NATAL… TEMPO DE RENASCER!

“Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo” – Mateus 6:34

O barulho dos facões e das serras chegava até o meu quarto naquela manhã…

Quando desci, fui olhar na janela da sala e vi que alguns homens podavam algumas árvores à frente da minha casa, do outro lado da rua. Uma quantidade infinita de galhos amontoados, que, minutos atrás, estavam plenos, viçosos, já pareciam meio murchos, enquanto eram colocados num caminhão. A vida é mesmo tão tênue, tão frágil…

Duas árvores, tão lindas no dia anterior, e que me pareciam tão felizes, estavam agora quase destruídas. E justo quando queriam tanto aproveitar o verão, de muito sol e calor, de chuvas deliciosas, refrescantes, de pássaros saltitando pelos seus galhos… Resolveram podá-las justo agora? E era mais que uma poda, era uma aniquilação! Eu tinha a impressão que as próprias árvores se sentiam mutiladas, tendo partes de si arrancadas contra a sua vontade. Depois de terem se coberto de flores, há alguns meses atrás, recebiam agora esse “castigo”. Será que elas sentiriam vergonha diante das outras que ainda estavam cheias de folhas? Será que elas iriam sentir falta dos pássaros que as usavam como abrigo? Talvez, as outras árvores da rua agora zombassem delas, pelos galhos perdidos, enquanto se vangloriavam pelas novas folhas que tinham ganhado com as últimas chuvas, pelos pássaros que vinham cantar em seus galhos. O fato é que as árvores podadas me pareciam, mesmo, muito tristes e, como se estivessem nuas, se encolhiam com as poucas folhas que lhes sobravam.

E enquanto os humanos brincavam com a ‘chegada do fim do mundo’ anunciada pelos Maias, as pobres árvores conheciam o seu apocalipse particular…

Pensei sobre o milagre da vida, que fará essas árvores renascerem mais fortes, e ganharem novos galhos e folhas, e flores; que trará de volta os pássaros… Será que elas sabem que isso vai acontecer ou apenas imaginam que estão acabadas? Será que já aprenderam, por algum tipo de ‘instinto vegetal’, que sempre poderão florir mais uma vez? Ou apenas sofrem sem se darem conta de que tudo irá renascer, recomeçar?

Me lembrei de uma outra árvore que eu vira no final do mês de novembro…

Eu tinha ido à uma certa Academia de Futebol, poucos dias depois de uma imensa tristeza… Os campos de treinamento estavam vazios, não tinha aquele vai e vem da imprensa e seus cinegrafistas, não tinha time treinando, não se ouviam os costumeiros gritos dados dentro de campo… nada. Triste…

E então, com uma vontade imensa de chorar eu olhei à minha frente. E lá estava ela! A palmeira plantada em frente ao campo de treinamento, entre a Sala de Imprensa e a arquibancada. Ficamos olhando uma pra outra… Ela também estava triste, por certo sentia falta dos dias comuns, da rotina dos treinamentos, da alegria… Ela, de certa maneira, tinha sido “podada” também, assim como eu.

Não sei se me tornei vegetal, ou ela humana, mas o fato é que nós nos entendemos e consolamos uma à outra. E mesmo com lágrimas nos olhos eu pude ver como ela se mantinha altaneira; suas folhas recebiam os raios de sol, se moviam ao vento, em direção ao céu, enquanto ela me parecia serena, confiante… Talvez ela tenha a sabedoria que aquelas duas arvorezinhas ainda não têm, e que eu, até aquele momento em que uma palmeira me ensinava, talvez ainda não tivesse…

E então, hoje, olhando as arvorezinhas podadas, me lembrando da palmeira na Academia, me dei conta de que nós somos árvores também… Somos Palmeiras!! Nos podaram quando ainda nos inebriávamos com o perfume maravilhoso das ‘flores de Julho’ (as flores permanecem conosco e o perfume também)… E tal como as arvorezinhas, nós nos sentimos “árvores mutiladas”, com partes arrancadas de nós.

Sim, mas nós somos Palmeiras! E é Natal! Comemoramos o nascimento daquele que veio nos ensinar o amor, que veio nos mostrar como podemos, sim, renascer no amor.

Somos Palmeiras! E a seiva corre febrilmente em nós. Haveremos de renascer mais uma vez e quantas outras forem necessárias! Renasceremos muito mais fortes, com raízes mais profundas, com galhos maiores, mais frondosos, com lindas e novas flores e cores! E vamos encher de verde o mundo à nossa volta e todos os olhos que nos olharem.

Nosso ano novo (re)começará com “primaveras”; começará com um novo presidente (Deus permita, e os conselheiros também, que ele seja o Paulo Nobre); começará com as flores da profissionalização do futebol e dos demais departamentos do clube; começará com uma nova mentalidade, com torcedores tendo “voz”; começará com Libertadores, Campeonato Paulista, Copa do Brasil…

2013 começará com palmeiras altaneiras, serenas, mais fortes e mais sábias… Começará com o nosso Palmeiras de volta ao caminho certo. Começará com o nosso coração cheio de esperança…

Vamos nos deliciar com as nossas “primaveras”! Chegamos à elas por merecimento, pelo nosso esforço, apesar de todos os obstáculos que as “forças ocultas” nos criaram.

O “inverno” ainda está longe. Não vamos nos preocupar com isso agora. Mas, ele que se prepare, porque, a nossa casa, o nosso lar, que, grandiosamente, renascerá Arena Palestra em 2013, será motivo de muito orgulho e alegrias, e aquecerá o mais rigoroso dos invernos!

Que os nossos corações estejam abertos para todas as mudanças que virão!Para as alegrias que virão! A força que nos fará renascer, nos foi ensinada há mais de dois mil anos, e está dentro de cada um de nós.

FELIZ NATAL, AMIGO PALESTRINO! SAÚDE E PAZ PARA TODOS!

QUE 2013 SEJA DE RENASCIMENTO E ALEGRIAS! O Palmeiras, que plantamos em nossos corações, só não é maior do que ele mesmo, e a sua estrela jamais deixará de brilhar!

 

 

  • É mesmo! Somos árvore, somos Palmeiras! Precisamos ser podada, após termos toda a nossa estrutura envelhecida. Ter mantido, teimosamente, nosso ramos. Termos secado! Precisamos renovar os canais onde voltará a correr, livremente, nossa seiva. Precisamos cortar os galhos que não dão mais flores. Se não o fizermos, os cupins que já a invadiram, vão acabar com sua estrutura, vão fazê-la apodrecer. Somos seu jardineiro. Estamos com os instrumentos – são nossas ações sobre o conselho, nossa insistência em mantê-la viva, nosso amor por ela. Estamos próximo de fazê-lo. Vamos podar.
    E fazendo de forma correta, vamos revivê-la, vê-la reflorescer, ficar reluzente, fazer invejar a todo o resto que não pode e nunca poderá ser, uma árvore.

  • Gaetano

    É mesmo! Somos árvore, somos Palmeiras! Precisamos ser podada, após termos toda a nossa estrutura envelhecida. Ter mantido, teimosamente, nosso ramos. Termos secado! Precisamos renovar os canais onde voltará a correr, livremente, nossa seiva. Precisamos cortar os galhos que não dão mais flores. Se não o fizermos, os cupins que já a invadiram, vão acabar com sua estrutura, vão fazê-la apodrecer. Somos seu jardineiro. Estamos com os instrumentos – são nossas ações sobre o conselho, nossa insistência em mantê-la viva, nosso amor por ela. Estamos próximo de fazê-lo. Vamos podar.
    E fazendo de forma correta, vamos revivê-la, vê-la reflorescer, ficar reluzente, fazer invejar a todo o resto que não pode e nunca poderá ser, uma árvore.