TORCIDA QUE CANTA, VIBRA E AJUDA O TIME A VENCER

Dia de jogo do Palmeiras… E precisávamos vencer ou vencer.

Saí do médico por volta das 15h00, com o pé, após alguns procedimentos médicos, ainda anestesiado e sangrando, como o Dr. Hamilton tinha me dito que aconteceria. O bom senso me mandaria ficar em casa o restante do dia, mas o que é o bom senso, de médico e paciente, quando ambos são parmeras e o time precisa tanto da sua torcida?

Cheguei ao Pacaembu já passava das 20h00 e o movimento de torcedores entrando no estádio era muito grande. Numa atitude inteligente, entendendo que o Palmeiras precisa mais de público do que de dinheiro, a diretoria baixou o preço dos ingressos. E acabou arrecadando mais do que previa. Lá dentro, o clima já era contagiante! Nem parecia que era um jogo entre times que ocupam as últimas colocações na tabela; nem parecia ser jogo do time que a mídia assegura, vejam só, estar sendo abandonado pela torcida… o time que a imprensa tanto tenta diminuir…

E o público seria recorde na temporada… 30.463 pessoas estavam no Pacaembu. Antes mesmo do Palmeiras entrar em campo, eu chorei de emoção vendo a torcida fazendo festa, cantando…  vendo o “12º jogador” do Palmeiras se apresentando para a partida. Que lindo! ESSA SIM É A TORCIDA DO PALMEIRAS QUE APRENDI A ADMIRAR E RESPEITAR!! E não aquele bando de terroristas, que esculhambam o time como se fossem adversários!

E o time correspondeu ao carinho e apoio recebidos (viram como assim funciona melhor?) e, desde o início, se mostrou muito comprometido e disposto a lutar para tirar o Palmeiras da situação em que ele se encontra. O Sport foi acuado em seu campo. E o Verdão jogava bem, dominava a partida (foi o dono do jogo nos noventa minutos)! Mas, no primeiro tempo, fruto dessa situação adversa no campeonato, time e torcida se mostravam impacientes. A ansiedade por um gol do Verdão era muito grande. E ele quase veio, num chute de Obina que parou na trave…

O Pacaembu me parecia cada vez mais cheio. Os torcedores continuavam chegando.  Ver aquela demonstração de amor pelo Palmeiras me emocionava bastante e me fazia esquecer do pé que sangrava. Que lindo era ver aquela massa de gente apaixonada; que lindo era ouvir a Que Canta e Vibra;  que delícia era poder estar ali na arquibancada, mesmo com o pé naquele estado, fazendo parte de tudo, jogando com o meu time… O apoio da torcida era total, eletrizante, e em campo o Palmeiras respondia, insistia… A dupla Valdivia e Thiago Real,  ia se entendendo. As oportunidades iam surgindo… Lá atrás Bruno  e a zaga estavam seguros.

O juiz e seus assistentes amestrados jogavam mais que a zaga toda do Sport. Mas, essas coisas, parecem que só são vistas pelos torcedores do Palmeiras, a imprensa nunca fala sobre isso, só se o time prejudicado for outro. Reza a lenda, que no Sportv, só sabiam dizer que o Palmeiras está há 15 rodadas na zona de rebaixamento, que não vencia há 5 jogos. Da beleza e emoção proporcionadas pelos 30 mil torcedores palmeirenses, da energia que alimentava o time… quase nada!

Já estávamos roucos de tanto xingar o juiz. O Sport, acuado em seu campo, envolvido pelo Verdão, contando com a conivência de árbitro e bandeiras parava o Palmeiras na falta. Valdivia – com ele o Palmeiras joga tão melhor -, sempre cercado e caçado por vários adversários, chegou a ser agredido por Tobi (e aí STJD?). O árbitro assinalava as infrações cometidas pelos palmeirenses, como se fosse um juiz de basquete. Qualquer contato nosso era falta pro adversário, mas, para as infrações cometidas pelo Sport o livro de regras era o do UFC. A torcida ia à loucura com a cara de pau do homem do apito, chutava a arquibancada de raiva. Eu nem podia pensar em fazer o mesmo. Mas, ainda que contasse com a “simpatia” do juiz, o ” Ixpó” não conseguiu sair do seu campo de defesa. No primeiro tempo, e no jogo todo, só deu Palmeiras!

O Verdão martelava, a torcida empurrava, mas o gol não saía… Eu tinha certeza que íamos ganhar! E tinha em mente que precisaria proteger o meu pé, na hora em que o Palmeiras marcasse. O primeiro tempo acabou com os jogadores se estranhando. Luan reclamava ter sofrido cusparada de Hugo. Imaginem se aqueles cinco paus mandados vestidos de amarelo viram alguma coisa? Ô juizão, nem no livrinho do UFC isso é permitido, viu?

No começo da segunda etapa, o Palmeiras continuava disposto. Luan teve uma grande oportunidade, depois de uma linda jogada do Mago. Mas a bola foi na rede pelo lado de fora. O gol tava chegando…

Minutos depois, tendo quase que driblar o juiz mal posicionado, o Mago tocou para Correa; ele chutou de fora da área, rasteiro, e Magrão… aceitou! E O PACAEMBU EXPLODIU NO GRITO DE GOOOOOOOOOOOOOL! Tchuuupa, juiz!! Os parmeras pulando, se abraçavam felizes, aliviados…

Mas a nossa vitória iria custar caro… O desengonçado Rivaldo, “aquele”, com o seu pé ruim (ele tem algum que seja bom?) arriscou de fora da área e fez um gol que ele nunca tinha feito na vida, e que não fará nas suas próximas 10 encarnações.  Misericórdia! Mas se esse era o preço a pagar pela vitória, a gente topava!

E nem deu tempo de esquentarmos a cabeça, não deu tempo do time sentir o gol. Dois minutos depois, para desespero do trio de arbitragem, e dos comentaristas que torciam contra o Palmeiras, Luan devolveu uma bola na medida para Thiago Real, de pé esquerdo, estufar a rede!  E ele foi comemorar com a galera! A FESTA NO CHIQUEIRO ESTAVA DECRETADA!!

Mas o Palmeiras tinha mais uma encomenda para Magrão…  e  quem a entregou foi Obina! Juninho mandou pra área, Thiago Real ajeitou e, sutilmente, tocou para o atacante que entrava; e Obina, que é sim, muito melhor que Eto’o, meteu pro fundo da rede, e saiu enlouquecido em direção à arquibancada, vibrando muito. E a torcida vibrava com ele! A vibração dos jogadores era a prova do quanto o apoio da torcida tinha motivado o time. Aos 22′ da segunda etapa, o Palmeiras já liquidava a fatura. O fantasma do Pacaembu, a Dona Falta de Sorte, ou seja lá que nome a superstição tenha dado às partidas que não vencemos no estádio municipal, bateu asas e voou!

E por pouco não tivemos a cereja no bolo numa falta cobrada por Valdivia; sem tomar distância, ele só colocou a bola no canto… Mas a trave, que deve ser gambá, se esticou toda para impedir o gol do Mago. Um pecado… pelo que jogou, ele merecia ter feito o gol.

A nossa Arrancada Heroica 2012 começou, amigos! O time todo se apresentou bem e calou as vuvuzelas!  Conseguimos respirar só um pouco, é verdade; sabemos que as dificuldades são muitas, que cada partida, daqui pra frente, será uma final… Mas sabemos que temos time e torcida para buscar a reação! Sabemos que vamos brigar muito pelos três pontos de cada jogo que vier pela frente. E sabemos que vamos conseguir! Porque estamos unidos; porque time, torcida e diretoria vão jogar juntos de agora em diante; porque somos a Que Canta e Vibra e PORQUE AQUI É PALMEIRAS, P*@RRA!!

FORÇA, VERDÃO! ‘TAMO JUNTO’!

 

  • Sou pé quente! Já vi que não posso ficar sem ir nos jogos hahha…PALMEIRAS EU TE AMO!!!

  • Sou pé quente! Já vi que não posso ficar sem ir nos jogos hahha…PALMEIRAS EU TE AMO!!!

  • Paulo H. Nóbrega

    Que jogo foi aquele hein?! SENSACIONAL!

    Mostramos para todo o Brasil o que é a torcida verde e branco! 😀

  • Paulo H. Nóbrega

    Que jogo foi aquele hein?! SENSACIONAL!

    Mostramos para todo o Brasil o que é a torcida verde e branco! 😀