ERA DIA DE DERBY… DE TRUCULÊNCIA, VIOLÊNCIA, VANDALISMO…

Perdemos o derby…

Difícil administrar isso, não é mesmo? Palmeirense nenhum gosta de perder para o seu maior rival, e vice-e-versa. É o jogo de maior rivalidade das Américas, quiçá do mundo. Daqueles que não têm favorito nunca, e que dentro de campo o que vai contar mesmo é o ‘sangue no zóio’ e/ou  marcação e determinação implacáveis.

Todo mundo diz que os adversários vieram com time misto… Misto mesmo? Cássio (titular); Edílson (contratado pra ser o lateral direito titular), Edu Dracena (contratado para ser titular, pra ser o “xerife”), Gil (titular), Fábio Santos (titular), Ralf (titular), Bruno Henrique (jogou boa parte da temporada 2014 como titular), Petros (titular), Danilo (titular), Mendoza (esse é novo no time) e Guerrero (titular).

E se esse time é misto, o que dizer do Palmeiras, que trouxe 19 novos jogadores há menos de um mês? E que nem colocou todos eles em campo ainda? Que nem tem o time titular definido ainda? Que não pôde contar com jogadores do calibre de um Valdivia, um Cleiton Xavier, um Arouca?

Eu fico muito brava se o Palmeiras perde, ainda mais um jogo desse, você também fica que eu sei, mas não é mentira e nem desculpa que um time precisa de entrosamento. Ele precisa sim! E também não é mentira que tudo o que nos aconteceu de ruim nos últimos anos não é culpa desses jogadores que aí estão.

Começamos o jogo com marcação forte, com os jogadores cheios de vontade, e os ‘itakeras’, que não jogam lá essas coisas, muito pouco podiam fazer. Mas eles marcavam bastante também, e de maneira dura, e o jogo ficava meio amarrado, meio embaçado.

O juizão (se ele for palmeirense como me disseram que é, eu sou torcedora do Bahia) deixava passar umas boas oportunidades de amarelar alguns, deixou de marcar muitas faltas a favor do Palmeiras, inverteu outras, deixou que eles enrolassem muito, não deixava a partida correr (acertou quando expulsou Cássio, que fazia cera de maneira descarada e abusada, numa demonstração clara de que jogadores ‘itakeras’ sabem que podem se favorecer da impunidade – dessa vez deu errado pro goleiro).

Mas fomos nós que acabamos perdendo poder de marcação, que ficamos insistindo no mesmo desenho de jogo: “descer pelas pontas e levantar bola na área” (Oswaldo poderia ter optado por outro jogador ao invés de Maikon Leite, né Oswaldo?); fomos nós que não tentamos criar jogadas diferentes, pelo meio; que ficamos dando chutão e tocando pra trás (isso nunca vai funcionar); fomos nós que demos um gol de presente; que cometemos muitos erros; que desperdiçamos duas chances claras de gol, na cara do goleiro, e não aproveitamos o fato de termos ficado uns 30 minutos com um jogador a mais. Fomos nós que perdemos quando poderíamos ter vencido, ou, pelo menos, empatado – mas, o adversário, que teve seus méritos sim, que aproveitou o ‘sangue sumido no zóio dos parmeras’ e o gol recebido de presente, não era tudo isso, não. Por isso ficamos tão desapontados.

Mas somos nós também, que sabemos que o time do Palmeiras é bom, que falta só dar liga, entrosar, ter sequência; falta só estar completo, estar definido sobre quem serão os titulares. Somos nós que temos que nos lembrar que foi um acidente de percurso, que em 2008, aconteceu a mesma coisa, e levamos umas 10 rodadas para nos acertarmos de vez dentro de campo, e dispararmos rumo ao título.

Não tem razão alguma atacarmos os jogadores que acabaram de chegar; queimar o Victor Hugo – que chegou agora – pela falha no clássico (Nathan também falhou contra os Leonores) é de uma filhadap#@tice imensa. Ele é um bom jogador sim – quase fez dois gols de cabeça (meteu uma bola na trave) – que cometeu uma grande falha, (bem que podiam ter ajudado e gritado “ladrão” pra ele, né?).

E, no meu entender, teve coisa pior do que perdermos o jogo… teve o comportamento da PM…

Parecia até que ela esperava por alguma fagulha para iniciar o “fogo”, para mostrar como a torcida do Palmeiras era baderneira (será que tentavam mascarar a covardia de 42 itakeras, que atacaram 4 leonores metrô, que destruíram um vagão da composição, na noite anterior, e foram soltos pela polícia no dia seguinte? Ou será que a tentativa é para conseguirem interditar o Allianz? Tô achando meio estranha essa história toda…).

A Polícia Militar foi pra cima de uma dezena de palmeirenses que estavam na Rua Padre A. Thomaz, e, claro, em casos de truculência desnecessária, de violência gratuita, sempre haverá resistência (até as policiais – algumas delas – que revistam as bolsas das mulheres, o fazem com grosseria e abuso), e aí… o motivo da batalha aparece!

E então, os policiais foram pra Turiaçu, e foram pra cima dos que estavam na fila para entrar. E com bombas, balas de borracha. Um dos vídeos feitos na ocasião, mostra o vice-presidente do Palmeiras e o seu filho, entrando no Allianz Parque em meio às bombas que a polícia jogava pra cima de todo mundo. Acreditem, jogaram bomba até dentro do clube do Palmeiras, na área das piscinas, onde haviam inúmeras crianças (os torcedores não estavam lá, e não poderiam entrar lá).

Chamar essa nossa polícia de despreparada é bondade. Tratam todos como bandidos (as mulheres e seus batons, “armas letais” que algumas policiais, por capricho,  as fazem jogar fora, que o digam), quando na verdade DEVEM (SÃO OBRIGADOS) A TRATAR TODO O TORCEDOR COMO CIDADÃO DE BEM, ATÉ PROVA EM CONTRÁRIO, até que o seu comportamento prove que ele não é de bem.

Eu já estava dentro do Allianz quando a “guerra” acontecia lá fora, e, pelo rádio, as informações dadas eram as de que a Mancha Verde tentara invadir a área de entrada dos “itakeras”. Não entendi nada…

A MV, e a torcida do time de Itaquera também, estavam dentro do estádio há algum tempo. Tinha muita gente chegando, mas que já estava dentro do Allianz Parque, fiz questão de fotografar. Reparem, Cássio, o goleiro adversário, está se aquecendo no gramado. Isso aconteceu bem antes da partida começar:

Torcida-visitante-Allianz

Mancha-Alviverde-Allianz

Até podia ter torcedores das duas facções lá fora, mas seriam bem poucos. A PM, por certo, e pelas imagens disponibilizadas por um monte de gente, tinha encrencado com alguns organizados, mas com muitos torcedores comuns mesmo… na saída pudemos ver as marcas da “guerra” que ela mesma havia iniciado…

Repúdio total à essa truculência toda, a esse abuso de poder. Se eu, numa outra partida, já fiquei muito contrariada quando a policial, da revista na entrada, teve a ousadia de abrir um compartimento minúsculo da minha bolsa e tirar de lá meus “mortíferos” documentos e cartões de crédito – ela não tem esse direito – imaginem os que são empurrados com escudos da polícia, que são tratados como bichos, como bandidos, sem ter feito nada…

A polícia tem que trabalhar no sentido de evitar confusões, brigas, agressões, vandalismo, e não trabalhar para provocar tudo isso. E se isso não acontece, alguém está falhando.

E por falar no trabalho de se evitar vandalismo… os itakeras quebraram as cadeiras no Allianz (tiveram que pular um bocado para conseguir quebrá-las), picharam os banheiros e a polícia não viu? Não estava lá para impedir?  Se eu, com esse calorão todo, não posso entrar com um desodorante, um mísero batom, se não posso entrar com um inofensivo chapéu de porco, como os visitantes podem entrar com pincéis atômicos, para escreverem em portas e paredes, hein dona PM?

E eu sei que torcedores palmeirenses fizeram o mesmo no Itaquerão, e fizeram primeiro. Achei horrível do mesmo jeito, me senti envergonhada pelo vandalismo e os critiquei também. E, como dizem agora que o Palmeiras não precisou pagar os prejuízos na ocasião (isso é novidade pra mim), justiça seja feita, o clube adversário também não tem que nos pagar nada.

Mas, os estádios possuem câmeras, e esses torcedores, de qualquer clube, deveriam ser identificados e responsabilizados pelos seus atos, inclusive, tendo que pagar o prejuízo que causaram. Porém, como isso nunca acontece, a coisa vai ficando cada vez pior…

É, amigo palestrino, o adversário venceu o derby, mas, ao que parece, quem “ganhou o dia” mesmo, foi a truculência e a ineficiência da polícia… foi o vandalismo e a falta de educação de alguns torcedores, nada foi maior do que esses fatos… e quem perdeu com isso foi a sociedade, como sempre, foram os cidadãos de bem.

E o futebol brasileiro vai ficando cada vez mais longe dos “coleguinhas” europeus…

  • Angela Bonora Gamez

    pois é! me senti envergonhada, fiquei brava com a imprensa, fiquei brava com alguns ditos nossos torcedores, que começaram a escrever uma série de bobagens, tem gente que diz que entende de futebol, faz-me rir. Eu gosto do espetáculo do futebol, acho que as organizadas fazem realmente um trabalho bonito, mas teriam que guardar a truculência, a violência e naõ usarem, afinal de contas, ninguém é obrigado a torcer para o mesmo time, nem todos tem bom gosto como nós.

  • Fernando São José do Rio Preto

    Fomos iguais no clássico, só fomos diferenciados pelo placar, coisa que por erro individual fez a diferença, não era nosso dia, Não critico ao Victor Hugo pela falha foi uma infelicidade tão somente. Como o time é novo erros virão a acontecer, só que nós torcedores temos que deixar claro aos novatos que derrota para os gambás não é e nunca foi bem vinda, seja ela em que situação ocorrer. Eles terão que entrar com sangue nos olhos e mostrar que nossa camisa é a mais vencedora e que eles tem que nos respeitar onde estivermos. Palmeirenses…vamos continuar a apoiar e incentivar o verdão e fazendo ainda mais o sucesso do sócio torcedor avanti.

  • Paulo Rogério Almeida

    Vou copiar mues comentários sobre o jogo e o ocorrido da PM.

    DERBY: Ninguém gosta de perder clássico, correto? Todos estamos com a cabeça turva dos últimos anos, ok?
    E Derby então, ai que não gostamos mesmo e em nossa casa? Puta merda, é “pacaba”.

    Mas vamos aos fatos, o time dos caras vem jogando juntos desde 2011. A
    mesma formação, os mesmos jogadores e mudando pouca peça de uma
    temporada pra outra, eles tem o que nós não temos, ENTROSAMENTO.
    E entrosamento não se ganha do dia pra noite, nosso time teve 19 contratações e apenas 28 podem ser
    inscritos no Paulistão. O próprio Oswaldo ainda está conhecendo o
    grupo, o campeonato Paulista é/deve ser usado como laboratório. Não
    adianta porcaria nenhuma chegar arrasador nele e na hora H, perder de um
    Ituano da vida, como foi em 2014. Lembram? O nosso primeiro clássico
    daquela temporada foi arrasador e depois, quantos clássicos ganhamos no
    ano? ZERO. Não vi nada desesperador nesse revés, o nosso time jogou de
    forma a acuar eles no segundo tempo e de forma segura (só um
    contra-ataque daquele Colombiano de DVD). O gol que sofremos, falha
    dupla… Não vem que não tem, o sr Fernando Prass não pode de forma
    alguma sair jogando daquele jeito, olhem o replay, a linha ofensiva
    deles tinham 3 contra 2 nossos e os zagueiros de costas. Vitor Hugo
    errou? SIM, ninguém tá dizendo que não errou, merece a crítica… Mas
    não passemos a mão na cabeça do Prass, se fosse o Fábio em seu lugar
    vocês pediriam a cabeça.
    Por sinal, o Prass se redimiu a seguir e o
    Vitor Hugo não perdeu mais nenhuma… Não vem dizer “ele é ruim”, é
    ruim por quê? Por um lance? Porra, vocês aguentaram Maurício Ramos
    cagando e entregando por 4 anos, Marcio Araújo pelos mesmo 4 anos,
    etc… Esse Vitor Hugo é bom zagueiro SIM, mostra isso nesse começo de
    temporada. Vem sendo um dos melhores em campo do nosso time e não é por
    um erro que vou mudar minha avaliação. Só pra constar, um “blindado”
    pela torcida, que já saiu… O zagueiro Henrique, na sua 2ª passagem foi
    um entregador nato (vide Copa Libertadores 2013, que junto do Bruno ele
    nos tirou a chance de ir as quartas), então menos, bem menos vai.
    A
    única unanimidade entre a torcida é, MAIKON LEITE NÃO PODE JOGAR DE
    FORMA ALGUMA… E o sr Lucas não pode perder a chance que teve, tivesse
    ele feito o gol, não estaríamos aqui comentando uma derrota e sim, um
    empate com gosto até de vitória (pelas circunstâncias da partida).

    Esse time vai dar liga, vamos brigar pelo topo dos campeonatos e o
    Paulista é pra ser usado pra buscar o entrosamento necessário.

    Sobre perder no 1º Derby na nossa casa, agora moderna… E dai? Não foi o
    1º Derby e não perdíamos em casa pra eles desde 1940, era ainda
    Palestra Itália e sendo a última partida em 76, foi um longo período
    deles sem vencer na nossa casa, então, menos vai.

    AÇÃO DA PM:
    Sobre a confusão do lado de fora, podemos dizer que tudo não passou do
    despreparo da nossa PM. Relatos de colegas que estavam do lado de fora
    acusam isso, até setorista do Lance disseram que o tumulto começou com a
    PM.
    As torcidas organizadas em sua maioria já estavam dentro do
    Allianz Parque, a Mancha Alviverde sequer entra pela Turiassu e boa
    parte deles precisam estar na Matarazzo pra revistarem bandeirões, etc. E
    olha que eu não sou nada de alisar a MV, mas dessa vez, assim
    como já foi na final do campeonato Paulista de 2008 (lado de fora, eu
    estava do lado de dentro), ou mesmo na final da Copa do Brasil 2012
    (essa eu estava lá na Turiassu, totalmente despreparada e amigo meu
    tomou tiro de bala de borracha sem fazer NADA).
    O que está bem óbvio
    é que há alguma orientação pra criar tumultos e assim, tirar grandes
    jogos do Allianz Parque, se bobear, até inviabilizá-lo pra shows e
    sabemos quem deve estar por trás disso. A diretoria do Palmeiras em
    conjunto com a Wtorre tem que buscar soluções e não ceder a pressão,
    nossa casa é preparada SIM pra grandes jogos. O estádio existe desde o
    começo dos anos 1900, dane-se associação de moradores e o caralho a4, o
    estádio está lá antes deles e os incomodados que se mudem, não gosta da
    casa? Vende pra mim, eu moraria ali na boa. E não foi a primeira do fim
    de semana, no sábado a PM também causou confusão e só tinham familiares,
    bombas até no Clube Social (com crianças nas piscinas). Ontem (naquele domingo, isso foi copy cola), se teve
    algum vândalo criando um princípio de confusão, não era para ter aquela
    pancadaria, pois não devia ter nem mais que 7 delinquentes, afinal a “confusão” ocorrera na Padre Antônio Tomás, que pra qualquer um que conhece a região, não é do lado da Turiassu, nela a torcida estava na paz e só no clima da espera do jogo, é um pulo daquela rua pra Turiassu. Coloquei
    “se” pois não vi, mas confio muito mais no relato dos meus colegas do
    que no que foi passado pela PM, que eu vi e vejo em todo clássico ou
    evento grande, É DESPREPARADA SIM. E um adendo, reclamaram tanto de ter público único, adiantou trazer os “itakeras”? Sabíamos que não viriam torcedores e sim os vândalos organizados, se é pra ter marginal destes no nosso estádio, que tenha público único, aqui e lá (pois os nossos marginais nos envergonharam lá também).

  • Marco

    O que foi aquilo no jogo dos gambás contra o Botafogo?
    Perderam a vergonha de vez, nem mais se preocupam em disfarçar!
    E pensar que entre os palmeirenses, ainda tem muita gente que fica revoltada quando se toca no assunto arbitragens, que reclamar delas é coisa de time pequeno ( O Real Madrid deve ser pequeno ).
    Veremos agora qual será a repercussão pela imprensa, como farão para encobrir o caso ou dar justificativas!
    O mais triste dessa história é saber que estamos sendo lesados, pois disputamos um campeonato onde já se decidiu quem deve chegar.

  • Fernando São José do Rio Preto

    Carnaval do Mago é assunto preferido em relação a vergonhosa atuação da arbitragem dos gambás contra os botafoguenses, uma situação pouco vista em jogos que tive oportunidade de assistir. Será que FPF deixará passar em branco?

  • Marco

    Congresso Técnico do Brasileirão – dia 02 de março

    Qual será o posicionamento do Palmeiras em relação a esse problema colocado pelo Presidente do Santos?
    Observação sobre a matéria do yahoo: A frase ao contrário dos outros grandes de SP coloca o Palmeiras como privilegiado nas transmissões?
    A exemplo das arbitragens onde se fala em favorecimentos para o “eixo Rio-SP”, vamos continuar sendo lesados e pagando a conta dos outros?
    ====================

    https://esportes.yahoo.com/blogs/jorge-nicola/presidente-do-santos-reclama-do-papel-de-patinho-081044801.html

    Presidente do Santos declara guerra contra Globo e FPF

    Modesto Roma quer Peixe atuando em horários melhores ou exigirá maior cota de TV (Ivan
    Storti)

    As cinco primeiras rodadas do Paulistão já foram suficientes para enfurecer o novo
    presidente do Santos, Modesto Roma. Empossado no dia 2 de janeiro ele anda
    incomodado com o papel secundário reservado ao Peixe pela TV Globo e pela
    Federação Paulista.
    “Estou chateado com os horários dos jogos do Santos e já falei isso com o Reinaldo
    Carneiro Bastos”, revela Modesto, referindo-se ao próximo presidente da
    federação – Reinaldo assume o posto em abril, no lugar de Marco Polo Del Nero,
    que vai para a CBF.
    Ao contrário dos outros grandes de São Paulo, o Peixe ainda não teve qualquer jogo
    exibido pela Globo nesta temporada. A falta de exposição causa dificuldade na
    busca por patrocinadores e na luta por novos torcedores. “Mas o pior é que
    estamos jogando em horários ruins, como às 19h30 de domingo e às 22h de
    quarta-feira”, lamenta.
    O Peixe enfrentou São Paulo e Mogi Mirim às 22h de quarta, com transmissão da
    Bandeirantes, e Red Bull e Ituano às 19h30 de domingo, no Sportv. Já o
    confronto com o São Bernardo, às 17h do último sábado, só foi exibido no
    pay-per-view.
    “Quero aproveitar o congresso técnico do Brasileirão, marcado para 2 de março, para discutir os horários, as verbas e o prestígio do Santos”, avisa Modesto. “Se
    somos prejudicados nos horários dos nossos jogos para atender à TV, temos de
    ser beneficiados em alguma coisa. Dinheiro que é bom, nada. Exijo a revisão da
    nossa cota de TV”, acrescenta Modesto, prometendo uma conversa com Marcelo
    Campos Pinto, executivo da Globo.