AU, AU, AU, EDMUNDO É ANIMAL! PARABÉNS, ÍDOLO ETERNO!

Hoje, é aniversário de um ídolo muito, muito amado por mim e por milhões de palestrinos.

Hoje, o mais fantástico camisa 7 que eu vi jogar (não creio que tenha havido outro melhor) faz 42 anos.

E só hoje, eu resolvi publicar o texto que escrevi pra ele há alguns anos atrás.

Parabéns, Edmundo!!! Que Deus o abençoe em todos os dias da sua vida!

edmundo-700

 

Ele era quase um menino quando chegou ao Palmeiras…

Irreverente, brincalhão, cheio de vida, de sonhos e de uma garra imensa, desmedida.

Dono de um futebol maravilhoso, cheio de dribles e fintas inexplicáveis, que ia colecionando como quem joga slots , ele enlouquecia os torcedores, de alegria e paixão, e os adversários, de raiva e despeito. Enquanto o observava dando autógrafos lá no CT (eu também esperava por um), percebi que ele era também uma pessoa doce, muito simpática, e que gostava de brincar com os companheiros e com os torcedores.

Em campo, a sua impulsividade não tinha limites, o que lhe valeu um sem número de encrencas, dentro e fora de campo… e o amor incondicional de uma legião de fãs.

Ganhou também um apelido, que lhe caiu como uma luva! Era indomável, difícil de ser marcado, ou parado, pelos desesperados zagueiros adversários, ele era tão genial e talentoso, que ficava impossível chamá-lo só pelo nome, daí o apelido…

Era cruel e implacável com os adversários, e o apelido lhe cabia cada vez melhor! Não se importava se tinha pela frente o craque do time grande, ou o jogador mediano do time pequeno. Ele ia pra cima e mostrava o seu estoque inesgotável de futebol arte, e não deixava nada barato. A sua fome de bola, raça e vontade de vencer eram sempre as mesmas e ele era o espetáculo em campo.

A bola morria de amores por ele, assim como a sua torcida. E vieram os títulos, um atrás do outro, memoráveis, inesquecíveis, que deixaram adversários de quatro, e a apaixonada e enlouquecida torcida, sem voz, com o rosto banhado em lágrimas, por uma alegria que há muito ela não sentia. Ele era fantástico! Costumava dar um drible na linha de fundo, num espaço minúsculo, que nem a gente entendia como ele fazia. Ele era a alma do time! A sua performance em campo, as suas conquistas, as entrevistas de respostas francas e diretas, a sua impulsividade, geraram o despeito de alguns, que tentaram fechar os olhos à sua incontestável genialidade (ele era genial, mesmo), e focaram as sua lentes, canetas e microfones, nos poucos (se comparados a tudo de bom que fazia) tropeços que o ídolo dava. E tentaram, sem sucesso, usar o seu apelido de forma pejorativa…

E quanto mais tentavam pintá-lo como um mau caráter, mais ele esbanjava talento em campo, e mais forte se tornava a sua relação de afeto e cumplicidade com a torcida. Nunca se tinha visto um amor assim. Eram loucos um pelo outro e pareciam inseparáveis…

Mas um dia, ele resolveu deixá-la; resolveu deixar a sua casa e desfazer aquele casamento de tanto amor, loucuras, e cumplicidade; resolveu desfazer aquele elo que antes parecia indestrutível, e foi “voar” em outras paragens. Ela, quase morreu de tristeza… Ele, continuou fazendo tudo que quis de seu talento, mas o coração ficou vazio… Faltava o seu antigo amor; faltava “ela”…

E ela, por sua vez, encontrou outros e novos amores, mas morria de saudade dele…

Então, um dia, naquelas coisas que só o destino explica, eles se reencontraram! Não da maneira que gostariam, mas em lados opostos. Ele era agora um adversário e ela sabia que deveria ignorá-lo e, se possível, desprezá-lo. Afinal, ele a tinha abandonado mesmo.

Mas o que se deu foi o contrário… e foi lindo! Mesmo vestindo uma outra camisa, assim que ele entrou em campo, “ela” derramou e gritou o seu amor por ele a plenos pulmões, ela chorou pela emoção incontida, e ele não resistiu. Se emocionou e se encantou como da primeira vez.

E voltou! Voltou para o clube de onde nunca deveria ter saído, voltou para os braços que nunca deveria ter deixado. E que felicidade isso causou! Depois de tantos anos separados, ele ainda era capaz de fazê-la delirar de paixão. Ela, feliz da vida, podia outra vez lhe dar todo o amor que sentia; e ele retribuía o amor imenso que “ela” lhe dava, com talento, garra, dedicação e muita superação. Tinham sido feitos um para o outro, mesmo.

Mas o tempo, e um técnico maluco, quiseram que eles se separassem de novo… Nem ele e nem ela queriam, mas não tiveram escolha. E eles sabiam que não mais se encontrariam da maneira que tanto os fizera felizes… O tempo, inexorável, os separava em definitivo… Eles ficaram tristes, não fizeram promessas, mas sabiam que se amariam pra sempre. E que o amor ficaria guardado no coração…

E HOJE, A SUA TORCIDA, QUE VAI TE AMAR PRA SEMPRE, TE AGRADECE, EDMUNDO! OBRIGADA, POR TUDO DE BOM QUE VOCÊ NOS DEU! OBRIGADA POR TODOS OS TÍTULOS, TODOS OS GOLS, TODOS OS DRIBLES, OS PASSES, TODAS AS PROVOCAÇÕES AOS ADVERSÁRIOS, TODAS AS ENTREVISTAS… OBRIGADA POR TODAS AS BOTINADAS QUE VOCÊ LEVOU DEFENDENDO AS CORES DO PALMEIRAS! NUNCA NOS ESQUECEREMOS! VOCÊ FOI O MAIS MARAVILHOSO CAMISA 7 QUE VIMOS JOGAR!

QUE DEUS LHE DEVOLVA EM DOBRO TODA A ALEGRIA QUE VOCÊ NOS FEZ SENTIR!

A sua imagem, o seu nome e apelido estão gravados em nossos corações… pra sempre!

♪♫ “AU, AU, AU, EDMUNDO É ANIMAL!!! ♫♪