PRA TIRAR A “ASA” DA GARGANTA…

Hoje, o Palmeiras vai enfrentar o Asa de Arapiraca, no Estádio Coaracy da Mata Fonseca, o Fumeirão – olha só onde Tirone, Frizzo e os árbitros do Brasileiro 2012 nos meteram (por pior que tenha sido a nossa campanha, não teríamos caído sem o empurrão das arbitragens)…

Tomara que o estádio seja melhor do que o do Ituano, onde jogamos contra o Atlético-GO, no sábado, porque, vou te contar, a “arena Sorocaba” é uma tristeza e fica até difícil para arriscar a melhor aposta pra o jogo. Sem placar, sem alto-falantes – só tinha a armação -; a instalação dos refletores devia ter problemas, porque eles levaram um século para acender; o gramado era muito ruim… Pobre Palmeiras…

Me cortou o coração quando vi o meu time entrando em campo, naquele estádio chinfrim, e, ainda por cima, estreando aquela camisa nova, tão linda – ela não merecia ser estreada ali, merecia todos os holofotes do mundo! Fiquei com um nó imenso na garganta. Mas eu sei, e você também sabe não vai demorar nadinha e estaremos de volta à Série A.

Mas a partida foi esquisita, principalmente, na primeira etapa; me pareceu que o time sentia estar jogando a segunda divisão, achei que ele tava meio sem-graça, estranhando tudo aquilo. A torcida também me pareceu sem-graça, deslocada, e desconfortável, no sentido literal e figurado – e estava brava com o preço do ingresso. Com toda razão. Por mais que a ideia seja alavancar o programa de sócios-torcedores Avanti – e eu acho isso válido -, R$ 60,00 é muito caro para a realidade da maioria da pessoas, ainda mais para ver o time na série B. Sem contar toda as despesas extras que o torcedor tem ao ter que se deslocar até Itu. Clube e torcida pagando pela burrice de uns poucos torcedores. Ainda bem que a diretoria resolveu rever a questão dos ingressos e baixou os preços.

E ainda bem, também, que, lá em Itú, tenhamos conquistado a primeira vitória; mesmo tendo sido com o placar magrinho de 1 x 0, no gol de Thiago Real. Ainda bem que no segundo tempo, o jogo deu uma melhorada e vimos um pouco mais de futebol.  Mas, de qualquer forma, vitórias são sempre bem-vindas.

E hoje, ainda começando a sua “volta ao mundo”, no longo caminho da Série B, a milhares de quilômetros de distância de casa, o Palmeiras vai em busca da segunda vitória, vai em busca do acerto de contas com uma “asa” que, um dia, nos ficou entalada na garganta…

E eu espero que, hoje, seja tudo diferente do jogo anterior, que o time apresente um futebol melhor, e que só a vitória que tivemos lá em Itu se repita. Mas até mesmo a vitória precisa usar uma outra roupagem hoje, diferente da que usou no sábado. Que ela venha, sem tantos passes errados, sem desperdício das oportunidades; sem o juiz apitando faltas para um lado só – é brincadeira ser prejudicado até na Série B; sem o Kleber, mal posicionado e de costas pro gol, o tempo todo (vai marcar como, lindo?); com os jogadores enxergando o companheiro melhor colocado; sem o Kleina tirando o nosso melhor atacante de campo; com o Kleina dando mais oportunidade pro Ronny – que mudou o time, para melhor, quando entrou em campo no sábado…

Que a vitória venha sem aquele primeiro tempo sabor chuchu, que deixou a torcida quase “sem voz”… Que ela venha com brilho, com a explosão do grito de gol, que ganha os ares no mesmo instante em que a bola toca as redes adversárias; com aquele lance que faz o torcedor se levantar da bancada, da cadeira, do sofá, ainda no momento em que a jogada está sendo construída; com a torcida gritando gol a plenos pulmões.

Que a noite hoje, seja uma noite de Palmeiras… mas daquele Palmeiras, que vimos enfrentar o Tigre e o Libertad no Pacaembu, aquele Palmeiras que não foi derrotado em nenhum clássico no Paulistão, aquele Palmeiras que jogou no México… o Palmeiras, pelo qual tanto buscamos…

BOA SORTE, VERDÃO, SEU LINDO! E VOLTE PRA CASA COM MAIS UMA VITÓRIA!

  • Marco

    Tânia,
    Perfeita sua lembrança sobre as arbitragens de 2012.
    Ninguém mais fala nada, além de diminuir o Palmeiras.
    NÃO CAÍMOS EM 2012, FOMOS DERRUBADOS.
    Mesmo com todos os problemas, não teríamos caído se não fôssemos sabotados.

  • Marco

    Tânia,
    Perfeita sua lembrança sobre as arbitragens de 2012.
    Ninguém mais fala nada, além de diminuir o Palmeiras.
    NÃO CAÍMOS EM 2012, FOMOS DERRUBADOS.
    Mesmo com todos os problemas, não teríamos caído se não fôssemos sabotados.