12 DE JUNHO DE 1993… PALMEIRAS CAMPEÃO, SEM NENHUMA MÁCULA

Junho…

Mês em que o Palmeiras comemora a conquista do Paulistão/93 – a primeira, de um time que ganharia muitos títulos mais.  Mês da comemoração da conquista da Libertadores; mês em que o Palmeiras está de férias, em virtude da realização da Copa das Confederações-2013; mês de muitas manifestações, de um povo que clama por um país mais justo; mês de protesto contra a corrupção que assola o país, empobrece cada vez mais a população e enche o bolso de alguns…

E eu vou aproveitar esse mês glorioso e as férias do Verdão, para fazer uma manifestação particular, para acabar com uma falsa verdade, criada à conveniência de alguns, com o intuito de convencer os que não assistiram à uma determinada partida, os que eram muito pequenos ou nem eram nascidos numa certa época… de que não aconteceu o que, de verdade, aconteceu: o Palmeiras atropelou o Corinthians na final do Paulistão 93, sem receber nenhum tipo de ajuda do juiz.

Todo mundo sabe que o Palmeiras não tem um único troféu conquistado à custa do apito. Muito pelo contrário, algumas taças que dormem em outros clubes, lhe foram surrupiadas graças à esses “profissionais”. Né, Armando Marques?

E nesse mês de Junho de 2013, quando o Palmeiras e a Família de Sangue Esmeralda comemoravam 20 anos da conquista do Paulistão-93, apareceu uma certa e platinada manchete, afirmando que o árbitro daquela partida, José Aparecido de Oliveira, teria se arrependido de ter apitado aquele jogo; matéria que não dizia, mas sugeria, que o árbitro, talvez, estivesse arrependido de ter errado.

Talvez ele tenha mesmo se arrependido… Mas de ter apitado  seguindo as regras determinadas pela Fifa (coisa tão em desuso no Brasil), por ter punido corretamente alguns jogadores, de um time que é useiro e vezeiro em receber ajuda do apito. E, como, contrariando a maioria dos árbitros, contrariando o costume, ele não favoreceu o time do apito-amigo, (errou algumas vezes, mas não contra o time da beira do rio), acabou sendo bastante prejudicado em sua carreira. No popular, enfiaram o homem na ‘geladeira’… por ter tido a coragem de fazer os corintianos cumprirem as regras que não costumam cumprir. Né, Márcio Rezende de Freitas? Né, PCO?

Vou postar aqui o relato dos fatos ocorridos em campo, cuja veracidade você poderá comprovar com as imagens do vídeo da Globo, e com a transcrição de alguns comentários, feitos durante a partida, por Luís Alfredo e Juca Kfouri, narrador e comentarista – esse último, assumidamente torcedor do Corinthians; o outro, dizem que é também, mas não tenho certeza -, e de Arnaldo César Coelho.

 

12 de Junho de 1993 – Jogo: S. E.Palmeiras X Corinthians
Histórico da partida:

01 min – Edmundo perde gol feito.

04 min – Henrique comete falta violenta em Edmundo, por trás, e recebe cartão amarelo. Arnaldo César Coelho diz que “a falta foi violenta e o cartão foi muito bem marcado”.

10 min. – Roberto Carlos faz falta violenta em Paulo Sérgio, por trás, e recebe o cartão amarelo. Arnaldo diz que “nesse começo de jogo, Aparecido está preocupado em marcar tudo, porque se não apitar tudo, esse jogo pode descambar pra violência”.

Até esse momento, tinham sido 8 chutes a gol do Palmeiras, contra 1 do Corinthians, diz o narrador Luís Alfredo.

15 min. – Henrique comete falta em Edmundo para o recebimento do segundo cartão amarelo e, consequentemente, o vermelho. O árbitro dá a vantagem no lance e não adverte o jogador (o Corinthians é beneficiado com a não expulsão de Henrique nesse lance).

17 min – Nova falta violenta de Henrique, desta vez em Evair. Luis Alfredo, narrador da Globo, diz que o lance era para expulsão (mais uma vez, o Corinthians é beneficiado com a não expulsão do seu zagueiro).

19 min – Leandro, lateral direito do Corinthians, recebe o amarelo por falta violenta em Edmundo.

20 min – Marcelinho Paulista dá carrinho em Daniel Frasson e não leva cartão.

22 min – Mazinho faz falta para cartão e não leva.

23 min – Ezequiel faz falta para cartão e não leva.

28 min – Zinho recebe cartão amarelo por reclamação. Reclamava da marcação de uma falta inexistente de Mazinho. A Globo mostra com imagens que a falta não existiu. O narrador confirma: “Na bola, a entrada de Mazinho”. Arnaldo diria: “Veja que com o pé esquerdo ele toca a bola e depois é que derruba o jogador do Corinthians. A intenção dele era nitidamente a bola” (o juiz prejudicou o Palmeiras com uma falta inexistente e com o cartão para Zinho, que reclamou com razão).

29 min – Paulo Sérgio dá uma cotovelada em Edmundo. No lance, para expulsão, nem falta foi marcada e o auxiliar Oscar Godoy observa tudo sem fazer nada (o narrador fala da entrada forte do Paulo Sérgio no Edmundo, entrada forte – cotovelada -, que o bandeira, Godoy, ali pertinho, não viu. Luxemburgo ficou furioso com a não marcação, reclamou com Godoy, que ameaçou o técnico: “Você vai dançar”)

37 min. – Zinho marca Palmeiras 1 x 0.

39 min – Henrique faz mais uma falta violenta, a terceira após o primeiro amarelo, agora em Edílson, e é expulso. Toda a equipe da Globo, inclusive o corintiano Juca Kfouri, elogia a atitude do árbitro. Arnaldo César Coelho diz: “Muito bem expulso! Ele já tinha cartão amarelo e parou a jogada de forma violenta. O Edílson foi deslocado de forma violenta e, por isso, foi expulso. Correta a atitude do José Aparecido de Oliveira”.

…………………….

40 min – Ronaldo, após um ataque histérico, pela justa expulsão de Henrique – que deveria ter sido expulso aos 15′ de jogo – recebe o amarelo por reclamação.

41 min – Cartão amarelo para Edmundo, que tenta revidar a cotovelada dos 29 minutos, ignorada pela arbitragem. Entra de carrinho em Paulo Sérgio, que pula, não sendo atingido (se o carrinho violento que Henrique deu em Edmundo, aos 4 minutos, foi pra amarelo, obviamente que, na tentativa de carrinho de Edmundo, que não atingiu Paulo Sérgio, o cartão deveria ser o amarelo também. Acertou o árbitro). Arnaldo César Coelho diz: “Edmundo entrou de forma muito dura para ir à forra daquela entrada do Paulo Sérgio” (não se perca, leitor, ele fala da cotovelada que Edmundo levou, e que José Aparecido nem falta assinalou), o corintiano Juca Kfouri diz sobre a falta cometida por Edmundo: “Não pegou ninguém, diga-se passagem. Nem a bola, nem o Paulo Sérgio”.

42 min – Neto recebe o Amarelo, depois de jogada no meio de campo; reclamava cartão para o time do Palmeiras. Na transmissão da Globo o corintiano Juca Kfouri diz: “os jogadores do Corinthians estão pressionando o árbitro para ver se conseguem a expulsão de um jogador do Palmeiras. Não há motivos até agora para  expulsar nenhum palmeirense”.

46 min. – O árbitro encerra o primeiro tempo da partida.

Segundo Tempo:

05 min – Marcado impedimento de Evair em situação clara de gol. Lance difícil, mas o impedimento existiu. Se a arbitragem fosse mal intencionada teria validado o gol.

15 min – Tonhão lança Edmundo que é derrubado por Ronaldo (fora da área). Ronaldo finge ser atingido por Tonhão na seqüência do lance, simulando contusão. Ronaldo e Tonhão são expulsos. Arnaldo César Coelho diz sobre o goleiro corintiano: “Expulso! Tem que ser expulso!”, Luís Alfredo completa: “Era o último homem”.

Comentários da equipe da Globo:

Arnaldo: “Não houve nada! A expulsão do goleiro é clara. Já tinha um amarelo, e além desse amarelo, fez essa falta que é uma falta digna de expulsão. Correta a atitude do juiz. Agora, se ele vier a expulsar algum jogador do Palmeiras, ele tá inventando”. “Veja na repetição, a expulsão foi clara. É lamentável, mas o zagueiro não fez nada”.

…………………….

Juca Kfouri, ao saber que Tonhão também tinha sido expulso, pergunta: “Mas por quê? Ele não fez nada!” Ao ver o replay sobre a inventada agressão de Tonhão em Ronaldo, Juca afirma: “Não aconteceu nada, o Ronaldo é que tentou cabeceá-lo . Não é possível que o Tonhão tenha sido expulso”.

Luís Alfredo: “Realmente, Tonhão não fez nada. Por esse ângulo dá pra gente ver bem a encenação do Ronaldo”. 

Juca Kfouri juntamente com Arnaldo e Luis Alfredo dizem que Ronaldo armou a expulsão do zagueiro.

E a imagem é clara, Ronaldo, ao ver Tonhão se aproximar, se joga no jogador palmeirense, provocando a trombada que permitiria a ele, Ronaldo, simular uma agressão que não existiu. Os braços de Tonhão estão estendidos ao longo do corpo (O Palmeiras foi prejudicado com a expulsão de um zagueiro que não cometeu falta alguma, muito menos uma agressão).

Quando, finalmente, José Aparecido mostrou o cartão vermelho para Ronaldo (Tonhão, que não fez nada, foi expulso primeiro), o corintiano Juca Kfouri diz: “Você vê aí, o cartão vermelho, infelizmente, mostrado com toda justiça pro goleiro Ronaldo”, “… faltou cabeça pro Ronaldo”.

Arnaldo, ao ver Tonhão saindo de campo, disse: “É lamentável, mas o zagueiro Tonhão foi expulso. Está saindo do campo, do lado oposto, em direção aos seus vestiários. O juiz foi na onda, o Ronaldo foi expulso e, espertamente, cavou a expulsão do Tonhão…”, ao que Juca Kfouri retrucaria: “Aí, Arnaldo, eu nem diria que, espertamente, eu diria que o José Aparecido queria algum motivo pra expulsar alguém do Palmeiras, pra dar uma compensada, porque é de uma profunda injustiça a expulsão do Tonhão, que aliás, originou todo o lance, numa jogada belíssima”.

26 min – Edmundo perde gol feito à frente de Wilson.

28 min – Evair faz 2×0 em jogada de Mazinho.

34 min – Arnaldo elogia José Aparecido por não marcar um recuo de bola a Sérgio. A jogada não foi intencional: “Jogada perfeitamente normal. Não houve a intenção, deliberada, de atrasar a bola pro goleiro. É o que diz a regra. Correto o Aparecido”.

38 min – Gol de Edílson após conclusão de Evair na Trave.

40 min – Comentário de Juca Kfouri:

“Por coisas como essa, eu prefiro os campeonatos por pontos corridos. Esse terceiro gol não valerá nada, o jogo já está decidido e vai para a prorrogação. O Palmeiras tem, agora, nove pontos a mais que o Corinthians e, por todos os méritos, é o legítimo campeão. Terá que decidir o título em uma prorrogação”.

Aos 45 minutos ele diz: “Henrique e Ronaldo erraram, mas não podem ser vistos como vilões”.

Prorrogação – Primeiro Tempo:

02 min – Edílson perde gol incrível embaixo das traves.

04 min – Falta em Evair, não marcada

Juca Kfouri: “O Palmeiras tem que buscar o resultado, tem que tentar fazer o gol, porque é muito superior”.

07 min – Viola tenta jogada individual e perde para a zaga.

07 min – No contra ataque, Edmundo enrola-se com o Zagueiro Ricardo e, na seqüência, recebe o pênalti. Os corintianos reclamam e Ezequiel é expulso.

Luís Alfredo, revendo a imagem, com Ricardo puxando a camisa de Edmundo: “Vejam aí, ele foi puxado”.

O Arnaldo diz que as reclamações são em função da falta de Edmundo em Ricardo (a falta de Edmundo existiu, mas também existiu simultaneamente, a falta de Ricardo em Edmundo, por isso o árbitro deixou seguir, ai veio a penalidade).

……………
……………
……………
……………
……………
…………………………………………..

10 min – Evair cobra a penalidade e faz Palmeiras 1 x 0 na prorrogação.

Juca Kfouri diz: “Faz-se justiça, integralmente”.

13 min – Alexandre Rosa, que acabara de entrar em lugar de Evair, toma cartão amarelo por uma falta que não cometeu. Luís Alfredo diz: “Neto, cavou e conseguiu a falta!” Vendo o replay, Juca Kfouri diz: “Ele empurrou com o peito”

Prorrogação – Segundo Tempo:

04 min – Viola toca a bola com a mão e Neto recebe impedido, mesmo assim reclamam da arbitragem. Luís Alfredo é categórico: “Primeiro, o toque com a mão; depois, o Neto impedido”. Todos concordam.

05 min – Viola tenta cavar pênalti. O narrador diz: “Olha o Viola na área… tentou cavar, tentou cavar! Viola… se ele esquece a tentativa (de cavar), se ele cruza, teria o Corinthians uma boa chance”.

08 minutos – Falta em Jean Carlo na entrada da área e, novamente, exagero nas reclamações. Diz Arnaldo: “Falta clara e bem marcada. O time do Corinthians, agora, está procurando criar problema pro juiz, porque vê a coisa perdida. Veja na repetição que a falta foi clara”.

……………………………..93-Falta-em-JeanCarlo

Comentários de Juca Kfouri:

“Eu só espero que o Corinthians saiba perder e não force mais duas expulsões para sair de campo sem que a prorrogação termine.

O Palmeiras é o legítimo campeão, fez por merecer… … e a campanha, quem fez pra ser campeão é a torcida que tá berrando o grito que há tantos anos ela abafa”.

“…se abre aqui uma nova era em que aqueles tempos de Academia podem voltar (e voltaram mesmo).

15 min e 22 seg – José Aparecido encerra a prorrogação e o Palmeiras, com 9 pontos a mais, é o legítimo Campeão Paulista de 1993.

 (o vídeo que havia sido originalmente postado aqui, sumiu. Com a justificativa no Youtube de “conta encerrada por violação de direito autoral”. É assim que algumas coisas são apagadas da história. Mas sempre há uma outra opção…ainda bem)

Taí… os fatos são incontestáveis e o passado é imutável!

Agora, chega de chororô e de repetirem essa historinha inventada. Ainda que algumas pessoas, das que nada viram de errado nessa partida, ao longo do tempo, tenham se “esquecido” disso, permitindo que uma nova verdade fosse criada (da final do Paulista de 99, ninguém fala nada…) Quem tem olhos pode ver, e quem tem ouvidos pode ouvir.

Se aqueles que perderam, ainda insistem em reclamar de alguém, que reclamem com Deus, por ele ter colocado no mundo craques com o talento de Evair, Edmundo, Zinho, César Sampaio, Roberto Carlos, Antonio Carlos, Mazinho, Sérgio, Edílson… e por eles terem vestido, ao mesmo tempo, a gloriosa camisa esmeraldina.

Eu só tenho a agradecer a ELE!

  • Marco

    Tânia,
    Parabéns pela publicação, um resgate da história que tentaram
    modificar.
    Por essa característica importante que você apresenta em seu
    blog, a de defender os interesses do Palmeiras, aproveito a oportunidade para publicar um pequeno texto
    que enviei ao blog do torcedor do GE.

    =========================

    As manifestações pelo Brasil mostraram a força e a importâncias das redes sociais. Sem o apoio “logístico” delas, essas manifestações não teriam ocorrido.
    Enquanto isso, na vida palmeirense, a chamada “Mídia Palestrina” se transformou em “Revista Contigo”.
    A parcela predominante dos participantes prefere centralizar seu foco nas lamentações e reclamações contra os mordomos. Os alvos são jogadores como Márcio Araújo, Bruno, Maurício Ramos e outros.
    Para a parcela que monopoliza os comentários na “Mídia Palestrina” o único tema que merece destaque para o Palmeiras são as contratações e a insistência de que o time é sempre fraco e nunca vai chegar.
    Mesmo o Palmeiras sendo lesado ano após ano fora e dentro dos gramados, mesmo construindo um estádio com recursos particulares e tendo todo tipo de dificuldades impostas pelo poder público, a atenção dos frequentadores não sai das criticas banais aos jogadores que fazem parte dos elencos palmeirenses.
    Teoricamente, tratar dos aspectos técnicos do futebol deveria ser sempre o tema dos torcedores, mas infelizmente pela realidade do futebol de favorecimentos que vivemos hoje, falar e escrever apenas o que deveria ser debatido em ocasiões normais passou a ser alienação.
    A reestruturação do Palmeiras para voltar a ser o gigante que sempre foi na esfera esportiva passa além da formação de bons times e da reorganização do clube.Passa pela mudança de mentalidade.
    As manifestações pelo Brasil contra todos os absurdos que vivemos deveriam chegar ao Palmeiras, com sua imensa torcida passando a ter senso critico e denunciar o circo que foi transformado o futebol brasileiro onde autoridades esportivas e imprensa definem quem deve ter sucesso e quem deve fracassar.
    =========================

  • Marco

    Tânia,
    Parabéns pela publicação, um resgate da história que tentaram
    modificar.
    Por essa característica importante que você apresenta em seu
    blog, a de defender os interesses do Palmeiras, aproveito a oportunidade para publicar um pequeno texto
    que enviei ao blog do torcedor do GE.

    =========================

    As manifestações pelo Brasil mostraram a força e a importâncias das redes sociais. Sem o apoio “logístico” delas, essas manifestações não teriam ocorrido.
    Enquanto isso, na vida palmeirense, a chamada “Mídia Palestrina” se transformou em “Revista Contigo”.
    A parcela predominante dos participantes prefere centralizar seu foco nas lamentações e reclamações contra os mordomos. Os alvos são jogadores como Márcio Araújo, Bruno, Maurício Ramos e outros.
    Para a parcela que monopoliza os comentários na “Mídia Palestrina” o único tema que merece destaque para o Palmeiras são as contratações e a insistência de que o time é sempre fraco e nunca vai chegar.
    Mesmo o Palmeiras sendo lesado ano após ano fora e dentro dos gramados, mesmo construindo um estádio com recursos particulares e tendo todo tipo de dificuldades impostas pelo poder público, a atenção dos frequentadores não sai das criticas banais aos jogadores que fazem parte dos elencos palmeirenses.
    Teoricamente, tratar dos aspectos técnicos do futebol deveria ser sempre o tema dos torcedores, mas infelizmente pela realidade do futebol de favorecimentos que vivemos hoje, falar e escrever apenas o que deveria ser debatido em ocasiões normais passou a ser alienação.
    A reestruturação do Palmeiras para voltar a ser o gigante que sempre foi na esfera esportiva passa além da formação de bons times e da reorganização do clube.Passa pela mudança de mentalidade.
    As manifestações pelo Brasil contra todos os absurdos que vivemos deveriam chegar ao Palmeiras, com sua imensa torcida passando a ter senso critico e denunciar o circo que foi transformado o futebol brasileiro onde autoridades esportivas e imprensa definem quem deve ter sucesso e quem deve fracassar.
    =========================

  • Will Green

    Tânia, Fantástico post!
    Marco, brilhante suas colocações sobre o tema “comentários na mídia palestrina”. É exatamente o que tenho pensado, inclusive tenho evitado ler referidos comentários. Conheci a mídia palestrina mais ou menos em 2010, e apesar de ler os portais tradicionais (UOL, Terra, G1, Lance), sempre completo a leitura na mídia palestrina. De uns tempos a esta data, sempre após a leitura dos comentários, fico meio “down”, triste, pois parece que os comentários são feitos por adversários do verdão, e não por apaixonados Palmeirenses.
    Coloque este seu comentário também na mídia palestrina, quem sabe, desperte nossos amigos para apoiarmos nosso Verdão (os jogadores que hoje estão lá), sendo críticos sim, porém, sem sermos azedos demais.
    Saudações Alviverdes para você, Tânia, e todos Palestrinos.

  • Will Green

    Tânia, Fantástico post!
    Marco, brilhante suas colocações sobre o tema “comentários na mídia palestrina”. É exatamente o que tenho pensado, inclusive tenho evitado ler referidos comentários. Conheci a mídia palestrina mais ou menos em 2010, e apesar de ler os portais tradicionais (UOL, Terra, G1, Lance), sempre completo a leitura na mídia palestrina. De uns tempos a esta data, sempre após a leitura dos comentários, fico meio “down”, triste, pois parece que os comentários são feitos por adversários do verdão, e não por apaixonados Palmeirenses.
    Coloque este seu comentário também na mídia palestrina, quem sabe, desperte nossos amigos para apoiarmos nosso Verdão (os jogadores que hoje estão lá), sendo críticos sim, porém, sem sermos azedos demais.
    Saudações Alviverdes para você, Tânia, e todos Palestrinos.