PALMEIRAS CLASSIFICADO… EM NOME DE JESUS

“Jesus é o caminho…a  assistência e o gol” – Amém!

 

Confesso que estava um tanto preocupada com o jogo da Copa do Brasil, lá em Minas. Primeiro, por ser aniversário de 101 anos do Palmeiras – não dava nem para imaginar ficarmos sem a vaga numa data daquela. Segundo, porque, mesmo sabendo que temos time para encarar qualquer adversário – e o Cruzeiro nem era tão perigoso assim -, as nossas últimas partidas tinham sido bastante irregulares e tínhamos apresentado um futebol muito aquém do que poderíamos apresentar.

Na primeira partida, no Allianz Parque, o Palmeiras deu uma vacilada e deixou que as “marias” fizessem um gol.  Se, por um lado, a vitória do Palmeiras botava no Cruzeiro a pressão de ter que vencer; por outro, o resultado de 2 x 1, com um gol marcado em nossa casa casa, fazia com que eles precisassem de um mero 1 x 0 para ficarem com a vaga.

Teríamos que ‘achar’ um gol de qualquer jeito… e era isso o que eu pensava quando a partida começou… “o Palmeiras tem que marcar um gol. E aí toca o terror em cima dos smurfs, que precisarão de três gols para ficar com a vaga”. 

Eu esperava, sim, que o Palmeiras “achasse o seu gol”, claro, mas, confesso, não esperava que ele “achasse” logo três, e todos no primeiro tempo. Não esperava também que eles fossem tão sensacionais, tão cheios de talento, tão de acordo com a data de aniversário do clube mais campeão do país, e que tivessem como protagonista um menino, que me fez chorar de emoção…

O time estava cheio de desfalques – Cristaldo tinha sido mais um, meio em cima da hora. MO chamou o Menino Jesus pro jogo. E o nosso menino, iluminado, abençoado… fez a multiplicação dos gols, e decidiu a partida em trinta e dois minutos.

Eu ainda estava me ajeitando no sofá, quando João Pedro foi disputar uma bola com o jogador do Cruzeiro e, sem querer, acabou dando uma “voadora” no bandeira – Luxa, de mão quebrada, deve ter ficado até com calafrios;  se já estava esperto com Dudu,  ia ter que tomar cuidado com João Pedro também.

Uns dois minutos depois, aos 8′, Dudu deu um passe lindo para Gabriel Jesus, que entrava na área, e ele, com o zagueiro na sua cola, de calcanhar, matou o seu marcador e deu um passe redondíssimo para Barrios,  que avançou e tocou na saída de Fábio.  Que gol lindo! De ‘achado’ ele não tinha nada. A jogada toda foi uma beleza.

Quase morri de alegria. Um gol do Palmeiras, e logo de cara. Era tudo o que eu mais queria no nosso aniversário: o Palmeiras podendo jogar tranquilo e ficando com a vaga, que, para mim, a já estava no papo.

O Cruzeiro, depois do gol, apesar de preocupado em se fechar para não tomar mais nenhum, até tentou ir pra cima, e quase marcou – em completo impedimento, que o bandeira até agora não assinalou -, Prass estava esperto e fez uma bela defesa. Depois, nosso adversário tentou com uma bomba de Fabrício, que Prass espalmou. Uns minutos depois, Leandro Damião, que entrava na área, tentou encobrir Prass, que saía na jogada. O goleirão do Palmeiras, como se falasse “aqui, não”, ficou com a bola.

João Pedro fez jogada pela direita e tocou pra Barrios chutar pro gol, e foi a vez de Fábio espalmar.

Meu coração estava tranquilo, e eu ainda falava, encantada, sobre o passe de Jesus pra Barrios, mas achando que o jogo ia ficar assim, meio amarrado… um tenta aqui, sem se abrir; o outro tenta ali, sem se abrir também.

O Cruzeiro fazia faltas,  em Jesus principalmente – durante o jogo ficaríamos com a impressão que a tática de Luxemburgo era quebrar a “espinha” dos parmeras, porque foram várias as joelhadas que eles levaram nas costas.

E como gostavam de bater em nosso garoto, numa jogada rápida do Palmeiras, em que Jesus recebeu na meia lua e ia sair na cara do Fábio, Bruno Rodrigo deu uma sarrafada nele (por pouco não foi pênalti). Claro que o ‘smurf’ foi expulso,  mas deveria ter sido excomungado também. Onde já se viu esse herege fazer uma falta tão feia em Jesus?

Egídio cobrou a falta e mandou na trave, quase o segundo…

No minuto seguinte, aos 27′, Egídio recebeu na esquerda, desceu até a linha de fundo e cruzou na área. Eu estava até pensando que a bola ia pro Dudu, mas Jesus fez uma aparição súbita – coisas de Jesus mesmo -, e de primeira, com a bola meio alta, estufou a rede do Fábio. Que golaço do nosso menino Jesus! Daqueles da gente ficar rindo sozinho.

Eu, que queria um golzinho, já tinha recebido dois, e lindos. A parmerada fazia a festa no Mineirão – eu estava maravilhada diante da TV -, enquanto as ‘marias’ xingavam o técnico, os jogadores…

Aos 32′, Dudu lançou Gabriel Jesus na entrada da área. Nosso garoto deixou Paulo André no chão (ele tá procurando Jesus até agora), invadiu a área e, na frente de Fábio, que saía para tirar a bola dele, Jesus, abusadíssimo, tocou pra um lado, tocou pro outro, deu uma sambadinha, matou o Fábio (ele também tá procurando Jesus até agora, junto com Paulo André) e mandou na rede do Cruzeiro.

Vou te contar, eu me emocionei um bocado vendo esse menino fazendo coisas de gente grande, de craque…

Jesus deu uma assistência, causou uma expulsão e fez dois gols. Matou o jogo e classificou o Palmeiras. Transformou a “vantagem” das marias, de poderem ganhar só por 1 x 0, em uma obrigação de fazer cinco gols . Só ficou faltando ele transformar a água do Mineirão em vinho…

O Palmeiras quase marcou mais um com Barrios, mas foi o Cruzeiro que acabou descontando, aos 38′.

Na segunda etapa, com uma senhora vantagem, era óbvio que o Palmeiras ia tirar o pé, e, por isso, o jogo acabou ficando mais equilibrado.  Aos 30′, João Pedro cometeu pênalti em Arrascaeta, Alisson cobrou e fez o segundo do Cruzeiro.

Eu continuava tranquila, não iríamos tomar mais três gols, eu tinha certeza disso. O estrago que Jesus fizera no primeiro tempo, não tinha como ser consertado.  O Palmeiras, que esperava o final do jogo desde que a segunda etapa tivera início, estava todo na defesa, e seguro na sua missão de sair de MG com a vaga, mas ainda assim, aparecia com perigo na área mineira algumas vezes, em busca do quarto gol – Leandro desperdiçou gol feito aos 43′.

Aos 45′, o juiz encerrou a partida. A parmerada, feliz, comemorava o aniversário do Verdão,  a classificação e a partida linda do nosso menino – comemorava também a performance 100% dos entulhos do Palestra no Itaquerão. Terceira desclassificação seguida.

É isso, amigo leitor. Na próxima fase da Copa do Brasil tem Palmeiras sim!! E JESUS ESTÁ COM ELE!