Mais um Brasileirão chega ao fim… Será legítimo o seu campeão?

Depois do Campeonato Brasileiro de 2005, comprado obscenamente, até o  mais iludido e ingênuo torcedor sabe que o futebol brasileiro, da “Dona” CBF, e do Sr. Ricardo Teixeira, está podre! E é um festival de mutretas, lavagem de dinheiro, subornos, o que temos acompanhado desde então. Em 2005, ao expulsar Tinga, após ele ter sofrido um pênalti, não marcado, na partida do Inter diante do Corinthians, cada um de nós podia jurar que Márcio Resende de Freitas, o árbitro, estava “comprado”, mas é óbvio que nenhum de nós podia provar. E é aí que mora o perigo…

A imprensa se omitiu, se calou; os torcedores resmungaram, resmungaram e se calaram também. Até mesmo o solitário torcedor do Inter que tentou mover uma ação contra a roubalheira que foi o campeonato Brasileiro de 2005, contra o que ficou conhecido como “A MÁFIA DO APITO”, teve que desistir quando o seu time de coração foi ameaçado pela CBF, com severas punições, caso ele levasse adiante a ação judicial.

Sveiter, o grande “articulador” das partidas jogadas novamente, foi afastado e sumiu dos noticiários; Edilson Pereira de carvalho, o árbitro que na época, numa estratégia cirurgicamente estudada, serviu como  “motivo” para que partidas do Corinthians fossem remarcadas,também sumiu, não foi preso e acabou esquecido; Márcio Resende de Freitas se aposentou, foi trabalhar numa afiliada da Globo em Minas e nada mais aconteceu…

Apenas o reluzente relógio de ouro, que dizem ter sido dado pela MSI a Ricardo Teixeira ,como “presente de Natal”, carregaria algum vestígio de sujeira…

E vieram outros campeonatos, e com eles outros absurdos, outros resultados feitos no apito. O Brasil inteiro viu a maneira com que Carlos Eugênio Simon  livrou o Fluminense ,”de João Havelange”, do rebaixamento em 2009, e tirou do Palmeiras a liderança e a chance de ser campeão brasileiro. O Brasil também já tinha visto o campeão no apito de 2008, com juízes comprados com ingressos de show e acompanha agora a sujeira do Brasileirão/2010, acompanhou o que fez Sandro Meira Ricci com o time do Cruzeiro em prol do Corinthians… Tem algo muito errado no futebol… Os homens do apito estão cada vez mais ousados e descarados; a imprensa cada vez mais omissa e dissimulada, apenas um comentariozinho aqui, outro ali…  Os roubos das arbitragens, por mais escandalosos que sejam, sempre vão encontrar alguém  da imprensa que os legitimem. Nos programinhas esportivos de qualidade e credibilidade duvidosas, esses verdadeiros assaltos de que são vítimas alguns clubes, são chamados de falhas, erros, paranóia de torcedor… mas é trapaça, (im) pura e simples! E cada vez mais escancarada! Os dedos dos torcedores apontam para a CBF, de Ricardo Teixeira mas, nenhum repórter investiga, nenhum deles vai atrás e, no país onde “se favorecer, seja de que maneira for”, é a expressão de ordem, os “espertalhões” vão ganhando cada vez mais espaço. Nunca antes na história desse país se viu tanta sujeira saindo pelo ralo e sendo negada por uns, ignorada por outros. Até mesmo a Globo, que tanto incomodava o presidente da CBF, nesta última década mudou completamente de postura. Por que será?

Mas como a sujeira do nosso futebol é apenas um dos tentáculos da corrupção do futebol mundial, eis que ela começa a sair dos ‘bueiros’ lá na Suíça, em denúncias contra os presidentes da FIFA, Joseph Blatter, e da Confederação Brasileira de Futebol, Ricardo Teixeira (olha ele aí). Entre acusações de lavagem de dinheiro e pagamentos de propinas milionárias para altos funcionários da entidade, Blatter e sua corja de seguidores são comparados à máfia por um jornalista investigativo, o inglês Andrew Jennings, que há décadas investiga a corrupção da FIFA e do COI (Comitê Olímpico Internacional).

Segundo Jennings, (que jamais foi processado, por basear as suas informações em documentos) apenas na década de  90 a FIFA pagou aproximadamente 100 milhões de dólares em propinas via ISL – aquela mesma  empresa responsável por parcerias pra lá de suspeitas com clubes brasileiros (Flamengo e Grêmio), que “cheiravam” a lavagem de dinheiro, no final dos anos 90.  Um sistema de fraudes iniciadas na gestão de João Havelange,  com pagamento de propinas de 1 milhão de francos suíços. Na relação de depósitos feitos pela ISL, ainda há um para a Renford Investment Ltd., sociedade controlada por João Havelange e Ricardo Teixeira.

A ISL faliu e sumiu. E, “coincidentemente”, no mesmo prédio onde existiu a ISL, nos mesmos escritórios, surgiu uma nova empresa, a INFRONT, que num passe de mágica, conseguiu a venda de 30% a 50% dos direitos para a TV da Copa do Mundo da África. E sabem quem é o seu presidente? Ninguém menos que Phillipe Blatter, o sobrinho do “tio” Blatter…

A gente nunca ficaria sabendo disso na TV aberta, não é mesmo? Por que será que os programas esportivos que adoram procurar  “atas de patrocínio”, salários atrasados, não se interessam por assuntos que tragam na mesma frase “corrupção”, “Ricardo Teixeira” , “futebol brasileiro e mundial”??

O jornalista inglês é quem conta coisas prá lá de interessantes… Difícil é não fazermos um paralelo com o que acontece por aqui. Para quem não pode ver a entrevista de Andrew Jennings, para o programa  “Bola da Vez” da ESPN/Brasil, aqui estão os 8 vídeos, da longa e esclarecedora entrevista:

Claro que os envolvidos negam e apenas isso. Mas ao que parece, nós torcedores, não somos tão paranóicos quanto dizem, não é  mesmo?

  • Sandro

    Pois é, existe aquela frase que diz ” Futebol é o ópio do povo” .Na verdade seria uma diversão digna se não houvesse tanta imundicie por baixo dos panos, destas q vc bem citou na matéria.
    Felizmente temos a mídia palestrina para escancarar as coisas do jeito que elas são e infelizmente 95% dos torcedores brasileiros não se informam, nem boicotam a Globosta, nem desenvolvem o senso crítico.

    Esperança novamente para 2011! Avanti Palestra !