ATÉ SEMPRE, MARCOS!

Hoje, eu acordei de ressaca… Ressaca de emoção.

Ainda estou tocada por tudo o que vivenciei na noite de ontem…

Cheguei no Pacaembu quando ainda faltavam umas duas horas para a partida começar. As pessoas não paravam de chegar; as camisas com o número 12 às costas se multiplicavam, os sorrisos nos rostos das pessoas eram maiores do que nos dias normais, a quantidade de crianças também. Os nossos corações se preparavam para um encontro… e que encontro!

Amigos de perto, amigos de longe, amigos  que ainda não conhecíamos pessoalmente… tinha vindo todo mundo! Abraços, beijos, muita conversa, muitas recordações e uma quantidade imensa de orgulho estavam em todas as rodas. E no escuro da noite, o palco da última apresentação do melhor goleiro do Brasil, o melhor que eu já vi na minha vida, se acendia em verde…

Foto: O Pacaembu está verde!

Quem achou que depois do Brasileiro essa festa perderia brilho, perderia vibração, se enganou redondamente. Vendo aquela multidão que continuava a chegar, eu me perguntava: Que gente é essa, que se supera e se transforma a cada revés? Que se deixa levar só pelo amor? O nó na minha garganta era constante. O melhor mesmo era só falar “abobrinhas” e nem pensar muito sobre o que aconteceria lá dentro do estádio.

E ele estava lindo quando entrei. Lotado! Os quase 40 mil pagantes foram recorde de público do Pacaembu no ano. Tinha que ser o Marcos! E a gente na maior ansiedade esperando o Palmeiras entrar em campo. E quando ele entrou, o estádio explodiu e foi impossível não se emocionar. Quanta saudade daquele Palmeiras… O telão mostrava Marcos, que ainda não entrara, e que estava vindo com o filhinho recém-nascido nos braços.  O mosaico da Mancha reproduzia o gesto que Marcão eternizou.

“PUTA QUE PARIU, É O MELHOR GOLEIRO DO BRASIL, MARCOS!”, gritavam os 40 mil, quando Marcos Roberto Silveira Reis, o nosso São Marcos, subiu ao gramado. Os milhares de flashes dos que queriam capturar todos os momentos da última partida do Santo, deixavam o Pacaembu mágico! As lágrimas que derramávamos sem pudor algum, também.

E os corações palestrinos enlouqueciam diante de tantos ídolos do Palmeiras em campo. AU, AU, AU EDMUNDO É ANIMAL!! O Pacaembu ensurdecia! Que emoção eu senti ao ouvir isso e vê-lo responder lá em campo! EÔ EÔ EVAIR É UM TERROR!! A saudade explodia na arquibancada! Meu coração, em pedaços, se espalhava pelo gramado. Esses pedaços de coração vestiam camisas do Palmeiras e, alguns, as da seleção. Olhava no campo e ali estavam Marcos, Edmundo, Evair, Cleber (o nosso Clebão), César Sampaio, Alex, Paulo Nunes, Tonhão, Amaral, Asprilla, Oséas, Junior, Euller, Sérgio… Ademir da Guia!!! Meeeeu Deeeeus! Era bom demais pra ser verdade! Do lado da seleção, mais um monte de ídolos palestrinos: Cafu, Rivaldo, Antonio Carlos, Roberto Carlos, Velloso, Djalminha (você não, Edílson!)… no comando da equipe, César Maluco e Leivinha, Dudu estava no banco. Só o Palmeiras consegue montar dois times e uma comissão técnica de craques, de ídolos!! E ainda deixar alguns no banco. E Felipão comandava a seleção.

Quando o Palmeiras se perfilou para o hino nacional, eu fui sugada por uma máquina do tempo invisível e meu coração passou a bater num outro tempo, numa outra época. Ouvir o hino do Palmeiras no estádio, logo após ter ouvido o do Brasil, foi surreal. Olhar aquela fileira de craques em campo era algo de outro mundo.

A partida era uma festa! Nossa alma estava em festa! Marcos estava no gol em frente às arquibancadas, e  isso era delicioso. Eu me sentia como se nunca tivesse deixado de ver o Marcão ali, como se nunca tivesse deixado de ver aqueles craques todos jogarem. Era tudo tão familiar, que parecia ter sido na semana passada a última vez que eu os vira em campo.

Edmundo jogava fácil, naquele seu jeito Animal de ser… Clebão, impressionante,  parecia o mesmo de sempre… Paulo Nunes e Amaral também estavam jogando direitinho.  Rivaldo queria marcar gol no Santo de qualquer jeito;  levantou na área, tentou por cobertura do meio de campo (senta lá Rivaldo), bateu falta… mas Marcos estava Marcos, como sempre, e pegou tudo.

A árbitra, que entrou acenando para a torcida, como se fosse uma miss num concurso, teve a cara de pau de garfar o Palmeiras num jogo amistoso, de festa. Fez que não viu o pênalti de Cafu em Paulo Nunes.  Mas não teve o que fazer quando o Animal (contrata ele Tirone!) foi derrubado na área… PÊNALTI!!! Todo mundo pensou a mesma coisa. O Pacaembu era um grito só: Marcos, Marcos, Marcos… os amigos no campo também. Ele hesitava,  não queria ir. Diria mais tarde que achou que a torcida estava com saudade de ver o Evair bater pênalti. hahaha E então, os jogadores vieram buscá-lo. Evair o chamava de longe, Edmundo o empurrava… E nós enlouquecíamos na bancada com a possibilidade de ver o nosso amado Santo fazer um gol, justo no dia em que se despedia do futebol.

Quatro insistentes minutos depois, lá estava o Marcão na área, com o Ronaldo, brincalhão, dizendo em seu ouvido que ele ia errar… Os torcedores, de olhos grudados no campo, não conseguiam conter a ansiedade. Até as crianças estavam nervosas. NÓS ÍAMOS VER UM GOL DO MARCOS! O Dida que ousasse pegar, que eu matava ele! A respiração estava suspensa e o grito já estava na garganta, pronto! Roberto Carlos já comemorava, antes mesmo da cobrança.

E então, a juíza apitou, e o Santo cobrou com a maior categoria! Dida escolheu o canto e Marcão mandou no meio e no alto.

GOOOOOOOOOOL DO PALMEIRAS! GOOOOOOOOOOOOOOL DE MARCOS!! O Pacaembu veio abaixo! Os torcedores se olhavam incrédulos! Todo mundo se abraçava! Marcão pegando tudo e nos dando um gol de presente! Eu não sabia se estava chorando pela alegria de ter visto um gol do Santo ou por imaginar a felicidade dele, enquanto ele corria comemorando. Seus amigos em campo também estavam tão felizes quanto a gente e fizeram ele sumir num abraço gigante. E nós agradecíamos a São Marcos por mais uma graça recebida. Que festa linda! Digna da carreira e da pessoa de Marcos. Digna da Nação Alviverde que chorava de emoção.

Mas tinha mais! Edílson, Rivaldo, Ronaldo… todo mundo tentando, e o Marcão pegando tudo. A galera delirava! Edmundo fez jogada individual e bateu, Dida mandou pra escanteio, Cleber, na zaga, tirava todas (ele ainda cabe no nosso time, viu?)! Tudo como nos velhos tempos. E a máquina do tempo misturou 93 com 99 e nos presenteou com uma outra maravilha: Evair fez uma linda jogada, tocou pro Alex, que passou pra Edmundo; o Animal driblou o Cafu e achou Paulo Nunes na cara de Dida. E ele só teve o trabalho de mandar na rede! Coisa linda!! O coração, velho de guerra, se esparramava no peito, feliz…

No segundo tempo, Rivaldo continuava tentando, mas o Marcão nem aí, se esticava todo e mandava pra fora. E a gente matava a saudade do nosso baita goleiro e de todos os nossos craques. Euller, que continua o mesmo, invadiu a área e quase que Oséas marcou… Que coisa boa a gente poder ver tudo isso. E aí, o Marcão foi jogar de centroavante, e o Sérgio entrou em seu lugar.

Edílson, que cometeu o sacrilégio de tentar dar uma caneta no Divino Ademir da Guia (uma atitude vergonhosa e desrespeitosa como essa tinha que partir dele), sem respeito algum à grandeza de um jogador do quilate de Ademir, chamado de DIVINO, sem respeito algum aos bons anos a mais que ele tem,  diminuiu o placar. Euller quase fez o terceiro, mas Velloso, no lugar de Dida, fez uma baita defesa. Era parmera pra todo lado! E parmerada da mais alta qualidade! Aos 24′, Luizão empatou a partida.

E quem disse que não comemoraríamos a despedida do Santo no dia certo? Depois de uma contagem regressiva no telão, exatamente à meia noite, as luzes se apagaram, o telão nos avisou que era dia 12/12/2012, e Marcos foi para o meio do campo discursar e agradecer.

Confesso, esse momento foi difícil.  Ele agradeceu a Deus, aos seus pais, à sua família, aos seus treinadores e aos jogadores que estavam ali… e nos agradeceu também. Pediu para que a gente não se esqueça dele… como se isso fosse possível. Uns choravam disfarçadamente, outros choravam descaradamente. As lágrimas estavam nos olhos e nas faces da maioria das pessoas. Depois de um ano tão triste, tinha que ser o Santo para nos fazer chorar de emoção e alegria.

Marcos foi dar a sua última volta olímpica diante da Que Canta e Vibra junto com os filhos, num carrinho. E aí, meu coração se partiu de vez. Nem eu imaginei que fosse doer tanto vê-lo acenando em despedida e, como dizem por aí, chorei largada, copiosamente…  Um momento tão lindo e tão doído…

Mas, em meio àquela festa inesquecível, observando o Pacaembu lotado, observando aquela torcida linda, emocionada e tão orgulhosa, sentindo a energia tão intensa que havia no Pacaembu, eu tive certeza absoluta  que pode acontecer o que for ao Palmeiras, ele não perderá a sua grandeza jamais!

E na madrugada de 12/12/2012, a Nação, orgulhosa, foi dormir de olhos molhados e coração feliz…

E, hoje, me lembrando do pedido de Marcos para não nos esquecermos dele, eu o respondo: Isso só vai acontecer Marcão, no dia em que nos esquecermos de respirar.

PUTA QUE PARIU, É O MAIOR GOLEIRO DO BRASIL, MARCOS!

  • Joab Barros

    De todas despedidas a jogadores de futebol que vi, essa foi, disparado, a melhor.

    Uma colega de trabalho, que não liga para futebol e nem torce pará ninguém, disse-me: Aquele Ademir tem uma elegância ao correr!
    Por isso que, entre outras muitas coisas, ele é Divino.

    • taniaclorofila

      É verdade Joab.
      O Divino não perde a elegância e nem o toque de bola refinado. Deu gosto vê-lo em campo.
      E a despedida do Marcos foi linda mesmo!

  • Joab Barros

    De todas despedidas a jogadores de futebol que vi, essa foi, disparado, a melhor.

    Uma colega de trabalho, que não liga para futebol e nem torce pará ninguém, disse-me: Aquele Ademir tem uma elegância ao correr!
    Por isso que, entre outras muitas coisas, ele é Divino.

    • taniaclorofila

      É verdade Joab.
      O Divino não perde a elegância e nem o toque de bola refinado. Deu gosto vê-lo em campo.
      E a despedida do Marcos foi linda mesmo!

  • Muitas e muitas vezes eu gritei esta frase nos jogos em que fui sempre sentando naquele lugar que a Mancha ocupava no antigo Parque Antartica,que saudades ja estou sentindo do Marcão e de outros craques que la foram .
    A melhor frase do São Marcos foi “O Palmeiras Não Precisa mais dos meus milagres mas sim de jogadores” se nós pensarmos direitinho alem de santo ele é genio.

  • carlos pricoli

    Muitas e muitas vezes eu gritei esta frase nos jogos em que fui sempre sentando naquele lugar que a Mancha ocupava no antigo Parque Antartica,que saudades ja estou sentindo do Marcão e de outros craques que la foram .
    A melhor frase do São Marcos foi “O Palmeiras Não Precisa mais dos meus milagres mas sim de jogadores” se nós pensarmos direitinho alem de santo ele é genio.

  • DIMNAH SARTO

    Oi, Taninha alguns comentários mais “abertos” faço lá no face.Aqui aproveito para falar mais perto por assim dizer.Deixo um abraço”grandão” para vc. umas “Festas Boas”, se possível.Ano Novo taí vamos ver o que acontece no nosso “amor”.Beijos.

  • DIMNAH SARTO

    Oi, Taninha alguns comentários mais “abertos” faço lá no face.Aqui aproveito para falar mais perto por assim dizer.Deixo um abraço”grandão” para vc. umas “Festas Boas”, se possível.Ano Novo taí vamos ver o que acontece no nosso “amor”.Beijos.

  • Pra sempre em nossos corações … tenta transcrever o que senti naquele momento, só trariam de volta minhas lagrimas que amargaram esta despedida. . . Obrigado Marcos!! AMÉM..

  • Marcio Lima

    Pra sempre em nossos corações … tenta transcrever o que senti naquele momento, só trariam de volta minhas lagrimas que amargaram esta despedida. . . Obrigado Marcos!! AMÉM..