PALESTRATOUR… PRA GUARDAR NO CORAÇÃO… (1ª Parte)

Há quase dois anos atrás, uns dias antes de o Palestra ser fechado para se iniciarem as obras da Arena, eu estive lá fazendo o que, na época, chamávamos de Palestratour. Uma visita pelas dependências do nosso amado Palestra Italia, com direito a muita emoção… Hoje, quando nos preparamos para receber a Arena Palestra, nossa nova casa, que será um dos estádios mais modernos do mundo; quando a abstinência de Palmeiras é tão sofrida; a saudade imensa que sinto do nosso Palestra me faz publicar, pela primeira vez, uma parte do texto que escrevi na ocasião.

PRIMEIRA PARTE 

Nesta semana eu fui fazer o Palestratour, uma visita ao Palmeiras que nos possibilita conhecer, acompanhados de um guia, a Sala de Troféus, vestiários dos jogadores, camarote do presidente, campo, banco de reservas, a sala de imprensa, o jardim onde estão os bustos dos nossos craques imortais, tudo isso salpicado com trechos sobre a nossa história, que o guia vai nos contando.

Nem é preciso que eu diga que adorei, né? O convite, foi cortesia da Samsungesportes, numa promoção feita no Twitter. A torcida virtual do Palmeiras, a TwitPigs, (siga-nos no Twitter: @TwitPigsOficial) foi quem ganhou os convites da promoção. O amigo Lagrutta e eu fomos representar a TwitPigs, que tem outros dois responsáveis, a Cynthia e o Marco. Mas tinham muitas outras pessoas lá, que compraram os seus convites e fariam o Palestratour com a gente. Entre eles uma garotada de seus 10 anos, por aí, jogadores de futebol de salão. Como brilhavam aqueles olhinhos, encantados com tudo que viam! Encantados com a história de glórias do Campeão do Século!

Eu pensei que iríamos por último na Sala de Troféus, mas que nada! De cara fomos prá lá! Minha nossa! Assim que eu entrei, deslumbrada com tantos troféus, acabei virando à direita e dei de cara com o do Mundial de 51, a tão querida COPA RIO. Quem é que diz que não temos Mundial, hein? Os autores da façanha estão lá, imortalizados, em imagens inesquecíveis.  O coração já bateu em falso… Diante daquele troféu, foi como seu pudesse ter respirado um “arzinho” daquele glorioso ano de 1951.  Olhava as imagens daqueles heróis, que tanto dignificaram a nossa camisa, homens que resgataram o orgulho de um país… As comportas da minha emoção começavam a ruir… Eu nem sabia para que lado olhar e olhava tudo de uma vez.

Fui andando e dei de cara com o “cantinho” da Libertadores. Aí não aguentei… Não consegui mais segurar a emoção. Deu um nó na garganta… Eu vivenciei tudo aquilo. Como a gente sofreu para conquistar a danada e, agora, ela estava ali, toda imponente, parecendo sorrir prá mim. O filme, maravilhoso, que passava na minha cabeça tinha Marcos, Felipão, César Sampaio, Paulo Nunes, Galeano, Evair, Oséas… enlouquecidos, comemorando; tinha eu, na minha casa, de joelhos, com Santo Expedito na mão, agradecendo o pedido, tão prontamente atendido, tinha a torcida palestrina gritando “Fora!” “Fora”, antes de Zapatta cobrar a última penalidade, antes dele errar, antes de podermos respirar novamente, antes dele dar a senha para loucura que se instalou no Palestra Itália e em cada lugar do mundo onde houvesse um coração verde esmeralda pulsando… Eu sentia vontade de colocar as mãos naquele troféu e levantá-lo em direção ao céu, como fizeram os jogadores. Afinal, eu também ganhei a América naquela noite. As lágrimas vieram com as lembranças… Tentei disfarçar, meio envergonhada de começar a chorar ali, no meio da criançada mas não consegui…



Mas o Palmeiras tem uma quantidade absurda de troféus. Dio mio! E se for contar os dos outros esportes, então…Um mais lindo que o outro. Ramon de Carranza! Tão importante conquista, tão lindo troféu… Que história mais linda! Quantas glórias! As pilhas da minha câmera resolveram pifar, e dá-lhe a câmera do celular. Ainda bem que o do Lagrutta tirava umas fotos legais. Eu estava procurando o troféu do Paulista de 2008 (que o meu Maguinho também ganhou), quando dei de cara com o do Paulista de 93. Olhei prá ele e fui transportada para aquele dia mágico. Estava outra vez no estádio lotado… Parecia ver Evair de braços abertos, correndo em direção da torcida, parecia ver Edmundo cheio de garra e marra, gingando entre os adversários com seus dribles geniais; revia Zinho, maravilhoso, tão querido, marcando o primeiro gol.Mais uma vez, eu perdia a voz ao comemorar aquele gol… Sim, eu estava no estádio, outra vez. Parecia ver aquele monte de parmeras chorando, de joelhos nas arquibancadas. Conseguia ouvir o canto: “Boi, boi, boi, boi do Evair, Palmeiras Campeão vai cair o Morumbi”. Podia sentir o meu coração, outra vez quase parado, enquanto Evair se posicionava para bater o pênalti… Podia ver a bola balançando a rede… Sentir e ouvi, como se estivesse vivendo tudo de novo, o grito de campeão ensurdecedor que explodia, finalmente, da nossa garganta, e do qual, nunca mais vou me esquecer. Como eu fui feliz nesse dia 12 de Junho de 1993!!


E a história desfilava diante de nossos olhos… Campeão de 36, de 50,42, 94, 96… se for falar todos aqui, não vou terminar nunca. Tantos troféus, tantas imagens, tantos craques maravilhosos que vestiram a nossa camisa. Mas eu estava doida atrás do caneco de 2008. E que lindo ele é! Dourado, brilhante, com gosto de “chocolate”, chutes no vácuo, chororô, creu, “cala a boca bvambvi”. Poder tocar aquele troféu foi simplesmente inexplicável. O Palmeiras o conquistou; Valdivia, meu ídolo, o tocou. São Marcos, o santo de minha devoção, o tocou também. Todos os nossos jogadores o beijaram e carregaram. Então eu beijei também, né? Tiramos uma tonelada de fotos e fomos para a sala que abriga as imagens e troféus dos acontecimentos de 1942!

O guia nos contou a história do Palmeiras, perseguido em tempos de guerra por ser de colônia italiana. Chamados de traidores da pátria, nossos heróis entraram em campo para enfrentar o São Paulo e defender a Nação de sangue esmeralda, carregando a bandeira do Brasil. Jogo em que os bambis fugiram de campo, após a marcação de um de um pênalti a nosso favor, quando o placar marcava 3 x 1 pro Palmeiras. Senti tanto orgulho ali, enquanto ele contava a história do Palestra que morrera líder para nascer o campeão Palmeiras. Estávamos ao redor da mesma mesa onde foi tomada essa decisão. E eu ficava tentando “construir” mentalmente a cena daquele distante 1942. Ficava tentando imaginar o que disseram eles então. Será que choraram em cima daquela mesa? Será que fecharam seus punhos, de raiva, pelo mal que queriam fazer ao Palestra? Será que aquela mesa sabia que ela será pra sempre a representante “viva” de uma das páginas mais importantes da nossa história?

Em cima daquela mesa estava o primeiro troféu conquistado pelo Palmeiras e a faixa de campeão. Nosso título de Campeão do Século, começara a ser construído quando aquele pequeno troféu foi levantado… Queria poder viajar em uma máquina do tempo e assistir àquele jogo… E ali mesmo, pertinho da mesa onde repousa a taça da nossa primeira conquista, tem um local destinado a Oberdan Cattani, o goleiro campeão. Tem camisa de jogo, chuteira, bola, as faixas de campeão (As que Oberdan guarda em sua casa, ele já me deixou usar uma vez). Suas grandes mãos imortalizadas em metal, na parede… Salve Oberdan! Nossa lenda viva!!

Saímos dali e fomos conhecer o camarote do Belluzzo. Que visão ele tem dali! Me deu uma vontade tão grande de deixar um papelzinho lá com um pedido: “Traz o Mago de volta, Belluzzo”. Mas fiquei só na vontade. rsrsrs Vontade de escrever, né? Porque a força do meu pensamento, tenho certeza, chegou até o presidente.

Foi então, que fomos conhecer os vestiários… Fiquei imaginando tudo o que já acontecera ali, tudo o que já foi dito. As tristezas com que eles prá lá voltaram depois de um insucesso. Mas era como se ali pairasse a magia das glórias palestrinas. Os armários tinham as fotos dos jogadores atuais. São Marcos, Armero… Como eu queria que tivesse uma certa foto num dos armários… Mas ali, naquele vestiário, também estava, e disso eu tinha certeza, o som de todos os risos,  de todos os gritos de desabafo,  a força de todas as palavras de ânimo… estava a energia dos grandes jogadores que por ali passaram, de todos os ídolos, e dos jogadores operários também, que tantas alegrias tinham dado àqueles apaixonados, que frequentaram aquelas arquibancadas ao longo de quase um século. Minha sensibilidade parecia nunca ter estado tão aguçada. Ao sairmos dos vestiários passamos em frente ao pequeno altar onde nossos jogadores, cujas crenças permitem, fazem as suas orações antes da partida. O grupo já se encaminhava para outro lugar, mas eu me detive ali, e rezei… Pedi a Deus que abençoasse o Palmeiras, que lhe desse sorte quando o trabalho estivesse sendo bem feito, e pedi… com toda a força do meu coração, para que ele trouxesse o Mago de volta…

Muito emocionada, fui me encontrar com o restante do grupo. Iríamos à Sala de Imprensa e, depois, subiríamos as escadas que nos levariam até o gramado mítico, palco de tantas conquistas maravilhosas…

E mal eu sabia quanta emoção mais estava por vir. Mas isso eu conto na segunda parte, numa outra vez…

  • Emocionante Tânia! Também fiz essa visita, meses antes do Palestra fechar para as obras.
    É muita alegria, emoção de cada título, lembrança de jogos…. tudo é incrível.

    Lembro de ter chovido muito no dia anterior, o gramado estava muito molhado ainda, mas quando adentrei lá tive que me ajoelhar ali e agradecer por tudo que o Palmeiras me proporcionou.

    Cada palavra doo seu texto me fez reviver aquele dia maravilhoso!

  • Mauro Rodrigues

    Emocionante Tânia! Também fiz essa visita, meses antes do Palestra fechar para as obras.
    É muita alegria, emoção de cada título, lembrança de jogos…. tudo é incrível.

    Lembro de ter chovido muito no dia anterior, o gramado estava muito molhado ainda, mas quando adentrei lá tive que me ajoelhar ali e agradecer por tudo que o Palmeiras me proporcionou.

    Cada palavra doo seu texto me fez reviver aquele dia maravilhoso!