GRAÇAS A DEUS, EU SOU VERDÃO!

Manhã de Páscoa…

Um problema na minha mão já não tinha me deixado dormir direito, e continuava doendo muito quando acordei. Pra piorar, ainda tinha o banho matinal da minha “parente/paciente”, que tinha aprontado todas durante a madrugada. O que já tava meio difícil, por causa da mão doendo muito a qualquer contato, e da dificuldade para movimentá-la, acabou ficando pior; durante o banho ‘caiu’ o disjuntor e a energia elétrica também. Foi uma trapalhada, até que as coisas se regularizassem e o banho pudesse continuar. Eu já estava mais molhada que a “banhista”. E que dificuldade cuidar de todos os procedimentos pós banho com a mão daquele jeito. Dores, coisas dando errado, acabam colocando a gente numa vibe negativa, numa irritação danada. Meu humor ia azedando em plena manhã de Páscoa…

Páscoa? E então, ainda sem ter conseguido tomar o meu café da manhã, eu me lembrava que teria convidados para o almoço. Convidados muito amados, mas, mesmo assim, ia ser complicado preparar a refeição com a mão doendo a qualquer contato. Na verdade, seria uma trabalheira encontrar os movimentos que doessem menos. Sem contar que lavar a louça (panelas!!) depois seria um suplício (e foi)… Ai, ai…

Pra piorar, mais, lembrei que não tinha pagado a fatura do cartão de crédito. Mau humor total! E com o humor lá no chão, fiz um remember geral de um monte de coisas (é sempre assim, né? Algo dá errado, alguma coisa nos incomoda e a gente pega carona naquela energia ruim, deprê) e, com vontade de sentar e chorar, acabei me dando conta que alguém não deveria ter pagado o cartão de crédito da minha vida… quantos “débitos”… mimimi…

Mas então… e bendita seja a parte da memória que sempre nos salva, eu me lembrei que o Palmeiras tinha vencido na véspera! Manja aquela expressão “foi como tirar com a mão”? Então… a vibe ruim foi embora na hora! Sorrindo, com aquela sensação gloriosa que as vitórias do Parmera nos trazem, voltei à energia boa, deixei a “paciente” cheirosinha, servi o seu café da manhã; não tava mais nem aí com a dor na mão (ela continuava doendo um bocado, mas a sensação de felicidade era muito maior); que se danasse a fatura do cartão, eu pagaria depois…

E já me lembrando do jogo da véspera, lá fui eu tomar o meu café da manhã… Confesso que, antes do jogo, eu temia por uma nova tropeçada. Afinal, depois daquela paulada diante do Mirassol, a confiança deveria ter descido aos níveis do pré-sal e aí, tudo poderia acontecer. Ainda mais que o nosso time, que já vinha desfalcado, estava mais desfalcado ainda por causa dos jogadores poupados para a partida contra os argentinos (argh!) do Tigre. E não é que, dadas as circunstâncias, o time se saiu bem? A contrário do que eu imaginara, parecia tranquilo e, logo de cara, numa cobrança de falta de Ayrton, o goleiro do Linense já levou um susto. Logo depois, o mesmo Ayrton, depois de receber a bola na entrada da área, chutou forte, mas esqueceu de acertar o GPS da gorduchinha e ela foi na direção errada. Depois foi a vez de Marcelo Oliveira; jogada bacaninha de Wendel e Ayrton, mas o M. Oliveira também esqueceu de usar o GPS para direcionar o chute…

Depois o perigo esteve com Leandro. Na primeira vez, o goleiro pegou; na outra, ele carimbou a trave. Depois, foi a vez de Caio. Na primeira, ele não chegou a tempo; na segunda, o goleiro fez boa defesa. Nos minutos finais da primeira etapa, Léo Gago cobrou falta e o goleiro fez mais uma boa intervenção.

O jogo até que fluía, criávamos algumas jogadas, mas as finalizações precisavam melhorar, muito.

E o meu café da manhã era embalado pelas lembranças do jogo… Na volta do intervalo, Patrick estava no time em lugar de Ayrton. E de cara, quase ele marca! Limpou o zagueiro, e da entrada da grande área chutou pro gol, mas o goleiro fez uma baita defesa. Aos 10′, a alteração de Kleina surtiu efeito; Patrick puxou o contra-ataque e deixou Leandro, o nosso menino artilheiro, na cara do gol. E adivinhem o que ele fez? Mandou na rede! Tchuuupa, dor na mão! Tô nem ligando pra você! E, para não perder o costume, Tchuuupa, “tamochunto”!

Pena que, cinco minutinhos depois, o Linense empatou… Mas, como eu já sabia o resultado do jogo, essa lembrança nem atrapalhou as minhas recordações… Bruno fez algumas boas defesas, Leandro quase marcou o segundo. O jogo era nosso, jogávamos melhor, merecíamos a vitória, mas o segundo gol nunca que vinha. Já estávamos nos últimos quinze ou dez minutos de jogo, quando um jogador do Linense, recebeu um cruzamento e ficou a meio metro, se tanto, do Bruno. Quase morri do coração, mas Bruno fez uma grande defesa! Graças a Deus!

Na xícara, o meu café já estava pra lá de morno, as torradas estavam frias, murchas, o requeijão me olhando com uma cara de “cumequié?”, as frutas, desprezadas, não entendiam nada, e eu, distraída, ‘revendo’ as tentativas de Leandro, o chute de Patrick, que o ‘filho da mãe’ do goleiro foi pegar…

Revia também o goleiro do Linense atropelando o Leandro na área, e o juiz fazendo cara de paisagem; me lembrava do jogador do Linense cortando a trajetória da bola palestrina com o braço, DENTRO DA ÁREA, e o juiz… nem aí – na transmissão, o narrador teve a cara de pau de dizer que era interpretativo o lance!

E então, aos 45′, Souza cobrou uma falta no primeiro pau e Marcelo Oliveira, de cabeça, guardou! UFA!! Louvado sejam aqueles que acreditam até o último instante! Festa na bancada, festa nas redes sociais, festa no coração dos palestrinos. O Patrick ainda poderia ter feito o terceiro, mas chutou pra fora. E o juiz apitou o final da partida! Era a vitória, de-li-ci-o-sa, do Palmeiras! Era a torcida com o coração em paz, e o Palmeiras entre os oito melhores do Paulistão.

Eu ia ter que fazer novas torradas, esquentar o leite de novo, me acertar com o requeijão, com as frutas; a mão continuava doendo pra chuchu, a fatura do cartão continuava sem pagar, eu ia ter que preparar o almoço, lavar a louça depois, mas o que eram essas coisas diante da enormidade que o Palmeiras, graças a Deus,  me traz com uma simples vitória?

“Porquinho da Páscoa, que trazes pra mim?” ♫♪  A minha alegria tinha renascido na manhã de Páscoa…

E se Deus quiser, hoje ela será aumentada. O Palmeiras estará cheio de desfalques diante dos argh entinos (só eu tô empapuçada de argentino?) e vai precisar muito da nossa força, parmerada!

Vamos lotar aquela p#rra, jogar com o Verdão e fazer um inferno da vida dos hermanos!!! De alguma maneira, estaremos todos no Pacaembu. Uns, de corpo, alma e coração; outros, de alma e coração, mas todos juntos!!

BOA SORTE, PALMEIRAS! VAMOS GANHAR, PORCOOO!!

  • Adorei o texto!!! Muitas vezes já me senti assim…sabe o que fazia??? Ia para o Palestra Itália e ficava por lá, olhando a arquibancada vazia, às vezes conversava com algum sócio (a), algum funcionário e aí as dificuldade, a tristeza passavam. Daí que a gente percebe o quanto é gostoso ser PALMEIRENSE!!! Bjão.

    • taniaclorofila

      Comigo é assim, Júlia.
      Não importa se o Palmeiras está bem ou não, ele sempre faz a minha vida muito melhor.
      Bendito sejam os italianos que fundaram o Palestra Italia!!

      Beijão!

  • Adorei o texto!!! Muitas vezes já me senti assim…sabe o que fazia??? Ia para o Palestra Itália e ficava por lá, olhando a arquibancada vazia, às vezes conversava com algum sócio (a), algum funcionário e aí as dificuldade, a tristeza passavam. Daí que a gente percebe o quanto é gostoso ser PALMEIRENSE!!! Bjão.

    • taniaclorofila

      Comigo é assim, Júlia.
      Não importa se o Palmeiras está bem ou não, ele sempre faz a minha vida muito melhor.
      Bendito sejam os italianos que fundaram o Palestra Italia!!

      Beijão!