EL MAGO, DE BIGODE, ‘ESPANTA’ A CRISE NO VERDÃO

“Um passo à frente e você não está mais no mesmo lugar” – Chico Science

Três dias depois da desclassificação no Paulistão, íamos jogar contra o Paraná, na casa dele, com um fardo imenso de problemas. Com boa parte da torcida perdendo de vez a confiança no time, alguns torcedores fazendo protestos no desembarque da delegação, o goleiro sendo crucificado porque, a despeito dos erros do time, da comissão técnica e da diretoria, ao longo do campeonato todo, as suas três desastrosas falhas, diante do Guarani, acabaram sendo o motivo da nossa desclassificação! Só nos sobrou a Copa do Brasil e a desconfiança de que o semestre já está quase perdido…

Eu nunca deixo de acreditar no Palmeiras a cada nova partida, a cada novo campeonato. E isso é tão certo quanto o dia que nasce depois de uma noite. Mas tem hora em que o coração, cansado de sofrer, cansado de ser maltratado, reclama, se encolhe no peito, bate mais devagar, mais sem graça… Ontem, antes da partida, eu vivia um misto de sensações. Fé, medo, confiança, desconfiança… precisávamos reverter aquele astral tão pesado… E, tinha que ser nesse jogo, não dava para aguentarmos mais um insucesso. Por isso, na noite de ontem, pra mim, o resultado seria muito mais importante que o futebol que o Palmeiras apresentaria na partida.

E eis que o Palmeiras entrou em campo com surpresas! Bruno no gol, o atacante Mazinho fazendo a sua estreia e Valdivia… de bigode! Um baita bigodão latino, que talvez fosse uma maneira de mostrar que, com erros, ou sem eles, o grupo está, sim, fechado com Felipão! E, em minutos não se falava em outra coisa entre os torcedores. O assunto era o bigode do Valdivia! E o melhor de tudo, é que a torcida, que anda tão casmurra, começou a se divertir com aquilo. E vieram os apelidos, as comparações; Bandido mexicano, Fred Mercury, Dick Vigarista, Chris Cornell, Zorro, Amigo da Onça, Zé Bonitinho, cantor de bolero… Em minutos, sem que a gente mesmo se desse conta, estávamos todos mais leves; em minutos, sem que nem mesmo a imprensa se desse conta, ninguém mais falava dos problemas passados. Valdivia, brilhante, mais uma vez nos mostrando que é f*%#@! Tirou o foco da crise, fez todo mundo dar risada, trouxe um pouco de alegria ao elenco, à torcida e deixou o ambiente melhor.

Eu recebia tweets, e-mails, perguntas no Facebook, todos muito divertidos, sobre o que eu achava daquele bigode. Claro que eu achei lindo! E não tinha como não rir… não tinha como não brincar, ainda que, dentro de campo estivéssemos tendo problemas, ainda que não concordássemos com toda a escalação do técnico, ainda que soubéssemos que não íamos jogar melhor do que contra o Guarani. O astral tinha mudado, era outro…

O estádio estava lotado, os torcedores locais faziam dele um caldeirão infernal e, por conta disso, o Paraná começou o jogo com velocidade, com uma baita disposição e com a caixa de ferramentas aberta. Bateram um bocado! O Palmeiras, no estilão de sempre, procurava cadenciar o jogo, conter o ímpeto do Paraná; mas não jogava bem.  Eu me aborrecia um bocado com Felipão; ainda que ele tenha colocado dois atacantes em campo, tinha que ter escalado Daniel Carvalho com Valdivia (Mazinho estava em campo, mas para que a gente não perca o costume, ele não jogaria em sua verdadeira posição). Os adversários sabem que é só marcar muito bem o nosso homem de criação para dificultar que a bola chegue redondinha ao atacante. E, embora muito marcado, o Bigode, ooops, o Mago, fazia uma bela partida. Mazinho também, seguro, nos dava a impressão que já tinha jogado outras vezes com a nossa camisa. Gostei dele.

Chovia uma barbaridade e tava uma dureza de a gente fazer gol. Nossos jogadores, parecem meio “amestrados” pelo esquema de uma única jogada”, mas, mesmo assim, levaram perigo de outras maneiras. Mazinho fez uma jogada linda,  driblou o zagueiro, entrou na área e chutou, o goleiro fez uma bela defesa; Valdivia, pela direita, já na pequena área, achou Barcos na cara do gol, mas nosso Pirata não conseguiu marcar… E dá-lhe chuveirinho! Oxalá apareça uma falta! E ela apareceu, aos 21′. Assunção cobrou com perfeição e guardou o seu 23º gol de falta, nesses dois anos de clube. Uffa!!

Minutos depois, Assunção chutou de longe, por pouco o goleiro não foi parar dentro do gol com bola e tudo. Mas Assunção, com dores na costela, teve que sair e foi substituído por… Patrik! Poderia ter entrado Daniel Carvalho ou mais um atacante. Ah, Felipão… Dois minutinhos depois, o Paraná empatou. Não foi bola aérea, acredite! O atacante recebeu um cruzamento rasteiro e chutou pro gol, Bruno fez grande defesa mas, Luisinho, aproveitou o rebote e guardou. Na cabeça da gente aquele pensamento nebuloso, negro e cheio de apreensão… será que… de novo?

Levamos bola na trave, tivemos dificuldades para chegar na área no segundo tempo, sentimos uma boa dose de aflição, nos aborrecemos com as substituições do Felipão, que tirou Barcos para colocar Fernandão, ficamos irados porque Patrik não fazia nada em campo, nos decepcionamos porque o Palmeiras fazia de tudo para garantir esse resultado magrinho, ao invés de ir pra cima e matar o jogo lá mesmo…

Mas, por mais que algumas coisas nos irritassem, não podíamos deixar de ver que Mazinho fazia sua estreia que nem gente grande, e jogava muito bem; que o nosso Zorro/bandido mexicano/cantor de boleros, Valdivia (de quem precisamos tanto para conquistar o que queremos), voltando de contusão, ainda sem ritmo, naquele gramado encharcado, pesado, buscou jogo, se movimentou, correu, deu carrinho, foi muito importante em campo; não podíamos deixar de ver que Bruno, seguro, também fazia uma boa partida, fazia defesas importantes; que Henrique, o nosso xerife, joga muito, e que nem tudo era motivo de reclamações.

E não era mesmo! Aos 33′, o botinudo do Henrique Alemão, cometeu pênalti em Patrik (!?!). Na ausência de Assunção, Henrique é o cobrador oficial. E cheio de moral, o xerife cobrou, muito bem por sinal, e colocou o Palmeiras em vantagem. Que alegria eu senti! Andamos levando tantas cacetadas nos últimos jogos, que temos que comemorar as coisas boas, por menor que elas sejam, quando elas nos acontecem. Felipão ainda colocou Román em lugar de Cicinho (imagina se ele não ia colocar mais um zagueiro?) e o jogo terminou (o bigode do Mago deu sorte) com a vitória do verde mais lindo do mundo!

Deu um alívio imenso quando o juiz apitou o final; dá um alívio imenso quando o Palmeiras ganha. Mesmo que seja de um jogo feio, mesmo que tenhamos nos aborrecido com algumas coisas… Basta ele ganhar e a gente fica leve, ri mais fácil, se sente de bem com a vida, acha tudo mais bonito… E foi assim que fomos dormir, embalados pelos muitos risos que um ‘bigode latino’ nos trouxe; aliviados pela vitória que nos dá duas semanas de tranquilidade; um tanto esperançosos de que Felipão consiga enxergar um outro caminho; livres da aflição e do temor de mais um insucesso; um pouco mais relaxados para o jogo da volta … e com os nossos corações menos tristes, cantarolando um ritmo latino…

“…Solamente una vez, amé en la vida. Solamente una vez, y nada más…”

  • Magocamisa10

    Mago Valdívia esta de Parabéns , soube tira o foco da ( crise )  Para seu Bigode .
    e também montra que os Jogadores estão com Felipão.  

    Tânia  Clorofila  Parabéns pelo seu Belo texto. 

  • Magocamisa10

    Mago Valdívia esta de Parabéns , soube tira o foco da ( crise )  Para seu Bigode .
    e também montra que os Jogadores estão com Felipão.  

    Tânia  Clorofila  Parabéns pelo seu Belo texto. 

  • Lidiane

    o valdivia ficou bem diferente de bigode, devia deixar crescer o cabelo de novo tem mais a ver com ele.

  • Lidiane

    o palmeiras se classifica e se deus quizer esse titulo da copa do brasil é do palmeiras, o mago vai trazer a tça de campeão pra gente, vmao confiar palmeirenses.

  • Lidiane

    o bigode do valdivia é o bigode magico .

  • Lenilson Freitas

    ele ja tem a magia nos pes, agora tem no bigode pra trazer sorte que tanto o palmeiras esta precisando.