COLETIVA DE VALDIVIA NO RETORNO AO PALMEIRAS

Na quinta-feira (07), na Academia de Futebol, Valdivia, de volta ao Palmeiras, concedeu entrevista coletiva à imprensa. Coletiva pedida por ele, para abrir o jogo e esclarecer todo o “disse-me-disse” envolvendo o seu nome e a má sucedida transferência para o Al Fujairah FC, dos Emirados Árabes.

Como algumas pessoas me disseram que não puderam acompanhar a entrevista toda, que durou mais de uma hora, e não conseguiram encontrar o conteúdo todo nos portais, resolvi postar aqui as anotações que fiz, enquanto assistia à entrevista.

O Mago, tão logo chegou à Sala de Imprensa, se dispôs a ficar o tempo que fosse necessário para que todas as dúvidas fossem esclarecidas e para que fossem feitas todas as perguntas que os jornalistas tivessem a respeito do assunto.

E Valdivia explicou o que aconteceu desde a sua ida aos Emirados. Acompanhe as declarações, que estão redigidas mais ou menos na mesma sequência em que elas foram sendo feitas. Alguns assuntos se repetem porque os jornalistas perguntavam sobre eles novamente.

A explicação

“Viajei na quarta-feira de madrugada. Fui recebido por torcedores, dirigentes do clube e imprensa. Fui levado até a cidade da equipe, fui recebido na sala do sheik. Ele subiu a foto no facebook dele falando que estava apresentando o novo camisa 10 do clube.”

“Tem vínculo, sim. Fiquei lá e fiz exames médicos. A gente esperou o dia da assinatura do contrato. Foi aceito o meu pedido de 10 dias de férias. O clube disse que não teria problema e era só apresentar para a pré-temporada no dia 5, na Alemanha. Até então estava tudo certo. Eu tinha de voltar no domingo (04).”

Pela internet, eu acompanhei a chegada do Mago lá no novo clube, e foi isso mesmo, ele foi apresentado como o novo camisa 10 do Al Fujairah:

144646_ext_arquivoIikJD5LY_400x400

Sobre a assinatura do contrato

“Não assinamos o contrato, infelizmente, porque era Ramadã. É algo totalmente diferente de nós. O que foi passado para as pessoas do meu lado que não teria problema e era só apresentar no dia 5, na Alemanha. Quando fui para o Al-Ain, foi a mesma coisa. Fui vendido, aceitei os valores e assinei um documento em que dizia isso. Tudo o que foi feito na primeira transferência foi realizado nesta. Agora estava igual.

Peguei os dias de férias do meu suposto novo clube. Quando voltei fiquei sabendo que tinha sido cancelado. O motivo desse cancelamento era que eu não tinha acertado os valores, o que é mentira. Tem documento com carimbo e assinatura do clube, do sheik. Fiquei muito surpreso na minha volta ao Chile, porque na minha cabeça estava tudo certo.

Tudo isso trouxe uma complicação grande. Tive de tirar meus filhos da escola, meu cunhado veio para arrumar a mudança. Estava tudo assinado para tirar mudança, imobiliária, carro, enfim… e significou uma mudança muito grande.

A pessoa que estava negociando pelo meu lado disse que o pai do sheik teria tirado o apoio do filho, porque era muita grana. E essa grana poderia ser usada para construir hospitais, escola, e deixou o filho sozinho na negociação. Isso foi passado para mim, quando cheguei. Mas para o Palmeiras foi dito que eu não tinha aceitado os valores. Eu desminto isso, e já mostrei para o Palmeiras. E o Palmeiras me deu a razão. Tenho os documentos.

Fui liberado pelo Palmeiras no sábado, 12 de julho, então fiquei muito surpreso. Acredito que vocês também. Agora vamos ver com o departamento jurídico qual é o próximo passo.”

Sobre a possibilidade de “haver um clima ruim para ficar no Palmeiras”

“Clima para ficar no Palmeiras não vejo porque ser ruim. O que aconteceu comigo… Estava tudo certo. Não tinha a mínima dúvida de que não seria mais jogador do Palmeiras. Agora eu volto com a mesma motivação que sempre tive aqui. Conheço os jogadores, conversei com eles e com o treinador. O clima nunca mudou aqui dentro do clube.

Nem quando a Copa acabou pensava em sair do Palmeiras, nem agora. A torcida e vocês têm de saber que o Palmeiras sempre foi claro em dizer que não há jogador inegociável. Se chegar uma proposta, o clube vai analisar primeiro. Depois, vão falar comigo. Mas minha cabeça é a mesma. A mesma motivação e já falei com o treinador ontem, quando voltei a treinar. Não tem essa de ficar pensando.

Claro que penso no que aconteceu, mas voltar desmotivado, não. Muito pelo contrário. Sempre digo que devo muito a esse clube. A história mais bonita da minha carreira foi aqui. Vou continuar honrando e respeitando a camisa do Palmeiras.

Sobre o acordo para as férias e o salário de Julho

Não era jogador do Palmeiras. Era jogador do Al Fujairah. Eles mostraram ao mundo que me contrataram. Levaram torcida, imprensa no aeroporto. Cheguei em Dubai 0h, e no hotel 4h da manhã. Fui apresentado ao sheik, diretor, presidente, jogadores, e fui dormir 4h ou 5h da manhã. Concordamos em me liberar 10 dias para férias, porque depois da Copa não tive.

Assim que acabou a Copa, fiquei dois dias aqui e no terceiro dia vim treinar. O Mena (Santos) e o Aránguiz (Internacional) tiveram sete ou dez dias de férias. Eu não. Como eu não era mais jogador do Palmeiras, fui liberado 12 de julho. E aproveito para esclarecer: não recebi mais salários do clube neste momento. Foi pago até sábado, em um jogo-treino que joguei.

Sobre o “sumiço”, e o porquê de ter se mantido incomunicável durante as férias

Eu não sumi. Estava na Disney, com a minha família. Se tivesse sumido, a minha mulher não postaria fotos. Antes de ir a Dubai, tuitei que não jogaria mais pela seleção. Na minha volta de Dubai para o Chile, não tenho telefone chileno, só do Brasil. Na volta, num domingo, passei aqui e fui embora. Deixei avisado com quem trabalha comigo para bloquear meus números, para tirar as crianças da escola.

A minha família ainda está no Chile. Fui para o Chile e parecia que estava chegando o presidente do país. Tinha muita imprensa querendo falar comigo, para esclarecer os motivos de não atuar mais pela seleção. Depois saíram notícias de briga, e a imprensa chilena me envolveu. Então, ganhei essas férias do clube e fui embora sem preocupação. Não queria mais saber de telefone e mensagem.

A minha casa foi invadida por gente querendo saber porque não atuaria mais pela seleção, se houve indisciplina ou briga. Curtir e desfrutar meus filhos foi sagrado. Desliguei tudo porque não queria ver internet. Saía 8h do hotel e voltava meia-noite para dormir. Aproveitei bem os dias de férias do meu novo suposto clube.

Os motivos são esses. Não estava escondido. A prova mais clara é que a minha mulher postava as fotos, mostrando que estávamos de férias.

A saída do Palmeiras

“O que falei é verdade (se referindo à despedida que deixara para a torcida em uma rede social): o Palmeiras precisa de dinheiro. O presidente disse muitas vezes que ninguém é inegociável. O clube recebeu uma proposta e assinou todos os documentos, que garantiam a minha saída do clube.

O que escrevi no momento foi a verdade: o Palmeiras precisava de grana, chegou uma grana que o clube aceitou. Abri mão de 10% para ajudar o clube. Concordamos em todos os termos e fui vendido. Se vier mais uma proposta, quem decide primeiro é o clube. Se decidirem se é boa, ou não, eu sou chamado. Esse é o procedimento normal.”

A volta aos gramados e a conversa com a comissão técnica no retorno ao clube

“Por mim, ontem (estaria pronto para jogar). Mas neste momento iria mais atrapalhar do que ajudar. Neste momento, e em todos, tem de respeitar meus companheiros. Quando fui perguntado se devo jogar com algum ou outro atleta, disse que todos merecem atuar. O técnico decide. E há jogadores atuando e se doando pelo time.

Já conversei com a comissão técnica e montaram um planejamento. Começamos treinamentos em dois períodos e vamos acelerar o máximo possível. Mas a minha vontade é recuperar os dias que fiquei sem treinar, desde o sábado do jogo-treino contra o Red Bull. Agora, iria mais atrapalhar.

Não posso dar uma data para voltar, porque temos de ir conversando com a comissão técnica. Não posso esperar muito tempo e por isso vamos treinar em dois períodos.”

As férias e a falta de notícias nesse período

“As férias foram dadas pelo clube. É difícil vocês acreditarem. O direito de vocês é perguntar e duvidar um pouco, mas quando você está sempre sob pressão, e pode ter um descanso com a família, meus números são do Brasil. Minha mulher não tinha telefone e postamos as fotos pelo telefone da minha cunhada, que tinha telefone do Chile.

É difícil de acreditar, mas não ficamos lendo notícias, mensagens sobre o negócio não ter dado certo. Para mim estava tudo certo.

Tinha as provas suficientes de que estava tudo certo. Saíamos do hotel 8h ou 9h para passear e voltávamos muito tarde, para dormir. A minha mulher publicou fotos pelo celular da irmã dela. Tinha internet, sim, é difícil não ter internet na Disney, mas eu não entrei em momento nenhum. Fui para descansar e para me apresentar no dia 5 no Al Fujairah.

Motivação para atuar pelo Palmeiras

“Um dos motivos pelo que pedi essa coletiva foi para esclarecer as dúvidas que vocês e a torcida têm. E não contar a minha verdade, e sim os fatos como aconteceram. Motivação tem todo dia. Claro que disputar uma Copa do Mundo não é todo dia, mas sempre estou motivado de representar essa equipe.

É uma instituição que me deu tudo. Tenho cinco anos aqui no clube e nunca fiquei em lugar algum tanto tempo. A motivação é a mesma de querer jogar. O Palmeiras vive um momento complicado, mas tenho certeza que sairemos dessa. A motivação existe sempre. Se não tiver motivação de treinar, é melhor ficar em casa deitado.

A mensagem que passo é: da minha parte não muda nada. Desde ontem voltei a ser jogador do Palmeiras. Quero conquistar coisas e disputar um jogo no nosso novo estádio. A minha motivação não muda nada.”

Repórter chileno pergunta se Valdivia poderia voltar à seleção

“Minha decisão não muda. Sou agradecido à comissão técnica, mas a minha volta ao Palmeiras não muda nada. Bem ou mal, com coisas negativas que a seleção passou, agradeço à seleção e à torcida. Representar meu país é o mais importante.”

“Tudo o que me colocaram envolvido não estou (polêmicas na seleção). É fácil apontar o dedo para mim por todo o passado. Quando falam de indisciplina ou briga citam meu nome, mas não estou envolvido em nada. Mas repito: não muda minha decisão. E desejo o melhor aos meus companheiros.”

Sobre avisar aos pais da viagem de férias

Não, tenho 30 anos. Já fiz tudo pelos meus pais, sou agradecido a eles. Quando assinei com o Colo-Colo comprei uma casa para eles. Tenho 30 anos. Formei minha própria família e acho que pelo que falei não tenho motivo para estar sempre avisando o que farei ou não. Seus pais te chamam para saber como estão, saúde, ok. Mas ligar para avisar que vou sair de férias, não teria motivo para ter feito.

Entrar na Justiça contra o Al Fujairah

Conheci o Wagner Ribeiro (empresário), mas nessa negociação ele não estava por dentro. Mas ele está certo em uma coisa: estava tudo assinado, menos o contrato. Tanto que o Palmeiras vai se manifestar juridicamente. O Palmeiras assinou a venda, o Al Fujairah assinou que compra o jogador, e eu assinei que aceito tudo. Tem carimbo do clube, do sheik, enfim, tudo certo.

A única coisa que não estava acordada são os termos de pagamento: luva, adiantamento… Mas valores econômicos, que é o motivo apontado por eles para o negócio cancelar, não. O documento que o Palmeiras tem mostra o contrário. O Brunoro acredita no que expliquei a eles anteontem, que de fato aconteceu.

O Palmeiras está há um bom tempo tentando se comunicar com o Al Fujairah. O que se vive lá é diferente do nosso comum, ainda mais com Ramadã. Da primeira vez que fui foi igual: Palmeiras aceitou valores, assinamos documento aceitando tudo, mas faltava exame médico e assinatura do contrato. Desta vez também fiz exames médicos.

A pergunta é difícil responder: o que aconteceu. O Palmeiras assinou documento de transferência. Tanto é que não treinei mais no Palmeiras. Segunda, terça e quarta não me viram mais aqui. Já era jogador do Al Fujairah. É difícil responder o que aconteceu realmente.

Quando voltei dos Estados Unidos, fiquei em choque e surpreso. Não sabia o que tinha acontecido. A pessoa do Chile que viajou comigo, disse que tentou entrar em contato e não teve resposta. Ninguém apareceu. Só informaram ao Palmeiras que o negócio não aconteceu por minha causa. Mas o documento que o Palmeiras tem prova o contrário. O Palmeiras está há quatro dias tentando entrar em contato com o Al Fujairah e não consegue.

Quando voltei, eles tinham conversado com advogado que mexe com coisas do futebol. Ele disse que temos tudo para entrar na Justiça contra o clube. O Wagner Ribeiro também me disse isso.

Se quem entende do caso e trabalha com isso, o que tenho de fazer é isso. Eu fui enganado. O Palmeiras foi enganado. Fui tratado como um jogador novo. Deixei de treinar muito tempo. São muitas coisas envolvidas para entrar na Justiça.

Sobre a relação com Wagner Ribeiro

Não sabia que eu tinha fechado com o Wagner (risos). Ele não é meu empresário. É uma relação muito próxima, mas como você diz que tem algo assinado, não tem nada assinado. É uma pessoa muito próxima.

O Wagner não estava no meio desta negociação. Se fosse, estaria por dentro. É uma pessoa que conversei, saí para almoçar e tiramos fotos. Mas não assinamos. Mostra que meu desejo não é sair embora.

Luvas e adiantamento prejudicaram o acerto?

Juridicamente, não. O motivo que eles alegam são valores econômicos, que estavam acertados e assinados.

E a forma física?

Já conversei francamente com o treinador. O planejamento foi montado. Se jogar domingo, atrapalho mais do que ajudo. Vamos trabalhar duro e fazer o possível para voltar logo. Não posso passar por cima de quem está treinando e jogando. Preciso respeitar a decisão do técnico, como sempre fiz.

Encerrar a carreira no Palmeiras?

Sempre falei antes de sair: sou muito grato ao clube e pelo carinho da torcida. Quando caímos, eu caí junto. Jogamos a Série B juntos. A Série B poderia colocar em dúvida a minha convocação para a seleção, mas mesmo assim fiquei. É difícil usar os argumentos, porque parece que estou chorando.

Sofri sequestro, agressão, mas mesmo assim fiquei, porque gosto muito do clube. Sofremos juntos, e tivemos alegrias juntos. Fiz grande parte da minha carreira aqui e vou continuar do mesmo jeito. Se for para encerrar aqui, o único cara que ficará triste é o Osório Furlan (conselheiro e dono de 36% dos direitos econômicos).

A relação com o elenco

A disputa sempre teve. Não só no Palmeiras, mas em todas. É saudável. Tenho sorte que seja com os argentinos, paraguaio, porque nos damos muito bem e temos a mesma língua, falamos o mesmo idioma. Os brasileiros que jogam na mesma posição eu conheço. Não muda nada. É totalmente normal. Nos damos muito bem. Temos amizade no grupo.

Tem de respeitar a todos. Sempre que me colocaram jogando com Mendieta, Marquinhos Gabriel, sempre falei do Felipe Menezes e do Wesley. Sempre fui respeitoso e agora não será diferente.

Sobre jogar no Allianz Parque

“Totalmente diferente. Quando era o antigo Palestra, o time que vinha jogar contra nós sentia pressão e diferença já quando entrava na (Avenida) Francisco Matarazzo. Tem muito torcedor palmeirense na região. E vai ser muito diferente. Espero que a Arena fique pronta logo e nos traga alegrias, felicidades e muitas vitórias.

Sobre ter sido negociado e sobre Brunoro ter declarado que o clube não precisa de dinheiro

O Palmeiras sempre declarou que não há jogador inegociável. Negociou Barcos, Henrique, que era o capitão, e mais alguns que estavam para se tornar referência no clube. E foram vendidos. Abrir mão de jogadores importantes não é comum. Isso quer dizer que precisa da grana. Se o Palmeiras não quisesse vender, teria rejeitado a proposta do clube árabe. Agora quando senta para conversar que tem proposta, que agrada ao clube, você tem uma brecha para negociar.

Os valores eram bons e aceitei. A necessidade do clube no momento era de vender, porque o pessoal do Palmeiras sempre disse que não tem jogador inegociável. Era bom para o clube e para mim. Decidimos em comum acordo para fechar a negociação.

O que foi aprovado é uma proposta boa para todos os clubes.

Por que Emirados de novo?

Quando vai ser vendido, tem de pensar em ganhar mais do que onde está. Isso passa com você, ninguém é feliz toda a vida com a grana que ganha. Tem de pensar no futuro. No meu caso estava melhorando. Se quer chegar no ponto de mercenário, não teve nada disso. A proposta foi boa para todos. Quando você sai é para ganhar mais.

Polêmicas com Valdivia

Porque não falo muito e não venho desmentir. Foi dito que meu pai atrapalhou, que tinha uma proposta de clube melhor. Na seleção inventaram que teve indisciplina com o Medel. Sempre que há algo de suspeito meu nome é o primeiro.

Valdivia teria culpa nas polêmicas?

Sim, mas viver só sentindo culpa seria melhor jogar em um time sem tanta expressão e que a pressão não seja como é aqui. Sentir culpa sempre é tipo o cara alcoólatra. Ele quer se recuperar e tem direito, melhorar a vida e uma família. Tenho direito de passar a mensagem que mudei, não sou a mesma pessoa. O mesmo direito do cara que tem de se recuperar de um problema, é o meu direito.

Não posso ser julgado pelo que fiz. O que fiz já paguei e fui punido, criticado. Mas quando quer melhorar, tem o direito de melhorar. Esse é o meu direito. Tenho melhorado e mostrado isso. Viver de culpa é melhor não ter vida, porque se não já acorda pensando nos problemas.

Sempre que houve problemas esclareci e fui bem homem. Alguns falam que não sou comprometido. Tem de ter parcela de comprometimento, mas não é tudo no futebol: caráter, qualidade, personalidade, vontade, fome e perseverança. Não é tudo comprometimento.

Sobre os estrangeiros no Palmeiras

O Mago brincou sobre o grande número de estrangeiros que há no elenco do Palmeiras e a permissão da CBF para que os clubes tenham apenas cinco estrangeiros em campo atuando nas partidas nacionais (o Palmeiras tem sete):  “No ano que vem serão só cinco brasileiros”, disse ele.

É legal que tenha mais estrangeiros. Você dá chance de trabalho, de viver em um país 100% futebol, de criar filhos aqui, como no meu caso. Faltam poucos dias para fechar a janela e eu nem sabia. Se o Palmeiras concordar e aquele personagem (Osório Furlan) também, e para mim for o melhor, ok. Não dá para sair sendo pior ou igual. Vamos esperar o que o Palmeiras decidir. Voltei a ser funcionário. Quem decide é o clube.

De novo, repito: o clube sempre disse que não tem jogador inegociável. Depois será perguntado a mim e vamos decidir juntos. Mas o meu desejo sempre foi voltar ao Palmeiras. Na primeira vez que saí, voltei para o clube feliz. Tivemos problemas, sou feliz aqui e grato. Espero que a torcida entenda a sinceridade com a qual estou me expressando hoje. Estou abrindo tudo, não tem porque me esconder.

Ganhei folga do clube que iria me contratar. Agora, meu antigo e novo clube é o Palmeiras. Devo satisfação ao Palmeiras hoje. A vida continua como sempre foi: treinando e jogando sempre que for possível. Meu carinho pelo clube não muda. Tanto que no meu Instagram só tem foto do Palmeiras, e o gol na Copa foi dedicado aos torcedores do Palmeiras. Tenho muito a agradecer.”

Sobre entrar na justiça junto com o Palmeiras

“Acho que sim, ganhar é mais fácil. Mas também vou entrar com meu estafe de advogados, porque são coisas diferentes. As duas partes foram enganadas. Eu fui exposto ridiculamente, posando com camisa do clube, falando com a imprensa e submetido a exames médicos. Tive de tirar meus filhos da escola. Passei para minha mulher que iríamos morar em Dubai. Até postou uma foto de Dubai.”

 Palmeiras quer o Mago fora?

“Só falei que o Palmeiras diz que não há jogador inegociável. Amanhã é outra diretoria, outro ponto de vista. Mas nunca falei que o Palmeiras não me quer. O que disse é que eles sempre deixam claro que não há jogador inegociável, e não me devo ao Osório Furlan. Se ele ajudou a trazer de volta, problema dele. Não me devo a cigano, fulano e sim ao Palmeiras. O dono do meu futebol é o Palmeiras.”

Sobre Osório Furlan  (ajudou o Palmeiras a contratar Valdivia em 2010)

Se ele me quer fora, cuida da vida dele e eu cuido da minha. Não tem porque ficar respondendo sempre. Quando há matérias falando de mim não tem motivo para responder, porque ele não significa nada para mim. Para o Palmeiras ele significa, porque ajudou o clube, mas ele não me ajudou.

Declaração/brincadeira(?) de Vampeta sobre muitos estrangeiros juntos

Acho que foi de brincadeira. Não tenho nada a dizer sobre isso. É falado no futebol isso, mas nem tudo que é dito necessariamente é verdade. É uma opinião dele, tem de ser respeitada, mas discordo. Cada um sabe o que diz.

A assessoria de Valdivia avisou então que seria a última pergunta, mas o jogador novamente se disse mostrou à disposição de todos: “Não, pô, podem perguntar e vamos falar”. E a entrevista continuou.

Valdivia tem regalias no Palmeiras?

“Quem fala isso são vocês (jornalistas). Acho que o meu direito é o mesmo de todos.  Tenho a mesma vaga no estacionamento. É sério, é verdade. A minha vaga é do lado do Juninho. O café da manhã é o mesmo. Quando o Palmeiras paga o salário é no mesmo dia. Não sei quantas camisas vendem com o meu nome. Meu horário e dos outros é 9h30. Quando tem coletiva venho contra a minha vontade. Essa não, eu que pedi. Mas direitos são os mesmos.

Polêmicas, de novo

Como tive muitos problemas aqui, com lesão, sequestro, e que acharam estranho eu ter ido embora, já vira polêmica. Teve a agressão na Argentina (Libertadores de 2013). Qualquer lugar do mundo isso é imperdoável. Não vi acontecer algo diferente. Se o Paulo (Nobre, presidente) vetou coisas das organizadas, é normal, o Cruzeiro também fez.

Se falam de eu ter mais direitos por ter ido embora desde sábado, é porque não era mais jogador do Palmeiras. O Palmeiras não me pagou mais e me liberou a não vir mais.

“Falam que não vou para o treino, mas muitos não vêm e vocês não olham. “Ah, ele chegou no departamento médico 9h40″, mas outros também. Mas chama atenção porque sou mais polêmico e venho para falar a verdade. Não digo nada para agradar. Sou sincero. Quando aconteceu o problema da minha mulher pedi desculpas. Direito diferente eu não tenho. Mas quando eu faço parece que é diferente.”

“Quando eu disse que o Felipão tinha falado uma coisa e depois aconteceu outra, aconteceu. E vocês sabem o que aconteceu. Não venho aqui para mentir. Não falo com maldade, falo a verdade porque sou sincero. Quando fiquei machucado é porque eu tinha alguma coisa mesmo.”

“Todas as vezes que fiquei machucado, não era mentira. Já falei também que o José Amador (preparador físico) me ajudou e tratou. Há muito tempo não me machuco. Falam que não tenho comprometimento, mas venho para os treinos e jogo. Tenho minha vida pessoal. Cada um é dono da sua. O mais simples é falar que não tenho comprometimento. Quem sabe disso é quem está aqui dentro. O resto é especulação. Eu venho para o treino, jogo, bem ou mal. 

Valdivia aceitaria contrato por produtividade?

“Nesse momento não pode, porque tenho contrato fixo. Quando esse contrato acabar, você pergunta de novo. Esse contrato vai até agosto de 2015. É fixo e não pode ser modificado. Se quiser renovar, claro que vamos conversar”

Conversa com Gareca

No pouco tempo com o treinador, falamos muito e com os auxiliares. Esse Campeonato, tirando Itália, Inglaterra e Espanha, é o quarto mais difícil do mundo. Tem clássico todos os dias, e falei ao treinador. São jogos difíceis e várias partidas no ano. Clássico toda semana. Quando não é clássico, joga contra o melhor de Porto Alegre, Minas Gerais. Não tem time ruim ou pequeno. O Brasileiro é um dos mais difíceis.

A mensagem que passo a ele (Gareca) é trabalhar. Qualquer técnico estrangeiro vê que aqui se faz coisas diferentes. A pressão da imprensa é grande. E o Palmeiras é muito grande. O clássico é contra o Corinthians, e ultimamente o Corinthians tem ganhado coisas importantes. E exigem o dobro de jogadores e treinadores diferentes.

Mando mensagem de tranquilidade, confiança e que o time está 100% fechado com o que ele faz. Conversei com os jogadores e disseram que são trabalhos excelentes. É uma pessoa excelente. Cumprimenta a todos sem exceção. Chego com muita vontade de mudar os resultados negativos recentes.”

Renovação do futebol brasileiro

“Acredito que uma renovação é necessário. Hoje o Brasil não tem o poder de antigamente, quando tinha Rivaldo, Ronaldinho, Kaká, e mais atrás também tinham. Hoje, o único diferenciado que a imprensa e a torcida destacam, é o Neymar. Antigamente eram sete extraterrestres. O Brasil necessita dessa renovação. Espero que, por ser o país onde trabalho e sou respeitado, que aconteça.”

E, assim, a entrevista se encerrou na Academia de Futebol.