SEJA FELIZ, VALDIVIA! LONGE É UM LUGAR QUE NÃO EXISTE…

“…que a importância de uma coisa não se mede com fita métrica nem com balanças nem barômetros etc. Que a importância de uma coisa há que ser medida pelo encantamento que a coisa produza em nós”. – Manoel de Barros
.

Chegou a hora de me despedir de você aqui também, Valdivia…

.
É bem triste tudo isso. Além de um ídolo, você é também um amigo.  Gosto muito do seu futebol, você é o melhor jogador que apareceu no Palmeiras em quase duas décadas, é campeão da América – dificilmente aparecerá outro igual – , e gosto da pessoa que você é, uma pessoa linda, com a qual pude ter contato, o que faz que não me baseie em ‘achismos” quando falo a seu respeito.

Sinto bastante pelo futebol do Palmeiras, que, infelizmente, não tem um substituto pra você. Fico triste pela estupidez de se desfazerem de um craque do seu nível, porque sofreremos mais com as retrancas adversárias, porque cairemos na mesmice das bolas levantadas na área (não funcionam muito bem contra retrancas), do futebol mais burocrático, sem magia, sem irreverência, sem o inesperado… futebol, que pode ser muito eficiente assim também – por que não? -, mas que perderá o seu encantamento e poesia, e disso tenho certeza.
.
Fico triste também, porque o Palmeiras, desde sempre, adora se desfazer dos craques, de talento,  matéria prima tão rara aqui no Brasil. Até um Jair da Rosa Pinto passou por isso.
.
Ano passado, sentimos na pele, e quase na carne, o efeito colateral de uma atitude similar à de agora. Alá nos deu uma mão, você voltou, e o nosso “Titanic”, graças a Deus/Alá, ao aproveitamento de G4 que o time tinha com você (era de Z4 sem você), graças à algumas infiltrações, muitas dores e garra, graças ao amor da torcida, não naufragou.
Sempre fará falta um jogador criativo e diferenciado, que acha espaços onde eles não existem, que pensa o jogo, que faz aquilo que o adversário nunca espera; esses jogadores são raros hoje em dia e fazem falta em qualquer time.
Fará falta aquele drible absurdo, mágico e incompreensível, aquela assistência nunca antes imaginada, o caminho, inexistente, que você faz aparecer, o chute no vácuo – assinatura da irreverência do gênio -, fará falta o cara “fora da caixa onde moram todos os normais”, aquele que tem a bola nos pés e, então, oito adversários mais o goleiro ficam apavorados, porque sabem do que ele é capaz –  e isso porque lutávamos na parte de baixo da tabela e o adversário brigava pelas primeiras posições…
.
derby7-MagoÉFoda
.
Um futebol lindo como o seu, Valdivia, o seu talento raro, que faz o torcedor sonhar, pular da cadeira, e que encantou pessoas de várias partes do mundo durante a Copa América, tinha que estar no Alviverde Imponente e ser “o” acessório desse time tão bom que temos agora.
.
Se o Palmeiras decidiu não renovar com você,  ainda que eu não goste disso, não concorde, nada posso fazer além de lamentar tamanha burrice. Mas sou apenas uma torcedora, que torce e vai continuar torcendo para quem entrar em campo. Sempre foi assim e assim vai ser. A vida segue para todos nós, todos passaremos, só o Palmeiras permanecerá.
E você, Valdivia, foi Palmeiras esse tempo todo (vai continuar sendo que eu sei)… E eu quero que saiba que sou muito grata a você.
Obrigada, Mago, por tanto encantamento, pela poesia escrita por seus pés, por ter me feito pular na arquibancada tantas vezes, por ter me deixado de boca aberta, literalmente, com as suas jogadas e dribles inexplicáveis; por ter me feito aplaudir, tão espontaneamente, os lances mágicos com que você nos brindou, pela emoção, que me fez chorar de alegria inúmeras vezes, por ter me feito sonhar…
Obrigada por ter me representado diante dos mais indigestos rivais, e ter respondido às provocações, na bola e com o fino da ironia, como se fosse eu mesma, uma  torcedora, que estivesse em campo…
 
Por ter suportado e respondido por mim, e por milhões de outros parmeras, ao veneno da imprensinha, à maldade e ao clubismo, disfarçados de jornalismo, de alguns…
 …
Obrigada por nunca toldar a confiança que tenho em você… e obrigada por confiar em mim também…
 …
Obrigada por todas as vezes (desde 2010) que você entrou em campo machucado, para ajudar o nosso – sei que é seu também – Palmeiras…
 …
Gracias pelos títulos que você nos ajudou a conquistar,  os únicos momentos de luz intensa de um longo período “sem sol”…
 
E por ajudar a salvar o Palmeiras do descenso em 2011, quando faltavam três rodadas para o campeonato acabar… Por ter ficado para jogar a série B em 2013, quando tantos outros se acovardaram e preferiram ir embora… por ter ajudado, e muito, a trazer o Palmeiras de volta, e de cabeça erguida…
….
Obrigada pelo “título” do dia 07/12/2014, pelas infiltrações para nos ajudar a “conquistá-lo”, pelo comprometimento com que você se conduziu em campo – o que mais correu -. e por nos ajudar a estar onde estamos agora em 2015… Por ter sentido vergonha também, e ter chorado de alívio conosco naquele dia, por ter sido Palmeiras esse tempo todo.
.
Eu te agradeço por ter jogado ao lado de companheiros de futebol demasiadamente modesto, e em equipes fraquíssimas que o Palmeiras montou; por ter ‘roído muito osso’ e carregado o time nas costas em muitas partidas, ajudando a escrever algumas páginas lindas na nossa história. O seu nome ficará pra sempre guardado com ela.
.
Não se poderá falar da conquista do Paulistão 2008, sem repetir seu nome muitas vezes, Valdivia; tampouco poderemos falar das mais deliciosas vitórias, conquistadas diante dos rivais, das ‘trollagens’ em cima deles, do jejum que impusemos aos gambás, do resgate da nossa auto-estima, durante esse período “quase sem luz”,  sem falarmos do nosso Mago…
.
Impossível falar da Copa do Brasil 2012 sem falar dos seus gols, das suas assistências e dribles, da mágica feita no frio e na chuva diante do Grêmio, e que nos levou à final… da cobrança perfeita do pênalti na final, em Barueri, que nos abriu o caminho para o título (o único que botou a bola embaixo do braço e disse: eu cobro)… Muito obrigada, Valdivia.
.
Obrigada até mesmo por tentar ‘dar uma força’ nas eleições palestrinas, ano passado, se posicionando publicamente, para evitar que o Palmeiras caísse em mãos erradas – coisa  que a maioria dos jogadores não costuma ter a coragem de fazer.
.
Você sempre foi O CARA, o diferencial!! Não esqueça de nós, porque os que te amam não o esquecerão nunca.
.
Seja feliz, Mago! Muito feliz (vou acompanhar todos os seus jogos)! E leva meu respeito, minha admiração e meu imenso carinho… Leva as alegrias que dividimos com você, as risadas que demos por causa das suas míticas tiradas e entrevistas, leva os nossos aplausos…
E leva o Palmeiras em seu coração também. Nós – o futebol do Palmeiras, eu, e mais uma tonelada de torcedores – ficaremos aqui com a saudade. O futebol vai sentir a sua falta, a falta do seu talento,  da sua alegria, sua franqueza e irreverência, sentirá falta de alguém que tire o sono dos rivais, que chame a responsa, e que não se esconda em jogo nenhum… e eu também vou sentir muita falta disso tudo.
Torça por nós, viu Mago? Se formos campeões brasileiros, você também será. Eu vou torcer sempre pelo seu sucesso, dentro e fora de campo. E, com todo respeito a quem usa a camisa 10 agora, e a quem possa vir a usá-la depois, saiba que sempre vou me lembrar do Mago quando vê-la em campo. Sempre vou vê-lo dentro dela. E acredito que ela também se lembrará de você com muita saudade.
.
Que Deus o abençoe,  Valdivia, meu ídolo, meu amigo, e encha de luz o seu caminho. Será impossível esquecer você e vamos (eu vou) esperar você voltar. Quem sabe um dia…
.
E, seja aqui perto, seja lá longe, não importa onde, “tamojunto”, Maguito… longe é um lugar que não existe para o coração.