ÔÔÔ VAMOS ACERTAR, PORCOOO!

Nem ia escrever sobre o jogo diante do Grêmio, mas não tive como não o fazer. Além de ser a estreia da camisa comemorativa do Santo, primeiro jogo do Henrique (que foi muito bem) em “casa”, não saía da minha cabeça a conversa e o entusiasmo do Gílson, um torcedor, portador de necessidades especiais, que acompanhei da estação Tietê até o Canindé. Enquanto íamos conversando, eu ficava pensando qual seria a razão de uma pessoa que não pode enxergar querer ir ao estádio… Saiu do trabalho lá na Freguesia do Ó, e veio “ver”, com os olhos do coração, o Palmeiras jogar. Enquanto íamos conversando, o Gílson ia me falando sobre todas as coisas que pode fazer, sobre a limitação estar apenas em nossas cabeças, e eu ia entendendo os motivos e confirmando algo em que sempre acreditei: a vontade do homem é soberana!

Imagino que a  emoção dele foi tão grande quanto a minha, quando Marcos entrou em campo. Sei que ele o viu, todo de branco, como um santo de verdade, com os olhos da alma… Aposto que gritou o nome dele também… Sei que você vai me ‘ouvir’ aqui, Gilson (combinamos isso), e quero que saiba que foi um prazer conhecê-lo. Pena que nosso time não correspondeu, pena que, se você se aborrecer, por não ter ouvido a torcida gritar gol, será taxado de torcedor limão…

Mas a verdade é que já tá ficando chato… Quantos pontos mais vamos perder de bobeira? Quando o jogo é fora, mesmo que tenha sido mais favorável ao Palmeiras, fingimos que nos contentamos com um mísero empate por não termos jogado em casa. Quando não fazemos a lição de casa, colocamos a culpa em algum jogador ou nos juízes (que andam mesmo afanando o Palmeiras) e fica tudo certo. HELOOO, FELIPÃO! Estamos disputando um campeonato de pontos corridos. Quem fizer mais, leva! Será que dá para deixar de ser teimoso enquanto temos ainda muitas rodadas pela frente? Será que dá para parar de querer converter todos os nossos jogadores em potenciais marcadores, sacrificando as suas qualidades naturais?

Que jogo feio fizemos diante do Grêmio que, é lógico, veio mais retrancado… Aos Palmeiras cabia a ousadia de, em seus domínios, agredir ao adversário. E tentamos, tramamos algumas boas jogadas, que más finalizações e passes errados, fizeram com que dessem em nada. E dá-lhe chutão! Poucos eram os jogadores que botavam a bola no chão e tentavam sair jogando. Valdivia, Henrique (!), Assunção, Kleber e M.Leite. As jogadas saíam, mas faltava alguém… Precisamos de um centroavante, prá anteontem! W.Paulista não teve oportunidade de jogar na posição. Mas Felipão cisma que Kleber (que tá jogando uma bolinha murchinha) pode fazer isso. E ele não faz, claro! Afinal, não é centroavante!

Maikon Leite se cansava de marcar e depois ficava sem perna para ir ao ataque. Valdivia, que fazia uma boa partida, quando tentava fazer a jogada, não encontrava um companheiro para passar a bola. Cansamos de vê-lo pedindo isso em campo. E ainda por cima, tomou amarelo, por ter reclamado de falta não marcada pelo juiz, enquanto ajudava na lateral… Felipão, que o elogia por estar marcando muito, se esquece que essa não é a sua função. Eu posso não entender nada de esquemas, mas tem coisa errada aí! Assunção é outro que não pode mais ficar correndo atrás de adversário.

Seria tão difícil colocar Márcio Araújo e Pierre, Assunção e Valdivia ali no meio? Mas nosso técnico nem relaciona o Guerreiro. Duro entender porque o técnico, QUE QUER O TIME GUERREIRO, não quer o jogador raçudo, que foi o melhor desarme do brasileiro por dois anos seguidos, e prefere Chico e João Vítor…

Eu sei que Felipão têm sido por demais importante nos bastidores palestrinos, que ele tem segurado uma bucha e tanto, de coisas que nem deveriam ser de sua alçada, e das quais ele cuida por amor ao Palmeiras. Sei que é uma pessoa bem intencionada, que trabalha sério, que fez Márcio Araújo jogar um bolão, que já montou times campeões com alguns cabeças de bagre, com alguns jogadores inventados, mas querer fazer igualzinho, em todas as oportunidades, é esperar demais da sorte.  Algumas decisões, mantidas por teimosia, têm nos custado alguns pontos importantes.

Não quero que ele saia do Palmeiras, nada disso, mas espero e quero que ele faça o melhor para o time, para o rendimento do futebol que apresentamos dentro das 4 linhas. Não adianta ele entrar em rota de colisão com o torcedor, que agora chama de “Limão”. Sei que muitos exageram nas críticas, mas a torcida está no seu direito de reclamar. Ela paga para assistir aos jogos, ela toma chuva, passa frio, engole sapos de montão… e ama esse time com loucura. A última boa partida nossa, com o time mordendo o adversário, foi diante do Santos, e até metade do segundo tempo. De lá prá cá, mesmo com as vitórias, a bola sofreu um bocado. É muito pouco para o Palmeiras! Queremos ver bom futebol, cáspita! Que mal há nisso?

Diante do Grêmio, do Mago para trás o time estava certo, mas achei que Cicinho e Gerley não precisariam ter ficado tão presos na marcação. Marcos fez apenas duas boas defesas. Mas lá na frente, apesar do nosso maior domínio de bola,  à exceção de um chute de Cicinho, que recebeu um belo passe do Mago e de uma falta cobrada por Assunção, o ataque não funcionava. Kleber, não conseguia se desvencilhar da marcação cerrada que sofria; Patrik “olhava os refletores”; Maikon Leite, ainda desentrosado com o Mago, não conseguia reeditar o bom futebol das primeiras partidas. O menino é bom, veloz, tem vontade, mas a torcida já coloca aspas quando o chama de craque, assim como faz com o Mago, que, diferente daqui,  no Chile joga solto pelo meio.

E eu ficava pensando no Gilson, que deu um duro danado, venceu tantas barreiras para estar ali “vendo” aquela falta de alegria da torcida e também dos jogadores em campo, e que podia apenas ouvir os “ahs”, “uhs” a cada passe errado, a cada finalização defeituosa…

Quando o juiz apitou o final da primeira etapa, estávamos confiantes na vitória. Apesar dos erros, o jogo estava mais pro Palmeiras. E foi com esse coração tranquilo, que vimos uma das cenas mais lindas que o futebol já nos proporcionou… Marcos, atravessando o campo vazio para se dirigir aos vestiários… O estádio inteiro aplaudia o goleiro pentacampeão do mundo, o nosso São Marcos de Palestra Itália; uma parte, cantava “Parabéns a Você”, outra, gritava seu nome. Os aplausos não cessavam… Lindo! De arrepiar! Eu ficava pensando em como alguém tão desprovido de vaidade, tão simples, tão de verdade, pode ter se tornado esse mito? A pergunta é a resposta. São essas qualidades, além do talento indiscutível,  que lhe dão tamanha grandeza.

Comecinho da segunda etapa e Valdivia quase marcou. O goleiro se enrolou com a bola que ele tocou no cantinho. O Grêmio batia, o juiz dava mole, o Palmeiras batia e levava cartão. Eu tinha a impressão que o gol não demoraria a sair… O Mago, caçado, participava de quase todas as boas jogadas do Verdão, entortava meio mundo, mas lá na frente faltava alguém, faltavam boas finalizações. Sobravam então, as bolas paradas de Assunção. Mas “sempre não é todo dia”, né? Elas funcionam ocasionalmente. E, como elas não funcionavam, o time vivia de chutões…

Felipão tirou M.Leite (achei que Patrik era quem deveria ter saído) e colocou Dinei. A coisa até melhorou. E ele teve a chance mais perigosa. Com uma referência na área o Palmeiras pressionava mais mas, querendo marcar de qualquer jeito, pecava nas finalizações.

E, se não pudemos gritar gol, Marcos nos ajudou a comemorar algo. Fez uma baita defesa quando Leandro tentou encobri-lo (imagina!) e o Canindé delirou. O Santo cresceu prá cima dele e interceptou a bola que subia. Foi um delírio! Felipão ainda trocou Patrik por Vinícius, mas o jogo terminou mesmo num brochante 0 x 0.

Próximo jogo é pela Sulamericana, diante do Vasco, no RJ!

CHEGA DE DAR MOLE, VERDÃO! TEM QUE TER BOLA NA REDE!