SE É JOGO DO PALMEIRAS… QUEM “JOGA” É O JUIZ

Não entendi a ideia de se poupar jogadores para o confronto com o Atlético-MG, pela Copa do Brasil. Ainda mais para um jogo em casa.

Caso não houvesse rodada da Copa do Brasil no meio de semana, o time não estaria jogando pelo Brasileirão? Não daria na mesma? Tinha que entrar com o time titular, sim. E poderíamos até ter vencido o Galo, que, apesar de ter chegado com perigo algumas vezes na nossa área, e o Fábio ter feito umas três importantíssimas defesas, não era tudo isso, não.

Desde o início do jogo, o misto do Palmeiras parecia “bem” diante do time titular do Galo, sexto colocado no campeonato brasileiro. Voluntarioso, correndo, com mais posse de bola, mas, conforme os minutos iam passando, íamos percebendo que nossos jogadores não sabiam como entrar efetivamente na área inimiga. Ciscavam, ciscavam, sempre pelas beiradas, e nada de sair a jogada principal, a que leva o atacante para o gol…

Toca aqui, toca lá, volta mais um pouco, dá um drible (foram poucos), volta outra vez, avança, toca de novo e, quando a gente ia pro “quase”, naquele momento em que todo mundo vai levantar da cadeira, da arquibancada, do sofá… nem o “quase” saía…

Se não conseguíamos criar, deveríamos tentar de fora da área, não é mesmo? Mas as tentativas eram bem poucas e ninguém conseguia acertar o gol – tão grandão, paradão no mesmo lugar o tempo todo -, e se uma chance surgia de perto, na cara do goleiro, a visível falta de tranquilidade e de qualidade para concluir  produzia cenas bizarras. Henrique tava de doer… Que difícil…

O juiz, ah, o juiz (aquele mesmo quarto árbitro, que fez o juiz anular um gol do Barcos em 2012,  avisado pelo “além”, lembra? Aquele, que “viu” Barcos fazer um gol com a mão, mas não “viu” o pênalti que Barcos sofreu no mesmo lance)… o Sr. Jean Pierre Gonçalves Lima deixava de marcar inúmeras faltas que o Palmeiras sofria, mas não deixava passar uma sequer a favor do Galo. Renato sofreu umas três faltas nas proximidades da área,  e ele não marcou nenhuma, bastou o Palmeiras fazer uma igual contra o Galo, e o apito não titubeou. A torcida se mostrava bastante irritada com ele: Ei, juiz, vai…..!!!

Depois do que vimos acontecer diante do Coritiba, quando o juiz marcou um pênalti a favor do Palmeiras e o desmarcou logo em seguida, – alegando um impedimento que nem ele e tampouco os seus auxiliares viram (será que a TV tem “auxiliares de arbitragem” do lado de fora do campo?), já ficávamos ressabiados com esse tal Jean “quarto árbitro que sacaneou o Palmeiras em 2012” Pierre…

E quando a sua intuição o avisa de algo, ela nunca está enganada…

No finalzinho do primeiro tempo, Mazinho recebeu a bola na entrada da área, avançou e foi derrubado pelo jogador do Atlético, que lhe fez uma carga com o braço. O juiz marcou pênalti, que maravilha (quase nunca marcam as penalidades a favor do Palmeiras)! E não desmarcou! Pra glorificarmos de pé!

Henrique colocou a bola na marca da cal, cobrou e guardou! Mas o Jean “quarto árbitro que sacaneou o Palmeiras em 2012” Pierre mandou voltar a cobrança alegando que tinha havido invasão. Sorte do goleiro do time infrator, que já sabia o lado que o atacante costuma bater, e azar do atacante, que ia ter que mudar de lado.

Henrique colocou a bola na marca da cal pela segunda vez e cobrou… pra fora!

E o juiz “não viu” que teve invasão de novo, e o Palmeiras ficou sem o seu gol e sem a vantagem na partida… Mas que juiz filho da p$#@%uta! A torcida enlouqueceu!

O primeiro tempo acabou, veio a segunda etapa, e o Palmeiras encontrava as mesmas dificuldades de antes, e mal chegava no goleiro mineiro. O Galo, nas tentativas que fazia, parava em um inspiradíssimo Fábio. Mas, aos 25′, após um cruzamento atleticano pela esquerda, Luan, que tinha entrado uns minutos antes, guardou de cabeça.

Adivinha se o Palmeiras, intranquilo como anda, não levou um tempão para assimilar esse gol? O jogo ficou uma dureza de assistir… Só lá pelos 40′ é o Palmeiras pareceu se dar conta que estava no prejuízo e tinha que buscar. O juiz deu quatro minutos de acréscimo. Aos 46′, um belo passe, que saiu do meio de campo, achou Mouche lá na frente, ele entrou na área, mas, acabou perdendo uma boa chance de empatar.

No finalzinho, Felipe Menezes quase marcou, Victor conseguiu espalmar e salvou. Mas não teve jeito e  o jogo acabou assim.

E então, a torcida correu para os celulares (dentro do estádio, a maioria dos aparelhos fica sem sinal), para os rádios dos carros, na tentativa de entender o que tinha acontecido lá na penalidade guardada por Henrique, que o juiz fizera voltar a cobrança.

A imprensa não viu nada de errado no que fizera o árbitro (ela nunca vê quando quem vai ser prejudicado é o Palmeiras), afirmou que estava certo o juiz fazer voltar porque tinha havido invasão, isso está na regra… blá, blá, blá… Teve muita gente dizendo que nem pênalti tinha sido mesmo – o que não entra na pauta da discussão, uma vez que o árbitro o havia marcado.

Me contaram que até o Simon, na TV, afirmou que não foi pênalti, e que, no entanto, durante a transmissão, quando o árbitro marcou uma falta cometida por Lúcio de maneira semelhante (braço do defensor empurrando o pescoço do atacante) o tal do Simon não achou que a marcação do árbitro estivesse errada, nem disse não houve a falta… Mas que credibilidade tem esse senhor, que garfou um gol legítimo de Obina em 2009; que operou o Brasiliense numa final de Copa do Brasil, para comentar sobre arbitragem? É quase a mesma coisa que Mário Sérgio comentar sobre disciplina e comportamento dos jogadores… não pode!

Me diga, leitor, se trocarmos as camisas dos dois jogadores abaixo, a “press” vai achar que foi pênalti, não vai? E se para o Palmeiras esse tipo de falta não é permitida,  por que deveria ser, e é,  permitida para outros times?

Penalidade-Mazinho2

Mas o problema foi que o árbitro mandou voltar a cobrança porque houve invasão, e houve mesmo. E aí, a gente supõe que todas as vezes que acontece invasão em uma cobrança de pênalti, a cobrança será repetida. Certo?

Errado! A não ser que as regras tenham mudado antes do jogo do Palmeiras… A regra diz que em caso de invasão dupla (jogadores das duas equipes) tem que voltar a cobrança. Mas não é isso que tem sido feito pelas arbitragens (essa postagem será editada durante o campeonato, para que sejam acrescentadas novas imagens de cobranças de penalidades, com invasão permitida pelos árbitros):

Fluminense x Palmeiras – Brasileirão 2014 – 21ª rodada

 

Flamengo x Coritiba – Copa do Brasil-2014

Embedded image permalink

penalidade-bambis-contra-Bahia

penalidade-bambis-contra-FluminenC

Pênalti-RCeni

 

pênalti-LocoAbreu-BotafogoCampeão

 

Pênalti-LocoAbreu-Cavadinha

penalidade-Brasil-contra-Croácia

penalidade-Coxa-contra-BOT

penalidade-Cruzeiro-contra-Figueira

penalidade-Cruzeiro-contra-Gambás

penalidade-Fla-contra-Galo

penalidade-gambás-contra-poodles

penalidade-gambás-contra-Santos

Como você pode ver, a regra existe, mas não vale pra todo mundo, só vale para o Palmeiras. Tem time fazendo gol de pênalti, com invasão e tudo; tem goleiro defendendo, com invasão e tudo… E nada da juizada fazer cumprir a tal regra. Essa rigidez toda, da arbitragem e da imprensa esportiva, é só com o Palmeiras.

James “quarto árbitro que sacaneou o Palmeiras em 2012” Pierre fez voltar a cobrança porque houve invasão dupla (teria mandado voltar, caso a primeira cobrança fosse mal sucedida?). OK.  Mas por quê, na segunda cobrança, com dupla invasão, de novo, com goleiro adiantado (dois pés à frente da risca, não pode) ele não fez voltar também? A “graça” já tinha sido alcançada?

Embedded image permalink

penalidade-invasão-de--campo

 

penalidade-invasão-segunda-cobrança

Terá tido ele um “surto de amnésia repentino” e esquecido a regra que o fizera voltar a primeira cobrança um minuto antes? Ou será que já que o Henrique errou mesmo, não precisava mais fazer voltar?

Esse “é só com/para o Palmeiras” já está ficando pra lá de esquisito e manjado…

O Palmeiras que abra o olho e tome providências… senão, vai ficar cada vez pior.

  • Marco

    Falando em quarto árbitro, esse da partida com o Atlético tem uma trajetória interessante neste ano.

    Antônio Rogério Batista do Prado foi o árbitro de Palmeiras 0x1 Ituano, jogo em que o Alan Kardec foi quebrado, quando o Ituano bateu à vontade e nada aconteceu.

    Em seguida foi o quarto árbitro da partida de volta contra o Vilhena. Nesse jogo, as imagens da TV mostraram claramente ele tirando sarro no Gilson Kleina, quando este reclamava de uma penalidade não marcada.
    Voltou a trabalhar como quarto árbitro no jogo com o Bahia, aquele da penalidade não marcada sobre o Henrique e agora conclui sua participação sendo quarto árbitro nesse jogo da volta da penalidade.

    Não dá para saber a influência do quarto árbitro em relação à arbitragem, o que eles conversam antes e no intervalo da partida e se o ponto funciona durante o jogo, mas a coincidência de atitudes estranhas em partidas do Palmeiras aparece de novo.

  • Fábio Vitório

    Eu tenho a mesma visão, esses tipo de coisa só acontece com o Palmeiras. O que será que acontece? Não é possível que todos esses juízes tenham raiva do time ou que as ordens para tal feito venha de fora do campo. Não tem como entender e nem admitir que se jogue contra nós, isso já ocorre a muito tempo…

  • Claudio Romano

    Taninha, é simples.
    Existe um certo time que é muito ajudado, pois possui influência em todos os órgãos esportivos voltados para o futebol, nos meios de comunicação, tais como tv e rádio e também na política.
    Pois bem, se esse time é o nosso maior rival e a história demonstra que são nossos fregueses é apenas óbvio que o contrário também aconteça, ou seja, somos eternamente prejudicados e perseguidos.
    Só sendo muito tolo para não acreditar nisso.

    • Marco

      Teremos agora um exemplo clássico dessa política de interesses para ser acompanhado: o caso PETRUS.
      Qual será o jeito que vão arrumar para jogar a sujeira para debaixo do tapete?
      E se fosse com o Palmeiras, como se comportaria a imprensa, o tribunal, a CBF?

  • ednei

    Oi Tania.O Godoy( aquele mesmo),na tv Gazeta falou pra quem quisesse ouvir:
    O juiz voltou o penalty por ter se arrependido de marcar.Se ele batesse 10 vezes ,10 vezes voltaria,até perder.Então conclui-se que o aviso que sempre vem da Globo ,foi em relação a não ter havido o penalty.Por isso eu critico o nosso presidente ” Nobre” se fosse o Kalil eu queria ver se o arbitro não teria a sua porta chutada no intervalo e não marcaria outro penalty.
    Essa omissão é o maior defeito desse presidente.O tempo irá mostrar.
    Abs a coletividade palmeirense

    • Ednei, isso é tapeação do Godoy.
      Uma tonelada de pênaltis inexistentes já foram marcados e, nem por isso, os árbitros fizeram voltar as cobranças.
      Godoy, que era outro juiz ladrão, está apenas fazendo corporativismo.
      Esperar que o nosso presidente, seja ele quem for, chute a porta do árbitro, não dá.
      Não fazemos parte da tchurma, e se nosso presidente fizer algo assim, o Palmeiras e ele se ferram mais ainda.
      Mas o Departamento Jurídico eu acho que poderia tomar uma providência. Só acho…

      Abs.

      • Marco

        Tânia,

        Não é de agora, mas pelo que acontece em jogos do Palmeiras e só em jogos do Palmeiras, fica claro que existe interferência externa nos jogos do time.
        Lances favoráveis ao Palmeiras passam por verdadeiras CPI para serem confirmados.
        Mesmo aqueles que são marcados corretamente são colocados em dúvida.
        Para qualquer outro time, a penalidade sobre o Mazinho seria considerada como marcação correta.
        Começamos a entender porque lances que nos prejudicaram demoram tanto para ser repetidos pela TV e quando é a favor do Palmeiras a repetição é imediata.
        Não dá para saber se são os repórteres, se há algum contato direto da TV ou se alguém ligado à arbitragem assiste em casa e passa para o quarto árbitro, mas há toda a indicação de comunicação externa com o quarteto de arbitragem.
        Caberia ao Palmeiras investigar o que acontece. Não precisa fazer um carnaval a respeito, mas o clube não pode ser tão inocente como vem sendo há muito tempo.

  • Marco

    Pela nossa necessidade de reação, deixou um recado ao nosso treinador:

    GARECA: FAÇA O SIMPLES, NÃO INVENTE!

    Dois laterais, dois zagueiros, dois volantes, dois meias, dois atacantes e um goleiro que faça seus milagres, mas não entregue gols bobos, gols que na várzea um time não tomaria.
    Fazendo o simples, o time volta a ser equilibrado e com o equilíbrio, quem sabe consiga acertar o gol.
    Passamos um jogo inteiro sem conseguir ter uma finalização para o gol adversário.
    Nos treinos erram tanto assim?

    O time perde para ele mesmo, para a condição emocional. Então para reverter isso, FAÇA O SIMPLES, NÃO INVENTE.

    Não adianta ter três atacantes se o time perde o meio de campo, a bola não chega!

    No esquema simples, escale quem no elenco mostre mais equilíbrio emocional para superar essa fase, pois times muito inferiores estão a nossa frente porque não perdem para eles mesmos.

    Quanto à diretoria, que entenda a gravidade da nossa situação e preste atenção em textos como esse do blog, pois trata-se da nossa sobrevivência na competição e no ano.

  • Fernando

    Não podemos continuar com jogadores que a cada dia ou jogo demonstram o NÂO interesse em defender as cores da Sociedade Esportiva Palmeiras, o Lúcio foi claro em sua entrevista, diretoria e comissão técnica não toma atitude alguma. Temos time para estar onde Flamengo se encontra e com time inferior ao nosso, más tem comando e jogadores são mais comprometidos, com Luxa estas laranjas podres já estariam fora, será que ninguém vê Leandro,Wesley,Bruno Cesar e Deola?? A única coisa que dá para tirar o chapéu é nossa torcida que dão exemplo no “acredito sempre..não desisto nunca!!” jogadores deveriam se deixar contaminar pelo amor demonstrado pela torcida, principalmente contar o Inter.

  • Eu acho que é perseguição mesmo…! Um comentarista esportivo da BANDEIRANTES,após os resultados dos jogos de domingo (31/08), estava indignado ao afirmar que, apesar da derrota do Palmeiras para o Inter, ele não entrava na zona do rebaixamento..!!??..(falava dando ênfase ao fato, como se isso fosse um absurdo, sorte, etc..).
    Posteriormente, esse mesmo comentarista “corrigia” sua opinião ao afirmar que “isso era bom para o Palmeiras”..!!??
    Estaria ele “torcendo” para voltarmos ao Z4??

    • Claro que estava/está torcendo para o Palmeiras voltar ao Z4, Flávio!
      E assim estão muitos outros “profissionais” de imprensa.

  • Não se sabe o porque, mas quase a totalidade dos repórteres estão contra o Palmeiras.