Avanti, poderíamos nos dar tão bem , mas você não colabora…

Uma das melhores coisas que aconteceu ao Palmeiras nos últimos tempos, além do título da Copa do Brasil 2015, claro, foi o crescimento do “Avanti Palmeiras”, o programa de Sócio Torcedor do Verdão. Ele cresceu tanto, que virou um “patrocínio”, e dos bons.

Por melhores que fossem os prognósticos para o programa, o resultado foi muito além, foi surpreendente. A torcida entendeu a importância de se associar ao futebol do clube, de ajudar a fazer o Palmeiras mais forte, e o Avanti explodiu: 126 mil adesões, 126 mil apaixonados – na última contagem. E isso porque, ao contrário da maioria dos clubes, o Palmeiras só contabiliza os associados adimplentes.

Com várias opções de planos e descontos, em vários setores da arena, o Avanti tem planos que cabem em todos os bolsos. O meu, por exemplo, o Plano Ouro, cuja mensalidade é de R$ 109,90, me dá 100% de desconto no ingresso para o Gol Norte e tenho descontos também, de diferentes porcentagens, para outros setores da arena – nunca paguei tão barato por ingressos.

Some a isso os muitos parceiros do Avanti, que oferecem descontos para os associados em vários tipos de serviços – lojas, bares, restaurantes, pizzarias, óticas, estacionamentos, hotéis, escola, faculdade… Além disso, o associado ganha pontos quando compra ingresso, quando vai aos jogos, quando se utiliza dos serviços de algum dos parceiros, quando compra produtos nas lojas, e pode trocar esses pontos por várias coisas, como, por exemplo, tomar o café da manhã com o time, ou assistir à coletiva de apresentação de algum novo contratado, pode jogar na Academia… são inúmeras as opções para o associado.

Mas, dentre todas as coisas, o que mais acaba atraindo o torcedor é a facilidade para comprar ingressos via internet, para escolher a cadeira que quiser, e ter apenas o seu cartão avanti para passar nas catracas. Penso – pra mim, é assim – que a certeza de ter o seu ingresso facilmente (comprei o da final da Copa do Brasil em 2 minutos, sem transtorno algum), de não perder o jogo do Verdão e poder fortalecer o clube do coração é o que mais motiva o torcedor. Eu faria uma adesão ao Avanti ainda que não morasse em São Paulo. E sei de torcedores do Acre, Rondônia, Pernambuco, Mato Grosso, Piauí… do Brasil inteiro, que pagam apenas para ajudar a fazer o Palmeiras mais forte.

O sistema nunca foi perfeito, sei que algumas pessoas (não eram muitas), às vezes, tinham alguns probleminhas para comprar; havia também alguns desacertos com quem já tinha pagado a mensalidade, mas não tinha o seu pagamento computado; jogos aos quais o associado tinha ido, mas que não tinham sido computados, causando problema no rating, que, por causa disso, caía… coisas corriqueiras e que seriam fáceis de resolver se a comunicação entre associado e Avanti fosse fácil. Mas sempre que um associado tentava ligar, era quase impossível ele ser atendido, sempre que ele enviava mensagens era difícil ser respondido. No entanto, como, no geral, não se tinha muitos problemas, a convivência entre associado e Avanti era tranquila, e,  com boa vontade, seriam de fácil resolução as poucas insatisfações que apareciam.

Mas – como seria boa a vida sem os muitos “mas” que encontramos no caminho -,  neste ano de 2016, algo que era muito bom, ficou muito ruim: a venda de ingressos.

Desde o primeiro jogo deste ano tem sido um transtorno comprá-los. Um aborrecimento só, porque é tudo muito demorado. Pra se ter uma ideia, para o primeiro jogo do Paulistão, contra o São Bento de Sorocaba, eu fiquei 9 horas e meia no computador tentando comprar, e não  fui a única. O site simplesmente não funciona, não carrega. Quando chega na tela pra comprar, então, aí é um Deus nos acuda.

A culpa é do Futebolcard e não do Palmeiras? Que seja. Mas o Palmeiras precisa tomar uma providência a esse respeito. Os associados/consumidores estão bastante insatisfeitos com o serviço.

Na verdade, está demorando um bocado para o Palmeiras mudar essa empresa que vende os ingressos. Em pleno século XXI e ela não consegue atender à demanda? E uma demanda que nem é tão grande assim – na primeira venda, o que é o meu caso, só os avantis 5 estrelas podem comprar, e, se não estou enganada, eles chegam a 10 mil associados, no máximo. Não era para termos problemas, não é mesmo?

Nas últimas duas partidas – uma delas, a primeira da Libertadores no Allianz – uma “novidade” nos apareceu na hora da compra: uma tela de fila virtual. Só que, na verdade, não é fila coisa nenhuma. Não tem numeração,  tampouco indica o tempo restante de “fila”. É “na sorte” que se consegue efetuar a compra. E muita gente que “pegou a fila” depois, acaba conseguindo comprar primeiro do que quem “pegou a fila” antes. Eu fiquei 2 horas e meia na fila e não saí dela; em nenhum momento me apareceu a tela de compra, portanto, não consegui comprar; pessoas que entraram ao mesmo tempo que eu, conseguiram; outras, que entraram depois, também conseguiram. Mas, assim como eu, um número imenso de outros continuou na “fila”. Isso não está certo, e é um desrespeito ao torcedor do Palmeiras, ao consumidor associado ao Avanti.

E não é porque saímos do “tempo das cavernas”, do tempo  em que comprávamos nas bilheterias, dormíamos na rua para conseguir comprar ingresso em final, tempo em que as filas eram invadidas durante a noite, e ficávamos horas na chuva, no sol, que temos que achar bacana e dar graças a Deus ficarmos agora grudados a um computador (pelo celular não se pode nem escolher a cadeira) olhando durante horas para uma tela de “fila” virtual, cuja página muitas vezes cai, nos fazendo ter que começar tudo de novo.

E, não nos esqueçamos, quando comprávamos nas bilheterias, e tomávamos sol e chuva, não pagávamos um plano de sócio-torcedor, não é mesmo? Pagamos agora para termos a facilidade de comprar pela internet, sem filas e sem problemas. E não está certo que tenhamos que contar apenas com a sorte a cada venda de ingressos.

E se fosse assim, como pensam alguns, ninguém poderia mais reclamar de um problema em seu carro, uma vez que as pessoas se utilizavam de carroças em outros tempos, não é mesmo? Não poderíamos reclamar de um atendimento ruim num supermercado, porque antes comprávamos na vendinha da esquina.  Esse argumento das filas nas bilheterias, sob sol e chuva, é simplesmente ridículo. Não é porque antes era ruim, que hoje está bom, que está satisfatório do jeito que está.

Acredito que o Palmeiras queira oferecer ao seu associado o melhor serviço possível, um serviço à altura do clube e do seu muito bem sucedido programa de Sócio-Torcedor. Por isso, penso que o Palmeiras deve prestar bastante atenção a esse problema, e resolvê-lo o mais rapidamente possível. Temos muitos campeonatos pra conquistar  e é só alegria o que queremos. Que o aborrecimento e a raiva sejam apenas lembranças de anos passados, e e que o stress seja apenas aquele que sentimos às vésperas de disputarmos um título.

 

  • Paulo Rogério Almeida

    Assino!
    É isso que vem ocorrendo desde o 1º jogo do ano. No 1º jogo levei 9 horas pra conseguir um ingresso (NO CAMPEONATO PAULISTA); no 2º foram 26 minutos; no 3º em 21 minutos; no 4º foi em apenas 5 minutos; e no 5º, o 1º da Libertadores na nossa arena: 1 hora.
    Será que é mimimi reclamar de algo, que em 2015 eu levava menos de 2 minutos pra comprar (até por celular no 3G)?
    Temos que aceitar? Só por que antes não tínhamos essa “comodidade”? Eu não estou comparando àquela época, estou comparando com o ano anterior. Mudaram essa merda de sistema para pior em 2016! O Palmeiras tem que pressionar a Futebolcard (ou dar logo um pé na bunda dessa merda de empresa), o nome que tá caindo em descrédito é o do programa de sócio-torcedor, o Avanti!!
    Aqui não ganha ingresso e não tem facilidade pra conseguir o mesmo. Sou sócio-torcedor, e exijo ser tratado bem, pois sou consumidor também!

    • Exatamente isso, Paulinho.
      Em 2016, o serviço piorou… muito. Os associados têm todo o direito de reclamar. Mesmo
      porque, são as reclamações que contribuem para a melhoria do serviço.