MÃOS AO ALTO, PALMEIRAS (pela enésima vez)!

Eu bem que tinha avisado para levarem um camburão pro Pacaembu… E teria que ter sido esse, o transporte do Sr. Paulo César Oliveira, depois do que ele fez no Derby. Mas a nossa diretoria sempre peca em relação aos bastidores, né? Não consigo entender do que têm medo. Colocaram esse pilantra (que sempre nos prejudica) no sorteio e o Palmeiras aceitou, sem sequer reclamar. Todos os clubes vetam árbitros e só nós é que não podemos? De que adianta estarmos sempre reclamando do prejuízo? AS PROVIDÊNCIAS TÊM QUE SER TOMADAS PARA QUE NÃO TENHAMOS PREJUÍZO ALGUM! PORRA BELLUZZO, O TORCEDOR ESTÁ DE SACO CHEIO!!

Quase vinte e cinco mil  pagantes, foram assistir ao clássico. Embora o Neto, da Band, insista em dizer o contrário, sobraram muitos lugares, dos dez mil, destinados aos corintianos. O tobogã não encheu, nem com o Indulto do Dia dos Pais…  Do jogo, propriamente dito, não podemos falar muita coisa, porque a atuação do juiz foi tão determinante, tão preponderante, que teria sido impossível que o resultado fosse o empate, caso um juiz honesto arbitrasse a partida. E ele tinha um companheiro de “trabalho”: o bandeira Marcelo Van Gasse.

Ontem, ficou muito claro, que bambis e gambás (até agora, já são 10 pontos no apito, para o time da Marginal sem nº) sempre terão seu gols ilegais validados, e o Palmeiras, por sua vez, pode fazer duzentos deles que a arbitragem seguirá a regra à risca e anulará todos!

Início de jogo e, até os 15 minutos, mais ou menos, os gambás tiveram o domínio das ações, uma vez que o Palmeiras, bem postado na defesa, começara o jogo muito recuado. Aos 4′, Deola espalmou uma bola de Bruno César; aos 16′, Lincoln, após jogada linda de Kleber, mandou pro fundo das redes, mas o juiz assinalou, corretamente, o impedimento. O Palmeiras começou a sair mais nos contra-ataques. O juiz já mostrava a que tinha vindo, deixando de marcar algumas faltas pro Palmeiras e, fazendo que não via, as que os nossos jogadores sofriam.  Aos 21′, o Palmeiras deu um vacilo e a senha para o juiz “trabalhar”. Num impedimento claríssimo (juiz e bandeira “não viram” que o jogador alvinegro estava mais de 1 metro à frente, porque não quiseram), os gambás marcaram, com Jorge Henrique. O Palmeiras então foi prá cima e começou a dominar a partida. Aos 34′, Danilo levantou para Kleber, na área. O Gladiador mandou de cabeça e Júlio Cesar espalmou, no rebote, Edinho enfiou na rede! GOL MUITO MAIS DO QUE MERECIDO DO PALMEIRAS!! A Que Canta e Vibra explodiu!! Era de arrepiar! Time e torcida “foram prá cima” buscar a virada. Nossos jogadores só eram parados na falta, mas os gambás tratavam de retardar todas as nossas cobranças, ficando em cima da bola. Isso é passível de amarelo, seu juiz! Tá na regra! Mas que regra, quando o árbitro é Paulo César de Oliveira (aquele mesmo juiz, que viu Adriano fazer um gol de mão e ainda assim validou, lembram?) ??

Lincoln procurava  os espaços, Márcio Araújo, com uma baita vontade, fazia uma partidaça! Ewerthon se movimentava bem, ao lado de Kleber (POR QUE NÃO MARCAM AS FALTAS QUE ELE SOFRE?) e era o Gladiador, sozinho, quem ia destruindo a defesa dos gambás. Chicão e o Alessandro, abriram as caixas de ferramentas e só paravam Kleber na porrada, mas o juiz estava ali ‘a trabalho’, não é mesmo? E “trabalhava tão bem” que já tinha deixado de ver um penalti claríssimo, cometido em Ewerthon.  O time alvinegro jogava com 13 homens… Dois deles, os que usavam amarelo, eram decisivos.

O Palmeiras no abafa, mas o juiz era adversário e, por isso mesmo, Chicão (que já tinha levado amarelo) aproveitou e deu mais um pontapé em Kleber. O árbitro assinalou a falta, mas cartão vermelho que é bom…  Paulo César Oliveira ‘afinou’ para não ter que expulsar Chicão. “Trabalhava” direitinho, mas tão direitinho que, no último lance da primeira etapa, a falta a favor do Palmeiras nem foi cobrada porque o minuto que ele havia dado como acréscimo, foi gasto com os gambás tentando nos impedir de cobrá-la. Nas arquibancadas o torcedor palmeirense, nervoso e enfurecido, não podia acreditar que mais uma vez esse juiz fabricava um resultado desfavorável ao Palmeiras.!!

Na segunda etapa o Verdão voltou como terminou a primeira, em cima dos gambás!!Com velocidade, o ataque palmeirense azucrinava os violentos zagueiros adversários  Aos 3′, em cobrança de falta de Lincoln, Ewerthon marcou o segundo gol do Palmeiras, mas o juiz assinalou impedimento. Em seguida, Kleber quase faz o dele. O Palmeiras perdia alguns gols, o jogo era truncado e cheio de entradas duras, com total consentimento de Paulo César Oliveira. Kleber que o diga! E o juiz abusava do direito de nos prejudicar. Uma falta cometida por Pierre (eu achei que nem falta foi), o árbitro marcou “no grito” dos jogadores corintianos, e amarelou o Guerreiro. SE ELE NÃO TINHA DADO A FALTA, NA HORA QUE ACONTECEU, E SÓ MARCOU DEPOIS, NO GRITO, COMO É QUE PODE DAR CARTÃO AMARELO PARA PIERRE?

Felipão sacou Lincoln e colocou Tinga no time. Mas o jogo continuava do mesmo jeito; várias oportunidades para o Verdão, poucas para os gambás e o juiz “jogando” muito!! Paulo César Oliveira, que permitiu o jogo todo, que nossas cobranças de faltas fossem retardadas de todas as maneiras possíveis e, depois deu amarelo para Armero porque ele teria se adiantado, numa cobrançados gambás. Que cara-de-pau!  Ele, que deixou de marcar mais um pênalti claro, desta vez em cima de Kleber;  fez que não viu Jorge Henrique (numa disputa de bola que já tinha saído em lateral) empurrar Armero, propositalmente, prá cima do banco de reservas do Palmeiras. Como jogar assim? Felipão ainda colocou Patric, aos 42′, mas o jogo terminou mesmo empatado. Que raiva! Se querem coibir a violência nos estádios, precisam começar a dar um jeito nessa roubalheira toda! Paulo César Oliveira conseguiu, mais uma vez, impedir o Palmeiras de vencer. E o torcedor palestrino pagou ingresso para ser assaltado…

Vejam se eu não tenho razão…