Paulo Nobre, nós escolhemos você!

Hoje temos a final da Copa Sulamericana e o Palmeiras não está nela… Teremos a “final” do Brasileiro, no final de semana, e o Palmeiras também não estará nela… Faz tempo, hein? Com exceção do Título Paulista/08,  a “trave” no Brasileiro/09, e essa mesma Sulamericana, onde caímos na semifinal, o torcedor palestrino sobrevive apenas de alguns momentos felizes (uma vitória aqui, outra ali; a chegada de Kleber, Felipão, Valdivia…) uma tonelada de amor ao clube e mais nada.

Sabemos muito bem onde se originam nossos problemas, não é mesmo? São anos e anos de planejamento feito “nas coxas”, com times sempre remendados. No Brasileiro/07, não tínhamos um centroavante; no de 2008, venderam o nosso meia antes da metade do campeonato; 2009, continuamos sem um verdadeiro meia, improvisando um volante com a camisa 10; em 2010, não temos um único “9” que saiba fazer gols, não temos um time inteiro e nem peças de reposição; em compensação, temos inúmeros jogadores que jamais poderiam ter o direito de vestir a nossa gloriosa e vencedora camisa. Quanta lambança…

E nós, meros mortais, achamos que ao presidente, bastaria apenas ter amor ao clube, para que as coisas entrassem nos eixos. E vimos que Belluzzo e os seus, blindados pelo escudo de serem grandes palmeirenses, chegaram ao poder e abusaram do direito de errar. Abusaram do direito de se omitir em momentos cruciais. A Belluzzo faltou coragem e pulso (e seu coração sofreu com isso), aos outros, faltou colocar o Palmeiras acima dos seus mesquinhos interesses. A todos eles faltou competência. No espaço de um ano contratamos os três melhores técnicos do país, dois deles foram demitidos, e suas multas rescisórias geraram uma despesa enorme aos cofres palestrinos. Times foram montados e desmontados no meio de campeonatos, jogadores sumariamente demitidos, outros eternamente perdoados…Contratos de patrocínio não respeitados… E começamos a ver alguns negócios estranhos, de difícil explicação,como foi a ida de Léo  para o Cruzeiro, em troca de Leandro Amaro, sem que o Palmeiras recebesse nadinha do time mineiro. E, vale lembrar que Léo, veio ao Palmeiras em troca de uma dívida de 7 milhões que o Grêmio não tinha como nos pagar. Leandro Amaro vale todos esses milhões?  E some-se a isso  aumentos de salários, dados para alguns jogadores (Lenny,Max…) simplesmente sem motivo aparente que os justifiquem…  O imbróglio do nosso time B (o que acontece ali?)… E teve mais, teve o time que nunca foi dado a Muricy… A modernidade que nunca saiu das palavras… Jogadores contratados que não fizeram mais que duas partidas (lembram do Henrique?)…

E assim está o Palmeiras… Com dívidas, sem dinheiro, sem títulos, sem um time principal, sem banco, com um DM que tem deixado muito a desejar, com um baita técnico, poucos jogadores bons, sem brilho, sem crédito e, por sorte, com uma torcida maravilhosa, loucamente apaixonada pelo time, que o tem conduzido como a um clube que ganha títulos todo ano. Essa sim, o grande patrimônio da Sociedade Esportiva Palmeiras.

E agora a nossa “final” vai acontecer. Nas próximas semanas, os Conselheiros Palestrinos (que venham a diretas!) escolherão o futuro Presidente da Sociedade Esportiva Palmeiras. Sabemos que dentre esses Conselheiros, existem muitos que também não colocam o Palmeiras acima de tudo, que não honram o direito de serem chamados palestrinos, presos que estão a conchavos, ao desejo de poder, aos seus egos inflados, à podridão de décadas, prá Shakespeare nenhum botar defeito. Nós só podemos torcer para que esses homens, que escolherão os rumos do Palmeiras, não esqueçam a honra em casa na hora de votar, tampouco a vergonha na cara e o escrúpulo.

Os candidatos estão aí: Salvador Hugo Palaia, que deverá oficializar a sua candidatura, de “salvador” não têm nada e, parece que não é unanimidade nem mesmo dentro da situação; Arnaldo Tirone, representando a oposição de Mustafá Contursi e de Afonso Della Mônica (quem diria, hein Della Mônica?), daquele tipo de administração que já conhecemos tão bem e que levou o Palmeiras à Segunda Divisão; Paulo Nobre, que  os torcedores  apenas conhecem da Equipe Palmeirinha de Rally, é candidato por uma terceira via, e pode significar uma nova mentalidade, novos ares nos corredores do Palestra Itália, saturados de falta de amor ao clube.

Não vou dizer que Paulo Nobre continuará o processo de modernização, simplesmente por achar que Belluzzo não o fez. Sua administração, confusa, de atitudes impensadas e alianças mantidas à custa de muito prejuízo ao  clube, ainda que não tenha sido essa a sua intenção,  acabaram sendo “mais do mesmo”. Mas acredito que, ainda que seja uma incógnita, Paulo Nobre significa esperança e  é, sem sombras de dúvidas, a melhor das opções.

Pois que venha o Paulo Nobre! E faça jus ao sobrenome que carrega, conduzindo o Gigante Palmeiras com a nobreza que ele merece!

  • abcout

    Sangue novo e verde, de verdade!
    Nobre tem o meu apoio e acredito, da grande maioria.
    Que venha a renovação!

  • Irineu Curtulo

    Tânia, boa tarde!

    Sinto que o Paulo Nobre é quase unanimidade na blogesfera palestrina. Gostaríamos que as eleições fossem diretas, mas não são. Da maneira como as chapas estão compostas, se não houver uma mudança já, quer queiramos, quer não, teremos um presidente “Mustafá”. Queremos isso, é claro que não, mas, seria o momento de se lançar candidato sabendo que a força da oposição é constante, ou seja, se houver composição, a situação vence, se não, quem leva é a turma do “mustafá”. Temo, sinceramente, pelo futuro do Palmeiras. Não acho que seria o momento dessa candidatura, embora também o apóie.

  • Mestre dos Magos

    MUITO CUIDADO

    Já esperamos anos e anos por mudança e quando optaram pelo “Muda Palmeiras”, viram que a coisa não foi bem assim.

    Belluzzo deixa a presidência com o balanço negativo no que tange ao futebol em matéria de resultados.

    Porém nos deixa a Construção da Arena em andamento, deixa também Felipão, Kléber e Valdívia.

    Tudo isso arrolando dívidas anteriores e as que os 200 patétas aprontaram, sendo eles Giberto Cippulo, Genaro Marino, Savério Orlandi, entre outros patétas.

    Belluzzo mostrou fidelidade a esses caras que o colocaram na presidência. Errou.

    Mas não por maldade e sim por emoção.

    E é nesse aspecto que quero chegar.

    Embora Palaia tenha rejeição de alguns, no momento digo que a minha ele não tem e por um motivo bem básico: ELE ESTÁ FECHADO COM FELIPÃO.

    E Palaia, queiram ou não, chegou colocando próprio bolso a fim de minimizar a barbaridade dos salários atrasados.

    Todos sabem que 3 meses de salários atrasados dão Rescisão Por Justa por parte do funcionário, contra a empresa.

    Palaia fez o que podia pagando um pra traz e deixando o atual e isso explica o caso Kléber que estourou como bomba na imprenssa, no qual ele mesmo afirma serem 2 meses. Marcos Assunção também se pronunciou sobre isso e o atraso é de dois meses.

    Palaia pegou o bonde andando e bateu o martelo expulsando os sanguinários que lá estavam mamando por “bondade extrema” de Beluzzo.

    Não pensem que Palaia não perguntou pra Belluzzo se podia demitir todos patétas possíveis e certamente a resposta foi: – Não sendo eu que demiti mete o pau.

    Tanto é nítido que Beluzzo voltou e nenhum patéta voltou junto.

    E agora os 200 patétas se unem em torno de quem?????????

    Em minha análise, acho que Paulo Nobre deveria assumir um cargo de extrema responsabilidade na gestão Palaia/Felipão e assim ir adquirindo o conhecimento extremo sobre uma intituição das mais difíceis de serem governadas no País.

    Prudência. Peço prudência, até ver os próximos pronunciamentos de Paulo Nobre.

    Atualmente não me passa confiança, não pela pessoa em sí, mas pelos patétas sedentos de poder que estão criando e apoiando sua candidatura.

    Os mesmos que criaram Belluzo e depois destruiram e quase mataram de tanto desgosto.

    Genaros, Savérios, Cippulos e Cia, Deus me Livre.

    Saudações Tânia e demais.