O Mago está de volta! Agora só falta chegar um 9…

Um empate fora nunca é um mau resultado, principalmente, quando o resto da rodada acaba dando certo e o seu time continua na liderança do campeonato. E o que importa, nesta fase é estar entre os oito, não é mesmo? Mas achei bem ruinzinho o Palmeiras empatar com o Mogi, quando tinha tudo para ganhar… Achei ruim não poder abrir vantagem para assegurar a bendita vaga mais cedo.

Por um problema pessoal, ‘abdiquei’ de assistir à partida, antes mesmo que acabasse o primeiro tempo. Que saco! E justo no jogo em que meu ídolo estaria de volta. Da segunda etapa, vi apenas alguns lances… Esperei com tanta ansiedade pelo momento de ver o Mago, outra vez em campo, e não consegui ter esse prazer… Mas, pelo que soube, e pelo que vi depois, de futebol mesmo, não perdi muita coisa…

Quem perdeu foram nossos atacantes. Abusaram de perder gols. (CADÊ O “9”, TIRONE? PENSA QUE É SÓ SENTAR NA CADEIRA AÍ, FAZER POLÍTICA E MAIS NADA?) Nós reclamamos do ataque, mas o que falta ali é precisão na hora de concluir. Falta um goleador! As chances surgem em todos os jogos. E porque algumas vezes essas chances são aproveitadas, é que estamos na liderança do campeonato. Se fosse só pela boa fase da defesa, teríamos empatado todas as partidas. Mas o fato é que, até mesmo Kleber está perdendo muitos dos chamados “gols feitos”… Assim não dá. Por isso mesmo é que precisamos de um “9”, um centroavante de responsa que, com técnica, ou sem ela, de canela, de bico, do jeito que for, saiba colocar a bola dentro do gol e ajude o Gladiador lá na frente. Saudade do Obina…

Mas, problemas particulares, aborrecimento… nada disso conseguiu tirar a minha alegria ao ver Valdivia em campo… Que maravilha! Perceber que ele podia correr e se movimentar, sem aquela maldita lesão a lhe incomodar, deixou o meu preocupado coração muito mais leve. Era o que eu  desejava para a sua volta; que estivesse recuperado. Talento ele tem de sobra e, para que voltem os gols, chutes no vácuo e mágicas em geral, é só uma questão de tempo, de algumas partidas, para que pegue ritmo, outra vez. Com dribles e uma deixada maravilhosa para Kleber, ele já nos brindou ao voltar.

Mas o jogo, estava sonolento no primeiro tempo. Lento, arrastado, com aqueles lançamentos longos, que nunca dão em nada; com Valdivia e Kleber muito marcados. Depois de uma única chance, em cobrança de falta aos 5′, quando a bola passou raspando a trave, só voltamos a ter outra oportunidade com quase trinta minutos de bola rolando. Chute cruzado do Mago que acertou a rede pelo lado de fora. Tivemos mais algumas oportunidades, mas deram em nada. A impressão que eu tenho é que os jogadores evitam chutar. Se bem que, em alguns momentos, por não perceber o companheiro melhor colocado, aparecem alguns arremates bastante displicentes e descalibrados e algumas boas chances acabam sendo desperdiçadas. Por isso os goleiros adversários têm feito boas partidas contra a gente. Estamos facilitando muito na hora de concluir. Nada que não possa ser corrigido.

Na segunda etapa o Mogi até que veio mais inspirado. Roberto Jacaré e Val deram uns sustos no Bruno e na gente, mas o Verdão, que já tinha se fechado na defesa, quando no primeiro tempo o Mogi começou a avançar mais pelas laterais, se manteve blindado. E por falar em lateral, a nossa lateral esquerda é uma festa com o inexpressivo e “imprestável” (ninguém quer nem emprestá-lo rsrs) Rivaldo atuando por ali. Não sei o que acontece com Felipão… Prefere não levar para o jogo, um lateral, de verdade, por achar que ele está sem ritmo, e se utiliza de um jogador IMPROVISADO na posição, que não tem ritmo, coordenação, cérebro… Difícil… Desse jeito, o Palmeiras vai a campo não apenas necessitado de um 9, como Felipão tanto reclama. Ao escalar Rivaldo, o Palmeiras vai a campo sem um lateral esquerdo, sem um atacante (porque Luan tem que cobrir o lado esquerdo o tempo todo) e com a zaga tendo ainda mais trabalho, para ajudar a consertar os vacilos do “favorito”.

E tentando mudar o time, Felipão promoveu a entrada de Patrik e depois Adriano, nos lugares de Tinga e  de Valdivia, que já estava cansado. Mesmo tendo mais posse de bola, mesmo tendo a velocidade de Patrik e Adriano, o gol do Palmeiras não saía, o que fazia o Mogi acreditar e arriscar mais. Bruno e a defesa verde continuavam dando conta do recado, enquanto o ataque desperdiçava mais uma boa chance, desta vez com Adriano. É muito chato para o torcedor ver o time desperdiçar tantos gols. O Mogi ainda teve um jogador expulso no finalzinho, mas o jogo terminou mesmo empatado. Por faltar alguém com pés calibrados, deixamos dois pontos em Mogi. Mas vamos nos classificar! E até lá, nosso time estará mais entrosado, o Mago já terá mais ritmo, Gabriel estará de volta e quem sabe a nossa camisa 9 ganhe um dono… Vamos aguardar e torcer muito!

E amanhã (23), o Palmeiras fará a sua estreia na Copa do Brasil!! Será contra o Comercial-PI, em Teresina, tendo no banco aquele que é o maior vencedor da competição, o técnico Luiz Felipe Scolari. Nosso Felipão já foi campeão três vezes: Criciúma (1991), Grêmio (1994) e Palmeiras (1998). Qual  palestrino esquecerá aquela vitória diante do Cruzeiro (que valeu a vaga na Libertadores/99), com gol de Oséas aos 44 minutos do segundo tempo? Eu me lembro de ter agradecido a Deus (para quem eu tinha acabado de pedir), de joelhos, por aquele gol. Poucas vezes me senti tão perto Dele como naquele momento. O Palmeiras tem o poder de me aproximar do que é divino… Foi um resultado difícil, mas sensacional!!

E desta vez, para iniciar a competição, Felipão vai levar para Teresina os jogadores: Bruno e Raphael Alemão, Cicinho, Gabriel Silva e Rivaldo (oremos!), Danilo, Maurício Ramos e Leandro Amaro, Márcio Araújo, Chico e João Vitor, Valdivia, Tinga e Patrik, Kleber, Adriano, Max Santos, Vinícius e Miguel.

Que a sorte os acompanhe e, tomara, possamos fazer uma trajetória tão vencedora quanto a de 98…

ÔÔÔ VAMOS GANHAR PORCOOOOO!!

  • Irineu Curtulo

    Tânia, bom dia! Sobre o tal 9, é claro que um matador é importante para qualquer equipe, mas, minha nossa!, como os pés desses jogadores do Verdão precisam de uma forma. E eu digo, se perdem tantos gols, é porque criam, e se os goleiros adversários se consagram, é porque criamos, e muito. Se o Kleber, o blindado Kleber blindado, fizesse metade dos gols feitos que perde, estaríamos com 27 pontos ganhos. O comentário sobre o blindado Kleber blindado é geral: “Ele não tem obrigação de marcar gols”? Como!!!!? Todos erram e são ridicularizados por isso, mas, o blindado Kleber blindado, não, ele continuará como o blindado Kleber blindado. Quanto ao Mago, ficou o alívio dele não sentir nada durante o jogo. Só o lançamento de letra que ele deu ao blindado Kleber blindado, meio gol por sinal, valeu a sua volta. Forza Mago e, sorria Mago, pois seu sorriso enfraquece os adversários. Tânia, se você tiver contato com o Mago, conte-lhe uma piada, faça-lhe cóssegas, ele precisa sorrir.