O PALESTRINO, ORGULHOSO, DIZ: SOUL PALMEIRAS! 환영 KIA!

Quando eu cheguei ao local onde seria a coletiva de apresentação do novo patrocinador do Palmeiras, a Kia Motors, ainda não tinha muita gente, mas já estava tudo preparado, o lugar já possuía uma aura de grandeza. (Tinha até um banner com o modelo de carro que eu costumo chamar de “Soul” Palmeiras). Dois gigantes iriam firmar ali uma parceria. Parceria essa que estava sendo acolhida com muito entusiasmo por ambas as partes. O Palmeiras por trazer um patrocinador master para o clube, e a KIA por poder estampar a partir de agora, a camisa do Palmeiras, o clube brasileiro mais vencedor, O Campeão do Século. Atrás do local onde se sentariam os homens do Palmeiras e da Kia, um banner com as duas marcas já estava colocado. 

As pessoas foram chegando, os profissionais de imprensa preparavam as câmeras, os microfones e, no horário marcado, ou quase, chegaram Arnaldo Tirone, Felipão e Galeano, pelo lado do Palmeiras, e o Sr. José Luiz Gandini, presidente da Kia Motors do Brasil, um palestrino de “carteirinha”! Achei estranho e muito significativo, que Frizzo (acho que a coisa não está boa para o lado dele) não estivesse presente, e sim o técnico. Achei estranha também a presença de Galeano. Por que não César Sampaio?

As apresentações foram feitas, a parceria anunciada. A montadora coreana, KIA Motors, vai pagar ao Palmeiras R$ 74 milhões por três anos de contrato. Valores maiores do que o clube recebia da FIAT. Nessa, Tirone merece os parabéns! E, enquanto eles falavam do que viria a ser esse acordo, O Sr, José Luiz Gandini lembrou a Felipão que a KIA patrocina a Copa do Brasil, entre muitas outras coisas, e que ele gostaria de ver o Palmeiras ganhar a competição. Todo mundo riu da cobrança, de leve, que o palmeirense, presidente da KIA fez ao técnico…

E então, eles vestiram a camisa mais linda do mundo, com o logo da KIA estampado na frente e, acima do número, nas costas. Pra variar, eu fiquei emocionada. Nossa camisa é tão linda… tão valiosa! A marca Palmeiras tão forte! Quem sabe isso não venha a significar novos e melhores tempos… Não signifique passos sendo dados na direção certa… Além do mais, imaginem que número tinham as camisas… o meu favorito: 10! Não tinha como não me emocionar. Quantas fotos foram tiradas! Eu mal consegui achar um buraquinho para tirar as minhas próprias fotos. E o que é melhor, vi o presidente do Palmeiras vestir o manto! Quiçá, se não pela primeira vez.

palmeiras patrocínio kia

Felipão então falou, e disse que a parceira poderia sempre contar com ele, com o seu time, com o trabalho e dedicação de todos. E deixou a coletiva, alegando que precisava trabalhar. Fotografadíssimo, até mesmo pelos funcionários da KIA, Felipão passou na mesa do brunch, pegou alguma coisinha para comer, respondeu mais algumas perguntas, tirou fotos com algumas pessoas e foi embora.

Os jornalistas então, puderam fazer perguntas para o mandatário palestrino e para o presidente da KIA. Tirone afirmou que a equipe vai ter que mostrar resultados em campo para justificar o investimento feito pela empresa, mas, ressaltou, que o clube pode receber mais dinheiro se tiver bons resultados nas competições que disputar. O presidente do Palmeiras contou a todos que foi muito rápido o tempo de conversação entre Palmeiras e KIA, e que eles fecharam o contrato em mais ou menos 3 dias.

O presidente da Kia Motors, José Luiz Gandini, disse que a parceria independe dos resultados do Palmeiras em campo, e ele, confirmando o que Tirone havia dito sobre ter sido rápido o acerto entre o clube e a empresa, ainda deixou em aberto a possibilidade de estender o vínculo com o Palmeiras para outros segmentos no futuro.

– Foi tudo muito rápido, fechamos o contrato em três dias. No futuro, podemos estender a parceria. Vamos pensar em ações, podemos ajudar com novos jogadores e planos de ações para o centenário do clube [em 2014].

A coletiva foi então encerrada. Tirone “sumiu” em meio à todos aqueles fotógrafos e jornalistas, respondeu à mais um monte de perguntas, e me pareceu estar feliz, esperançoso, bastante orgulhoso (com razão) do contrato fechado e, então, eu também fui embora, feliz, esperançosa e bastante vaidosa (com razão) por amar, respeitar e vestir aquela camisa…