QUEM DÁ AOS POBRES, EMPRESTA A DEUS…

Eu ainda não tinha escrito sobre o Derby, porque tinha ficado muito aborrecida de termos conseguido perder para um time como aquele,  mas como hoje é Missa de Sétimo Dia da Libertadores dos Gambás, resolvi escrever… hahaha

Decididamente, o Palmeiras tem a Síndrome do Bom Samaritano… É um time tão “caridoso”… ADORA RESSUSCITAR MORTOS-VIVOS!

No Derby não foi diferente. Jogando mais, em situação muito melhor, liderando o Campeonato Paulista, o Palmeiras acabou sendo punido pela bola. Não dizem que ela pune? E puniu o time que não conseguia colocá-la prá dentro do gol por mais que ela a ele se oferecesse. Acho que a bola ficou magoada e resolveu se vingar numa das poucas oportunidades que o time do Corinthians, praticamente morto, teve.

Foi um festival de finalizações sem competência o que o torcedor palestrino foi obrigado a assistir. Sem contar as inúmeras vezes em que nossos atacantes facilitaram a vida do goleiro Júlio César chutando quase tudo em cima dele, ajudando-do a fazer uma excelente partida. Mas também, jogando com 9 (Rivaldo e Dinei não contam, são “café-com-leite), até que o Palmeiras se saiu muito bem…

Nos primeiros minutos até que a partida foi equilibrada. Também, os gambás vinham fortalecidos pelas ausências de Ronaldo, Roberto Carlos e Dentinho. Pipocas amarelinhas legítimas! Pressionados pela torcida após a perda da vaga à Libertadores, os jogadores corin
tianos entraram com bastante vontade e, aos 5′ quase que Jucilei abre o placar, mas Marcos fechou bem o ângulo e fez grande defesa. O Palmeiras foi se acertando e desde os 15, 20 minutos já comandava as ações da partida. Aos 25′, cabeçada de Kleber, após cruzamento de Assunção, que Julio César mandou para escanteio. Um minuto depois, Maurício Ramos, após cobrança de escanteio, chuta em cima de Julio César, no rebote, sem goleiro, ele manda prá fora… Uma chance escancarada de gol que o Palmeiras perdia… Dominávamos a partida e nada do gol sair… Aos 46′, Kleber recebeu pelo meio, entrou na área,cortou o zagueiro, mas chutou fraco e o goleiro defendeu no reflexo, com o pé.

Veio a segunda etapa e o panorama não mudava. Só dava Palmeiras em campo. Marcos estava abandonado lá no gol… O Verdão continuava martelando, mas a pontaria, a finalização eram sofríveis. Dinei (ele não serve para o Palmeiras), arriscou de fora da área aos 5′, e a bola passou raspando. E  durante mais 30 minutos ficamos na mesma lenga-lenga… E como quem não faz, toma… Aos 37′, Alessandro, depois de tabelar com Morais, invadiu a área e bateu na saída de Marcos, que nada pode fazer. Achei que foi um vacilo da nossa zaga…

Na comemoração, Alessandro foi provocar os torcedores palmeirenses da Mancha Verde Já vi até jogador ser expulso por provocação desse tipo, mas ali ficou por isso mesmo. A atitude reles do Alessandro só veio provar que ele e o elenco estavam mordidos com as brincadeiras de que vinham sendo alvo. Mas jogar bola lá na Colômbia e virar macho quando os jogadores do Tolima dançaram, ele não quis, né? Que grande idiota! O mosaico tava tão lindo… hahahaha

O Palmeiras ainda perderia duas grandes e claras oportunidades de gol (não era nosso dia, mesmo!). Aos 40′, Kleber pegou a sobra, girou e finalizou. O goleiro pegou no susto. Aos 46′, Kleber chutou de dentro da área e o goleiro espalmou, no rebote, Patrik mandou no travessão e jogou fora a última chance de empate. Bem, se é verdade que quem dá aos pobres, empresta a Deus… depois de domingo estamos com um baita crédito lá em cima. Não ganhamos porque não quisemos…

A derrota só foi ruim para o nosso orgulho porque, dentro do campeonato, não nos complicamos e nem sequer perdemos a liderança. O time do Palmeiras, a meu ver, tem apresentado uma boa evolução e, mesmo desfalcado, mesmo com dois jogadores a menos (Rivaldo e Dinei), foi muito melhor que o time do Corinthians. Mas precisamos de um “9”, e de nos livrarmos da teimosia de Felipão em manter os inúteis Rivaldo e Dinei no time.  Não há mais o que tentar com esses dois, principalmente com Rivaldo. Ainda bem que Gabriel vai voltar, Valdivia e Lincoln também…

Situação ruim mesmo é a dos gambás. Não tem dinheiro nem prás velas da Missa de Sétimo Dia da Libertadores… O presidente deles fugindo do fiasco, da revolta da torcida, e das gozações daqui, foi passar o chapéu lá na Europa para arranjar uns troquinhos pro Esmolão… Uma vez gambá, sempre gambá, né? Nunca conseguem andar com as próprias pernas. Haja juízes e bandeiras ladrões, políticos desonestos, mutretas…