão antes da hora, os deboches, o pênalti em Barrios, não marcado lá na Vila…

Todo mundo viu a força de se desejar algo ardentemente,  a capacidade de se superar, todo mundo viu o Prass fazer ainda mais do que o muito que ele já fazia no time… todo mundo viu a mágica de se acreditar… todo mundo viu o sonho se realizar na força de milhões, na garra e entrega de um time, no amor de uma torcida…

E é sério que tem gente fazendo o contrário agora? Que prefere atacar o Palmeiras, seus jogadores, justo quando faltam 5 partidas para acabar o campeonato e o Palmeiras fará três delas em casa? Justo quando o Palmeiras é líder, com vantagem de 5 pontos sobre o segundo colocado e 86% de chances matemáticas de conquistar o título? Quando mais duas vitórias praticamente lhe darão o título? É sério que tem palmeirense sem coragem de abrir o peito à possibilidade de ser feliz, só pelo medo de não dar certo? Que não vê que a nossa campanha atual em nada fica devendo às campanhas vitoriosas de outros tempos? É sério que existe torcedor que prefere se resguardar de um revés, que, matematicamente, tem 86% de chances de não acontecer? É sério que ainda não aprenderam a acreditar  no Palmeiras?

Que pena…

Ninguém pode saber como acabará o campeonato, ninguém pode bater o martelo sobre quem será o campeão. Todos podemos imaginar… E já dizia Shakespeare: “O horror visível tem menos poder sobre a alma do que o horror imaginado”.

Se é para imaginar, eu imagino o melhor, sempre… o corredor verde, luzes, fumaça, a Palestra Italia lotada de gente “verde”, o Allianz Parque explodindo de felicidade, os jogadores do Palmeiras se abraçando, comemorando… Cuca agradecendo à Nossa Senhora… os torcedores palmeirenses chorando de alegria… o enea conquistado…

A minha alma está com você, Palmeiras, e ela quase ouve os gritos de “é campeão” que estão guardados no meu coração… e a minha alma vai acreditar em você, Palmeiras, até o último minuto… até o juiz apitar o final da última partida… do último campeonato…

<3

  • Paulo Rogério Almeida

    Imagina se tivesse rede social na década de 90? Puts, coitados dos jogadores haha. Principalmente quando ainda amargávamos a fila. Ai depois, no mesmo ano, ainda tinha a fila de 20 anos sem levar o Brasileirão.
    Desses times ai o único que eu não confiava era o de 2012, aquele era horrendo, time ruim da p… só tinha 3 jogadores e 1 batedor de falta hehe. Mas ainda assim, ganhou merecidamente a Copa do Brasil. E fez uma brilhante partida no Sul, contra o Grêmio. A melhor e única boa partida (o resto foi tudo ataque pra cardíaco haha).

    O Brasileirão de 2016 eu vejo um time sólido, fez uma campanha surpreendente e não vacila tanto. Po, um turno inteiro quase e apenas uma derrota? Caraca, nem nos meus sonhos eu acreditava que chegaríamos na 33ª rodada com 5 pontos a frente do 2º colocado. Estamos 10 pontos do título, e essa conta pode diminuir nas rodadas seguintes, pois os outros não irão vencer seus 5 jogos. Falta pouco pro Ênea!

    • taniaclorofila

      Imagina se tivesse twitter em 93, quando perdemos a primeira partida do Paulistão e alguns torcedores foram jogar moedas nos jogadores, chamá-los de mercenários???
      Seria um tal de fora, Edmundo, firulinha… Essa defesa é pífia, onde já se viu tomar aquele gol… Estão doidinhos para serem negociados com time de fora… Time medíocre… Imagina as ofensas no perfil do Instagram dos jogadores???

      • Paulo Rogério Almeida

        Seria um caos. E iriam azucrinar depois, “venceu o Paulista, quero ver fazer o mesmo no Brasileiro que não levamos há 20 anos. Vai tremer.”
        Nesse dia eu disse que estávamos 10 pontos do título, agora a Matemática diz que estamos 7 pontos do título, mas a Matemática muda conforme a rodada, o Santos não vai vencer os 4 jogos, ou seja, podemos gritar “É Campeão” contra o Botafogo.

  • Arnaldo

    Totalmente de acordo em apoiar e eu também quero muito sentir-me Campeão Brasileiro de 2016.

    Em relação às conquistas, eu já era garoto em 1972 e talvez você se lembre, o Palmeiras só foi para a final contra o Botafogo (RJ) porque mesmo ganhando do Coritiba no saudoso Palestra por 3×0, o Palmeiras precisava que o América (RJ) ganhasse do SPFW no Rio, … o que aconteceu com um gol aos 35 minutos do segundo tempo!! (lembra?)

    A questão é que além das conquistas que você corretamente resumiu, eu vivi e ainda sinto a eliminação para o Ituano na semi-final do Paulistão de 2014, a eliminação em casa contra o Goiás, na semi-final da Sul Americana de 2011, a absurda perda do Brasileirão de 2009, a perda incrível da MercoSul de 2000 para o Vasco, em casa, depois de ter ganhado o primeiro tempo por 3×0, a perda da MercoSul de 1999 para o Flamengo, em casa, com um empate de 3×3, a perda da Copa do Brasil de 1996 para o Cruzeiro (1×2), em casa, outros resultado ruins na fila do Paulistão como por exemplo a derrota para o XV de Jaú (2×3), em casa (1989), o empate com a Ferroviária em 1990 (0x0 no Pacaembu), a perda do Paulistão 1996 contra a Inter de Limeira…

    Sem dúvida, somos o clube mais vitorioso do Brasil, … porém a maioria dos insucessos recentes ainda me assusta. (e muito!)

    • taniaclorofila

      Todo mundo fala da “absurda” perda do Brasileiro em 2009…
      Será que foi absurda mesmo, ou fomos nós que não prestamos atenção às coisas? Nas últimas 20 rodadas desse campeonato – isso é mais do que a metade da competição -, o Palmeiras obteve 5 vitórias, 7 empates e 8 derrotas. De 60 pontos em disputa nessas partidas ele conquistou apenas 29… sem contar que a sua campanha toda foi mais ou menos irregular. Perdemos nas rodadas 29, 30, 31, 34 (essa, foi a da garfada do Simon), 36 e 38… Não tinha como ser campeão, né?
      Quanto à derrota para o Goiás, em casa, na Sulamericana, temos que reconhecer… não tínhamos um bom time. E as escolhas do nosso técnico eram sempre as mais incompreensíveis. Chamou o Patrik lá no banco e matou a gente de vez…
      A Copa do Brasil perdida para o Cruzeiro, se deu porque o Cruzeiro tinha um baita time tb, e essas coisas são normais no futebol. Tanto que, em 98, disputamos com eles de novo e levamos.
      Vacilada mesmo, pra mim, foi perder o Paulistão pra Inter de Limeira e a Mercosul para o Vasco, quando tínhamos 3 gols de vantagem e totais condições de vencer…
      Depois da fila do Paulistão, conquistamos 2 Brasileiros, 2 Torneios Rio São Paulo, 4 Paulistas, 1 Libertadores, 1 Copa dos Campeões, 1 Sul-americana Mercosul, 3 Copas do Brasil… Qualquer derrota que tenha acontecido durante a tal fila não conta mais, superamos isso de maneira brilhante.
      Mas é a tal história… títulos perdidos fazem parte do repertório de qualquer time e sempre vão fazer – até o Barça se estrepa de vez em quando. Agora, dizer que o Palmeiras “sempre faz assim” é bem diferente disso… e uma viagem e tanto do torcedor.

    • Paulo Rogério Almeida

      A semi da Sul-Americana pro Goiás foi em 2010. Em 2011 fomos eliminados pelo Vasco, depois de um roubo no RJ e vencermos de 3×1, com golaço do Jumar nos eliminando pelo critério de gol fora. Abraço.

  • Marco

    O blog OAV – Observatório Alviverde – publicou nesta semana um texto com a mesma linha de avaliação deste do Blog da Clorofila.
    Quem puder acesse e leia:
    http://observatorioalviverde.blogspot.com.br/2016/11/para-o-palmeirense-ler-e-refletir-e-nao.html

    ” PARA O PALMEIRENSE LER, REFLETIR E NÃO SE DEIXAR CONTAMINAR PELO PESSIMISMO E PELO DERROTISMO!! ”

    É o título do texto do OAV

  • Willames Rodrigues

    Perfeito o seu texto. Palmeirense é muito pessimista. Estamos a 3 Vitórias do título, temos 3 jogos em casa, so precisamos fazer a nossa parte e talvez mesmo que não façamos ainda seremos campeões. A imprensa sempre vai bater, como não podem falar de resultados ou de números e classificação dizem que o futebol é feio e que o time ta jogando mal. Mas os outros times que jogam tão bonito estão a 5 ou 7 pontos da gente, difícil entender tamanha contradição.
    A torcida embarca na onda. A imprensa fingi que não sabe diferenciar jogar bonito x jogar bem. O Palmeiras joga bem, é efetivo no ataque, seguro na defesa e letal nos contra ataques e jogada aérea o resto é choro e inveja.

  • Marco

    No jogo contra o sardinha teve uma penalidade cometida sobre o Dudu. A imprensa escondeu na transmissão e em todas matérias pós jogo. As imagens foram divulgadas pelo twitter.
    Lance capital ignorado pela imprensa esportiva, como tem se tornado rotina quando o Palmeiras é prejudicado.
    Não estamos conseguindo as imagens para divulgar pela internet. Caso alguém possa encontrar, peço que publique como resposta a esse comentário.

    • taniaclorofila

      E aí, a gente reclama dessa imagem que some, e aparecem os palmeirenses politicamente bobocas falando que não foi. Se não foi por que sumiram as imagens??

  • primeiro_campeão_mundial_51

    E tudo sempre tem a primeira vez rsrs. Primeira vez que discordo bastante de um post da estupenda Clorofila!

    No caso, penso o seguinte: o que aconteceu em 72 não se compara com 93 que não se compara com 2009 que não se compara com 2016, pelo fato de, o clube é o mesmo, mas as pessoas, comissão técnica, jogadores, são outras pessoas. O que aconteceu em campeonatos pretéritos não me assusta nem me encoraja. Me preocupo só agora, e não nego que, cada vez que empatamos ou perdemos um jogo que estava estampado na testa que era “ganhável”, me deixa maluco, poos pode ser aquele 1 pontinho perdido que, na última rodada, pode faltar. Estou confiante no título, mas achei um baita desperdício entrar andando em campo, contra um Santos fragilizado, em uma rodada onde os dois perseguidores acabaram a partida abraçados, prontos para se afogar. Se a derrota é uma possibilidade, como aconteceu, não era melhor ter entrado com a faca nos dentes? Poderiamos ter perdido do mesmo jeito, mas teriamos aumentado as chances de ter tido melhor sorte.

    Outro pensamento que tenho é, se a torcida acredita ou não, tanto faz, energia de torcedor em casa não ajuda e nem atrapalha. E quem se dispõe a gastar mais de 100 reais para ir no estádio, e voltar a noite ameaçando perder o metro, com certeza é o torcedor que acredita e que vai apoiar o time, ao vivo, que é o que interessa e que realmente tem algum efeito na partida, incentivando os atletas do Palmeiras e amedrontando os rivais.

    De qualquer forma, mesmo não concordando, queria dizer que o post mais uma vez, manteve o padrão Clorofila de qualidsde: dados, fatos inquestionáveis, ponderações bem elaboradas, coesa, agradabilíssima leitura! O único defeito deste blog é não ter dois, três posts por dia para me deleitar lendo!

    • taniaclorofila

      primeiro_campeão_mundial_51, em algo nós concordamos… foi mesmo um desperdício jogarmos para empatar. Eu também achei isso; precisaríamos ter sido mais ambiciosos, ainda mais diante de um Santos tão ruinzinho. Mas, se jogamos assim, certamente não foi o Gabriel Jesus, nem o Dudu, o Vitor Hugo… quem decidiu isso, né? Deve ter sido uma aposta de nosso técnico. Mas vamos brigar com ele por isso? Vamos brigar com quem nos trouxe até aqui, com todas essas condições de conquistarmos um título? Não, né? Tb fiquei muito desapontada, sei que esse ponto que pode fazer falta ( acho que não fará falta) mas estamos na luta, não dá para pararmos e ficarmos xingando, temos um campeonato a conquistar. E nós, torcedores, vamos conquistá-lo junto com o nosso time.
      Quanto à torcida atrapalhar, eu penso que atrapalha sim. Os jogadores são ofendidos em seus perfis (alguns até respondem mais duramente – sinal de que são atingidos pelas ofensas). Sem contar que isso cai como uma luva para a parte canalha da imprensinha fazer o resto. O psicológico conta muito. Se esperamos algo de bom de um jogador, de um time, certamente não vai ser esculhambando todo mundo que isso será conseguido. Fosse assim, teríamos uns 25 campeonatos brasileiros conquistados, umas 10 Libertadores…
      Quanto aos torcedores que vão aos jogos (e muitos dos que não podem ir também)… eles são show de bola. carregam o Allianz de uma energia indescritível, e isso deve ser o grande tempero da nossa campanha tão boa dentro de casa.
      Não vamos perder o foco… falta tão pouco para conquistarmos um sonho que já dura 22 anos. E NÓS VAMOS CONSEGUIR!
      Muito obrigada pelas palavras tão gentis. Vou procurar escrever com mais frequência. E, se Deus quiser, escreverei também pela conquista do nosso título.
      Tamojunto!!

      Um abraço

  • Jerry Lima

    Texto tocante e brilhante, como sempre Tânia! Parabéns! E acho que é isso mesmo! Não tenho tanta vida de Palmeiras como alguns leitores, mas tive a primeira alegria de minha vida com meu time em 1993, quando tínhamos um senhor time, com tantos craques que comporiam a incrível seleção de 1994, com a conquista de mais títulos, os quais não preciso me estender, pois tão bem colocados no seu texto.
    Acho que cabe a nós o apoio e a torcida para o grande Palmeiras conquistar mais um título em sua galeria histórica! Que venhamos a entoar neste momento o grito de guerra que ecoa no Alianz, o qual mantém a alma de outro coliseu: o inesquecível Palestra Itália: “Eu canto eu sou Palmeiras até morrer, olê olê!” “Eiiii, Palmeiras minha vida é você!!!”

    • taniaclorofila

      Obrigada, Jerry. : )
      Então, se você acompanhou as conquistas em 93, deve lembrar do Paulistão, por exemplo. Mesmo o nosso time sendo infinitamente melhor do que o dos “lava-jato”, deu uma vacilada na primeira final e perdemos o jogo. E teve torcedor chamando os caras de mercenários, alguns foram jogar moedas lá no CT…
      É como vc disse, “cabe a nós o apoio e a torcida para o grande Palmeiras conquistar mais um título”. É isso mesmo!
      E vamos conseguir, se Deus quiser!!

      Um abraço.

  • Marco

    A rejeição e o protesto feito com amplo apoio da “Mídia Palestrina” à ESPN e a seu torcedor disfarçado de jornalista, MCP poderia ter uma versão para a “decadente” Rádio JP. Essa emissora, devido às diversas repetidoras atinge todo Estado de SP, “dia a dia” trabalha no sentido de formar opinião e imagem negativa para o Palmeiras. Lá, o MCP é representado pelo cidadão conhecido como Flávio Prado. Não é o único na emissora, mas é o mais recalcado entre todos de lá. Entretanto, o mais absurdo é que na programação não esportiva, outro cidadão que se mete a falar de futebol, quando deveria ser apenas comentarista político, a cada participação indevida sobre futebol ataca a S.E.Palmeiras mostrando raiva, ódio e menosprezo, trata-se do indivíduo conhecido como Marco Antônio Villa.

    • taniaclorofila

      Marco, em 2008, já fizemos um grande protesto contra a JP. Um narrador lá, numa transmissão de Palmeiras x Guarani, dizia que os jogadores do Guarani tinham que quebrar o Valdivia… coisas do gênero. No SoPalmeiras fizemos uma campanha, o PTD entrou nela e botamos pra quebrar, com panfletagem na porta do Palestra e tudo.
      Foi uma confusão porque o pessoal da JP associou um forista do PTD, de nome Gonzaga, com Belluzzo e disseram no ar que o Belluzzo estava promovendo uma campanha contra eles. rsrs
      Mas, de qualquer forma, foi um sucesso na época o nosso boicote.
      “Jovem Pan? Tô fora, sou Palmeiras”.