O “CRISTALDO” DA DISCÓRDIA – O DESPREPARO DA PM NO ALLIANZ

Haja serenidade e paciência para aguentar o despreparo de alguns dos policiais que trabalham no Allianz Parque em dias de jogos.

Intransigentes, arrogantes, prepotentes, despreparados…

Objetos cuja entrada é permitida por alguns policiais, em vários jogos, viram “armas letais” para outros, donos da verdade. Se nem a PM sabe o que é permitido e o que não é (se uns permitem e outros não, é sinal que não há consenso, e vai do gosto e bom ou mau humor do policial), o torcedor não é obrigado a adivinhar, e também não é obrigado a se desfazer dos seus pertences, jogá-los fora, apenas porque um(a) policial, arbitrariamente, assim decidiu.

Perguntei para o policial porque algumas coisas que são proibidas no Allianz, aquelas faixinhas que vendem na porta do estádio, por exemplo, são permitidas em Itaquera. Balbuciou, enrolou, e, sem resposta pra dar, me disse: Aqui é o Allianz Parque, não é Itaquera. Eu disse: Mas a polícia é a mesma, o estado é o mesmo, e por que a diferença? Nenhuma resposta eu recebi…

Proíbem crianças, de 6, 7 anos , eu  já presenciei isso, de entrar com a cara pintada – não existe nada mais sem noção do que isso. O que uma garotinha de 6, 7 anos (havia uma outra, a irmãzinha, que não tinha mais do que 4 e elas foram proibidas de pintar o rosto antes de entrar) vai fazer com a cara pintada? Cometer um crime e depois se esconder graças à pintura do rosto? No entanto, torcedores adversários, bem crescidinhos, já picharam os banheiros do Allianz, com pincéis atômicos,  e não teve polícia nenhuma que os impediu de entrar no estádio com eles, e nem os impediu de vandalizar as dependências da arena.

E pensar que policiais proíbem criancinhas de fazer uns riscos em verde e branco no rosto, porque não é permitido…

PM-incoerência-abuso-de-autoridade -CaraPintada

Tudo é inflamável e proibido, até mesmo um caderno de alguém que tenha vindo pro jogo direto da faculdade. Mas isqueiros, que são inflamáveis também, e com os quais se poderia colocar fogo em Roma e até nas cadeiras, de plástico, entram aos milhares.

É preciso mais bom senso. O  futebol deveria ser uma festa, mas a PM, ao implicar com coisas sem importância alguma faz com que ele seja exatamente o contrário.

Não permitem (apenas alguns policiais não permitem) que eu entre com uma touca de porco (“Cristaldo”) – com a qual sempre entrei no Pacaembu, sem problema algum -, porque, segundo dois policiais – a policial da revista e o seu superior -, que trabalharam na partida Palmeiras x Cruzeiro, eu posso esconder o rosto com ela (isso não é verdade, não dá para esconder o rosto nem que eu queira, e mostrei isso ao policial). Mas, ao que parece, proíbem só a mim, porque um monte de outras pessoas entram no Allianz Parque com toucas de porco – algumas, iguaizinhas à minha -, toucas sem porco, toucas de todo jeito, e ninguém barra… e é nessa proibição seletiva, nesse constrangimento sem motivo, que se encontra o problema maior.

Basta que vejamos imagens de vários jogos para constatarmos como a implicância com uma touca com um nariz de porco, que não oferece nenhum perigo aos demais torcedores, é apenas isso: implicância. O policial cisma de implicar com um torcedor; é apenas um momento em que ele parece ter necessidade de mostrar que tem poder e autoridade (se precisa tanto mostrar poder e autoridade, é porque não é bem preparado para a função).

Essa touca, de porco, na imagem abaixo, pode entrar no estádio, assim como pode entrar a peruca verde da pessoa que está ao lado da moça…

PM-incoerência-abuso-de-autoridade

Essa outra também pode (e bastaria puxá-la um pouco para esconder o rosto, algo que a polícia quer tanto evitar)…

PM-incoerência-abuso-de-autoridade1

Esse chapéu entra no Allianz sem problema algum… assim como o boneco  na mão do torcedor.

Resultado de imagem para Palmeiras x Fluminense Copa do Brasil 2015

Esse chapelão aqui (visto na mesma partida em que eu fui barrada), também entra numa boa…

PM-incoerência-abuso-de-autoridade2

Assim como entra essa touca… de porco também! Só o “Cristaldo” não pode…

PM-incoerência-abuso-de-autoridade -ToucaPorco

Entram até em pares…

Esses são só alguns exemplos. Existem inúmeros outros modelos de chapéus e toucas, de vários tamanhos, que são vistos dentro dos estádios, permitidos pela PM, mas não tenho imagens de todos eles.

Na imagem abaixo está “Cristaldo”, a minha “famigerada” touca, a “arma letal” que eu levo para o estádio e que, segundo a PM, servirá para eu esconder o rosto – caso eu cometa algum delito lá. A parte do “caso eu cometa algum delito” fica subentendida, fica implícita na proibição da polícia, não é mesmo? Por que outro motivo uma pessoa tentaria esconder o rosto da polícia? A touca não chega nem até a minha testa, imagina como eu posso puxá-la e cobrir o rosto com ela (nesse dia, da imagem na TV, “Cristaldo” pôde entrar sem problemas).

PM-incoerência-abuso-de-autoridade -ToucaPorco1

E, pasmem… essa touca da imagem abaixo, de modelo idêntico à minha, porém maior, entra sem constrangimento algum para a sua dona (várias outras, idênticas, também entram). Essa imagem é da partida Palmeiras 3 x 2 Inter.

Touca-porco-rosa

Não tem como não achar que é arbitrariedade pura e simples. Se a minha touca pode esconder o rosto, então, pode-se fazer o mesmo com todas essas outras toucas e chapéus que você viu acima, não é mesmo?

Se muitas outras pessoas entram com toucas idênticas à minha, por que elas podem e eu não? Por que só eu tive que ser constrangida (ser barrada é sim um constrangimento), hostilizada? Por que só eu tive que sair do estádio e ficar tentando encontrar alguém que tivesse um carro por perto para eu guardar a minha touca? Por que só eu teria que jogá-la no lixo, ou então não assistir à partida, porque “com ela eu não iria entrar de jeito nenhum”? Isso é abuso de autoridade, e o pior, sem motivação alguma. Meus direitos de cidadã, e também de torcedora, sendo violados…

Além disso, a falta de coerência na argumentação desses policiais é absurda, porque pode-se esconder o rosto também com os cachecóis do time, por exemplo, ou com as abas dos bonés,  com camisetas, com bandeiras, perucas, e, principalmente, com os capuzes dos moletons (e tudo isso é permitido no estádio)… então, o problema não é a possibilidade de se esconder o rosto, não é mesmo? É o “porco”, ou então é só o exagero na demonstração de autoridade e a vontade de tratar mal uma torcedora. Vontade de constranger, hostilizar, aborrecer, atrasar, e de causar um problema para quem não foi de carro e não tem onde guardar seu objeto “proibido”…  E imagino que não seja pra esse tipo de coisa que a polícia está nos estádios, não é mesmo?

A policial que me revistou, e de maneira grosseira, ríspida, e com um certo deboche diante das minhas argumentações, barrou a minha  touca, afirmou ao seu oficial que a touca era uma máscara.

Máscara, pra mim, é isso que você vê na imagem abaixo, retirada da Revista Palmeiras, edição de Julho.

Touca-porco-Máscara

E essa máscara também pôde entrar no Allianz… e não há nada errado nisso. Não há nada errado em toucas, chapéus, perucas… Não somos criminosos que precisam se esconder da polícia. Errado é entrar com armas, com drogas… errado é achar que todo mundo é bandido e barrar/proibir o torcedor de fazer do futebol uma festa.

Mas eles são inflexíveis (só com alguns torcedores) e pra lá de ríspidos na maneira de falar conosco: “Com isso você não entra e pronto”!! E se você não quiser jogar fora, tem que então voltar pra casa e perder o jogo e o dinheiro gasto com o ingresso. Arbitrariedade pura e simples.

Arbitrariedade aleatória, diga-se de passagem, porque a proibição vai depender de quem estiver trabalhando no dia, de quem revistar você. Arbitrariedade, que já me fez jogar fora até um batom… vê se pode – qual a mulher que não tem um mísero batom na bolsa?  E isso acontece com outras mulheres também que são “sorteadas” ao acaso a jogarem seus batons no lixo. Nego entra com maconha e outras “cositas”mais no estádio e a PM está extremamente preocupada com nossos batons e toucas.

E aí nos lembramos que as mulheres não têm histórico de causar confusão em estádios, nem de brigar, de matar, de serem mortas, de vandalizar patrimônio alheio… Não há nenhuma fugitiva que tenha se escondido com uma touca… Então, porque tanta rigidez e truculência conosco?

A lei diz que TODO MUNDO É INOCENTE ATÉ QUE SE PROVE O CONTRÁRIO, mas, para alguns dos policiais militares do Estado de São Paulo, parece que a lei é diferente, e todo mundo é culpado, é bandido, até que eles decidam o contrário.

Que eu saiba, a polícia existe (pagamos impostos para que ela exista), para servir à população, e não para tratar todo cidadão como se ele fosse um bandido prestes a cometer um crime, apenas para facilitar o trabalho dela.

Muitas outras pessoas reclamam dos maus tratos por parte dos policiais. Recebi várias reclamações de torcedores palmeirenses e selecionei algumas:

José Roberto Shimazaki Me proibiram de entrar com uma faixa porque estava escrito o nome da minha cidade.

Viviane G. Vaccari Me fizeram jogar fora os folders das promoções do Burger King

Fabricio Peres A verdade é que policiais odeiam torcedores, não interessa pra eles se vc é de alguma torcida organizada ou se vc é torcedor comum. Como não sou de SP, fui apenas uma vez ao Allianz Parque e senti na pele essa ignorância desses policiais.

José Roberto Shimazaki No palestra Itália me proibiram de entrar com um cartaz de papelão, alegando que era produto inflamável, mas plástico e faixa (tecido) podia, incoerência total!

Paulo Rogério Almeida Uma vez não me deixaram entrar com um jornal, falaram que era inflamável. Eu disse: “meu corpo também é inflamável, minhas roupas também são, e aí?” Baldeou e disse pra jogar fora.
Isso sem contar um PM que quis que eu pegasse fila (deficiente, por lei federal, não é obrigado a pegar), falou que minha deficiência era na mão e não nas pernas. Esperei o fiscal da federação aparecer, entrei na fila e saí olhando pra esse mesmo policial. Esses caras que ficam enchendo o saco, normalmente são torcedores de outros times do estado. É muita falta de coerência!

Lohany Galeno Lepinski Tânia, passei por você na hora que vi o policial “debatendo” com você (pois pra mim ele só queria realmente te impedir, não ouvi nada coerente enquanto estava por perto). E eu tinha acabado de praticamente ser agredida por uma policial DESPREPARADA que estava nos revistando.
Primeiro, que fila para revista era aquela? Em anos de estádio, clássicos e jogos com mais de 30 mil torcedores, nunca vi tanta mulher naquelas filas. E olha que eram 19 mil pessoas no jogo, nem todas mulheres, e faltavam VINTE E CINCO MINUTOS para o início do jogo. Segundo: Eu estava sem mochila, sem carteira, sem nada (até pq odeio enrolar na revista), apenas com meu agasalho já estendido e aberto na mão para que fosse verificado. E o que acontece? simplesmente ela me socou pra frente e gritou: “SAI!”. O que está acontecendo? Meu ombro ficou muito dolorido, pois não foi um toque pra eu ir andando, somente um soco completamente desnecessário. Que coisa ridícula! Apenas lamentável como somos tratados por quem deveria nos defender! Espero que isso jamais se repita, me senti uma delinquente. Entrei no jogo muito revoltada.

Lamentável…  E ficamos nos perguntando: O que podemos fazer quanto a isso?

Podemos denunciar!! De agora em diante, celular na mão, torcedor palmeirense. Vamos  filmar os abusos que sofrermos, e os que acontecerem com pessoas à nossa volta também. Vamos registrar a truculência, a arbitrariedade, a maneira como somos mal tratados, vamos tirar fotos dentro e fora do estádio, gravar as conversas ríspidas e denunciar. Vamos postar as imagens e os filmes e áudios que fizermos, espalhá-los por aí. Quem sabe alguma “boa alma” resolva tomar providências, não é mesmo?

E, claro, vamos nos queixar à Ouvidoria da Polícia Militar também.

  • Marco

    Há muito tempo existe a reclamação por parte dos torcedores do Palmeiras (torcedores normais e não os organizados) sobre o tratamento recebido quando vão ao estádio palmeirense. Para mudar essa situação só existe um meio. A direção do clube deve se reunir com o Governador do Estado e com o Secretário de Segurança. A mudança de comportamento somente será conseguida quando a ordem vier de cima.

  • Gaetano

    ABSURDO!!! O que esperar mais? Só tenho a lamentar que a nossa bendita (ou maldita, sei lá) paixão que nos faz, ainda que palhaços, acreditar em ganhar, com honra e honestidade. Nos faz ouvir comemorações de vitórias ilegítimas, tendenciosas, defendidas por interesses escusos; nos impondo esquadrões de papel com craques midiáticos e, depois de tudo isso, pensar que no próximo campeonato vai ser tudo diferente. Fazer o que?

  • Emanuel Campana

    Tania boa noite. Ótimo seu relato, em todos jogos e estádios que for, filmarei.

    Sou de Poa SP, ao chegar do trabalho pedi um China in box hoje (20:00 horas do dia 24/11) enquanto esperava li seu relato de hoje …. E é assim o Palmeirense é o torcedor mais perseguido, por todos, inclusive pela pm…… Quando meu pedido chegou abri o biscoito que tinha a seguinte mensagem “só o sábio é capaz de ser oprimido sem perder o poder de ainda alcançar o sucesso”, perfeito, faço questão de compartilhar e apontar que nossa gente se confunde com a S.E. PALMEIRAS, pois sempre foi contra tudo e contra todod, vamos superar mais essa e acredito que amanhã começaremos a mudar o final já declarado pelos imundos.

    Abracos

    • taniaclorofila

      Boa noite, Emanuel. E obrigada. Tá duro aguentar tanta estupidez e arrogância de alguns PMs. Não sei onde eles aprenderam que para fazer bem os seus trabalhos precisam ser ríspidos, grosseiros, intransigentes. Pra mim, isso é mesmo falta de um preparo adequado, e de um pouco de civilidade também.

      Gostei dessa frase do biscoito da sorte, viu? Vou guardá-la aqui. É a cara do Palmeiras.
      Eu também acredito – se não acreditasse, não poderia ser chamada de “torcedora”.
      E acredito tanto, que acho que vamos ganhar lá!

      Um abraço!

  • taniaclorofila

    Tem cada relato de torcedor, Marco.
    Uma garota me disse agora que implicaram com os óculos de sol dela, e ela ainda levou um senhor empurrão da policial.
    Realmente, o Palmeiras precisa ver isso. Mesmo porque, tem coisas que nos são proibidas, mas são permitidas em outros estádios do estado e da cidade.

  • Paulo Rogério Almeida

    E essa moça na foto anexa, usa a MESMA toca rosa que você. É parte da ‘trupe’ do “Cristaldo”, que começou a circular no Allianz Parque no jogo diante do Sampaio Corrêa. Mais de três moças com a mesma toca rosa de porquinho no Allianz Parque, em diversos jogos noturnos. Lembro de ter visto contra o São Paulo, Cruzeiro, Internacional (2x), e Fluminense (2x).
    A foto que estou enviando ocorreu no Palmeiras 3 x 2 Internacional, pela Copa do Brasil 2015.
    Imprime essa foto ou anexa numa reclamação à ouvidoria da PM. Quero ver o argumento pra não deixar o “Cristaldo” entrar.
    Sacanagem PURA!

  • Paulo Rogério Almeida

    Essa nem esconde o rosto, né? Deixa eu floodar esse post, ok? hehe.
    Palmeiras 3 x 0 Avaí, Brasileirão 2015.

  • Paulo Rogério Almeida

    Bonitinho a criança, um modelo de toca de porquinho laranja e entrou. Palmeiras 1 x 1 Internacional, Brasileirão 2015.

  • Paulo Rogério Almeida

    E a cara pintada que impediu uma criança de entrar no Allianz Parque? Essa moça tem a pele naturalmente verde no rosto igual o Máscara? Nãooooooooooo!!!!
    Palmeiras 3 x 2 Internacional, Copa do Brasil 2015.
    Não aceita essa, eu não vi ela ter carregado no post inicial hehe…

  • Paulo Rogério Almeida

    E essa Máscara de Hulk encobrindo todo o rosto? Será que ele nasceu com essa cara? Nãoooooooooooo!!!!
    Palmeiras 1 x 0 Santos, Brasileirão 2015.

  • Paulo Rogério Almeida

    E esses chapéus de palha com porquinho então? Ah, note ali do lado esquerdo da foto, uma moça com um nariz de porco, o material dele é de borracha. E se ela quiser tacar em alguém, dependendo da força, vai doer. E a PM deixa, êlaia…
    Palmeiras 1 x 0 Santos, Brasileirão 2015.